Quantcast
PplWare Mobile

IHU: A nova variante do coronavírus que pode ser mais contagiosa

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Fusion says:

    Booster de vacinação já!

  2. Há cada gajo says:

    A questão que se impõe : esta variante segue a linha de tendência da Omicron ? Ou seja, será mais contagiante e menos perigosa ? Sabe-se que os vírus tendem a ser menos perigosos na medida em que o “seu” objectivo é a multiplicação e não eliminar o hospedeiro.

    • Tadeu says:

      Essa teoria é uma falácia, como se pode constatar pelos vários vírus que continuam a existir com a mesma virulência apesar de poderem matar hospedeiros. A única pressão evolutiva para um vírus é poder se multiplicar e disseminar. Se causa ou não a morte dum hospedeiro depois de se disseminar é irrelevante.

      • Há cada gajo says:

        Que falácia ? Nada do que dizes inviabiliza o que digo. Falei em tendencias. Não quer dizer que não existam outros tipos de virus mais virulentos, embora o principio seja o mesmo. Tu tens virus tão mortais para o hospedeiro que não conseguem mais do que pequenos e relativos surtos pois os hospedeiros acabam por definhar não dando margem de tempo ao virus para se adaptar. Se não sabes, não lhe chames de falácia. Informa-te.

        • Tadeu says:

          A falácia é dizer que há tendência! Não há tendência!
          E com o que tu próprio acabaste de dizer assim fica demonstrado. Os virus mais mortais como o Ébola costumam causar pequenos surtos, mas eles não desaparecem nem evoluem para serem menos mortais.
          O virus da gripe continua a existir e num ano pode ser mais “mortal”, e noutro ano menos. O virus da Sida não reduziu o risco de mortalidade. O virus Covid já teve diferentes variantes, umas mais com maior risco de mortalidade do que outras, sendo que a Delta seria das com maior risco.
          Não há tendências. A única coisa que se pode afirmar é que um virus altamente mortal para todos os hospedeiros e com um período curto de incubação, terá pouca probabilidade de se disseminar. As pessoas generalizam isso como se demonstrasse evolução dum virus para ser menos perigoso quando isso não é isso que vê, como se pode ver pelos exemplos que já dei.
          Informado já ando há anos…

        • Valente says:

          O princípio biológico e evolutivo está correto, a ilação sobre o corona errada.

      • Paulo says:

        Tem a ver com o tempo de incubação, tempo de incubação curto torna menos viável um vírus que mate rapidamente.

    • Ricardo says:

      Sim, a Delta também seguiu essa linha de tendência, menos mortal… qualquer nova variante pode ser mais mortal como mais contagiante.

      • Há cada gajo says:

        Menos mortal, quererás dizer.

        • Tadeu says:

          Qualquer nova variante tanto poderá ser mais como menos mortal, ou até a mesma coisa… A Delta é mais mortal que as anteriores. por exemplo!
          Achar que novas variantes vão ser menos perigosas não é baseado em factos. Aquilo que pode melhorar com o tempo é a população ganhar maior imunidade, permitindo conviver com o virus.

          • Há cada gajo says:

            A Delta não é mais mortal que a Alpha. Tens de ter cuidado com as tuas fontes de informação. AS novas variantes, à semelhança de outros coronavirus estão a ser menos perigosas. São factos meu caro. Até há coronavirus que desapareceram … Mas tu é que sabes.

          • Valente says:

            10.000 anos de convivência dos africanos do Congo com o vírus do ébola não produziram imunidade alguma. Morre-se a sangrar de todas as mucosas.

          • Tadeu says:

            Há cada gajo,
            errado! O Delta é mais mortal do que outras anteriores, os estudos assim têm comprovado!
            https://www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(21)00685-X/fulltext
            Quanto a outras terem desaparecido não tem em nada a ver com mortalidade mas com os ciclos de surtos e o aparecimento de outras variantes com maior transmissibilidade.

          • Tadeu says:

            Valente, “Aquilo que PODE melhorar”; ÊNFASE no PODE, que implica uma possibilidade não uma certeza para toda e qualquer situação.

    • Miss Daisy says:

      Não é Omicron, mas Ómicron. Será que sabes ler?

    • PTO says:

      Tens de explicar isso ao Ébola e ao Marburg.

  3. Pedro says:

    Bom dia,

    Obrigado por mais um excelente artigo no entanto, tem uma palavra mal aplicada. Não se diz contagiante mas sim contagiosa.

    > Contagioso
    Termo usado para o contágio de doenças infecto-contagiosas.
    Exemplos de uso:
    – Esse vírus é muito contagioso;
    – Esse médico publicou um artigo sobre doenças contagiosas.

    > Contagiante
    Termo usado para o contágio de sentimentos, emoções, valores, geralmente positivos.
    Exemplos de uso:
    – Ela tem uma energia contagiante;
    – Alegria contagiante;
    – Força contagiante;
    – Bom humor contagiante;
    – Gargalhada contagiante.

    Abraço

  4. DB says:

    Se fosse UHU ficava mais assustado

  5. says:

    Com um nome desses não mete medo nenhum. Como vao assustar as criancinhas e idosos para tomar a vacina?

    • oh says:

      hum.. talvez mostrando factos científicos que a vacina realmente ajuda?!
      Não sei digo eu..

    • Há cada gajo says:

      Só os Zé’s como tu é que não se assustam. A questão é: porque não se assustam ? Inconscientes ou irresponsáveis ?

    • Astrolopissapiens says:

      Damn… o mundo das internets é fantástico ahaha
      Parecem neandertais a aprender a comunicar

      Como sabem se o Zé não está a ser irónico com o facto de ser assim que os media têm sobrevivido, a alimentar o Medo?
      Aí se calhar vocês os dois já concordariam com o Zé…

      Mas como na internet podemos brotar de raiva porque estamos escondidos, vocês passam o papel de MAUZÕES mas IRRACIONAIS… Cá está, Neandertal ahaha Uso da força sempre superior ao uso da inteligência

      Adoro ler comentários… Perco a fé no homo sapiens sapiens e começo a achar que atrás dos ecrãs são todos neandertais. Eu também, não pensem que sou melhor Vá, talvez um pouquinho…

      Isto é quase equivalente a vocês são os que já começaram a caminhar em duas patas e eu sou o que já brinca com pedras e faz faíscas ahahaha
      Estamos todos muito longe da inteligência mas eu pelo menos já como assado

  6. Czul says:

    Dizem por ai que se deve agradecer dos Chineses e Americanos, que andaram a realizar manipulação de vírus Sars Cov com HIV e agora é isto. Os americanos que financiaram e os chineses que executaram.

  7. ervilhoid says:

    no dia que sai uma notícia que há cura para todas as variantes sai uma nova variante lol

    ivermectina já

  8. diogo says:

    A palermia nunca vai morrer, mais uma variante.#fiquememcasa #vaicorrertudobem 🙂
    Aproveitem e tomem já 3 em 1, pois anda a gripa normal e agora a gripe das aves.

  9. Carlos says:

    Se tivesse o nome UHI seria mais fácil de perceber o país onde foi detetada

  10. JR says:

    Quando será possivel adicionar memes aqui nos comentários?
    Fazia mesmo falta o meme “Another One”.

  11. Sergio says:

    Acho que começa a ser importante ponderar tomar medidas que levem a população a viver numa endemia e não numa pandemia.
    Não direi já amanhã nem no mês seguinte, mas as varias organizações, especialistas, etc.. deviam debater isto de forma séria, principalmente depois de uma 3º dose da vacina administrada em massa.

    Há todo um cansaço mental e económico que se forem prolongados podem afetar muito mais a população num futuro próximo do que este virus daqui 6 meses muito provavelmente.

    Vejamos:
    – em 2018 morreram 4269 diabéticos, segundo o INE
    – na epoca gripal de 2018/2019 morreram 3331 pessoas com gripe, segundo o DN

    Poderia estar aqui a acrescentar mais dados anuais daquilo que é media de mortes por doença, mas prefiro fazer a seguinte conta.
    Se tivermos 15 mortos por dia em media por covid, multiplicando por 365 dias, dá 5475 mortes.. e já estou a dar 15 mortes puxando por cima, daquilo que acho que vai ser o numero de mortes diários. 5475 mortes parece-me um valor anual bom, até porque o numero de mortes por gripe sazonal acaba por descer.

    Posto isto, e o assunto das vacinas nem me aquece nem arrefece levo as que me forem sugeridas, penso que começa a chegar a hora de pensar pelo menos quando e como voltar à normalidade. Pois dia após dia, tem nos sido provado uma evolução fantástica no numero de mortes perante o numero de infetados, algo foi bem feito e temos de colher esses frutos.

    • JJ_ says:

      Mas o problema não é o numero de mortes, mas sim a quantidade de pessoas que esta doente ao mesmo tempo, que entope os sistemas de saúde, causando uma rutura no mesmo.

      Depois, o que vimos atualmente é a Europa e os EUA, com uma taxa de vacinação elevada e por isso a tomar medidas menos restritivas, isso é tudo muito bonito. Depois que o continente Africano/Asiático/América do Sul, que se lixe. Nós estamos “protegidos” eles que se orientem.

      Estamos mais preocupados numa 3ª dose, do que a tentar levar a vacina em massa para esses continentes.

      • ervilhoid says:

        Esses continentes que referes não tem vacinas mas também não estão numa situação tão má como Europa e usa

      • Luís Costa says:

        Pelo menos esta nova variante contraria o que tu dizes, as pessoas nem passam muito tempo nos hospitais a não ser as que tendo ou não a vacina iam lá bater com o nariz, nesta altura do ano até é normal enchente dos hospitais e não não é por causa do COVID porque já mesmo antes dava para ver que o SNS não é assim tão bom como querem passar

      • Sergio says:

        Mas aí é que está, e olhando apenas para o sistema de saude portugues que se calhar não é dos melhores em recursos, não está entupido como outrora, houve um passo importante em relação ha um ano.
        Em relação ao continente africano e outros, é claro que adoraria ver as vacinas lá de forma massiva. Mas quem quem conhece bem a realidade sabe que em determinados sítios é impossivel de entrar ou distribuir vacinação com segurança.
        O bill gates tentou erradicar o pólio a nível mundial, chegou à Nigeria e mataram-lhe a equipa voluntaria a distribuir a vacina.
        Que é que fazes perante isto? se nem a filantropia ou os recursos gratuitos são capazes de resolver problemas desta natureza?

        • ervilhoid says:

          Fiquei sem resposta ao bem feitor do gates

          • Sergio says:

            O que é que eu posso responder a um alucinado que vai buscar 1 exemplo em 7 biliões?
            É que pelo teu raciocínio também não vou dar a vacina do sarampo aos meus filhos, só porque já houveram pessoas com reações negativas.

            Entende uma coisa de uma vez por todas, uma vacina não é o 3º milagre de fátima, seja ela qual for. É um instrumento de prevenção!

            O vosso problema é a falta de formação no básico sobre o corpo humano e a sua genética, ou a preocupação em ler um pouco na fase adulta. Então para voces tem de ser “chapa 5”, resolver 100% um problema. Resolver a 98% já não serve, já tem que ter um contraditório massivo.

            Quanto ao Bill Gates, andas a ver muito facebook.. ou também achas que ele matou pessoas no sudão com uma suposta vacina com polio? lol..

          • ervilhoid says:

            Ah eu é que sou o lunatico..
            adeus

          • ervilhoid says:

            490 mil casos…

            O vosso problema é que rejeitaram um tratamento plausível para o covid e aceitam de bom grado vacinas que nem todos os testes tiveram.. esse é o terceiro milagre de Fátima

          • ervilhoid says:

            E pior, durante este tempo todo nunca se falou mas crianças, agora já são um grupo de risco
            Ah, não tenho Facebook, agora vai lá sentar o cu emagrente à tv

      • Memória says:

        Os europeus, e Portugal neste caso, deviam era estar preocupados com o número enorme de mortes em excesso relativamente à média dos últimos 5 anos.

        Este número tende a crescer e já é geralmente mais de 400% maior do que o número de mortos infectados por Sars-2.

  12. Vitor says:

    A hipocrisia da coisa… Quase que obrigam toda a gente a tomar uma vacina que nao se sabe os efeitos dela, no entanto: “Ordem dos Médicos francesa por ter violado o código de ética ao promover o uso do antimalárico hidroxicloroquina como tratamento para a covid-19 sem provas da sua eficácia.”. Enfim, a verdade ha de vir ao cimo. Vejam o podcast do Joe Rogan com o Doctor Robert Malone.

    • Há cada gajo says:

      Joe Rogan, comediante e comentador desportivo, pessoa muito credível no que a doenças diz respeito…

      • Vitor says:

        Tinhas 50% chances de acertar, falhas-te, nao e a opiniao do Joe Rogan que e relevante.

      • André says:

        Tens razão, o Joe Rogan é, de facto, um comediante e comentador desportivo. No entanto, o Joe Rogan também é alguém que fala com pessoas muito credíveis no que a doenças diz respeito.
        Lá porque essas pessoas não são defensoras acérrimas das vacinas e de muitas outras narrativas, como muitos borregos que aí andam, isso não quer dizer que não sejam credíveis e que tenham currículo em determinadas áreas. Além de serem públicas as conversas que ele teve com todas essas pessoas, haverá ainda outras conversas que nós não vemos nem ouvimos.

        Além disso, o Joe Rogan também é uma pessoa com um excelente, digo eu, bem-estar financeiro, e, acredito eu, fez uso do mesmo para se informar e tomar o que foi aconselhado a tomar.

        Dito isto, não me parece que o Joe Rogan tenha lido uns posts no Facebook e tenha decidido defender o que defende. Pessoalmente, não compreendo esta tentativa de “cancelamento” ao Joe Rogan. O individuo está, a meu ver, a fazer algo bem melhor do que os nossos jornais, ao dar palco a pessoas com currículo nas áreas da virologia, cardiologia, etc, para poderem explicar o que está a ser feito e defenderem as suas ideias, sem pressão de tempos. Haja alguém que o faça, principalmente ao ponto que as coisas chegaram. Ao contrário do que faz a nossa televisão pública que só tem tempo para o Big Brother e merdas do género.

      • papagaio says:

        lol não deves ter visto muito podcasts do homem nem dos convidados…caso contrario estavas calado…é o que dá só ver as imagens e ler as gordas e …”emprenhar ” pelos ouvidos. Mas bom é o que há

    • Sergio says:

      la que tu não saibas os efeitos secundários da vacina é contigo, mas não fales no plural.. qualquer pessoa pode ver que efeitos tem a vacinação, basta ires ao site da OMS ou ao da DGS.

      • Vitor says:

        Mas… antes do covid, era obrigatorio 5 anos de testes, como consegues justificar ser ignorada essa practica? Vamos pressupor que daqui por 3 anos a vacina causou dano suficiente no cerebro e o pessoal comeca a desenvolver tumores cerebrais a torto e a direito, como e? Anyway quem sou eu pra educar quem quer que seja. Um resto de bom dia.

        • Tadeu says:

          porque carga de água haverias de desenvolver um tumor cerebral?
          Demora cincos anos porque no processo normal os vários passos são seguidos de forma sequencial, não é porque se andam a estudar as mesmas pessoas durante 5 anos. Neste caso tentaram fazer muitos dos passos ao mesmo tempo para acelerar o desenvolvimento e o seu uso dada a emergência, sendo que algumas das vacinas até já têm a aprovação final neste momento, estão em situação equivalente a outras, o que significa que passaram as mesmas exigências.
          Efeitos secundários a longo prazo raramente são estudados antes do lançamento, já que doutra forma nunca mais seriam lançados novos medicamentos mais eficazes. Faz-se sempre uma avaliação de risco-benefício.

      • Luís Costa says:

        Podes ver os efeitos a curto prazo, os a longo prazo depois há de aparecer e aí quem é que se responsabiliza? Eu sei que a Pfizer já se tramou com coisas deste género, é só procurar em que foi condenada a pagar biliões e não foi nem um nem duas vezes.. a própria FDA disse que precisaria de 55 anos no mínimo para divulgarem o porquê de terem aceite a vacina da Pfizer e depois é só procurares no sítio certo, aqueles que estão a fazer o papel que devia ser feito pelos jornalistas, há dados a sair (pelos próprios estudos da Pfizer, sim eles começaram os estudos agora de médio e longo prazo) em que a partir da 2ª dose a probabilidade de pessoas abaixo dos 40 anos terem miocardites é maior do que se apanharem a doença.. não é ser contra as vacinas mas que existe muitas dúvidas a pairar existe

        • Tadeu says:

          Mas nenhum medicamento é avaliado a longo prazo antes de ser aprovado. Será que não vais tomar nenhum medicamento só porque tens medo de que não se conhece tudo sobre o medicamento? Pior… será que não tomas qualquer medicamento? É que todos eles têm efeitos secundários, alguns até sérios… Até o simples benuron ou a aspirina podem dar cabo do fígado se não tiveres cuidado…

          • Luís Costa says:

            É que nem compares as coisas, para sofreres overdose de paracetamol é preciso um bom bocado de comprimidos e isso torna se uma responsabilidade tua, no caso da vacina se tiveres AVC a responsabilidade é de quem? Os governos não assumem, a farmacêutica não assume mas no entanto estão a obrigar as pessoas a tomarem a vacina, percebes a diferença ou nem por isso?

          • Tadeu says:

            Luís Costa, não falei em morreres de overdose falei de efeitos secundários que estão associados a pessoas que tomam paracetamol ao longo da sua vida, que nalguns casos poderão levar à morte pelos problemas que causa no fígado.
            Todos os medicamentos têm efeitos secundários, e tenho quase a certeza que já tomaste alguns com possíveis efeitos secundários mais graves do que a vacina.
            Não vejo ninguém a ser obrigado a tomar a vacina em Portugal, e quanto a isso acho que não se deve fazer.
            Agora acho muitos dos argumentos usados para não tomar, absurdos e incoerentes com as outras escolhas que essas pessoas tomam.

          • Luís Costa says:

            @Tadeu, fui ver os dados e os dados são 5g no mínimo de paracetamol durante 10 dias no mínimo ou 12g de paracetamol só de uma vez poderão causar problemas de fígado.. estas doses que falei só mesmo um pouco para as tomar.. não obrigam? Em Portugal ponderaram isso, na Áustria já obrigam e em outros países da Europa penso que estão a ponderar.. eu tomar ou não paracetamol não me impede de ir e vir a onde eu quiser já a toma da vacina impede, não é obrigatória mas é segregadora ainda para mais agora que estamos a entrar na fase de endemia

          • Tadeu says:

            Luís Costa, não estás na Austria, estás em Portugal e o Governo já foi claro ao afirmar ser contra obrigar pessoas a tomar a vacina.
            As medidas que tomaram em Portugal são proporcionais ao risco para saúde pública, tanto que até para vacinados passaram a ser pedidos testes por causa da nova variante.
            Quanto ao Paracetamol não há falta de casos de pessoas que desenvolvem problemas de fígado associado a paracetamol.

          • Vitor says:

            Eu nao estou a viver em Portugal. Discordo com muita coisa que diz Tadeu, mas mais uma vez, nao tenho paciencia pra educar estranhos, nem e o meu dever. Sugiro que veja a entrevista com o doctor Robert Malone que inventou a vacina de mRNA. E reveja a sua opiniao depois.

          • Tadeu says:

            Vitor, e o que é que eu tenho a ver com tu não viveres em Portugal? Estamos num site português, ou não?, em que quase todos vivem em Portugal!
            O Sr. Malone não inventou a vacina de mRNA, é apenas um entre muitos outros investigadores que ao longo de décadas investigaram o possível uso de tecnologia que usa mRNA.
            Muito do que ele diz são exageros, e basta olhar para o exemplo do sistema de saúde português e de muitos outros países europeus para ver as suas teorias a caírem por terra. E apesar de haver outras preocupações que existem como em tudo na vida, tal não impede de avaliar a vacina como vantajosa e de riscos reduzidos, ao ponto de ele próprio já ter tomado a vacina. Os números falam por si quanto às vantagens!
            Vejo pessoas aqui a levantarem questões sobre efeitos secundários, escamoteando o facto de tudo na vida poder ter efeitos secundários. Se querem falar em efeitos secundários então têm que olhar para uma análise de risco-benefício, e o facto é que os riscos são muito menores que os benefícios face à prevalência e riscos para a saúde com o COVID, mesmo em pessoas jovens e saudáveis. O único ponto em que isso será debatível é com crianças, dados os poucos dados sobre efeitos a médio-longo prazo em tecidos em crescimento!

    • PTO says:

      Sabes o que significa a parte que diz “sem provas da sua eficácia” em relação à hidroxicloroquina?

      É que se o princípio era promover tomar coisas sem prova de eficácia então bem podiam receitar beber lixivia, como o outro imbecil sugeriu,

      Por outro lado, as vacinas foram testadas e tinham provas de eficácia antes de serem promovidas (e a realidade atual confirma-o claramente).

      Concluindo, foram penalizados e com razão.

  13. João says:

    É aproveitar a menor gravidade da Ómicron para ficar já imune.

    • Memória says:

      Isso estragaria (e muito) o negócio das vacinadeiras.
      Todavia não sabemos se a infeção com a Ómicron poderia conferir imunidade relativamente às novas variantes.
      Também me parece que essa imunidade (caso ela venha a existir) só muito difícilmente, ou o mais tardiamente possível, seria reconhecida “científicamente”

  14. Memória says:

    Excesso de mortalidade (última semana de 2021)

    O Ministério da Saúde publica e.o. dados sobre a mortalidade em Portugal actualizados de 10 em 10 minutos

    Dados de https://evm.min-saude.pt/#shiny-tab-em_total

    Procurei Vigilância -> Total e reuni os dados de Dezembro depois do Natal; na coluna esquerda a média dos últimos 5 anos, na da direita a que este ano se verificou.

    Vigilância da Mortalidade: Dezembro 25 – 31

    25 314 365
    26 314 378
    27 314 364
    28 314 363
    29 315 378
    30 315 348
    31 315 338

    Média dos últimos 5 anos em Dezembro depois do Natal (coluna esquerda)
    Total numbers: 7
    Sum of numbers: 2201.0

    Este ano em Dezembro depois do Natal (coluna direita)
    Total numbers: 7
    Sum of numbers: 2534.0

    Diferença: 2534.0 – 2201.0 = 333 mortos mais do que a média

    333 \ 7 dias = 47.57

  15. Luis Fernandes da Silva Nunes says:

    \\Se utilizarmos um padrão já existente, pode confirmar ou negar se a Covid poderá seguir o mesmo caminho e utilizar medidas para mudar acontecimentos.

    using Murphy Law; \\Anything that can go wrong will go wrong.
    using Fringe Theory; \\ idea or viewpoint which differs from the accepted scholarship in its field. Fringe theories include the models and proposals of fringe science, as well as similar ideas in other areas of scholarship, such as the humanities.
    using Antropoceno; \\atividade humana e impacto global significativo no clima da Terra e no funcionamento dos seus ecossistemas.
    using 7 Billion Humans; \\pc game lol
    using Chaos Theory;\\interdisciplinary scientific theory and branch of mathematics focused on underlying patterns and deterministic laws highly sensitive to initial conditions in dynamical systems that were thought to have completely random states of disorder and irregularities
    {
    flu = H1N1, H2, H3N2, H5N1, H7N9, H10 to H15N9;
    covid = Alfa (B.1.1.7), Beta (B.1.351), Gama (P.1), Delta (B.1.617.2), Variante Ómicron (B.1.1.529), IHU (B.1.640.2), Deltacron;
    }{
    Se variante sair fora das vacinas go to inicio de 2020; \\indice de mortalidade de 3%
    Na tentativa de proteger a economia não fechando as fronteiras dão cabo da economia interna. Com 16 500 000 de casos ativos na Europa e 19 300 000 na América do Norte a probabilidade de aparecer novas variante é bastante grande só detetadas devido a um grande numero de hospitalizações.
    }end

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.