Quantcast
PplWare Mobile

Considera que Portugal deveria ter a opção de Voto Eletrónico?

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. sdfg says:

    o problema e autenticar o voto sem identificar a pessoa (porque a lei diz que o voto e anonimo), prevenir que a mesma pessoa vote duas vezes (novamente sem identificar a pessoa) e prevenir que o voto seja alterado apos o voto sem ser novamente autenticado

    • José Fonseca Amadeu says:

      A Pessoa pode autenticar e votar anonimamente, é tudo definição de processos, nada que um BPM não faça.
      Tens N empresas que fazem consultas aos trabalhadores 100% anónimas. Trabalho numa empresa com 100 mil trabalhadores e isso é algo muito simples independente de te logares com o teu username e os sword apenas para acesso. As pessoas é que fazem de tudo um filme.

    • Abreu says:

      Tão e o IRS não e tudo feito via NET? Votar tb já devia ser.

      E a primeira vez que falho umas eleições.

      E uma palhaçada mandar as pessoas para casa com recolher obrigatório e fazer eleições em plena pandemia.

      E isto que temos…

    • Diogo Pereira says:

      Podes gerar um hash ligado à leitura do cartão de cidadão para saber que a pessoa votou, não podes ter a ligação do resultado do voto ao hash ou à pessoa

    • Samuel MG says:

      Essa solução era através do uso de uma aplicação para smartphone associando o imei à aplicação ou através de um site integrado nos sites governamentais.

      • João says:

        Ou seja… A Chave Móvel Digital.

        • SSD says:

          A chave móvel digital é única e pessoal e dá acesso a outras páginas governamentais, como é que o voto não ia ficar associado às pessoas?

          • scp says:

            Ficava registado que votou mas não em quem.

          • SSD says:

            Ficava sim, porque tens algo que te identifica.
            O único país que eu saiba que faz isto, a Estónia, faz a identificação a partir do cartão de cidadão. Ou seja, um sistema que te identifica mas depois não relaciona aquilo que tu “escolheste ” a ti, que eu saiba é inexistente. Ou seja ia ser um sistema baseado em muito boa vontade. Da parte de quem gerisse o sistema para não andar a espreitar os votos de cada um e boa vontade dos hackers que não atacassem o sistema .

    • Koso says:

      simples: Cada pessoa que deseja votar eletronicamente pede e recebe (na câmara ou junta da sua zona) um código (gerado aleatoriamente em computador e único) que serve para aceder ao seu boletim eletrónico. Após ser submetida a sua escolha no boletim eletrónico, o voto seria automaticamente contado pelo sistema. Agora põe-se a privacidade da informação em causa: então e o voto que v exa fez neste nesta notícia, a pplware irá saber quem votou em quê? Outra vantagem: acabava-se com a treta dos desenhos no papel e outros gozos com o direito de votar.

  2. Eleições says:

    Todos dizem que sim, porque assim podem hackear as eleições sempre.

    • Pedro says:

      sim porque agr nao podem tirar 1000 papeis e meter 1000 ahah acho muito mais seguro um voto eletrico do que mandar papelinhos para pessoas

      • anon says:

        a quantas pessoas tens de influenciar, coagir, subornar/pagar, etc, para andar a mudar papelinhos, VS a quantas tens de fazer o mesmo para pegar nos votos na máquina e mudar para o outro lado… é essa a questão. uma das formas é muito menos dispendiosa e dá muito menos nas vistas.

      • Filipe says:

        Mandar papelinhos?? Em todo o processo há testemunhas presentes

  3. Nightingale says:

    A partir do momento que em que os telemóveis e computadores oferecem um baixo nível de privacidade, esta ideia cai logo por terra por ser não ser anónimo de todo. Para além disso, vamos ser honestos, ir votar não é algo que acontece todos os anos sequer. Estão a dizer que até para decidir quem vos representa têm preguiça para o fazer?! Se não podem nesse dia, há muito que existe a opção do voto antecipado. Até se estiver no hospital e com as mãos partidas pode votar. Basta falar com um enfermeiro e informar essa intenção. Não nos vamos tornar nos maluquinhos da tecnologia que pensam que ela serve para tudo. Basta ver as críticas das pessoas dos outros países que optaram pelo voto eletrónico…

    • 2020 says:

      “Estão a dizer que até para decidir quem vos representa têm preguiça para o fazer?!” – Já que és o mais esperto aí da terra, explica-me como é que cerca de 1,5 milhões de portugueses recenceados no estrangeiro podem exercer o seu dever de votar??? Comecemos pelo Reino Unido, onde os portugeses tem o consulado em Londres e em Manchester para ir votar. Quem mora por exemplo no País de Gales está recenceado em Manchester, são só cerca de 300km de distancia.

      • Nightingale says:

        É precisamente isso que estou a dizer. É óbvio que já se devia ter pensado em uma solução para quem está no estrangeiro e pretende votar. Nesse caso podiam votar por correspondência. As cartas seriam entregues no consulado e enviado por mala diplomática para Portugal. É fácil? Não é, mas se se quiser não é impossível. Mas não vamos fazer de conta que em território nacional a pandemia está a servir de desculpa para alguns não se darem ao trabalho de votar sequer ( os números da abstenção dos outros anos prova-o). Para os quais é fácil votar ( a maioria em Portugal continental) e mesmo assim não saem de casa para o fazer, não tenho pena nenhuma que não tenham outra forma de votar. Aqui não incluo quem tem de fazer longas viagens para votar…. Agora se o período em que as urnas estão abertas deveria ser maior (por exemplo uma semana, aí é outra história). E para os peritos em computadores, não me venham com tretas. A maioria ía votar pelos telemóveis. De que importa o sistema ser seguro se os terminais onde vão votar não o são…? Para quê, para andarem a vender votos e poder provar que realmente votaram em um determinado candidato? Para andarem as empresas como a Google a vender estas informações sabe-se lá a quem…? Se fosse uma urna eletrónica, até era um caso a pensar, mas isto assim nestes termos é um absurdo.

        • 2020 says:

          Ainda este Domingo tiveste pessoas que foram impedidas de votar porque alguém já tinha votado por eles. Quando tens N transacções a serem autorizadas por via electronica, dizer que votar por via electronica é um risco é o mesmo que por em causa tudo o que se faz actualmente.
          Sobre os votos por correspondência, nas legislativas pode-se votar por correspondencia, nas presidenciais não se pode, em que ficamos?
          E mesmo que se possa votar por correspondência, nem sempre é pratico, olha o caso da Sara Sampaio que estava no Porto e foi aos Estados Unidos votar. Se por algum motivo não possas estar no teu domicilio fiscal, votas como? Quanto tempo leva uma carta a chegar?

  4. Pedro Silva says:

    Tendo em conta que cada pessoa tem um certificado no seu cartão de cidadão, não estou a ver grandes problemas na implementação.

  5. Euéquesei says:

    Se já agora, presencialmente, até os mortos votam, imaginem então com voto electrónico, até o Afonso Henriques votava…

    • Pedro says:

      Portanto tu achas que 5 gajos falham menos que um sistema informatico? ahah faz as contas em pe não uses a calculadora que isso dá sempre raia

    • 2020 says:

      Se o sistema for bem implementado, aí é que não terás mortos a votar.

      • Euéquesei says:

        O problema é esse, se for bem implementado.
        Não sei se me está a perceber….
        O mais certo seria ser bem implementado só para um lado.
        Mas vc sabe o país em que está? Um dos mais corruptos do mundo?
        Onde é que deixou a sua nave espacial?

        • Hélio Musco says:

          O que leva-te a achar que o sistema actual está bem implementado? Quem te diz a ti que não existem casos em que os votos não são contados ou contados em duplicado? Será que existe mesmo +50% de abstenção ou é tudo aldrabice do governo?

        • 2020 says:

          E o modelo actual está bem implementado? Ontem houve muita gente que não votou porque alguém já tinha votado por eles.

      • Koso says:

        a solução é tão, mas tão simples…

        uma password única obtida através de apresentação presencial e pessoal do seu Cartão de Cidadão (em câmara ou junta de freguesia) para aceder ao boletim eletrónico e estava resolvido.

  6. F Gomes says:

    O voto electrónico deve fazer comichão a muitos políticos, dado que se encontra metido na gaveta há 23 anos e não sai de lá. Fizeram-se testes, nós, contribuintes pagámos mais de UM MILHÃO DE EUROS por esses testes, se não estou em erro, à MEO, Vodafone e outra empresa de comunicações, porque razão ainda não foi implementado? Não sei concretamente como funciona o voto electrónico, mas se os contribuintes têm OBRIGATORIAMENTE de enviar a declaração do IRS pela Internet, quer tenham PC e ligação ou não tenham
    (pedem a um familiar, um vizinho, um amigo, um colega), porque razão não fazem o mesmo pela Internet, através do Portal das Finanças, logando-se pela chave digital ou pela identificação com que costuma ligar-se à AT? E porque não, também, por correspondência, meio apenas usufruído pelos emigrantes?

  7. Ricardo Marques says:

    Não interessa ao poder político que seja fácil obter o voto dos seus cidadãos. Se fosse fácil teriam a obrigação de referendar muitos temas e isso não interessa… Querem decidir como lhes convém.

  8. Rrrr says:

    Claro que sim! Provado deveria ter voto electrónico. Devíamos aqui seguir o exemplo da Estónia!

  9. Robin says:

    O caminho mais rápido para a manipulação de resultados.
    Queres ser como a Venezuela, ou como fizeram nos States ,em segundos os votos voavam do trump pro Biden,
    Se querem seguir estas votações de fachada o voto electrónico é o caminho certo.

  10. jorgeg says:

    Nao pois isso e o que os corruptos querem, manipulacao e alteracao do voto.
    Ninguem morre por perder 10 min da sua vida para ir votar em possoa com Identificacao.

    • Hélio Musco says:

      Não é a morte que está em causa. É a facilidade, não só no votar, mas também na contagem (i.e. mais rápido e menos erro humano). Também iria-se poupar recursos ao Estado.

      Pensar que o sistema atual é imune à corrupção/manipulação é o mesmo que acreditar na história da carochinha.

    • David Guerreiro says:

      Ajudaria certamente a reduzir a abstenção.

  11. miguel says:

    Os Ruis Pintos desta vida fez-me votar que não…

  12. Xico says:

    O voto eletrónico é tao seguro como qualquer outro sistema que usamos hoje em dia. As ameaças e os perigos são exactamente os mesmos do homebanking, do mbnet, do portal das finanças, ate mesmo do cartão de cidadão.

    • Filipe says:

      Ai é? E como é que sabes se nao anda um chico esperto a votar pela familia toda, incluindo os 2 milhoes de mortos que estão ainda nos cadernos?

      • Koso says:

        uma password única obtida através de apresentação presencial e pessoal do seu Cartão de Cidadão (em câmara ou junta de freguesia) para aceder ao boletim eletrónico e estava resolvido.

  13. Jota says:

    Com o voto eletrónico, corríamos o risco de um qualquer Rui Pinto trafolhar os resultados e a Ana Gomes ganhar as eleições! É um risco demasiado grande!

  14. jimmypt says:

    Não há vontade politica para mudar o status quo das coisas..A abstenção é um bem necessário para todos os partidos.Essa é que é a realidade.

  15. Mariana Santos says:

    Existem mais problemas no voto electronico online para alem da garantia de aninomato. So como exemplo, garantir que o voto não e feito sobre coerção.

    O voto presencial nao é a soluçao perfeita, mas o voto electronico online tras mais problemas que soluções, incluido a confiança no sistema de voto. A menor duvida que exista no sistema podera criar duvida na realibilidade do sistema. Existem razões profundas pelas quais por exemplo, 1) a mesa de voto necessita de ter representantes dos partidos, 2) O voto e feito obrigatoriamente individualmente sem qualuqer evidencia de repressao., 3) O voto nao pode ser postriormente comprovado pelo eleitor, para evitar que por exemplo o votante receba beneficios, recompensas ou seja alvo de descriminaçao sobre o voto que fez.

    https://www.youtube.com/watch?v=LkH2r-sNjQs

  16. poiou says:

    Eu acho que.o futuro será o voto electrónico, no entanto como solução intermédia podia-se adoptar os cadernos eleitorais electrónicos.
    Tipo uma maquina nas assembleias de voto, introduzidas o cartão e era validado (no caso das autárquicas podia validar e imprimir o boletim de acordo com a morada do CC. Assim por.exemplo se eu for de.Lisboa e estiver a estudar em Bragança, seria muito mãos simples.
    Quanto aos migrantes, porque.não abrirem mais mesas para alem das embaixadas?

  17. Theboice says:

    Sendo o voto secreto penso que nunca o será electrónicamente, mas isso sou eu, um tuga que vota em todas as eleições e até aproveito para fazer um pouco de exercício e nas anteriores até para ver pessoal que não via à algum tempo, abraços e cuidem-se…

    • David Guerreiro says:

      Voto eletrónico pode ser secreto, desde que não seja necessário identificar-se no equipamento. Podem existir cadernos eleitorais em papel na mesma.

  18. cross says:

    Nunca percebi porque o voto deve ser anónimo.
    O que é que se ganha com isso?

    • LSousa says:

      Supostamente votas sem te sentires coagido ou com hipóteses de represálias….

      • cross says:

        Então mas e os comícios, as bandeiras e os autocolantes que as pessoas usam?
        Não me faz sentido. Sinto que até prejudica as conversas e as discussões. Há quase um taboo em se falar de politica, é ridículo.

    • Koso says:

      exato, uma boa questão! Será que ainda estamos num regime em que levas uma bofetada ou pior por saberem que votaste em candidato x? Então os candidatos (que claro votam neles próprios) estariam sempre em risco. Boa questão.

  19. LSousa says:

    Sou a favor e sei que existem formas de manter o anonimato mas tb não tenho medo de assumir em quem votei! As adulterações tanto podem ser no campo do digital como do papel, venha quem vier tudo se pode viciar… Agora sei que mt gente não vai votar para não fazer centenas de kms para exercer o seu direito, Caso de emigrantes pro exemplo, no caso de vocês qd tiverem acamados, ou 90 anos e não se conseguirem mexer corretamente….

  20. Fernando says:

    O voto puramente electrónico impede que o cidadão tenha a certeza do que o seu voto diz quando entra na urna, porque todos os elementos de um sistema electrónico são passíveis de adulteração desde o momento em que são criados, mediante esforço suficiente. Julgo que a única forma de voto electrónico confiável será aquele em que o cidadão retém uma prova física do voto que expressou, que seja usada em auditorias efectivas de verificação do processo.

  21. anon says:

    Talvez como um último recurso, mas só com autenticação pelo CC com o leitor de cartões por exemplo, com sistemas descentralizados e sem qualquer possibilidade de manusear os votos seja de que forma for, quer seja “administrador” ou não, e que deverão ser também encriptados e apenas reconhecidos pela “máquina central” para efeitos de contagem automática, com chaves privadas. 99% da população não terá um leitor, mas atendendo às possíveis falhas e vulnerabilidades de um sistema do género NUNCA deverá ser uma opção generalizada. Basta ver o que acontece/aconteceu em certos países que adotaram máquinas ligadas à rede para votar… Desenvolver um sistema destes é que não deve ser muito saboroso em questões de tesouraria (lol). E quem fala em não faltarem formas de fazer isso com segurança não deve estar muito a par da realidade da internet. Não há nada “impossível de…”, há sim “muito mais difícil de…”. É só uma questão de tempo (e dinheiro) e interesse suficiente para quase tudo ser quebrado… E o nosso governo que aposta tanto nisso que existem certos portais que se não for com internet explorer, java e afins, nem abrem… Numa situação desta importância, que é o voto (pelo menos para alguns), não é de se fiar.

  22. Pirata das cabernas says:

    não. Nunca.

  23. David Guerreiro says:

    Temos que ver que o voto eletrónico existe em muitos países no mundo, mas não da forma como se fala neste artigo. Na maioria dos países com voto eletrónico, é ainda obrigatório ir a uma área de votação só que em vez de votar num papel, vota-se num dispositivo eletrónico. Ou seja, a única vantagem será a velocidade de contagem de votos e a poupança no papel. Votação via Internet é rara. O grande problema é que para se votar pela Internet é necessário autenticar, para fazer prova da identidade, logo é sempre possível ligar um voto a uma pessoa, por mais que o governo diga que não. O software será sempre implementado por alguma organização estatal ou uma empresa a contrato do estado, logo há sempre a possibilidade de backdoors para obter acesso a quem votou em quem. Já não falo da possibilidade de hacking.

  24. jonas says:

    Fico bastante preocupado ao ver 89% a responder que sim.
    Aqui no pplware, pelo tipo de pessoas que consulta esperava nada menos que um esmagador NÃO!
    Isto é preocupante….

    • SSD says:

      Estava mesmo a espera que adolescentes e jovens dissessem não á possibilidade de votarem sem terem de levantar o traseiro do sofá??
      Algumas pessoas até apresentam boas razões para tal (a situação que estamos a atravessar é uma boa delas) mas diria que a boa maioria está mais do que disposto a correr os riscos se isso significar que podem cumprir o seu dever cívico enquanto esperam pela notificação da Uber Eats.

      • jonas says:

        Sim, bem visto.
        Esqueçam o meu comentário, estava com uma ideia errada de quem é leitor do pplware dai a minha preocupação.
        Quando fiz o comentário o que tinha na cabeça era que isto era um local mais de malta das tecnológicas/programadores/IT e esse tipo de publico, mas de facto não tive em conta o factor idade.

  25. Miguel Lima says:

    1° Depois de implementar o voto electrónico, imaginem quantos candidatos não diriam que as votações foram manipuladas.
    2° acredito que seria uma teoria a pensar. Da maneira que vejo agora não conseguimos esconder a identidade da pessoa. E depois não conseguimos verificar se o voto veio de fonte fidedigna.
    3° Depois, vários utilizadores não conseguem votar porque do nada o seu voto aparece como já submetido e aí é que aparece a confusão. E todos perguntam é verdade, não é, então?

    Por isso de forma a manter o direito a voto como o temos. Neste momento não seria possível e não vejo métodos suficientemente eficazes seja onde for para esconderem o cidadão. E saberem que o voto é fidedigno.

  26. Pedro Pinto says:

    Ainda li alguns comentários e à conclusão que chego, é que anda tudo cheio de medo de mudar.
    Temos a maior manipulação de votos para assembleia “método Hondt” onde ganham sempre os mesmos…
    Depois vejo o egoísmo de certas pessoas quando falam que são 10 minutos para votar, não fazendo a mínima ideia de todo o trabalho que pessoas com mais idade e mobilidade reduzida tem. Já para não falar que em dia de voto, ninguém respeita os lugares de deficiente.
    Há tantas formas de validar o voto electrónico, mas isso iria originar um explosão de votos e mudar muita coisa na assembleia.
    Sou a favor do voto electrónico e espero que seja implementado o quanto antes.

    • jonas says:

      O problema não é o método Hondt, é os círculos eleitorais.
      Há várias formas de resolver o problema (deixo isso para as vossas pesquisas! 🙂 ), desde que queriam.

  27. Joao Ptt says:

    O voto electrónico não tem qualquer vantagem prática para mim se não puder votar a partir de literalmente qualquer lado com acesso à Internet.
    Dito isto, já se vota em máquinas no Brasil aos anos, e não ouço falar em burlas… embora aparentemente eles tenham tido muito trabalho para fazerem aquilo bem feito.

    Em termos de votação online, já existe o “Helios Voting”, código aberto, votação privada, e a própria pessoa pode verificar junto de servidor de terceiros (ex.: do partido da sua preferência, e numa instituição universitária) que o voto foi recebido correctamente (e não foi modificado) a qualquer momento mais tarde, mas na página de perguntas e respostas dizem que não aconselham para eleições de países via Internet… mas nada impede de fabricar um aparelho que se pode ligar por exemplo a uma rede totalmente à parte da Internet e que só funciona para esta funcionalidade, para assim reduzir todos os problemas online ao mínimo… e isto da rede à parte pode ser útil mesmo que a pessoa tenha de ir lá fisicamente ao local de voto.

  28. Rui Peixeiro says:

    Claro que sim….

    Já lá vão uma carrada de anos e tive oportunidade de participar no primeiro teste a uma “urna electrónica” em Portugal, numas quaisquer eleições (a memória já não chega) em que nas mesas de votos onde iriam votar os vários candidatos e o PR, paralelamente à urna e papel, havia umas maquinetas para o voto electrónico.
    Eu votava na mesma mesa de voto de José Socrates!

    A coisa funcionava e devia ter sido logo melhorada e ampliados os testes em eleições seguintes. Hoje poderíamos já estar bem mais à frente nesta área.

  29. Tuaregue says:

    voto electronico NÃO, caderno eleitoral electronico sim, nos referendos e nas presidenciais poder ser votar em qq mesa eleitoral do país. Uma vez q nestas votações n n há eleições de cargos por circulos.

  30. Tiago says:

    Nunca.
    Num sistema eleitoral tradicional, em que os actores sejam sérios, qualquer ataque escala sempre muito mal, tem pouco alcance e não consegue mudar radicalmente o sentido de um acto eleitoral.
    Já num sistema eleitoral electrónico, além de herdar todos os problemas de segurança dos computadores e de ser difícil o seu funcionamento ao cidadão comum, qualquer ataque escala facilmente podendo alterar drasticamente os resultados de um acto eleitoral.

  31. carlos says:

    Com a democracia não se brinca.
    O sistema de voto na urna com todos os defeitos que possa ter será sempre um mal menor comparado com o risco existente na votação electrónica remota.
    A Votação electrónica em mesa de voto e em local próprio é uma situação que pode ser ponderado

  32. Atento says:

    Sou técnico de informática há mais de 30 anos e tenho tido o privilégio de acompanhar a evolução da «internet» e dos sistemas de comunicações abertos ao longo deste tempo.
    A minha experiência diz-me que o voto electrónico é mais um prego (senão uma cavilha) no caixão da democracia.
    Os riscos são demasiado elevados para poderem ser ignorados.

    • José Fonseca Amadeu says:

      Só mesmo alguém que não percebe nada de informática para dizer uma coisa dessas.
      Os riscos são muito inferiores à manipulação dos votos em urnas, tivemos prova disso nestas eleições onde pessoas chegaram para votar e já tinham votado em seu nome, isto acontece sempre, em autarquicas então o número de votos de pessoas mortas é absurdo.
      Por algum motivo a maioria dos países civilizados tem voto electronico em cabine de voto, e desses alguns têm voto via internet para emigrantes.
      Voto via internet é verdade que tem a possibilidade de ser atacado, no entanto qualquer ataque é passivel de ser detectado e os resultados cancelados, o risco está apenas na cabeça de quem não sabe.

  33. só mesmo um ... é que não vê. says:

    Resumindo para qualquer um entender e com seriedade.
    Sendo a informática ou toda ela hacavel ou ” violavel ” e olhando aos vários maus exemplos dados pelos próprios gigantes da coisa, várias vezes na história ( e não só o Pinto… ), facilmente se encontra a resposta séria e coerente. Todo resto é ou será fanatismo e ignorância ou falta de seriedade, de correção. Lembro até que existiu um caso com uma aplicação relacionada com finanças em violação dos pressupostos direitos e leis em vigor ou seja crime efectivo.

  34. Sardinha Enlatada says:

    Em pleno sec XXI esse sistema ja deveria estar implementado. Se ha falhas havera sempre alguem que as corriga mas a mim me parece um sistema mais seguro e fiavel. Desde que disponibilizassem o codigo a entidades competentes e nao amiguinhos para fazerem o arranjinho.

  35. Toninha says:

    Hoje seria absolutamente anónimo, amanhã “afinalllll, não é assim tão anónimo. e até admitem que já sabiam.” Absolutamente nada é anónimo na net. Nada! Será que ainda não perceberam isso? Como é que ainda é rebanhada que quer ser identificado em quem vota? “A mim parece-me seguro…” Que opinião tão segura! Temos o mundo que merecemos!

  36. Sergio says:

    Uma sugestao para a casa da moeda: Cartao de cidadao contactless (como nos passaportes). Como uma boa maioria da populacao tem smartphone com NFC, imensas possibilidades de uso e autenticacao poderiam ser criadas. Assim evita-se ter que comprar leitor de cartoes para ler o chip. Imensos paises pelo mundo ja o fazem.
    Por exemplo seria bastante pratico votar em referendos (como na Suica) e assim testar se da viabilidade para eleicoes.

  37. iSheepNot says:

    O voto electrónico à primeira vista é uma excelente ideia. Mas depois muitas questões começam a ser levantadas, tantas que impedem a implementação.
    Mais. Nos dias de hoje haveria demasiados interessados em saber demasiadas coisas no suposto anonimato. É como alguém já disse: supostamente era anónimo mas não era bem e afinal todos sabiam que não era.

    Depois. No mundo electrónico a manipulação de votos é muito mais fácil e pode condenar toda uma sociedade. Pessoas com intenções perigosas normalmente têm interesse neste tipo de artimanhas para chegar ao poder.

    O problema maior não está na tecnologia. Mesmo há 20 anos se poderia fazer isso. O maior problema está nas mentes perigosas que andam por aí.

    • Ze das Couves says:

      Explica-me como no mundo eletrónico a manipulação de votos é muito mais fácil, face a corrupção que já temos agora?
      Se fosse por ai nada do que fazemos online é totalmente seguro, por amor de deus ganhem juízo e deixem de ser tão casca grossa.

  38. Luis Henrique Silva says:

    Já devia de haver algo parecido à muito e agora nestes dias era bastante necessário…..

  39. Ze das Couves says:

    A resposta para não se implementar isto é simples, quer se continuar a ter uma porta aberta para corrupção nas eleições, não me venham com argumentos que a tecnologia é volátil e hackeavel claro que é mas não é pior que a corrupção primitiva humana é devido a velhos do restelo que continuamos a não evoluir como país pioneiro em tecnologias como MBWay e Via Verde! Vamos continuar a fazer tudo à antiga durante mais 100 anos só mesmo porque sim!

  40. Tiago Mendes says:

    É um bom emprego para o Rui Pinto. Metiam-no à frente da segurança da votação eletrónica e nada iria falhar. Até porque se há alguém que conhece a forma de agir dos hackers é ele.

  41. omenomeezei says:

    Se for seguro, anónimo, transparente e bem regulamentado… ou seja bem feito, sim. Se não, deixem estar como está.

  42. João says:

    Mesmo com papel é uma aldrabice. No meu tempo fazia-se uma risca no chão, quem fosse a favor passava para um lado, quem fosse contra ficava onde estava. O resto é mariquice.

  43. V. HENICKA says:

    Caros portugueses, aqui no Brasil o voto é eletrônico 1994, portanto a 27 anos. Nunca houve questionamento técnico ou denuncia de perdedores questionando o voto. Ja tivemos trocas da direita pela esquerda e vice versa, e isto nunca foi problema para a transição de poder. Porém o equipamento não é ligado a internet e no final do processo ele imprime um boletim com os votos em cada seção eleitoral (escola). O eleitor não vota eletronicamente, ele comparece em frente ao equipamento e registra seu voto. É impossível votar duas vezes. Não há como interceptar dados e mudar os votos. Todos equipamentos ao final do dia seguem para o tribunal com seus respectivos saldos. É então feita a apuração. Uma eleição no Brasil tem resultado final até a meia noite do mesmo dia da eleição. Atualmente só o IGNORANTE, INCOPETENTE, PSICOPATA presidente do Brasil poe duvidas sobre o processo eleitoral a la Trump.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.