PplWare Mobile

Governo dos EUA quadruplica as taxas sobre os carros elétricos chineses, de 25% para 100%

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Pedro says:

    Muito bem. Agora a Europa.

    • RRR says:

      Depois a china faz o mesmo à VW BMW e Mercedes e acaba a festa

      • José says:

        Já viviam antes sen a China! É serem menos gananciosas e mais honestas que mercado sempre esteve aqui! O mais detestável foi ver marcas europeias passarem para mais chinesas, para como sempre adquirirem tecnologia e meios que por si só jamais os teria! A última prova disso, foi apresentarem uma cópia da Cibertruk da Tesla! Nem disfarçam.

        • Realista says:

          Antes viviam COM a China.

          A China simplesmente era o maior mercado da GM – e têm caído ao longo dos anos descendo para segundo posto, mas também representa vendas significativas da Ford – que é só o seu segundo maior mercado.

          As marcas Americanas e Europeias é que parece que não querem fazer esforços para se atualizarem e o mais fácil é fazer pressão política do que fazerem investimentos…

          • João-Sousa says:

            Só falda dizer que aquelas sucatas ambulantes que inundam a américa do sul em grande escala são carros mais “atualizados” do que os que se produzem na Europa e EUA.
            A maior parte dessas marcas nós nunca ouvimos falar.

          • Realista says:

            Não teres ouvido falar de uma marca não significa que seja má. Nos anos 80 ninguém conhecia a Samsung em Portugal e no entanto hoje em dia o reconhecimento da marca é inegável. Portanto não é por não conheceres uma marca que significa que ela seja boa ou má…

            Neste momento quem domina o mercado da America do Sul é a GM, seguido da Stellantis, Renault, VW e Toyota. E se estas não se modernizarem e continuarem a fazer o mesmo, correm o risco de virem a ser destronadas rapidamente como acontece na China.

          • Avlis says:

            O grande problema são os subsídios que o governo chines dá às suas empresas. Custo total de produção, ex: 10 000 Eur. Subsídios do governo 10 000 Eur. podem bem vender a 11 500 Eur. Produzam o que produzirem nunca têm prejuízo, têm sempre lucro, emprego no pais, exportações e acabam com a concorrência, acabando anos mais tarde por praticarem os preços que bem desejarem. Basta ver o que aconteceu com o pequeno comércio, acabaram com os pequenos comerciantes Portugueses e abriram lojas do chines por todo o lado e a praticar, agora, o preço que bem entendem.

      • Rui Gante says:

        A china ate pode fazer isso mas ate os chineses preferem a qualidade europeia a chinesa. A china e a fabrica da europa mas os genios e a criatividade e design moram todos deste lado. Temos pena

      • Croft Lara says:

        A China JÁ mete altas taxas nos produtos importados, só não o faz nos modelos europeus fabricados lá.

        A Europa só tem que fazer o mesmo que faz já a China. A China evita produzir na Europa porque sabem que ao cumprirem os standard europeus perdem logo a vantagem que têm!

        A china o que quer é:
        – que todos fabriquem lá senão levam com taxas
        – produzir os seus próprios carros lá para serem baratos mas exportar sem taxas (isso é que é).

        Mas não pensem que os EUA são os corretos, eles fazem tudo para se beneficiarem. Vejam o caso de que podem viver, trabalhar e estudar na Europa com muitíssimos benefícios e se for o contrário parecemos marginais…

    • José says:

      Nem mais, já tarda.

    • Ivo says:

      Os VE chineses quase não são vendidos nos EUA, graças às políticas protecionistas do antigo governo. Por este motivo, o tal 100% não vai afetar muito a indústria de VE chinesa. Agora, também acho que aumentar a taxa em 100% é um exagero. Depois, vem o tal secretário de estado dos EUA andar a dizer que quer manter uma boa relação econômica com a China (declaração feita há 2 semanas atrás). Quanto ao seu comentário “Muito bem. Agora a Europa”, pode desencadear uma guerra comercial, que ninguém ganha com isso. Dou um exemplo, o grupo VW (foi a declaração do próprio grupo) indicou que 40% de suas vendas globais são provenientes do mercado chinês. E o próprio governo alemão também é contra qualquer sanção aos VE chineses.
      https://www.escapelivre.com/2023/10/governo-alemao-nao-quer-taxas-nos-automoveis-chineses/

      • Avlis says:

        “Por este motivo, o tal 100% não vai afetar muito a indústria de VE Chinesa.” Então, se não vai afetar muito a indústria chinesa, porque é que: “China exige aos EUA que retire “imediatamente” tarifas sobre carros elétricos” ??? O que não me afeta não me incomoda, certo? Mas não parece ser bem assim. De uma maneira geral, a china sem o mercado Europeu e dos EUA vai vender veículos elétricos onde? Se nem na Europa existe meios de carreamento eficazes, em que países fora da Europa e EUA é que vai vender? Médio Oriente? Só quer saber do petróleo. Restantes países da América e da Ásia? Sem capacidade de carregamento e produção elétrica. África? é para esquecer.

  2. Rodrigo says:

    Ainda no outro dia, comentei no post sobre o Trump dizer ao que vem sem surpresas em relação aos eléctricos, depois temos um Biden que nunca se sabe o que vai fazer.

    100% de taxa sobre carros eléctricos da China, resumindo quem quiser comprar um agora tem que pagar o dobro e metade fica para o Biden, não admira que o Trump continue a subir nas sondagens.

  3. TugAzeiteiro says:

    Aprende Europa!! Mas claro está vão debater e debater e voltar a debater mais um pouco durante um bom par de anos…

    • Fusion says:

      Bro a Europa está é preocupada com o Booking e se o iPhone tem ou não usb-c, ou se da para instalar apps fora da store.

      A europa não tem tempo para esses assuntos “menores”.

      Se houvesse um premio facepalm para as decisões estratégicas, a Europa ganhava destacadamente um.

      • Humberto says:

        Não sei se sabe, a UE tanto tem departamento para pensar no bem estar digital dos europeus, como nas trocas comerciais automóveis…

        O Pplware também devia de fazer uns prémios idênticos para os comentários…

    • Rui Gante says:

      A europa se tivesse lideres a serio apertava a hungria e o orban e juntava a albania, servia, montenegro, georgia, Macedónia e a Moldavia a UE. A ucrania não tem condicoes e seria demasiado caro mas a UE mostrava a sua forca. No entanto a nato não se expandia para esses paises, não faz sentido provocar

      • saul says:

        Boa anedota… A isso chama-se de fascismo. Aquilo que tanto acusas outros de serem, mas que pelos vistos tanto adoras. Saudades do Tio Adolf?

  4. David Guerreiro says:

    Para a Tesla, Rivian e outras será ótimo. No entanto o mercado dos EUA ainda é praticamente dominado pelos automóveis de combustão, o mercado dos elétricos é muito pequeno.

  5. Mestre Interespacial says:

    O que foram agora fazer… 😐

  6. Aves says:

    Não são só os impostos sobre os veículos elétricos que aumentam:
    – Nos VE passam de 25% para 100% (4 vezes mais)
    – Aço e Alumínio passam de 0% a 7,5% para 25% (mais do triplo)
    – Semicondutores passam de 25% para 50% (o dobro)
    – Painéis solares passam de 25% para 50% (o dobro)
    E há mais produtos.
    A China já disse que ia retaliar.

    • José says:

      Que retalie! Vivi dezenas de anos com tudo feito no Ocidente e a tecnologia evoluiu sempre bem como os preços oan descendo, a tecnologia democratizou-se. Desde há 30 anos perdemos fábricas e empregos em prol de um país que nas costas trata-nos por inimigo e que está sempre atento aos avanços tecnologicos Ocidentais procurando sempre copiar ou espiar! Uma estupidez sem fim, tem dominado a politica Ocidental. Parece que quer mesmo ser substituída por outra e ser submetida por povos e regimes comprovadamente desumanos e obscurantistas. Nunca deveria ter caído neste truque.

      • Aves says:

        Engano. A China foi o país que melhor soube aproveitar a globalização – mas os consumidores, de todos os países, beneficiaram de produtos baratos. E a redução das taxas alfandegárias da globalização – que não é apenas nas trocas comerciais com a China é entre todos os países, teve efeitos mistos nas empresas e empregos dos países europeus: enquanto uns sofreram um choque, a que souberam reagir (ou não), para outros foi uma enorme oportunidade de expansão e de criação de emprego.
        O que estás a dizer tem a ver é com o engano quanto aos efeitos esperados da globalização, e que enganou até parte da população chinesa – que haveria uma democratização semelhante ao ocidental, que estávamos todos na mesma onda, que a política não interessa, o que interessam são os negócios.
        O refluxo da globalização, como este enorme aumento das taxas alfandegárias nos EUA, a que vai responder a China, só vem complicar a situação económica e política mundial.

      • Ivo says:

        Como falou de espiar, por acaso sabe porque é que o Snxxden fugiu? Quem espia os aliados, é um ato muito feio, só mostra que não confia os aliados, bem como mostra certo desprezo. Outro assunto que abordou – “um país que nas costas trata-nos por inimigo”, quando é que a China atacou a Europa ou EUA, a que chamamos o mundo Ocidente, não me lembro que tenha acontecido, quer agora, quer nos últimos 40 anos. Outro, se não gosta dos produtos dos Chineses, não é obrigado a comprar, pois ninguém obrigou. Mas deve ter cuidado, uma vez que o PC, tablet, telemóvel, etc. que usa para comentar aqui, ou é feito na China (com design na Califórnia) ou possui peças Chinesas.

  7. MLopes says:

    viva a globalização!
    ups, esperem, afinal a globalização só serve para vender produtos dos eua e da europa no resto do mundo e aí sim serve para ajudar os consumidores de todo o mundo (not).
    quando é ao contrário, pois é há que proteger não os consumidores, dando-lhes a possibilidade de comprarem o que quiserem aos melhores preços, mas sim proteger os grandes conglomerados…dos eua e da europa…para que mantenham os seu lucros especulativos e que se danem os consumidores!
    viva a globalização!

    • Jose says:

      Viva, ainda bem que há gente como você que quere dar o seu emprego para outro! É um santo!

      • Realista says:

        Portanto, em vez de pegares numa máquina de escrever e num papel onde poderias ter escrito este texto e enviado por correio para a redação do pplware para dares emprego à industria do papel, de canetas, tintas, plásticos, máquinas de escrever, correios, etc decidiste pegar no teu aparelho e fazer isso tudo rapidamente e sem custos e que tira o emprego a milhares de pessoas…

        … O que quer dizer que não estas a fazer o que apregoas.

  8. freakonaleash says:

    Os chineses só têm que fazer o que americanos e europeus fizeram no passado e investir para fabricar localmente nos mercados onde querem vender. Todos agradecemos!

  9. GY Bla says:

    Acho mal que taxem os VE tornando-os tão caros como os carros europeus/americanos. Assim o consumidor fica a perder para as companhias fabricantes apresentem lucros fabulosos. Os preços de alguns elétricos são um autêntico “roubo”, numa altura em que há uma desvalorização marcadíssima dos carros, ainda sem um mercado consolidado de segunda mão.
    Os governos deveriam era dar apoio aos fabricantes europeus/americano para venderem a preços competitivos com os chineses. Nós agradecíamos.

    • Aves says:

      E donde vinha o dinheiro para os governos darem apoio aos fabricantes europeus/americanos? Dos contribuintes europeus/americanos, claro.
      “Nós agradecíamos” – quem? Os compradores de VE que compravam um carro europeu/americano ao preço de um VE chinês, ou os contribuintes que tinham que pagar os subsídios?
      Em tempos falava-se na “árvore das patacas” (uma moeda antiga, no Brasil e em Macau). Abanava-se a árvore e caíam as patacas. Ainda há quem acredite que o dinheiro cresce nas árvores.

  10. Yamahia says:

    Sou o único a achar que os carros chineses estão, no ocidente, caríssimos para aquilo q oferecem?
    Para quê estes fait divers políticos?Sinceramente não entendo.
    O mercado é implacável e se determinado produto não tiver qualidade deixa de ser comprado. E os chineses ainda não atingiram esse patamar mínimo para serem vistos pelos consumidores como uma aposta segura.

  11. saul says:

    É o desespero total…

  12. Carlos says:

    Nós consumidores somos os mais prejudicados. A Europa e os USA deslocalisaram as suas indústrias para a China pela mão de obra barata. Depois de manufacturados vendem-os a preços altíssimos. Eram autênticos casinos. Agora a China tendo a sua mão de obra mais barata apresenta produtos bem mais acessíveis para o consumidor, mas nós quase ficamos proibidos de comprar! O consumidor é sempre o elo mais fraco da cadeia…Viva a “proteção da segurança nacional” … tem ironia aha ah

  13. saul says:

    Os maiores inimigos dos cidadãos Europeus são os fascistas na UE agarrados a tanta corrupção, principalmente Ursula von der Leyen.

  14. Manel says:

    “Electricos” pelos visto somente, os térmicos não. O “money talks” agora é mais “Oil talks”.

  15. TdSR says:

    Fazem muito bem. O mundo tem de ser independente da China. Breve controlam Portugal inteiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.