Quantcast
PplWare Mobile

Fim do IPTV? Google recebe pedido para fechar centenas de sites

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Miguel says:

    Fecham 1000 abrem 10000.

  2. Paulo Pedroso says:

    É errado. É um facto.
    Mas tirar fotocópias de um livro também é pirataria. À 20 anos atrás, gravar os vídeos que davam na televisão para as VHS também era.
    Com isto quero dizer, podem cortar aqui e ali, mas vão haver sempre novas formas.
    Porque é que a pirataria baixou em downloads de musicas ? “Spotify, Apple music”, o mesmo com filmes “Netflix e Hbo”, as operadoras não percebem que se os preços fossem mais baixos, ganhavam mais.

    • Oliveira says:

      Boa gostei si eles cobrar menos as mensalidades teriam muitos clientes,Olha só tem uma empresa ,que o pacote família 250 sabendo que eu pago só 30 reais na minha lista,,,, boa gostei da sua resposta

      • luis gomes says:

        Podemos falar nos filmes. 1 bilhete de cinema tem um preço escandaloso. mais de 6 euros uma família de 3 ou mais fica caro uma ida ao cinema com jantar etc…. Na minha terrinha tem uma sala de espectáculos e passam um filme que esteja a estrear á sexta-feira e só cobram 3 euros a sala enche….

        • Woot! says:

          Se tiveres cartão NOS também só custa 3,5€. De certeza que há outras parcerias com outras operadoras/empresas. Farto-me de ir ao cinema e acho super barato. O que estraga é mesmo o preço das pipocas, mas isso é evitável.

    • Insensato says:

      Concordo, Paulo.
      Os nossos serviços de TV por cabo têm preços absurdos, com conteúdos pouco interessantes. De tantos canais, só uns 10 é que interessam. Pessoalmente, considero os canais Premium Telecine e Tv Séries, péssimos, comparativamente com os da Movistar (Espanha).

  3. Manuel Silva says:

    Google recebe pedido para fechar centenas de sites? Mas os sites estão hospedados no Google é? Isto parece uma notícia saída do record, não de um site dedicado à tecnologia, etc

    • Dav says:

      Na realidade não é a palavra correcta. O que estão a pedir é o bloqueio a nível de DNS para quem usa os DNSs da Google.

      • Miguel Mendes says:

        Conheces alguns DNS que não bloqueiem tantos sites como o DNS da Google? De qualquer maneira, até pode ser indiferente porque mais dia menos dia suponho que acabem por bloquear mais alguns sites. Se usar uma VPN conseguirei aceder a esses mesmos sites ou será que mesmo assim estarão bloqueados?

      • The boy says:

        E até isso não pode fazer, pode bloquear nos seus servidores, mas o que não faltam são servidores de DNS alternativos, alguns livres de todo o bloqueio.

        • Miguel Mendes says:

          Podias-me dar alguns exemplos? E usando esses servidores de DNS o acesso à internet ficará mais lento?

          • The boy says:

            Posso, tens aqui 2 links para seguires, lê tudo com muita atenção. Com estes 2 links chega para tudo o que o aqui nesta notícia é dito não fazer sentido.
            https://www.opennic.org
            https://github.com/DNSCrypt/dnscrypt-resolvers/blob/master/v2/relays.md
            Respondendo a tua pergunta, não, não vais notar diferença entre teres o teu computador a apontar para o servidor de DNS x ou y

          • Miguel Mendes says:

            Obrigado. Suponho que haja sites bloqueados e mesmo que não no futuro (a curto prazo ou não) possam vir a ser bloqueados, certo?

          • Miguel Mendes says:

            Desculpa-me, mas eu estive a ler e é muito confuso. Que endereços coloco em “Servidor DNS preferido” e “Servidor DNS alternativo” em IPv4 e em IPv6 no Painel de Controlo em “Ligações de rede” em “Rede Internet”. No caso do DNS público da Google só tenho de colocar “8.8.8.8” e “8.8.4.4 em “Servidor DNS preferido” e “Servidor DNS alternativo”, respetivamente, em IPv4 e “2001:4860:4860::8888” e “2001:4860:4860::8844” em “Servidor DNS preferido” e “Servidor DNS alternativo”, respetivamente, em IPV6.

          • The boy says:

            Nenhum site é “fechado” só porque sim, ou porque a empresa x quer.
            Simplesmente ou fecha porque os donos o fecham ou o servidor onde está hospedado o site o fecha por força da lei do país (pedido ao tribunal do país em questão), se nenhuma destas duas opções se verifica, não fecha. Pode é deixar de aparecer nas pesquisas na Google (ou qualquer outro indexador), mas existem outros motores de busca.
            Pode também ser “bloqueado” via DNS, ou seja, aproveitando a falta de conhecimento do utilizador comum, quando o teu computador pergunta como chegar ao site x, há um serviço que transforma o “nome do site” num número, é o serviço de DNS, que é feito por servidores. Se o teu computador fizer essa pergunta a um servidor que tenha algum tipo de filtro, como por exemplo as operadoras nacionais (que estão pre configurados no router lá de casa), vais receber ou uma mensagem de erro ou uma mensagem a dizer que o site está bloqueado.
            Com as soluções que estão nos links que te forneci, isso é não acontece, porque estás a usar um serviço sem filtros.l, portanto, tens de configurar de acordo com o sistema operativo que tens no computador.
            Esquece o conteúdo desta notícia que não tem fundamento e vê o que quiseres na NET, não te preocupes com estas tretas.
            Já agora, para a informação ficar completa, a tua operadora pode ter uma lista de ip’s que vai bloqueando (que correspondem a sites com conteúdos que não querem que acesas), e para passares por cima dessa blacklist, USA um proxy, ha para todos os gosto, pagos, livres, alguns mais rápidos, outros mais lentos, alguns não escondem o teu IP do site a que acesse, outros escondem, alguns têm encriptação, outros não… Pesquisa que encontras o que precisas.

          • Miguel Mendes says:

            Obrigado, mas podias responder à minha questão? O NordVPN é bom para ultrapassar esses problemas? Tenho tido dificuldades em me ligar aos seus servidores. Pois, ainda há esse problema de o Google não apresentar certos resultados por isso sabes de algum motor de busca que não censure?

        • Miguel Mendes says:

          Obrigado, mas podias responder à minha questão? O NordVPN é bom para ultrapassar esses problemas? Tenho tido dificuldades em me ligar aos seus servidores. Pois, ainda há esse problema de o Google não apresentar certos resultados por isso sabes de algum motor de busca que não censure?

        • Miguel Mendes says:

          Obrigado, mas podias responder à minha questão? O NordVPN é bom para ultrapassar esses problemas? Tenho tido dificuldades em me ligar aos seus servidores. Pois, ainda há esse problema de o Google não apresentar certos resultados por isso sabes de algum motor de busca que não censure?

    • JMonte says:

      Pensei o mesmo: Google não pode fechar sites.

    • Vítor M. says:

      Pode fechar os sites nas suas plataformas. Pode fechar a indexação, pode fechar acesso às apps de IPTV, pode fechar muita coisa mesmo. Não é só o DNS, atenção.

      • The boy says:

        Muita coisa? Pode não apresentar nas pesquisas e pode bloquear nos seus servidores de DNS. 2 coisas não me parecem muitas. Motores de busca há vários, e servidores de DNS são aos pontapés.

        • Vítor M. says:

          Aplicações, indexação de links, etc etc etc.. pode fazer até outras ações…

          • O outro João says:

            gostava de saber o que são os outros “etc etc etc” ou as “outras ações”, pois além do DNS, indexação e apps, não estou a ver o que será

          • Vítor M. says:

            Tanta coisa. Assim de repente, estou a lembrar-me do Chrome, do Blogger, dos seus servidores, no seu motor de pesquisa, nas suas apps, e outras formas, podendo filtrar conteúdos, barrar DNS, etc…

          • The boy says:

            Vítor, a Google só bloqueia o que tem em seu poder, nada mais. E para ser honesto, nem a Google quer bloquear nada, porque apartir do momento que os seus serviços de DNS fossem visivelmente restritivos, a Google perdia muitos “clientes” do seu serviço, e isso é parte do negócio da Google.
            O Chrome é uma versão do chromium, e quem quer pode usar o chromium, a experiência é a mesma (praticamente), já para não falar do Firefox. Blogs cada um tem o seu, eu tenho o meu e não está alojado nos serviços da Google. Apps podem ser instaladas fora da Google play, motores de busca há vários, servidores de DNS há aos magotes, e filtrar conteúdos a Google não consegue fazer, não sei de onde tiraste essa ideia.
            Quem possivelmente poderá até ter mais “poder” sobre as comunicações serão sempre as operadoras, que são o único nó obrigatório entre um cliente anónimo e um site final. Mesmo usando encriptação, a operadora pode propositadamente analisar certas “características” da minha ligação e no limite “abranda” a “velocidade” da minha ligação, mas mesmo assim está a infringir o contrato assinado comigo, visto que como não sabe exactamente o que está a correr na ligação, não pode restringir a minha velocidade de ligação. Não vem no contrato assinado que a operadora pode porque lhe apetece desligar a minha comunicação. No contrato têm é estipuladas características da ligação, como velocidade de download e upload, e por cabo nunca podem ser muito díspares do que vem no contrato.
            Queres um exemplo mundialmente famoso do que a Google NÃO consegue fazer? A Wikileaks sempre esteve acessível (salvo casos muito pontuais), e pressões para o “tirar do ar” não faltaram.
            Queres outro? Piratebay, ainda hoje existem cópias na net e poderia estar aqui a recitar carradas, todos eles estão no ar e estão indexados, até no Google.

          • Vítor M. says:

            Sabes bem que não é assim como dizes. Sabes bem que a Google tem um poder incrível nas mãos. Se quiser (ou for obrigada pela justiça) bloqueia o que tiver de bloquear. Estamos aqui a andar à volta da mesa para quê? É óbvio que se for para fechar, fecha mesmo. Basta ver que dominam no que toca aos servidores espalhados pelo mundo, a rede mundial por onde passa o tráfego tem muito com a sua marca, plataformas sustentadas, desde mail, browsers, lojas de apps, sistemas operativos. Sabes bem que é assim, para que estás a atirar areia para os olhos? 😀

            Depois dizes “há vários”… vários? Se o Google parar a Internet sofre uma depressão 😉 já sem adicionar o Gmail, o Chrome, o Android, etc…..

            Queres estar enganado? Pronto, seja 😉 aquele abraço.

          • cat says:

            Meu caro, a questão é se o “poder incrível” da google chega para fazer aquilo que pretendem e que afirmam no título. Não é preciso andar à volta da mesa. A resposta é um certo “não”. Haverá sempre uma alternativa, com google ou sem google. Portanto, nada disto significa o “fim do iptv”.

            Se metessem os ISP’s ao barulho, aí ainda dava o benefício da dúvida. Agora, a Google faz o quê ? Repara, uma analogia simples seria dizer que deixaria de haver PC’s se a Intel deixasse de vender cpu’s. Dito de outra forma, o apelo que fazes à importância da google não assegura que eles sejam capazes de acabar com o iptv. Serão é capazes de o combater. Ninguém sabe é até que ponto. Essa sim seria uma afirmação legítima, com pés e cabeça.

            Mas sim, como título e atendendo ao imediatismo da comunicação social de hoje em dia, quase que passa como não sendo um clickbait. Quase …

          • Pedro Pinto says:

            Não é a Google que faz, é a pressão das grandes empresas! Há uns anos ninguem queria saber do IPTV…hoje em dia já incomoda!

          • Vítor M. says:

            Tu não acreditas nisso. Eu então estás a enganar-te, se a Google remover ou fechar estes sites nas suas plataformas, tu onde das com elas? Como propagas? Deixa lá isso 😉 acreditam em cada coisa!!

          • The boy says:

            “…tu onde das com elas?” Queres quantos indexadores?

          • cat says:

            Claro Vítor M., tal e qual como a toda poderosa industria da música conseguiu acabar com o mp3. Lembram-se ? Tal e qual … 😉

  4. Miguel says:

    Então mas a Google é que manda na internet mundial ao ponto de poder fechar sites?

  5. Manuel says:

    Mas é legal ver a sky em Portugal a um operador no Algarve que retransmite na sua rede de FTTH por 5€ mes dezenas de canais incluindo os sky todos!

  6. Jose Lapao says:

    A resposta do @Paulo Pedroso diz tudo se os operadores baixarem os preços a pirataria baixa, eu acrescento mais, baixarem os preços e apresentarem conteúdos de qualidade, mas para que isto funcione á que mostrar o descontentamento como, como, cancelando as assinaturas até os preços estarem baixos e o conteúdo com qualidade, mas não pode ser local tem de ser mundial, já que querem atacar a pirataria a nível mundial vamos nós a nível mundial responder em massa cancelar assinaturas de canais de desporto, filmes, e TV em geral, baixar o tráfego de internet a todos os níveis (ajudando assim também no combate ao aquecimento global) e ver se os operadores despertam para a vida, pois os argumentos deles é que perdem milhões com a pirataria, pois partem do princípio que cada utilizador que utiliza a pirataria é um possível cliente legal, mas não o é, ele só é cliente de pirataria porque não pode pagar o serviço legal, ou então como eu acha que o preço do serviço legal não têm a qualidade de conteúdos suficiente para o preço pedido.

  7. zeminhoca says:

    vai fechar o aliexpress???

  8. Ze says:

    A Google, empresa privada, com poder para fechar sites a nível mundial. O mundo aplaude uma Internet controlada por interesses corporativos privados.

    Um dia quando se falar sobre como o capitalismo se sobrepôs à democracia, este será o caso de estudo mais relevante.

    • The boy says:

      Não fecha, a notícia está mal escrita.
      A Google pode fazer 2 coisas, nos seus servidores de DNS bloqueia determinados sites, e no seu motor de busca deixar de apresentar aqueles sites nas pesquisas.
      Mas os site continuam onde estavam. A Google não é a polícia da Internet.

      • Ze says:

        Fechar/Bloquear/Whatever. Na pratica deixas de poder aceder ao site a não ser que uses DNS alternativos. A questão que levanto é mais abstracta e talvez incide sobre um tópico maior, que é o facto de haver cada vez mais empresas privadas a ditar como a Internet vai evoluir no futuro. Nesse contexto a Google é a que mais “controla”. Um exemplo prático é a forma como os resultados no motor de busca aparecem. Se jogares com as regras da Google terás sempre melhor ranking no teu site (incluir scripts da Google no teu próprio site como é o caso do AMP dá-te mais ranking, etc. etc.).

        Por alguma razão estas empresas até tremem quando ouvem falar em regulamentação. No USA é tudo um faroeste e o pensamento de auto regulação impera, por isso é que depois existem abusos como a Cambridge Analytica e outros. No caso da Europa a coisa é um pouco mais regulada, no entanto a forma como estão a tentar penalizar as infrações é ineficaz, pois aplicar multas de alguns milhões de euros a estas empresas é como lhes retirar uma moeda de 1€ do mealheiro, não faz mossa. Compensa mais ser “fora da lei” e pagar as multas, pois os lucros dão para pagar as multas e ainda sobra muito.

    • Cfpinto says:

      E tu deves pensar que a internet é gerida/mantida por entidades públicas certo? Servidores são privados, os sites, na sua maioria, são privados. As redes por onde passa a informação, adivinha… privados. Na sua maioria, há excepções, a internet é um conjunto de serviços privados. Não vejo qual é o mal de uma entidade privada pedir/pagar a outra entidade privada para evitar que pessoas roubem o que é deles, portanto, privado.

      • The boy says:

        Vão aqui muitos erros… Cfpinto, nem tudo é preto ou branco. Com serviços na internet, há servidores públicos e privados, há sites alojados em servidores públicos e em servidores privados, se uma qualquer pessoa tiver um site alojado, o site não é da Google, nem de quem esticou o cabo de telecomunicações, nem mesmo do servidor onde está alojado, é da pessoa que o pública.
        Não vês problema porque para ti as leis não são para cumprir. Seguindo o teu raciocínio, tbm não vejo problema em pagar a investigadores privados para fazer o trabalho da polícia, um juiz privado e um carrasco para a execução, tudo privado, já que o bandido roubou algo privado e além disso matou uma pessoa (que até ver ainda não somos “serviço público”).

        • Cfpinto says:

          Por favor diz-me onde estão os servidores públicos. Há sites públicos, claro que sim, mas estão alojados num data Center privado. Obviamente que o serviço de DNS não pode desligar esses sites. Mas pode negar a resolução de DNS. Da mesma forma que a Altice pode desligar toda a rede que detém e negar o acesso a internet a muita gente. Obviamente como entidade cotada na bolsa tem que seguir as leis adequadas para fazer algo tao drástico que inevitavelmente iria afetar a sua cotação.
          Agora voltando ao teu exemplo. O uso de investigadores privados é legal e constitui prova em tribunal, os advogados são entidades privadas e como tal podem decidir quem defender e como defender desde que sigam a lei em vigor e vê lá tu que muitas prisões são PPP o que as faz tecnicamente privadas. Até existe uma lei muito rebuscada que contempla a detenção civil por isso , vê lá bem, com exceção do juiz que realmente trabalha pro estado, o resto pode ser tudo privado. E se fosse eu a mandar tornava tudo privado, ficava bem mais eficiente.

          • Zetsu says:

            Os CTT tem sido de uma eficiência brutal …

          • The boy says:

            Cfpinto, negar a resolução de DNS? Homem, sabe quantos servidores de DNS existem? Sabe que não existe apenas uma “autoridade” centralizada de DNS?
            Existem aos magotes de servidores de DNS públicos.
            Olhe em tempos até tive envolvido num desses servidores públicos.
            O cfpinto é do tipo radical, “…que a Altice pode desligar toda a rede que detém e negar o acesso a internet a muita gente.”, Não está enganado, a Altice nunca poderia fazer tal coisa, porque tem contratos assinados com milhões de clientes (particulares e empresariais), que todo o valor da Alice não dava para pagar as indemnizações que seriam exigidas em tribunal, não tem nada a ver com ser ou não ser cotada em bolsa.
            Fixe apenas o seguinte, não é com “medidas de força” que se resolve este problema (nem quase nenhum). Quem em Portugal quer ver os jogos de futebol ou qualquer filme ou qualquer série pela internet, vai conseguir ver, sem pagar, e “tentar” bloquear a resolução de qualquer site via DNS, ou deixar de o indexar é até a forma mais ingénua de se tentar resolver o problema, sendo que é tão simples de contornar que dá azo a ridicularização da medida, o que imagino não ser o pretendido.

  9. Marcos says:

    E quando vão fechar o YOUTUBE?

  10. Manuel Silva says:

    Não é fechar, é BLOQUEAR. Fechar implica controlo, o q pode fazer é bloquear a indexação pelos bots de pesquisa e bloquear a resolução do dns nada mais, os ficheiros, apps e sites continuam activos, apenas pode bloquear q apareçam na pesquisa geral feita pelos users mas até isso é contornavel e não me refiro apenas a mudar o dns. E apps de IPTV são perfeitamente legais, não podem ser “fechadas”, é o o tipo de stream q se faz com elas q pode ou não ser ilegal. Isto parece um artigo feito por um estagiário sem noção sobre o q está a escrever, não de um licenciado em engenharia informática.

  11. darth says:

    como é que a “google fecha sites”? ela agora é host também?

    • Vítor M. says:

      Então não? Até fechou os do blog com mails do Benfica. Fecha apps, fecha os sites no seu index, fecha os que controla com o seu DNS (isto assim em grosso modo), porque na verdade fecha ainda em vários outros parâmetros. O fechar os sites representa muita informação que passa pela Google que praticamente desaparece se a Google quiser ou for impelida a isso 😉

      • The boy says:

        Continuas a fingir que não perxebes que a notícia está mal escrita. A Google SÓ pode fechar algo que ela detém, ou que ela dá hospedagem e que infringe os regulamentos que estão estipulados contratualmente.
        A Google manobra a sua indexação como quer, sempre o fez, mas não existe só a Google a indexar, e a Google não “fecha” site nenhum por não o indexar, apenas deixa do o apresentar quando alguém faz uma pesquisa, mas o site continua a existir. Quanto às apps, não precisam de ser instaladas pela Google play, logo quem quer pode ter na mesma as apps que deseja.
        Quanto ao dns, não sei ao que te referes qua to a “outros parâmetros”, porque a Google controla APENAS os servidores de DNS da própria Google, e há aos pontapés deles.
        Poderias informar melhor a que parâmetros te referes?

      • Blabla says:

        Errado.

        A única coisa que a Google consegue fazer é remover o site do seu motor de busca.

        • Vítor M. says:

          Não, até o pode tirar do ar se estiver na sua plataforma. Pode retirar da sua loja material que entenda ou que seja judicialmente solicitado. Pode retirar do suporte das suas aplicações, colocar conteúdos, sites e afins em lista de Spam… ui tanta coisa. O Google detém, provavelmente, a maior percentagem de infraestruturas no que toca à Internet. Pode mesmo fazer ações que nem sabemos que estão por trás. 😉

          • Diogo says:

            Nunca comentei antes, mas tinha que o fazer.

            Claramente não sabes o que estás a dizer. A Google como foi dito pode bloquear a resolução de endereços a nível de DNS e bloquear sites que estejam alojados nas suas plataformas, correto. Mais que isso? Nada.

            Para dar mais conteúdo a uma notícia com o titulo errado, a maior parte dos sistemas IPTV estão alojados em servidores em países cuja lei proteje de certa forma os donos do serviço. É utilizada infraestrutura da Google? Não.

            2º Qualquer serviço de IPTV fornece os chunks do video diretamente utilizando o IP do servidor, precisa de resolução de DNS ? Não, a Google está no meio do processo? Não.

            Podem ser bloqueados os IPs a nivel do ISP? Pode. E aí estarias impossibilitado de ver. Solução? IPs dinámicos. Pode ser avaliado o conteúdo que passa pelo ISP de modo a detectar emissão de videos “ilegais” e consecutivamente bloquear? Pode. HTTPs e encriptação é suficiente para impossibilitar isto.

            Tantas outras coisas podem ser faladas, mas não que a Google tem o poder de “fechar centenas de sites” 🙂

            Cumprimentos

          • Vítor M. says:

            Diogo, partes logo de um pressuposto que está errado “a maior parte dos sistemas IPTV estão alojados em servidores em países cuja lei proteje de certa forma os donos do serviço”… e que interessa isso se a Google não te mostrar, se barrar o acesso dos visitantes, se classificar o conteúdo como critico? Que importa isso, se as aplicações usadas para IPTV foram barradas na store da Google, que importa isso? Não digas disparates, porque o fechar não é ir lá e desligar o site, o fechar é aquilo que vimos, por exemplo com o sites de partilha de conteúdos multimédia com direitos de autor que as operadoras fizeram em Portugal (e não só) há uns anos.

          • Diogo says:

            Eu não digo disparates, a noticia sim. E mais uma vez tu a corroborar com eles.

            1º A Google pode deixar de exibir nas pesquisas, existem outros search engines, eu nem uso a google.

            2º Aplicações para IPTV barradas da store da Google? Sabes exatamente o que é IPTV para começar? Eu não uso nenhum aplicação da Google para ver IPTV seja onde for. Até uma página html com uma biblioteca JS permite-te ver IPTV.

            Agora, diz-me tu tendo inteligência para avaliar o que disse, um potencial utilizador IPTV, que não utiliza nada da Google. Como é que a Google vai interferir este caso?

            Search Engine? Não uso o deles; e tens forums, reddit, etc com imensos serviços de IPTV, aliexpress?
            DNS? Não uso o deles, e? Basta saber o IP direto facilmente partilhavel.
            Infraestuturas deles? Já falei o que tinha a dizer

            Quando dizes “não digas disparates” estás a falar com uma pessoa com anos de experiência, inclusivo na área de live-streaming. Aceita as críticas como deve de ser.

          • cat says:

            Concordo completamente com o Diogo. Há “achismos” e “opinionismos” e, por outro lado, depois há factos …

          • Vítor M. says:

            Claro, a Google costuma perguntar se pode 😀

          • cat says:

            Não, a google implementa acções judiciais com o alcance que se lhe é conhecido. A força dessas acções está sujeita a regras legais, apresentadas como um caso por determinada empresa. Neste caso foi a SKY. Pelos vistos, existem casos que podem ir para a frente, para além do simples bloqueio. Outros não e terão que ser reavaliados e muitos voltarão ao activo. E certamente haverá muita contestação pois existem serviços de IPTV legais pelo meio que também foram afectados. Entretanto surgem pormenores interessantes que indicam que a situação é bem mais complexa do que certa superficialidade empírica consegue apontar:

            “As the notice above shows, Sky UK goes down the classic route of claiming that the sites in question directly infringe its rights by providing access to its licensed content. While that may be the case in some instances, it’s far more likely that the services use completely different URLs to deliver that content so at best, the above domains might be considered as facilitating infringement, rather than directly infringing Sky’s rights.

            However, when it comes to Sky Italy’s notices, the company has a more detailed approach that may prove even more effective.

            “The reported sites illegally provide external links with which users can access and/or download unauthorized copyrighted contents, exclusively owned by broadcaster Sky Italia,” the notices state.

            “Reported URLs pages are using without any authorization copyrighted images and logos owned by Sky Italia, which are used to promote and selling unauthorized IPTV services or video-on-demand library with show schedules or video catalogs owned by Sky Italia.”

            In this context, the use of Sky graphics to promote and sell pirate IPTV packages to consumers is a slam dunk for the company when it comes to the DMCA. Hundreds of platforms not only use official logos in this manner but also images of Sky box controllers, culled from Sky’s own sites.

            Having sites delisted from Google on those grounds alone should be relatively simple for the broadcaster. Copyright infringement of logos and graphics is much easier to determine than IPTV seller site URLs that may (but probably do not) contain any copyright-infringing material.

            Source: Torrentfreak.com”

          • Vítor M. says:

            Foi isso que lhes foi solicitado, foram ações para atuar sobre o conteúdo ilícito. A Google fechou nos seus serviços e plataformas estes canais. Tal e qual como lhe é solicitado agora. Nada tem a ver com o MP3, esse formato não é ilegal.

          • cat says:

            Meu caro, ou não leu tudo ou então não entendeu. O aftermath deste evento mostra duas coisas:

            1 – Que existem fornecedores de iptv lícitos entre os atingidos.

            2 – Que existe fundamento legal para contestar as alegações da sky.

            3 – O mecanismo legal que permite a sky impor, através do “bloqueia primeiro e pergunta depois”, a sua vontade, é cego, imparcial e dará resultado a uma resposta.

            Se não quer perceber ou entender as repercussões que isto implica, isso é consigo. As alegações da Sky não têm a força que parecem ter. Isto implica acções em tribunal. Feitas tanto à google como à sky. Acha que a google se pode dar ao luxo de andar a esbanjar dinheiro em tribunal graças à vontade de terceiros ?

            Isto vai servir de case study, de como alguém como a google, nunca deverá proceder no futuro. Mas nada disto é novo, para alguns, claro.

            Quanto ao mp3, exactamente. Mas é legal graças a quem e ao quê ? Talvez esta resposta o elucide sobre o assunto. Uma coisa é sempre comum nestes casos: DRM.

            Nada tem a ver com mp3 … 🙂

          • cat says:

            Já agora, eram 3 pontos e não dois.

            Quanto ao mp3. O mp3 em si, não é ilegal desde que não tenha direitos de autor ou, caso tenha direitos de autor, detenha um original e quer fazer uma cópia para si. De contrário é ilegal, assim como é ilegal distribuir mp3, que são cópias do original, com direitos de autor. Mais uma vez, Vítor, a sua afirmação é simplista e desinformada e, certamente, não ajuda a esclarecer o assunto. A verdade é que um mp3 tanto pode ser legal como ilegal e o “formato” até nem tem nada a ver com isso. Posso fazer tanto um mp3 legal, ou ilegal, como posso fazer um flac.

            Mas ainda falta o resto. Mas então o que tem o mp3 a ver com este evento ? DRM. O que é o grosso do assunto. Afinal, do que é que se queixa a Sky a não ser de DRM ?

            Por fim, o motivo. Tanto o mp3 como os iptv ilícitos levantam a mesma questão: O valor do bem ou serviço adquirido, que é considerado elevado, e a fuga do consumidor para uma situação ilegal ou perto do ilegal, tal é o enredo jurídico que até poderá ser legal em certas situações. Portanto, Vítor, não simplifique as razões, reduzindo-as a afirmações sem sentido.

            Agora, procure pelo google, na wikipedia e por aí fora, como a questão do mp3 pode dar sugestões ao caminho a seguir para resolver muitas das questões de DRM e deste assunto das iptv’s também.

  12. Mestre em direito says:

    TANTA má informação… fogo. A começar a notícia não está bem formulada. Depois mantra a falar do que é legal ou não, preços e misturarem a google com temas alheios à google…

    1) O pedido é para a google bloquear buscas, DNS e serviços de pesquisa (Não aparecem nas buscas). Não vai bloquear o serviço nem nada que se pareça.

    2) há servidores públicos e privados, dos privados, uns ganham com o alojamento, outros com publicidade etc.. Não andem com histórias da carochinha.

    3) cada país tem reguladores e empresas que compraram os direitos de filmes e músicas. Se entra um operador novo ou estilo netflix, não pode passar por cima desses direitos e tem que encontrar alternativas. Em Portugal (em especial) a antiga TV Cabo tinha canais ótimos e o preço era acertado para a época; hoje em dia são máfias com centenas de canais comprados em pacote a um preço muito baixo (porque ninguém quer ver) e metem na sua grelha para encher. Basicamente são os canais de TDT + canais rascas + Premium (que se paga…). No entanto estas máfias ganham muitos milhões com este esquema e estão legais: se a lei defende e ganham, porque hão-de fazer a vida fácil para os clientes?

    No entanto a pirataria é uma alternativa não legal, para ver canais que não se precisam todos os dias. Não concordo com a pirataria mas a verdade é que uma versão legal justa no preço e oferta não aparece, logo… é a única alternativa.

    Posso dar como exemplo amigos no estrangeiro que querem os canais portugueses e praticamente não tem alternativas sem serem os canais ridículos “internacional”. Alguns tinham TV Cabo satélite, pagavam em Portugal e viam no estrangeiro, mas como agora muitos países proibem pratos de satélite nas varandas (E no cimo só o prato “comum” do edifício), só resta a opção IPTV. Como – que se saiba- não há nenhum pacote desses a não ser por soluções “alternativas”, a culpa fica do lado dos operadores.

  13. Rui says:

    a google vai fechar o facebook. e agora o que vamos fazer sem face….

  14. #Fernando says:

    As operadoras vao sofrer ainda mais, até porque os preços não baixam e a oferta cada vez mais é reduzida. Hoje, subscrições como Netflix, HBO e outras, trazem mais conteudo do que o que vemos nos pacotes das operadoras. E ninguem quer pagar 50/60€ por mês só para ter uns GB de net no telefone e net em casa, é preciso mais oferta ou um melhor preço.

  15. #Armando says:

    Façam preços mais baratos nos pacotes das operadoras com conteúdos originais e diversificados, façam um canal unico para telenovelas de todos os canais (+share) e vão ver onde vão parar as tv piratas.

  16. R!cardo says:

    A Google é que manda na internet?

  17. VALDERCI FERREIRA PINTO says:

    Tem um ditado que dia se não pode com eles junte-se a eles. E o que as empresas de TV a cabo deveria fazer entrar no ramo de iptv cobrando valores justos e mais acessível ai iria enfrentar a pirataria de frente e com certeza prestando um serviço melhor do que a pirataria e com set terá com menor custo para eles já que com o opte não teriam um monte de funcionários para instalar cabos e antenas.

  18. Filipe says:

    preços destes serviços são bastante atrativos… bem mais baratos que os serviços de TV legais. Lógico que o povo que recebe ordenados de merda adere… Nem todos sao ricos em portugal… Baixem os precos dos serviços.

  19. Ricardo Gomes says:

    Não percebi… Porque a Google? A Google não é nenhum ISP, por esse motivo não consegue desligar qualquer DNS ou servidor a não ser que estes estejam todos alojados na cloud da Google. Pelo que verifiquei (nslookup e trace route) nenhum dos sites referidos no artigo está alojado em qualquer cloud da Google.

  20. informado says:

    parabolica no telhado ..2000 canais gratis e tudo legal

    • The boy says:

      Falta dizeres é que box é que usas e que cartão usas, porque não estou a ver como tens tantos canais abertos.

      • informado says:

        Não preciso de box . A minha tv tem o sintonizador DVB-S incorporado. Fio vem da parabólica directo para a tv 🙂 Só num dos Astra tenho 700 canais livres ehehehe 🙂

        Vai ler, vai pesquisar. O povo português não precebe nada. É por isso que a maior parte tem subscrição de tvcabo. ahahahaha . 90% dos canais que as operadoras de cabo tem na sua lista estão no satélite livres para qualquer um ver!

  21. anon says:

    E quem usa estes “sites de iptv” nada mais é que um “tonto”… vai lá google, fecha aí o aliexpress… boa sorte lol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.