Quantcast
PplWare Mobile

Tags: direitos de autor

YouTube poderá amenizar as regras em torno da música protegida com direitos de autor

Se é ou acompanha criadores de conteúdo no YouTube, sabe que a plataforma é, desde sempre, implacável na defesa dos direitos de autor das músicas utilizadas nos vídeos. No entanto, esta rigidez poderá vir a ser amenizada, e já há utilizadores a testar.

Além de usarem as músicas, os criadores poderão vir a ganhar dinheiro por incluí-las nos seus vídeos.


Telegram encerra 11 canais de partilha de jornais e revistas em Portugal

Os canais de partilha de notícias de jornais e revistas são muito populares no Telegram e também no WhatsApp. Esta prática, no entanto, é ilegal e viola os direitos autorais. Segundo dados recentes, os meios de comunicação social nacionais registaram perdas potenciais superiores a 3,5 milhões de euros/mês devido a estas práticas.

Agora, o Telegram, depois da pressão ao Governo, o Telegram encerra 11 canais.

Telegram encerra 11 canais de partilha de jornais e revistas que violavam direitos autorais


Nintendo consegue bloquear 1.300 vídeos do YouTube com bandas sonoras dos seus jogos

A Nintendo leva muito a sério a proteção dos direitos de autor, nem que para isso faça um autêntico braço de ferro com entidades poderosas do mundo digital.

Neste sentido, agora a empresa japonesa conseguiu que o YouTube bloqueasse 1.300 vídeos que continham músicas das bandas sonoras dos seus jogos.


Netflix e estúdios de cinema de Hollywood veem o Telegram e IPTV como ameaças

A Netflix veio trazer uma lufada de ar fresco para todos aqueles que gostam de filmes, séries e documentários interessantes. Para além disso, os utilizadores que recorriam à pirataria viram também na plataforma de streaming uma alternativa viável para continuarem a aceder aos conteúdos pretendidos, mas de uma forma legal.

No entanto, recentemente, a MPA, associação que representa a Netflix e os grandes estúdios de Hollywood, referiu que serviços como o Telegram, Baidu e IPTV pirata são ameaças.


YouTube vai atacar violações de direitos de autor de forma mais célere

A criação de vídeos para as plataformas digitais é hoje um negócio muito rentável, não só para quem trabalha exclusivamente nas plataformas, mas também para empresas que querem levar os seus produtos a mais clientes. Um dos problemas prende-se ainda com as violações de direitos de autor, seja de imagens ou de músicas. No YouTube já existe uma máquina avançada para deteção destas infrações, mas será ainda melhor e numa fase mais precoce.

Saiba o que está a ser desenvolvido.