PplWare Mobile

O Tesla mais usado do mundo tem mais de 900.000 quilómetros e está na Alemanha


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. Miguel says:

    Tenho um tio com um ford fiesta que aquilo já tem 1.600.000 e tem 25 anos aquilo sim é sempre a somar 😀

  2. Tiago says:

    E o preço de troca de bateria? O carregador foi ao abrigo da garantia, mas a bateria não.

    • IonFan says:

      As baterias têm 8 anos de garantia com kms ilimitados. Logo a bateria foi trocada ao abrigo da garantia. Não conheço esta situação em particular, mais as situações de troca de bateria nestes carros costumam ser por defeitos, não por degradação (embora existam casos em que os defeitos estavam a causar degradação precoce).

    • Carlos Silva says:

      A bateria tem 8 anos de garantia, o primeiro Tesla Model S nasceu em Junho de 2012, façam as contas!

    • Miguel says:

      É ao abrigo da garantia, têm 8 anos com quilómetros ilimitados.

  3. Zee says:

    Dado que já trocou a bateria, acho que podemos comparar este carro a um outro carro com 1 milhão de km que já trocou o motor… Não me parece o pináculo da fiabilidade, apesar de 900 mil km ser uma boa marca.

    • ToFerreira says:

      Este carro também tem motor e não foi trocado! Essa comparação é descabida.

    • Carlos Fernandes says:

      Está certo, mas ainda assim é um excelente indicador da fiabilidade dos motores eletricos. Com a evolução das baterias, daqui a uns tempos nem esse problema da troca se coloca.

    • Pestana says:

      uma boa marca 900 mil km … As pessoas sinceramente não sabem o que dizem… Pode me dizer qual é o carro a combustão que sem trocar de motor chegou a este quantidade de km.???
      A distancia entre lisboa e Vladivostok é de 13797 km segundo o viamichelin. Isto quer dizer que este carro ja foi quase ao Japão e veio PELO MENOS 32 vezes…. um pouco de bom senso s.f.f.

      • Jorge Carvalho says:

        tantos ….. pergunta aos taxistas mais velhos.
        Agora embraiagens já é outra historia.

        Abc

      • Cortano says:

        A Mercedes tem a tendência para comprar mercedes Taxi com mais de 1 milhão de kms com o mesmo motor – depois mete-os no museu (está lá um do Porto que acho que estava com cerca de 2 milhões).

        E estamos a falar de taxis, carros que andam maioritariamente em circuito citadino.

      • Sandro says:

        Vai maze treinar os minis do vcs um Mercedes chega a fazer 1000000km sem problemas no motor

      • Jorge says:

        Toyota BJ 40 com motor 3.4diesel tem no momento 2milhoes de KMS percorridos só levou uma bomba de água e uma revisão no motor de arranque e alternador e claro muda de óleos e travões!!

      • Já Foste says:

        Quantos mercedes volvos e outros que tais conseguiram.

  4. Woot! says:

    So falta mesmo melhorarem a qualidade do interior e os materiais usados que infelizmente ainda são péssimos.

  5. ToFerreira says:

    Fico fascinado com aquilo que uma empresa nova no mercado automóvel conseguiu.

  6. paulo says:

    O preço da bateria vale pelo carro

    • Tripalarga says:

      Tendo em conta q é um carro gourmet era de esperar e quem dá 100000€ por ele certo não se irá importar de meter mais 10000€ a cada 500000km visto q de manutenção não há muito mais a fazer…

  7. zorro says:

    O pestana, abre a pestana

    quanto carros com mais de 1.000.000 de kms queres que te mostre?

    • Ruben says:

      Sem reparações regulares não teras muitos. Repara q a pessoa não gastou praticamente mais nada extra. Num de combustão se turbo entre 300 mil e 400 mil e ja com sorte ja estas a trocar tudo e mais alguma coisa. Sem falar nas prestacoea deste carro . isto nao é um mercedes anos 80 a andar

  8. Realista says:

    O Model 3 saiu em 2017.

    Desta forma temos:
    1) 01/2017 a 01/07/2019 são 909 dias.

    2) 900.000km / 909 dias = 990km/dia

    3) Assumindo que viaja a 120Km/h demora nada mais nada menos que 8 horas ao volante.

    E isto assumindo que recebeu o carro em Janeiro mas se for por exemplo em Julho 2017 (são 728 dias) o que corresponde a 1230km/dia o que demora nada mais nada menos do que 10 horas ao volante com uma velocidade constante de 120Km/h…

    • Realista says:

      NOTA: Não é o model 3 mas o model S…

    • Cortano says:

      Ele tem o carro a rodar em cima de rolos, tipo treino de bicicleta.

    • Raminhos says:

      Lamento teres estado a fazer contas para nada.
      Se tivesses perdido tempo a ler com atenção, a notícia diz “O seu Tesla Model S P85+ ” não diz Model 3.
      O model S em questão foi lançado em junho de 2012, pelo mesmo considerando só de janeiro 2013, terás de adicionar mais 1461 dias o que dá (2370 dias, ou seja 900.000/2370 = 417km/dia) o que dá 3h25 ao volante, se trabalhares a 200km de casa (como acontece muito na Alemanha), basta ires de manha e regressares à noite a casa e fazes esses kilometros.
      Cerca de 1h40 para cada lado.
      Juntas a isso o conforto, que não tens por exempo em transportes publicos e que todos os dias pessoas fazem viagens para o trabalho com essa duraçao.
      Se no trabalho tiveres postos de carregamento gratuito e tambem carregar em casa, 400km não sai a mais de 10€, o que é muito mais barato do que alugar uma casa na alemanha ou um quarto de hotel. Por isso a pessoa prefere vir a casa apesar da distancia.

      • Cortano says:

        200km de distância não andas no comboio suburbano.
        Os transportes publicos na Alemanhã são bem mais confortáveis que os de cá.

        A questão do conforto é bem relativa. Num comboio podes ir a dormir, a ler, a jogar, a ouvir musica descansado, a trabalhar, etc.
        No carro… ahem… conduzes.

        • Raminhos says:

          Primeiro, Ninguem falou em suburbano ou qualquer outro.
          Segundo falei em viagens na alemanha que a realidade das distancias são muito diferentes daqui.
          Terceiro só falei em viagens em portugal comparando o tempo e não a distância
          Quarto, no caso dos teslas se calhar não conduzes (já ouviste falar em autopilot – eu não gosto nem confio – mas há pessoas que conduzem assim. podem não dormir, mas podem ouvir musica descansados, alguns até leem (não deviam)

        • Oli says:

          Teslas tem autopilot.

        • Cortano says:

          Resposta a ambos:
          Com autopilot tens de ir na mesma com atenção à estrada – não podes dormir, não podes jogar, não podes ler… basicamente, só não levas as mãos no volante.

          “every time that Autopilot is engaged, the car reminds the driver to ‘Always keep your hands on the wheel. Be prepared to take over at any time.’ The system also makes frequent checks to ensure that the driver’s hands remain on the wheel and provides visual and audible alerts if hands-on is not detected. It then gradually slows down the car until hands-on is detected again.”

          Portanto… querem mesmo comparar em ires numa viagem de comboio estendido e a dormir com ires no carro mesmo com “autopilot”?

      • Almeida says:

        Não se esqueçam que la existem autoestradas sem limite de velocidade logo não se podem regular por 120km/h

    • Alvaro Campos says:

      os 900 mil KM foram feitos com um Model S e não com o Model 3
      o Model S foi lançado em 2012

    • Raminhos says:

      Eu tenho um eletrico (pequeno é verdade), ando cerca de 800-1000km por semana. Se carregasse sempre em casa à noite, gastaria de cerca de 7-9€ por semana, mas como tenho posto gratuito junto do trabalho, devo gastar em eletricidade (aos fins de semana) cerca de 2€
      e é verdade, o meu carrito tem 1 ano e já fez 38000km

  9. Carlos Gonçalves says:

    Tudo de ficar de boca em espanto até chegar àquela parte do texto em somos informados que as baterias já foram trocadas… Ou seja, na “manutenção”, só em baterias gastou-se 80% do custo do carro… 🙂

  10. Carlos Gonçalves says:

    Tudo de ficar de boca em espanto até chegar àquela parte do texto em somos informados que as baterias já foram trocadas… Ou seja, na “manutenção”, só em baterias gastou-se 80% do custo do carro… 🙂

    • José Carlos da Silva says:

      As baterias foram trocadas em garantia, tal como indica o texto. E certamente as baterias não custam 80 mil euros (ou mais)!

    • Mapril says:

      As baterias foram trocadas… Só não dizem quantas vezes! Se fizer 200km por carga, são 4500 cargas. As baterias de lítio têm uma vida útil que não irá muito além de 600 cargas…

      • Jorge says:

        Onde é que foi apanhar as 600 cargas ? e que baterias de litio são ?

        O que disse aplica-se a baterias de litio cobalto, que não é o caso, e também quando não usam controle de temperatura nem outros tipo de controle, como os portáteis que só controlam a tensão máxima e mínima, não fazem balanceamento nem gestão de carga.

        O carro 400 a 500 kms por carga, que dá umas 2000 ciclos de carga, nesta altura devem ter uns 10 % de perca, ou seja, o carga ainda conserva 90% da autonomia de novo.

  11. Alcino Major says:

    Melhor de que um eléctrico ou petróleo é mesmo o meu cavalo, não precisa de mudar nada, basta dar erva e água, e o melhor de tudo? Multiplica-se! Basta ter uma égua, tecnologia incrível, inventam cada uma 🙂

  12. veloso domingos says:

    Tanta dúvida. Eu também estou apegado ao meu a gasóleo. No entanto, aos poucos vou cedendo e, mais tarde ou mais cedo também cairei num elétrico como aliás toda a gente. A partir de certa altura os carros a combustão serão proibidos e inviáveis. O caminho já se abriu…

    • Cortano says:

      Todos iremos mudar, seja para electrico ou outro sistema qualquer.
      Nos dias de hoje ainda existem muitos problemas por resolver para tornar o EV uma opção viável para a maior parte das pessoas, p.ex., falta de pontos de carregamento, falta de opções de carregamento para quem mora em prédios/zonas de alta densidade populacional.

      • Jorge Ribeiro says:

        Com o Tesla, o maior problema é mesmo a Tesla e a incapacidade total para lidar com o aumento das vendas, aliado a alguns problemas que até poderia ser normais, de construção.

    • Edson Caixinha says:

      O caminho já se abriu…mas muito em breve vai fechar…e a alternativa não é o elétrico (talvez o hidrogênio).

      Não contesto que face ao Diesel/gasolina aparentemente é mais rentável, mas outras contas se impõem que não as pretendem mostrar:

      – produção CO (O carro para andar não produz mas a energia que utiliza não nasce das árvores ) sim e podem falar nas renováveis mas vejam o ratio.

      -lítio (até quando vamos conseguir garantir este material)

      -já agora no fim da vida é preciso tratar do resíduo, e aqui o carro convencional é quase 100% reciclável já os elétricos vão deixar a desejar nomeadamente nas baterias.

      Em suma….estamos a antecipar o esgotamento dos combustíveis fósseis e já se procura alternativas de recursos (se todas o veículos a circular em todo o mundo fossem elétricos, garanto que seria o colapso total, este tipo de veiculo serve única e exclusivamente como outra forma de mobilidade e jamais será o substituto do convencional).

      • jorge says:

        Nem o gasóleo nasce na bomba como muita gente pensa.

        Tem aqui a resposta a muitas das suas duvidas.

        https://m.youtube.com/watch?v=m3W7w5ry9HM

      • Paulo L says:

        Eu fico parvo com a grande parte dos comentários quer dos que são contra os eléctricos que se baseiam em mitos urbanos quer dos que dizem ter eléctricos e só fazem as contas que lhes interessam, mas o teu comentário mostra um total desconhecimento sobre a matéria.

        Enfim, como o Jorge te disse o combustível não nasce na bomba ao lado de casa.

        Também te posso adiantar, que a menos que mudem a política, a curto prazo vai substituir os convencionais, pelo simples facto de que os países estão já a anunciar o fim das vendas dos carros a combustível, muitos deles na próxima década, daqui a 5 anos quem comprar um típico convencional está lixado porque o carro desvalorizou assim que se assinou o cheque
        Os smarts já vão deixar de ser fabricados com motor de combustão, só mesmo eléctricos.

        E finalmente, os custos de distribuição e o investimento no hidrogénio simplesmente faz com que não seja viável na indústria automóvel em relação ao eléctrico, mas pode vir a ser um “major player” na indústria marítima e aérea.

        Tenta ler e aprender um pouco sobre a matéria, o link que o Jorge te deixou é um bom começo.
        Mas não percas muito tempo porque vais estar a conduzir um eléctrico mais cedo do que possas pensar, e sinceramente, quando experimentares não vais querer outra coisa, o silêncio, conforto e estabilidade são impressionantes.
        Só falta o governo melhorar as estradas 🙂

      • DWz says:

        o que dizes não faz nenhum sentido.

        1 – Existe lítio actual para fazer baterias para mais de 1 bilião de carros (ou seja, todos os carros actualmente na estrada no mundo inteiro), visto que o lítio representa menos de 3% do material na bateria.

        2 – no fim de vida no automóvel, as baterias podem e são recicladas ou reutilizadas em powerpacks, para audar a rede elétrica.

        3 – mesmo que a produção de energia seja 100% de carvão (que é o combustivel mais poluente), um carro elétrico polui menos que um a combustão, visto que as centrais elétricas são muito mais eficientes a transformar o combustível em energia que o motor do carro é a transformar em movimento. E melhor ainda, cá em Portugal, por exemplo, mais de metade da energia já vem de fontes renováveis, logo a diferença ainda é maior.
        Mesmo com a poluição extra na produção da bateria, com a produção de energia em Portugal, um carro elétrico compensa, em termos de poluição, em menos de um ano.

        Vê, este vídeo explica bem: https://www.youtube.com/watch?v=6RhtiPefVzM

  13. João Coelho says:

    Estamos perante uma empresa que não se nega a usar de qualquer estratagema para alcançar os seus objetivos! Sejamos racionais e coerentes na análise! Considero de muito difícil a veracidade do conteúdo desta notícia!

  14. Jorge Ribeiro says:

    Sem dúvida que a Tesla criou um novo conceito automóvel, falo por experiência própria porque tenho um Model 3. O problema é que ao contrário generalidade dos comentário que vejo, principalmente na imprensa, nem tudo é bom, diria mesmo que quase tudo é mau. Para se ter um Tesla é preciso ser muito crente e rezar todos os dias para não ter problemas. A construção do carro está longe do nível que se espera de um carro de mais de 60.000€, falhas de principiante, mas pior é a não assistência. Classificar como péssima é ser amigo, a minha experiência é má demais para parecer verdadeira é verdadeiramente inacreditável, mesmo dando o desconto de marca recente, a incompetência tem limites.

  15. Mapril says:

    As baterias foram trocadas… Só não dizem quantas vezes! Se fizer 200km por carga, são 4500 cargas. As baterias de lítio têm uma vida útil que não irá muito além de 600 cargas…

    • Jorge says:

      Onde é que foi apanhar as 600 cargas ? e que baterias de lítio são ?

      O que disse aplica-se a baterias de lítio cobalto, que não é o caso, e também quando não usam controle de temperatura nem outros tipo de controle, como os portáteis que só controlam a tensão máxima e mínima, não fazem balanceamento nem gestão de carga.

      O carro 400 a 500 kms por carga, que dá umas 2000 ciclos de carga, nesta altura devem ter uns 10 % de perca, ou seja, o carga ainda conserva 90% da autonomia de novo.

      Existem dezenas de tipos de baterias, estas são NMC, chamam lítio porque também levam litio, na verdade é que o menos levam, menos de 3%.

    • José Leitão says:

      Sr Jorge Ribeiro o seu comentário deixa-me muito intrigado. Há quanto tempo tem o seu Model 3 que só chegou a Portugal há 3 meses, para tão má experiência? Eu comprei um Model 3 também e estou maravilhado com as prestações, consumos, conforto, segurança. A qualidade de construção melhorou muito em relação ao Model S. Todos os que conduzem Model 3 que conheço sentem um gozo enorme em viajar nele que é difícil de perceber por quem nunca experimentou. O seu comentário cheira a fake news

      • Jorge Ribeiro says:

        Boa noite.,

        Tenho o model 3 desde 23 de Abril. Borrachas das portas mal colocadas, banco do condutor riscado no plástico das costas, farol da frente lado esquerdo descaiu e está desalinhado e chassis com falha de pintura são os problemas. Junte-lhe ausencia de respostas em tempo útil, misture com ainda não ter documentos do carro e não saber quando vou ter as reparações feitas bem quando vou ter documento. É pulvilhe com o ridículo de o carro ter sido comprado em leasing e ainda não estar pago porque a Tesla só ontem conseguiu emitir a fatura. Vou perder incentivo fiscal no mínimo e rezo para não ter nenhum problema porque com este nível de serviço estou desgraçado.

        • Paulo L says:

          Estava quase convencido que tinhas realmente o Tesla, mas leasing e incentivos fiscais deitaram tudo a perder.
          Em leasing ou renting, o carro não é teu, logo não podes usufruir do incentivo, a factura não vai em teu nome.

          Mas a sério, estavas quase lá.

          • Jorge Ribeiro says:

            Não tenho que convencer ninguém, mas sempre posso aconselhar a obteres informação e confirmares que sim, é possível. Tens que carregar na plataforma a fatura do carro e o contrato de leasing.

          • Carlos Silva says:

            Isso é falso, o incentivo não é condicionado pelo financiamento, já compramos vários com incentivo nas empresas em que trabalho.

      • Jorge Ribeiro says:

        Sr José Leitão, abra as portas da frente e olhe para o interior do guarda Lamas. Acha normal um carro de 60000 € ter falhas de pintura?

  16. Edson Caixinha says:

    O caminho já se abriu…mas muito em breve vai fechar…e a alternativa não é o elétrico (talvez o hidrogênio).

    Não contesto que face ao Diesel/gasolina aparentemente é mais rentável, mas outras contas se impõem que não as pretendem mostrar:

    – produção CO (O carro para andar não produz mas a energia que utiliza não nasce das árvores ) sim e podem falar nas renováveis mas vejam o ratio.

    -lítio (até quando vamos conseguir garantir este material)

    -já agora no fim da vida é preciso tratar do resíduo, e aqui o carro convencional é quase 100% reciclável já os elétricos vão deixar a desejar nomeadamente nas baterias.

    Em suma….estamos a antecipar o esgotamento dos combustíveis fósseis e já se procura alternativas de recursos (se todas o veículos a circular em todo o mundo fossem elétricos, garanto que seria o colapso total, este tipo de veiculo serve única e exclusivamente como outra forma de mobilidade e jamais será o substituto do convencional).

  17. Carlos Silva says:

    Os comentários a comparar fumarentos com elétricos são absolutamente absurdos. Os elétricos são incomparavelmente melhores, tendo menos de 20% da quantidade de peças de um fumarento. Caramba, porquê complicar o que já pode ser simples? Por sadismo?!

  18. Carlos Silva says:

    Para os céticos e radicalistas fumarentos, atualmente podem experimentar Teslas de rentacar, já existe uma em Lisboa e no Porto, Watts On Wheels – www. wow.rent

  19. Luís Casalinho says:

    É incrível a dor de cotovelo que vai aqui!! Tugas no seu melhor.

  20. Nuno says:

    Na minha opinião os eléctricos só vingam de duas formas, ou os governos/construtores obrigam ou uniformizam as baterias.
    Uniformizando as baterias e criando infraestruturas de carregamento onde em 2 minutos deixemos a nossa bateria e agarramos outra carregada, pois estar não sei quanto tempo à espera para carregar o carro durante uma viagem longa é ridículo.
    Neste momento os carros eléctricos têm utilidade como segundo carro, para quem tem um trajecto sempre regular para o trabalho e em que a distância não excede autonomia para que seja possível o seu carregamento em casa.
    A minha mota tem 200 km de autonomia e mesmo com a quantidade de postos de combustível que existem basta ir para zonas desconhecidas e já se vai com o coração nas mãos. Quanto mais um eléctrico neste momento.

    • jorge says:

      Eu tenho uma maxi scooter eléctrica com 230 kms de autonomia, só se fizer viagens superiores a isso é que preciso de esperar umas horas para carregar, coisa que até agora nunca me aconteceu, uma das coisas que ganhei foi isso mesmo, tempo perdido com abastecimento, pois eu não preciso de estar a segurar a “mangueira”.

    • Carlos Silva says:

      Não é ridiculo parar em viagens longas, é necessário, por motivos fisiológicos temos que parar pelo menos 15 minutos por cada 2 horas de viagem.

      • João Coelho says:

        Tenho que lhe dizer o seguinte, fica-nos tão bem a retórica das regras, que diariamente embrenhados na nossa vida optamos por ignorar completamente! Mas acha que a esmagadora maioria de todos nós paramos mesmo de duas em duas horas?! Da mesma forma que usamos o telemóvel, entramos em sentido contrário, estacionamos no passeio, viramos á esquerda no contínuo, atravessamos com o vermelho para os peões, etc, etc! Acha mesmo! Enquanto as baterias não garantirem 700/800 km e +/- 15minutos para carga completa, um elétrico só é viável para trajetos casa/trabalho. O resto é conversa e estatuto de quem mostra poder adquirir um produto de perto de cem mil euros para fazer o que um utilitário faz por muitos menos euros!

        • Jorge says:

          É isso, praticamente todos os dias fazemos 500 a mil kms, e claro não temos mais de 10 a 15 minutos parados para isso, dai os carros em Portugal fazerem em média 100 mil por ano. loool

          • João Coelho says:

            Ainda bem que não partilha da mesma opinião! Mas a realidade do mercado é essa e não outra garantidamente! Porém ainda bem que há quem pense diferente, pois dessa forma sentem confiança em adquirir agora, e por essa forma contribuir para o desenvolvimento do que amanhã sim, será seguro investir!

          • Jorge says:

            Exacto, as gasolineiras precisam de si e de outros, não mude, é um favor que faz a quem os tem, como eu..

        • Carlos Silva says:

          Eu trabalho em Portugal e no estrangeiro com o meu carro elétrico. Vou a Barcelona num dia, trabalho no segundo e volto no terceiro, sem constrangimentos. Vou ao Porto, trabalho e volto no mesmo dia. Vou a Loulé, trabalho e volto no mesmo dia. 50 mil km em 14 meses são sinal de que a autonomia de 300km a 130km/h não chegam? Isso é preconceito ou medo? Não fale do que não sabe.

  21. Nuno Anjos says:

    Basta fazer as contas em média em portugal poupa-se uns 150 a 200 euros por mês em combustível ou seja a prestação fica mais barata.
    Mesmo sendo mais caro … pode compensar.
    Se fizerem muitos quilometros ainda melhor as baterias ficam ao abrigo da garantia!

    • João Coelho says:

      Bem bateria ao abrigo da garantia… não me parece!

      • jorge says:

        Então tem de ler um bocado, cada vez mais parece um ignorante a achar que sabe que tudo. Por exemplo no que disse o Nuno Santos, a garantia durante enquanto o carro durar, ou enquanto o contrato de aluguer existir. De salientar que isso não existe na Tesla, mas existe em outras marcas. Na Tesla tem 8 anos e kms ilimitados.

  22. Héctor says:

    Tudo a falar do mesmo,mas ninguém fala do eficiente ao não contaminar para fazer 900.000km isso é o importante.

  23. Vitolas says:

    Comprar carros eléctricos é como pedir facturas com contribuinte.
    São duas modas para ficarem bem vistos e para ficarem com uma falsa consciência de dever cumprido, uma com a desculpa que se preocupam com o planeta e a outra para ajudarem que terceiros não fujam as finanças.
    No entanto se não fosse bem mais económico a nível de manutenção e combustível e,se não tivessem algum beneficio a nível financeiro respectivamente ninguém queria saber nem do planeta e muito menos das finanças.

    • jorge says:

      Exacto, não compre,é um favor que faz a quem os tem.

      • João Coelho says:

        Já sabe que todo o beneficio tem um final feliz, isto apesar de o elétrico não alimentar qualquer tipo de indústria!

        • jorge says:

          Alimenta uma indústria verdadeira e séria, não uma falsa em que mudam componentes altamente tóxicos só porque lhes dá jeito, falo de óleo e filtros entre outros componentes.

    • Carlos Silva says:

      Aí está, os elétricos só têm argumentos positivos, quem fala mal não tem a experiência e mais tarde vai perceber, à força.

      • João Coelho says:

        Não será certamente assim, aliás seguramente não será assim! Embora não saiba do que falo, o preconceito e o medo não são seguramente as razões que obstaculizam a uma maior autonomia e um bem menor tempo de recarga!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.