PplWare Mobile

Tesla Model 3 produz mais CO2 do que um carro a diesel, diz novo estudo alemão


Fonte: CesIfo

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Marco Rua says:

    Este estudo e tão importante como o da reforma encomendado pelo dono do pingo doce. Ainda se vai descobrir como o estudo foi para a frente e encomendado por quem. Estupides……………..

    • Malic X says:

      Tal como essa resposta. Tens alguma prova dessa encomenda? E o estudo disse alguma mentira? Já foste ler o que está escrito no PEC que o “Centino” entregou em Bruxelas? Claro que não. Isso não interessa. Interessa é dizer que o Pingo Doce encomendou um estudo. Enfim. É o que temos.

      • Kamacete says:

        muito bom

      • Paulo L says:

        Provas, não tenho, mas acreditar num estudo feito a contar com a produção das baterias e de energia e comparado com a emissão de um diesel sem pensar no resto, parece muito suspeito.

        Havia um anúncio na televisão portuguesa que perguntava o seguinte ”de onde vem o fiambre?”
        Lembras-te da resposta?

        Pois aqui parece o mesmo, de onde vem o diesel?
        Resposta de estes cientistas, “O diesel nasce espontaneamente debaixo das bombas de combustível”

        Então o impacto de perfurar e extrair o grude? Não conta? Não gera CO2 ?
        E o transporte? Os petroleiros são conhecidos por ter emissões 0!!!
        E o refinamento, não consome energia elétrica á parva…a ponto de as refinarias terem uma central energética própria e dedicada?
        E o transporte depois ate aos pontos de distribuição e até as bombas ? Não são feitos por camiões, também eles conhecidos pelas emissões 0 !!!

        Caramba, façam um estudo honesto e calculem tudo, agora quando se compara um eléctrico e a sua construção tendo em conta a bateria e a produção de energia eléctrica e se esquece que só para se refinar o combustível se gasta mais energia que um conjunto alargado de Teslas !!!
        Pode não um estudo encomendado, mas olha que parece, pelo menos não é imparcial.

        • Joao Ptt says:

          Cada +/- 3 navios que por aí circulam pelo planeta equivalem a todos os veículos motorizados do planeta em produção de poluição… e destes existem uns 20 mil navios!!!! Porquê? Porque para ser barato o transporte utilizam literalmente o pior combustível e que produz uma poluição incrível!

          • Joao Ptt says:

            Por veículos motorizados referia-me a automóveis, camiões, motos, etc. Claro que os barcos também têm motores… mas estava a excluí-los.

          • Tarbo says:

            pois é amigo, navios cargueiros e cruzeiros os piores a nivel de poluição do ar, para não falar na poluição sonora que provoca nos mamiferos que vivem nos oceanos e que estranhamente veem dar a costa em grandes numeros por vezes…

        • says:

          Este argumento é ainda mais completa do que iria dar. Só acrescentava que em vários países a produção de electricidade é feita através de fontes como hidricas solares e heolicas e nesse caso este estudo vem por agua abaixo…

          • Junior says:

            Ótimo por exemplo se aqui no Brasil tivéssemos placas solares espalhadas por toda parte , poderíamos carregar os carros de graça.

        • FRANCISMAR LOPES DE CARVALHO says:

          Muito boa resposta, parabéns.

        • António Capela says:

          Concordo consigo. É muito suspeita este estudo, porque comparam diferentemente o carro eléctrico e o diesel. Se calculam o CO2 de toda a cadeia do carro eléctrico +bateria, também têm de calcular toda a cadeia do CO2 do carro diesel+combustível diesel. As diferenças aí são abismais, em desfavor do carro diesel.

        • Daniel says:

          Muito bem!

        • Filipe says:

          Parabéns pelo seu comentário, não tendo eu nenhum veículo elétrico e nenhum Mercedes, não acrescentaria nada ao seu comentário. Parabéns

        • Cruz says:

          Muito bom comentário!

      • Ricardo says:

        tenho sim, vide: Correcting misinformation about greenhouse gas emissions of electric vehicles: Auke Hoekstra’s response to Damien Ernst’s calculations http://bit.ly/2KW1XhJ. Nele você verá que as hipóteses (antigas e menos desenvolvidas para veículos elétricos) tornam a comparação não adequada (deliberadamente?). Se as hipóteses forem equilibradas a conclusão é justamente a contrária (veículo diesel emite bem mais que o elétrico). ALiás, mesmo mantendo as hipóteses como estão, após uso intenso (> 100.000km) o veículo elétrico volta a emitir menso.

      • LUCAS MEDEIROS DE SOUZA says:

        Vamos considerar também as emissões na construção do carro a diesel.
        Essa pesquisa está muito direcionada para o lado que interessa aos homens do petróleo.

    • Maurício says:

      Lobby das petroleiras contra o carro elétrico. Qualquer porcaria de “estudo” vale para difamar os carros da Tesla.

      • Mary says:

        Mais ridículo ainda é o fato de se comparar o CO2 gerado só na produção (Que tem como melhorar e se tornar mais ecológica) com o CO2 gerado continuamente pela gasolina em um carro normal ao longo de vários anos. Só pela lógica não faz sentido

    • Joao says:

      Sabes qual é o mal é verdade sabes

  2. Malic X says:

    Em dois, três … Os defensores do elétrico já estão a bufar.

    E não esquecer que os novos motores da Mercedes diesel híbrido tem emissões nox quase zero, sim zero, e CO2 ridiculamente baixo.
    E não esquecer que o CO2 é fundamental para a vida. Sem CO2 morremos que nem tordos.
    E por fim. Está coordenando provar que os níveis de CO2 são superiores ao que já tivemos anteriormente. Com os níveis de CO2 atuais as plantas crescem muito mais depressa e podem melhorar a vida de muito boa gente. Mas isso não interessa.

    • ToFerreira says:

      Como é que a vida na Terra sobreviveu tanto tempo sem as emissões de CO2 dos humanos?!

      • Sujeito says:

        Estás a ler mal. Ele não disse que CO2 dos humanos é essencial para a Terra. Ele disse que CO2 é essencial para a Terra e, consequentemente, um bicho muito menor do que se promove. Aliás, com jeitinho, nem é bicho nenhum.

      • Wishmaster says:

        Humanos produzem co2, plantas produzem co2, vulcões produzem co2.

        O co2 mais não é do que um átomo de carbono e dois átomos de oxigénio. A forma como essa molécula se liga com outras e os efeitos dela, é outro assunto.

        Mas a verdade é que em toda a história da Humanidade, só quando o clima foi mais quente é que a Humanidade prosperou. Não queiram viver numa idade do gelo…. Ou meia idade do gelo. É que vós não fazeis ideia do que isso é…. Se a agricultura actualmente luta para dar resposta às nossa necessidades astronómicas de comida, e que recorre a químicos para produzir o máximo no mais reduzido espaço de terra, imaginem um clima frio em que as plantas dificilmente crescerão….
        A verdade é que mais co2 só trará vantagens nesse nível.
        Mas ele controla o clima?? Não…. Não controla. É irrisório… O clima é controlado pelo sol e pelos mares. Reparem que falavam de aquecimento global, mas como a terra já não aquece agora falam em alterações climáticas.
        Procurem centenas de estudos que têm sido feitos sobre o ozono, o sol, os mares, sem esquecer a própria geologia da terra (já que assustam as pessoas por causa da subida dos mares).
        Quando começarem a ler sobre isso, verão que o que nos contam não faz sentido nenhum e podemos dar uma resposta??? Não!!! Porque as variáveis são tantas, mas tantas…. Quem apontar temperaturas poderá fazer como ESTIMATIVA, não como certo de que vamos morrer todos e o futuro dos nossos filhos está em causa.

        Mas a verdade vem ao de cima. Ao longo da História tem sido assim. Só é difícil encarar que estamos a viver uma época em que com tudo o que já passamos e sabemos, um estrito grupo de pessoas continua a manter ciência falsa, como aquela que foi mantida no tempo da Inquisição, que defendia que o Homem era o centro do mundo e Deus e essas farsas todas.

        • Hugo says:

          Antes de comentar pense em informar-se sobre o assunto, nomeadamente na relação causa-efeito do CO2 e efeito de estufa. Já agora pense como eram as primaveras de há 15-20 anos atrás e compare com as atuais e pense em que forma isso vai melhorar a vida na Terra. Mas não se preocupe quando desaparecer a Vida não desaparece apenas as espécies mais adaptadas atualmente, as outras ficam.

          • Z/OS says:

            O que são 15-20 anos no estudo do clima? Há +- 1000 anos atrás, a Gronelandia era verde até que foi invadida pelo gelo. Se voltar a ficar verde não será mais do que uma repetição.

        • Z/OS says:

          Concordo. Esta demagogia à volta da teoria do aquecimento global não mais é do que uma forma de justificar os novos impostos e os que aí virão. E o pessoal fica todo contente porque pagam para resolver os problemas do clima. Estão bem domesticados, qual gado no curral…

          • RC says:

            Com comentários desse nível, tu só podes é já estar doente como consequência dos efeitos do aquecimento anormal da terra.

            A palavra fundamental aqui é “anormal”. Aplica-se ao aquecimento da terra, mas também ao teu comentário.
            Quando chegar o gelo já vais tarde, até lá ainda vais ter de levar com o aumento do nível das águas do mar, entre muitas outros efeitos que os “que estão bem domesticados” já andam a alertar à décadas.
            Claro que os que defendem que o “aquecimento global não é mais do que uma forma de justificar os novos impostos” são detentores de uma inteligência e de uma rebeldia institucional que não há memória. Manter o que está não é ser bem domesticado, é só ser parvo.
            Mas repara que até a isso tens direito. É um direito que te assiste.

          • Hugo says:

            Pois o problema reside ai mesmo… As alterações climáticas normalmente demoram milhares de anos a ser evidentes pois como muitos processos na Terra são lentos mas graduais. O problema é que em pouquíssimo tempo estamos a passar do 8 para o 80. Mas não te preocupes nadinha porque como achas que isto é treta não vais ter problemas, até porque planeta vai continuar cá durante muito mais tempo, tu é que talvez não… Além disso os únicos que vão continuar a poder aguentar todas estás mudanças e que defendem que não existem vão ser os que vão conseguir ficar mais uns tempos, pois são os mesmos que querendo passar a ideia que não conseguimos alterar o clima estão a encher os bolsos com a destruição do planeta e como tal vão continuar a viver bem. Quando tiveres que pagar água a preço de ouro ou tiveres temperaturas acima dos 50 será que és dos que podes pagar para sobreviver ou será que és dos primeiros a embarcar.

      • Andre says:

        Para o carro elétrico eles consideraram o quanto de emissão de CO2 é feita em sua produção ao passo que no carro a combustão interna consideraram somente as suas emissões individuais. Eles deveriam considerar também a emissão de CO2 na produção dos veículos a combustão interna. Com certeza será maior que a dos EV. Estudo tendencioso

    • int3 says:

      Comparar um tesla é o mesmo que comparar “bebé de 1 ano perde num combate de MMA contra o rambo”…
      Mas vá, fica com o teu selected bias. vai te ajudar a tomar sempre más decisões 🙂

    • Koso says:

      Mas o problema é o excesso de CO2 na atmosfera, CO2 a mais que nem toda a vegetação consegue absorver e que prejudica o planeta.

    • jorge says:

      Mas um diesel híbrido tem baterias, portanto é, um poluidor gigantesco. Lol

    • Carlos says:

      Para dizer tantas asneiras só mesmo escondido atrás de alcunha. Prove que “novos ” veículos diesel não poluem nada: coloque sua boca suja no escapamento de um veículo diesel em funcionamento e fique ali 5 minutos enquanto alguém filma. Depois pede para quem filmou colocar esse vídeo aqui. Quero ver o efeito em você. Se ainda estiver vivo vou começar a acreditar em você.

      • Hugo says:

        Bem visto. Assim que se vê se é muito ou pouco poluente.
        Quando chegar a casa vou enfiar uns sacos de plástico na cabeça, que ando a desconfiar que são muito poluentes.

    • Hugo says:

      E em que facto científico se baseia para dizer uma barbaridade dessa. Pense antes de responder… tem visto as árvores a crescer mais do que nas décadas anteriores? Com ideias dessas podemos bem declarar já a extinção da espécie e outras.

    • Tá-se mesmo a ver que é só isso... says:

      Construir um carro eléctrico ou a diesel/gasolina produz emissões. Além das partes mais ou menos comuns, o eléctrico tem a sobrecarga das baterias e da produção de electricidade. Os outros têm baterias (mais pequenas é certo), óleos, e extracção, produção e transporte do combustível. Mais a queima do combustível.

      Os eléctricos actuais podem não ser a solução, mas a gasolina e o diesel são indefensáveis.

      Para os crentes na gasolina e diesel, gostava de saber se queriam fazer um teste: fechem-se uma hora numa garagem com um a trabalhar… mas conscientes de que pode ser a sua última experiência…

    • jorge says:

      Também as centrais térmicas, o processo é igual, gerar calor.

    • Steven says:

      Malic X, estás a dizer que ao lançar CO2 para a atmosfera que estamos a fazer um favor ao planeta?
      Malic X, estás a dizer que os carros elétricos lançam mais CO2?
      Malic X, então não entendo porque é que és contra os carros elétricos.

      Mas para que conste, o aumento do CO2 na atmosfera não está a ajudar as plantas, porque o aumento das temperaturas faz com que percam mais água por transpiração, e por ventura precisam de mais água e nutrientes, e sem água e nutrientes, o CO2 não lhes vale de nada.
      Quantos aos elétricos poluirem mais que os a gasóleo, dado que os motores elétricos são muito mais eficientes que os a combustão (e entre outras coisas), não me acredito muito, mas desconfio de um estudo que é realizado na Alemanha, onde o mercado automóvel é enorme. Há outros estudo que indicam o contrário, em quê que ficamos? Tem que se ver as fontes destes estudos, e fazer outros.

    • NR says:

      Malic não adianta, não há factos suficientes mundo q mudem ideologia cega.

  3. Z/OS says:

    Ah, ah, ah, ah, ah. Os defensores desta tecnologia, desde que não vejam a poluição perto de si, está tudo bem.
    Cada vez que ouço o termo “0% de emissões” sorrio, pois desde o inicio desta onda verde o que vejo são mais impostos justificados pelas “alterações climáticas”, a moda da compra de carros eléctricos, etc, etc.
    Relativamente às alterações climáticas, sempre as houve. A Gronelândia já foi habitada pelos Vikings e mais tarde abandonada por estes quando o gelo a invadiu. Gronelândia é a tradução portuguesa para Greenland, cujo nome indica o que aquilo foi.
    Quanto à moda dos carros eléctricos, como se diz na minha terra: o dinheiro de um tolo não dura muito.

    • Curioso says:

      ÓÓÓÓ Inteligente, diz lá qual é a emissão de um carro eléctrico? Moda dos carros eléctricos dizes tu, então porque é que todas as marcas tem planos de ter carros eléctricos? A VW vai por os primeiros para o ano que vem, mas na tua terra ninguém deve comprar um único, vocês sabem mais do que os outros, e de certeza que não há um único tolo (e nem espelhos) a comprar um carro eléctrico.

      • Z/OS says:

        Na minha terra chamam-te BOT.

      • MMario says:

        Todas as marcas têm planos para fazer devido ao efeito manada.

      • zuck says:

        “qual é a emissão de um carro eléctrico? ”

        A emissão da geração da energia

        • jorge says:

          Então e o gasóleo e gasolina não precisa de ser criado? Também não tem emissões no seu fabrico? Tens a noção de quanta energia eléctrica é gasta para fabricar um litro de gasóleo?

          Entendes agora porque são emissões zero? Porque quando se fala de emissões de veículos a combustão nunca se fala das emissões associadas ao fabrico dos combustíveis e outro, logo é justo dizer que são 0 emissões. Este estudo mostra isso mesmo.

    • Steven Silva says:

      Z/OS é bom que vás ver porque é que greenland se chama greenland. Spoiler alert: aquilo nunca foi “verde”.

    • Steven Silva says:

      Z/OS é bom que vás ver porque é que greenland se chama greenland. Spoiler alert: aquilo nunca foi “verde”.

  4. R!cardo says:

    O estudo alemão deve ter sido encomendado pela VW.

  5. Filipe mota says:

    Estudo de uma economia que sairá muito prejudicada assim que o carro eléctrico dominar o mercado, vale o que vale.

  6. Redin says:

    Considero que um estudo desta natureza roça a estupidez e o ridículo. Então a pegada ecológica não será idêntica na construção de um ou de outro carro? A construção de uma bateria não terá um impacto inferior do que a construção de um motor, óleos, químicos etc?
    O processo que leva à construção dos materiais para a construção dos automóveis a comestível também não consomem energia eléctrica nas fábricas?
    Mesmo que um automóvel elétrico consuma mais na sua construção, ele na sua vida útil com certeza não o fará.

    • alguem por ai says:

      so podes estar a brincar,ou entao nao percebes nada. ja muita gente no passado antes de haver este boom tinha alertado para este facto. que a produçao de um carro eletrico tem mais impacto. Achas mesmo que o numero de baterias de um carro eletrico vs o carro a combustao é igual?e que vai produzir a mesma pegada ecologica?sabes desde quando é que compensa um carro eletrico vs a pegada ecologica que ele emite quadno é contruido? 100mil kms.ou achas que o consumo de eletricidade para carregar os carros quando houver bastantes eletricos tambem nao tem impacto ambiental??

      • Redin says:

        Essa comparação continua a roçar o ridículo. Queres então fazer acreditar que a criação de uma bateria tem o mesmo impacto que o consumo de 10.000 litros de combustível.

      • jorge says:

        Já viram bem a fumarada que emite uma fábrica de baterias vs uma fábrica de cambotas? Tem tudo a ver… a gigafabrica de baterias da tesla já é alimentada por painéis solares.

        • Miguel says:

          A exploração do lítium. A produção de energia elétrica assente nas centrais termoeletricas. O estudo não é assim tão descabido. O hidrogénio é o metano é mais uma solução. Se cairmos no ridiculo de só produzir elétricos, o impacto pode ser bastante negativo. tem que haver alternativas ao litium, e não está fácil, é que o litium é mais raro que o petróleo. A Honda tem um carro a hidrogénio, que resulta.

          • jorge says:

            O hidrogénio vem de onde?

            Se resulta porque não os produzem?

            Sabia que há minas de litio em Portugal que estão abertas a visitantes? Se fosse tão danoso assim acha que abriam ao público?

          • Paulo L says:

            A refinaria de grude consome mais energia de que todo o resto dos processos, o impacto ambiental de extrair o grude e o impacto ambiental do petroleiro que o transporte.
            Da uma olhadela nisto e depois vem cá comentar.

            Como disse o Redin, o estudo é ridículo ao comparar o processo de fabrico das baterias e da energia a carvão e esquecer que só a refinaria consome mais energia que os Teslas juntos.

            Não só é ridículo como é tendencioso

  7. ToFerreira says:

    Não se pode reduzir a questão à quantidade de CO2 produzido. Mais importante que isso são, para mim, os riscos para a saude das particulas emitidas pelos motores de combustão, nomeadamente o potencial cancerigeno. Por outro lado, os motores tradicionais poluem diretamente nos locais onde habitamos, onde trabalhamos, onde vivemos, sem grande controlo, ao contrário dos elétricos que aqui levam grande vantagem. Depois há ainda que ter em conta que a eletricidade pode ser uma energia “totalmente” limpa , 100% renovavel (https://pplware.sapo.pt/informacao/portugal-com-consumo-de-eletricidade-100-renovaveis/). Por fim, ainda me ocorre o facto que a tecnologia de carros elétricos tem ainda muito mais potencial de desenvolvimento que os tradicionais, apesar dos entraves que interessam ás grandes petroliferas. Tendo dito isto, não tenho nenhum elétrico e quando (em breve) trocar de carro tabém não vai ser elétrico (talvez hibrido?), há ainda demasiados contras, talvez daqui a uns anos.

  8. André says:

    Ena pá, para vermos qual dos dois dois carros (neste caso o Tesla 3 e o Mercedes) tem maior produção de C02, basta começar os cálculos pela produção da chapa e do motor de cada veículo, depois a produção dos óleos e demais líquidos dos veículos, depois a produção dos combustíveis (gasóleo e eletricidade), depois a produção de CO2 em movimento, etc, etc…
    Só assim é que se chega a uma conclusão mais real. Tudo bem tens o CO2 para a produção das baterias, mas também tens a produção de CO2 na construção do motor diesel…
    Produzir eletricidade também emite CO2, sim se não for de energias renováveis…
    O mercedes emite reduzidos níveis de CO2, sim correto, mas para produzir o gasóleo emitiu-se X toneladas…

    Isto é um tema complexo…
    Acho que é por aqui que os estudos têm de começar…

  9. jorge antonio says:

    estao todos com muito medo da tesla

    • Carlos says:

      Não é medo . É tentativa de ficar um pouco mais tempo a produzir seus veículos tóxicos movidos a petróleo empurrando para o futuro os investimentos necessários para mudar para produção de elétricos.

  10. fak says:

    isso não é surpresa, já se deduzia à muito, apenas faltava a confirmação de diversas fontes e não só uma…
    quando 1 pessoa te aponta o dedo, pouco ou nada poderá fazer, mas quando são várias já não é bem assim.

  11. int3 says:

    Estudo falacioso (já vi). Não foi publicado num jornal cientifico e recebeu inúmeras criticas. Uma delas é o propósito do estudo é político. Outra é falta de comparações. Tesla model 3 é um carro elétrico de alta gama. E o resto dos carros elétricos? Já foi feito inúmeros estudos, bias-free, peer reviewed, que mostra e consta que o Tesla, principalmente os mais caros, é o que faz mais mal ao ambiente. Mas a longo prazo depende de onde venha a energia. Mesmo se vier 100% de uma central a carvão o S100D demora 17 anos a uma média de 25k km anuais (se não estou em erro). Se vier de 0% em 2 ou 3 anos já compensou todo o CO2 emitido na produção.
    Agora o resto dos carros? Pois bem, um nissan leaf alimentado a energia 100% renovável em 3 meses já compensou o CO2 todo. a 100% não renovável demora 2 anos +-. Por isso estou-me a marimbar para o que vem para aqui a dizer. É só mais um selection bias de uma hipótese que já foi demonstrada errada. Os carros elétricos continuam a ser muito muito melhor para o ambiente, mesmo que não o sejam a curto prazo (ex: produção).

    • João Ferreira says:

      +1

    • João Ferreira says:

      +1

    • Nuno says:

      Era isto que faltava confirmar. Tb estive a ler, li a primeira metade, e eles estão constantemente a fazer constatações e sugestões a cada paragrafo. Dá para perceber que aquilo é para fazer chegar uma mensagem a alguem. Eles quando referem os gastos de CO2 do tesla, estão constamente a dizer que quando não possuem informação dão vantagem ao Tesla. Nunca vi um trabalho, onde as conclusões são tiradas antes de fazer as contas…. eles já estavam a assimir que com as contas deles ia mostrar o ponto de vista deles. E o Ponto aqui não é a Tesla. A ideia era mostrar 1 eletrico Vs 1 Diesel, Na Alemanha! e forçaram demasiado o ponto “não podem dizer que que é zero… tem de haver penalização nos impostos”. Desde quando é que os cientistas o focus principal são os impostos? Alem de só serem 2 carros… Só com o consumo energético da alemanha…muitos dos calculos apareciam “milagrosamente” de outro estudo. como o custo dos trasportes, armazenamento e refinação…que seria 21%…

  12. Carlos says:

    Então não é que se esqueceram de mencionar que extrair petróleo, transformar petróleo, transportar em petroleiros que poluem muito, distribuir combustível em camiões, etc… Também é poluição?
    Pois, tão mas é com medo que se acabe toda a indústria ligada ao motor a combustão porque é o que move em grande parte a Alemanha.
    Alguém encomenda esses estudos para tentar fazer a cabeça às pessoas.

  13. MalicX says:

    Só por curiosidade a Toyota disse e muito bem que todos os construtores perdem com os elétricos. Os consumidores é o que vemos. Qualquer carrito a pilhas é sempre mais caro que o seu equivalente a gasolina.

    A Tesla continua a apresentar prejuízos gigantescos.
    Não é a pilhas que se faz a transformação como é óbvio.
    Como disse noutro artigo, quem encontrar a solução para os carros a pilhas … sem pilhas vai ficar multi milionário

    • Traveller says:

      “Os consumidores é o que vemos” explica lá o que vez sff eu com comparações reais poupo 300 a 350€ por mês no VE em vez de comprar um carro e depois comprar outro carro á Galp compro só um carro.

  14. Paulo says:

    O artigo parece indicar que o estudo toma em consideração o fabrico e o carregamento das baterias como grandes responsáveis por emissões de CO2. Aparentemente ignora a produção dos combustíveis; desde a extração, refinação e transporte. Parece que estas actividades não produzem emissões de CO2… Partem do princípio que as emissões proveem apenas da combustão nos motores dos automóveis. Ou seja do lado dos automóveis eléctricos, quer-se incluir todo o processo de produção (dos motores, baterias, etc) e do lado dos automóveis a diesel/gasolina apenas a emissão de CO2 pelos automóveis….

  15. Gerson Menezes says:

    No Brasil etiquetamos os carros quanto a Eficiência Energética em MJ/km. Como temos Gasolina e Etanol, e agora híbridos que mesclam isso com a eletricidade, que vem de diversas fontes. Então, quanto mais eficiente, menor o imposto.
    Assim premia-se o veículo mais eficiente no uso da energia, não importa de onde venha.

    Em estudos locais já identificamos que o conceito poço à roda, e não tanque à roda, é mais honesto do ponto de vista ambiental. Desta forma, um veículo utilizando etanol tem vantagem em redução de CO2 ao veículo elétrico atual com a matriz energética atual, mesmo tendo muitas hidrelétricas aqui.

    Produtores etanol eficientes também são premiados, mais uma vez reduzindo CO2 na produção do biocombustível.

  16. Thiago Silva says:

    Não é à Alemanha que faz vista grossa para os carros movidos a diesel que alteram os testes de poluentes?
    .
    Não sei se vocês lembram, mas teve montadora condenada no EUA por isso.

  17. Dav says:

    Já alguém pensou que a curto prazo é mais fácil controlar o CO2 emitido pelo fabrico de baterias do que os automóveis a combustão espalhados por todo o lado? As fábricas podem-se adaptar e mudar a tecnologia rapidamente. Agora milhares de automóveis é impossível controlar. Portanto o caminho dos carros eléctricos e a hidrogénio na minha opinião são o caminho certo.

  18. Pedro says:

    Portanto, segundo o estudo a Gasolina e o Gasóleo aparecem magicamente nas bombas sem emitirem qualquer CO2 na extracção do petróleo, no transporte para as refinarias, no processo de refinação (que gasta electricidade e por consequência emite CO2 também) e no transporte para as referidas bombas.

    Tal como a produção de motores a combustão com milhares de peças a vir de dezenas de fornecedores e a produção dos seus óleos também não emitem nada…

    • Wishmaster says:

      Lê o meu comentário mais abaixo e depois aproveita para pegar na calculadora e fazer os cálculos à energia necessária para carregar todos os veículos eléctricos existentes em Portugal (caso fossem todos eléctricos, imagina só, mais de 3 milhões), depois multiplica, vê a capacidade de produção de energia eléctrica em Portugal, renovável e não renovável, e diz-me algo…

      O sector energético tem que evoluir muito para comportar os eléctricos. Até chegarmos a esse ponto óptimo, se é que é possível, iremos passar as passas do Algarve no sector energético. Mas o pessoal rico vai rir-se com os lucros…

      • Paulo L says:

        Se crês que se de um dia ao outro evoluías a ponto de só ter eléctricos, tens de acreditar que de um dia ao outro as produtoras de energia aumentariam a produção.

        Tudo evolui ao mesmo ritmo, além disso a produção de energia tem vindo ao longo do anos a evoluir e a ser mais eficiente e limpa.
        Uma tendência que vai continuar.

      • Pedro says:

        Ok, eu faço umas contas. Em 2017 Portugal produziu 59432 GWh de electricidade.

        Carros eléctricos: 3 Milhões
        Eficiência: 150 Wh/Km (+-a do Model 3, mas mete mais se te apetecer)
        Média anual: 9000 Km (segundo estatisticas da ACP)

        Resultado: 4050 GWh

        Ou seja, temos um grandioso aumento de 6.8% no consumo de electricidade que é facilmente encaixado em horas de vazio (à noite, por exemplo) na ACTUAL produção eléctrica nacional.

        Obrigado por me teres desafiado eheh 🙂

        • Wishmaster says:

          É o próprio representante da ACP que diz que é impossível produzir energia para os 6 milhões (ele fala em seis milhões) de carros caso sejam todos eléctricos.

          Não podes fazer aos quilómetros…digo eu…tens que ver que irão carregar os carros todos os dias praticamente.

          • Pedro says:

            Então o representante da ACP também não fez as contas.

            Como assim não posso fazer as contas aos km? O carro só carrega aquilo que o seu dono gastou durante o dia (mesmo que toda a gente carregue todos os dias!).

          • Traveller says:

            Wishmaster cada tiro cada melro o representante da ACP que diz que tem o carro elétrico que não tem valor nenhum e eu já lhe ofereci 10.000€ a pronto pagamento e nem me respondeu.
            tem que carregar todos os dias porque? se fizer 50km’s por dia e tiver autonomia para 300 carrego de 4 em 4 dias.

          • Wishmaster says:

            @ Pedro
            Claro que só carrega o que gastou.

            Sim, então não fez as contas correctamente…

          • Paulo L says:

            @Wishmaster,
            Parabéns pá, tenho conhecido muita gente com ideias muito pouco convencionais (para não dizer estupidez, não quero ofender) mas nunca ninguém tao persistente capaz de refutar factos sem argumentos, nem mesmo tontos.

            Já agora, se deixares o tlm toda a noite em carga, achas que ele consome a mesma energia, quer esteja carregado ou não ?

      • IonFan says:

        O meu Model 3 gasta 16kwh aos 100km. É o equivalente a um aquecedor ligado durante a noite. Vamos esquecer que a média de km diários dos portugueses é, certamente, inferior a 100km diários. Quer fazer me acreditar que a produção eléctrica nacional não tem capacidade para os portugueses ligarem mais um aquecedor à noite?

    • Dav says:

      Este comentário está top lol

  19. Wishmaster says:

    Acho hilariante preocuparem-se, aqui nos comentários, mais com o ambiente do que com o custo humano da construção das baterias… Com o flagelo das minas na República Democrática do Congo… Miúdos de entre sete e 14 anos a trabalhar lá em condições deploráveis….

    Mas o ambiente é que nos preocupa não é?? Sobre isso, que não ignoram (e se ignoram agora ficam a saber) não fazem nada… Ou protestam… Só que te saber se vão trocar de carro para o eléctrico para pouparem uns trocos… Se o eléctrico vai ou não prejudicar o ambiente (quando isso das alterações climáticas nem pode ser medido de forma precisa, em que contribuímos para isso…).
    Mas ides dormir a pensar se vai ser lucrativo mudar, ou cool apresentar um eléctrico aos amigos…

    Ser humano é ter empatia com os restantes povos, tal como tentar saber como as merdas que vocês utilizam, isso é que não, não é???

    • Pedro says:

      Isso são problemas que têm de ser resolvidos nos países de origem. O seu iphone ou android produzido na Ásia também não foi feito com recurso a trabalho quase escravo? E 99% das nossas roupas a 5 e 10€ nos centros comerciais vêm de onde?

      Já muito foi feito nesses países (nos anos 90 era muito pior) e nas baterias vai acontecer o mesmo. A Tesla já reduziu imenso o uso de cobalto nas suas baterias, com o objectivo de chegar quase aos zero já nos proximos anos.

    • Traveller says:

      E as guerras por causa do petróleo? devem ser guerras a brincar e não matam ninguém e não há crianças envolvidas. haja pachorra para tanta ignorância.

    • Alexandre says:

      Aposto que te deves lambuzar de chocolate mas ai nem te lembras quem andou a colhe-lo. Sim foram essaa mesmas crianças que tu falas. Põe juizo nessa cabeça

  20. Diogo Pimenta says:

    O problema é que Alemanha está habituada historicamente a ser referência em todos os segmentos, e talvez pela primeira na história eles não estão na vanguarda da tecnologia automóvel no que trata a veículos elétricos. Só agora surgiram nos salões automóveis os primeiros veículos alemães com performances decentes para o consumidor e ainda nem estão disponíveis para as massas comprarem. Isto depois do Tesla model S já estar no mercado para o consumidor final desde 2012, 7 anos!!!! Com performance e construção ao nível de qualquer carro Europeu.
    Na minha opinião é só uma forma da indústria alemã tentar passar uma falsa percepção no consumidor, o princípio de comparar a construção de um carro com a rodagem do outro é logo uma premissa que pretende apresentar um ponto de vista e não a informação como ela é.
    Resumindo o que doí ao Alemães é o facto de que os EUA que historicamente não serem grande coisa na construção de automóveis e pela primeira vez estes mesmos devido a uma única marca (Tesla) são líderes indisputáveis (desde 2008 se tiver em conta o Tesla Roadster) deste segmento até à data.

  21. Hugo says:

    Os gajos fizeram testes especificos e estudaram para isso, mas quem esta certo é o “Joaquim de torres vedras q tem um café no bairro”.. Sao uns sabichoes voces..

    • Paulo L says:

      Só porque eles são cientistas eu devo perder o meu direito a pensar, questionar.

      Eu questiono o porque calcular o fabrico de baterias e energia para alimentar um eléctrico, mas não calcular o fabrico de combustível ou até do veículo a diesel, ou o óleo para os travões, ou o transporte e refinamento do grude.

      Enfim, só porque eles estudaram não significa que eu também não tenha estudado.

  22. João Neves says:

    Desde já informo que não li o estudo alemão. Alguém confirmou que o custo de extrair, transportar e refinar o petróleo está considerado, ou se é só o consumo do produto final (gasolina/gasóleo) no veiculo que é utilizado para comparação com o elétrico (fabrico carro, fabrico baterias e consumo)?

    Extrair, transportar e refinar o petróleo tem custos e riscos que suponho (sem dados que sustentem) devem ser superiores à extração do minério e fabrico das baterias. É muito bom que os fabricantes consigam melhorar a tecnologia da combustão da gasolina e gasóleo para minimizar os efeitos diretos na saúde de todos que utilizam ou estão em contacto com os carros, mas infelizmente os sítios de onde é extraído o petroleo não tem a mesma sorte, e os impactos locais são em alguns casos devastadores para o meio e populações.

    Estamos numa fase de viragem e todos os estudos tendem a valorizar mais os factos que estão orientados para a sua visão. Não quero dizer que o estudos sejam falaciosos mas devem existir mais e mais abrangentes antes de atirar a pedra.

  23. jrgaugusto says:

    Por acaso tb ouvi dizer que a terra era plana …

  24. Bruno Costa says:

    Estudo inviesado típico de alemão. Consideram os custos de toda a cadeia de produção e manutenção de um eléctrico, mas ignoram o mesmo nos a combustíveis fósseis. Este estudo deve ter a VW ao barulho 🙂

  25. Ricardo Gomes says:

    Loool…nem deviam publicar o artigo…já viram como o estudo foi feito? Sem estar a prolongar muito fizeram o estudo com a construção do carro a ser feita usando energia a carvão…o mesmo no carregamento do mêsmo… Leiam antes de publicar tremenda mentira

  26. Filipe says:

    Foi preciso deixar passar tanto tempo para finalmente haver alguém com 2 dedos de testa para chegar lá: os carros eléctricos, tanto na sua construção como na criação da electricidade para os alimentar, poluem muito mais do que se imagina.

    Tanto que já foi demonstrado que uma família com 3 carros (a gasolina ou a diesel) polui muito menos do que APENAS UM eléctrico.

    Mas todos vão na conversa de quem os quer “empurrar pela gola abaixo” de todos para ganharem dinheiro com mais mentiras.

    • Paulo L says:

      Porque o combustível para os carros de essa família, nasce nas bombas ao lado de casa.

      • jorge says:

        Sim, é só gente doida que até fazem filas para serem roubados nas bombas, quando podiam ter um jardim a produzir combustivel.

        • Luis carreira says:

          esqueces-te é que nem todos têm garagem para carregar o carro, jardim para produzir a energia para o popo da moda. Quantos paineis fotovoltaicos serão necessários para carregar essas coisas electricas??? Conheco um leaf 2 que está no estaleiro à 1 mês… ninguem dá com a coisa… Modulo de bateria novo mas ao que parece não anda na mesma… Para não falar que um electrico custa meia dúzia de tostões….

          • jorge says:

            E quantos barris posso eu tirar do meu jardim para alimentar o carro a diesel? No meu telhado tenho 2000 w instalados e dão para as minhas viagens e tu? Quantos painéis precisas para gerar os barris que precisas para andar com um carro a combustão?

          • Luis carreira says:

            Como não aparece o responder em baixo respondo aqui. eu como não tenho um telhado meu não posso ter nada no telhado. A questão é mesmo essa. Além disso se pudesse comprar um um popo da moda não tinha como o carregar uma vez que num raio de 8 km de minha casa e trabalho não há postos de carregamento e passar um cabo do segundo andar ate ca abaixo é impossível…
            Prefiro ser roubado como tu dizes nas bombas que a minha Berlingo de 01/97 que me custou 250€ continua a andar. Ao menos com os 900Km de autonomia nao me preocupo com as viagens longos de ter de parar a meio mais do que uma vez para carregar.
            Além do mais o meu ordenado ridiculo não dá para comprar essas modernices com mariquices a mais…. e não, não é inveja

          • Paulo L says:

            Luis, em primeiro lugar a discussão aqui é sobre ambiente, e não sobre poder econômico, facto de não poder comprar um, não significa que eu não seja capaz de ver a vantagens para o meio ambiente.

            Eu tenho 2 carros a diesel (o familiar de 7 lugares, e o mais econômico para o dia a dia), no entanto é certo que quem tem um elétrico esta a destruir menos o planeta que eu… infelizmente eu não tenho poder financeiro para trocar, mas faria se tivesse.

            Quanto a carregar um eléctrico, depende de onde vives e de quantos km fazes, mas em quase todo o lado tens para carregar o eléctrico (centros comercias, supermercados, etc..) isso hoje em dia já não é desculpa.

          • Luis carreira says:

            Paulo L,

            Por saber o que se passa em Coimbra (arredores a menos de 6 km da baixa de Coimbra), onde moro, é que eu digo que é basicamente impossível. Tenho 3 supermercados a menos de 100 mts, um deles num retail park e não ha vestigios de pontos de carregamento. Moro numa urbanização recente (mais ou menos 10 anos) em que um Tesla não entra nas garagens porque a rampa é muito inclinada e as garagens sao pequenas.
            Desta forma é impossível ter um electrico. Depois há o facto dos roubos de cobre porque uma vez que ate roubam os estendais das varandas (e não é um bairro social nem perto mais ou menos) como será depois com os fios espalhados pelos passeios…
            O que se vai fazer a milhares de automoveis a combustão? é tudo para o lixo… são reciclados mas a maioria dos electricos usam metais diferentes para serem mais leves…

          • PedroN says:

            “Por saber o que se passa em Coimbra (arredores a menos de 6 km da baixa de Coimbra), onde moro, é que eu digo que é basicamente impossível.”
            Estive no fim-de-semana da Páscoa em Coimbra e carreguei na central de camionagens (perto do MacDonald’s). E tinha ainda a hipótese do posto PRIO na Av. Emídio Navarro e o Fórum Coimbra… Entre outros.

          • Paulo L says:

            Luis, vivi muito tempo em cancela, no Algarve.
            Lá em cima na montanha.
            A bomba de combustível mais próxima estava em vila nova, a 11 km, não foi por isso que comecei a andar de burro (teria sido bom para o ambiente mas não para o animal).
            Continuei a usar carro, na altura uma pick-up que gastava p’c*****

            Isso são desculpas, quando se quer e se pode, esse é um problema mínimo.

          • Luis carreira says:

            Pedro N, carregaste tal como eu disse na baixa de Coimbra e tudo o que dizes é na baixa e no Forum. De resto saindo do centro da cidade não tens nada. Eu não irei de propósito para esses sítios carregar o carro com a impossibilidade de saber se vou ter o posto de carregamento disponível.

          • PedroN says:

            Luis, no meu prédio tenho lugar de garagem na cave (nem garagem fechada tenho) e a tomada lá instalada tem ligação direta ao contador do meu apartamento no 4º andar (prédio com mais de 10 anos). Penso que também a lei de condomínio mudou para permitir uma maior facilidade na colocação de uma tomada com “split” de consumo nos casos em que a eletricidade venha do condomínio. Mas se mesmo assim não ter forma de carregar o elétrico em casa, então esqueça… Infelizmente, a rede pública de carregamentos em Portugal é apenas para desenrascar nas viagens mais longas!

    • jorge says:

      Lol, sim, os Mercedes nascem nas árvores.

    • Emanuel Santiago says:

      Tens que dar uma volta num elétrico, depois não vais querer outra coisa, que se lixe o Co2., que por acaso até não emite.
      Ao fim de três anos o suposto Co2 da produção da bateria já estará completamente diluído.
      A energia renovável, neste momento já é mais acessível que a nuclear. A Noruega é um dos maiores produtores de petróleo, e os que têm mais elétricos Per Capita. Porque será?

  27. Paulo says:

    A revista alemã Der Spiegel já desmontou e considerou errados os pressupostos e conclusões de tal “estudo”.

  28. Felipe says:

    O problema é a matriz energética que é abastecida por carvão, não do carro em si!

  29. Filipe Lage says:

    Consigo resumir este estudo a um famoso ditado popular:
    “Dois pesos e duas medidas”

    Estão a comparar a produção TOTAL de CO2 no transporte, fabrico e o uso de um carro eletrico (com a rede energetica atual da alemanha que tem menos de 40% de renováveis, ignorando também o programa de reciclagem de baterias da Tesla), com a emissão de CO2 do consumo (e APENAS o consumo) de combustivel de um diesel tradicional … sem considerar os mesmos critérios de produção, transporte e geração da energia para esse mesmo carro a diesel…

    Faz sentido… 😛

  30. Filipe Lage says:

    Já agora, tenho dúvidas que muitas pessoas sabem que um catalizador (usado em todos os carros a diesel e gasolina) usa material radiactivo…
    https://phys.org/news/2016-01-hidden-danger-heavy-metals-catalytic.html

    “But such autocatalysts turn out to have a dangerous drawback and can create a huge problem in the future: Particles of the metals can be leached from the catalyst by the gas flow, leading to the contamination of the atmosphere, soil and surface water by heavy metals (Pt, Pd, Rh).
    Indeed, every modern car equipped with autocatalysts may release toxic heavy metals during engine operation. This fact hasn’t been widely discussed and remains underestimated.”

    • Sn matter says:

      E ainda ha a questão que os electricos estao numa fase inicial de desenvolvimento. Ainda nao estao sequer no seu progresso exponencial. Ja os de motor a combustao nao se tornarao muito mais eficientes que os Skyactiv-X.

      Alem do mais o tais 146g/km do C220 so existem no mundo real no primeiro ano de uso. Mal a admissao começar a ficar com goma de residuo de EGR e outros sistemas começarem a perder eficiencia todos esses valores de referencia vao ao Ar. Especialmente no que toca ao NOx.
      E… nao ha um plano de manutenção de marca nenhuma que preveja limpeza frequente destes sistemas. Ninguem compraria os carros se tivesse de pagar por isso.

      O Volvo V40 da minha vizinha é uma norma à frente do meu carro, é assistido na marca e polui muito mais que o meu que tem boa parte da manutenção basica feita por mim.

      Diferenças? Eu preocupo-me com a optimizacao do sistema.

      Mais, em cidade os motores a combustao poluem mto mais. O valor do Mercedes C220 é retirado de que ciclo de uso?
      Pois, é que em cidade nos primeiros 5kms o motor esta a aquecer e nao faz os 146g/km nem que se torça todo. Isso so com o motor quente. Nos electricos nao existe essa questao sequer.

      Ah e troca de fluidos frequentemente? Troca de correias, troca de polies e tensores, etc… tudo coisas que qq carro de combustao em pelo menos 10/15 anos de uso troca varias vezes e um electrico nao.

      Sim troca a bateria, mas essa questao da bateria em menos de 10 anos ja era. As baterias de estado solido ja existem e estao a menos de 2/3 anos de passar à producao em escala. Autonomias maiores, mto menos poluentes, mais sustentaveis, menores tempos de carga, mais seguras. Tudo melhor basicamente. E sao de Grafeno.

      PS: escrito por um aficcionado de motores de combustão. Mas uma coisa é o Lazer e o carro que me da gozo conduzir ao fim de semana. Outra coisa é mobilidade. As pessoas no geral estao-se a marimbar se é combustao ou electrico. Querem algo que as transporte, seja mais barato, mais confortavel, e tenha pinta pq gostam tb de ser vistas.

      Motores a combustao é para mim e mais uma data de malucos dos carros. Mas isso nao é uma questao de mobilidade mas sim de paixao. E ha que nao misturar as coisas assim como crescer, ser responsável e parar de ser estupido.
      Isso nem devia ser um direito pq so prejudica o progresso.

      • João says:

        +1 Adorei.
        Segundo Carlo Cipolla “ser estúpido é realizar algo onde não irá obter vantagem, nem para si próprio nem para os outros”.
        Portanto, acreditar que a terra é plana, carros elétricos mais poluentes que os de combustão e que a Terra tem um ciclo de aquecimento e arrefecimento (a idade do gelo há dezenas de milhares de anos também foi provocada por excesso de CO2 da instabilidade geológica para quem não sabe), como se o CO2 que emitimos não influenciasse são comportamentos classificados como?

      • José says:

        Que comentário lúcido o seu, é raro ler algo assim, sobretudo na Internet! Não posso estar mais de acordo e até grato visto que é um aficionado dos motores, mas tem a “coragem” e honestidade suficientes para dizer o que tem de ser dito. Parabéns.

    • António Martins says:

      Filipe,
      Pt, Platina, Pd, Paládio, Rh, ródio, não são elementos radioactivos! Têm isótopos radioactivos, como quase todos os elementos (pelo menos o Hélio que me lembre), mas os isótopos encontrados na natureza não são. Quanto à contaminação por metais, acho muito pouco provável, a platina, ródio ou paládio estão na forma metálica no catalisador, e converte-los a sais é difícil nas condições de temperatura e pressão dos catalisadores. Talvez na Rússia usem sais desses metais…

  31. Ricardo says:

    Artigo sem nexo, os elétricos produzem mais co2 na sua PRODUÇÃO, e durante os carregamentos se a eletricidade for apenas de produção não proveniente de renováveis, ora a Alemanha tem apostado forte nas energias renováveis apesar de ainda ter muitas centrais a carvão,um Mercedes c220 produz menos co2 que o tesla(diferença não muito significativa) mas vai continuar a produzir muito durante toda a sua vida útil, já um elétrico depende dos fornecedores de energia, contra informação é sempre uma boa arma pra derrubar os inimigos…

  32. jorge says:

    Será que estes alemães sabem que a gigafactory de baterias da tesla é alimentada por energia solar ?

  33. Bruno says:

    Como já tinha ouvido falar e eu sempre acreditei mesmo e está à vista de todos. Um certo Engenheiro/Responsável da Mercedes dizer que o Futuro não é os Carros Elétricos, mas sim a Hidrogénio!!!

    Na minha sincera opinião a Produção dos Eletricos ainda consegue ser pior que a Gasolina e o Diesel juntos, mas isto é só a minha opinião, por não falar que isso dos Carros Elétricos é a maior anedota que temos no mercado, só não vê quem não quer.

    Se a própria União Europeia e outros Países estivesse realmente preocupados com questões do Ambiente deviam de fazer uma vistoria à produção excessiva das Baterias qur têm sido feitas. Mas enfim, enquanto der €€€’s eles nem se importam, continuem a acreditar que eles realmente se preocupam.

    Já por não falar também no preço absurdo da manutenção dos carros Elétricos, em que já ouvi falar também num rapaz com um BMW o carro chegou até 60mil Kms, as baterias morreram, o proprio Concessionário se recusou a aceitar o defeito, e só para o custo de manutenção acho que ficava na volta dos 11mil Euros, em que praticamente se compra um carro novo por esse preço.

    Também não é à atoa que se inventaram os Filtros de Particulas nos carros a Diesel. Se bem que as custas também não são muito fáceis.

    • jorge says:

      Por acaso só ouviu falar mentiras, conheço esse carro de perto e a história verdadeira não é essa.
      Quanto ao resto! ! Bom enfim, como costumo dizer se as pessoas usassem o cérebro para pensar em vez de ser só para ler e ouvir, o mundo estaria muito mais justo

    • Traveller says:

      por acaso houve uma reunião de emergência geral na Mercedes o mês passado com a entrada do Model 3 na europa. Acho que estão a ficar um pouco preocupados e começam a encomendar estudos.

    • Daniel says:

      O quê?!
      A ignorância é mesmo má conselheira!!
      Tanto disparate, que és capaz de nem saber que os carros a hidrogénio são ELÉCTRICOS!!
      Tem BATERIAS e motor eléctrico!!
      Além disso, separar o hidrogénio do oxigénio da água e comprimi-lo gasta, exactamente… energia eléctrica!!
      Será que esse tal “inginheiro” da MB sabe disso? Ou é como os colegas da MB que alugaram um Tesla e desmontaram-no todo para ver/copiar o seu funcionamento?
      observador.pt/2017/12/05/bronca-mercedes-apanhada-a-desmontar-tesla-model-x/
      .
      Anedota é a tua opinião que só serviu para mostrar que és completamente ignorante sobre este assunto!!
      Se não sabes, devias evitar comentar porque, como se viu, só dá asneira!

  34. Joao says:

    Um estudo pago pelas mesmas pessoas que aldrabaram o software dos seus carros para disfarçarem as suas verdadeiras emissões durante os testes do regulator. Muito credível, sim senhor!

  35. Traveller says:

    Ainda de bem que eu comprei os meus VE porque poupo 300€por mês em cada um e nunca foi pelo ambiente mas comparar produção e consumo nos VE só com consumo nos veículos de combustão é uma bela bosta de estudo mas mai haver muitos mais então quando começar a doer nos países exportadores. De petróleo vai haver estudos todos os dias

  36. Atento says:

    Estudo feito por alemães… Provavelmente alemães tipo grupo VW, Mercedes, BMW, Opel, etc….

  37. Viscao says:

    Como dizia um amigo: “fumei durante 20 anos e não morri… Agora que deixei de fumar, vou morrer!”

    • Redin says:

      Muito provavelmente porque já não vai a tempo de corrigir o mal todo que fez a ele próprio, não?
      A mesma coisa se vai passar no planeta.
      Quando for descoberta a fórmula perfeita para reduzir drasticamente as emissões de efeito de estufa é que poderemos morrer devido a já não iremos a tempo de inverter as consequências.

  38. jorge says:

    Também podem por filtros de partículas e catalisadores nas baterias!!!!

    Lol, quando um estudo feito por alemães sobre um fabricante americano considera que a fábrica da tesla é alimentada por carvão :!!!!!! Bom, nem conhecem a fábrica e já se viu qual o objectivo
    .

  39. Daikoni says:

    Mesmo assumindo que este estudo não é nada ‘comprado’, publicitar Mercedes e afins e o motor a combustão, e tem veracidade nos dados do próprio estudo a nível de emissões (que claramente não parece nada, nem aquele Mercedes emite só as 140g a circular em estrada / fora de laboratório)….
    Pergunto-me porque é que apenas é medido nos eléctricos, a produção de CO2 para construir o veículo/baterias, e todo o processo para os carros com motor CI é sempre ignorado?
    Então os veículos a CI apenas emitem em andamento? Então e a construção? E as plataformas petrolíficas? E o transporte em navios e tudo o mais até as refinarias? Então e o processo de refinar? Então e depois o transporte até às bombas? E para não falar de óleos, e tudo mais que os veículos CI têm que constantemente que levar, trocar, etc…
    Qualquer pessoa com o mínimo de inteligência vê que estes estudos não têm pés e cabeça, e só comparam o que convém, e mesmo o que convém é a comparar os melhores cenários de um (laboratório), com os piores de outro.

  40. DFS says:

    Sei que na realidade os carros elétricos não são atualmente muito verdes.
    Contudo, todos estes estudos esquecem a poluição da extração, transporte e refinação do petróleo/gasolina que não é pouca.
    Além disso, se em alguns paises a produção de eletricidade não é verde, a culpa não é dos carros elétricos, e a tendência será de termos cada vez mais produção renovável.
    De todo o modo, o facto dos carros elétricos permitirem tornar as cidades menos poluidas no ar e sonoras, é um bom avanço a nível da saúde e bem-estar.
    Além disso, numa perspectiva estratégica, um pais que não tem petróleo, tem todo o interesse em reduzir o comsumo de um produto que tem de ser importado, poucos paises produzem e tem uma variação de preço bastante elevada.

  41. Guilherme says:

    Beleza então. Vamos todos comprar carro a diesel e tudo certo.

  42. Guilherme says:

    Beleza então. Vamos todos comprar carro a diesel e tudo certo.

  43. PeterSnows says:

    O problema não esta no estudo , mas sim no titulo da noticia.
    O estudo:
    – fala pouco da comparação entre os dois (diesel/eléctrico),
    – pelo que li, o que eles dizem, e que não se devia considerar a poluição dos eléctricos como nula.
    – fala muito mais sobre as fontes energéticas da Alemanha.

    As conclusões do estudo, não se aplicam a outros países, pois cada pais tem diferentes fontes de energia eléctrica (eolica, hidrica, carvao, nuclear,…)

    Pplware, se estão interessados em informação, leiam os estudos antes de fazerem o titulo !!

    • Vítor M. says:

      Repara, as tuas palavras mostram claramente que não leste nada do estudo, e facilmente, mesmo estando em alemão, o poderias fazer com recurso a ferramentas. Por isso, dizeres asneiras só te fica mal. Isto porque em causa, como exemplo, como centro de toda a comparação, estão dois veículos, o Tesla Model 3 e o Mercedes C220D. Tão simples como abrires o estudo, com atenção e olhares para o que dizem. Mania de falar sem saber.

      • PeterSnows says:

        Estiveste ao meu lado para dizeres que não o li:
        Eu li, e vê quantas paginas eles dedicam a comprara os 2 carros. E quantas paginas eles dedicam a falar sobre as origem da energia eléctrica na Alemanha.
        Além disso o estudo só serve para a Alemanha.

        Um carro eléctrico no Brasil é especular, onde 90% da electricidade vem de barragens.

        Um estudo que se foca na origem da electricidade na Alemanha, ter o titulo que tem … se quiserem informar informem. Se não quiserem ….

        • Vítor M. says:

          Voltas a dizer coisas estranhas. Não fala nada no Brasil, o assunto é sobre o estudo alemão como diz no título. Depois, mesmo no Brasil, caso não saibas, grande parte da energia produzida vem das centrais termoelétricas. As “usinas” hidroelétricas, por muito que produzam, não chegam para “meia missa”. Se queres continuar a dizer coisas estranhas, pelo menos primeiro lê o estudo. Porque não o leste 😉 nem preciso de estar ao teu lado para saber, basta ver os teus argumentos.

          • PeterSnows says:

            Em vez de debateres o teu titulo, que foi o meu comentário, debates outras coisas .
            Eu já te disse que li o estudo.

            “Tesla Model 3 produz mais CO2 do que um carro a diesel, diz novo estudo alemão”

            Achas isto correcto ?

            Para mim o estudo diz que: tendo em conta as fonte de energia da Alemanha, fariam com que a produção e abastecimento de um Tesla Model 3 teria uma pegada de Co2 maior que a produção e abastecimento de um diesel 220D.

            Alias, o estudo está mais interessado nas fontes da Alemanha e resolver o problema energético da Alemanha (nuclear, renováveis, fosseis, pipelines de gás, … ) face às politicas Europeias em curso.

            Aliás o Tesla não produz nada, o que produz CO2 são as centrais onde a energia para o abastecimento do mesmo é criada. Logo ai o titulo é errado.

            O que também é falado no estudo.

          • Vítor M. says:

            Mau… então quem iniciou esta conversa do título foste tu. O assunto é rico em vários pontos que não referiste. Isso sim era importante teres falado. Mas passou-te. 😉

          • Vítor M. says:

            Peter tens aí os factos todos 😉 fontes de energia primária PETRÓLEO 😉

          • jorge says:

            Vítor m, você sabe ler? Não parece.

  44. José says:

    Caros, a melhor ferramenta que a humanidade tem, para não cair no obscurantismo e crenças infundadas, é o método científico. Este método diz, entre outras coisas, que qualquer estudo deve poder ser replicado por quem quiser confirmar. Então vejam e leiam (em bom português): https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/395144177964/Thesis%20PCCv%20final.pdf
    O estudo de impacto ambiental tem de levar em conta TODOS os aspetos e ramificações industriais em cada tecnologia. É a análise do “ciclo de vida” – meios empregues na produção, utilização e fim de vida.

  45. 3434 says:

    https ://electrek.co/2019/04/22/study-electric-cars-dirtier-diesel-debunked/
    New study claiming electric cars are dirtier than diesel debunked
    Electric vehicle detractors are rejoicing after a new study from the Munich-based IFO Institute for Economic Research is claiming electric cars are dirtier than diesel, but the study is already being debunked for being extremely flawed.
    Automakers and the fossil fuel industry have often pushed the idea that electric vehicles are worse for the environment than diesel and gasoline-powered vehicles because they are powered by dirty electricity.

    Studies looking at overall emissions based on electricity generation have actually debunked this and showed that electric cars are cleaner and becoming cleaner as renewable energy is becoming a more important part of the electric grid. Studies have been done specifically showing that EVs are cleaner than diesel no matter which European grid electricity you use.

    However, the Ifo Institute for Economic Research came out earlier this month with a new study again using the same argument that dirty electricity is making electric cars worse for the environment than diesel:

    “Considering Germany’s current energy mix and the amount of energy used in battery production, the CO2 emissions of battery-electric vehicles are, in the best case, slightly higher than those of a diesel engine, and are otherwise much higher.”

    The professors behind the study were instead pushing for hydrogen-methane vehicles.

    Notably, Germany currently uses more coal power than most of Europe, and is one of the dirtier grids in Europe, but is cleaning up more quickly than most. By 2030 – when many electric cars sold today will still be in service – Germany plans to produce 2/3 of their energy by renewables.

    The problem is that the IFO’s study makes many of the same mistakes as other studies used electric vehicle detractors in the past.

    For example, they assume that electric car batteries become “hazardous waste” after 150,000 km or ten years, which simply isn’t the case. 150,000km is shorter than the warranty period for an EV battery (generally 100,000 miles or more in the US, which is 160,000km).

    Virtually all automakers working on electric vehicles are also working on recycling the batteries since they are going to still be extremely valuable after being depleted. And lithium ion batteries do not have a hazardous waste designation in the US – however, the lead acid batteries in every diesel vehicle do.

    They are also making many other mistakes, like using the flawed NEDC driving cycle, which is being phased out. They assume unrealistically optimistic numbers for diesel emissions, and unrealistically pessimistic numbers for electricity emissions.

    One of the biggest mistakes they are making is that they are comparing the full production and lifecycle of an electric vehicle, including the emission from the electricity uses, against the production and lifecycle of a diesel car without accounting for all the energy used to produce the diesel and supply it to the cars.

    Electrek’s Take
    The study is clearly flawed.

    It’s an old idea that is untrue in most markets and it’s a dumb way to look at the market in the first place since along with the electric revolution in the auto industry, renewable energy is becoming a more important part of the energy sector, which is making electric vehicles cleaner over time.

    This isn’t the first time this has happened. Many years ago a “study” was released claiming that a ~50mpg Prius was more polluting than a ~9mpg Hummer H2. That study relied on one of the same tricks as this one – it estimated that the Hummer would last 300,000+ miles, whereas the Prius would last a fraction of that. There were many other issues with the study, of course.

    And let’s not forget the German auto industry’s recent experience with under-reporting diesel emissions, which resulted in thousands of deaths and billions in fines.

    The problem with this thinking is so obvious that you would think someone making this argument is making it for the fossil fuel industry, but I don’t see any evidence of this in this case.

    As far as I understand, the IFO is mostly funded by public money and doesn’t have any direct links to the fossil fuel industry.

    Unless I’m missing something. Let me know what you think in the comment section below.

  46. Rodrigo Simoes says:

    A matriz energética da Alemanha é de sua grande maioria por usinas termelétricas. Essa matéria é muito tendenciosa ao omitir essa informação. Países com matrizes baseadas em energia hidrelétrica ou nuclear tem baixíssimos índices de emissão de CO2. Um desserviço e irresponsabilidade publicar algo desse tipo.

  47. João Santos says:

    Sinceramente não tenho muito mais para acrescentar mas talvez começar a existir um incentivo como deve ser para a instalação de painéis solares nas habitações e jardins no telhado ajude em muito o CO2. Outra medida seria andar mais a pé, de bicicleta ou de transportes públicos apesar de estes serem bastante poluidores mas pelo menos eram só eles e para além disso existia menos congestionamento de trânsito e ar mais respirável

  48. 3434 says:

    https://www.youtube.com/watch?v=p4EiFM3y4h8
    ¡MENTIRA! Un eléctrico NO contamina más que un diésel

  49. João says:

    Contas:
    assumindo o mercedes como 140 g/km
    Para 100 km’s, o mercedes imitirá 100 * 140 = 14000g ou 14kg de CO2

    assumindo a média global anunciada de 489g/kwh (ref.: https://www.cleanenergywire.org/news/coal-task-force-postponed-yet-again-source-fracking-commission/co2-emissions-kilowatt-hour-down-36-percent-between-1990-and-2017-germany)

    o Tesla Model 3 tem média de 14.73 kwh/100 km (ref.: https://pushevs.com/2017/08/01/tesla-model-3-efficiency-impressive/)

    portanto, 14.73 * 489g = 7202.97g ou 7,203Kg

    só aqui vai em metade…

    Agora, refinarias. Não encontro a referência mas quem quiser procure, penso que é 1kwh para produzir 1l de gasolina/gasóleo.

    Portanto, assumindo a mercedes como 5l/100 (deverá ser mais, tendo em conta as g/km):

    5l * 1kwh * 489g (CO2 do kwh) = 2445g ou 2.445Kg

    Agora, nem vou juntar aqui extração de petróleo (que também consome kwh, fora as emissões das chaminés – não sei para que servem), mais transporte de barco, mais transporte de camião das refinarias para as bombas.

    Total:
    mercedes = 14Kg + 2,445Kg = 16,445Kg de CO2 por cada 100 km’s (sem contar transportes dos combustíveis, extração diária para os 5l/100 e produção de óleos trocadas a cada 15 mil km’s)

    Tesla Model 3 = 7,203 kg de CO2 por cada 100 km’s (se querem contar valores da extração de lítio, para sermos realistas temos de analisar valores da extração de petróleo)

    Portanto, o Tesla ficou por menos de metade e só fiz contas matemáticas.

    E não esquecer, o Tesla tem 300 CV, a mercedes tem quantos? O mesmo valor?

    • Paulo de Almeida says:

      Essas contas estão mal feitas, logo para começar um Model 3 faz no mínimo 16 kwh/100 e depois os cavalos dos carros nada tem a ver para as contas.

      De qualquer forma a ideia base está certa, se é para contabilizar o CO2 real temos que incluir desde o crude até ao deposito do carro nas contas

  50. Ruly Tarnowski says:

    Petroleiros atacando!! Simples assim. Sempre foi e será desse jeito, qualquer coisa que vai contra o petróleo, fazem tudo para não dar certo.

  51. Bruh says:

    Estudo da treta.

  52. Flavius says:

    – Acho que o lítio não se extrai nem se transporta, para as fábricas, através do vento.
    – Petróleo ainda e a matéria prima para todo tipo de transporte.

    Ainda continuo a achar que o futuro não e esse modelo de elétricos.

    Até lá nada ganhamos em criticar nos sem nada construtivo.

    • jorge says:

      Claro que não, um Tesla tem uns 25-30 kg de litio na bateria, esse peso em petróleo não chega para fazer 5 litros de gasóleo para andar 100 kms, diferença : o lítio precisou de ser transportado apenas uma vez para fazer pelo menos 500.000 kms.
      Pergunta : quantas milhares de toneladas sao necessárias de petróleo para abastecer um veículo diesel durante 500.000 kms?

    • João says:

      analise o seguinte:
      – Um camião com 10 toneladas de lítio apenas circula uma vez para fabricar N baterias resultantes desse lítio (irá circular mais vezes para +N baterias como é óbvio)
      – Para um motor de combustão, um camião com 10 toneladas de gasolina/gasóleo irá circular todos os dias enquanto o veículo for utilizado
      – Para qualquer gestor de empresas, o mesmo iria escolher a primeira opção porque teria bem menos gastos diários.

      Seja elétrico, seja combustão, qualquer veículo é poluente, é preciso é escolher o que é menos, isto quando andar a pé não é opção viável.

  53. JOAO HENRIQUE ABREU says:

    Na minha opinião ,essa notícia não passa de falsa ,pois quem está por de trás tentando derrubar a tesla são os sheiks do petróleo que não admitem perder assim como os governos que lucram muito com isso a séculos …

  54. Filipe says:

    Vejam o primeiro episodio do documentario da NETFLIX, dinheiro sujo. E depois digam alguma coisa.
    #NOx
    https://www.youtube.com/watch?v=CsplLiZHbj0

  55. Bruno B says:

    CARAMBA!!! eu pensava que os trolls do “big oil” só poluíam sites americanos… parece que o “small oil” tb tem os seus trollzinhos… 😀

  56. Carlos says:

    Estes estudos são sempre manhosos e pouco sérios.
    É certo que dizer que os elétricos são poluição zero não faz qualquer sentido.
    Mas, comparar as emissões resultantes da produção do carro elétrico e da eletricidade apenas com as emissões da utilização do veículo diesel não faz qualquer sentido. A produção do carro diesel também tem emissões, a extração, refinação, armazenamento, distribuição dos milhares de litros de diesel/gasolina que um carro consome ao longo da sua vida útil também tem custos ambientais. A produção dos consumíveis dos veículos de combustão (filtros/catalisadores, etc) também tem custos ambientais.

  57. Quim Roscas says:

    Incrível. Uma entidade alemã concluiu que um carro alemão polui menos que um carro americano…

  58. Ricardo says:

    Lista de artigos contestando (e demonstrando a pouca razoabilidade das premissas adotadas para os veículos elétricos):

    1. Correcting misinformation about greenhouse gas emissions of electric vehicles: Auke Hoekstra’s response to Damien Ernst’s calculations http://bit.ly/2KW1XhJ

    2. (em alemão) Ifo-Institut rechnet E-Autos schlecht – und macht dabei viele Fehler – FOCUS Online http://bit.ly/2KZIahi

    3. (em alemão) Was Hans-Werner Sinn bei seiner Elektroauto-Studie übersehen hat http://bit.ly/2Vp7MIu

    E um estudo do Instituto Frauhofer ISI (de Karlsruhe) que chega a conclusões contrárias ao do instituto de economia de Munique:

    Elektroautos, die heute gekauft und in Deutschland genutzt werden, haben eine deutlich bessere Klimabilanz als Diesel und Benziner – Fraunhofer ISI http://bit.ly/2VijbKh

    Elektroautos, die heute gekauft und in Deutschland genutzt werden, haben eine deutlich bessere Klimabilanz als Diesel und Benziner – Fraunhofer ISI http://bit.ly/2VijbKh

  59. RENATO CARTONI says:

    Essa matéria é ridícula! O impacto tem que ser analisado como um todo. Não foi considerado que o tempo de uso dos veículos. Vamos considerar 10 anos de uso médio dos veículos gasolina/etanol/flexivel que despejam em média 161,3gCO2/km em 10 anos ou 150mil km serão mais de 24 toneladas de CO2 despejados na natureza e se fosse um caminhão motor a diesel seriam que transporta por exemplo madeira são 295 toneladas em 150 mil km. E nem estamos falando dos gases poluentes tais como monóxido de carbono (CO), hidrocarbonetos (HC) e óxido nitroso (NOx) que prejudicam nossa saúde. Quanta bobagem, que me parece tem a intenção de denegrir a imagem dos veículos elétricos.

  60. NjsS says:

    O grande problema prende-se com a falta de transparência das empresas e das pessoas, nenhum veiculo elétrico tem emissões zero. Os veículos elétricos são apregoados como os salvadores do planeta quando na realidade vão contribuir para piorar a situação.
    O estudo pode não ser 100% credível, mas não deve andar assim tão longe.

    Fabrico e abate massivo de baterias, qual é o impacto ambiental quando comparado à criação e distribuição de combustíveis ?

    Desinvestimento na sintetização de Hidrogénio, porquê?

    Massificação de veículos elétricos dependentes da produção energética seja ela renovável ou não, alguém faz ideia do que isso significa para as infraestruturas dos países?

  61. hsff says:

    Muitos dos ambientalistas têm uma posição de absoluto cinismo perante o próprio ambiente, os carros são a panaceia para tudo, e isso por si só é revelador. Se o ambiente está primeiro do que a vida da pessoas há obviamente subversão. Os que andam a defender a introdução dos carros eléctricos a qualquer custo são acima de tudo ignorantes, a industria está atolada de mentira, a única coisa que está em causa é o poder e o controlo dos recursos que são de todos. O mundo melhor e mais saudável é aquele que permite a todos a mobilidade com qualidade.

    • Tá-se mesmo a ver que é só isso... says:

      Sim, claro. Sai um helicóptero para cada um sff.

    • jorge says:

      Também você é ignorante achando que os recursos são de todos, se assim fosse não havia guerras.

      • hsff says:

        Não percebi o seu comentário.

        • jorge says:

          Sem ambiente para viver, que interessa pensar em vida? Entendeu agora? Os ambientalistas como lhes chama estão lhe a fazer um favor a si e aos seus descendentes, em vez de os criticar, agradeça, não a mim, por que eu não sou um deles.
          Ando de veículo eléctrico mas estou me cagando para o ambiente, nem filhos tenho, até faço questão de que quando a bateria do meu veículo não der para mais nada, vou fazer uma bela fogueira com ela no meu quintal, tudo por uma questão de justiça e igualdade.

          • hsff says:

            É engraçado que fale em ambiente quando milhões neste mundo têm uma vida desgraçada e morrem antes do tempo. E já agora muitos dos defensores do ambiente iniciaram a grande cruzada contra os veículos de combustão depois de comprarem o seu primeiro carro eléctrico. Se pensa que são os ambientalistas que vão fazer com que a vida das pessoas seja civilizada está muitíssimo enganado. Imagino que seja um defensor incondicional dos eléctricos façam estes mais poluição ou não ou sejam estes viáveis ou não, é a sua posição, contrária à minha, mas é o seu esclarecimento.

          • Jorge says:

            Não, também não sou defensor incondicional, talvez condicional, depende da utilização que se vai dar, agora não perceber do assunto e achar que todos estão errados, bom enfim.

            A minha posição está aqui bem explicita, sou sim defensor da verdade e contra as mentiras que lançam na opinião pública. Este é o bom exemplo disso mesmo.

            Já agora, pense um pouco e verifique bem aquilo que diz e quais as razões, dou-lhe um exemplo, olhe para as guerras actuais e verifique quais as causas, vai ver que o mundo é injusto devido a outros motivos. Acorde para a vida.

  62. Joao says:

    Na verdade estamos tratando de CO e nao CO2

  63. João Reis says:

    Isto é fantástico. Estão o meu carro a diesel de 7 lugares que produz 131g por km de CO2 é melhor que um tesla? Ganda maquinão, eu sabia que estava a fazer bem em comprar um carro por metade do preço de um tesla. Ainda por cima se tem mais luxo por dentro e consigo levar mais seis colegas de trabalho comigo, se calhar podia pedir um subsídio ao estado pois à minha conta são menos 6 carros velhos e poluentes que andam a menos nas estradas a fazer 80 km por dia…

    • jorge says:

      Sim, ele nasceu numa árvore e o combustível que ele consome vem de uma planta tipo videira. Os teslas não, são fabricados na Alemanha usando carvão e petróleo e gastam electricidade feita de carvão!

      Ora bolas, parece que o meu estudo é o mais correcto de todos. Lol

  64. Telmo M. says:

    Ahahah
    Esperneiem o que quiserem. Lá se vão muitos tachinhos com as (inexistentes) manutenções dos eléctricos, menor custo de operação, e no futuro custo igual ou menor de aquisição.
    Ahahah, ridículo!
    Já ninguém pára os eléctricos! O resto é treta 😀
    https://youtu.be/6RhtiPefVzM

  65. j says:

    https://jalopnik.com/enough-with-the-actually-electric-cars-pollute-more-bu-1834338565

    Enough with the ‘Actually, Electric Cars Pollute More’ Bullshit Already

    Michael Ballaban
    Today 2:25pm Filed to: JOURNALISMISM

    The Tesla Model Y. Photo: Tesla

    I know, I know, dunking on the Wall Street Journal editorial board is a bit like smacking your four-year-old nephew’s would-be jumper out of the air before it even leaves his hands. But in an Op-Ed last week it peddled the tired and disingenuous notion that electric cars, by the very virtue of their production, pollute more than fossil fuel cars. This is wrong, and it cannot stand.

    Specifically, the Journal cites a German study that says that, over the life of the vehicle, a diesel Mercedes would pollute less than an electric Tesla. (German-made diesel cars are the center of a bit of a culture war in Germany at the moment, but that’s a lot to get into.) From the Journal:

    A study this month by the IFO think tank in Munich found that a popular electric car releases more carbon dioxide into the atmosphere than a comparable diesel engine. The authors compared CO2 output for a Tesla Model 3 and a Mercedes C220d sedan. They calculated that the diesel Mercedes releases about 141 grams of carbon dioxide per kilometer driven, including the carbon emitted to drill, refine and transport its fuel. The Tesla? Between 156 and 181 grams.

    The IFO study, bizarrely, seems to advocate for natural gas-powered vehicles as a “transitioning” technology on the way to cars powered by hydrogen, which, sure, I guess, and “‘green’ methane,” a product which does not exist.

    The joke of a transitionary technology aside (the time period for a “transitionary” fuel source was probably about 100 years ago, if we don’t switch to a zero-emission economy fast we’re pretty much entirely fucked, if we’re not entirely fucked already), the argument that “well actually, electric cars pollute more” has been thoroughly debunked.

    Let’s go to the Union of Concerned Scientists, which looked at this non-issue back in 2015, and found that the whole “batteries produce more carbon dioxide to manufacture” argument goes straight out the window and down into the pit of hell itself as soon as you drive anywhere (emphasis mine):

    A full-size long-range (265 miles per charge) BEV, with its larger battery, adds about six tons of emissions, which increases manufacturing emissions by 68 percent over the gasoline version. But this electric vehicle results in 53 percent lower overall emissions compared with a similar gasoline vehicle (see Figure ES-2). In other words, the extra emissions associated with electric vehicle production are rapidly negated by reduced emissions from driving. Comparing an average midsize midrange BEV with an average midsize gasoline-powered car, it takes just 4,900 miles of driving to “pay back”—i.e., offset—the extra global warming emissions from producing the BEV. Similarly, it takes 19,000 miles with the full-size long-range BEV compared with a similar gasoline car. Based on typical usages of these vehicles, this amounts to about six months’ driving for the midsize midrange BEV and 16 months for the full-size long-range BEV.

    The UCS goes on to note that advances in battery manufacturing are happening all the time, consistently reducing the emissions associated with assembling electric cars.

    This whole concept is so easy to grasp, even for those with brains the size and consistency of a garbanzo bean, that the UCS made a video about it:

    The WSJ editorial board, as it tends to do, turned this whole manufactured “controversy” into a pedestal from which to condemn renewable energy sources in general:

    The country’s ruinously expensive energy policy has stimulated renewable electricity but also reliance on coal plants to keep the lights on when the wind isn’t blowing and the sun isn’t shining. This heavy-emitting fuel mix means that charging a Tesla in Bavaria releases some 83 grams of carbon per kilometer driven.

    And while yes of course, Germany’s energy policy is “ruinously” expensive, as anyone who has waded through the decrepit ruins of the once-proud city of Stuttgart can attest, that makes total definite sense and is true, the entire argument falls flat on its face in a bizarre pratfall just as soon as an ounce of thought is put into it. Electrical grids powered by wind and solar do not just completely collapse as soon as the wind stops blowing or the sun stops shining. Not only are there stacks of traditional batteries to store excess energy for those low times, humanity has devised ingenious ways to store massive amounts of power in ways you might not think, just to get around this notion:

    And charging a Tesla in Bavaria is one thing, but charge it anywhere else, and you’ll be doing great. I used the handy widget on the UCS website to imagine a world in which I charge a Tesla Model 3 here at the Jalopnik Grand Palace in New York City, and already I’m doing better than any gasoline-powered car on American roads today:

    Illustration for article titled Enough with the 'Actually, Electric Cars Pollute More' Bullshit Already
    The WSJ goes on to pretend it’s acting with some semblance of rationality, saying that “this isn’t a universal condemnation of electric cars, which may emit less carbon in countries such as France that rely heavily on nuclear power,” which sort of undercuts the entire argument, considering that coal power plants have been declining for years under a collapsing coal economy.

    “Recall the false promises about corn and cellulosic ethanol,” it bleats, which my recalling tells me was just promises from politicians trying to win the Iowa primaries that a bunch of corn farmers would get rich.

    But, as always, the real purpose of an op-ed like this is always reserved for the kicker:

    These subsidies and exemptions inevitably divert consumer euros and corporate investment toward electric vehicles no matter their true environmental impact. Better to heed the report’s authors, who suggest allowing room for a range of possible auto technologies to blossom and compete.

    Ah, now I see. “Please stop subsidizing electric cars,” in other words, “lest they be able to compete with fossil fuels, which are incredibly, massively, hugely subsidized themselves, to the tune of $20 billion a year.”

    No, electric cars aren’t perfect. They demand a massive amount of resources, resources that are finite just like all fleeting ephemera of this universe, and which will surely run out sooner than would be convenient for us to find replacement
    But that’s not the argument being made. This particular whole argument is stupid.

    Stop it.

  66. Cacio says:

    So esqueceram de falar o mais importante. O LOCAL dessa produção. Produção de c02 fora das cidades é MILHÕES de vezes menos relevante.

  67. Pascal Joachim Ochsenreiter says:

    Esqueceram-se que a grande parte da energia eléctrica ainda provem do carvão (China) e o nuclear (Europa etc.), e há a questão dos metais e sua produção elementos químicos e metais raros(produção dos geradores e dínamos, electrónica) que também sao finitos. Reciclagem a serio e calculo total desde a sua exploração, extracção uso acção poluente, ate à sua reciclagem. Impacto Ambiental com as minas a céu aberto e perfurações ver Amazonas florestas Equatoriais África Central etc.

    • jorge says:

      É por exagerarem nessa permissa que dizem ser mais poluente, só que os alemães, tal como a maioria das pessoas, não sabem que a fábrica da tesla é alimentada e ainda sobra, por energia solar, será que se deram ao trabalho de ver fotos da fábrica da tesla versus fábrica da Mercedes, enfim cheira me a vingança aos americanos por aquilo que fizeram aos alemães sobre o dieselgate.

  68. Ca Al says:

    Pedro Pinto, deves verificar a qualidade e autenticidade dos artigos que publicas no teu site. Pois cais no erro de contribuir para as fake NEWS

  69. Roberto Henriques says:

    Enquanto forem estúpidos e produzirem energia elétrica a partir de carvão, em pleno século XXI.
    Além do mais, adoro ver que para os carros elétricos querem considerar toda a produção do veículo (sobretudo as baterias), mas para veículos a combustão não contabilizam as emissões da exploração petrolífera, transformação do combustível, nem o transporte do mesmo.
    Com esta mentalidade vamos muito longe, continuemos a dar valor a estudos influenciados pela indústria petrolífera e automóvel clássica…

  70. Rinaldi says:

    A comparação não apresentou dados de uso do carro, como velocidade média, distância e ainda adiciona a produção da bateria sendo que o pacote de bateria do carro tem a garantia de 192 mil km ou 8 anos, sendo que você só tem que produzir uma por carro, por favor, né! Não adianta tentar comparar um veículo que produz co2 todo o tempo que está ligado e um que só produz na fabricação de suas baterias (excluindo o gasto energético de carga, já que é retirado de uma rede elétrica). PURA MENTIRA

  71. paulo says:

    Agora os fanboys eco chatos vão contesta algo que todos sabem e não querem encherga.

    • jorge says:

      Se lesse um pouco tinha poupado tempo e teclado do seu pc. Lol

      • paulo says:

        Compreenda green peace, qualquer projeto de engenharia esta atrelado a quatro pilares do raciocínio logico :
        1- orçamento
        2- projeto
        3- construção
        4- descarte
        Em todos o carro elétrico é falho, os fabricantes estão fazendo isto porque EU esta coagindo através de leis idiotas por causa da OPEP, infelizmente o continente não produz petróleo o suficiente para barra o cartel .

        • Paulo L says:

          O carro tradicional é ainda mais falho, agora depende se simplesmente olhar ao carro ou a todos os directos e indirectos.
          O carro eléctrico tem falhas (que podem ser reduzidas) na bateria, este é ainda o calcanhar de Achilles do eléctrico, mas pode melhorar com o tempo.

          Vamos deixar a produção de energia de lado, porque para refinar combustível gasta mais energia do que o próprio eléctrico.

          Olhemos então para a construção (o seu ponto numero 3) de um tradicional, necessita de oleo, e massas de fricção, todas dependentes de matérias não recicláveis e nocivos ao ambiente.
          Agora o descarte, basta olhar para os ferros velhos para ver o resultado do descarte nos automóveis, não existe um plano solido para o descarte dos oleos nem resíduos produzidos pelo motor, os filtros não são recicláveis, etc …
          Já agora, para onde vai as baterias usadas nos carros (sim também tem uma bateria)

          No eléctrico estes resíduos e oleos não existem e as baterias hoje já são recicláveis.

          Olhemos agora para os indirectos, em qualquer negocio a distribuição e a oferta de produtos indirectos é fundamental.
          Um veiculo tradicional não funciona sem gasóleo ou gasolina, neste caso a oferta é limitada e o controlo deste produto por países instáveis leva aos aumentos e instabilidade dos preços, como se tem visto ao longo dos anos, e mais ainda recentemente.
          A extração do petróleo tem bastante mais impacto ambiental que as baterias e a escassez do petróleo é algo preocupante, bem como os resultados de sua extracção.
          No que toca a distribuição do grude para as refinarias pelo mundo fora, bem digamos que os petroleiros poluem mais de que o mercado automóvel, claro que isso não se fala, assim como os acidentes ambientais que estes tem tido ao longo dos anos, a BP e o ambiente ainda não recuperou do ultimo.

          Finalmente, a distribuição para os postos de abastecimento, a menos que comeces a usar teslas semi, o impacto ambiental dos camiões que transportam o combustível é no mínimo preocupante.

          Ainda achas que os eléctricos são piores que os carros de a combustão?
          Não são os senhores da OPEP que são idiotas, essa atributo pertence á classe que acha que o gasóleo e gasolina nasce naturalmente e de forma ecológica nos postos de abastecimento espalhados pelo mundo.

          … e bom, uma ultima nota para te perguntar se alguma vez viste como se limpam os depósitos por debaixo dos postos de abastecimento, ou mesmo os dos petroleiros. Imagino que a resposta será não, assim que te aconselho a pesquisar os impactos causados por estas limpezas.

          Se depois de tudo isto ainda achas que o descarte nos combustíveis que o projecto e o descarte no que toca aos combustíveis é melhor que nos eléctricos, então deves pensar bem quem são os idiotas, um abraço de um Paulo para outro 😉

          • paulo says:

            A melhor resposta é o tempo, ele irá responder todas as duvidas da humanidade.

          • Paulo L says:

            Se todo este tempo que tivemos não foi suficiente, se o aumento de doenças relacionadas com pulmões não foi suficiente …
            Então lamento informar que o tempo restante não vai ser suficiente para responder a duvidas porque não haverá humanidade (pelo menos não como a conhecemos).
            Felizmente temos alguns “idiotas” em locais de poder que ja obrigaram a mudanças para que ganhemos mais algum tempo.

          • paulo says:

            Eu não acho que só os carros convencionais causa a poluição, eles representam uma parte do problema, mesmo que os elétricos ou outras tecnologias sejam paralelamente aplicada o problema continuara da mesma forma porque foi feito um paliativo e os velhos hábitos continuam, isso diz respeito e muito a governo e empresas.

          • Paulo L says:

            Ninguém diz que os carros são o maior problema do planeta, mas são um dos maiores problemas da cidade.

            Alem de que temos de começar por algum lugar, se conseguirmos nos próximos 20 anos retirar os carros e camiões, vamos reduzir (não acabar) a extração de petróleo e todo o seu transporte.
            Cada vez mais as cidades tem transportes mais ecológicos, eléctricos e outros.

            Depois a outras guerras para travar, como energia a partir de carvão, fabrica de tratamento de metal sem filtro de partículas, etc …

  72. jorge says:

    Desde quando a Tesla produz carros na Alemanha?

  73. Daniel says:

    Chamar estudo a isto só pode ser piada… é uma brincadeira para lerdos!!
    Ainda para mais vindo da Alemanha, que já nos deu o poderosíssimo lobby Diesel (quando há mais de 20 anos a OMS diz que as emissões são cancerígenas) e a maior burla de sempre da industria automóvel (VW)!
    Mais engraçado é considerarem a produção do Tesla, das baterias e da re-carga das mesmas nos carros eléctricos, mas, no MB com motor diesel, só se lembraram de contabilizar que sai do escape – porque o carro e o gasóleo caem o céu!…
    Claro que a energia eléctrica gasta na refinação do gasóleo não tem CO2 na pega, só a electricidade para a carregar as baterias !..
    Ah, e é claro que o tal MB C220D só liberta CO2 – o restante (que é bem pior!) fica para a próxima!!

  74. Tiago Costa says:

    Nem sou defensor nem contra os eléctricos, mas quando as baterias dos eléctricos começarem as estourar (como um BMW I3 que circulou aí pelas redes sociais) quero ver o que se vai fazer….

    • jorge says:

      Bom, a história que ouviu do BMW i3 não é a verdadeira história, esse i3 não tinha a bateria danificada nem tampouco teve de a levar, era sim um carro abatido importado.

      Sobre o que fazer às baterias, faz se o que já se faz, que é usa las em baterias estacionárias em instalações solares, quando não derem para mais nada, são recicladas para darem nova vida a outras, tal como acontece com as de chumbo que saiem dos veículos a combustão.

    • Daniel says:

      Desconheço casos de baterias de carros eléctricos a estourar, mas não me parece que seja mais grave do que os milhares de Mercedes que começam a arder espontaneamente pela Europa fora (e cujos casos a MB nunca assumiu qualquer responsabilidade)!!

  75. João Peres says:

    As baterias têm um tempo de vida útil, será que são menos poluentes que hidrocarbonetos?… pensem no assunto.
    Mto/Obrigado.

    • jorge says:

      Segundo estudos sérios são, mas se dúvida meta Google gigafactory tesla, depois meta refinaria de Sines e conte quantos fumeiros tem uma e outra, depois verifique a proveniência da energia que gastam, depois verifique os acidentes ambientais de uma e de outra, é um pouco mais difícil que especular, mas temos as nossas respostas.

  76. Rui says:

    Quem me dera também ter carros onde o combustível nasce dentro do depósito e não houve emissões de CO2 para o extrair, transportar, refinar e transportar novamente.

  77. jaugusto says:

    Tretas!!!
    Primeiro gostaria de saber a que proposito estão sempre a repetir este estudo que circula á anos feito por três bestas que nem sequer percebem nada da industria automovel:
    ………………………………..
    1º – As baterias duram mais de 150000 km – muitos dos primeiros teslas tem mais de 200 000 milhas!! A reclicagem existe e a sua utilização em powerwalls ou sistemas de backup como na australia:
    https://www.inverse.com/article/51515-tesla-s-battery-has-already-saved-south-australia-a-huge-amount-of-money

    2º – Compara um tesla model 3 com 473 hp com um mercedes C220 com 194 hp

    3º – Emissões de CO2 são calculados com valores errados tem em conta os dados oficiais:
    https://www.umweltbundesamt.de/themen/co2-emissionen-pro-kilowattstunde-strom-sinken?fbclid=IwAR3pmV9-PhNJ9ULjsSXqjat8XdUynFLg__NhX_1PjGNqOlSLIivhst7d1rY

    4º – Não inclui valores de transporte e produção dos diesel mas inclui apenas emissões de geração de electrecidade.

    5º – Parte do pricinpio que toda a electrecidade é gerada a carvão o que não é verdade.

    ————–
    Source:
    https://chargedevs.com/newswire/here-we-go-again-german-research-institute-claims-diesels-are-cleaner-than-evs/

    • Paulo de Almeida says:

      Certo, mas o quê é que a potencia de cada carro tem a ver com o assunto ? Os cavalos do carro A ou do carro B nada tem a ver para as contas pois os consumos e emissões de CO2 são relativos e exponenciais com a utilização da potencia disponível, logo aumentam em ambos os carros para os mesmos km ás mesmas velocidades.

  78. Paulo de Almeida says:

    se vamos contabilizar o CO2 emitido pela mineração do lítio temos que incluir nas contas também o CO2 emitido pelos ICE com:
    -A quantidade de CO2 que resulta da extracção do crude.
    -A quantidade de CO2 que resulta do transporte crude por navios que só por si bate de longe o CO2 da mineração do lítio.
    -A quantidade de CO2 que resulta da refinação do crude que só por si atinge níveis estupidamente altos.
    -A quantidade de CO2 que resulta do transporte por camiões dos combustíveis até ás bombas, e que mais uma vez só por si é logo mais uns 100 gramas por km vezes milhões de km vezes milhões de camiões.
    -A quantidade de CO2 que resulta da energia gasta pela bomba que coloca o combustível no deposito do carro.
    -A quantidade de CO2 que resulta da produção dos lubrificantes dos ICE.
    -A quantidade de CO2 que resulta da distribuição dos lubrificantes dos ICE.
    -A quantidade de CO2 que resulta da reciclagem dos lubrificantes dos ICE.
    -A quantidade de CO2 que resulta da poluição dos fluidos não recicláveis dos ICE
    … bem, podia ainda acrescentar mais uma duzia de pontos a esta lista, mas certamente já está a ver onde isto vai dar.
    Feitas as contas de uma forma honesta e sem lobbies por detrás de interesses … é quantidade final de CO2 por km que um carro a combustão custa ao ambiente é astronomicamente muito superior a um carro eléctrico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.