PplWare Mobile

MEIZU Zero, eis o primeiro smartphone do mundo sem botões… ou portas!


Artigo escrito por Rui Bacelar para o Pplware

Destaques PPLWARE

  1. Realista says:

    O meu Samsung S7 tem audiojack e IP68…
    Já este sem botões não consegue chegar aos 3 metros de profundidade = Falhanço.

    • Just Saying says:

      este tem o mesmo IP68, que significa resistência num mínimo de 1 metro até 30 metros. Se calhar antes de apontar as falhas dos outros devia tentar não as cometer primeiro 😉

      • Realista says:

        Falta-lhe dois zeros 300 “metros”.
        Pronto, já valida a minha frase e continua a ser um falhanço…

        • Jorge Ribeiro says:

          Mostra factos nisso.
          O dobravel da samsung tambem nao sera um flop… Claro que nao
          Pelo preço que apresentam, sem contar com a qualidade de montagem…. Isso sim cheira me a falhanço

          • Realista says:

            Qualquer telefone sem Audio Jack é um falhanço.

          • joao says:

            52019 ainda choram o jack. estes aparelhos nao é para “estudantes” com 100 euros na carteira. um aparelho de +500 euros é considerado um luxo (um de 200 faz o mesmo e faz muito bem), logo nao ter um jack faz todo sentido pq parte do principio que quem pode dar +500 tambem pode dar 100 por uns phones bluetooth e nao daqueles de 1 euros que vem no alpha pendular. quem gosta de musica e tem phones com fio de +300 euros (como eu) nao ouve no telemovel e nao….

          • Realista says:

            Mas que analogia sem nexo, isto porque:

            Ponto 1 não se trata de classes sociais nem de posses financeiras, aliás são as classes mais baixas que costumam comprar os telefones de gama alta o que desde logo contraria a tua tese.

            Ponto 2 “parte do principio” ?! Quem gosta de áudio como dizes prefere a qualidade do audio jack já que transmite o som com mais qualidade.

            Ponto 3: Uns headphones com fios tem uma longevidade muito, mas mesmo muito superior aos de Bluetooth que operam a bateria e todos sabemos que as baterias tem um limite de vida.

            Ponto 4: Não necessitam de tempo de espera para recarregar a bateria. Para além de permitir carregar, manusear e transmitir áudio do aparelho.

            Ponto 5: Ter uma porta 3,5mm não inviabiliza que não se possa usar o bluetooth.

            Ponto 6: Quem gosta de áudio gosta onde bem lhe apetecer. Não é junto de uma tomada à espera que carrega a bateria. Isto é mais um esquema das companhias para forçar os consumidores a desembolsar por um aparelho que não faz falta.

        • Mansell says:

          Um telemóvel com resistencia à imersão até 300m?!
          Não me parece… Até para os relógios não é fácil.

          • Chapeleiro says:

            Estão baralhados. IP68 corresponde até 1,5m e 30 minutos de molho 😉

          • Realista says:

            @Chapeleiro, mesmo o IP68 não significa 30 minutos, os testes podem durar até 30 minutos mas não divulgam o tempo que consegue aguentar.

          • Chapeleiro says:

            @Realista, eu sei disso. A certificação serve para definir o valor que deve resistir, o que não quer dizer que não resista muito mais.

    • Jorge Ribeiro says:

      Isto é a pensar no mercado futurista dos smartphones. Isto sim é o futuro e não os “dobraveis”.
      Tantos smartphones a sair e nenhum tem eSim! Uma tecnologia que já nem em testes está e sim pronta a usar!
      Sem contar que é uma excelente inovação a remoção dos botoes totais. Tem as suas contrapartidas e não são poucas…. Mas tudo o tem.

      E não tem um ponto ali a fazer de camara ou dupla camara no canto do display…
      É um conceito muito bem pensado que com mais algumas alterações ficará mais do que pronto para se comprar

    • Nuno says:

      Wireless Headphones ou earbuds, telemóvel do futuro conta com periféricos do “futuro”

  2. Ze says:

    Isto para fazer recovery deve ser bonito deve…

  3. Filipee says:

    Como funciona a ‘(…) podemos também encontrar uma conexão USB, sem fios, (…)”?

    • Rui Bacelar says:

      A única pista que temos, de momento, é o seu vídeo de apresentação.

    • Bruno Martins says:

      A questão hoje em dia é, para que se usa o USB no smartphone para alem de ser a porta de carga?
      Temos tudo na cloud, conseguimos transferir ficheiros por WIFI ou bluetooth entre os diferentes dispositivos e dificilmente temos vontade de andar a ligar cabos ao pc.
      O Essential Phone tem uma tecnologia wifi para ligar dispositivos compativeis até 6GB/S. Provavelmente este Smartphone terá esta ou uma tecnologia parecida associada a uma base com uma porta USB que na minha opinião para a generalidade dos utilizadores vai ficar na caixa. Só Falta excluir o buraco do microfone para o smartphone ser verdadeiramente à prova de agua e com poucas probabilidades de avariar se for submerso.

  4. Chapeleiro says:

    Realmente radical, ao ponto de ser inútil para a esmagadora maioria das pessoas. Por muito que seja tentador, só será possível activar um cartão esim numa dúzia de países.

    • Rui Bacelar says:

      Verdade.

    • joao says:

      no fundo esta a forcar o mercado a adoptar o esim. a vivo que é a marca mais prestigio a nivel de inovacao na china tambem lancou hoje um parecido.
      provavelmente este ano ou pro ano mais paises vao adoptar o esim. eu comprava na boa o da vivo se a camera for boa. da meizu nem por isso. pro ano temos um da samsung da sony e da lg…e da one plus da asus e afins.

      • Chapeleiro says:

        Desculpa mas não concordo. Quem está a forçar a tecnologia é a Apple com os XS e o XR, que juntos deverão vender mais de 100 milhões durante o este ano fiscal. Este Meizu assim como os Pixel infelizmente nem mexem com o mercado.
        Mas sim, acredito que 2019 será o ano da expansão do esim.

  5. Joao says:

    Deves pensar que o mundo vive a volta da apple. A samsung e google ja tinham lancado produtos com esims antes da apple e a regra é cada vez mais empresas adoptarem. A apple foi uma delas….esta em 3 na venda de telemoveis…este ano se ficar em 4 vai ficar feliz. A moda dos ecras sem bordas, comecaram nos androids…sem botoes fisicos foi a htc no ano passado com o 12+. Sem nenhum “buraco” foi agora o vivo apex 2019. O meizu foi o primeiro a ser oficializado por um dia…marketing de desespero de uma companhia em expressao, ja a vivo pertence a BBK que tambem é dona da one plus e oppo. Se kizerem impingir o esim conseguem na boa. Nao precisam da apple para nada. Se a apple ajuda a aumentar o interesse pelo esim por empresas que so copiam o que a apple faz? Acredito,, pelo que vi na moda dos notches mesmo quando as pessoas o detestavam as empresas seguiram esse caminho na mesma…a xiaomi, a vivo e mais algumas inovaram e lancaram produtos que desafiaram a tendencia do mercado e a meu ver com sucesso…seram eles a ditar o futuro design dos aparelhos. A samsung disparou para todos os lados a ver o que cola. Notch, sem e com black holes…

    • Chapeleiro says:

      A Google tinha lançado os pixel com esim e a Samsung o smartwatch com esim. Qual foi o resultado? Ah a Google lançou o serviço de esim para que quem comprasse o pixel pudesse dizer que se podia usar.
      O mundo não gira à volta da Apple mas não podes negar que neste momento é quem está a impulsionar o esim no mundo. Se fores ao fóruns das operadoras podes constatar que as pessoas pedem o esim e não é por terem comprado um pixel ou um Samsung Gear.

  6. Pedro says:

    Caso perca o suporte da marca em questões de actualizações, o desbloqueio do bootloader e flashar uma recovery e ROM, está fora de questão?

    Cumprimentos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.