Quantcast
PplWare Mobile

Tags: exoplanetas

Mundos aquáticos alienígenas com oceanos 500 vezes mais profundos que os da Terra

Os astrónomos disseram em dezembro de 2022 que identificaram os primeiros mundos aquáticos verdadeiros, ao contrário de qualquer outro no nosso sistema solar. Estes exoplanetas são ambos ligeiramente maiores do que a Terra. No entanto, a sua densidade situa-se entre a de um mundo rochoso como o nosso, e os planetas exteriores do nosso sistema solar, que são gaseificados.

A comunidade científica acredita que estes mundos devem ter oceanos globais pelo menos 500 vezes mais profundos do que a profundidade média dos oceanos da Terra, que, pelo contrário, chamavam simplesmente um folheado húmido numa bola rochosa.

Ilustração de planetas oceânicos


Há planetas “desaparecidos” na nossa galáxia e estamos mais perto de saber a razão

Este ano foi atualizada a lista de exoplanetas descobertos pela humanidade e este número excede agora 5.000. Além disso, existem ainda cerca de 9 mil candidatos que ainda não foi possível confirmar. Contudo, o tamanho dos exoplanetas encontrados sugere uma “lacuna”. Há planetas de um certo tamanho que mal conseguimos encontrar. Então, onde estão os planetas do tamanho da Terra?

Foi apresentado um novo modelo para a evolução dos planetas que possivelmente terá a respostas a esta pergunta que intrigou os astrónomos.


Cientistas encontraram nova forma de detetar mundos alienígenas no universo

Com poderosos telescópios, conseguimos descobrir milhares de exoplanetas nos últimos anos. A maioria destes mundos foram encontrados através do método de trânsito, onde um telescópio ótico mede o brilho de uma estrela ao longo do tempo. Se a estrela mergulhar muito ligeiramente no brilho, pode indicar que um planeta passou à sua frente, bloqueando alguma da luz.

O método de trânsito é limitado e agora poderá ser substituído pelo uso de radiotelescópios.

imagem ilustração de procura de mundos alienígenas


NASA revela novo plano para detetar sinais de vida em planetas distantes

É trabalho da NASA investigar o que está à volta, mas também para lá da Terra, a distâncias que nos parecem inconcebíveis. Agora, a agência espacial americana revelou um ambicioso plano para detetar sinais de vida em planetas distantes.

O projeto foi apresentado por uma equipa e apoiado pelo Institute for Advanced Concepts da NASA.

Espaço


Astrónomos descobriram 2 superterras em órbita de uma estrela próxima

Haveremos de encontrar um planeta que possa albergar vida, se não a tiver já. Bom, esta é uma esperança, apesar de não haver nada que nos diga que isso é possível. Contudo, os astrónomos continuam na sua senda de descobertas. Desta vez foram encontrados dois novos mundos, duas superterras de provável abundância mineral rochosa. Estes planetas foram encontrados em órbita de uma estrela próxima do nosso próprio bairro cósmico.

Os dois exoplanetas recentemente descobertos são maiores que a Terra, mas menores que um gigante do gelo. Eles orbitam orbitando uma estrela anã vermelha fresca.

Ilustração de duas superterras descobertas pelo TESS