Quantcast
PplWare Mobile

Supercarro a hidrogénio XP-1 da Hyperion é capaz de chegar aos 355 km/h (vídeo)

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Luis says:

    Sou só eu que nao vejo grande futuro no hidrogenio, é muito caro de se transportar e fica caro de produzir individualmente em cada bomba daqui a uns fica igual ao preço da gasolina, ao contrario da eltrecidade que tenho sempre em casa e se quiser ponho um painel solar, nao fico a depender de ninguem nem nenhum lobby para abastecer o carro

    • Pedro Costa says:

      Como se a energia que chega a nossa casa não pudesse obedecer a um lobby (como as rendas da EDP por exemplo) ou a compra de paneis solares não pudesse sofrer do mesmo…

      • Luis says:

        Isso nunca será um lobby porque tu podes produzie energia em casa eu nao posso arranjar petroleo em casa se pudesse de certeza que a gasolina nao era o preço que é

        • ze says:

          Então vai produzir e armazenar energia em casa e depois explica-me o que fazes ao excedente e quanto isso te custa ao final do mês.

          • Luis says:

            o excedente podes “dar” à rede, em paises como a australia ja existem muitos casos destes pessoas que meteram paineis uma bateria que durante a semana dá perfeitamente para quando estas em casa à noite, envolve outros tipos de tecnologia por exemplo fazeres uma maquina da roupa e ligar a maquina quando a energia esta no pico, hj ainda é dificil ter só auto consumo ao fim de semana mas durante a semana é perfeitamente possivel, quato me vai custar no final do mes ? ai é que esta a graça 0 o sol ainda nao se paga claro que os paineis sao caros e as baterias tambem mas faz as contas de quanto dinheiro em combiustivel ja gastaste na tua vida ate agr já tinhas pago 3 sistemas destes.

        • Joao says:

          Não é assim tão simples. O auto-consumo está regulado e temos que ter em conta que os combustiveis sao uma grande fonte de receita fiscar para o estado. Ora sendo Portugal um estado deficitario, se essa fonte seca, essa receita fiscal terá de ser compensada de alguma forma.
          Por outro lado, é muito dificil que consigas produzir energia suficiente para auto-consumo num cenário desses a não ser que vivas num terreno consideravelmente grande e mesmo que consigas produzir toda a energia que consomes, estarás sempre dependente de fabricantes de paineis, baterias e outros componentes.

          • Miguel says:

            Não podia faltar a falácia da ‘receita fiscal’.

            Se não deitares tanto capital para fora do país a comprar petróleo esse capital fica a circular cá dentro. A gerar emprego a gerar economia a gerar ‘receita fiscal’.

            E a poluição que causa custa um balúrdio.

            O saldo ‘fiscal’ dos combustíveis é negativo.

          • ze says:

            Miguel, convido-te a vir a Portugal, aqui compramos petroleo mas exportamos refinados para toda a Europa, e temos muitos empregos criados às custas desse negócio.

          • Joao says:

            Já cá faltava o iluminado de turno.
            Com “combustíveis” também me referia a electricidade e outros, não exclusivamente ao combustível vendido nas estações de serviço. Se reparares na tua factura de electricidade, se é que a pagas, também te é cobrado o IVA. O Sector energético move muito dinheiro em qualquer país e haveria uma transformação brutal da economia se todos conseguíssemos produzir a energia eléctrica que consumimos. ISto é irrefutável . Nunca disse que é melhor continuarmos dependentes dos combustíveis fosseis, isso é o que tu quiseste entender para poder vir aqui disparar uns tiros de forma pouco amigável, como sempre fazes nos teus comentários que têm tanto de lucidez como de frustração.
            Voltando à tua afirmação, e como sei que não comentas sem fundamento, podes partilhar essa informação que corrobora o teu comentário, concretamente a parte “O saldo ‘fiscal’ dos combustíveis é negativo” ?

          • Miguel says:

            Portugal tem um *défice* comercial de quinhentos milho€s mensais nos combustíveis.

          • Miguel says:

            Pagas iva na eletricidade porque pagas eletricidade. Se não pagares eletricidade ficas com esse dinheiro para utilizar noutros produtos/serviços onde vais pagar o mesmíssimo iva. O iva é uma não questão no assunto.

          • Miguel says:

            “isso é o que tu quiseste entender”

            Tu é que quiseste entender que foi isso que eu entendi.

            Não metas as tuas ‘certezas’ no meio das minhas frases.

      • Vera Alves says:

        Gostei da linha de pensamento. Inteligente

    • ze says:

      Não estás devidamente informado sobre o hidrogenio, tão pouco sobre os electricos.
      Irá levar aproximadamente 50 anos até termos tecnologia e infraestrutura para termos carros 100% electricos em moldes que compensem ao consumidor face ao hidrogénio.
      Hidrogénio está preparado hoje, só converter refinarias e bombas de abastecimento.
      Falam sempre de lobby como sendo uma coisa má, existem muitos lobbies que beneficiam e muito consumidores e governos, é tudo uma questão de idoniedade, capacidade e visão dos governadores e dos lobbistas.
      Deviam viajar mais, procurar perceber o que se passa na Dinamarca e no Japão neste sector para perceberem o quão manipulados andam a ser por esse lobby das electricas.

      • Miguel says:

        lol
        Estás convencido que é só meter H2 para dentro dos tanques de gasóleo e já está?
        lol

      • Luis says:

        obrigado vou entao dizer ao meu tio para vender o eletrico dele que so vai pode usar daqui a 50 anos ahah, só para esclarecer que qualquer casa pode carregar um eletrico, para mim compensa a eletrecidade é muito mais barto que o hidrogenio vai ser mas pronto ca estremos para ver.

        • ze says:

          O problema não é o teu tio, o problema dos electricos é a escala.
          Se queres mudar todos os carros para electricos tens vários problemas que não se resolvem tão cedo:
          1. Rede electrica não suporta
          2. Rede de carregamentos
          3. Tempo de carga
          4. Tempo de viagem com unica carga
          5. Grande parte da população não tem garagem box e outra grande parte que tem não tem divisão electrica separada para o condomino
          6. Custo elevado de aquisição
          7. Custo troca de baterias
          8. Lixo poluição decorrente da mesma
          9. Grande parte da energia usada para carregamento não é renovável, muito menos se aumentarmos o consumo de energia e colocarmos todos os carros que circulam na equação.

          São problemas impeditivos de se avançar com carros electricos para as massas, são problemas do foro tecnologico e de infraestruturas de um país, não vais conseguir resolver apenas com boas ideias e boa vontade, muita coisa tem de mudar, muita coisa de evoluir. Por isso o hidrogenio ganhou terreno, por isso o hidrogenio é a aposta segura para as próximas décadas.

          • João Pacheco says:

            Um comentário inteligente por fim

          • Cláudio says:

            Um comentário objectico que subscrevo. Só faltou referir as enormes perdas em cada tranformação que a energia sofre, desde o processo de geração, até que ela seja usada naquilo a que efectivamente se destina nesta aplicação, fazer mover um automóvel. Ao contrário do que os distraidos pensam, estamos muito longe. Como alguém dizia, ter o vosso carro elétrico é viável, termos todos elétricos utilizáveis, é um desafio a décadas de distância. Quer os distraidos queiram, quer não, o diesel é uma solução ainda com muito para oferecer. Já agora, não é em mudar os automóveis que está a solução, é na mudança radical do nosso estilo de vida. Estejam atentos ao que vos impõem pelos media.

          • Nuno V says:

            “1. Rede electrica não suporta”
            Para já, não. Mas também ninguém vai trocar todos os carros do dia para a noite. A rede elétrica pode ir sendo incrementada progressivamente. Mas o aumento da energia produzida para substituir os veículos ligeiros de passageiros não é tão drástica como muita gente tenta passar. Precisávamos de produzir aproximadamente 20% mais energia elétrica. E já agora como vais obter o hidrogénio. Se for através da eletrólise o aumento da energia vai ser ainda mais significativo.

            “6. Custo elevado de aquisição”
            Estás-te a queixar do preço dos carro elétricos enquanto defendes os carros a hidrogénio? Já olhaste bem para os preços dos carros a hidrogénio? Parece-me a mim que não, pois estes são substancialmente mais caros que os a bateria.

            “8. Lixo poluição decorrente da mesma”
            É que a produção de um carro a combustão interna e o seu combustível e óleos, bem como a sua operação é extremamente limpa. O mesmo se diz da obtenção do hidrogénio que mais de 90% vêm de combustíveis fósseis.

            “9. Grande parte da energia usada para carregamento não é renovável, muito menos se aumentarmos o consumo de energia e colocarmos todos os carros que circulam na equação.”
            Em maio de 2020, em Portugal, a energia gerada oriunda das renováveis equivale a 71,63%, das não renováveis 28,37%. Mas mesmo que absolutamente toda a energia fosse oriunda de fontes não renováveis (com a exceção do carvão), continuaria a ser mais “ecológico” conduzir um carro elétrico. Isto por causa da eficiência de todo o processo que permite um carro elétrico andar vs um carro a combustão interna.

            “Por isso o hidrogénio ganhou terreno”
            Como? Das marcas mais vendidas, apenas a Toyota não suporta veículos a baterias, todas as restantes estão a apostar em carros cuja energia é armazenada em baterias. Das grandes marcas, para além da Toyota, apenas a Hyundai e a Honda comercializam veículos a hidrogénio. E isto é demonstrado número de vendas em 2019, nem 8000 carros a hidrogénio a foram vendidos mundialmente, enquanto que os carros a baterias venderam mais de 5000000. Pior ainda, 55% das vendas provêm de um único país, Coreia do Sul.

          • Nuno V says:

            @Claúdio
            “Só faltou referir as enormes perdas em cada tranformação que a energia sofre”
            Queres comparar com as perdas energéticas em cada transformação dos combustíveis fósseis, desde a extração, ao transporte, à refinação,…?

          • JL says:

            1- A rede eléctrica suporta, à 20 anos atrás havia uma tv por casa, um frigorífico por casa e sem computadores e outros equipamentos que as pessoas têm, tudo isso hoje é multiplicado pelo numero numero de habitantes, um carro a fazer a média de kms que o português faz não gasta mais que um frigorifico. nunca faltou luz a ninguem. A rede vai adaptar-se ao consumo, eu tenho veiculos eléctricos desde 2007 e a factura não aumentou 10 euros por mês desde então.

            2- o mesmo acontece com a rede de carregamentos.

            3-tempo de carga é um mito, o carro passa a maior parte do tempo parado, logo isso não é problema, alias, perde-se mais tempo nos abastecimentos, porque nessa altura não podemos fazer mais nada, ao contrário do carro eléctrico, enquanto ele carrega eu estou a dormir.
            4- depende da rede de carga, mas quem faz grandes viagens compra algo para isso mesmo.
            5-Mentira, segundo o censos 2011 a maior parte das habitações têm garagem sim, atenção que Portugal não é só Lisboa.
            6-Custo da aquisição por ser novidade, que mesmo sendo maior, em poucos meses ou anos (dependendo da utilização) é recuperavel
            7- isso é o mesmo problema que os a combustão têm na troca do motor, e também existe mercado em segunda mão, eu tenho numa carrinha de 1998, electrica de origem uma bateria de um tesla que bateu em 2018.
            8-isso é um não problema, já existem várias empresas a reciclar em 98& as baterias
            9- Mentira, grande parte da energia é renovável sim, e mesmo que não fosse, sai num menor custo para o bolso e para o ambiente ter um carro eléctrico.

            Desculpe que lhe diga, mas você é que vive ainda no século passado, se for para paises como Noruega e outros, mais de 50% dos veiculos novos que se vendem são eléctricos, e falamos de paises maiores que Portugal. Acorde homem, estamos em 2020.

      • Samuel MG says:

        E depois há porcaria… Não esqueçam que já houve uma bomba que fornecia hidrogénio a carros que arrebentou. O hidrogénio é inflamável.

    • GM says:

      Com um painel solar não vais longe (330Wp). Muito menos para carregar a bateria do carro. A menos que queiras utilizar o carro 1 vez/mês.

    • João Pacheco says:

      E depois andas a trocar baterias e a vender rins…. Vamos ser realistas, os carros elétricos não têm pernas para andar

  2. Abreu says:

    Ainda vai levar uns 40 anos para o hidrogênio pegar de galho.. e Portugal na linha da frente a produzir hidrogênio verde… Ou pode dar para o torto e lá vamos tapar mais um buraco em Sines! Kkk

  3. TugAzeiteiro says:

    O Hidrogénio só será aplicado para industria e navios de mercadorias. Tudo o resto é pura utopia, simplesmente derivado aos custos exorbitantes de requalificar tudo o que é posto de abastecimento. Depois há a questão do desperdício enorme de energia desde a produção, armazenamento, transporte, novamente armazenamento e finalmente distribuição! Tudo isto juntando o risco de explosão… que já aconteceu em um posto de abastecimento no UK.
    O Hidrogénio continua em cima da mesa simplesmente por causa das grandes companhias petrolíferas/energia!

    • ze says:

      Hidrogenio continua em cima da mesa porque os electricos não têm viabilidade num mercado de massas.
      Entre segurança de hidrogenio, gasolina ou bateria, sei bem em qual me sinto menos seguro a andar e com receio de bater, só mesmo em electricos.

      • Nuno V says:

        Achas mesmo que em caso de embate o veículo de maior risco é o eléctrico? Ora o hidrogénio precisa de muito pouco energia para entrar em combustão. Sendo um gás, este quando entra em combustão, a propagação da chama é ondens de magnitude superior aos combustíveis líquidos, bem como o seu volume aumenta bem mais rápido. Isto tudo dentro de um tanque cujo gás se encontra a 70MPa. Na realidade, em caso de algo correr mal, o risco é substancialmente menor num eléctrico.

        • Redin says:

          É a mesma coisa como que aconteceu com o GPL, certo? Que medo!

          • Nuno V says:

            Não, nem sequer remotamente parecido. A pressão são várias ordem de magnitude superior. 700 bar no caso de um tanque de hidrogénio, vs 6,5 bar de uma garrafa de propano. Mais de 100x superior.

          • Redin says:

            Estou consciente desse facto relativamente as diferenças de armazenamento dos diferentes gases.
            Quando fiz referencia ao GPL e os seus mitos foi na perspetiva de fazer lembrar que na altura o tecnologia não estava suficientemente evoluída para assumir uma instalação que “poderia correr riscos de segurança”. Hoje é tolerado e seguro.
            O mesmo vai acontecer com o Hidrogénio.

          • Nuno V says:

            Não é bem assim. Apenas a energia mecânica da pressão do gás nos tanques de hidrogénio é bem superior à energia total (mecânica e química) de uma garrafa de gás de propano de igual volume.

            Isto para não falar de outro problemas, como é energeticamente ineficiente armazenar hidrogénio, para não falar de problemático e perigoso. Bem como não temos nenhuma maneira de extrair hidrogénio de forma energeticamente eficiente e, ao mesmo tempo limpa. Por alguma razão a quase totalidade do hidrogénio que usamos é obtido através de combustíveis fósseis, os mesmo combustíveis fosseis que nos queremos ver livre.

  4. Sérgio J says:

    Bem falado. Muito bem, muito bem. Alguém que não tem as vistas curtas

  5. Tó Canelas says:

    Hidrogénio será o futuro quando for mais viável, ou seja, o custo de desenvolvimento produção e abastecimento de postos for muito mais reduzido. De todas as tecnologias existentes até agora, incluindo o eléctrico, é a menos poluente em todos os aspectos. Mas infelizmente não me parece que isso seja possível em 2022, marcas japonesas já andam a desenvolver a tecnologia há anos mas nunca deu em grande coisa precisamente devido aos elevados custos.
    Mas continuo a achar que será o futuro a menos que descubram uma nova tecnologia que seja menos poluente ainda e mais económica a nível de produção.

  6. jaugusto says:

    No fim de contas o que conta é que a electrificação veio para ficar, a própria Shell uma das maiores companhias do mercado está apostar em força e a substituir estações de combustivel:
    https://www.linkedin.com/pulse/why-we-need-plan-achieve-ban-sinead-lynch/?linkId=94113110#electricvehicles
    https://thedriven.io/2020/07/20/shell-wants-uk-to-accelerate-ban-on-fossil-fuel-car-sales-to-2030/

    Eficiência de hidrogenio (55%)face ás baterias(95%):
    Hydrogen Fuel Cell or Li-ion Battery
    https://batteryuniversity.com/learn/article/fuel_cell_technology
    paragrafo:Hydrogen Fuel Cell or Li-ion Battery

  7. Redin says:

    A utilização do hidrogénio vem resolver um problema urgente que as baterias não resolvem.
    A utilização nos períodos nocturnos para o armazenamento que se torna extremamente cara e na sua reciclagem também cara e poluente. Sim, tem a vantagem do seu transporte, mas hoje já convivemos com os combustíveis fosseis que precisam de estruturas de transporte e elas podem ser aproveitadas para receber o hidrogénio.
    O fim de vida útil de uma bateria coloca uma necessidade ambiental em risco.
    O fim de vida útil do Hidrogénio…. opss! …não existe. E o risco ambiental… é a agua.
    Abastecer uma viatura leva uns 5 minutos. Carregar uma bateria, talvez uma meia hora?
    Entre a capacidade de reforçar a rede eléctrica para absorver as necessidades dum mundo todo eléctrico com a sua ineficiência de armazenamento e o reaproveitamento das redes energéticas de combustíveis fosseis para aceitar o H2, prefiro esta ultima.

    • Redin says:

      …risco ambiental…é a agua (quero referir-me que é um produto da combustão)

      • JL says:

        Combustão ??? então o hidrogénio é consumido em forma de combustão ???? LOOOOL

      • Redin says:

        Obviamente queria dizer reação química. A palavra “combustão” apareceu num contexto em que estava a explicar antes num post anterior que a opção de motores por combustão a hidrogênio não era aceitável devido as propriedades físicas dos motores que não aguentam a temperatura e criam fissura.

        • JL says:

          Não é por isso, mas essencialmente porque a ineficiência dos motores a combustão deixava essa forma de combustível inviável, neste momento num eléctrico já custa cerca de 15 euros para fazer 100 kms, com ele a arder dentro de camaras de combustão iria para uns 50 euros na boa. Já foi testado por várias marcas, BMW, Mercedes, Honda, entre outras. Projectos que morreram logo ao nascer.

    • Nuno V says:

      “O fim de vida útil do Hidrogénio…. opss! …não existe.”

      A sorte é que eu estava equipado com uma luva de forno, senão tinha aleijado a minha testa. O que disseste é a mesma coisa que dizer que o fim de vida útil da gasolina…. opss! …não existe.

      Para não falar que a célula de combustível detiora-se, aliás a fiabilidade é um dos problemas das células de combustível.

      Falas de água como se não houvesse problemas, esquecendo-te que parte da água será em forma de vapor de água, e vapor de água também é um gás de efeito de estufa.

      • Redin says:

        Não percebi a piada/alusão à luva de forno nem sobre a vida útil da gasolina.
        Duvidas que o Hidrogênio não tem vida útil? Ē apenas a maior quantidade do universo.
        A fiabilidade da célula não é um problema do hidrogênio assim como os elementos mecânicos de um carro convencional não são um problema da gasolina.
        E mais uma vez, serão a todo o momento objecto de melhorias e desenvolvimento por novas membranas.
        O vapor de água apenas é um efeito de estufa em micro ambientes. Esse vapor de água ao sair do escape transforma-se imediatamente em água.

      • Nuno V says:

        “Ē apenas a maior quantidade do universo.” Correto, no entanto esqueces-te de mencionar que o hidrogénio “liga-se” facilmente com outros elementos, formando moléculas. Hidrogénio isolado é quase não existente no nosso planeta. A grande maioria encontra-se na água e em moléculas orgânicas (ie. como os combustíveis fósseis).

        Qual é a vida útil das energias renováveis? Bem mais tempo que a capacidade do nosso planeta suportar vida. Ou seja, quando o nosso planeta não passar de um rochedo morto e ainda será possível obter energia das renováveis, como a eólica e solar.

        Mas a parte ridícula do teu argumento não é essa. é que estás a comparar a vida útil de um componente com a vida útil da fonte de combustível. Aliás, usando essa tua impecável lógica, em vez de elétricos devemos de nos manter os combustíveis fosseis. Afinal de contas a vida útil de uma bateria ainda é bastante inferior à “vida útil” do petróleo.

        “A fiabilidade da célula não é um problema do hidrogênio assim como os elementos mecânicos de um carro convencional não são um problema da gasolina.”
        Mentira, porque a vida útil da célula de hidrogénio é substancialmente inferior à dos restantes componentes de um carro a hidrogénio, ou de um carro equipado com um motor de combustão interna.

        “O vapor de água apenas é um efeito de estufa em micro ambientes.”
        O vapor de água é sim regional e não global como os restantes gases. Isso porque o tempo de residência do vapor de água na atmosfera é aproximadamente 9 dias. Gases como o cf4 podem manter-se milénios, como co2 podem manter-se séculos. Isso não significa que o vapor de água é apenas um gás de efeito de estufa em micro ambientes, isto é uma mentira. Na realidade, o vapor de água representa precisamente o gás que mais contribui para o efeito de estufa.

        “Esse vapor de água ao sair do escape transforma-se imediatamente em água.”
        Outra mentira. Parte da água transita da fase gasosa para a liquida, mas parte mantêm-se em forma gasosa.

    • JL says:

      E vida útil das células de combustivel? Não, eu dou um palpite, são uma fracção das baterias. Já agora prove lá porque as baterias são poluentes?

    • JL says:

      Um veiculo a hidrogénio leva 5 minutos a abastecer, mas são 5 minutos que lá está, mais o tempo de pagar e de se deslocar para lá, um veiculo eléctrico com baterias (sim porque a hidrogénio também são eléctricos com baterias) leva 10 segundos a ligar e desligar a ficha, o restante tempo em horas são tempo que não precisamos lá, isto muita gente não sabe, MAS NUMA CARGA DE VEICULO ELÉCTRICO NÃO PRECISAMOS DE ESTAR A SEGURAR O CABO!!! LOOL

  8. AJ says:

    Se eu tivesse 50 000€ para investir em acções investia nesta empresa https://www.nanoflowcell.com/

  9. Redin says:

    Estou consciente desse facto relativamente as diferenças de armazenamento dos diferentes gases.
    Quando fiz referencia ao GPL e os seus mitos foi na perspetiva de fazer lembrar que na altura o tecnologia não estava suficientemente evoluída para assumir uma instalação que “poderia correr riscos de segurança”. Hoje é tolerado e seguro.
    O mesmo vai acontecer com o Hidrogénio.

  10. Vera Alves says:

    Concordo com todos de forma geral…mas..essa história tem prós e contras em todos os tipos de energia . Sou mais a favor dos painéis solares ….mas o equipamento e caro e não é reciclável!
    Tudo vai ter sempre pró e contra . E a Edp ,soma e segue, enquanto puder tirar de nós o dinheirinho! Infelizmente. E daqui à 50 anos nem sabemos se ainda extira o planeta chamado terra. Ah! Já agora o carro tem um design brutal,espetáculo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.