PplWare Mobile

Ucrânia está a usar tanques insufláveis como engodo para os russos…

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Paulo says:

    E um post sobre a tentativa de ataque terrorista hoje na Moldavia feito pela Ucrânia? Nada? E sobre o ataque terrorista contra civis a semana passada em que os fascistas dispararam contra um veículo a transportar crianças? Nada?

    • Vítor M. says:

      Tratamos de tecnologia, energia, ciência, inovação. O resto fica para os entendidos. 😉

      • TS says:

        Ele claramente é especialista e sabe tudo o que se passa

      • PoPeY says:

        Com as fontes credíveis que ele mencionou é praticamente impossível não acreditar.

      • sa.pong says:

        E o que é que insuflaveís têm a ver com tecnologia, energia, ciência e inovação? Esse critério anda um bocado estranho. Quando não convém, muda-se o tema, não é?

        • Vítor M. says:

          Os insufláveis são um métodos de engodo numa guerra que de tanto tecnológica, usa meios que podem ser apenas de “engenharia social”.

          Logo, não tem nada mais que tecnologia mesmo que seja simplista 😉

          Portanto, estamos dentro da temática.

          • Pedro says:

            Dês as voltas que dês acabas sempre no mesmo. A publicar conteúdo da guerra.

          • Vítor M. says:

            Não, não é de guerra, não falamos nos aspetos políticos, estratégicos, nas baixas… falamos sim na tecnologia do armamento, na tecnologia para iludir o atacantes, os drones, as transmissões via Starlink, o poder das máquinas no campo tecnológico. Só isso, a guerra para nós não é um assunto sobre esse mesmo ponto de vista.

    • Bernardo duro says:

      Vai ao médico e toma a medicação…

    • Stanley says:

      Só falta uma plaquina pendurada no pescoço com o dizer
      “MOTHER RUSSIA I BELIVEVE YOU”

    • Paulo says:

      o que os separatistas da Transnístria inventam para justificar continuarem a desestabilizar a Moldávia a mando da Russia não é para aqui chamado. Que existam por aqui tristes que apoiem a Russia e seus métodos é nojento, e se gostas tanto deles, deverias ir viver para la

    • Eu says:

      “Fascistas”, estás-te a referir aos Russos do Putin, certo?

      Porque o Putin é que é fascista, pois ele é que é autoritário e autocrático!
      Ele foi lá colocado inicialmente pelos oligarcas russos que dominavam a Rússia pós queda da URSS, e depois disso ocupa o poder porque se elegeu a ele próprio durante todos estes anos, tendo alterado as leis russas para o perpetuar no poder.

      Na Ucrânia não há autoritarismo. Há governantes e um presidente eleitos democraticamente pela população.

      fas·cis·mo
      (italiano fascismo)
      nome masculino
      1. [História] Regime e movimento político em Itália que tinha por emblema os fasces, e terminou após a Segunda Grande Guerra depois de vários incidentes, num dos quais foi morto o seu chefe Mussolini (1883-1945).
      2. [Política] Tendência para o excesso de autoritarismo ou para o controlo ditatorial.
      “fascismo”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/fascismo [consultado em 10-03-2023].

    • PML says:

      Esse ataque terrorista na Moldávia é falso. Além disso, mesmo que tenha existido seria numa zona ocupada ilegalmente pela Rússia no território da Moldávia.
      Sobre o veículo de transporte de crianças onde foi? Vamos questionar então também – quantas crianças ucranianas já morreram sob o ataque dos russos e quantas crianças russas morreram? Ou outra questão – se a rússia não tivesse invadido a Ucrânia quantos civis terriam morrido e militares (de ambas as partes).

    • freakonaleash says:

      Queres falar sobre o genocídio perpetrado pela federação russa contra o povo ucraniano sob o prisma do rapto de milhares de crianças ucranianas.

      https://en.wikipedia.org/wiki/Child_abductions_in_the_2022_Russian_invasion_of_Ukraine

      Não se esqueça que deve de bater as botas enquanto estica o braço em saudação ao retrato do seu querido fuhrer putin que tem junto da latrina!

    • Que cena says:

      Deves ter informações especiais infiltradas do Reich da Rússia!!!!!
      Vai tomar a medicação antes que tenhas um colapso mental!!!!!

  2. Estefâneo Empregos says:

    A Rússia já tinha adotado esta estratégia nesta guerra mas o fornecedor é que não deve ser a Inflatech. 🙂

  3. Eu says:

    Já agora, a Guerra na Ucrânia não começou há 1 ano, começou há 9 anos, em 2014!
    Começou com a invasão russa da Crimeia, logo após a “Euromaidan”: que foi uma revolta popular por causa da traição do então presidente ucraniano Viktor Yanukovytch , que fez um acordo com Putin e não com a Europa, como havia prometido nas eleições (https://pt.wikipedia.org/wiki/Euromaidan).
    Guerra Russo-Ucraniana: https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Russo-Ucraniana

    • Sujeito says:

      Agora adicionas a isso a intervençao americana que fez golpe de estado e substituiu o presidente exatamente em 2014 para se virar contra a russia e a questao fica mais complicada.

      • Repara says:

        Em 2014:
        Os ucranianos correm com o presidente pró-russo (Yanukovytch). A Rússia invade a Crimeia. Nas eleições ganha um presidente pró-ocidental.
        Os americanos é que intervieram para os ucranianos correrem com o presidente pró-russo?
        Isso é uma narrativa tão enviesada como a das forças nacionalistas de Putin – a Ucrânia pertence à Russia porque foi a partir do principado de Kiev que se formou a Rússia.
        Há factos mais recentes, em especial a grande fome de de 1932-1933 que levou à mote pela fome de 3,3 milhões de ucranianos, em resultado da desorganização do sistema produtivo pela União Soviética e que também a atingiu. Ainda se discute se a grande fome também foi intencional, ou seja se com ela Estaline quis quebra a resistência dos camponeses à colectivizarão da agricultura. Em 1930-1932 tinham sido deportados mais de 300 mil camponeses ucranianos.
        Foi esse ressentimento anti-russo, o péssimo governo Yanukovytch, ao nível económico e das liberdades cívicas, com numerosos presos políticos que levou a que os ucranianos corressem com ele. A narrativa putinista não cola.

  4. Roberto says:

    94 mil euros por um tanque insuflável… Aposto que lojas de brinquedos locais fariam mais em conta…
    Mas a guerra é uma senhora oportunidade para se ganhar €€€$

    • Ricardo says:

      Esse “facto” está obviamente errado.
      Basta ir à página que o artista seguinte postou para ver que nos states se vende uma réplica dum M1 Abrahams por 3 mil dólares.
      Logo, quem redigiu a notícia cometeu uma gralha mas eu não tenho vontade nem pachorra de descobrir os reais valores

  5. Spl says:

    Vou citar mas já não me lembro
    Quem, “na guerra a primeira coisa a morrer é a verdade”.
    Tive a ler os vários comentários e recomendo a quem quer entender melhor este conflito/guerra, e a desinformação que dela advém, que estude a terceira guerra dos Balcãs. A forma como a televisão e as notícias “ real time” influenciaram a guerra/conflito. Obviamente há diferenças várias entre os dois conflitos/guerras, no entanto, na minha opinião, a história comparada é a melhor ferramenta de análise nestes casos:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.