Quantcast
PplWare Mobile

Podem os videojogos causar cancro nas crianças?

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Marisa Pinto


  1. El Lentinho says:

    Tudo o que seja exagerado afecta a saúde…
    O principal problema será, talvez, ao nível da visão.

    • DC says:

      Boas, talvez nem isso… tenho 31 anos, só agora comecei a usar e mesmo para descansar a vista, foram muitos anos. O meu 1º computador foi um Sharp, já nem me lembro o modelo quanto tinha 4 e desde aí foi sempre uma (grande) companhia. Muito tempo a ler livros (face à redundância) também estraga a visão. Basicamente, tudo o que é exagerado é que afecta a saúde. Cumps

  2. arpinacio says:

    Portanto, por esta ordem de ideias estar numa sala de aula durante hora a fio pode provocar cancro assim como estar a estudar pode provocar cancro…. certo…..

  3. ekc says:

    certo….. e as minhas aulas sao de 5 horas xD

  4. Carlos says:

    O “jornal” The Mirror?

    A sério?

    É que estamos a falar dum jornal que faz o Correio da Manhã parecer um padrão de jornalismo sério, rigoroso e credível.

    • Marisa Pinto says:

      Mas acontece que é dos jornais mais lidos e comprados, tal como o CM, ORA, isso faz que com que quem o lê/compre não verifique, na maior parte das vezes a autenticidade ou mais informações sobre as noticias, e ainda para mais quando estas são o principal tabloide… nem precisam de comprar

      • Carlos says:

        Sim, e isso é um problema.

        Talvez o artigo devesse salientar isso, que é uma notícia dum jornal ultra-sensacionalista para quem o lê ter consciencia disso e, se quiser, ir procurar mais informação a outro lado.

        (nada a ver mas alguém reparou que o boneco do RCPCH é praticamente igual ao do Bloco de Esquerda? :))

    • Glink says:

      ler este tipo de publicação é que deve causar cancro XD

  5. João R says:

    Por esta ordem de ideias, presumo q nao devemos dormir mais q duas horas seguidas. Pelo menos quem dorme sempre na mesma posição.

  6. Freud2004 says:

    Mentira, a minha tese de final de curso foi dependência de jogos de computador em jovens, foi uma das 1º a nível mundial.

    Na amostra de 300 jovens verificou-se que os jogos não provocam qualquer tipo de dependência, ao contrario do jogo tradicional ( ex. roleta ), cuja dependência advêm da RECOMPENSA e não do jogo em si.

    Jogar pode causar tanto mal, como estar várias horas a cavar, tudo o que sejam posições posturais mantidas durante horas, podem causar problemas, mas isto vale para os jogos, como para um ginásio, logo este estudo visa apenas protagonismo.

    Os jogos, podem aumentar os problemas relacionais, mas eles já tem de existir, o jogo pode aumentar a incapacidade da criança se relacionar com os outros, mas não causa este tipo de problemas só os agrava. Assim como os soldadinhos de chumbo no passado, se a criança se refugiava no seu quarto a brincar sem comunicar o problema não era certamente dos soldadinhos…

    Um abraço, Freud2004

    • Marisa Pinto says:

      Quer dizer então que os jogos tradicionais motivam extrinsecamente, e não poderão os jogos electrónicos motivam intrinsecamente?

      Não sei se não causam dependência…

      No DSM-IV já temos um espaço para essa ‘perturbação’:

      http://psicologiaparaofuturo.files.wordpress.com/2012/09/04_thumb.jpg?w=540&h=405

      http://psicologiaparaofuturo.wordpress.com/2012/09/13/dependencia-dos-jovens-em-internet-e-jogos-electronicos/

      • Freud2004 says:

        Quer dizer que os jogos de vídeo não se distinguem dos tradicionais, pião, macaca, etc. O problema não é o jogo mas os problemas relacionais que advêm do isolamento.
        Mas isto é um problema social e não dos jogos de vídeo.

        Já agora para abordar já o tema, a violência nos jogos, não torna os nossos jovens mais violentos, mas mostra-lhe um caminho.

        A violência e a escolha desta depende da educação, para escolhermos o caminho certo para resolver os conflitos.
        Certamente que não foi por culpa de a minha geração ver o Comando, o Rambo ou o Soldado Universal, que fomos todos compara uma arma e desatamos aos tiros aos colegas de escola. E estes filme não eram menos violentos que os jogos atuais.

        Tudo se baseia na educação e valores para escolhermos o caminho certo apesar de sabermos existirem outros caminhos ( errados por via educacional ), culpar os jogos pela violência e como culpar o Rambo nos anos 80.

        Um abraço Freud2004

        • Marisa Pinto says:

          Concordo.

          A minha tese também for sobre o Facebook e os estudantes universitários e por muito que digam que o FB é uma ferramenta inutil (o que não é), a conclusão a que chego é a mesma que a tua, tudo tem o fim que lhe quisermos dar, e tudo depende das pessoas e da forma como estão educadas para as utilizarmos.

          Se quiseres/puderes disponibilizar o teu estudo, eu agradecia, posso também disponibilizar o meu.

          Cumprimentos,

          mPinto

          • Freud2004 says:

            O facebook, os jogos, os livros, etc, não são a fonte dos problemas, são um escape para outros problemas.

            Se tiver problemas relacionais ( ex, for obeso/a ), posso criar um perfil no facebook com uma fotografia de outra pessoa e fazer-me passar por quem não sou e passar horas a viver num mundo de fantasia.

            Mas o problema não é do facebbok, mas sim da pessoa, os problemas estão lá, o facebook é um escape.

            AS ferramentas virtuais (facebook, jogos ) podem ser úteis para de forma lúdica aprendermos algo, a relacionarmos, a ficar mais atualizados com o que se passa no mundo, a resolver puzzles lógicos, a melhorar a coordenação motora.

            P.S. – Sem qualquer estudos que o suportem, eu sou defensor dos jogos de consola para melhorar a coordenação motora em pessoas com dislexia, eu próprio sou disléxico e noto que o facto de nas consolas ser obrigado e ter de coordenar N fatores em simultâneo melhora a minha resposta enquanto disléxico.

            Porventura os jogos também têm o seu lado positivo.

          • Marisa Pinto says:

            yep!

            Eu trabalho com várias crianças com NEE, inclusive dislexicos e hiperactivos, e uso recorrentemente aplicações educacionais no ipad.

            Tenho tido resultados bastante satisfatorios!!

        • Paulo Silva says:

          Concordo com grande parte do que mencionas e apenas queria acrescentar um pormenor que me parece importante para a discussão.

          Os jogos, muitas vezes podem trazer consigo uma falsa sensação de impunidade em determinados aspectos, como por exemplo, se jogarmos um jogo de carros e batermos, basicamente o jogo não termina aí e basta fazermos Load do último Savegame.

          Atenção que não afirmo que isto leve a que os jogadores (que forem condutores) comecem a bater com os carros e a “menosprezar” isso mas queria apenas lançar esta acha para a fogueira, que me parece interessante.

          • jorge santos says:

            Adoro jogos de carros a bato nos outros sem qualquer cuidado 🙂 . Na vida real gosto de andar depressa e tenho uma condução agressiva mas fujo dos outros carros o mais que posso.
            É como diz o Freud2004, se a pessoa tiver uma mente “sã” não mistura a ilusão com a realidade. Se a mente tiver “problemas” aí sim pode “seguir o mau caminho” da esquizofrenia.

    • Freud2004 says:

      DSM-IV – Livro dos carimbos, esciolha um carimbo e coloque na testa, para mim a DSM-IV tem tanto valor como a expressão; todos os ciganos são ladrões…

      Já agora para quem não sabe: durante muitos anos a DSM, classificou a Homossexualidade como uma doença, credível esta bíblia americana não é ????

      • Marisa Pinto says:

        Hm.. estás um pouco errado quando ao DSM.

        mas não vou, de todo, discutir isso contigo nem aqui. 😉

      • jorge santos says:

        Não sou perito em psicologia mas nunca na vida a homossexualidade é uma doença e muito menos uma escolha. É resultado da codificação genética.

        Havendo um livro a dizer que é doença, deixa mesmo muito a desejar quanto à qualidade e rigor científico do mesmo.

        • Marisa Pinto says:

          Actualmente o DSM já não tem essa codificação, pois está actualizado, e evoluiu ao longo que a sociedade também foi evoluindo e novos estudos e pesquisas foram feitos.

          Mas é do senso comum que antigamente determinadas questões eram vistas de outra forma, mesmo uma simples epilepsia, que hoje é tratada com toda a naturalidade, era vista como uma possessão. E ainda há pessoas que vêem as coisas assim.. tal como a homossexualidade. Mas não no mundo científico.

  7. Paulo Silva says:

    É uma boa temática e que acaba, na maior parte das vezes, sem uma resposta única, objectiva e contundente.

    O Organismo humano é uma máquina muito peculiar que tem, parsa seu normal funcionamento, que ter um delicado equilibrio entre várias coisas e creio que aqui reside o principal factor, o Equilibrio (ou a sensatez,bom senso)

    Tudo o que é excesso acaba por se tornar em prejudicial, na grande maior parte das vezes e por isso concordo quando anteriormente indicaram que terá de haver moderação.

    No entanto a porta abre para os dois lados.

    Além desse equilibrio que tem de haver, existe ainda uma outra particularidade importante que se prende com a maior ou menos propensão dos individuos para certas e determinadas maleitas.

    Para pessoas mais susceptiveis (fisica ou emocionalmente) existem maiores probabilidades de acontecerem determinadas coisas.

    Acima de tudo o que creio que tem de prevalecer é o equilibrio nas coisas que fazemos e em como o fazemos.

    Quanto aos jogos, creio que será mais ou menos visivel que poderão trazer problemas de visão mas, por outro lado, já assisti a conselhos dados por técnicos de oftalmogia para que uma criança com o chamado “olho preguiçoso” jogue consola portátil enquanto estiver com o outro olho tapado.

    Os videojogos, tal como tudo na vida, têm de ser consumidos com cautela e sensatez.

    • Freud2004 says:

      Falas num tema interessante;

      “Para pessoas mais susceptiveis (fisica ou emocionalmente) existem maiores probabilidades de acontecerem determinadas coisas.”

      Exato, não sei se tens conhecimento, que para se ser hipnotizado a pessoa tem de ser permeável (fisica ou emocionalmente). Ou seja as pessoas mais frágeis emocionalmente são mais suscetíveis a ser influenciadas, tanto pelo bom como pelo mau.

      Mas essa influência negativa ou positiva, pode vir de jogos, ou de pessoas ( ex. Hitler ), ou por outra via qualquer ( ex. TV ).

      Um abraço

  8. JJ says:

    Então uma pessoa que trabalha num escritório, durante 8 horas, todas elas praticamente sentado, podem mais facilmente ter cancro!?
    Um camionista ou um motorista de transportes públicos, que pode ficar sentado mais de 2 horas seguidas, sem mudar de posição, podem mais facilmente ter cancro!?
    Os informáticos, que ficam quase de certeza mais de 2 horas seguidas sentados, sem grande alteração de posição, podem mais facilmente ter cancro!?

    Resumindo… daqui a uns 10/15 anos, uma boa percentagem da população mundial terá cancro… E que tipo de cancro? Nos olhos, nos pulmões, no cérebro, nas mãos ou será no “rabo”?

    Logicamente que jogar, qualquer tipo de jogo, compulsivamente poderá causar problemas sócias, psicológicos ou até financeiros, o vicio nunca é bom para ninguém…

    Claro que estar muito tempo ao computador ou TV, poderá causar problemas físicos a nível dos olhos ou musculares (pela posição ou movimentos repetidos). Mas isso não importa o que a pessoa esta a fazer, se a jogar, trabalhar, passar o tempo ou simplesmente a ver um programa na TV.

    Em relação aos jogos violentos, logicamente por si só não são a causa da violência, tem de haver já problemas psicológicos no utilizador. Qualquer das formas excesso de violência quer em filmes, quer em jogos ou na sociedade onde se vive, pode causar uma banalidade desse tipo de situação e criar uma atitude de indiferença perante actos de violência (mas lá esta tudo dependerá da pessoa em si).

  9. Ru1Sous4 says:

    Onde esta publicado esse dito “estudo científico”, pq estudos científicos todos fazem, gostava de o ler, p tentar perceber a acuidade do mesmo.

    • Freud2004 says:

      Estes estudos são estatísticos, mediante uma amostra, o que quer dizer que são manipuláveis e consegues obter o resultado que mais te convêm.

      Quando fiz o meu estudo sobre dependência de jogos de PC, tinha-me dado muito mais jeito que o mesmo desse que existia dependência, pois a conclusão era bem mais fácil de tirar do que provar o contrário, como se provou.

      O próprio questionário para recolha de dados, se não estiver aferido ( validado ) para a população do país influencia o estudo. Nós não temos os mesmos valores culturais que os Suecos, um estudo na Suécia que mede algo pode não medir a mesma coisa em Portugal, logo qualquer questionário necessita aferição á população.

      Logo existem muitas coisas que podem influenciar um resultado quando não são respeitadas as regras estatísticas.

      • JJ says:

        Então podemos ficar mais descansados… Só as crianças no Reino Unido é que podem apanhar cancro por causa dos videojogos! Se tem filhos, não os levem para Inglaterra, ou pelo o menos não lhes deixem jogar videojogos em Inglaterra!

        PS: Estou a ser irónico. Os estudos logicamente tem que ser adaptados a cada sociedade onde são feitos.

        • Freud2004 says:

          Se virmos pelo lado alarmista, o jogos provocam cancro, os telemóveis também, a redes wireless os gases de escape, os EEE dos alimentos, etc

          Basicamente estamos condenados a morrer e depressa… Isto é a visão alarmista do problema, talvez moderação em tudo seja o melhor.

  10. Siivet says:

    “as crianças não devem ficar mais que duas horas numa mesma actividade” A menos que seja futebol, será que se ficar a jogar xadrez 4horas fico com cancro nas unhas? Estou deveras curioso porque é que uma noticia de um jornal sensacionalista britânico é levado tão a sério.

    Óbvio que na Coreia há mais gente em frente ao pc , existem campeonatos de starcraft como cá temos a 1º liga de futebol, isto da-me vontade é de criar algo em português tipo The Onion, e começar a meter rumores que todas as atividades que não sejam em frente a um pc ou livro provocam algum tipo de deficiência mental, só porque sim.

    Pplware , então pah?, Vamos mas é a meter noticias de interesse e não andar aqui a alimentar estas coisas sem sentido, para isso já me farto de tentar ligar a tv e ver mau jornalismo !

    • Marisa Pinto says:

      Não são rumores, são estudos, e e o artigo não está a divulgar a noticia do The mirror, mas sim a questionar as consequencias que a forma como estas noticias são colocadas, num jornal do genero (comprado pela grande parte das pessoas, muitas deles mal informadas), pode trazer.

      Faz-te mais sentido agora? 😉

      Cumprimentos.

      • Siivet says:

        Guiei-me mais por aqui: “O que pensam desta notícia? Podem os videojogos afectar a saúde das crianças?”

        Mas, vendo pelo lado de pais menos informados/gente altamente influenciável , óbvio que a noticia terá repercussões, apesar de que, e conhecendo o jornal, mais ou menos informados não se deveria de dar muito credito , isto já parece o assunto dos cães por cá.

        Acho que é o tipo de noticias que deveria de haver algum controlo, não no sentido de censura, mas no sentido de expor as coisas como deve de ser para evitar acções menos racionais por parte de quem a leia como foi escrita.

  11. Freud2004 says:

    Creio que a noticia é boa, no sentido de se debater o tema e acabar com mitos tolos, de que tudo faz mal.

    Compreendo o ponto de vista de quem só lê o titulo e nem se dá ao trabalho de ler os comentários, pois fica com uma ideia errada das consolas.

    Os mitos existem, e por vezes colam sem uma razão cientifica que os suporte. Os meus pais ainda hoje acreditam que ligar a consola ao televisor o estraga e estamos a falar num TFT em tudo igual ao monitor de um PC, mas foi uma mito que ficou e para eles é uma verdade….

  12. Gonçalo Damas says:

    Nunca mais jogo!

  13. Carlos says:

    @Freud2004

    “Sem qualquer estudos que o suportem, eu sou defensor dos jogos de consola para melhorar a coordenação motora”

    Mesmo que não haja nenhum estudo que diga que alguns jogos melhoram a coordenação motora, e com toda a certeza há, duas notas:

    O Tetris foi concebido originalmente para melhorar a coordenação motora em pessoas com danos e/ou cirurgias cerebrais;

    Várias clínicas de reabilitação por esse mundo fora usam jogos de consolas e jogos com o Kinect para precisamente melhorar a coordenação motora.

  14. luniq says:

    os jogos? provocam todo o tipo de doenças… aliás, a maior causa de morte é a interação com video jogos. rotfloz

    enfim.

    andar de carro causa morte.
    andar de avião causa morte.
    beber alcool causa morte.
    tudo causa morte.
    estamos perdidos.

    o que acho da noticia? comédia barata.

    bom fim-de-semana 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.