Quantcast
PplWare Mobile

Afinal só compensa carregar o carro elétrico em casa?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. João says:

    O nosso destino é investir 5 a 10 mil euros a mais para poupar 3 mil euros em 5 anos e ao fim desse tempo ter um carro que desvaloriza muito mais do que um normal carro a combustão.
    Entretanto vamos subsidiando empresas para levar a agua novamente para barragens a montante, muitas vezes utilizando combustíveis fosseis e com isso voltamos a produzir energia limpa.
    Assim contrariamos o filosofo que dizia que a mesma agua não passa duas vezes no mesmo local.

    • John Doe says:

      Desvaloriza mais? Afirmação baseada em quê? Quanto vai valer um carro a combustão quando forem proibidos de circular ainda em mais zonas do que já são agora?

      • João says:

        E quanto valerá um elétrico com 8 anos a necessitar de 10000€ de baterias (ou mais)???
        Nos carros mais baratos ainda vai haver alguém a ter de pagar para o deixar em algum ponto de recolha.

      • sg says:

        A desvalorização não é só por causa das baterias, é porque os elétricos são essencialmente baseados em tecnologia de vanguarda, tanto na bateria como nas funções/gadgets/design. E isto está sempre a renovar-se, como os telemóveis ou computadores. Um ICE muda pouco em 10 anos a esse nível. A proibição de circulação de ICEs em Portugal ainda está distante e, de qualquer forma, quem precisa de levar carro para a baixa de Lisboa?

      • SM says:

        E quem compra um carro eléctrico usado com 4 anos ou mais? Alguém daqui já o fez ou conhece quem o tenha feito?

      • Manuel da Rocha says:

        E pagar 19300 euros, por novas baterias, updates de software e algumas alterações de hardware que podem demorar 180 dias a devolver o automóvel, ao cabo de 6 a 9 anos, é lucro? ´
        Sim, 9 em cada 10 marcas obrigam a que o carro vá a uma das fábricas para receber as novas baterias.

      • MCakaZim says:

        carro de combustao proibido de circular??? Parar de produzir si. Quando deixar de poder circular, parece-me que já n vou estar cá para ver isso

        • RC says:

          Já começam a haver zonas em cidades europeias onde carros a combustão não entram .

          Mas a sério , num futuro próximo quem vai querer continuar a andar com eles ? Também gostava de passar agora para um Nokia 3310?

          Só falam assim enquanto não experimentam.

        • g0tHiC.X says:

          Dinamarca e Canada já o
          começaram a fazer…É apenas uma questão de tempo.

          • PR says:

            O que se faz na Dinamarca e no Canáda está a anos-lus do que se faz em Portugal. Fui à Dinamarca em final dos anos 80 e já nessa altura tinham uma lei que era proibido consumir álcool durante a semana, outro exemplo lojas com produtos caros na zona comercial protegida com uma alarme com fios eletricos de não sei quantos mil volts. Isto cá em Portugal, em 2022 não existe, por causa da lei, dos lóbies e outros interesses que tais. A proibição total dos mototes de combustão cá em Portugal, irá fazer parte do mesmo pacote, implementação no dia de São Nunca À Tarde.

          • RC says:

            PR não sei se já deu por isso, mas há zonas de Lisboa que certos carros já não podem entrar.

            E sim, já existe uma data, mas ainda nada no papel.

            https://pplware.sapo.pt/informacao/portugal-a-partir-de-2040-sera-proibida-a-venda-de-veiculos-poluentes-novos/

    • Alvaro says:

      In DECO “A fórmula parece complexa, mas é simples: inclui preço de veículos e depreciação do mercado; custos e consumo de combustível/eletricidade; impostos (IVA, ISV, registo, IUC); e custos de seguro e manutenção.”

  2. Elektro says:

    Off-Topic: Também sentiram o aumento na Eletricidade.
    A mim dá uns 30€ de diferença com os mesmos consumos

  3. andy says:

    Bem, pelo que vejo do gráfico, o TCO de carros à combustível fóssil ainda fica mais barato que elétrico… para além de serem práticos – basta ir à bomba e encher o depósito. Se não fosse o fator ecológico – It’s no-brainer decision

    • Paulo Silva says:

      Pois mas é mesmo o factor ecológico que deve interessar para as actuais ou novas gerações. Os seres vivos não se alimentam de petróleo. Já estamos a sentir na pele com a actual seca severa em todo o país. As tecnologias estão a avançar, certamente serão mais económicas em poucos anos. Eu pessoalmente prefiro a opção hidrogénio, energia renovável e com menos pegada ecológica. No -brainer decision é insistir nos fósseis e olhar ao custo imediato.

      • sg says:

        As novas gerações querem é tablets no tablier e LEDs bonitos, e acham que os ICE são coisa de velhotes. Querem lá saber da ecologia ou das secas. A ideia de que todos os miúdos de 20 anos são Gretas Thunbergs é um disparate vendido pela comunicação social e empresas com interesses nessa área. PS: já 40 anos atrás eu era miúdo e lembro-me de haver secas. Não me digam que são só as alterações climáticas.

      • Manuel da Rocha says:

        Em 1998 o GPL é que iria “dominar 100% do mercado automóvel, antes de 2010”, ora em 2020, os carros a GPL são 0,953% dos que circulam nas estradas.
        Os eléctricos já chegam a 11,43% falta saber como será a versão de pagar 65000 euros por um carro e pagar 50000 euros, ao cabo de 9 anos para trocar por um novo… daí que há empresas já a pensar em “arrendar” automóveis a 280 euros mensais, incluindo a electricidade, sendo que o utilizador assina um contrato de 6 anos e poderá pedir um carro novo, no final desse tempo.

    • Imf says:

      Nao te esqueças que no gráfico ainda falta o GPL, ai e que te passavas com a diferença.
      So nao compreendo como o diesel esta mais dispendioso que a gasolina

  4. Pedro says:

    O aumento de vendas de carros elétricos não tem nada a ver pôr serem elétricos mas sim por existir benefícios fiscais na aquisição destes, umas ajudas do estado na aquisição, caso contrário desconfio que poucos iriam se meter na aquisição de um novo carro só porque é elétrico

  5. Ze Nandoooo says:

    Os valores apresentados já incluem essa “compensação” do Fundo Ambiental?
    É que se já incluem, o que este estudo aponta também é que não vale a pena comprar carros elétricos, dado o diferencial de preço de compra para um a gasolina.

    (claro que as manutenções e ciclos de vida das baterias não estão aqui em causa, nem quem tem a capacidade de produzir energia em casa – que não serão seguramente a maioria – mas ainda assim a diferença de preço não é tão grande quanto pensaria)

  6. CB says:

    Algo está errado no último gráfico. Em casa, com tarifa bi horária, carregar o carro para 100 kms não me custa mais de 2 euros., logo muito abaixo dos valores apresentados no gráfico. Sou cliente da velha SUeletricidade (nunca entrei no mercado liberalizado/desregulado)

  7. Há cada gajo says:

    Mas ainda há dúvida que os elétricos são pura ilusão e uma moda que se está a tornar em imposição ? Carros caríssimos, autonomia reduzidíssima e dependência da ficha…há lá coisa mais boa… Só para quem não lhes custa a ganhar e não tem nada para fazer.

    • John Doe says:

      Com mentalidades assim ainda andávamos em carroças.

      • João says:

        Não se trata de mentalidade, mas sim de uma moda para ricos ou abastados.
        De repente, o carro elétrico mais barato custa 5000 a mais do que um equivalente a Gasolina e isso é um facto com que os portugueses menos endinheirados vão ter de conviver.
        5000€ que não vão ser rentabilizados ao longo do período de utilização do carro porque passados alguns anos o carro não vale absolutamente nada e ninguém o vai querer porque a substituição das baterias terá um custo incomportável quando for necessário.
        Quem é que comprará um Leaf de 2015 por 9000€ com o fim da garantia das baterias à vista, sabendo que o substituição das mesmas custa 7000€+IVA mais mão de obra necessária????

      • Há cada gajo says:

        Com comparações idiotas não vamos a lado nenhum.

      • Manuel da Rocha says:

        85,55% da população portuguesa reside em cidades e prédios. Ora isto quer dizer que 86% dos portugueses não podem carregar o carro em casa (se não quiserem pagar 70000 euros por equipamentos vandalizados a cada ano). Carregar nos postos, obriga a deslocações que, podem, ser afastadas dos percursos que fazem e estar 45 minutos parado, não dá para a maioria das deslocações.

        • RC says:

          Pode mostrar a sua fonte de dados, é que os seus numeros não batem com anda.

          70000 euros por um carregador ? então vem forrado a ouro?

          É que na minha terra vendem isso por pouco mais de 200 euros.

    • Paulo Silva says:

      Pois é…há cada gajo a dizer disparates….
      Depender de ficha ou de mangueira…. oxalá não se queixe do aumento generalizado dos produtos essenciais, nomeadamente alimentares e que eles não faltem. Basta observar a actual seca severa que o País está a atravessar. A manutenção em oficina não tem nada a ver com carro de combustão. A tecnologia é recente e está a ser melhorada constantemente….há lá coisa mais boa ter clima normalizado, alimento na mesa, ar e água mais puros e vida mais saudável. Eu não bebo gasolina

      • Há cada gajo says:

        Como se o carro elétrico fosse amiguinho do ambiente. A diferença é que não poluis diretamente, mas precisas de energia para o carregar e precisas de produzir baterias, ou seja, não deitas fumo diretamente, mas ele está algures a ser libertado em doses concentradas. E sim, dependes da ficha. Vais compreender que a vida é demasiado curta para perder tempo a carregar o carro quando com a mangueira é num instante. E também deves achar que a eletricidade vai ficar mais barata. Estás num beco sem saída, só que ainda não percebeste …

        • Paulo Silva says:

          beco sem saída estás tu e ainda não te apercebeste. Tás a ver o que se passa à tua volta a nível global em termos de clima ou nem ligas muito a isso? A sustentabilidade do planeta está por um fio e não sou eu que digo. Em Portugal não chove há meses e está tudo à rasca sem saber como alimentar os gados e restantes animais. produção agrícola aspas aspas. Aumentos dos preços dos bens que começarão a escassear etc etc. Vives em que mundo?

          • Há cada gajo says:

            Nota-se quem não percebe onde vive : tu enquanto país és responsável por 1,5% das emissões poluentes da União Europeia que por sua vez é responsável por 9% das emissões mundiais e depois andamos aqui feitos tontos a endividarmo-nos em prol do ambiente ou a varrer o lixo para debaixo do tapete (os outros que poluam que eu sou um santinho). Já tens noção onde de vives ou queres mais uma dose de realidade. Estás a ser enganado todos os dias pelos fundamentalistas do costume, e gostas. Que mais podemos fazer nós aqui, na Europa, pelo ambiente e que não se fez já ? Paulo, neste momento na Europa, as alterações climáticas são um negócio, pois desviámos a produção de tudo o que consumimos para longe daqui, onde se continua a poluir. Queres melhor hipocrisia que isto que é o querer continuar a consumir oque está a ser produzido lá fora e tambem a “usar e a deitar fora” ? Paulo, este é o teu mundo. Acorda.

          • Filipe says:

            @Há cada gajo
            existe uma coisa que é dar o exemplo. Se ninguem faz nada, nada é feito. O futuro penso eu passará pelo hidrogenio, e verde. Os carros eletricos /hidrogenio tem como objetivo final será ser alimentado por energias renovaveis, tto o carro como as fabricas, E tb passará pela reciclagem. O problema disto é que envia-se a fabricação para chinas e outros. Isso é um grande problema. MAs alguem tem de dar o 1º passo. O mundo tem de evoluir para melhor.
            Quando dizes que as alterações climaticas são um negocio so podes estar a brincar. Por esse mundo todo está a acontecer episodios muito mais severos, o grande degelo dos polos, etc. Tens internet onde podes pesquisar tudo (nao me venhas com fontes via facebooks ou tiktoks).
            Os paises mais pobres que nem poluem grande coisa em africa tem sofrido imenso… A peninsula iberica passará a ser um deserto na sua maioria. No reino unido neste momento as plantas estão a florescer quando isso deveria acontecer so daqui a um mes e poe em risco o ecossistema.

          • RC says:

            Ah ok, então só quando formos responsáveis por 50 ou 100% é que devemos fazer algo ?

            É sempre a mesma história, a culpa é sempre dos outros, os americanos e chineses vão dizer assim, epá só somos responsáveis por 25 % da poluição mundial , portanto os outros que façam alguma coisa.

          • RC says:

            Filipe, espero que não passe pelo hidrogénio, pois como já foi dito por várias por algumas instuicoes, não muda nada, já que o requerimento de energia é muito superior, se já consumimos muita energia que não é renovável, então com hidrogénio vai ser pior, o problema do hidrogénio sempre foi o mesmo, é ineficiente e de difícil armazenamento e transporte.

          • Há cada gajo says:

            Filipe, mas tu ainda não percebeste ? Qual é o exemplo que tu dás ? Alguma vez alteraste os teus hábitos de consumo ? Pensas fazê-lo ? Aliás, és capaz de fazê-lo ? A Europa continua a poluir, mas de forma indireta pois mandou os outros fazer o lixo por ela. Isto é tão simples de ver. E ao dizer que as alterações climáticas são um negócio, não estou a negar a ocorrência das mesmas, estou é a dizer que as mesmas são usadas para tu…consumires, ! Ora vê lá bem no que é que isto vai dar. E tá descansado que as minhas fontes de informação estão longe de ser as redes sociais inúteis que referes. Querem nos convencer que caminhamos para um abismo. Talvez seja verdade. Mas ninguém dá passo atrás. Ninguém. Não te iludas.

          • Miguel says:

            E porque não combustível sintético?

          • RC says:

            @Miguel, sintético ou efuel, combustível feito de eletricidade, eu se fosse petrolhead vomitava-me logo. 😀

            Então mas os convencionais não estão caros o suficiente, querem algo 5 vezes mais caro ?

            Que venham eles, é que assim não restam qualquer duvida que os ev’s ficam mais baratos.

          • Miguel says:

            Electricidade produz-se sem escavar, baterias é que não….
            Como não gostaria de ter uma mina a meu lado, recuso esses carros.
            É tudo bom, quando as minas ficam longe de casa.

          • RC says:

            Então e um poço de petróleo já pode ficar ao lado da sua casa ?

          • Miguel says:

            Voltamos à minha ideia inicial. Combustível sintético, até porque começavam a fazer estudos de torná-lo compatível com carros normais. O que ajudaria muito o ambiente (Reutilização)

        • RC says:

          Miguel a gasolina não está cara o suficiente ?

          Combustível sintectico é feito de eléctricidade, para os puristas isto devia ser motivo de vómitos.:D

          • Miguel says:

            Combustível sintético poderia permitir a todos manter os seus veículos, nem toda a gente tem necessidade de os trocar. Tenho outras prioridades para o meu dinheiro.

            Quanto à electricidade é questão de usar energias verdes como nos carros electricos.

          • RC says:

            E está disposto a pagar 10 a 12 euros por litro ?

            O problema principal nem é esse, são os requisitos de energia para o produzir, se dizem que para eléctricos não vai chegar, então como chega para uma solução que gasta 10x vezes mais energia ?

          • Miguel says:

            O que me preocupa não é tanto a produção, é mais a rede, incluindo por exemplo em grandes apartamentos antigos.
            Para produção existem tantas formas, distribuir por todo o lado é mais complicado. Como se ve por exemplo na América onde por exemplo tiveram de instalar carregadores a diesel.

            Quanto ao preço do combustível preocupa-me tanto quanto o preço dos carregamentos + preço da bateria (ou aluguer) + preço do carro.
            Atenção que se o preço do combustível chegar a esses valores todos sofremos, não só o tipo que gosta de carros clássicos 🙂

          • RC says:

            Está preocupado com a rede e defende combustível sintético ? Não percebi, isso é alguma anedota ?

            Então depois vão produzir eletricidade com geradores a diesel para depois produzir combustíveis sintéticos ? ok, parece-me ok. LOL

            Mostre lá onde é que meteram geradores a diesel a alimentar carregadores. Segundo sei foi na Austrália num local sem rede, e para um evento. Mas fico à espera do link.

          • RC says:

            Já agora, não vejo qual o problema com as redes, eu tenho 3 electricos e continuo a ter a mesma potência contratada de sempre, aliás, até baixei, cheguei a ter 4.5 kva e agora tenho 3.45. Chego a fazer 240 kms por dia.

          • Ricardo Silva says:

            O combustivel sintético é uma maravilha, para ser mais uma fraude como foi (e ainda é) o Diesel.
            Mas claro o importante é que se façam estudos no sentido de atrasar ainda mais a transição, felizmente as imposições legais são cada vez maiores, senão nem daqui a 100 anos mudava alguma coisa.
            É como o hidrogénio, qualquer coisa serve para “entreter” o pessoal, nem que isso implique manter os lobbies da distribuição ou voltar trás uns 10 anos em termos tecnológicos (preços).
            Agora a grande preocupação já passou a ser os aspectos ambientais, quer das baterias quer (agora) até dos carregadores, ilariante, essa de vir falar dos “carregadores a Diesel”, se calhar até houve confusão em termos geográficos 🙂 como se isso fosse representativo em termos da rede existente, da nossa realidade ou mesmo da Europa.
            Não deixo de ficar admirado como é que estes “novos ambientalistas “, que criticam tanto os VEs, ainda continuam a usar os seus carros a combustão, em vez de andar a pé ou de bicicleta (desde que não eléctricas), soluções efectivamente sustentáveis!

          • RC says:

            @Ricardo – messssssssmo…..

          • Miguel says:

            Querem transitar transitem…
            A Cassette Beta também era fantástica, mas o pessoal escolheu VHS.
            Escolham o que quiserem, mas deixem o mercado funcionar e o futuro dirá.
            Para mim, com a minha utilização do carro, baterias não servem e só comprarei se não tiver outra hipótese.

          • RC says:

            @Miguel, exato, e o mercado escolheu a melhor, como sempre vai ser, podem inventar as conspirações que quiserem, mas o mercado e o cliente é que escolhe.

            No caso do exemplo que sugere, a diferença foi o preço, o mercado escolheu a mais barata.

    • Rui Peixeiro says:

      É mesmo uma ilusão… Eu cá estou contente por fazer 1000kms e gastar 14,60€ em carregamentos!
      A autonomia até podia ser só 60 ou 70kms, que para o trajeto diário serviria bem. Carrega em casa durante a noite e no dia seguinte está pronto. São vários os casos em que a poupança no combustível paga o empréstimo da aquisição.

      É óbvio que não é solução para todos. Se não se tem possibilidade de carregar em casa, de preferência durante a noite e com tarifa bi-horária, já não compensa tanto. Os carregamentos públicos são caríssimos, mas mesmo usando os 7,30€ para 100kms do exemplo no texto, consegue ser mais económico que a maioria dos carros a gasóleo/gasolina.

      • Ricardo Silva says:

        Mesmo assim 7,30€ é um preço inflacionado, os que acham que este é o preço normal a pagar na rede de carregamentos, são os mesmo que em vez de encher o deposito com gasolina 98 xpto, vão “atestar” às bombas de gasolina Low cots 🙂

  8. Ricardo says:

    Falta adicionar aí o sobrecusto da compra do carro eléctrico em relaçao às alternativas(diesel,gasolina,GLP,GNC) ! A conclusao é que o carro a GLP é sempre mais barato quando se trata de um carro pequeno!

  9. Francisco Ferreira says:

    Contas erradas, ora o preço por Kw em bi-horario e no vazio não passa dos 11 centimos assim sendo, o Nissan Leaf com um consumo de 18Kw aos 100km teria um custo de 18Kw x 0,11€ = 1,98€ para percorrer 100 kilometros

    Desta forma o custo por kilometro no caso do Nissan Leaf carregado à noite em bi-horario seria de 1,98€ / 100 = 0,0198€

    • Manuel da Rocha says:

      Com o pormenor que agora é 13 cêntimos (segundo a ERSE) e com a outra problemática que 9 em cada 10 condutores não podem carregar o carro em casa… por viverem em prédios de habitação onde até quem vive no RC não pode pagar cabos que são vandalizados diariamente.

  10. Dinis Domingos says:

    Tenho um amigo que tem um carro com 120km de autonomia (acho que é um Leaf) e foi ao algarve. Parou 2 vezes para carregar para baixo e 1 para cima… Carregou no Intermarché todas as vezes e sabem quanto é que gastou (no Verão de 2021) em combustível? 8 euros!!! Digam-me lá que carro a gasolina vai e vem ao Algarve com 8 euros… 8 euros são 4,4 L de 95 (a 1,8)… Digam-me lá que carro a gasolina gasta 4,4 aos 100?
    O meu amigo comprou em segunda mão, faz cerca de 120/150 km por dia e já pagou o carro só no que poupou em gasolina para já não falar em manutenção… mudou uma vez de pneus e vai agora mudar de pastilhas…
    E já pode ir a Espanha, paga cerca de 3500 euros, e mudas as baterias para ter uma autonomia de 150km… e quando sair a próxima geração do Leaf mais baratas vão ficar as baterias anteriores…
    Agora façam lá as contas… Só o hidrogénio pode competir com a eletricidade mas com um risco de explosão muito maior.

    • Ogoid says:

      são opções mas fica a duvida, quanto tempo leva cada viagem acima dos tais 120km. a viagem pode ficar mais barata, até mais agradável, no entanto, por opção, voltou 30 anos atrás, agora com estradas “boas”. Tiro o chapéu pela a paciência!

      • Paulo Silva says:

        estradas boas são para andar no máx. a 120km/h não se esqueça. E não se trata só de opção, trata-se de salvaguardar a sobrevivência sua e dos seus descendentes. Ou ainda não reparou que está em seca severa há mais de 3 meses e todo o mundo rural está super preocupado? Come ou bebe petróleo? Não se trata de recuar 30 anos atrás, existem é pessoas cuja mentalidade parou há 30 anos atrás!

        • Ogoid says:

          Pena que está a levar o meu comentário para o lado negativo.
          Agora o seu comentário é só hipocrisia. Vir para aqui falar de sobre sobrevivência agarrado a um teclado, portanto, a gastar electricidade, com equipamentos que gastaram electricidade para os construir, etc, mas a fazder algo que gosto. Todos nós queremos manter o que cada um classifica a sua qualidade de vida e criticar a qualidade de vida dos outros, muitas vezes só porque sim.

      • CB says:

        .ioehcarro Cheguei lá com 19% de bateria. percurso de cerca de 330 kms.

    • Há cada gajo says:

      E de que parte do país é que ele foi para o Algarve ? Castro Verde ou Castro Daire ?? 120km de autonomia ou 150 é a coisa mais ridicula que pode haver. Não há racionalidade nenhuma na compra de um veiculo com esta autonomia. Não faz manutenção…mas depois paga baterias a peso de ouro…enfim…

      • FilipeB says:

        Essa questão da racionalidade depende de cada caso.
        Julgo que um eléctrico usado para quem trabalha até 30km de onde vive e com um trabalho sem necessidades de mobilidade (num escritório por exemplo) faz todo o sentido.

        • Há cada gajo says:

          Concordo contigo. Mas imagina tu que uma família precisa não só do carro para o dia-a-dia do trabalho mas também para o lazer, seja aos fins-de-semana, seja nas férias ?

          • FilipeB says:

            Aí já depende.
            Para mim esta questão é muito parecida com o dilema carro a gasolina ou a gasóleo, mas com uma diferença no preço de aquisição superior.
            Normalmente essa discussão anda à volta de:
            Poucos km -> gasolina
            Muitos km -> gasóleo
            O que também se aplica à família que falas. O que fazer se temos necessidades muito diferentes durante a semana?
            Muita gritaria neste fórum e basta resumir a coisa a um facto simples. Os elétricos ainda não são para todos os casos!
            Nos carros de gama alta é que acho que não existem grandes dúvidas. Só os valores das revisões/manutenções dos audis/bmw/mercedes etc. são suficientes para fazer um tesla muito apelativo…

          • Há cada gajo says:

            Naturalmente que o tipo de utilização ditará qual a melhor solução. Quanto ao Tesla ser apelativo, pois não sei quando comparas com a gama elétrica dos alemães que referes. E o valor das revisões e manutenções também depende muito do artista que se senta ao volante.

          • Toni da Adega says:

            Aí nunca irá haver veículo que consiga ser utilizado 100% das situações. Por exemplo Tenho um carro de 5 lugares, e quando a família vem cá passar uns dias alugo um carro de 7 lugares.

          • Dinis Domingos says:

            120 Km já dá para ir até Santarém de Lisboa. E se estou de férias ou de fim de semana qual é a pressa? Não posso para na bomba ou no Intermarché meia hora? Acho que para pagar só 8 euros de ida e volta compensa…

      • Dinis Domingos says:

        Lisboa

    • Dani Silva says:

      O hidrogénio não poderá competir com a electricidade, uma vez que custará muito mais.

      Para produzir hidrogénio completamente sem emissões, é preciso fazer o processo de hidrólise da água. Ao longo de todo o processo, incluindo hidrólise, transporte, abastecimento e transformação em electricidade na célula do veículo, perde-se 2/3 da energia eléctrica original.

      Ou seja, será muito difícil que o hidrogénio tenha um preço menor do que o triplo do preço da electricidade…

  11. Sei lá says:

    Portugal não está preparado para estas evoluções, taxas e taxinhas, nada é regulamentado.
    Basta olhar para as tarefas absurdas… Qualquer dia os postos de gasolina tambem metem a tarifa de uso do seu equipamento.

  12. Afonso says:

    Tudo a ser enganado.
    Enfiam-nos qualquer coisa pelos olhos e transformamos-nos em carneirinhos, mesmo que isso nos sai dos bolsos.
    Caros a preços para ricos, com a eletricidade a preços para ricos, com carregamentos a preços para ricos.

  13. Gomes says:

    Só gostava de saber porque é que a análise parou nos 6 anos. Foi bastante, conveniente.

  14. Louro says:

    Esqueceram de fazer os calculos também aos custos de manutencao de um electrico vs um ICE.

    Tenho dois electricos em casa, só na diferenca de custos de combustivel o primeiro pagou o segundo.

    Se nao querem estar dependentes de custos altos nem dos aumentos dos precos da energia eletrica, instalem paineis solares, carreguem os carros em casa durante a noite e sejam livres e felizes.

    • John Doe says:

      Painéis solares para carregar durante a noite? Serão painéis lunares?

      • Louro says:

        Olha este a tentar ser engracadinho…

        Já ouviste falar em baterias para armazenar o excesso de energia quando esta está a ser gerada e nao ser utilizada?

        • GM says:

          Já deve ter houvido falar, sim. No teu comentário anterior não referiste que tinhas acumulação. Além disso, para conseguires carregar por completo os teus 2 carros, tens de ter uma bateria de baterias. Se os teus 2 TESLAS tiverem cada um bateria de 100kWh, e se tiveres de os carregar, cada um, de 3 em 3 dias, vê quanta capacidade de acumulação terás de ter. Para não falar da quantidade de colectores solares fotovoltaicos que são necessários para carregar as baterias. E, na Escócia, onde resides, o Sol até estala. Se conseguires as powerwall da TESLA, o máximo de capacidade que tens são cerca de 14kWh/bateria. Como diria o secretário-geral da ONU, é só fazer as contas.

          • Louro says:

            @GM,
            No total sao 175kWh entre os dois carros.

            A ideia de que só carregas o carro quando estás sem bateria é errada, da mesma forma que quando tinha ICE nao atestava apenas quando já nao tinha gasolina.
            Por norma, mantia sempre o deposito sempre a mais de meio.

            Ora, no meu caso é raro ter as baterias dos carros acima de 80% o que dá 140kWh no total entre os dois.

            No meu caso, tenho duas powerwall de 13.5Kwh totalizando 27kWh de armazenamento e 10kW solar.

            Geralmente entre os dois carros fazemos 180km/dia, mais coisa menos coisa o que dá um gasto médio de cerca de 40kWh por dia (entre os dois carros).

            Todos os dias, chegamos a casa, paramos os carros na garagem/driveway e ligamos o carregador, independentemente de a bateria estar com ou sem carga o que faz com que de manha cedo, tenha sempre essencialmente um depósito cheio.

            É claro que as baterias, nao armazenam carga suficiente para carregar os dois carros sem usar a grid, mas há que ter em conta vários factores dos quais já aqui falei.

            Posso carregar em qualquer SUC ou em quase todos os carregadores publicos sem pagar mais por isso, portanto dou prioridade usar esses carregadores que estao disponiveis em quase todo o lado.
            No meu trabalho, temos carregadores no parque de estacionamento, logo que chego ao escritório o carro fica a carregar e só sai de lá ao final do dia.
            Em muitos supermercados (para nao dizer na maioria) temos carregadores gratis, vamos fazer compras, deixamos o carro a carregar.

            Logo como podes ver, os carregamentos em casa na verdade até sao bastante residuais.

            Do sol na Escócia, certamente que nunca tiveste a opotunidade de visitar mas o facto de ser tendencialmente mais frio que em Portugal nao quer dizer que nao haja sol.

            Para poderes ter ideia, no ano de 2021 geramos um total de 7603kWh, o que a dá para carregar as baterias dos dois carros 54vezes para um total de 34213km percorridos. (Média de 4.5km/kWh)

            É só fazer as contas.

        • John Doe says:

          Já, mas tu não as tens, pois não? Aliás, ninguém as tem por não compensar. Cometeste uma gralha que me pareceu bastante engraçada, mas já vi que sentido de humor não te assiste. Amigos na mesma.

          • Louro says:

            Nao cometi gralha absolutamente nenhuma, apenas acho que qualquer pessoa com dois dedos de testa que instale paineis solares em casa tem armazenamento, pois a esmagadora maioria das pessoas nao está em casa durante o dia, logo consome menos energia.

            Ve o meu comentário acima, fiz lá as contas para ver se finalmente percebem.

          • RC says:

            Nesse caso as empresas também estão a instalar, na empresa que trabalho têm e posso carregar a viatura por lá.

          • RC says:

            Nunca trabalhei em nenhuma empresa que me deixasse abastecer o carro e a mota particular.

          • RC says:

            Eu tenho, e conheço dezenas que têm.

          • Louro says:

            @rc
            No meu caso carrego na empresa, é um dos benefícios de ser funcionário.
            Se não fosse isso também não era grave, pois tenho um shopping a 2 minutos a pé onde tenho carregadores públicos gratis.
            Hora de almoço é ir lá, parar o carro na hora de almoço e carregar o que gastei de casa ao trabalho.

    • John Doe says:

      Qual é a potência contratada mínima para poder carregar um elétrico em casa?

      • Toni da Adega says:

        Ele mora no UK, pais onde não existe potência contratada ou taxas. Só de paga o que se consumir e onde carregar um carro eléctrico paga-se 0,06€ por kWh durante a noite.

        • John Doe says:

          E cá em Portugal, alguém me sabe dizer qual a potência mínima?

          • GM says:

            De acordo com a legislação aplicável, a capacidade mínima em cada ponto de carregamento de VE’s é 3,68kVA (Portaria Nº220/2016 – Artº2º-1).

          • RC says:

            GM a potência mínima de um posto carga é uma coisa , potência mínima para carregar um eléctrico é outra, até a 1.2 kva eles carregam, levando mais tempo; eu tenho 3.45 kva e tenho 3 eléctricos.

          • RC says:

            GM e eu dei me ao trabalho de explicar as diferenças, um posto de carga em casa é uma tomada, igual aquela que liga um berbequim.

          • GM says:

            Claro! Até podes carregar o teu popó numa tomada de 5A. Podes simplesmente contratar fornecimento de energia com essa amperagem, se é que esta opção ainda está disponível (o mais comum são 15A/3,45kVA). Com 5A só consegues ligar um dispositivo até 1200W / 1,2kW. Para carregares um veículo com bateria de 60kWh de capacidade, vê quantos dias precisas. O que referi foi que a legislação prevê, para efeitos de carregamento de VE’s, a potência mínima disponível na tomada dedicada aos VE’s deverá ser a referida. O que é que não percebeste?

          • RC says:

            Tudo depende da necessidade de cada 1, ou cada vez que sai de casa vai há bomba abastecer nem que seja 5 litros para ter o depósito cheio ? Nos eléctricos é igual, quem faça 50 kms por dia 1.2 kw chega bem, só quem faça mais de 200 kms por dia precisa de mais de 3.6 para compensar, e já agora as pessoas são inteligentes, metem os carros a carregar depois de não precisarem de ligar mais coisas com portencia, o português é que gosta de complicar para pagar mais.

          • RC says:

            Existem equipamentos que regulam a potência de carga dos veículos quando se trata de instalações com pouca potência, ou seja, se vier uma instalação com 3.68 kva e tiver o carro a carregar a 3 kw, se ligar um microondas que passa os 2 kw , passados alguns segundos o disjuntor desliga, esse equipamento monitoriza o consumo instantâneo e Reduz a potência de carga do carro instantaneamente, volta a subir quando disponível.

            Algo simples, acessível e evita desligamentos desnecessários.

      • Louro says:

        Como o Toni da Adega mensionou eu vivo o UK, nao há potencias contratadas.
        Em situacoes normais, por estes lados a potencia disponibilizada 150 Amps @ 230 Volts (35.5 kVA)

        Tenho carro eletrico desde 2014 e nunca tive qualquer tipo de problema em ter o carro a carregar no máximo e estar a usar outras coisas na casa normalmente, tais como maquina de lavar, secar, forno etc…

        Entretanto comecei a achar que era parvo estar a sobrecarregar o sistema durante a noite para carregar o carro em 3 horas quando ele vai estar parado até de manha na mesma, portanto comecei a baixar o rate de carga quando o carrego em casa.
        Desde que instalei paineis solares, os meus custos com energia eletrica baixaram para cerca de 20% do que o que eram antes e carrego os carros deborla, seja em casa, nos SUC da Tesla.
        Tenho também uma subscricao a qual pago anualmente (£20) e que me permite usar a maioria dos carregadores publicos sem pagar mais por isso.

        • John Doe says:

          Uma realidade bastante diferentes da nossa…

          • Louro says:

            Possivelmente, mas ao invés de criticar deviam de tentar conseguir lutar por uma realidade similar.
            E olha que mesmo a de cá é uma realidade triste pois deveria de ser uma realidade muito melhor.

          • Miguel says:

            Ya.. melhores ordenados, melhor custo de vida… fim da especulação imobiliaria, acabar com a corrupção, etc
            Isto dos carros é tudo uma chachada de segundo plano

          • Ricardo Silva says:

            Bastante diferente porquê? Não há Teslas em Portugal? Não há pessoas com produção de energia? Não há Suc’s ou Dc’s? Para quem tem Tesla é praticamente o que é necessário.
            Para não começarem já com a conversa dos Pobres e dos Ricos, é possivel praticamente o mesmo tipo de utilização com outro VEs qualquer (excepto ter carregamentos gratis na rede Tesla).
            Quem tem forma de carregar em casa (noutro local) acaba por fazer 80% ou 90% de uma forma muito económica e os restantes 10% ou 20%, basta ter algum interesse que consegue carregar mais barato do que este exemplo da DECO, não é preciso muito, basta terem o mesmo interesse que têm quando andam à procura de bombas de combustivel Low Cost.

    • Jonny says:

      Que comentário mais degradante e ignorante. Mas vocês não leem antes de carregar no botão ‘Publicar comentário’ ?

    • Ogoid says:

      Somos todos ricos e vivemos em vivendas!
      E quem vive num prédio, e esse prédio não tem condições para colocar os painéis solares? e se todos os que vivem nesse prédio, adquirirem os seus carros electricos, terão espaço para colocar os painéis solares necessários?
      Será que a partilha foi assim tão inteligente, ou foi só para dizer que conseguiste investir em 2 carros elétricos + uns painéis solares!
      Parabéns! Sois Ricos!

      • Rui says:

        Diria mais… e será que todos os que vivem em prédios (p.ex. na grande Lisboa) têm condições, sequer, para colocar um posto de carregamento ou uma simples tomada?!
        A maioria dos prédios e, por inerência, a maioria das pessoas, não tem garagens ou parqueamentos.
        A maior parte (e estamos a falar de centenas de milhar, se não mesmo milhões) das pessoas neste pais, não consegue, sequer, um lugar à porta do prédio para estacionar, quanto mais para carregar o “baícolo”.
        Para os “donos” de Teslas é tudo fácil, esquecem-se que a graaaaaande maioria da população passa por dificuldades que não se compadecem com a eco-mobilidade e modernices do género.
        E não vale dizer à pobre mãe ou ao pobre pai que tem que se deslocar todos os dias Algueirão-Mem Martins para Lisboa, para trabalhar e pelo caminho deixar os filhos na escola, fazer as compras da casa, etc.: ahhhh e tal, vá de bicicleta!

      • Louro says:

        Nao sou rico, na verdade até sou pobre, caso contrário continuaria a andar de V8/V10 como andava antes de ter eletricos.

        É uma questao de poupar em que tens o bonus de nao andar a emitir cO2, NOX e por aí a cada km percorrido.

    • Há cada gajo says:

      Ainda estou à espera do primeiro que me demonstre que “a diferença de custos de combustível pagam um carro”… Venham de lá essas fantásticas contas. Eu espero.

      • GM says:

        Isso aconteceu no início do MOBI.E, quando os carregamentos eram…..gratuitos. Isto é, gratuitos não eram, pois alguém os pagava com subsidiação (leia-se consumidores de electricidade). Vi uma reportagem de um proprietário de um LEAF 1ª geração que ao fim de 4 anos, com a utilização que lhe dava, o tinha pago com o que não gastava no combustível e manutenções. Nem sequer em electricidade, pois carregava nos postos públicos a custo zero. Grande país, que paga estas coisas. Grande Sócrates.

      • Louro says:

        Carregamentos em casa…
        Maioritariamente durante o dia carrego as baterias com os paineis solares que de noite descarregam para os carros, logo é deborla, se tiver de usar a grid para carregar o carro, sao £0.13/kwh, ao cambio actual sao cerca de 15centimos de Euro por kwh.

        Considerando uma bateria de 100kwh (Model X P100D), sao 15Euros para uma bateria carregada que dá para (anunciado pela marca 460km, reais a volta de 400km).

        Isto dá 3.75Euros por 100km.
        (Nota que estamos a falar de um carro que faz dos 0-100 em menos de 3 segundos.

        Depois tenho…
        Subscricao de £20/ano (quase 24Euros ao cambio actual), que me permite carregar na maioria dos carregadores publicos sem custo adicional.

        Como comprei os meus carros na altura que tinha carregamentos ilimitados grátis nos SUC da Tesla, posso também carregar neles deborla (o que dá muito jeito especialmente em viagens grandes fora do país).

        Depois custos de manutencao, sao próximos de zero, nao há mudancas de oleo, nao há correias para rebentar, mudanca de travoes (o meu model S mudou de travoes a primeira vez já depois dos 250 mil km e já conta com mais de 400 mil sem precisar de trocar outra vez), também devido a travagem regenerativa tendencialmente os pneus duram um pouco mais que o normal num ICE.

        Nao é perfeito, mas os ICE também nao sao.

        Mais alguma dúvida apita.

        • Há cada gajo says:

          Continuo sem uma demonstração clara e evidente de que eu hoje pago um carro electrico (não sei qual, mas convém ser um carro digno desse nome, não uma latinha qualquer para fazer de TVDE) com a poupança em combustível (um carro que faça frequentes longas viagens de 600-700km, carregado com a bagagem de 4 pessoas e carga não pessoal).

          • Louro says:

            Sim porque um TVDE faz constantemente viagens de 600-700km sem nunca parar de forma constante.

            Epah tenham mas é juizo nessas cabecas e parem de inventar, por mais que custe os eletricos sao o futuro, podem comecar a pensar em livrar-se dos vossos ICE que assim no futuro irá doer menos.

          • Há cada gajo says:

            Ou te precipitaste ou não entendo o teu comentário. Por acaso leste o meu ? Eu preciso de ter um carro que faça frequentes longas viagens , com 4 pessoas, carga pessoal e não pessoal. Eu continuo a querer uma evidencia de que compro uma carro elétrico que preencha estes requisitos e que se paga a si próprio com a poupança de combustível, comparando com um veiculo igual a combustão ? Percebeste, ou é preciso fazer um desenho ?

          • Pedro F. says:

            Louro, não se trata de fazer viagens longas ou não. Trata-se de ser muito diferente abastacer em 5 minutos ou ficar meia tarde sem poder trabalhar…

          • Louro says:

            @Há cada gajo
            Eu regularmente faco viagens pela europa em passeio (daí a quantidade de KM que coloco nos meus carros em pouco tempo) e nos ultimos anos (2017 para a frente especialmente), nunca tive qualquer tipo de problema, agora se me falares em 2014 quando comprei o meu model s, sim era mais complicado fazer viagens grandes pois tinhas sempre de tentar perceber onde haviam carregadores e nem sempre eram carregadores rápidos.
            Hoje em dia, é igual a teres um carro ICE.

          • Louro says:

            @Pedro F.
            Essa questao nos dias que correm já nao se coloca, compras um carro eletrico com autonomia para 400km o que te dá uma conducao de pelo menos 3 horas…
            Se nessas 3 horas parares duas vezes por 20 minutos para esticar as pernas e ir a casa de banho enquanto carregas, já tens outra vez a bateria cheia.

            Enquanto isso, num ICE, paras para abastecer, perdes 5/10 minutos para atestar, vais ao café, vais a casa de banho e facilmente já gastaste 1 hora do teu tempo, mas lá está.

            Se me vais dizer que fazes 600/700km sem parar e que abasteces 10 minutos e segues viagem outra vez, entao eu vou dizer que és um perigo na estrada e que devias de ficar sem carta de conducao.

          • Pedro F. says:

            Sim, os condutores profissionais o que mais fazem é parar 20min a cada hora para descansar…
            E eu pelos vistos tenho de decidir descansar onde houver um posto de carregamento livre…
            Mas mesmo que o faça, chegamos ao ponto crítico… É caro! Tanto a aquisição como o carregamento…

          • Há cada gajo says:

            Louro, continuo ser ter a evidencia das contas que me dizem que com o que poupo em combustível pago um carro elétrico com as características que preciso. E…parar duas vezes em viagem de 3 horas ?

          • RC says:

            Calma Louro, isto é malta que passa a vida dentro do carro, não pode parar em nada, se não é o caso deles inventam logo um caso qualquer de outro, tudo serve. LOL

          • Pedro F. says:

            Claro que é malta que vive dentro do carro… Até porque para saber se compensa é preciso estar dentro do carro… Eu diria que compensaria mais se tirassem mais partido dele. Agora para fazer voltinhas sai ainda mais caro.
            Afinal um zoe custa o dobro de um clio mas compensa porque gasta 1/3 em abastecimento… É isso?
            Basta que me expliquem esta conta ou em que situação um zoe é boa alternativa a um clio para eu perceber. Mas o pessoal por aqui só sabe dizer que faz 100km a 2 cêntimos e se alguém questiona não têm argumentos.
            Será assim tão difícil alguém dar um exemplo de uma situação em que um zoe de 32mil euros seja melhor compra que um clio de 17mil euros?

          • RC says:

            Mas que argumentos quer ?

            Um clio custa metade onde ?

            Renault clio diesel 24.400

            Renault zoe 40 – 32900 – iva – 3000 incentivo = 23700 .

            Afinal o zoe fica mais barato.

            Dúvidas ?

          • RC says:

            E ainda não adicionei a tributação autónoma que nos primeiros anos deve chegar aos mil euros ano.

          • Pedro F. says:

            “- IVA”? Estamos em que país para eu me situar?
            E quem falou em diesel? Sentes necessidade de ignorar o clio a gasolina que em qualquer stand compras por pouco menos de 16mil euros por algum motivo?

          • Pedro F. says:

            Se estás numa de inventar mentiras sobre o IVA, inventa também o que quiseres para justificar esta…
            https://www.thedrive.com/news/44068/over-10-percent-of-tesla-model-s-evs-fail-germanys-strict-inspection-after-3-years

          • RC says:

            Inventar iva ?

            Então não sabe que o iva dos carros eléctricos é 100 % dedutivel pelas empresas?

            Então agora como os argumentos do preconceito já não chegam cá tem de ir para a Alemanha, estamos em Portugal não na Alemanha.

          • RC says:

            Com o gasolina não vale a comparar? Vai ficar sempre mais caro os custos de operação. Por isso mesmo as empresas escolhem diesel, até porque podem deduzir parte do iva do gasóleo.

          • Pedro F. says:

            Pronto, já percebi que então só compensa para empresas…
            Pensei que a malta daqui estava a falar do carro pessoal.
            Eu no meu trabalho se parar meia hora para carregar perco mais dinheiro do que me custa atestar um diesel para andar 500km…

          • Pedro F. says:

            De qualquer forma é bom saber que a malta carrega o carro da empresa em casa e que até painéis solares mete para aliviar o patrão…

          • Louro says:

            @Pedro F.
            Mesmo esses tem de parar para descansar, se não o fazem estão a colocar as suas vidas e a vida dos que andam na rua em jogo.

          • Louro says:

            @Há cada gajo
            As contas estão feitas acima.

            Se fazes viagens de 3+ horas sem nunca parar, epah é como te disse…
            Não devias de ter carta de condução porque és um perigo na estrada.

          • RC says:

            Pedro F, se estão a falar de pessoas que passam o dia dentro do carro, estão a falar de malta que trabalha.

            Para os outros compensa também dependendo do que faz com ele, agora comprar um electrico e não fazer kms não compensa.

          • RC says:

            Pedro F, não sei quem disse isso, mas no meu caso tenho painéis solares, onde carrego durante o fim de semana, e uma vez por semana carrego no trabalho, onde também têm painéis solares, o carro é meu, não da empresa.

          • Pedro F. says:

            Então a história do IVA era para disfarçar…

          • RC says:

            Não, para empresas o preço do veiculo é uma não questão, esse foi um argumento dado por si.

          • RC says:

            Pedro F, você tem um post onde diz isto:

            “Será assim tão difícil alguém dar um exemplo de uma situação em que um zoe de 32mil euros seja melhor compra que um clio de 17mil euros?”

            e estavam a falar de malta que passa o dia dentro carro, parar e tal.

            Eu disse e provei-lhe que estava completamente enganado para os casos dessa malta.

            Entendeu agora ?

          • Pedro F. says:

            Sim, fui mesmo eu que disse que um ev fiacava mais barato que um a combustão porque não se pagava o IVA… Devo ter sido…

          • RC says:

            Você disse que um clio custava 17 e um zoe 32, por acaso acertou nos valores, só falta o resto. Eu mostrei que não é bem assim para quem usa o carro como ferramenta de trabalho.

          • Pedro F. says:

            Dás-te ao trabalho de referir o que eu acertei mas no que supostamente errei passas ao lado… Gosto de ver essa argumentação.
            Eu não tenho nada contra EVs mas quando faço contas não compensa nunca.
            Muito menos para quem trabalha onde uma paragem de meia hora para carregar vale mais que o gasóleo do dia inteiro.
            Eu, por exemplo, quando faço 200km para dar assistência a um cliente não paro pelo caminho. Sim, sei que vocês todos param meia hora de 15 em 15 minutos mas eu não sou desses. Estou no cliente 2h e vou almoçar. Entretanto passo noutro cliente que aproveito a viagem e depois volto para casa. E faço 500km sem qualquer possibilidade de carregar o carro a não ser que me desvie e perca tempo extra…
            Isto quando não vou para mais longe, ou a espanha, etc…
            Honestamente não conheço ninguém que ande a trabalhar e quando tenha de fazer uma pausa tenha de o fazer num local específico e não onde calha.
            Em relação ao zoe/clio, continuo sem saber quem teria vantagens em comprar um em relação ao outro. Na minha ideia, quem anda muito não iria ter autonomia sem se prejudicar na logistica, e quem anda pouco nunca recupera os 15mil euros extra…
            Não sei por onde andam mas no mundo real não ha um carregador a cada esquina livre à espera de quem chega…

          • RC says:

            Eu disse onde errou, se troca tudo é um problema de interpretação.

            Então pode ter eléctrico, nas 2 horas carregava o suficiente, mas entendo que isto é um bicho de 7 cabeças para quem complica o que é simples. Ainda esta semana semana arranquei de caldas da rainha, fui 160 kms para norte fazer uma assistência a um cliente, vim para baixo, almocei em casa e é fui para a sede da empresa em Oeiras.

            Isto para mentes cheias de preconceitos era um problema. Loool

          • Pedro F. says:

            Os meus clientes não tem postos de carregamento nos 200 lugares do parque.
            Aliás, acho que têm meia dúzia se tanto para os administradores das empresas que andam de Tesla. E não são todas as fábricas e nem os funcionários podem carregar.
            Não se trata de um problema de “mentes” mas da realidade. Não sei qual o teu trabalho mas as fábricas onde vou não estão à tua espera com um posto de carregamento nem com uma extensão para ti carregadores o teu carro… Nem nos restaurantes…
            E como fazes num dia que tenhas de ir a um cliente que não tenha como carregar o carro? Ou a 2?
            Ou dás assistência a empresas que instalam postos de carregamento e isso não é problema?

          • RC says:

            A mim nunca me negaram uma tomada.

            Eu sou Analista e Programador informático, e não tenho vergonha nem preconceito de pedir uma tomada. LOL

            Como eu faço, faço aqui que provavelmente muitos aprenderam ou deviam ter aprendido nas aulas e não usam, organização e métodos, porque o tempo é dinheiro, mas o combustível sai mais caro que os 15 ou 20 minutos que terei de parar caso faça mal a gestão ou não consiga carregar no destino ou ainda se tiver de fazer mais kms.

            Restaurantes não precisa de procurar, instala uma aplicação como plug-share, entre outras e fica a saber dos estabelecimentos que têm carga.

            Simples e cómodo.

            A minha média é 240 kms por dia, mas já cheguei a fazer mais de 1000.

          • Ricardo Gomes says:

            Pedro F. Se já fizeste várias contas e continuas a chegar a conclusão que carro a gasóleo é mais barato, então a conclusão é simples: não sabes fazer contas… também nenhum estudo chega a tua conclusão… além disso no meu Facebook já apresentei cálculos da vida real com 4 carros eléctricos diferentes e com mais de 500km diários em pelo menos uma viatura… mas continua então no gasóleo sff 😉

        • Ricardo Gomes says:

          Pedro F. Por favor não uses notícias que não entendes e que foram retiradas fora do contexto… os Model 3 actuais tem excelentes acabamentos… oriundos da China então ainda melhor… agora se não trocas o filtro do ar antes de levares a inspeção na Alemanha obviamente que este não passa na inspeção…

        • RC says:

          É isso, continue a gastar gasóleo, até nos ajuda , mais dinheiro vai parar ao fundo ambiental e mais incentivos vão haver, tal como acontece este ano.

          Obrigado pela sua comparticipação.

          • Pedro F. says:

            Ah, ok. O que te vale são os incentivos, o patrão que paga a eletricidade, os subsídios, e por aí fora…
            Custava alguma coisa dizer logo que só compensa porque te dão subsídios? Se é isso que te faz viver melhor então junta-se o útil ao agradável porque cada meia hora que paras para carregar eu ganho 50€ e pago o gasóleo do dia e pelos vistos o teu subsídio. Não precisas de agradecer…

          • Ricardo Gomes says:

            Pedro F. Tenho 5 eléctricos, comprei todos sem incentivos… nunca mais volto para gasóleo ou gasolina, não tenho qualquer problema com as autonomias, até mesmo numa viagem Portugal Suíça preciso exatamente das mesmas horas que num carro a combustão… e poupo em todos eles muitos euros. Não sabes fazer contas e queres acreditar nas tuas teorias, força 😉

          • RC says:

            O gasóleo também só compensa em relação à gasolina devido ao incentivo , senão era mais caro que a gasolina. Portanto você só anda a gasóleo devido ao incentivo.

          • Pedro F. says:

            Eles têm 5 carros eléctricos… O gasóleo tem incentivos… Inventam tomadas em parques de estacionamento… E ainda dizem que tempo é dinheiro e que são analistas e programadores… Deves ser deves… Eu sou só programador e cobro 75€ à hora e se tu és analista e programador não deves cobrar menos pelo que menos convincente são esses argumentos de “a mim nunca me negaram uma tomada”…
            Um gajo vai trabalhar a 75€ por hora ou a 85€ ou 90€ como tu deves andar e depois pedes para te levarem uma tomada ao parque de estacionamento a 200m das instalações para carregar o carro… Acredito mesmo nisso.
            E nunca te mandam a boca de te pagarem por hora mais do que um tanque de um carro a diesel leva para fazer 1000km?
            A sério que vais cobrar rente a 100€ à hora e pedes uma tomada e andas à procura de um restaurante para poder carregar o carro? E eu é que não sei fazer contas… Perder 50€ de rendimentos para ganhar 20€ em deslocação… Top!
            Enfim. O fanatismo fala mais alto pelos vistos…

          • Ricardo Gomes says:

            Pedro F. Não percebi rigorosamente nada do que escreveste no teu último Post, estás a divagar muito. Facto é que ao contrário das tuas últimas palavras não existe qualquer fanatismo aqui. Basta seguires o canal do Björn Niland e verificar os 1000km Chalenge e ficas a descobrir que na maioria dos eléctricos consegues fazer os mesmo 1000km no mesmo espaço de tempo que num carro a gasolina ou gasóleo. Sobre os 5 eléctricos sim tenho: Nissan Leaf 2 Tekna, Hyundai Ioniq 28kw, Jaguar I-Pace Black Edition, Tesla Model 3 SR+, Audi e-tron S Sportback…. E antes de conduzir eléctrico sempre tive grandes máquinas a gasóleo e gasolina, como Camaro 2SS RS, Impreza WRX Sti, DB9, M3, GTA etc…etc… facto todos os carros a gasolina ou gasóleo com as mesmas funcionalidades que por exemplo o Ioniq custam mais e não menos. A comparação que tu é muita gente faz é comparar o preço base e visto que o eléctrico já traz todos os extras incluídos e a base a combustão não, faz parecer a primeira vista que são mais baratos quando não o são… além do mais confirmo novamente que comparando as mesmas gamas e mesmo conforto „que nem sequer é possível num carro a combustão „ que a diferença de preço entre gasóleo e ev é enorme mesmo que carregues o teu ev fora de casa. O carro a gasóleo é sempre muito mais caro. Por mim até podes comparar um ioniq com o VW lupo 3L o eV ganha na mesma além de ter um conforto muito superior. Por tanto andas aqui a falar mas de facto não entendes rigorosamente nada sobre EV… além de trazeres para cá teorias completamente erradas. Abraço

          • Pedro F. says:

            Claro que estouna divagar. O gajo que mandaninstalar tomadas nos oarques de estacionamento e que não vai ao restaurante com o resto das pessoas porque tem de carregar o carro é que está bem…

          • Ricardo Gomes says:

            É mais que óbvio que estás a divagar… eu nunca deixei de fazer uma vida normal ou ir ao restaurante com alguém para carregar o carro 😉 loool aliás a pouco mais de 2 anos trás fazia mais de 500km por dia de eléctrico e nunca tive esse problema…

          • RC says:

            Sim o gasóleo é subsidiado, caso não fosse era mais caro que a gasolina , é tão ingénuo que não sabe isto ? Por isso é que o fmi está farto de reclamar com as políticas da europa e por isso que nos países ricos o gasóleo é mais caro que a gasolina.

            Inventam ? São obrigado a deixar ter.

            Bolas , viver para você é uma coisa complicada , viva homem, a vida é para se viver e não de complicar.

          • RC says:

            @Pedro F, tem aqui uma secção boa para começar a ler sobre o tema, isto não é achismo como se vê muito por aqui:

            https://www.imf.org/en/Topics/climate-change/energy-subsidies

          • Pedro F. says:

            O outro diz que posso carregar num parque de estacionamento ou na hora de almoço. Vocês decidam-se. Claro que podes fazer 500km por dia de eléctrico. Até de bicicleta… Mas é se tiveres um carro com autonomia para isso ou um posto de carga num sítio em que pares. De resto não há muito a fazer. Não fui eu que tentei argumentar com o facto de não se pagar IVA (mentira) nem fui eu que disse que os EVs são mais baratos ne nem fui eu que disse que os EVs têm os extras todos incluídos…
            Eu dei um exemplo específico e pedi uma coisa muito simples que ninguém me consegue explicar com números. Clio a 17mil e zoe a 32mil (não é o de 35mil nem o de 38mil)…

          • RC says:

            Nas empresas que costumo frequentar pergunto se posso usar os carregadores que já têm.

            Não encontro muitas empresas sem carregadores, talvez a minha área seja diferente, grandes empresas.

            Pedro F , já a minha avó dizia, quem quer arranja uma solução, quem não quer arranja problemas.

            Foi a melhor aposta em termos mobilidade que tive até hoje e não tenho preconceitos, se um dia não der para fazer este ou aquele serviço, alugo um, agora manter uma coisa que não uso, não faz muito sentido.

          • Ricardo Gomes says:

            Pedro F. Para acabar aqui com a tua diarreia de vez com carro NOVO:
            1. Clio mais Barato é o ZEN e custa 18200 EUR (Gasolina, 65cv, caixa Manual, 5.1 a 5.3L aos 100km (preço gasolina actual mais barato do Norte do pais 1.678 EUR/L x 5.1L = 8.55Eur) sem falar que este carro não tem rigorosamente nenhuma das soluções existentes para te ajudar a ter uma condução mais segura e menos estressante, nem tem conforto nenhum. LINK: https://www.renault.pt/veiculos-passageiros/renault-clio/configurador.html?modelAdminId=clio-bja-ph1
            2. Não existe nenhum carro electrico identico ao clio de momento o mais proximo seria o Dacia Spring mesmo assim esta ja tras mais conforto e melhores acabamentos custo 17300 EUR quer dizer menos 900 EUR que o clio, consumo medio 11.8kwh/100km, o que totaliza um custo mais caro possível em casa de apenas 1.7eur aos 100km (https://chargeguru.com/pt/2021/07/23/custo-carregamento-carro-eletrico-2021/)e fora de casa além de poderes pagar o mesmo porque ja es cliente da edp e podes pagar o mesmo fora que em casa com cartao de carregamento, mas nem vou por ai vou simplesmente comparar como se não fosses cliente a um preço de 0,2964€ mesmo assim pagas aos 100km = 3.4 EUROS quer dizer menos 5.1 EUROS ou noutras palavras 250% mais barato e nem sequer estou a contar trocas de óleo, travoes, calcos, serviços etc, que nem sequer são necessários em EV’s desde que consigas tu proprio trocar escovas e filtros de ar. : https://www.dacia.pt/gama/spring/configurador.html?modelAdminId=spring-electric-bbg-ph1
            3. Quanto mais subirmos na gama e preço pior fica para os carros a combustão… mas se quiseres que fassa mais comparações diz sff tenho todo o gosto em provar que es um idio.a
            4. Agora o unico ponto que ficas é a Autonomia…então vamos la pegar novamente no Dacia spring do Porto a Portimão que nem sequer é um carro para longas viagens tal como o clio não o é e como podes ver é possivel mesmo em Portugal, com 4 paragens de poucos minutos e sempre excedendo a velocidade (Porque se nao o fizeres consegues tudo isso na mesma e poupas ainda 40min na viagem alcançando uma diferença na chegada de apenas 36min de diferença entre o clio e dacia spring….e 36min não é nada): https://abetterrouteplanner.com/?plan_uuid=19dbb6ce-2e14-4c29-a4af-6f14d5fbb50f

          • Pedro F. says:

            Pronto! Finalmente já percebi. Custava ter dito logo?
            Então o problema é mesmo meu e as empresas pequenas onde trabalho. Como só tem 200 lugares de estacionamento não devem ter como arranjar postos de carregamento para o pessoal todo. Que burros, o dinheiro que isso lhes podia render… Vou começar a aceitar trabalhos tendo em conta o tamanho das empresas que nas grandes pelos vistos é melhor…

          • RC says:

            Não são burros, são é atrasados, eu não conheço nenhuma empresa que não tenha já uma frota de eléctricos para o seu serviço.

            Mas vive em Portugal ?

          • Pedro F. says:

            Perei de ler o testamento quando, a falar do clio e do zoe, abordaste o tema conforto e segurança…
            O clio dá 10 a 0 em segurança ao zoe e o conforto é a mesma m3rda. Posso garantir-te que não entraste nem num clio nem num zoe para dizer uma barbaridade dessas.
            Comparar um carro com nota máxima nos testes de segurança com um que chumba os mesmos testes e argumentar que o que chumba é mais seguro é o máximo…
            E depois sou eu que ando a divagar…

          • Ricardo Gomes says:

            Ninguém falou em ZOE agora se não queres saber factos obviamente que vais ficar sempre atrasado com o teu des-Conhecimento 😉

          • Pedro F. says:

            Ninguém falou em zoe? Estou anfazer a mesma pergunta há quanto tempo? Primeiro dizem que carregam em casa, depois já carregam nas empresas, depois afinal são carros de empresa que nem pagam IVA (falso)… Depois as empresas todas já têm carros elétricos e carregadores à porta… depois usam a segurança como argumento quando há elétricos ZOE a ter 0 estrelas onde o clio twm a classificação máxima… E a pergunta que eu fiz morre sem resposta… Vocês são bons a atirar para canto… Deve ser difícil responder a uma pergunta concreta… Mas quem divaga sou eu…

          • Ricardo Gomes says:

            Pedro F…. Novamente Lê o meu testamento antes de dizeres mais asneira…nao eu nao falei em ZOE alem do mais e so para te corrigir o Clio não dá 10 a zero de segurança ao ZOE nem de longe nem de perto aliás é precisamente o contrário. Neste momento e devido às alterações do crash test lateral e airbag lateral e em 2022 nenhum Renault gama clio zoe entre outros passa o teste com 1 estrela sequer…mesmo assim no Zoe estas bem mais seguro se o embate for no local das baterias que no clio. Para quem sabe tão pouco…falas demasiado.

          • Pedro F. says:

            Testados no mesmo mês:
            Clio 5 estrelas em segurança.
            Spring 1 estrela em segurança.
            Zoe 0 (é um zero e nao um O) em segurança.
            Mesmo teste, mesmo padrão. A diferença entre morrer ou ficar paraplégico e sair sem um arranhão… Sei sempre pouco quando não bos interessa… Puxam argumentos aleatórios como se os carros a combustão não travassem sozinhos, não se desviassem de obstáculos, não.mantivessem a distância ao carro da frente, etc… E depois falam em carros (spring falaste certo) com segurança miserável…

          • Ricardo Gomes says:

            Pedro F. Por favor deixa de ser BANANA… Não sabes o que dizes muito menos te informas devidamente. Nenhum Clio foi testado em 2020. Apenas o Zoe por ser um novo modelo. E sim o ZOE teve 0 estrelas por causa das alterações que ja mencionei. O Clio tinha exatamente as mesmas 0 estrelas se fosse testado este ano. Para quem quiser pesquisar os testes tem aqui o link (que comprova também o charlatão que es)
            https://www.euroncap.com/en/ratings-rewards/latest-safety-ratings/#?selectedMake=0&selectedMakeName=Select%20a%20make&selectedModel=0&selectedStar=&includeFullSafetyPackage=true&includeStandardSafetyPackage=true&selectedModelName=All&selectedProtocols=41776&selectedClasses=1202,1199,1201,1196,1205,1203,1198,1179,40250,1197,1204,1180,34736,44997&allClasses=true&allProtocols=false&allDriverAssistanceTechnologies=false&selectedDriverAssistanceTechnologies=&thirdRowFitment=false

          • Pedro F. says:

            Sim, sim, Whiskas saquetas… O zoe fica destruído por causa da norma nova…

          • Rui Peixeiro says:

            O Zoe também obteve 5 estelas anteriormente, tal como o clio.
            O que o levou agora a só obter uma foi a performance do novo airbag lateral ser inferior e acima de tudo a falta sistemas de segurança passiva.

          • Ricardo Gomes says:

            E o ponto de contacto lateral ser agora ligeiramente mais em cima. Anteriormente o ponto de impacto era na parte da bateria, hoje este é medido na parte do tronco do condutor. Isto levou a que a maioria dos carros até mesmo grandes máquinas não passem esse teste… sei que um SUV da Mazda passou esse teste e que um SUV da BMW acho que era o X6 por exemplo não passou, mas tinha que rever novamente (mas está parte nada tem a ver com as estrelas mas sim somente com a pontuação da segurança interior)

          • Miguel says:

            Se o pessoal vivesse na Serra da Estrela, com os rumores de extração de Lítio no local não diria a mesma coisa.
            Mudava completamente a ideia dos carros a bateria serem melhores.

          • RC says:

            Não vivo lá, mas vivo numa zona onde existem extrações de outros materiais que todos usamos em casa. Devo mudar de ideia e desejar que que todos se mudem para as cavernas ?

            Esse egoísmo cego por vezes mete medo.

          • RC says:

            Já agora, das últimas 11 ou 12 concessões mineiras em Portugal, 4 veem para o meu concelho, uma delas também é de lítio, estanho entre outros, e ainda bem, as pessoas necessitam de trabalho.

          • Miguel says:

            Aceito, mas não acredito (y)

    • Jose Lapao says:

      Pergunto eu os teus painéis produzem energia a noite? É que os meus só produzem durante o dia, e como trabalho de dia (e penso que a maioria dos portugueses) não dá para carregar em casa usando os painéis como propões, a não ser que tenhas baterias para armazenar a energia produzida e não consumida durante o dia, para poderes carregares o carro durante a noite, agora se a tua empresa te permitir carregares o carro durante o dia, ainda podes usar a bateria dele (caso não necessites de muitos Km para chegares novamente ao trabalho) para alimentares a casa.

      • Louro says:

        Instalar paineis solares sem armazenamento, especialmente quando nao se está em casa durante o dia (normal) é a mesma coisa que investir em bolotas e esperar que aparecam uns esquilos para as comprar.

        Qualquer forma está explicado mais acima.

        • RC says:

          Eu tenho paineis e armazenamento, a conta baixou entre 80 a 90 euros por mês, portanto contando com o que investi, em 5 anos (onde 1 já passou) tenho o investimento recuperado.

          • Louro says:

            @rc
            Por cá a energia elétrica é consideravelmente mais barata que aí, apesar que agora vamos ter um aumento significativo em Abril.
            No meu caso as contas são mais ou menos essas também.

            Mas é a tal coisa, a malta gosta de gastar dinheiro para nada.

          • RC says:

            Por aqui tenho bi-horario, vazio com iva e desconto por ter veiculo electrico fica a 0.12 @/kwh, no ano passado ficava 0.088£, nas horas cheias fica a 0.21, mas no ultimo ano nem 10 kwh gastei nesse horário.

          • Louro says:

            @RC,
            Por ca acho que nao temos essa historia de termos horas em que é mais barato.
            Os custos por kwh vao subir agora em Abril, mas de momento os valores por kWh estao mais ou menos nos valores que referes em depois de ter desconto.

            0.22 é que já é caro para chuchu.

          • RC says:

            @Louro, cá acabou de subir em Janeiro, é costume manter se fixo durante o resto do ano, mas vamos ver.

      • Ricardo Gomes says:

        Ainda não existem painéis solares que carregue energia durante noite, mas existe uma solução para que estes funcionem durante a noite. O painéis solares atuais apenas conseguem transformar energia de luz visível (Geralmente cartografado em cores Amarelo, Laranja, vermelho) que tem um comprimento de onda de 400nm a 700nm. Mas não consegue transformar Luz Gamma, X-Ray ou UV por exemplo que têm um comprimento de onda de 1×10^-6nm até 400nm (Geralmente cartografado em cores Violeta, Azul, Verde). A Solução passa por alternar o comprimento de onda de 1×10^-6nm até 400nm (Geralmente cartografado em cores Violeta, Azul, Verde) para o comprimento de onda de 400nm a 700nm (Geralmente cartografado em cores Amarelo, Laranja, vermelho). Um acrílico especifico em cima de cada painel solar, torna isso possível e funciona. Obviamente que existem perdas na transformação, mas o problema principal nem sequer esta ai. Se não retirares esse acrílico durante o dia, cada painel apenas te ira produzir energia com 20 a 40% de capacidade o que torna o uso deste acrílico inviavel para o dia a dia, a não ser que queiram todos os dias demanha subir ao telhado, retirar tudo manualmente, e quando voltarem a casa a noite voltar a instalar cada um. A produção diurna media em comparação ao dia é de apenas 15 a 20%. Espero ter ajudado a resolver mais uma questão.

  15. Joao says:

    Xuxa xuxa Xuxalismo

  16. Enfim says:

    Ou seja, quem não tem vivenda ou um parqueamento com wallbox, tem de somar à especulação com os preços+impostos+taxas e taxinhas, o preço de aquisição do carro e o facto de daí a 8 anos as baterias já só carregarem a 70 / 80% e o custo de substituição ser muito alto – e se só “alugar” a bateria então não poupa nada … E assim se mata a “galinha dos ovos de ouro”.

    • Manuel da Rocha says:

      Ao cabo de 5 anos de uso normal, as baterias já não chegam aos 70%… e começam a descer 4% a 11% por ano daí para a frente. Então quanto mais sejam carregadas mais depressa ficam no vermelho a exigir a substituição.

      • RC says:

        Não chegam aos 70 %

        Santa ignorância…..

        Mostre lá dados sobre isso, é que para mentir anda cá você.

      • Ricardo Silva says:

        A sério? Não tarda nada tenho uma bateria com capacidade negativa 🙂

      • Louro says:

        Model S 2014, bateria com capacidade a cerca de 90%, a maior parte da perda foi logo no inicio.

        Já lá vao 432458km percorridos (acabei de verificar).

      • Ricardo Gomes says:

        Os Nissan Leaf 2 da minha ex empresa tinham no mínimo 300mil km cada um, um até já tinha 500mil km e nesse mesmo cheguei na altura a medir a perda de autonomia com mais de 500mil km… essa não chegava sequer a 9% daí ter depois comprado um Leaf 2 para mim também. Estamos a falar de um carro com uma tecnologia de baterias ultrapassada e de apenas segunda geração (já vamos na quinta geração)… e mesmo na segunda geração isso deixou se ser um problema… nas novas LFP ou LFP Blade isso já nem sequer é um problema… em testes correntes já vamos com 2.8milhoes de km com uma perda que varia entre o 1 e 3% que até pode só ser um erro de medição… o povo fala fala, fala muito mas não tem a mínima noção.

    • Louro says:

      Nao digam parvoices…

      Tenho um Model S de 2014, já conta com mais de 400 mil km, trocou a bateria uma vez dentro de garantia por defeito de fabrico (nos primeiros era algo comum).

      Neste momento a bateria aceita carga a mais de 90% da capacidade original.

  17. Str says:

    Com os combustíveis fosseis abastecimentos só nas gasolineiras e como tal há uma total dependência dos consumidores. E agora vão deixar os consumidores escolher se abastecem em casa mais barato e em muitos casos até gratuitamente com os painéis solares ou nos postos de rua pagando mais? Ou os preços nos postos eléctricos vão baixar até aos preços domésticos, o que não acredito, ou os preços domésticos vão subir até bem próximo dos preços da rua.

    • Manuel da Rocha says:

      Com o pormenor que 90% dos clientes não podem “abastecer em casa”.

      • Str says:

        Sim acho que todos estamos cientes disso. Mas se tivesse um carro eléctrico era bem capaz de esticar uma extensão e deixar o carro carregar um dia inteiro, um sábado ou domingo para durante a semana andar nas voltinhas, e só carregava nos postos públicos em ultimo recurso tipo viagens longas. Não seria fácil mas haverá gente a fazê-lo. Ou por exemplo um condomínio comprar dois pontos de carregamento ligados a electricidade do prédio, nem sei se seria possível

      • RC says:

        Então ainda à pouco eram 85.5 % agora já são 90 %, mais valia dizer 99.9 %. LOOOL

        Por acaso 69% consegue carregar sim, e isto não é invenção minha como você faz nos seus argumentos, veja a página 14 do estudo do ACP – O condutor Português.

  18. DO says:

    As contas estão completamente erradas. O nosso carro elétrico gasta 0,016€/km e não os 0,37€/km citados, ou seja 24x menos. Quanto aos que se queixam dos preços exorbitantes dos carros elétricos, quaisquer BMW série 3, Mercedes classe c ou Audì A4, custam pelo menos o mesmo que um Tesla model 3, e nenhum (para preços semelhantes)se aproxima sequer em performance, não contemplando os preços de manutenção e combustível que são muitíssimos superiores a um veículo elétrico. Qualquer um que faça 3000 km/ mês num qualquer carro a diesel gasta pelo menos 300€, enquanto num eléctrico gastará menos de 50€, segundo esse raciocínio ter um Tesla que custará em leasing cerca de 500€/ mês. Será igual a comprar um VW Polo a diesel e pagar 300€/ mês e juntar-lhe 250€ de gasóleo. Poupando depois em manutenções, IUC, estacionamento. Etc, aumentando a sua segurança e a da família, sem contribuir com emissões para o ambiente Para nós, a mudança foi uma questão de economia financeira e ambiental. Que muitos outros mudem!!

    • SG says:

      Mas tem noção que 98 % das pessoas não podem comprar um carro desse preço a título particular, certo? A maioria dos automóveis novos que se vê por aí desses preços são de empresas. Nas gamas que as pessoas particulares compram mais – até aos 30 mil € – não há bons negócios de VEs para clientes particulares, depois de ter tudo em conta. Exceto alguns casos específicos, claro.

      • RC says:

        Então compram um mais barato, eu com 10 mil euros comprei 3, e todos em segunda mão.

      • Ricardo Silva says:

        Ninguém é obrigado a comprar VE (e olhando ao este “estudo” da DECO é melhor que não o façam), continuem a comprar carros a combustão que o combustivel está barato, eu é que não dava nem 20.000€ por qualquer carro novo a combustão e depois ainda ter uma “renda” todos os meses em combustivel (ou então para ter o carro encostado sem andar).
        Quem não pode viver sem carro e precisar de poupar que procura a melhor solução para si.

  19. secaya says:

    Os eléctricos não são futuro.

  20. Abreu says:

    Acho que só compensa carregar em casa, aqui na madeira só carregam na rua se ainda não estiver a wall box a funcionar, como e uma ilha o elétrico e uma mais valia.
    Meu zoe está com consumos de 14.5 kWh na ilha da Madeira

  21. Abreu says:

    Acho que só compensa carregar em casa, aqui na madeira só carregam na rua se ainda não estiver a wall box a funcionar, como e uma ilha o elétrico e uma mais valia.
    Meu zoe está com consumos de 14.5 kWh na ilha da Madeira

    • Miguel says:

      Quem me dera ter dinheiro para uma casa…. o ordenado de eng é uma tristeza cá comparado com o mercado imobiliario :'(

      • GM says:

        Tens toda a razão. A pirâmide está voltada ao contrário, a base em cima e o vértice em baixo.
        Completamente subvertido. Quem tem responsabilidades come migalhas, os demais no sector ficam com o pão.

        • Miguel says:

          É mais assim “Quem faz o pão come migalhas!”

          • GM says:

            Isto do imobiliário só lá vai com a imposição pelo regulador a alteração do modelo de negócio. De outra forma, não. E ainda se fala em cartelização e harmonização de preços noutros sectores, e este sector à vista de todos passa despercebido, alegre e contente.

          • Miguel says:

            Sem dúvida… um exemplo de um terreno ao lado de casa.
            Eu era novo, não podia comprar, mas foi comprado inicialmente por 5000€, foi sendo comprado e vendido e agora tentam vender por 56000€.

            Depois dizem que é a oferta/procura… mas um quarto de quem compra são estrangeiros.
            Os locais, têm de ir para fora ou alugar. Hoje em dia já não há pessoas para trabalhar em hotelaria e construção (entre outros)
            Apoiam tanto esta m*rda e não tentam resolver, então contratem os estrangeiros para ver se é melhor!

  22. Carlos Santos says:

    Isto é como as lâmpadas. Passamos das de incandescência para as de baixo consumo e para as de Leds. Poupamos energia e o ambiente mas … e a nossa carteira? Quem acompanhou a evolução, incluindo preços e durabilidade faça contas.

  23. Rui says:

    Ide todos bugiar… para não ser mais expressivo.
    Sois todos especialistas em folhas de Excel e em ler os tarifários dos fornecedores.
    Aqui em casa, 3 gatos pingados, num apartamento sem aquecimento (elétrico entenda-se), com AQS e fogão a gás, com todas as lâmpadas LED, com todos os eletrodomésticos A++++++++++++ e o raio que o parta, a conta de eletricidade nunca fica abaixo dos 100 EUR por mês.
    Andais todos de Tesla e afins… tendes todos painéis solares no telhado e bombas de calor nos entrefolhos.
    É tudo uma cambada de aldrabões, que provavelmente vive em casa dos pais e o ordenado mínimo que ganham a trabalhar num qualquer Call Center, só serve para comprar o iPhodase mais caro que houver, a cada 6 meses!!!!

  24. Rui says:

    Só mais uma e vou-me embora… há uns tempos atrás, em conversa com uma amiga, cujo marido (um privilegiado do capitalismo/neo-liberalismo/imperialismo que nos assola :):):)) que tem um Tesla P100 “de serviço”, dizia-me qualquer coisa como: “Não sai da garagem. Não gostamos daquilo. Uma simples ida ao Algarve é uma “vergonha”, porque toda a gente passa por nós na AE. Não podemos ir a mais de 90/100 que fica logo sem bateria!!”:
    Não sou eu que o digo, porque sou um pelintra que não tem dinheiro para bólides destes… vendo o peixe ao preço que o comprei, mas, a ser verdade, phodasse metam os elétricos onde o Sol não brilha!!!
    Deixai-me intoxicar com todo NOX e CO2 e mais o que seja que se possa “produzir”!!! Assim-como-assim, esta bendita terra há de estar à míngua de água nos próximos 20 anos!! Pelo menos é o que os arautos da desgraça nos andam a descarregar nos miolos todos os dias… e não digo que não seja verdade!! Mas se é assim, então bora lá assapar fundo no Celica ST de ’73, em que até se vê o ponteiro da gasosa a descer em plena reta. Morro, mas morro consolado!

  25. RC says:

    Então e ele já o vendeu ? Se é assim tão mau eu dou 5 mil por ele.

    É que em Portugal o pessoal vai todos os fins de semana para o Algarve, realmente ir a 90 a 100 a bateria só dura 50 kms. loool

  26. Ricardo Gomes says:

    Bom a DECO nunca conduziu um eléctrico 😉 porque já fiz o calculo várias vezes e com vários veículos (Leaf 2, Ioniq, Model 3, e-tron S Sportback) comparando com carros da mesma gama mas a gasolina e gasóleo a mesma velocidade e mesmo percurso (Seat Leon,ds5,320,x6)e nunca cheguei a estes números… aliás todos os carros a combustão sempre foram muito mas muito mais caros…. alguem me pode dar o Link do Artigo completo?

    • Dani Silva says:

      Pelo que parece no artigo, o preço por km inclui também o valor do veículo.

      Só isso explica os valores, uma vez que realmente o veículo eléctrico é mais caro do que os modelos equivalentes com motor de combustão.

      • Ricardo Gomes says:

        os preços dos veículos com os mesmos equipamentos e mais ou menos as mesmas funcionalidades são muito idênticos, por tanto também não pode ser por aí… no meu ver, é mais um “estudo encomendado” e cheio de incompetencia por parte da DECO. Alias tenho um Ioniq 28kwh em Portugal e as médias que tenho são de 11 e não de 18 como descrito no Artigo.

        • RC says:

          Também considero a média muito alta, ou anda tudo de teslas e carros de gama alta, ou não percebi, eu tenho vários veículos, até uma carrinha peugeot partner e não me passa dos 15kwh já contando com as perdas de carregamento.

  27. Fait says:

    Pelo que tenho lido, Portugal está entre os 10 países da Europa onde é mais caro carregar um automóvel eléctrico.
    Muito bem acompanhados nos últimos lugares por países onde se ganha o dobro ou o triplo de cá (Alemanha, Bélgica, UK, Dinamarca…).
    É assim que o governo quer incentivar os Portugueses a fazer a transição para os eléctricos?

  28. Carlos Ribeiro says:

    Esses gráficos devem estar mesmo correctos. Então um carro a gasóleo gasta mais que um a gasolina desde quando?

  29. g0tH1c.X says:

    Os cálculos estão errados, porque não contemplam um conjunto de outras variáveis, seja para os ICEs, seja para os EVs.
    No meu caso particular, este mês gastei €40 em carregamento em casa (tarifa simples) + carregamentos públicos, e fiz cerca de 2000Kms. Feitas as contas, gastei €0.02/Km, muito longe do que é indicado.
    E antes, com o carro a diesel, gastava €0 em combustível (cartão da empresa), e mesmo assim preferi vender o carro (tinha 5 anos), comprar um EV, e não volto a um ICE, a não ser que seja obrigado.
    Cenas ecológicas à parte, a qualidade de vida em conduzir um EV, não se compara a um ICE…Até passei a gostar de engarrafamentos, semáforos, etc, pelo que se percebe que a maior parte de quem comenta aqui, até já podem ter andado num EV, mas não conduzem um no seu dia-a-dia, por isso não sabem mesmo do que estão a falar.
    Sim, os carros são caros e é uma “chatice” quando se tem que esperar 30min, 1h, 2h para o carregar na rua, especialmente se tiveres a carregar num Posto de Combustivel, em que ves que enquanto estiveste a carregar 1 carro, 100 carros à tua frente atestaram o depósito, mas tudo o resto compensa.
    É o que se paga por ser “pioneiro”, seja no que for.
    E como já disseram, não é algo para todos.
    Para já, é só para quem pode gastar o €€€ adicional para os comprar e para quem pode carregar em casa. Os carregamentos públicos serão só para “emergencias” e longas distancias.
    Os preços da electricidade até podem aumentar (os dos combustiveis irão sempre aumentar muito mais proporcionalmente) que continua a compensar na sua totalidade ter um EV.
    De momento, os preços das baterias penso que rondam os €100 / kWh, mas daqui a uns anos será €50 ou menos.
    Quem não pode comprar/ter um EV agora, é aguardar, mas garanto que quando o tiverem, não vão querer outra coisa! 😉

  30. PJA says:

    Pergunta aos possuidores de veículos eléctricos, se é tão barato carregar o carro porque andam tão devagar? Faço a pergunta se objectivos de gozo, mas como curiosidade. Atenção eu tenho um veículo a gasolina comprado há pouco tempo, o BEV estava completamente excluído.

    • Dani Silva says:

      Para não desperdiçar energia, uma vez que muitos dos carros eléctricos têm autonomias baixas (menos de 300km).

      Não tem a ver directamente com o preço da energia.

    • Rui Peixeiro says:

      Como o Dani disse, é uma questão de não desperdício e poupar ainda mais.
      tenho um Zoe com cerca de 260kms de autonomia real e para os cerca de 50kms diarios podía andar sempre a fundo que dava e poupava muito. Mas Se andando um pouco mais calmo o carregar menos vezes, só ganho por isso.

    • Miguel says:

      É como um gadget, vais vendo a bateria e os gráficos, e etc.
      Acabas tentando melhorar a tua condução para ficar sempre no verdinho.

    • g0tH1c.X says:

      Curiosamente, quando se começa a andar de EV, começas a aperceber-te das infrações que andavas a cometer…a andar a 100 em locais de 70 e cenas do género. Muitas das vezes ligo o “assist” do carro e não me preocupo mais com radares, sinais de transito, etc. Para ti, parece-te que estou a ir devagar, mas na realidade, estou a cumprir o código…:) Até agora, nunca tive que reduzir abaixo do limite legal, para poupar, mas há quem o faça.
      Quando comprei o EV, foi com a mentalidade de que não iria alterar comportamentos e que o iria usar exactamente como usava o ICE e até agora tem corrido bem, à parte de agora cumprir a Lei…:D

    • Louro says:

      Porque tens mais potencia disponivel de imediato, nao quer dizer que tenhas de andar sempre de pé a tabua.

      Antes de ter EV’s tive um M5 e uma E63AMG e raramente andava acima dos 100km/h, nao por causa dos consumos mas sim porque ao teres um carro que sabes perfeitamente que é capaz, deixa de haver interesse em velocidade e passa a haver interesse no disfrutar.

    • RC says:

      Eu não ando devagar, acabei de fazer 120 kms e acontece-me o contrário, vejo os a combustão a andar devagar, não sei se é por o combustível estar ao preço que está, mas enfim.

  31. e.t. says:

    fo*#%-se, tantos comentários neste post !!! este é mesmo um tema que interessa ao povo !!!

    • Miguel says:

      É normal, se fosse conversa de automóveis neste site não teria muitos comentários, mas como agora tratam-se de gadgets…. é quase a luta android vs Apple

      • g0tH1c.X says:

        Exacto…é como o pessoal que só fala mal da Apple…mas depois quando tem um iPhone, Mac, etc…nunca mais voltam atrás e não percebem como andaram tantos anos “enganados”… 😀 E isto de alguém que vendeu o “iPhone 1” na altura, para comprar o “Android One” e andei sempre a insistir com o Android até há uns anos, quando me fartei de ter que esperar por atualizações, andar a instalar ROMs, crashes, etc.
        Com os EVs é o mesmo…são mais caros, parecem ser piores em algumas coisas considerados com os ICEs, mas depois de se mudar…dificilmente se volta atrás.
        Sinceramente, do pessoal que conheço que tiveram EVs e voltaram para ICEs, é porque escolheram mal na altura, por não terem onde carregar em casa ou porque faziam por exemplo Porto-Faro-Porto várias vezes por semana, e não podiam gastar muito mais €€€ a carregar, do que em combustivel, fora o tempo parado a carregar.

      • RC says:

        Não, de gadgets ninguém fala tanto, aqui falam muito, principalmente os que destilam preconceito.

  32. PJA says:

    Acrescento o BEV estava excluído por dificuldades de o carregar, não tenho garagem e os locais mais próximos de minha casa são 4 afastados mais 500 m.

    • g0tH1c.X says:

      Nesse caso, para ti não fará sentido por agora teres um EV. Conheço muita gente que comprou quando os carregamentos públicos ainda eram de borla e pronto, tinham que o ir por a carregar algures, mas compensava o trabalho. Atualmente, se não se pode carregar em casa, não é uma boa opção, a não ser que não te importes de gastar mais €€€ para o carregar. Também é preciso ver que em cidade, muitos carros tem autonomias de 400, 500, 600Km…ou seja, se calhar carregas 1x por mês e chega. Mas depende das distancias que tens que fazer e do trabalho/custo adicional de carregar na rua.

  33. P says:

    Na minha opinião, neste momento faz muito mais sentido ser incentivado (ou mesmo imposto) o uso de veículos públicos *electricos* para Taxis+TVDEs+Autocarros ou mesmo de mercadorias ligeiras. Neste caso cada conversão de um destes veículos para electricos equivale a converter dezenas ou centenas de veículos a combustão, quer a nível de custo que a nível de poluição. Mais vale investir em autocarros electricos do que teslas.

  34. Pedro Castro says:

    Eu queria uma ajuda se for possível. Ando a iniciar estudos para ver se me compensa mudar para um carro eléctrico. Mas encontro muito pouca informação sobre os tais benefícios fiscais. Só encontro oara empresas. Que não é de todo a minha intenção. Sabem onde posso encontrar essa informação pff. Obrigado

  35. Pedro F. says:

    Este estudo está a ignorar o facto do EV ser mais caro, certo? Portanto quando dizem que só compensa comprando em casa é a ignorar o facto de, por exemplo, um Zoe custar o dobro de um Clio, certo?

    • g0tHiC.X says:

      É o custo corrente de uso e os cálculos foram mal feitos.
      Eu em Janeiro gastei €0.02/Km em carregamentos, muito longe do que indicam.
      De qualquer forma o custo do carro não pode ser considerado. Isso seria o mesmo que dizer que andar de BMW sai mais caro que andar de Clio…

      • Pedro F. says:

        E se em vez de comparar bmw (nao sei qual) com um clio se comparar um clio com um zoe? Em que o zoe é a mesma coisa mas em elétrico e a custar o dobro. Já se pode dizer?

  36. Ricardo Silva says:

    Mais um estudo que por muito mérito que possa ter, parece que apenas pretendeu um titulo sensionalista.
    Começa logo pela subjetividade do termo compensar ou não compensar, mesmo que isso tenha um espaço temporal de x anos (que ao não ser referido de forma clara, deixa logo algumas duvidas sobre o objectivo do estudo).
    Sem alongar muito refiro apenas os consumo médio de 18 kWh, de onde vem este valor? É que para os exemplos de Ves apresentados “por exemplo, Nissan Leaf, VW ID.3, Hyundai Kauai eletric e Kia e-Niro).”, esta média deve ser para deslocações apenas em AE, porque numa utilização mista, de certeza que os consumos não passam dos 15 kWh.
    Depois tanto é possivel pagar 7,36€ por 18 kWh (0,40€/kWh), como (no outro extremo) é possivel pagar 3,6€ (0,2€/kWh) num carregamento num posto do continente, ou seja, mesmo no contexto atual (que seguramente será conjuntural) do custo da energia estar elevado, pagar 0,4€/kWh é caro, é perfeitamente possivel carregar na rede pública por um custo a rondar os 0,3€/kWh, ou seja, se em vez de 7,36€, pagarmos 4,5€ por 100km (15kWh*0,30€), já será um cenário bem diferente, depois a liberdade de um VE poder carregar numa qualquer tomada (e até de forma gratis) é imcomparavel aos ICEs.
    Para isso basta que haja o mesmo interesse em carregar um VE, como o de procurar uma bomba low cost para o fumarento 🙂

  37. Infinity says:

    Ou seja, para carregar carregar em casa implica: se viveres num prédio tens que ter a sorte de ter garagem ou entao as pessoas compram um terreno e fazem a sua própria casa, tendo em conta os salarios fantasticos do nosso país, é uma opção que abrange a maioria dos portugueses.

  38. Elkido says:

    Baterias que custam cerca de 20 000€ e nenhuma marca quer se responsabilizar….. carregamentos nos postos públicos a uns 27.50€ cada 100 KMS..
    Comprem para vocês carros eléctricos meus caros.
    O taxista fez 170 000 KMS em Lisboa com um carro eléctrico e teve de se desenrascar sozinho….a marca esteve se barimbando para ele para umas baterias novas pois as que ele tinha estavam super desgastadas e só faziam uns 50 KMS.
    Meu rico carrinho com energia alternativa… não é eléctrico e nem a gasolina e nem a gasóleo

    • RC says:

      Ena, em que filme viu tudo isso ?

      Teve? Então mostre lá o final da história ?

    • g0tHiC.X says:

      Troca-se de baterias com a mesma frequência que se troca o motor de um carro…E quantas vezes já trocou o motor e qual o preço? É que um eléctrico ao fim de 10 anos e 300mil Kms, perdeu apenas 10% de bateria…Mais depressa vai para a sucata um carro a combustível, do que um eléctrico.

      • Pedro F. says:

        Pensei que ias dizer que se troca de baterias com a mesma frequência que se troca de depósito de combustível…

      • Elkido says:

        Então vai comprar um carro eléctrico e faz mais de 200 000 kms para ver o que acontece…. começas a fazer 50 KMS e depois choras…. Eu já vi muita gente a queixar-se disso.
        Os únicos carros eléctricos que as baterias se desgastam menos são os Teslas.
        Mas um Nissan Leaf por exemplo com 200 000 KMS se fizer 50 KMS já é bom segundo relatos reais que vi…o do taxista de Lisboa com 170 000 KMS só fazia 50 KMS… um Nissan Leaf… se f..u

        • RC says:

          Qual teve que foi assim ?

          Já conto com quase 300 mil.

          Mostre lá a noticia onde ele diz que só fazia 50 kms ?

          Também vejo muitos carros a combustão a rebentar com o motor antes dos 100 k kms.

        • Ricardo Gomes says:

          As baterias tiveram um avanço incrivel em apenas 10 anos… para dar so um exemplo: Baterias LFP = 2 Milhoes de KM…. esse taxista do leaf comprou um carro que nunca foi concebido para ser um táxi visto não ter arrefecimento nem aquecimento de baterias além de ter uma tecnologia ultrapassada… se tivesse mais cuidado fazia 500mil km na boa como eu faço com o meu Leaf 2.

          • Ricardo Silva says:

            Só não aprende quem não quer… Até o Gervásio foi capaz! Agora é uma questão de prestar mais atenção aos VEs que taxista e TVDEs estão a comprar agora…

  39. Tiago Matos says:

    Epah não sou contra os carros elétricos, apenas acho o modelo da rede muito pouco eficiente.
    Acho que se isto se continuar neste caminho o hidrogênio vai ultrapassar o elétrico, se esse modelo continuar a evoluir também.

  40. Tiago Matos says:

    Epah não sou contra os carros elétricos, apenas acho o modelo da rede muito pouco eficiente.
    Acho que se isto se continuar neste caminho o hidrogênio vai ultrapassar o elétrico, se esse modelo continuar a evoluir também.

    • RC says:

      Como assim, tem milhares de carregadores no pais, sem falar que cada tomada em casa é um carregador e ZERO postos de abastecimento, como vai ultrapassar ?

      Além disso nos países que têm estão a ser um fiasco, com preços de abastecimento que ficam a mais do dobro de um diesel.

      • Pedro F. says:

        Os milhares de postos de carregamento são inúteis grande larte daz vezes. Se é para ir carregar o carro e ficar à espera não vale a pena. Se e5 para deixar o carro a carregar e ir à nossa vida só contam os postos de carregamento à distância de uma caminhada.
        Tenho 2 parques de estacionamento ao pé do trabalho com cerca de 150 lugares um e perto de 400 lugares o outro. O de 150 lugares tem 2 postos de carregamento. O outro tem uns 8 ou 10…

        • RC says:

          E fica à espera porquê ?

          E não pode meter lá à carga porquê ?

          Prefere pagar 80 euros para fazer 350 kms a hidrogénio ? isto com carro electrico ou então fazer 100 kms pelo mesmo valor num carro a hidrogénio a combustão, este ao menos faz barulho. LOOOL

      • Tiago Matos says:

        O mundo não é só Portugal, felizmente. A tecnologia do hidrogênio já existe à alguns anos, e tem muito espaço para evoluir.
        Os preços do hidrogênio são altos porque este é produzido através da queima de combustíveis fosseis (tal como a eletricidade).
        Digo que o modelo elétrico é pouco eficiente para nós em Portugal, não faz sentido algum termos um custo mais alto por km a longo prazo com um carro elétrico do que ter um carro movido a Diesel/Gasolina/GPL. O problema está na forma como o nosso país está a implementar os custos da rede elétrica.
        Digo que o hidrogênio pode ultrapassar o elétrico caso a forma como são produzidas as baterias e os tempos de carregamento + as autonomias não evolum de uma forma que acompanhe o avanço da técnologia, ah e os preço tem definitivamente de baixar!!
        Olha o exemplo do Citroen AMI, excelente pequeno citadino para curtas viagens, dá para carregar numa tomada convencional, super simples de manter… custa 8 mil… tipo, um carro é completamente simétrico, não tem tinta, não tem qualquer sistema de infotenimento, nem pegas de portas tem nem vidros elétricos ou de roldana, jantes com tampão e 70km de autonomia que demoram 8 horas até ficar disponível!!
        Entre isso e um smart, preferia um smart!
        O hidrogênio ainda não teve qualquer hipótese contra o elétrico, o Toyota mirai é um excelente carro mas já entra na classe de sedan executivo.
        No entanto, a Toyota e a Yamaha querem desenvolver um motor a combustão movido a hidrogênio, e se isso tiver sucesso, a infraestrutura para essa tecnologia vai subir imenso.
        Vai ser uma luta no futuro.

        • Ricardo Silva says:

          Pois não, basta começamos pela Noruega para se perceber que a “novela” que estás a tentar transmitir não faz qualquer sentido.
          Os VEs têm a chatisse de se sair de casa (da empresa, do supermercado, do shopping, etc…) com 100, 200 ou 500km sem ter sequer perdido um minuto, isto para a maior parte da utilização que se dá a um automóvel e depois até já é possivel carregar +200km em 15min num carregador ultra-rápido.
          O Hidrogénio além de ser um desperdicio de recursos na produção, está 10 anos atrasados no seu desenvolvimento em relação ao veiculos movidos exclusivamente a electricidade, servem apenas para garantir que o lobbie da distribuição e fornecimento de abastecimentos não acaba.
          Mesmo que essa falácia de que a maioria dos VEs são carregados com electricidade produzida com base no carvão, esta é a unica forma (e mais eficiente na sua utlização) que garante estarmos cada vez mais próximo de uma cada vez mais limpa fonte de energia.
          O AMI electrico é muito caro porque custa 8.000€/10.000€ (tem alguma piada quando se houve falar em “papa reformas” por 16.000€), algo que carregado a um custo de 0,1€/kWh, pode permitir a recuperação do valor gasto em comparação a um qualquer fumarente em pouco tempo (dependendo dos km que fizer naturalmente).
          Se calhar será o AMI hidrogénio vendido pelo dobro do preço do eléctrico, com gastos de utilização enermos frutos do preço do Hidrogénio que será a solução. valha-nos santa Engrácia….

        • RC says:

          E qual prefere, o ami que carrega em 3 horas e não em 8 como diz, onde gasta menos de 1 euro por cada 100 kms ou um idêntico a hidrogénio que leva 5 minutos e gasta 15 euros a cada 100 kms ?

          Não teve hipótese porque a tecnologia não tem qualquer hipótese, sabe-se disso desde os anos 60 quando apareceram os primeiros.

          Sabe os resultados ridiculos obtidos por esse corolla gr numa pista ? quer rir um bocado ?

          Engraçado que a yamaha está a desenvolver, mas o que fazem é mostrar um motor num pedestal a cada evento, devem ter muito para mostrar.

          Hidrogénio só tem hipótese em fuel cells, a combustão já está mais que morto, a combustão do hidrogénio é rápida demais para poder ter expansão de gases suficientes para ter algum rendimento, e a toyota, bmw e mazda que o digam, procure por bmw hydrogen 7, mazda rx8 RE, entre muitos outros.

          Com fuel cells tem alguma hipotese, como é o caso do mirai, mas é caro demais, tem uma manutenção carissima, a cada 30 mil tem de levar uma membrana que custa 500 euros, troca de 3 fluidos e cada x utilizações dos tanques, a cada 5 anos tem de ser revistos e testados e a cada 15 substituir, sabendo que só os tanques provocam mais emissões que a bateria de um VE, quem diz não sou eu, é a ICCT, procure o ultimo relatório sobre as emissões durante a vida dos veiculos de passageiros, onde aparecem os FCEV perto dos a gasolina contando só com o fabrico dos tanques de hidrogénio.

        • António says:

          Cuidado com esses 70km de autonomia que isso não é bem assim… São 70km na teoria. Na prática quem faz 15kmnpor dia para cada lado tem de carregar todos os dias.
          E alguém me explica como se carrega este carro a 1 cêntimo por km sff?

          • RC says:

            Tanto faz menos o electrico como o hidrogénio, nisso são todos iguais. Tudo depende de como o conduzem, é igual aos a combustão, todos eles fazem o consumo anunciado, depois depende do pé e do terreno onde andam. Mas são todos iguais.

            Como faz ? Simples

            Eu carrego em casa a 12 cêntimos por kwh, se o carro leva 5 kwh, adiciona + 10% de perdas, 5.5 * 0.12 = 66 cêntimos.

          • António says:

            Sim, tanto faz menos um como outro. Mas neste carro ninguém vai andar a 20km/h e vai andar sempre “a fundo” a roçar os 45km/h… Não faz 50km com uma carga a andar só com uma pessoa. E é um carro onde não dá para fazer arranques nem andar acima de 45km/h…

          • RC says:

            E depois, qual o problema ? também queria um veiculo destes para fazer 300 kms ?

          • António says:

            Óbvio que não. Estava a falar no seguimento do cêntimo por km e de se pagar num instante em comparação com o smart. Mas não se paga porque não chega a ser um carro… E em comparação com o smart tem em comum o número de rodas apenas…

          • RC says:

            Mas olhe que não fui eu que comparei com um smart, eu até disse que por um veiculo idêntico ao ami, mas claro que não um smart.

  41. Ricardo Silva says:

    Fácil , compras um “KIT” nos chineses e produzes o teu próprio Hidrogénio, acho que é por aí.

    Depois com a oferta que há de carros a hidrogénio isso é coisa para não demorar nada, talvez daqui meia duzia de anos já possas viver noutro planeta! LOL

    • Rui Peixeiro says:

      E gastas mais eletricidade do que a energia que daí conseguir…
      Era tão bom se fosse assim tão fácil.

      O Hidrogénio poderá ser a solução se conseguirem desenvolver mais as tecnologias para a sua produção ser mais fácil e com custos mais reduzidos.

      • RC says:

        A produção é extremamente simples, o problema é a energia que se gasta tanto para o produzir como para o armazenar, e isso é física e química simples, talvez quando o ser humano dominar a 100% a física quântica.

        • António says:

          Quando se carrega um EV também se gasta mais electricidade do que a que a bateria nos dá depois, ou estou enganado?

          • RC says:

            Gasta sim, cerca de 10 % mais, ao contrário dos 80% que gasta num a hidrogénio, nem tem comparação, a eficiência destes está abaixo dos a gasolina.

            Se fossem bons já andavam por ai à décadas.

          • RC says:

            Isto para carros eléctricos alimentados a hidrogénio, se for para os a combustão como a malta gosta, então são menos de 5 % que são aproveitados.

  42. PJA says:

    O VE não é viável enquanto não existir uma boa rede de carregamentos. Estamos à espera do governo e da UE para dizerem o que querem para o futuro,

  43. andré says:

    ia comprar um smart electrico usado ano 2012 por 3500€ cuja bateria só permite uns 40-50kms de autonomia, desisti da ideia porque o valor apresentado pela marca para substituição da mesma são 18000€ pela bateria + despesas de montagem + despesas administrativas ou seja uma brincadeira para rondar os 20000€. Os electricos vão ser como os tlm, após x anos vão para o lixo

    • Dinis says:

      Se quiseres mudar as baterias a um Leaf metes umas de 150Km em Espanha por 3000 euros. Podes comprar um leaf de 120 km e mudar as baterias em Espanha, fica mais barato que comprar um já de 150km

      • RC says:

        Também já se faz por cá, NTA e rede Evolution a partir desse valor.

      • andré says:

        falei de um smart, não de um leaf. um leaf não encontro a 3500€ mas também não é muito interessante porque é mais pesado e portanto maior consumo. As baterias que “se metem” por cá e por lá (espanha) têm origem em acidentados ou veiculos de sucata, podem ser baterias de poucos kms mas não sabemos o tratamento e o verdadeiro estado e estar sentado em cima de 400 Volts sem total confiança não é para mim . Um colega de trabalho tem um Renault com 2 anos e +-37000km e já mandou a bateria para a sucata, só faz cargas rápidas e sempre a acelerar, má utilização portanto. O facto das baterias parecerem boas e as empresas “darem” aquela garantia, não garante que não desalvorem e neste caso as seguradoras não pagam porque segundo elas a peça foi instalada fora da marca, isto foi-me comunicado pela seguradora onde tenho actualmente o veiculo a combustivel fóssil. Cada um deve medir os prós e contras da sua escolha mas eu pessoalmente penso que vou optar por um veiculo novo com aluguer de baterias, será mais sensato.

        • andré says:

          corrigo o final queria dizer “veiculo USADO com aluguer de baterias”

        • RC says:

          Se tem 2 ano e 37000 kms tá na garantia. Isso não foi desgaste prematuro, foi defeito de fabrico.

          Algo está mal nessa história, não são as seguradoras que pagam a garantia do carro, a não ser que seja por acidente.

          Reveja bem o que escreveu.

          400v ?? então e sente-se descansado sentado atrás de 10 000 volts num carro a gasolina ?

          • RC says:

            Do carro não, da bateria, ou seja, não são as seguradoras que suportam as garantias das baterias, a não ser em caso de acidente, não do caso que está a falar.

          • andré says:

            Os 10000 volts da injecção electronica aplicados às velas não matam, já os 400v da bateria sim, coisas bem diferentes.
            Quanto à historia da seguradora é em caso de acidente obviamente, não escrevi por lapso.

          • RC says:

            Não têm acesso aos 400v da bateria, os sistemas são muito seguros.

            Você falou em garantia, acidentes não tem nada a ver com garantia, portanto o que contou está tudo baralhado.

        • Ricardo says:

          O melhor que fazes é mesmo não comprar, porque só te vejo a colocar problema a duvidar de trabalhos com garantia feito por empresas especializadas, que sabem tanto ou mais que os concessionários das marcas.
          Engraçado também que em meia dúzia de dias sabem de histórias incríveis de carros com meia dúzia de km, que já não se aproveitam, Renault com 2 anos que muito provavelmente só carregam até 22 kW a só fazerem cargas rápidas, algo que utilizadores com muitos anos de ME nunca ouviram falar.
          Por isso, o melhor é que quem pense assim, nunca comprar VE, para bem da sanidade mental, afinal ninguém é obrigado a comprar VE.

          • RC says:

            Hoje vi outra pessoa a dizer o mesmo num grupo de facebook, que as baterias viciaram em menos de 11 meses e a renault pediu 19 mil euros pela bateria, onde a garantia não suportou porque alegou mau uso, etc etc etc.

            Enfim um alegado inferno, estranho que ando neste meio há muitos anos e nunca ouvi nada parecido. São o terror estes eléctricos. 😀 😀 😀

        • Dinis says:

          Tu não sabes do que falas. Qualquer das formas é inútil esta discussão, em 2030 vai ser tudo eléctrico e acabou… O que eu te estava a descrever foi o que um amigo meu fez. Comprou um leaf de primeira geração em segunda mão ao desbarato (baterias de 100 ou 120 já não me lembro) e foi a Espanha por as baterias de 150. O Leaf é exactamente o mesmo carro há anos só mudam as baterias (e a estética acho eu).

          • andré says:

            O RC e outros tantos nunca ouviram falar dos problemas com baterias, porque ficam à espera de “ouvir dizer”, se procurasse mais em foruns das marcas encontraria muitos relatos de compradores revoltados com a situação e até petições há, basta procurar. devem ter um negocio de baterias usadas de certeza. Só digo muito cuidado com as baterias usadas exijam uma garantia escrita por parte da empresa que a montar, e leiam bem as clausulas que a garantia contém. poupam muitos dissabores futuros! Quanto aos restantes vocês devem ser os suprasumos da sabedoria e devem estar relacionados com as negociatas de vendas de baterias usadas dos salvados de certeza. há milhares de relatos espalhados por diversos forúms estrangeiros relatando experiencias e problemas com baterias e custos de substituição porque as marcas tentam sempre encontrar uma desculpa para não trocar gratuitamente. qualquer ignorante na matéria experimente fazer sempre cargas ultra-rápidas e a acelerar sem limites, arranques malucos e tal e depois daqui a alguns anos logo vêem. quem anda a deitar areia para os olhos dos ignorantes na matéria são vocês com os vosso comentários bullet proof. Só falta dizerem-me que uma bateria com 8 anos ainda tem a mesma autonomia igual a novo, deixem-me rir. Isto é como dizerem-me que uma bateria foi reparada e tal, pois claro toca-se as células defeituosas por novas e já está, mas não é assim, meter novas com as restantes a 60% é o mesmo que deitar as novas para o lixo pois qualquer entendido na matéria sabe o que vai acontecer ao pack, é um perigo! Se a especialidade das empresas ditas especialistas for como os ferros velhos então estamos todos bem tramados. Outra coisa que ninguém refere é que a autonomia de uma bateria está dependente da temperatura ambiente e que em climas mais frios ou no inverno será sempre menor e poderá ficar por apenas 80% e fazer arranques malucos em baixas temperaturas bye bye. Outra bacurada que li em posts acima é dizerem que um electrico não gasta travões e não precisa trocar óleos, que grande mentira! qualquer sistema de travões hidraulico utiliza óleo, os discos e pastilhas também se desgastam, o correcto seria dizer que gastam menos o sistema de travagem por terem uma condução mais cuidada para poupar a bateria e utilizam mais o motor como redutor de velocidade/accionar o sistema de regeneração de energia, nos de combustão é igual não regenera mas reduz velocidade, aprende-se em qualquer escola de condução. Um veiculo électrico não é um mar de rosas e a poupança não é nada por ai além, e também tem os seus custos de manutenção por vezes elevados, mas é agradavel e silencioso, mas terá custos para o ambiente quando tudo for electrico, não é um mar de rosas. portanto metam a vossa “areia nos olhos” de volta pros vosso sacos que nem todos são ignorantes como vocês acham. mas ainda assim vou comprar um veiculo electrico porque poupa mais o ambiente (outra meia mentira, poupa só na emissão de gases porque só no fabrico das células o nivel de exigencia de recusos é um valha-te deus!) e no final quem vai reciclar tanta bateria? os custos de reciclagem são elevados e actualmente não compensa reciclar todos os materiais. mas lá está vou ficar muito contente porque posso controlar o meu carro através de uma app no meu iphone ou android, muito fixe mesmo! e só para finalizar para os entendidos nas baterias deixo-vos a questão: o que acontece a qualquer célula de um pack quando não se respeita o factor “C”? o tão importante “C”?

          • RC says:

            Bem me parecia que o seu relato era de fóruns.

            Está tudo muito bem escrito no folheto da garantia que o concessionário assina e entrega ao dono.

            Ao fim de 8 anos não tem a mesma de novo, quem é que escreveu isso além de você ?

            Mas você já experimentou a fazer cargas super-rápidas nalgum ?

            Aqui quem parece ignorante é você, que fala daquilo que nunca experimentou e inventa argumentos aqui e ali.

            Olhe, eu ando neles há mais de 15 anos, os meus atuais veiculos já têm baterias com 12 e 10 anos, se têm a mesma autonomia de novo, não, mas se tem muita diferença, eu não noto, talvez uns 10 a 20 kms em 300 de autonomia, se é importante ? não, porque até hoje nunca usei a sua autonomia completa.

            Errado, não se troca células danificadas por novas, vê bem o quanto você inventa nisto tudo, ao fazer isso estão a deixar o pack desequilibrado, fazem sim recondicionamento, em Loures existe uma unidade para fazer isso, o que fazem é trocar as danificadas por elementos que tenham +- a mesma idade e capacidade.

            Já agora, não existe cargas ultrarrápidas, quem gere a potência de carga é o carro, e não o posto de carga, e o carro só permite potências maiores se a temperatura do pack estiver na temperatura ideal.

            Toda a gente refere que a autonomia depende da temperatura, isso é igual nos a combustão, ou no inverno tem melhor consumo que no verão ? Em praticamente todos os carros existe gestão de temperatura para evitar isso, menos no nissan leaf que é o mais problemático, e provavelmente é sobre este que ouve muitas queixas, qualquer coisa que use para outros usando este, é pura demagogia.
            ^
            Enfim, nem vou comentar mais nada porque só inventa.

            Se nunca teve nenhum como sabe das poupanças ? consultou a Maia ou o prof Bambo ?

            Não sabe quem vai reciclar as baterias ? então afinal quem é o ignorante aqui ?

            Só digo que o seu objetivo foi sempre este, denegrir porque nunca esteve interessado em nada, enfim, mais um post ala petrolhead chateado com a sua vida, ainda por cima armado em ambientalista, deixe essas coisas do ambiente para quem percebe e vá à sua vida.

          • RC says:

            Sobre o C, você deve estar a brincar, acha que existe algum fabricante maluco ou parvo que não tenha em mente os C’s máximos da bateria ? Enfim, até parece que todos nascemos agora.

            Até lhe posso falar do carro que mais “C” usam, é o tesla, as suas baterias aguentam 10C máximos de descarga, e 2 C de carga, não vê nenhum a passar em momento algum estas especificações, e sim, sei do que falo porque até já preparei packs para competições onde tudo isso é medido, tem lá um BMS para alguma coisa, não é só para enfeitar e você dizer mal.

    • RC says:

      É certo que as marcas não vendem baterias, vendem carros, quando queremos peças para um carro raramente vamos aos concessionários.

      Há soluções em outras empresas do ramo, essa realmente é uma das mais caras, até uma bateria para um tesla comprada na tesla custa menos.

    • g0tHiC.X says:

      É procurar as baterias em outro lado…ou outro carro. Há várias empresas / oficinas a realizar a troca de baterias, por valores bem mais baixos. Até há quem consiga ficar com um carro com mais autonomia do que os de origem.

      • Dinis says:

        Se quiseres umas de 100/120 km é mais barato. Eu estava a dizer comprares um leaf mais antigo, mais barato, e trocar as baterias. Consegues poupar algum

        • andré says:

          deves ter para vender ou um leaf ou baterias para esse modelo pois só falas nisso, isso é tudo outdated, autonomias de 110km não interessam para nada, estamos na era dos 300km para cima, qualquer electrico cuja bateria permita menos, não interessa para nada, ainda para mais quando usados são vendidos a 15000 euros para cima.

          • Ricardo says:

            Não deixa de ser engraçado ver alguém que não tem VE fazer afirmação de coisas que não conhece mas que leu algures, sem ter know-how para avaliar se o que é dito é verdade.
            Ainda tem o desplante de dizer que os utilizadores de VEs com vários anos é que andam a atirar arreia aos olhos das pessoas, valha-nos deuses…
            Diz cada asneira que até foi, como falar em VEs e cargas rápidas ou ultra rápidas, quando esses VEs nem são capazes de as suportar.
            O que vale é que já se percebeu que a maior parte das coisas que diz são asneiras, não vale muito a pena levar a sério, como seja o caso de que autonomias de 110km não interessam para nada, quando a maioria das pessoas não fazem mais do que 50km no dia-a-dia, é exatamente o contrário, um VE com autonomia mais reduzida é o melhor para a carteira e o meio ambiente.
            Relativamente ao meio ambiente, mais uma vez vemos o discurso da ignorância e preconceito em relação aos VEs, que obviamente não tem impacto 0, mas é sem dúvida a forma mais sustentável de caminhar para o efeito 0, os carros eléctricos foram os primeiros a começar a “revolução” ambiental logo no momento da produção (vejam o exemplo do BMW i3), além disso, a vida útil as baterias pode não terminar com a vida útil do VE e a produção da energia de fontes renováveis é cada vez maior e os VEs carregados sobretudo em períodos de produção 100% limpa.

          • RC says:

            Ricardo, é mais um petrol ambientalista, ao que parece, até se preocupa com o ambiente e tudo. 😀 😀 😀

          • RC says:

            O meu VE está neste momento a carregar com energia solar.

          • Dinis says:

            Quantas vezes por ano vais para o emprego?
            E quantas vezes por ano vais ao Porto? Ou ao Algarve?
            Acho que ninguém PRECISA de 300km de autonomia…
            O meu amigo foi para o Algarve com a família toda, parou 2 vezes nos intermarchés, e gastou 6 euros em combustível…
            6 euros, acho que está tudo dito…

  44. PJA says:

    O BEV é interessante para quem tem garagem. Ao fim de 80000 km é começar a poupar. Quem não tem garagem esqueça.

    • RC says:

      Então e quem não tem garagem e carrega no parque do condomínio ?

      Qual é o seu ? e como chegou a essas contas ?

      • PJA says:

        A minha garagem é na rua. Carro é a gasolina. Contas: 10000 euros a mais a dividir pelo consumo e manutenção do meu.

      • Ogoid says:

        Para as características do carro que faça sentido para o meu dia a dia, a diferença entre um eléctrico que tenha uma autonomia de pelo menos 300km, os meus números aão ainda piores!
        Necessitaria de pelo menos 130000km a gasolina e 2700000km a GPL, carregando em “casa”. Se fosse carregado num desses pontos de carregamento….
        Não acredito que faça 270mil km, logo, acredito que o meu próximo já seja um carro eléctrico . Quem tenha capacidade de avançar com um eléctrico, força.
        Condomínios: Quanto uma boa percentagem de condóminos quiserem passar a ter um eléctrico e carregar na sua garagem, nos prédios mais antigos (talvez + de 5 anos) vão ter desafios, custos, utilizações abusivas (acompanhei casos!!), etc. Não quero dizer que não sejam ultrapassáveis mas não pintem um mundo perfeito para quem vive nas cidades/prédios.

        • RC says:

          Neste momento para os condomínios a coisa já está mais simples, pelo menos estes já não se podem opor e o utilizador pode instalar um cabo desde o seu quadro até ao lugar de parqueamento.

          • Ogoid says:

            Continua a tentar pintar um quadro lindíssimo 🙂 mas a realidade não é essa. Existem sim, edifícios com instalações eléctricas até às arrecadações/box. No entanto, não é a generalidade. Mais, no caso das arrecadações, podem não estar ao lado do parqueamento. Já passei horas a discutir o tema de “puxadas” para as arrecadações (devido a abusos com arcas/frigoríficos ), com custos que não há quem queira assumir.
            A lei não é clara, o condomínio não se pode opor, até que chegue ao limite da instalação eléctrica da garagem/prédio. Posso estar errado mas o próprio processo é uma treta, a responsabilidade da instalação fica do lado com condómino, que pode fazer como pretender (a não ser que haja referencia no regulamento – outro filme de terror para se alterar). Quem irá assumir os custos de possíveis aumentos de potência?

            Talvez é mais fácil varrer as cidades com painéis solares nos telhados do que ter garagens/parqueamento com pontos de carregamento.

          • RC says:

            A lei é bastante clara, meta no Google e consulte.

            Aumento de potência para ?

          • Ricardo Silva says:

            Não é quadro lindissimo ou feio, é a realidade.
            A realidade é que a ME não é nem pode ser para toda a gente do dia para a noite, porque se assim fosse não haveria necessidade de termos ainda hoje incentivos.
            Este é um processo evolutivo, que leva tempo, quem não tiver possibilidade de carregar em casa, no emprego, à porta de casa etc… Querendo ter um VE HOJE, terá de fazer uma utilização tipo ICE e recorrer zonas de carregamento, não há volta a dar.
            Hoje em dia que for cliente de um continente que tenha carregadores, poderá carregar enquanto faz compras, até a um custo muito baixo do que pagaria em casa.

          • RC says:

            Se o gasóleo fosse para toda a gente não tinha necessidade de ter incentivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.