Quantcast
PplWare Mobile

Modificação bizarra traz um Tesla Model 3 a metade do preço e com 1000 km de autonomia

                                    
                                

Imagem: Edison

Fonte: Edison

Autor: Vítor M.


  1. GM says:

    A mesma solução (porventura mais eficiente) do extinto OPEL AMPERA / CHEVROLET VOLT. Carro eléctrico “híbrido”, em que o motor a gasolina serve apenas como gerador de energia / extensor de autonomia. No caso do OPEL, recorria a um motor 4 cillindros 1,4L .

    • Jorge Fernandes says:

      Tenho um Ampera e creio ser a melhor opção… neste caso o motor a gasolina apenas serve de gerador de corrente que alimenta as baterias. Nunca é transmitida tração do motor a gasolina às rodas.

      • Rui says:

        Por acaso em autoestrada o motor térmico acopla directamente e passa a transmitir directamente.

        Também já tive um e adorei o carro, pese embora a estética muito tunning e ter apenas 4 lugares

    • Fernando Jorge says:

      O extinto AMPERA?!?!?!?!
      Calma… que o meu está bom de saúde!!!! (bate na madeira) 🙂

    • Louro says:

      A empresa para a qual trabalhava na altura que esse carro apareceu teve 2 ou 3 e eu tive a infelicidade de me ser atribuido um.

      Problemas atrás de problemas e fraca qualidade para o preco que custava, para além disso, tinha uma performance mediucre.

    • Tarcis says:

      Seria bom que esses gajos fizessem um balanço de energia. Difícil acreditar que diminuir motores possa combinar com mais energia armazenada.

  2. MiguelC says:

    então estão a andar para trás? 🙁
    Pensei que o propósito da tesla era apenas veículos que usam energia verde.

    • Ficolixado says:

      Tao mas esta obra não é da Tesla kkk

    • Paulo Santos says:

      Não foi a Tesla que alterou, Foi uma empresa Austríaca que modificou um Model 3.

    • Hugo Nabais says:

      Isto não é andar para trás!
      O híbrido plug-in é a melhor solução para fazer a transição de ICE para full electric.
      No dia a dia nas pequenas deslocações a bateria chega e sobra e carrega em casa.
      E nas deslocações maiores usa o motor ICE e assim não há problemas com falta de alcance ou lentidão no abastecimento para grandes viagens…
      Eu se comprasse um carro novo apenas compraria algo deste género.
      Full electric, com a escassês dos postos de abastecimento, e a lentidão no abastecimento ainda não são viáveis na minha opinião.

      • mlopes says:

        depende do tipo de percurso.
        se fôr um percurso urbano e semi-urbano um 100% elétrico funciona na perfeição e até a autonomia de um zoe ou de um leaf são mais do que suficientes.
        não fosse o preço, os pequenos 100% elétricos já reuniriam hoje todos os requisitos para serem os segundos carros de familia de eleição.
        com o preço atual, só como carros de empresa (descontos de frota muito grandes, iva dedutível na totalidade, sem tributação autónoma e sem iuc e ainda com comparticipação do estado) os pequenos 100% elétricos acabam por compensar, em termos estritamente financeiros

      • DIOGO OLIVEIRA SILVA ALMEIDA says:

        A questão é q o ser humano se acostuma dms com as situações, eu sou mais radical cara ,prefiro usar um 100% elétrico, ok q agr n tem infraestrutura e q o carro é algo de importante , por ser algo de importante o ser humano iria atrás dos problemas e resolver, como postos e autonomia, se o ser humano entendesse q o carro meio elétrico fosse so por um tempo eu concordaria ctg, so q ele se acostuma dms fica na zona de conforto

  3. Patrick S. says:

    A ideia é boa. O melhor dos elétricos mas com a gasolina para dar mil km. Era o ideal mesmo.

  4. Nick says:

    O hibrido com pequeno motor para alimentar baterias com opcao para recarga em casa e’ a melhor solucao. Teoricamente apenas se gasta combustivel em viagens de centenas de km. E o preco e’ um terco dos actuais CVs.

  5. Rui says:

    isto é claramente andar para trás, nao tem nada a ver com o que a Tesla faz….enfim

    • Manuel says:

      Anda é mais para a frente. Muito mais que um Tesla normal.

    • DIOGO OLIVEIRA SILVA ALMEIDA says:

      A tesla no seu primeiro modelo estudou fazer um híbrido so q n vai com a políticas deles e na época o valor n se demonstrou tao vantajoso, prefiro 100% elétrico cara , n é so um carro , é um significado atrelado ao energia verde sabe

  6. iMF says:

    Basicamente é um Tesla com baterias da Sh!t, e com um gerador a gasolina na mala da frente.
    Como nunca ninguém tinha pensado nisso, arranja um gerador para um carro elétrico no porta malas …. hahahah

    • João Cansado says:

      Nunca ninguém tinha pensado? Isso deve ser ironia. A versão anterior do BMW i3 tinha a hipótese de ter um motor exactamente nestas condições. Esta solução da BMW foi abandonada.

      • Rui says:

        Tinha o i3, o ampera, os volvo, os Vw e até os mercedes e bmw.
        Pelos vistos eram bastantes.

        O meu preferido era o ampera com o qual se faziam percursos de quase 100 km em modo electrico só usando a gasolina em emergência.

        Pena quererem passar para 100 por cento electrico quando um carro híbrido com 100 km de autonomia era o ideal para muita gente.

        • mlopes says:

          os 100% elétricos têm que ser o futuro.
          vamos é ver se a baterias, se de lítio ou com outra qualquer tecnologia (hidrogenio, etc) ou material para as baterias

  7. Vanessa says:

    o futuro sempre foram os hibridos, nao a porcaria que a tesla insiste em impingir. já existem tantas alternativas e melhores que a tesla que nem será preciso a tesla para nada.

    • rodrigo says:

      o BMW i3 tem esta mesma opção. Pode-se comprar um com um pequeno motor que nao movimenta directamente o carro mas que gera energia a partir da gasolina.

    • rodrigo says:

      ‘já existem tantas alternativas e melhores…’

      diz-me la uma alternativa que esteja disponível neste momento. Enquanto que vais pensar, vou esperar ali sentado.

    • João Cansado says:

      Estás enganado. Os híbridos não só são uma percentagem pequena dos carros actuais e nunca atingirão uma expressão razoável antes de começarem a desaparecer. É uma projecção com alguns anos mas que se têm confirmado com o passar do tempo. É uma tecnologia idiota e cara por terem que ter dois motores e também complexa e não têm interesse económico.
      Infelizmente já nada pára os carros eléctricos. E nem sequer é racional ter carros electricos, é apenas uma forma de nos mudarem a vida, tirarem-nos a liberdade, de nos condicionarem e controlarem os movimentos e de sermos obrigados a mudar tudo. Não vamos ser proprietários dos carros, vamos pagar mais para sermos transportados porque como é logico a electricidade fica muito mais cara que os combustíveis fosseis, os carros vão estar sempre em movimento para não ocuparem espaço estacionados. Estes são planos que estão em curso na China onde já há datas para acabar com carros com motor a combustão despoluir as cidades e enfiar mais uns milhões de mongolóides nos mesmos km quadrados. Neste momento na China há cerca de 700 marcas que produzem carros eléctricos. Para cúmulo os carros eléctricos são muito mais rápidos e fáceis de controlar electronicamente.

    • Louro says:

      @Vanessa,
      Imagino que nao tenhas a oportunidade de colocar os gluteos num Tesla sem que seja no banco do pendura.

      Devias de experientar.

    • mlopes says:

      o futuro só pode passar por terminar de vez com os hidrocarbonetos, daí que os híbridos não sejam uma solução inteligente.
      vamos é ver que tipo de tecnologia será a que irá vingar para alimentar os motores elétricos

  8. Samuel MG says:

    Se deixar de existir gasolina esta modificação torna o carro num pisa papéis gigante de 25 mil euros. Só mesmo os austríacos para fazem isto. Lá vai mais uma empresa europeia falir.

    • Vítor M. says:

      Sim isso era uma realidade, mas sabes quando vai deixar de haver gasolina? Nunca. Quando isso acontecer e eu, nessa altura estiver errado, venham aqui comentar sff. 😉

      • Tugatesla says:

        Tu vais primeiro. Mas a gasolina também vai acabar por ir.Tu tens é uma escala do tempo muito curta.

        • Vítor M. says:

          Nem digo que sim nem que não. Quando for, quem andar por cá, que venha escrever. Pessoalmente não acredito que a gasolina alguma vez deixará de ser usada.

          • Rui says:

            Vai acontecer como o petróleo que usávamos para iluminar as casas.

            Mas concordo contigo não está para breve.

            Muito menos o fim do diesel porque não estou a ver a breve trecho mudarem os camiões e autocarros para eléctricos.

            Vai acontecer mas ainda vai demorar

          • Vítor M. says:

            O diesel vai demorar, mas sim parece ter uma vida mais curta. A gasolina é que tenho ideia que nunca acabará porque há muita, é um poderoso combustível e em breve ficará “mais verde” e menos agressiva para o ambiente. Pode haver um novo rumo em vários segmentos motorizados. Mas vai ser interessante ver o desenrolar deste mundo daqui em diante.

          • mlopes says:

            num planeta com recursos finitos estás errado à partida, sem qualquer margem para divergências de opinião 😉

          • Vítor M. says:

            Recursos finitos? Teoricamente, até porque na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma 😉 tenho as minhas reservas do significado de finito…

          • wave says:

            Na escala geológica não há recursos finitos. Para nós apenas é finito porque durante uma ou duas gerações não se renovam as reservas, mas isso não é o significado de finito.
            Dizer que a gasolina/gasóleo irão acabar não digo, mas motores a combustão com eficiências de 25 30%, acabar isso já acredito. A combustão tem uma eficiência estúpida e já se deviam ter adotado outros meios mais eficientes, pelo menos para algo que é usado no dia a dia de milhões.

          • Vítor M. says:

            Espera… sim , vieste e bem ao ponto importante. Eficiência. É isso que vai mudar. Provavelmente, digo eu, a forma como a gasolina é “queimada” e como é aproveitada vai mudar, tornando a sua eficiência muito maior e diminuindo significativamente a “poluição”. Isto é o que entendo que vai acontecer, tendo em conta alguns sinais que estão a ser dados há alguns anos.

  9. rodrigo says:

    o BMW i3 tem esta mesma opção. Pode-se comprar um com um pequeno motor que nao movimenta directamente o carro mas que gera energia a partir da gasolina.

  10. Rafael says:

    Carro elétrico é coisa de Nutella.
    Coisa de europeu, ou melhor, européias. kkkkkk

  11. Flavio says:

    Pergunta parva. Para que 1000km??? E um camião que vai dar a volta a Europa?

    • Louro says:

      É para o pessoal que nao faz mais de 50km por dia, poder dizer que tem uma autonomia de 1000km.

      Muito util para comparar com o carro do vizinho.

      • Hugo Nabais says:

        Mais uma vez não sei se estás a ser irónico ou a falar a sério.

        Há muita gente que precisa de mais de 50km por dia, para não falar que há muita gente que gosta de passear ao fim de semana e não estar limitado a 300 ou 400km e a ter que procurar e esperar por postos de carregamento.

        Esta e outras soluções híbridas são excelentes opções, enquanto se melhora o sistema de postos de carregamento bem como se evolui as baterias dos eléctricos.

        • Louro says:

          @Hugo Nabais,
          Não estou a ser irónico.

          Basta pensar um pouco, para facilitar as contas, para percorrer 300 km com uma velocidade média de 100kmh, tens de conduzir por 3 horas.

          Convenhamos que não é fácil fazeres uma média de 100kmh, logo adicionamos aqui meia hora.

          Quem é que no seu perfeito juízo conduz durante 3 horas e meia sem nunca parar? Nem que seja por 30 minutos para esticar as pernas e tomar um café.

          Enquanto está parado, mete o carro à carregar e voila…

          • Pedro Lopes says:

            Se o fizer com muita frequência, acabará rápidamente por ter que comprar uma nova bateria pela módica quantia de 30k€ e, muito provavelmente… Voilá! Um pisa papéis assim para o carito…

          • manuel jose morais ribeiro says:

            Quem bem do estrangeiro não conduz 3 horas seguidas conduz 10 e 12 e há muito quem fassa maid

          • Louro says:

            @Pedro Lopes,
            O valor poupado dá para pagar a bateria, que por acaso nao sao 30k mas sim no maximo a volta de 12k para um Model S, por isso nao espalhes informacao falsa.

            @Manuel Jose Morais Ribeiro,
            Só se for alguém inconsequente e que nao tenha qualquer tipo de zelo pela sua seguranca, da sua familia e pela dos outros.
            conduzir por mais de 4 horas seguidas sem parar é perigoso e irresponsavel.

            Eu vivo fora de Portugal e regularmente vou a Portugal de carro, ou mesmo passeio pelo resto da Europa de carro. Nunca senti a necessidade de conduzir mais de 4 horitas seguidas, quanto mais 10 horas.
            Por causa disso é que se ve muitas vezes pessoal na beira da rua que infelizmente já nao chegarao ao seu destino, pessoas inconsequentes que se metem a conduzir por largas horas sem descansar.
            Se nao chegar hoje, chego amanha, o que importa é mesmo que chegue.

            Se queres uma opiniao, ainda bem que nos eletricos és forcado a parar, mais uma maneira de aumentar a seguranca nas estradas obrigando as pessoas a parar para carregar os seus carros.

    • manuel jose says:

      Nem a volta a Portugal quanto
      mais a Europa

  12. Tugatesla says:

    Estes austríacos ou são muito estúpidos ou estão a brincar. Chega a ser uma ofensa esta palhaçada que os palermas fizeram.

  13. jgago says:

    Esta é a solução ideal para os próximos tempos, enquanto não existir uma infraestrutura capaz de alimentar uma frota maciça de carros elétricos.
    Quantos de vcs vivem numa casa com a capacidade de ter um carro em casa a fazer o carregamento rápido? Imaginem uma garagem coletiva com 50 carros à carga em simultâneo. Existe algum prédio de habitação com essa capacidade?
    Até a infraestrutura da REN/EDP tem que ter essa capacidade.

    Por estes motivos o opel ampera e esta alteração sugerida pelos Austríacos, tem toda a lógica e pernas para andar, na próxima dezena de anos.

  14. ALBATROZ says:

    Ok. Já é a segunda vez num curto espaço de tempo que caímos no mesmo ERRO. Estou a falar entre o final século (XX) e o tão recente século (XXI). Refiro-me a, primeiro criámos a máquina e seguidamente andamos aos papéis para a alimentar e mantê-la autónoma por tempo minimamente aceitável.
    Ora bem, para quem não está a identificar os objectos em questão, são nada mais nada menos que o nosso querido TELEMÓVEL que já não o é pois criamos coisa melhor “SMARTPHONE” que igualmente sofre do mesmo problema agravado AUTONOMIA. O outro pois é aquele que tá em debate neste artigo. O tão apetecível “AUTOELECTRICO” muita tecnologia muito bonito marca “TESELA” criada exclusivamente para o mesmo mas… Voltamos a cair no mesmo logro; FAZER A CASA PELO TELHADO.
    Quando é que a nossa ENGENHARIA pára para pensar e nos deixa de induzir em ERRO levando a que comprem coisas que supostamente serviria para facilitar e no fundo vem para complicar.
    Alguém disse : “O CAMINHO FAZ-SE ANDANDO” e eu acrescento “E NÃO RECUANDO”.
    Recordo estamos já no século XXI…
    DEZEJOS DE ÓPTIMAS IDEIA PARA 2020

  15. King Banido says:

    Assim, os nossos amigos Teslas já não ficam parados a meio de uma nacional! Já podem ir a vontade e não andar com o rabo apertado 😀

    Viva a tecnologia!

    • Paulo Santos says:

      Meu caro, está redondamente enganado. Aconselho a informar-se antes de prestar comentários sem nexo.
      Tenho um elétrico há 4 meses e 24000 km e nunca me deixou ficar mal.
      Se não gosta de elétricos está no seu direito, mas deixe de dizer disparates. Informe-se e, se possível, experimente.

    • Louro says:

      Devo de ser caso unico, pois até ao dia de hoje nunca fiquei sem bateria… já quando tinha carro a combustao, fiquei sem gasolina umas duas ou tres vezes.

      • Hugo Nabais says:

        Nem sei se estás a ser irónico ou a falar a sério.
        Há bombas de combustível em qualquer lado, ninguém fica sem combustível a não ser que seja mesmo aselha.
        Já postos de carregamento há muito poucos, nem todos funcionam e já me aconteceu várias vezes estarem todos ocupados.

        • Paulo Santos says:

          Hugo, pela mesma lógica só um aselha fica sem bateria.

          Mas fica com pouco combustível em algumas zonas do interior depois das 22 horas e vais a pé para casa.

        • Louro says:

          @Hugo Nabais,
          A mesma azelhice se aplica a ficares sem bateria.

          Sabes que há sítios onde não tens bombas de gasolina por km seguidos não sabes?

          Uma das vezes que fui azelha e fiquei sem gasolina, foi de madrugada em trás os montes, antes de secar ainda corri 3 ou quatro bombas na zona, todas elas fechadas.

  16. TugAzeiteiro says:

    Vem aí novidades das baterias para os Teslas em 2020… já se fala no model 3 receber uma bateria de 100kwh… ou seja o dobro da atual! O Desportivo que vão lançar no final de 2020 ou início de 2021 tem uma autonomia superior a 1000kms… tenham calma… as baterias de hoje em dia daqui a 10 anos vão parecer pilhas de 9v!

  17. paulo g. says:

    Pela minha experiência de condutor VE (com 120km de autonomia) e outro fumarento, 99% das viagens o VE chega perfeitamente, no meu caso. Portanto um plug-in carrega 99% do tempo um motor de combustão. O fumarento anda ainda menos (com a outra pessoa) e ao fim de semana usa-se o VE…

  18. Tonio says:

    Apesar das criticas é uma excelente ideia… o conceito não é inovador, mas o facto de pegarem no melhor eléctrico e darem-lhe esse extra de autonomia sem alterar o resto, é genial.

  19. prcv78 says:

    Gasolina extinta? …e então o etanol o biodiesel ou até o gpl?
    O sistema sería ideal se fosse projetado para combustíveis e/ou mais “verdes” e renováveis!
    No Brasil há tanto os carros com motor a gasolina como a etanol, mas na Europa continuam os interesses em rentabilizar ao máximo o petróleo…
    Esse “tal” sistema já existe nos comboios de mercadorias há anos e anos, por questões técnicas os motores eléctricos são mais seguros e o motor a diesel só serve para produzir eletricidade… Não está em prática nos veículos citadinos, camiões etc. porque não há interesse
    por exemplo vemos países a vangloriar-se com a tecnologia fotovoltaica… Há quantos anos conhecemos as calculadoras e os relógio com aquele “painelzinho” solar?
    Enfim…

  20. Ruy Acquaviva says:

    Pessoalmente eu não gosto muito da ideia de veículos híbridos porque tem a complexidade dos motores a combustão à qual acrescenta-se o sistema elétrico. Além de se manter as desvantagens de complexidade de manutenção dos veículos a combustão, ainda acrescenta-se bastante peso extra ao veículos, peso este que ir´s traduzir-se em gasto extra de energia.
    Mas entre as soluções híbridas esta de usar um pequeno motor a combustão para estender a autonomia das baterias do veículo elétrico, mantendo-se a tração exclusivamente elétrica, parece-me a mais racional.
    Evita-se a inclusão de equipamentos pesados como caixas de câmbio e pode-se usar um pequeno motor de alta velocidade e que vai funcionar sempre na rotação ideal. Claro que existem perdas na conversão da energia mecânica do motor para energia elétrica, mas estas são amplamente compensadas pela redução de peso quando comparados co veículos de tração híbrida.
    Só não acho que esta seja uma expressão do veículo do futuro. Trata-se de uma adaptação temporária para quem tem que fazer viagens maiores com certa frequência, enquanto as baterias não atingem a autonomia e velocidade de recarga ideais. Considerando esse ponto de vista a solução apresentada me parece bastante interessante.

  21. Dani Silva says:

    Deveria ser crime estragar uma obra prima de engenharia que são os carros da Tesla…

  22. Ruben says:

    Nada que a tesla já não tenham pensado mas se a ideia é largar o uso da gasolina e gasóleo nao faz muito sentido mas ok híbridos já a muitos mas elétricos com o alcance que os teslas tem nem por isso isso

  23. manuel jose morais ribeiro says:

    Só queria que me dissessem quanta poluição sera produzida para eliminar todas as baterias a cada 10 anos pelo que parece ser a durabilidade das mesmas?

    • Paulo Santos says:

      Menos poluição do que a deixada pelo óleo usafo nos motores de combustão.

    • Louro says:

      A resposta é óbvia,

      Neste momento as baterias sao reciclaveis praticamente na sua totalidade, seja para servirem de armazenamento de energia para outras aplicacoes ou mesmo para os seus componentes serem extraidos e assim fabricar outras baterias.
      Acredito que no futuro, irao ser reciclaveis a quase 99%.

      Quanto ao a cada 10 anos, convém o pessoal nao falar daquilo que nao sabe, tudo indica que durarao muito mais tempo, e para além disso a tecnologia tem evoluido muito nos ultimos anos, aumentando nao só a densidade das baterias, como também a sua durabilidade.

      Um exemplo, de momento as ventoinhas que geram energia através do vento, sao apenas ligadas quando precisamos de energia, quando nao precisamos pura e simplesmente paramos as mesmas pois fica caro armazenar a energia.

      Imagina que todas as baterias de todos os carros eletricos, que já nao servem para ser usadas nos carros, eram usadas para armazenar a energia que hoje nao estamos a capturar para usarmos mais tarde.

      Quem diz as ventoinhas diz paineis solares, ou mesmo outras formas que temos de gerar energia sem causar poluicao.

      Imagina um mundo, onde o custo de gerar energia é tao mas tao barato e limpo, que a podemos usar praticamente deborla e quase sem limites.

      • GM says:

        De borla?? Não me parece. Repara que em Portugal quase 50% da energia eléctrica provém de fontes renováveis. E nem por isso o custo/kWh tem descido na mesma proporção a que tem crescido a incorporação de renováveis. Aliás, a única forma de, individualmente, cada qual conseguir obter energia mais barata, é ser produtor no âmbito do auto-consumo. Com a legislação recentemente aprovada, em Outubro de 2019, já se consegue ser, não independente, mas menos dependente dos fornecedores de energia. Claro, quem possa ter instalações nesse âmbito, seja com recurso a fotovoltaico seja com recurso a eólico. E com a utilização de baterias dispensadas de VE, aumentar a sua independência, acumulando o excedente de produção durante o dia para utilizar à noite. É um investimento que a longo prazo vai ser amortizado, isto se se mantiver na mesma habitação.

        • Louro says:

          Eu disse, quase deborla, no entanto o teu exemplo é correcto mas apenas adaptado a Portugal e paises como tal onde nao podes fazer absolutamente nada sem dar de mamar ao governo.

    • A Mendes says:

      Manuel Ribeiro, consegue arranjar-me uma bateria de automóvel usada (com menos dos 70% de capacidade de armazenamento) para mim?…eu compro!!!

      É que não existem apesar de muito procurar… mesmo nas marcas.
      Precisava para usar na “segunda vida” da mesma: backup residencial! Conhece o conceito? Com nome mais conhecido de PowerBank Doméstico (Powerwall da Tesla)?
      Produzir de dia (basta 2,5Kw no telhado) e consumir desligado da rede!

      Até chegarem a ser desmanteladas/recicladas, as baterias dos automóveis vão durar…décadas!

      Nota: A Renault já anunciou uma fábrica para este segunda vida das baterias que atinjam os 70% de capacidade, ou outros motivos, que leve a substituir nos automóveis.

  24. Francis says:

    No Brasil vejo que não teremos isto antes de 2030, não entendo um país tão grande com tão pouca tecnologia, estamos muito atrasados em tecnologia aqui!

    • Rui says:

      Agradeça ao Bolsonaro, por ele nem painéis solares vai tudo a petróleo e carvão.

      Mas não se assuste os americanos estão no mesmo caminho, quando acordarem vai ser tarde.

      Mas também não é novidade a Inglaterra deixou acontecer o mesmo na revolução industrial e quase todos lhe passaram a frente.

      Prevejo o mesmo para os americanos enquanto Trump reinar e para os Brasileiros enquanto tiverem por aí um discípulo de Trump como Bolsonaro.

  25. Antonio says:

    Eléctricos sim!.
    Mas não baterias litio.
    Hidrodrogenio, água do mar ou semelhante, sim, mas baterias vai ser sol de pouca dura.

  26. Ney says:

    O futuro é o elétrico,e não os híbridos,investir em baterias melhores e infraestrutura ,os postos que se adequem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.