Quantcast
PplWare Mobile

Condutor apanhado em Lisboa com detector de radares de velocidade

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Berto says:

    Uso á muitos anos na grelha com ligação por bluetoth para o telemovel, nunca no tablier. Não abuso da velocidade mas não concordo com a caça á multa em colocarem radares de 50 em descidas que nem eles passam a menos de 100.

    • V says:

      +1 for “. Não abuso da velocidade mas não concordo com a caça á multa em colocarem radares de 50 em descidas que nem eles passam a menos de 100.”

      • Bianca says:

        Mas pode explicar, se o senhor, não abusa da velocidade, como pode receber multa? É que se passa acima da velocidade permitida então abusa da velocidade. Parece-me que se andarem de acordo com a sinalização, nunca será multado, até por estes dispositivos de “caça à multa”. Poderá ser a melhor solução. Não é por alguma polícia dar mau exemplo que nós temos de seguir. Pode até não concordar com o limite de velocidade em alguma zona, mas tem de respeitar.

        • Berto says:

          Com “Não abuso”, quer dizer que nesse locais vou á velocidade que os Srs. Policias e GNRs vão, a 100 KM/h. Quero dizer é que não uso o aparelho para andar a 200 em locais de 120 mas para andar a 100 em locais onde todos (incluindo as autoridades) andam apesar da sinalização marcar o contrário.

          • Bianca says:

            O senhor está apenas a tentar desculpar-se.
            Agora a regras das estrada são baseadas no comportamento errado dos agentes da autoridade?

            Como sabe que “todos” ultrapassam a velocidade limite naquelas zonas?

            Pode apontar para algum estudo sério e rigoroso com números reais?
            Ou é só o que acha, pelo que vê?

            Mesmo ponderando que está certo, não é argumento cometer um crime porque os outros também cometem.
            É apenas e só uma desculpa para psicologicamente justificar a si e aos outros que está a fazer alguma coisa bem, quando na realidade não está. Se existe um limite de velocidade em certa zona é para proteger todas as pessoas, você incluído.

            Se um agente de autoridade ultrapassa esse limite, também está a pôr em perigo outras pessoas, não é exemplo para ninguém.

            Se não concorda com um certo limite faça algo construtivo (existem cálculos e ponderações em termos de tráfego para que existam certos limites de velocidade, não são só achismos) para que exista mudança no local, assim beneficia toda a gente e por resolve o problema dos radares nessa zona.

          • Paulo Martins says:

            Mas aqui é uma questão de perspectiva, não é porque a GNR ou PSP andar em excesso de velocidade que te dá o direito de também fazê-lo, eu sei que é uma questão de hipocrisia mas o correcto é a GNR e PSP cumprirem os limites ou invés de tu não cumprires porque a autoridade não dá o exemplo. Dois males não fazem um bem e pode ser muito hipócrita um polícia que anda em excesso de velocidade multar-te a ti, mas aí o errado não é a multa mas sim o facto do polícia também não respeitar os limites.

          • Berto says:

            Claro, são opinioes e ideias, cada um tem a sua. já ando na estrada á muito tempo para ver que estradas que era de 100 passaram a 50 em alguns troços de 200m exclusivamente para ser colocado lá um radar, acha que isso foi calculado de acordo com os interesses das pessoas no geral ou de alguma org em particular? além do mais não se esqueça que andar devagar por ser muitas vezes perigoso, principalmente nesses sitio onde são retas enormes de 100Km/h onde a meio existe um limite de 50Km/h e depois volta para 100Km/h.

          • Bianca says:

            Eu não tenho acesso aos planos das faixas a que se refere, portanto, não posso avaliar o que foi tomado em conta para a classificação dos limites.

            No entanto, vejo que questiona os limites, o que entendo, mas tentar ofuscar uma situação em que se comete uma infração com uma teoria de conspiração é um pouco alusivo à razão pela qual os condutores ultrapassam o limite.

            Existe uma reta, ora a 100 km/h, ora a 50 km/h, cada vez que existe uma placa de sinalização, seja nessa via ou numa via rápida/ autoestrada, a nossa obrigação é adaptar a velocidade ao exigido pelas placas, ou é difícil para si, processar essa informação e retirar o pé do acelerador?

            É perigoso conduzir devagar em zonas onde as pessoas andam quase todas perto ou no limite de velocidade, isto sim, é o oficial e perigoso.

            No entanto, se utilizarmos essa analogia em casos onde grande numero de pessoas ultrapassa o limite de velocidade então neste caso os próprios condutores são os culpados disto, uns puxam os outros a conduzir acima da velocidade permitida para estarem mais “seguros” quando, na verdade, a estrada tem uma projeção de limite para assegurar (em princípio) a segurança rodoviária.

          • José Fonseca Amadeu says:

            Bianca, a velocidade deve ser adaptada à velocidade do transito, os limites de velocidade apenas servem para garantir a segurança de todos, se fores numa autoestrada a toda a gente for a 140 é bom que ajustes a velocidade para a velocidade do transito, caso contrário vais estar a por a segurança de quem circula em risco.

            No caso das nacionais o caso é gritante, pois existem entradas em zonas urbanas que passa de 90km para 50km e logo a seguir à placa de entrada de localidade tem um radar, ainda está o condutor a perceber que entrou numa localidade e ajustar a velocidade, isso é chamado caça à multa e tem a ver com resultados que os policias devem apresentar, em nada contribui para a prevenção ou diminuição de sinistralidade.
            Concordar com radares não sinalizados só mesmo para quem não sabe e não gosta de conduzir e acha que seguro é andar devagar ou de acordo com a Bianca, a cumprir sinalética.

            Tenho 2M de kms feitos e 0 multas e 0 acidentes, em AE nunca ando a menos de 150 km com cc e nem por isso me sinto em transgressão, vou com atenção à estrada e aprendi a conduzir não me limitei a tirar a carta…

          • PTO says:

            Ou seja, vais ao dobro da velocidade permitida e tens a distinta lata de dizer “Não abuso da velocidade”.

            És um tretas, não deves respeitar os limites de velocidade em lado nenhum, isso sim!

        • Filipe says:

          Para além dos limites de velocidade, existe tambem a obrigação de adequar a velocidade às condições da via, pelo que o próprio código da estrada apela ao “achismo” de cada um.

          • Berto says:

            Exatamente, acima de tudo cada um tem de ter a noção da via, das condiçoes e do veiculo.

          • Bianca says:

            Adaptar a velocidade às condições da via é sobretudo em relação a condições más da via, para reduzir velocidade.

            Quando existem condições boas de circulação, devemos seguir os limites de velocidade, regras de trânsito. Não é porque não concordamos com os limites de velocidade que simplesmente os podemos ultrapassar.

          • José Fonseca Amadeu says:

            Errado Bianca, no meu exame de condução nunca cumpri limites de velocidade e passei, aprender a conduzir não é só cumprir código da estrada, é saber ajustar a condução à realidade, vai ao centro de lisboa ou porto e vê quantos carros andam a 50 km, nenhum, isso significa que deves andar à mesma velocidade do transito, para não causar nenhum acidente por ir numa velocidade desajustastada para o transito e para não causar embaraço no transito.
            90% das vezes que vejo os policias mandar encostar é porque alguém está a congestionar tudo e não deixar o transito fluir.

        • PoPeY says:

          Bianca vou dar um exemplo que aconteceu durante alguns anos numa aldeia algures no Algarve.

          Existe uma estrada principal que passa dentro da localidade, onde o limite desce normalmente para o 50kmh. acontece que existe um momento em que as casas e os passeios terminam, concluis que já estás fora da localidade. Infelizmente não passaste nenhum sinal de fim de localidade, e o mesmo ate existe 2km depois de terem acabado as casas e passeios. Adivinha onde está o radar!?! Esta situação para mim é claramente caça à multa…

    • Rui says:

      Os radares é unicamente para caça à multa..
      se um condutor souber que está ali um radar vai diminuir a velocidade, logo “aumenta a segurança na via”, se não souber que está lá um radar vai continuar a carregar no acelerador aumentando o perigo da via, por isso estes dispositivos são bons para a segurança rodoviária.
      Não há aqui um contrassenso!? mas o estado está empenhado em aumentar a segurança rodoviária aka “multas”

      • Paulo Martins says:

        A caça à multa também podem fazer parte da segurança, o que acontece quando tens radares fixos e sinalizados é que muitas vezes os condutores apenas abrandam imediatamente antes do radar e voltam a acelerar mal passam o radar logo não há respeito pelas regras do código da estrada.
        Os radares móveis é que fazem com que Chico espertos levem multa, podemos argumentar a velocidade máxima em algumas vias ser muito reduzida, podemos também argumentar quando radares são colocados imediatamente antes de zonas de desaceleração ou aceleração, agora colocar um radar móvel numa zona em que normalmente existem sinistros de forma esporádica para apanhar que normalmente já não cumpre acho muito bem, só leva multa quem não cumpre a lei.

    • ricardo says:

      +1 discordo em completo com esta multa, visto que a polícia usa a “caça á multa”. Já os vi escondidos no meio das árvores com um radar para detetarem a velocidade. Segundo julgo saber os radáres móveis tem de ser anunciados, pelo que as autoridades ao fazerem esta fiscalização estão contra a constituição. e se formos por aí então e os wazes desta vida, também nos dizem a localização dos radares, também seremos multados por usar o waze??

    • Bianca says:

      Mas pode explicar, se o senhor, não abusa da velocidade, como pode receber multa? É que se passam acima da velocidade permitida então abusam da velocidade. Parece-me que se andarem de acordo com a sinalização, nunca será multado, até por estes dispositivos de “caça à multa”. Poderá ser a melhor solução.

    • Miguel says:

      Estou contigo, mas ja agora, por curiosidade, científica, onde posso encontrar 1?

  2. luís says:

    Para os “inteligentes” fica esta nota,

    Os detetores de radares de velocidade funcionam de forma distinta: não recorrem a bases de dados nem ao GPS. Os detetores de radar… detetam os sinais ou ondas de rádio que são emitidas pelos radares de velocidade, denunciando a sua presença.

    Convém referir que as autoridades também já têm detetores de… detetores de radares de velocidade. Estes conseguem saber quando um detetor de radar de velocidade está ativo e a ser usado por um veículo, fazendo parte do equipamento das forças policiais, também em Portugal.

    • Daniel says:

      Pensava que os detetores de radar eram sistemas passivos ao estilo dos RWR na aviação militar.
      Sendo assim vai ser uma guerra de contramedidas electrónicas! 🙂

      • RR says:

        não são totalmente passivos… eles precisam de um oscilador para varrer as frequencias… esse oscilador causa interferencia na onda que vai reflectida ao bater no veiculo… essa interferencia tem um tipo de assinatura padrão, logo qd a onda reflectida chega ao radar o radar ja sabe que existe ali um detector de radares… agora é preciso mais do que uma reflexão para garantir que a interferencia é valida, mas os detectores de radares mais inteligentes conseguem detectar que os radares tem detectores de radar (pois a propria onda emitida tem codificação/formato diferente) e com isso a unica forma segura é desligar o oscilador e avisar o condutor da presença do detector de radar com VG-2 ou SPECTRE-4 (ou outro tipo de segurança). o utilizador deixa de ter noção de onde vem o sinal e distancia, mas continua a saber que ha um radar na imediação… agora a titulo de curiosidade, em mtos dos estados dos USA os detectores de radar sao permitidos ao cidadao comum e tem ainda mais info, a policia, bombeiros, obras na estrada e afins enviam sinal de radar com codificação e os condutores são alertados ainda antes de ouvirem sirenes de uma marcha de emergencia ou de uma possivel paragem abrupta (a codificaçao indica o que é).

    • Carlos says:

      Corretíssimo! Sei quem tenha esses detectores instalados nos carros, e quando detectam radares, os condutores desligam os detectores para não serem detectados.

    • Berto says:

      Não esquecer que existem detetor de detetores de radares que simplesmente desligam o aparelho caso esteja a ser detatado e aparece como “falso positivo” que acontece por exemplo com as portas de abertura automática de shopping, acredita que sei do que falo 😉

    • Técnico Meo says:

      ficção cientifica. O radar passivo não tem absolutamente e rigorosamente nenhum circuito emissor. São apanhados porque travam a fundo e começam a gaguejar e suar por tudo o que é poro da pele quando lhes perguntam porque travaram a fundo.

  3. fernando says:

    o radar nao sinalizado serve somente para arregadacao de dinheiro, vide os radares de 60km/h em vias de 100km/h;

    • Bianca says:

      Explique melhor isso, existem radares de 60 km/h em zona de 100 km/h sem sinalização a limitar a velocidade a 60 km/h?

    • Toni da Adega says:

      Se a velocidade maxima da via for 100km/h, um radar de 60km/h nao vai apanhar ninguem que vá a mais de 60km/hm, desde que vá a menos de 100

    • Eu mesmo says:

      Esses são ilegais, um radar tem que estar ao “nível” da velocidade máxima da via. Ninguem te pode multar porque ias a 90 numa via de 100 só porque o radar está a 60.

      Vale a pena referir que os radares nunca estão à velocidade da via, por norma estão enntre 10 e 20% acima

  4. SANDOKAN 1513 says:

    Mais um manhoso a querer dar o golpe.Não os caçassem a todos.

  5. Luís Costa says:

    ” Segundo julgo saber os radáres móveis tem de ser anunciados, pelo que as autoridades ao fazerem esta fiscalização estão contra a constituição”

    calculo que para si o pedir da carta de condução e documentos da viatura seja uma violação da lei de proteção de dados …..

  6. Zétaro says:

    Imagino que ele tenha poupado mais do que a multa que levou, e o melhor é que nem deve tirar pontos.

  7. Nuno Miguel Fernandes says:

    A maioria dos gps já tem incluídks bases de dados com radares. Vão que apreender o GPS??

    • Berto says:

      Esse não são o problema, o problema dos detetores que falam na notícia são os que detetam não só os fixos mas os móveis atraves de ondas.
      Os senhores da autoridade tem detetores de detetores de radares mas já existem detetores de detetores de detetores de radares que acusam falsos positivos sendo confundidos por exemplo com as ondas das portas automáticas dos shoppings.

  8. Bianca says:

    Este tipo de equipamentos é ilegal, e na minha opinião deve continuar a ser ilegal. Este senhor até deveria ficar tempo sem carta durante algum tempo.

    Estão sempre a chorar.

    Se andarem de acordo com os limites de velocidade não são multados.
    Se forem injustamente multados por passar numa zona definida por uma velocidade e o radar estar abaixo dessa velocidade, então concordo convosco.

    No entanto, o que se verifica a maior parte das vezes é que simplesmente o argumento é que não concordam com o limite de velocidade e em vez de tentarem mudar isto (que dá trabalho e ajuda realmente todas as pessoas) simplesmente ultrapassam a velocidade máxima quando lhe apetece, desrespeitando o condigo da estrada, depois queixam-se que não sabem onde estão os radares.

    Já para não falar que muitos condutores abusam da velocidade dentro das cidades, não utilizam piscas, não sabem fazer rotundas e utilizam o telemóvel de várias formas (erradas), e até fumar ou comer acho perigoso. Pensem um pouco no perigo e acidentes que podem causar a vocês e aos outros.

    Se um polícia vos apanhar a cometer uma infração e vocês não o virem antes também utilizam o mesmo argumento, o que dá que pensar.

    Qualquer dia vamos ver ladrões a queixarem-se que não podem roubar assim, não sabem onde estão as câmaras, ou os agentes… assim isto é uma caça ao ladrão, não tem assunto…

    • Bruno says:

      Finalmente um comentário ponderado!

    • ricardo says:

      Se calhar deve ser polícia e as regras não se aplicam para si, portanto é fácil apontar o dedo e dizer para todos cumprirem.
      Concordo que as regras são feitas para cumprir, mas deviam ser para todos e não só para alguns.
      Se querem gastar dinheiro ao menos invistam num sistema como tem a alemanha, medem a intensidade do trânsito e consoante a intensidade definem um limite de velocidade, ou sem limite (nas auto estradas)

      • Bianca says:

        Não sou Policia, e não concordo com as infrações dos mesmos.
        Também não considero uma vantagem que uma autoridade tenha de estar acima das regras em algumas situações, em urgência é a alternativa mais viável e parece-me bem implementada. Os abusos por parte das autoridades até os considero piores do que os do comum cidadão. Portanto, as regras devem ser para todos cumprir!

        É fácil apontar o dedo, porque é fácil cumprir!

        Para certas zonas até me parece um sistema interessante (o alemão), mas noutras nunca poderia ser utilizado, porque existem pontos onde o limite não está exclusivamente ligado à intensidade do tráfego.

      • Bruno Mota says:

        Quem respeita a velocidade máxima permitida, nunca é multado. Ninguém está livre de em algum momento de distração tal lhe poder acontecer, mas de forma sistemática e constante é inadmissível pela perigosidade que representa.

    • Mastermind says:

      Sim, senhor guarda!!!!

  9. Hugo Nabais says:

    Um sitio vergonhoso onde eles se metem escondidos é na Av. Lusíada, onde o limite é de 50km/h mas absolutamente ninguém circula lá a menos de 50km/h. São 6 vias no total, largas com separador central e estrada quase sempre a direito. Eles adoram esconder-se lá para sacar multas.
    Uma vez passei l, a cerca de 40-45km/h porque tinha sido avisado que havia por lá os ratos escondidos e fui inclusive buzinado e sei que causei perigo ao trânsito, pois ia “parado” em relação aos outros carros que lá circulavam!

    • Bianca says:

      Mais um, a tentar justificar-se. O limite é de 50 km/h e ninguém circula a menos ou a 50 km/h?

      O exemplo que dá é de experiência própria imagino, quando lá passa, ou já ficou por perto parado com um radar a testar todos que passam durante um determinado tempo?

      Se sim, nesse caso não estará na altura de fazer algo para mudarem o limite na zona?

      Se circular naquela zona a 50 km/h põe em perigo o trânsito de outros veículos que vão acima da velocidade limite? Nesse caso devem circular bastante acima da velocidade limite, mas vamos fingir que andar acima da velocidade limite na Avenida em questão não põe em perigo nada nem ninguém.

      • Paulo Pedroso says:

        Claramente nunca andou na av lusíada, aliás nunca deve ter passado dos 50km/h.
        Pensando bem, eu acho que o sr/sra
        Vamos parar de ser hipócritas, av Eua, av gago coutinho av lusíada 2circular, ninguém repito ninguém anda no limite, nem polícia o faz.
        Bianca é mr. perfeito nunca cometeu um “crime”. Mas confesse lá, já tirou fotocópias, sabia que é crime? Pagou os direitos de autor?!
        Adoramos falar do próx quando temos telhados de vidro.

        • Paulo Pedroso says:

          Claramente nunca andou na av lusíada, aliás nunca deve ter passado dos 50km/h.
          Vamos parar de ser hipócritas, av Eua, av gago coutinho av lusíada 2circular, ninguém repito ninguém anda no limite, nem polícia o faz.
          Pensando bem, eu acho que o sr/sra Bianca é mr. perfeito nunca cometeu um “crime”. Mas confesse lá, já tirou fotocópias, sabia que é crime? Pagou os direitos de autor?!
          Adoramos falar do próx quando temos telhados de vidro.

        • Bianca says:

          Não é por nunca andar nessa avenida que vou concordar com o ultrapassar da velocidade limite. Concordo e defendo que se a velocidade limite não está ajustada à via em questão que se promova a sua mudança oficial. Nunca que se ultrapasse o limite que existe agora. E mais uma vez pergunto, onde foi buscar os dados? Tem algum link para os dados oficiais do número de pessoas que ultrapassam o limite de velocidade nessas vias? É que esta insistência de dizer que uma maioria pode representar 100% não é factual sem dados recolhidos num certo intervalo de tempo e mesmo assim haverá oscilações.

          Continuo a dizer que autoridades que cometem crimes não são exemplo para ninguém, são só uma desculpa para o comum cidadão continuar a cometer infrações.

          Estamos a falar de infrações relacionadas mais diretamente com a rodovia em se põe em causa a vida de milhares de pessoas tanto outros condutores e passageiros como pedestres. Comparar direitos de autor com isto é apenas e só uma tentativa de manipulação e ofuscação de uma realidade perigosa.

          Não sou perfeita, admito cometer erros esporadicamente, mas tento evitar coisas básicas e outras que podem por a vida de outras pessoas e a minha em causa.

      • André says:

        A Bianca, mas pelo amor de deus, sera que o trabalho da senhora é pôr radares? já andou na Av. Lusiada? Mais valia estar a lutar por aumentar esse limite de velocidade sem sentido nessas zonas do que tentar justificar isto.

        • Bianca says:

          Estes argumentos são realmente muito bons, sempre que há pessoas a favor das regras de trânsito têm algum ganho direto ou indireto, é uma boa desculpa, mas não, eu apenas ganho se existir mais segurança rodoviária, aliás todos nos ganhamos. Mas vamos fingir que não existem más práticas de condução.

          E é precisamente isso que eu tenho dito, se realmente a velocidade limite não se enquadra naquela avenida em vez de ultrapassarem em grupo a velocidade limite deveriam fazer algum esforço para mudar esse limite, mas é mais fácil ultrapassar, e depois o outro lado da moeda é que noutro sítio que exista perigo eminente com a habituação de ultrapassar os tais limites as pessoas depois abusam.

          • MJSantos says:

            A Bianca não deve mesmo ser de Lisboa nem conduzir em Lisboa.
            Só gostaria de perceber, por exemplo, a razão de ser do limite de velocidade de 70 KM/h nos tuneis da CRIL. Nesse caso, com o tipo de via que lá se encontra, a explicação é mesmo a da caça à multa. E no entanto, aquando da inauguração dos mesmos, até petições foram feitas para alterar esses limites de velocidade.

          • Vai-te catar says:

            A razão e o efeito Venturi. Pode pesquisar na net.

        • DK says:

          Não o trabalho da senhora não é esse, é andar aqui a moer o juízo a todos.

      • José Fonseca Amadeu says:

        Bianca, deves viver em Bragança e nunca ter ido à cidade.
        A av. lusiada é equiparada à segunda circular apenas com 1/100 do transito, os 50 km é só absurdo e só serve para gerar rendimento para a PSP, devia ser via rapida e limite 90 km pelo menos.
        Isso só demonstra o teu desconhecimento da realidade portuguesa e o falso moralismo de cumprir o código.

        Hugo, estão sempre debaixo do viaduto.

        • Bianca says:

          A sua primeira frase é simplesmente brilhante! Palmas!
          A avenida a que se refere pode ser equiparada ao que quer que seja, numa autoestrada também existe um limite máximo de velocidade que não se estende de forma constante desde o seu início até ao seu final, existem oscilações dos limites e nós condutores devemos respeitar isso.

          Desde quando seguir o código da estrada especialmente no que toca velocidades máximas é um falso moralismo? Deve ser um moralismo mais puro e verdadeiro ultrapassar limites de velocidade e tentar justificar o feito com argumentos puramente especulativos!!

        • Bianca says:

          Não consigo responder aos outros comentários, respondo aqui.

          Os limites de velocidade são para cumprir, as razões que a partilha são meramente ocasionais e são usadas como pretexto para serem uma regra, isto apenas e só apela a todos que continuam a desrespeitar o código da estrada como se tivessem o seu próprio código. Apenas e só para desculpar a suas regulares transgressões que podem por a vida de muitas pessoas em risco.

          Mas pelo que conta o senhor é um super condutor, que pode até cometer um erro a baixa velocidade, mas nunca a alta velocidade, até porque a alta velocidade (como todos apreendemos) os nossos sentidos são mais apurados e nunca nos distraímos! E a maquina que conduzimos nunca falha, nunca… (ironia).

          Existem vários exemplos de pessoas que passam em exames de condução e cometem vários erros (o tal dinheiro por baixo da mesa) e outras que cometeram um erro e não passaram. Outro sítio onde a exceção não deve ser exemplo de regra.

          O senhor contesta ser bom condutor, mas não consegue reduzir progressivamente a velocidade 90 para 50, pode reparar quantos km tem de percorrer em segurança com e sem trânsito para fazer essa redução em segurança e comparar com os kms que tem nessa situação que mencionou?

          Se sim, não sei porque perde tempo a comentar aqui em vezes de preparar um documento elaborado em que contesta essas situações. Até pode ter razão em alguns casos, mas de certeza que não é desculpa para constantemente abusar e ultrapassar o limite de velocidade, como me parece fazer.

          Já agora não sou eu que digo, é o ACP:

          “O excesso de velocidade é a primeira causa dos acidentes de viação em Portugal. Lembre-se que sempre que duplica a velocidade praticada, quadruplica a distância exigida para efetuar uma travagem e aumenta a exigência do tempo de reação.

          Além disso, acima de um certo limite de velocidade, existem diversos elementos negativos que deve ter em conta:

          Aumenta a fadiga do condutor;
          Aumenta o consumo de combustível;
          Aumenta o desgaste de pneus, travões e orgãos mecânicos;
          Aumentam os níveis de poluição emitidos;
          Acima dos limites máximos definidos incorre em infrações, multas ou outras sanções acessórias.”

          • José Fonseca Amadeu says:

            Não são ocasionais, se conduzisses saberias que maioria das pessoas não cumpre limite de velocidades, na av. lusiada eu diria que 99% das pessoas não cumpre, as multas que lá surjiram já foram alvo de reclamaçoes para todo lado e nunca deu em nada. Como esse caso existem milhares outros.
            Os limites de velocidade pouco importam para a segurança rodoviária, importa sim aprender a ter uma condução defensiva e isso nada tem a ver com velocidade.

            Pela sua logica devemos andar todos muito devagar para evitar acidentes, poupar combustivel e desgaste e diminuir a poluição, mas nesse caso é só comprar um electrico.

            Pessoalmente irei continuar a conduzir à minha maneira, em 26 anos de carta tenho zero acidentes e zero multas em 2M de km percorridos, já conduzi nas melhores e nas piores cidades do mundo para conduzir, cidades onde não se usam piscas, limites de velocidade e que a contraordenação rodoviária não existe e no entanto nem aí vi acidentes.. curioso..

        • Bianca says:

          O senhor continua a insistir em utilizar argumentos de opinião não factual, eu nunca disse que a maioria ou 99% das pessoas são isto, ou aquilo.

          O senhor vai buscar dados e números não sei a onde, se conseguir provar o que diz é bem mais fiável no que toca a argumentar, agora assim fica difícil levar a sério alguém quando simplesmente parece querer justificar as suas recorrentes infrações do dia a dia, talvez seja para que exista uma aceitação das suas razões e assim massaje um pouco mais o seu ego, mas comigo não funciona.

          Dados de acidentes por excesso de velocidade, o senhor até ignorou a informação que o ACP tem disponível no site.

          A condução defensiva deve ser praticar no dia a dia, mas como sempre mão deve ser utilizada como uma desculpa para não respeitar o código constantemente só porque-lhe apetece ou lhe é mais conveniente e os outros que se lixem. A sua afirmação é que é falsa! Os limites de velocidade importam para a segurança rodoviária sim, todos os organismos oficiais os dizem, mas o senhor só para ser do contra e justificar a sua má conduta diz o contrário.

          Além disso, não é por o senhor ser “bom” condutor que pode afirmar que os outros são. O seu discurso quase defende que todos podem e devem conduzir de tal forma, quando não é verídico que todos tenham as mesmas capacidades. E aqui já sou generosa consigo, a ponderar que está a acima das capacidades médias.

          Pela minha lógica deve ser respeitadas as regras do código da estrada, e como é óbvio utilizar uma condução defensiva dentro do permitido e sempre que necessário. (Mas não usar isto como desculpa para estar constantemente a desrespeitar as regras. chico espertice) E se existirem vias onde as velocidades máximas, mínimas ou qualquer outra situação pontual não se ajuste por alguma razão, acho por bem que se juntem e façam algo para a situação mudar!

          Essa lengalenga de conduzir em várias cidades do mundo e nunca ter visto acidentes é de facto mais um exemplo do que toma como factos universais e intemporais.
          O senhor pode medir o tempo de passagem numa certa via e o fluxo de trânsito, a percentagem e hipótese de se deparar com um acidente será mínima, mas isso não significa que durante o dia inteiro não existam milhares de acidentes.

          E de facto a utilização dos piscas são muito importantes para todos os utilizadores da via, para exista um cálculo mais rápido e preciso da decisão e respetiva ação a tomar. Seja ele condutor ou pedestre.

          O que vai dizer a seguir? Que é um superdotado e que por isso também consegue conjugar o cigarro no canto da boca e um telemóvel numa mão a enviar SMSs ou navegar na web enquanto conduz?

          Tenha juízo, não só o senhor que anda na estrada a sorte pode ou não durar para sempre, não é uma coisa certa.

      • Hugo Nabais says:

        Aprende a ler. Não estava a justificar nada mas sim a relatar uma situação específica, exemplificando como o uso ilegal de radares fixados escondidos é (quase) sempre usado em vias que não apresentam perigo mas sim a possibilidade de sacaram dinheiro fácil. E que normalmente são vias onde os limites são demasiado baixos fazendo com que ninguém os cumpra, nem mesmo a própria polícia e se alguém os cumprir pode no limite até ser perigoso. Se eu visse que a fixação dos radares e o a sua localização era legitima e centrada em prevenção rodoviária não teria feito o relato.

    • Bruno Mota says:

      Já me aconteceu inúmeras vezes buzinarem por eu estar a respeitar a velocidade máxima permitida, em Portugal, Espanha, França etc mas eu borrifo-me para isso. Até já me aconteceu quem simulasse ir bater no meu carro por trás, mas uma coisa é certa, cada um é responsável pela condução que pratica, e, se exceder a velocidade máxima permitida, sou eu que terei que pagar a multa, pelo que, buzinarem, berrem, batam com os cornos no volante, eu não exceda a velocidade máxima. Resultado, tenho 42 anos, e nunca tive uma única multa, nem de estacionamento quanto mais por excesso de velocidade. E óbvio, por álcool no sangue também não.

  10. g0tH1c.X says:

    Não percebo é porque é que não é obrigatório todos os carros terem uma forma de controlo de velocidade, por exemplo GPS, a comunicar directamente com as autoridades. Quem fosse acima do limite de velocidade, tendo em conta o local e o tempo, era multa automática. Já existem seguros em Portugal a utilizar isso e sempre que se passa o limite, o seguro é agravado. Para quem respeita os limites, o seguro fica mais barato.

    • José Fonseca Amadeu says:

      Quando chegarmos a isso os carros são todos autonomos e até vão poder andar a 200 km porque vão comunicar entre si e vão deixar de existir congestionamentos e acidentes, aí não faz mais sentido controlo de velocidade.

      • Realista says:

        Não vão existir acidentes porque os pneus vão deixar de furar/rebentar, as peças passam a ser indestrutíveis, não vai haver animais/objectos na estrada e Jesus Cristo vai descer à terra…

        • José Fonseca Amadeu says:

          Caso ainda existam pneus, mesmo que furem ou rebentem isso não irá provocar acidente, o carro será controlado e imobilizado, animais e objectos na estrada são identificados e será feita uma correcção de trajetória, como os veiculos estarão conectados entre si essa trajetória será comum logo também não terá lugar a acidente.
          Adoro pessoas que gostam de vir mandar bitaites em foruns de tecnologia quando o conhecimento maximo que têm é instalar apps no smartphone.

    • Bruno Mota says:

      Concordo plenamente consigo. Assim não pagariam os bons pelos maus, e as estradas seriam muito mais seguras.

    • Tecnical says:

      Concordava contigo se TODAS as condições (estradas, limites, veículos…) estivessem ajustados à realidade (o que honestamente é impossível).
      Esperemos que nunca tenhas de sair de casa de emergência com os minutos contados… Enfim…

    • Alex says:

      “(…) obrigatório todos os carros terem uma forma de controlo de velocidade, por exemplo GPS, a comunicar directamente com as autoridades. Quem fosse acima do limite de velocidade, tendo em conta o local e o tempo, era multa automática”.

      Olhe que isso não é para se fumar puro, tem de colocar tabaco também… E tendo em conta a gravidade do seu estado, é melhor colocar MUITO tabaco!

  11. maskOn-MaskOff Kung-Fu says:

    A verdadeira questão é a deslealdade de alguns Generais que que dizem aos agentes para irem para os ditos locais sem a colocação de um sinal vertical.

    “Quem for apanhado por radares móveis (escondidos) pode recorrer da contra-ordenação da coima, porque a colocação dissimulada é um método abusivo de obtenção de prova sendo de tal forma censurável perante os princípios jurídicos, logo ilegal e anticonstitucional nos termos do artigo 120º, nº1 do Código Processo Penal e o art. 32º, nº8 da Constituição da República Portuguesa”, destaca-se na mensagem da publicação em causa.
    Está bem explícito em ‘Diário da República’ que o dito radar tem que estar à vista desarmada, e identificados com o sinal homologado, reconhecíveis por todos. Em caso de abuso invoca-se a nulidade de tal prova obtida ilegalmente e denuncia-se ao Ministério Público.

    • Matreco says:

      https: //observador.pt/factchecks/fact-check-coimas-de-radares-moveis-escondidos-sao-ilegais/

    • Ovelha Xoné says:

      Em Portugal, os condutores têm de ser legalmente informados da existência dos radares, sim, mas dos fixos — está legalmente previsto, pelo decreto-lei 207/2005. No número 1 do artigo 16.º, lê-se que “as estradas e outros locais onde estejam ou venham a ser instalados meios de vigilância eletrónica fixos por parte de forças de segurança são assinalados com a informação, apenas, da sua existência“.

      De facto, não existe uma legislação específica para os radares móveis e este diploma apenas fala de radares fixos, “deixando a questão dos radares móveis em aberto, o que acaba por dar azo a interpretações como aquelas plasmadas em inúmeras publicações de Facebook!

    • Ovelha Xoné says:

      o artigo 120º do Código Penal refere-se a suspensões de prescrições criminais e o artigo 32º nº8 da Constituição refere-se à nulidade de provas obtidas mediante tortura, coação, ofensa da integridade física ou moral da pessoa, abusiva intromissão na vida privada, no domicílio, na correspondência ou nas telecomunicações. Nem uma nem outra “apontam para a nulidade ou inconstitucionalidade das provas obtidas” através dos radares móveis escondidos!

  12. O bastardo says:

    Tanto “artista”, não é por um acaso que Portugal está num nível vermelho quanto a qualidade de condução e quantidade de acidentes, atropelos, etc. Pior só deve estar Itália…

    Os limites de velocidade são para cumprir, sejam civis ou policia/ bombeiros. A excepção são os agentes em trabalho / emergência.

    Se há polícias que não cumprem ou “adequar a condução à via” significa que devem ir à velocidade permitida ou inclusive mais lento! Não dá o direito de “dobrar” o que está implícito ou dizer “ahhh se a polícia vai pela faixa do bus, também tenho direito”.

    Se desse direito a perder a carta logo é que era…

  13. R says:

    Há muita sinalização incluindo de limites de velocidade muito mal ajustada à via. Se é localidade, é 50Km/h independentemente do local/via. Enfim…
    Não digo que tal deva desculpar os infractores, mas deveria haver um maior rigor na sinalização. Por aí também passa a segurança rodoviária. Aqui ao lado (Espanha) é diferente; pelo que vejo, melhor.

  14. Ricardo says:

    é igual ao meu.. lol… vou já por á venda no olx o genevo one m

  15. Faisca says:

    Investi-me o governo nos radares anti corrupção e fiscalização dos mesmos!

  16. Altamente says:

    É este tipo de coisas que revelam a mentalidade tacanha dos “tugas”.

  17. EduardoG says:

    Se houvesse um leitor de mentes serão multados os motoristas que trafegarem dentro do limite de velocidade a contragosto.

  18. André says:

    E uma petição publica para legalizar os detetores de radar? Seria bom como noutros países como os u.s

  19. André says:

    Acho que deveríamos era criar um petição para legalizar os detetores de radar, como noutros países e não estar aqui a discutir se uns andam a 70 e outros a 90km/h, pensem nisso… ✌️

  20. D.A says:

    Agora o que verdadeiramente interessa: onde comprar um desses, sem que precise de vender um braço e uma perna?

  21. Gil says:

    Acho que se deveria respeitar os limites de velocidade dentro das localidades e estradas nacionais, e aí sim quem não respeita se os limites levavam á grande e á francesa, nas Auto estradas livres como na Alemanha só limitadas em zonas junto das cidades,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.