PplWare Mobile

Apple e Microsoft concordam contra o Flash


Autor: Daniel Filipe


  1. Alex Sampaio says:

    Eu digo isso faz anos! Certos eles, ou o Flash se renova, eu que morra!

    E que venha o HTML5!!!

  2. Arkan says:

    Odeio flash, desde a sua invençao so soube fazer as paginas ficarem mais pesadas!!!

    eu retiro todas as propagandas graças ao adsblock plus!!!

    nao gosto de flash!!!

    • Ganondorf says:

      Metem os adds em HTML5 e ficas co mm problema.

      • Ecchin says:

        Na verdade o AdBlock plus também bloqueia scripts de ads como os do google, portanto também seria capaz de silenciar publicidade em html5. Só os sites nos quais confio é que permito a visualização de ads.
        E na informática, nunca há certezas. Se dizes que temos um problema, então há um hacker a tratar dele 😉

        • jmtdstoc says:

          Dos Hackers (verdadeiros) não tenho medo. É graças aos Hackers que temos coisas como Linux, OpenOffice, Firefox, etc…
          Os Hackers não são criminosos, são programadores altruístas extremamente hábeis, que ajudam comunidade.

          Dos Crackers é que tenho medo!
          Os Crackers são criminosos, do mais reles e inferior que existe, extremamente egoístas e egocêntricos.

    • Luisa Trindade says:

      Caro, num site em flash penso que o problema e de quem la poe os conteudos (fotos texto etc) q nao converte em formatos mais leves. Preguica.

  3. Habo says:

    Que venha o HTML5 ^^

  4. Rammy says:

    A Microsoft não parece querer acabar com o Flash. Tendo em conta que muita da utilização que lhe é dado é a ver vídeos, a principal aposta que qualquer empresa pode fazer é no suporte ao vídeo HTML5.

    Ora o IE9 só vai suportar vídeos H264, e não vai suportar Theora, um codec livre e open source. Em termos simples, o H264 nunca vai ser o standard da internet porque não é livre, o que faz com que os browsers open source não o possam ter. Tendo em conta que o Firefox é o browser que suporta video HMTL5 mais usado do mercado, não há muito que perceber… Suportar HTML5 apenas em H264 é como abrir um parque de estacionamento onde apenas carros laranjas podem estacionar. Ainda tem algum uso, mas é uma restrição estúpida.

    • mmick says:

      O controlo está em grandes mercados e esse fazem-no as grandes empresas como Microsoft, Apple, empresas de hardware, etc.
      A mim dá-me exactamente igual desde que no meu PC ou telemóvel consiga ter tudo igual, sem limitaçoes.
      A verdade é que empresa como a Adobe precisa de “acordar” para a vida: as unicas coisas que empancam, ou sao lentas, ou nao funcionam de modo estável sao da Adobe (Flash, Reader PDF, Photoshop). Eu por exemplo evito as aplicaçoes da Adobe (na fotografia) porque sao mais lentas que as concorrentes e sem haver diferenças para isso. Desde que haja alternativa, por mim a Adobe que se lixe.

    • Em que buraco entra o Silver Light nessa história toda?

    • scheldon says:

      Ai que esta, o Theora é o ideal, mas a M$ e a apple estão a fazer pressão pelo H.24$%$##, e podem vencer, só podemos apoiar dando só usando os navegadores OGG.

      • bigkax says:

        Adiciona O Google, os vídeos do Youtube são em H264.

      • Jose Simoes says:

        “só podemos apoiar dando só usando os navegadores OGG”

        Vai ser uma posição muito difícil pois significa abdicar de poder ver o you tube (e de tudo o google) de todos os sites feitos para poderem ser visto pelas máquinas apple.

        É que quem decide o codec não é quem usa um browser para ver uma página mas sim quem disponibiliza o conteúdo.

        O HTML5 pode ser o futuro, mas é também uma conspiração apple+microsoft+google contra o software livre.

        José Simões

        • a Friend® says:

          Teorias de conspiração 😉

          O VLC é Open-Source e lê h.264…. e alias, vou mais longe.. para a comunidade open source nunca houve entrave algum sobre patentes. Uma das liberdades deles é essa mesmo.

          • lmx says:

            de não esquecer que o mp3 por exemplo é um codec pago e se nao o pagas para o usar estas a infringir.
            porque é que achas que o ubuntu não o tras de raiz?!
            o h264 é igual, fomentar estes formatos leva a menor liberdade por parte dos cidadaos, logo deveriamos usar apenas formatos que são patrimonio da humanidade, ou seja livres.

            cmps

          • Ppietra says:

            lmx… o problema com o Linux, Firefox e afins é que têm licenças tão draconianas que impedem inserir código não opensource nos seus produtos e fogem a sete pés de ter de pagar o que quer que seja!
            Mas como é óbvio para o Linux podes arranjar programas que te permitem ler esses codecs, e para o Firefox arranjas plugins. É a forma de contornar o GPL ou licenças semelhantes.
            Não há nada de errado com o opensource, mas não devemos ser tão extremistas e excluir coisas porque não são compativeis com uma filosofia. No meio é que está a virtude!

        • scheldon says:

          Terei de discordar, se a maioria dos serviços do google podem ser usados, o único entrave é o youtube, e se formos maioria eles vão ter que mudar de posição, a industria só funciona porque assim permitimos, eles temem o cidadão, porque achas que a apple se empenha tanto em lobotomizar seus usuários ????

          Nossa postura que definira oque ira acontecer.

          P.s: Corre o boato de que o google já estaria planejando seu próprio formato para não ter que pagar para o consorcio que mantem o H., bem, muitas vezes temos que escolher o caminho menos ruim….

          • jmtdstoc says:

            A Apple não lobotomiza os seus usuários. Falando por mim, a experiência que tenho tido com o Mac OS X e iPhone OS é a MELHOR experiência em termos informáticos que alguma vez tive.
            Quanto muito a Apple ABRE a mente aos seus utilizadores, por todas as experiências positivas que permite.

            A mim pouco me importa se os codecs são livres, opensource ou fechados… só quero que TUDO funcione e com os produtos Apple isso acontece!

  5. Sérgio Alves says:

    E pla primeira vez tou de acordo com a MS…

    Nem vale a pena dizer mais nada, o artigo fala por si…

    H.264 xD
    Posso tar em erro, mas não é esse um formato de HD? Ou seja, não é usado para filmes em HD?

  6. Gerardo says:

    Eu acho incrível um dos argumentos ser:

    “O Flash não é uma tecnologia “aberta” pois quem tem os direitos para melhoramentos, preços, … é a Adobe e apenas a Adobe.”

    E a m**** que a Apple faz é aberta????? A imprensa mais fechada da informática “mandar um bitaite” destes é de uma lata incrível…

  7. Vítor M. says:

    Há uns meses, dissemos aqui que tudo apontava para a massificação do HTML5 em detrimento do Flash… quase caiu o Carmo e a Trindade:

    https://pplware.sapo.pt/internet/ira-o-html5-matar-o-flash/

    A cada etapa ultrapassada no desenvolvimento tecnológico, mais esse caminho se torna claro.

    https://pplware.sapo.pt/informacao/ipad-o-principio-do-fim-do-flash/

    Claro que a Adobe não está “morta” e tem tentado contrariar este desígnio:

    https://pplware.sapo.pt/informacao/flash-player-ira-ter-melhor-suporte-em-mac/

    Embora a Adobe saiba que não está numa posição vantajosa:

    https://pplware.sapo.pt/informacao/adobe-admite-risco-da-politica-apple-nao-ao-flash/

    Tenta aliar-se a outras grandes marcas para sustentar uma tecnologia que está decadente:

    https://pplware.sapo.pt/informacao/adobe-anuncia-flash-e-air-para-android/

    https://pplware.sapo.pt/informacao/melhorado-suporte-flash-no-chrome/

    É uma tecnologia rigida que não tem conseguido chegar a franjas importantes neste mercado tecnológico:

    https://pplware.sapo.pt/linux/flash-player-em-linux/

    Então o que esperaremos da Adobe no futuro?

    https://pplware.sapo.pt/software/adobe-cs5-o-que-ha-de-novo/

    A Adobe está paulatinamente a chegar à conclusão que tem de ser ela própria a moldar-se ao mercado actual e não o mercado adaptar-se ao que a Adobe tem para oferecer. É esse o critério para o futuro. Serão as tecnologias que deverão adaptar-se às necessidades das pessoas e não as pessoas às ofertas tecnológicas.

    Quem não entender esta nova filosofia (nova para alguns players mas levada como credo por outras há muitos anos) ficará para trás.

    Não nos temos enganado em relação ao caminho que apontamos para algumas tecnologias do passado e “ainda” do presente.

    • scheldon says:

      “É esse o critério para o futuro. Serão as tecnologias que deverão adaptar-se às necessidades das pessoas e não as pessoas às ofertas tecnológicas”

      hahahaha… tem uma certa empresa ai que pensa e faz o contrario e todo mundo bate palma.

    • a Friend® says:

      Ipad, o principio do fim do flash. Tinha dito isso e alguns acharam certo fanatismo da minha parte 😀

      E rematei nesse mesmo artigo que, no xeque-mate final ao Flash (como web standard) seria o IE9 …

      Duvidaram, criticaram, acharam uma pespectiva errada da minha parte…
      Agora as noticas recentes confirmam aquilo que disse à tempos… 😉

      Morte ao Flash na sua totalidade, não… mas como webstandard, sem dúvida que sim… estava mais que previsto. Só não via isso quem não queria… ou porque gosta de ser do contra, ou em último caso, falta de pespectiva de futuro.

      Sei que adopção ao HTML5 também foi de nariz torcido porque como foi a Apple a dar o primeiro passo, muitos acharam que seria uma “ordem” da Apple…fazendo criticas sem pensar nos prós e contras do Flash e HTML5. Mas como disse, quem ia rematar o processo final seria o IE, já que este é o detentor da maior quota do maior mercado de browsers, e foi a principal razão do HTML5 ter tido atraso na sua adopção. Agora com o IE9 a suportar HTML5, o processo vai ser mais rápido do que se esperava.

    • JAQAS says:

      Desculpa Victor, mas gostaria que vocês abordassem esta questão do HTML5 de um ponto de visa mais crítico (entenda-se fazer um post sobre o que realmente é o HTML5), sobre o que implica e quem está por trás da chamada “standartisação” deste novo formato da WEB. Esta história de que estamos a procurar uma net livre e que a Apple é uma patrona dessa dessa filosofia, não podia ser uma falácia maior. Veja-se o exemplo da guerra etre o Codec H.264 e o codec Theora (e o que provávelmente a Microsoft e a Apple pretendem fazer com este último). Acho que seria uma mais valia bem interessante para o Pplware promover num post sobre este assunto, uma discussão aberta sobre tudo o que acarreta esta nova mudança de padrão. Não sou apologista nem anti-Adobe, nem Apple nem Microsoft. Todas t~em coisas boas e coisas más (veja-se para quem se lembra o que aconteceu por exemplo quando a Adobe lançou o Adobe CS2 que funcionava horrivelmente na maioria ads máquinas que existiam na altura, que a desculpa dada por eles era que o pacote de software seria para máquinas de ponta, não se preocupou em resolver os pontos negativos do Photoshop CS2, e quando saíu o CS3, pouco mais de um ano depois, já corria normalmente nessas máqiunas antigas, mas claro, quem quisesse que comprasse o novo pacote, sem qualquer tipo de programa de “rebate” para quem comprou o presente envenenado que era o Adobe CS 2.
      Não acho correto este tempo de antena que dão a tudo o que vem agora da Apple sem fazerem um trabalho de tentar entender o que realmente está por trás das intensões deles. O Html5 não é por si só um standard isolado e que tudo padroniza, mas sim um conjunto de novas tecnologias e de vários standards para procurar unificar a experiência de quem navega na internet, qualquer que seja o dispositivo usado. Agora muitos interesses se movem por trás desses novos padrões (como seja o caso dos codecs de video) e os monopólios continuam exercendo o seu poder para poderem garantir uma fatia de leão neste novo mundo. Microsoft, Apple e Adobe estão interessadas em uma coisa : GANHAR DINHEIRO. Podem ter alguns interesses altruistas pelo meio ? Claro que sim … mas não é disso que vive uma empresa … e no caso específico da Apple eles são tudo menos apologistas do open standard e embora não sejam uns demónios, também são nenhuns santos. Deixo este reto a ti Victor e ao PPLWARE, pois gostaria de ver aqui uma discussão aberta sobre esta questão, e sem entrarmos em guerras de fanboys … Vamos pensar ,ler e apresentar os argumentos certos sobre o que realmente é o HTML5 e o que ele implica
      Um abraço para ti e continuem com o bom trabalho.

    • Observador says:

      Agora que a M$ disse o mesmo os tapados passaram a dizer “amén”.
      Como dizia o Scolary, “e o burro sou eu”.

  8. Pinto says:

    Ingenuidade…
    então acham que a Microsoft, com uma plataforma idêntica (no propósito) ao “Flash”, o SilverLight, vem dizer que o futuro vai ser o HTML5? é no mínimo dar um tiro no próprio pé.
    Não será uma reacção (medo), das duas, ao anunciado sistema operativo que a Adobe tem na forja?
    Não pensem nesta guerra pelos argumentos expostos mas sim pela parte comercial

  9. P1c0s says:

    O autor deste texto é da minha turma…UHHUU!! 😀

  10. Sun II says:

    Este artigo fala da carta aberta do Jobs

    http://www.osnews.com/story/23224/Jobs_on_Flash_Hypocrisy_So_Thick_You_Could_Cut_it_with_a_Knife

    só para intlectuais sff, sem fanatismo.

    • bigkax says:

      “Apple is part of the MPEG-LA, as is Microsoft. This means that the more people license H264, the more money Apple and Microsoft get,”

      Isto explica a noticia.

  11. Jorge Rodrigues says:

    Vou ter que ser agressivo nesta… mas os meninos bonitos do flash que crucificaram a Apple não há muito tempo neste forum que agoram venham com as desculpas esfarrapadas…

    estão aqui razões mais que suficientes para banir o flash de um dispositivo. hmmm a Adobe que pense noutra coisa com cabeça, tronco e membros.

    • bigkax says:

      Continuo a achar que eu é que tenho de decidir o que quero, e se ter flash me fornece mais vantagens que desprazeres porque é que não o posso ter?

      • a Friend® says:

        Ninguém te vai impedir de teres flash!

        Apenas ninguém quer o Flash como webstandard, dependente de plugins, quando este campo pode muito bem ser livre, sem plugins à mistura.

        • bigkax says:

          Esse “ninguém quer o Flash como webstandard” não é 100% correcto, a Adobe quer, e deve haver mais pessoas…

          • a Friend® says:

            Obvio que a adobe quer… é uma fonte de dinheiro para eles. Isso é natural. Assim como o h.264 é uma fonte de dinheiros para outros…

            Mas interesses aparte, é completamente inegável que o HTML5 tem mais vantagens como standard, com conjunto com o h.264 que o Flash e FLV.

            Flash tem outras vantagens, mas essas vantagens não lhe dão mérito de qualidade para web standard. Ou também gostarias de ter que ter um plugin para visualizar JPG na net?… que é básicamente o que o flash faz com o video.

          • Ricardo Elias says:

            aFriend,

            “Ou também gostarias de ter que ter um plugin para visualizar JPG na net?… que é básicamente o que o flash faz com o video.”

            Preferia ter um plugin para ver JPG do que ter que pagar licensas para poder criar GIF e disponibiliza’-los. Ou que os utilizadores que visitassem o meu site, tivessem que pagar licensas (isto e’ uma possibilidade quando chegarmos a 1 de Janeiro de 2016, nao se esquecam). Ou ter que pagar $.10 por cada utilizador que visite o meu site ou use o meu programa. Ou que a Mozilla (ou OPERA, Chromium) tivessem que pagar 5 MILHOES de dollars por ano para poder incluir um decoder no Firefox. (A Apple e o Google ja’ o fizeram. A Google apenas o fez para o Google Chrome; Chromium nao tem codec para h264. A microsoft muito provavelmente vai fazer o mesmo com o IE9).

            Actualmente e ate’ 31 de Dezembro de 2015, nao e’ preciso tu teres uma licensa para veres videos em h264. Mas e depois dessa data? E se o h264 passar a ter 70% de utilizadores nessa altura? Sera’ que mudam de ideias? Se nao podem cobrar indivualmente, o que lhes impede de irem aos ISP e cobrarem directamente?

            Vejam so’ o que aconteceu com o GIF. Durantes anos ninguem teve problemas. Quando o GIF massificou-se e grandes companhias gastaram milhoes a criar images e animacoes em GIF, alguem se lembrou da patente e comecaram a chuver processos contra todas essas empresas (websites): ou nos pagam licensas ou mandem para o caixote do lixo milhoes de dolares a criar GIF. Felizmente o movimento “Open Source” criou o formato PNG que e’ melhor e livre de patentes, substituindo o GIF na sua maioria.

            O HTML5 e’ um standard, sim. O tag e’ um standard: sim. O codec (h264, ogg Theora, …) e’ um standard: NAO!

            Remocao de codecs como standard:
            http://www.w3.org/html/wg/tracker/issues/7

            Quando comecaram a debater isso, a porcaria comecou. A Apple quer uma versao proprietaria/patentiada. A Mozilla e Opera querem uma versao aberta e em que nao existe incognitas com as patentes e licensas.

            Se o Flash Video e’ mau porque e’ proprietario, o h264 e’ pior: e’ proprietario e patentiado, e precisas de licensas. Ter que pagar uma licensa para uso comercial, nao e’ problema. Mas ter apenas 5 anos de licensa gratuita e nao saber o que vem depois e’… PIOR.

            “good news for html5-h 264 streaming will remain free” – pelo menos durante 5 anos…
            http://newteevee.com/2010/02/04/good-news-for-html5-h-264-streaming-will-remain-free/

            Em relacao ao HTML5 seria melhor se a conversa fosse em mudar os websites de HTML 4.1, XHTML, etc, para o HTML5. No entanto, querem substituir o Flash?

            O HTML5 acaba com DOCTYPE complexos, substitui o uso de por elementos mais especificos como , , , , , … sem contar com as novas regras para usar do , , etc

            Infelizmente, o pessoal confunde HTML5 com codecs…

            http://www.alistapart.com/articles/previewofhtml5

            Fiquem Bem!

          • Jorge Rodrigues says:

            A Adobe que porque o criou, gastou largos milhões …

        • Amilcar says:

          A Apple já impede.

    • mmick says:

      Os “meninos bonitos da flash” têm razao em partes do que dizem. Uma coisa é falar do futuro e outra do presente. O que muitos apontaram foi que o iPhone/iPad OS HOJE NAO suporta flash e HOJE existe flash muito massificado. Assim sendo a Apple deveria suportar nem que fosse Flash Lite 3.x ou 4.0 já que HOJE em dia muitos sites ficam vedados aos iPhone/iPad por aí fora.
      Agora no FUTURO o ideal é que o flash evolua MUITO e seja aberto OU que haja uma alternativa (html5, etc) que use todo o hardware da máquina e possa ser possível “surfar” na net de “igual” modo num 32-core, num netbook, num tablet ou num smartphone.

      • bigkax says:

        Concordo, mas um “32-core”, ou quer dizer que os processadores evoluíram muito ou que o flash/html5/etc não evoluirão o que era necessário. 😉

  12. Tagus says:

    “Jogos em Flash não são jogáveis no iPhone, iPod ou iPad, mas existem mais 50 000 jogos disponíveis na App Store, uma grande parte deles grátis.”

    Tenho uma duvida, então no meu iPhone os jogos que jogo não são em flash?
    E a plataforma que existia da adobe para fazer programas para o iPhone, não era em flash?

    Desculpem a minha ignorância, mas pensava q os jogos e aplicações no iPhone era quase tudo em flash. Se não é, é em quê?

    Obrigado e cumps.

  13. Sergio says:

    Vamos ver uma coisa o H.264 é uma aposta para tentar abraçar os variados metodos de compressão de video. Vai desde net streaming, passndo pelo Blueray, HDTV e vai até ao TDT. É um consórcio que abrange toda a gente
    Portanto, não percebo o porque agora estão a atacar o H.264

    • a Friend® says:

      Resumisse básicamente a pessoas com falta de visão periférica.

      Ainda não peceberam que o h.264 só trás beneficios e qualidade, e a nós consumidores não custa um tusto ter o melhor standard possível.

      Video flash não tem performance, não tem qualidade e precisa de plugins. h.264, qualquer player corre, seja em desktop, seja na TV, DVD/BluRay, seja smartphones… tudo com a melhor qualidade e desempenho.

      • Jose Simoes says:

        “o h.264 só trás beneficios e qualidade, e a nós consumidores não custa um tusto”

        Não.

        O h.264 custa não se poder usar um browser que seja software livre que, por definição, não o pode suportar.

        José Simões

        • a Friend® says:

          Mas isso ainda é contornável e através dos players consegue sempre, o que acaba por ser melhor do que o plugin ridiculo da Adobe para Linux por exemplo.. que não lembra a ninguém a qualidade que os Linux users têm ao ver um video no Youtube por exemplo.

          Eu no Aspire One fui “forçado” a ter que instalar o Windows porque simplesmente não consigo ver bem videos no Youtube com o Ubuntu… para além de lento “Crasha-me” o browser vezes sem conta.

          Claro que, se eles tornassem-no um standard aberto (h.264) melhor… mas se não o fizerem há sempre soluções de recorrer ao próprio player do sistema, quer seja Quicktime, VLC, Windows Media Player…

          • JAQAS says:

            Desculpa a Friend®, gosto de ler os teus comentários mas aqui não posso concordar em nada contigo. O H.264 não é um standard aberto(nunca foi, nem nunca será). Não que eu ache que o Flash é a solução. Claro que não … Mas trocar um standard fechado por outro, não vejo onde esteja a vantagem. E por favor não vamos discutir a qualidade, claro que o H.264 é melhor (por isso é usado em video profissional à vários anos, assim como em video-vigilância, um dos primeiros nichos de mercado onde começou a ser utilizado. Mas deveríamos procurar codecs que realmente sejam abertos, para que qualquer browser, e qualquer empresa possa ter acesso a eles, e que a WEB evolua com oportunidades para todos, e não ficarmos presos a meia dúzia de consórcios que vão deter todos os direitos de todos os novos “standards” utilizados pelo Html5. A mudança tem que ocorrer ? Claro que sim, mas não vamos ser hipócritas e acha que empresas como a Apple e a Microsoft não estão fazendo pressão apenas por causa do dinheiro que podem ganhar com essa mudança … Claro que podes dier: Desde que essa mudança seja boa para mim e tudo funcione bem, o que me importa? Deveriamos pensar que já que estamos a querer sair dos problemas que uma única empresa impõem sobre todos os usuários da Internet (leia-se neste caso a Adobe), porque vamos querer que outra ou outras empresas ajam exatamente com o mesmo objetivo ?

          • a Friend® says:

            JAQAS

            É como disse, se fosse aberto melhor.. mas também não vejo grande problema em ser fechado. Nós consumidores pouco vamos sofrer com isso, pelo contrário.

            Por exemplo, fala-se da alternativa OGG, mas este tem vários problemas para que seja adoptado, um delas é a falta de aceleração por hardware, e isso em netbooks e smartphones poderia ser fatal não oferecendo a qualidade que se espera, fazendo com que andar do FLV para OGG seria o mesmo… Este é infelizmente um dos grandes problemas de não se adoptar o OGG Theora…

    • Ppietra says:

      Eu até diria mais! O H.264 é um dos codec usados pelo próprio Flash… quando virem video de boa qualidade em Flash podem ter quase a certeza que é esse o codec utilizado. Foi definido como standard por imensas empresas, tal como aconteceu no audio com o mp3 ou o AAC.
      Não é por não ser opensource que os codecs são nefastos para o comum dos mortais.

      • lmx says:

        isso nam mas como não sao livres para os usar tens que pagar vai dar ao mesmo não?

        cmps

        • Ppietra says:

          Tendo em conta que ouço mp3, AAC e no próprio Youtube vejo em codec H264, e nunca paguei mais por isso, não vejo como é que esse problema se levanta!!

          • a Friend® says:

            Exactamente 😉

            Uma das coisas que fiz a pouco tempo foi inserir um plugin que abre directamente os MP4 do Youtube, ao bom estilo do Youtube Player do iPhone e digo mesmo, as vantagens são enormes. Qualidade impressionante mesmo, e desempenho inigualável. Isso falar-se do Open ou não é tal e qual o Mp3…. todos usam, todos comprimem e ninguém os paga… é uma desculpa a meu ver sem sentido algum. Eu sou 100% a favor do h.264…. Alta definição com desempenho, coisa que não se encontra num FLV.

          • catedrómio says:

            Eu tb nunca paguei pelo flash.

  14. mee says:

    tanto a apple como a microsoft sao lobos disfarçados de cordeiros pois todos sabemos que nenhum é “open” iphone=os proprietario funçoes limitadas sendo obrigados a fazer jailbreak, pagar por aplicaçoes, e queixam-se que a adobe nao coloca o flash open

  15. Snarf says:

    Para quem não sabe o “tão querido” H264 é um codec PAGO e PATENTEADO. Por isso qualquer empresa que o queira usar tem de pagar uma bela comissão.
    Por outro lado existe um promenor que está a escapar a muita gente: a descodificação por hardware… isso quer dizer que o hardware vai ser sempre muito mais caro e mais fixo, deixando de permitir trocas simples de placas gráficas.
    Por outro lado sabem que TODOS os processador que não sejam Dual Core e TODAS as gráficas com menos de 256 não conseguem suportar o html5 por causa da necessidade de hardware para proceder à descodificação video e audio? (curiosamente os mac construídos até 2009 tambem não o vão suportar…)
    A Apple e a microsoft só estão a defender os seus bolsos. Se conseguirem colocar o h264 como codec normal, todas as empresas vão ter de andar a pagar royalities para eles se irem enchendo.
    Então onde é que está a “grande vantagem contra a adobe”? Tambem se vão ter de pagar e se forem preços ao estilo Apple vão ser bastante superiores aos da Adobe.

    • a Friend® says:

      “Por outro lado sabem que TODOS os processador que não sejam Dual Core e TODAS as gráficas com menos de 256 não conseguem suportar o html5 por causa da necessidade de hardware para proceder à descodificação video e audio?”

      Quem disse isso? … Se isso fosse verdade então o meu Acer Aspire One deve ser um previlegiado! 😀

    • Ppietra says:

      Pela mesma lógica tb deverias fugir do mp3 e dezenas de outros codecs usados diariamente. E o flash utiliza vários desses para video e audio – o H264 incluido.
      O H264 não necessita de descodificação por hardware, pode ser feito via software, embora seja complicado com computadores já com alguma idade.
      Quanto ao html5 não faço ideia onde é que foste encontrar esse tipo de informação, acho que é mais desinformação.
      E quanto aos royalties, acho que para a Apple já sobrevive muito bem com o hardware para querer impingir um codec para ganhar uns trocos.

  16. Emannxx says:

    A coisa ta preta pró lado a Adobe… :S

  17. bigkax says:

    Estava a ver a policia a tentar abater portistas e imaginei o Steve jobs a tentar abater o Shantanu Narayen.

  18. André Silva says:

    Concordo, é simples evolução Lógica 😀

  19. BigOix says:

    vejam esta noticia “Apple, Microsoft Come Out Against Open Source Video Codecs”

    aqui http://www.linuxtoday.com/it_management/2010050101035NWLLAP

    isto diz muito Microsoft e Apple nunca foram inimigas simplesmente, uma jogada de mercado de uma única empresa mundial dividida em duas

  20. nUNO says:

    “A Symantec classificou a tecnologia Flash com uma das piores seguranças de 2009. O Flash é também responsável pela maioria dos crashs nos Mac’s”

    Mas os Mac crashão?!?!?!

  21. bigkax says:

    Lembrem-se que as empresas não dão nada a ninguém e o preço do h.256 vai estar presente nos Blu-Ray, mensalidade das operadoras de televisão, etc.

  22. mmick says:

    Eu nesta “thread” vi a maior quantidade possível e imaginável de erros ortográficos… Erros todos dao mas…chiça, até dói ler!

    PS: seja o h264 pago ou nao, que venha ele! Já o tenho na minha PS3 (blu-ray), tenho no youtube HD, etc e pago ou nao, é de qualidade e é para se manter. Além do mais a grande maioria do hardware vem com aceleraçao para ele, daí que nao vejo o drama.

    Deixem para lá a utopia e a discussao do sexo dos anjos e venham os produtos com h264.

    • Correçao Correção says:

      Os teus erros: dão, não, aceleração, discussão.
      Após os três pontos falta um espaço. “mas… chiça”

      E esta parte não foi muito bem conseguida:
      “PS: seja o h264 pago ou nao, que venha ele! Já o tenho na minha PS3 (blu-ray), tenho no youtube HD, etc e pago ou nao, é de qualidade e é para se manter.”

      • mmick says:

        O meu teclado nao tem “til” porque nao vivo (a tempo inteiro) em Portugal. É possível mudar o “mapa” de teclas para PT mas há umas mudanças que nao me interessam. Relativamente ao resto, é apenas uma opiniao tua 😉
        PS: “Após os três pontos falta um espaço. “mas… chiça”” – nesta frase depois do ponto final nao deverias ter começado com aspas já que o exemplo referia-se à frase anterior 😉

  23. aver says:

    Em alguns comentário estão a baralhar as coisas quanto ao HTML 5 e aos codecs de vídeo. Têm que ver as coisas em dois passos:

    1º- O HTML5 permite reproduzir conteúdo de vídeo e áudio directamente do navegador (browser), sem a necessidade de um plugin externo para o browser – Quicktime, RealPlayer ou Flash.

    2º – Para descomprimir o vídeo, sem esses plugins, o browser precisa de ter o codec que serviu para o comprimir, ou seja tem que ter vários codecs como o Theora (livre) ou o H264 (em que o produtor do browser tem que pagar uma licença por ele).

    Pelo menos por enquanto, o H264 é melhor. Para a questão do HTML5 e os codecs de vídeo vejam no site da Open Video Alliance, que não diz que o H264 é melhor, obviamente. A Open Video Alliance quer o HTMl5 e codecs livres
    (O link é para uma das páginas em tradução automática para português mas percebe-se. Vale a pena dar umas voltas pelo site.)
    http://openvideoalliance.org/issues/html5-standards/?l=pt

  24. JAQAS says:

    Para o a Friend®

    Tens razão sobre a questão da aceleração por hardware do ogg Theora, mas ela é verdade apenas para alguns dispositivos. A última versão já trás suporte para acveleração por hardware em dispositivos nVidia. Claro que vai ser um problema em todas as plataformas da Apple, pois precisaria de acesso ao SDK dos OS’s para fazer uso dessa aceleração por hardware… e como a Apple e a Microsof fazem parte do consórcio que mantem o MPEG-LA, não acreito que tenham interesse em disponibilizar esse tipo de informação (por essa razão mesmo é que o Silverlight e o Windows Phone 7 trazem suporte para o H.264 – a Microsoft faz parte de quem controla o formato). Quando falei em codecs livres não queria dizer que por erem livres eles são melhores que os outros, mas sim que as implicações poderão ser menos nefastas a longo pazo para o utilizador final, imagina uma Web em que a maioria do conteúdo terá que ser pago “à Lá” Applestore ? O usuário final não sai prejudicado independentemente de qual o formato que vingar (temos aínda que ver também o que a Google pretende fazer com o VP8), mas os desenvolvedores de conteúdo, pelo menos os que não tiverem um suporte financeiro forte vão sair prejudicados sim, pois estrão obrigados ou a usar coisas que não vão ser suportadas em todas as plataformas, com utdo o que isso implica, ou ter que pagar taxas sobre tudo o que aparecer na Internet … Seria quase como patentear a Internet (é verdade que toda a gente já paga para acessar a Internet, mas como não acredito que os ISP’s queiram suportar o custo disso, o usuário final é que vai ter de pagar … Ou então vamos ter cada vez mais uma Internet lotada de publicidade (o que até já está a acontecer, dependendo dos sites que se visita) … Para terminar um discurso muito longo (é que estes conceitos são pesados nesta fase embrionária) … acredito que toda a gente ganharia mais se tivéssemos um Html5 o mais livre possível de coisas propietárias … vamos ver o que o futuro nos reserva …
    Cumprimentos
    JAQAS

    • a Friend® says:

      Faz todo o sentido sem duvida… e isso não ponho em questão, mas eu pelo menos quando olho para o h.264, vejo-o como o MP3… JPEG… etc… que as vantages foram imensas mesmo para toda a web, e mesmo que os browsers não estejam dispostos a pagar essa taxa, o consumidor nunca ficará afectado, porque há sempre a vantagem de usar os nosso próprios leitores, sejam eles VLC, Windows Media Player, Quicktime, Real Player… ou seja, não há mesmo forma de monopolizar o codec. Claro que se fosse o mais livre possivel, melhor, mas neste caso sinceramente não vejo mesmo qualquer desvantagem pelas razões que disse, e em termos tecnologicos o h.264 é um formato perfeito… qualidade soberba, performance igualmente e completa com os restantes standards já embutidos em leitores de Blu-Ray, Consolas, Leitores Portáteis, Smartphones, etc… ou seja, ele sim é um standard em todos os campos…

      Outro factor é a nivel de DRM, OGG não suporta isso, mas o H.264 suporta, o que facilitará o conteudo pago na WEB para questões de aluguer por exemplo, o que facilitará mais ainda o aluguer online já adoptado por muitas distribuidoras via NET…

      Isto é uma coisa que já vem de à longo tempo, e nesta corrida também entra a NOKIA, que sempre foi contra o OGG e a favor do H.264

      http://boingboing.net/2007/12/09/nokia-to-w3c-ogg-is.html

      Conclusão que vejo nisto mesmo é que todos nós ficamos a ganhar com um standard como o H.264, tal como ficamos com o MP3. 😉

      • JAQAS says:

        Desculpa a Friend®, mas a Nokia não foi sempre contra o Ogg , essa posiçãoela só a apresentou em Dezembro de 2007, numa conferência promovida pela W3C, sobre o novo padrão de video a ser usado pelo Html5, e eles se oposeram porque afirmaram que o Ogg Theora (aliás o codec só tem Ogg no nome porque a On2 Technologies, que agora pertence à Google, disponibilizou o software VP3 codec que ela desenvolveu para uso público por tempo ilimitado para a fundação Xiph.org, que depois mudou o nome para Theroa,e que já trabalhava na área de pesquisa de Codecs, sendo que ela tem uma filosofia de aplicar os Codecs sobre uma camada de transporte que ela criou chamada encapsulamento OGG, sendo o codec mais famoso dela o OGG Vorbis, de áudio, que provavelmente quase toda a gente já usou para ver um ou outro video). A posição da Nokia é muito estranha (embora que se pensarmos hoje, com a tentativa dela criar um serviço semelhante à Applestore, não é tão estranho assim), pois ela alega que como o formato não permite DRM, e como para permitir o DRM, que por definição é propietário , então o formato teria que ser mudado , logo deixaria de ser livre e como tal não deve pode ser usado para padrão. Ora esta posição não faz sentido, pois, primeiro a W3c é o orgão mais anti-propietário que exite, é contra o DRM, e a Nokia quer um padrão que forçosamente permita o DRM ? E acusa o Theora de ser propietário (que não é visto ter sido disponibilizado todo o código pela On2 para o dominio público). Se até as grandes distribuidoras de música estão a fugir do DRM (vê o caso mesmo da Applestore, as músicas já não vÊm com DRM (http://www.techwatch.co.uk/2009/01/07/apple-store-to-go-drm-free/), e o negócio deles não para de crescer).
        Estas discussões como eu disse num post anterior são muito interessantes, mas não nos podemos esquecer sempre do fator económico, que é o que dá invariavelmente origem a estas guerras … Theora é perfeito ou a melhor opção ? Não. É inter-operável com todo o euqipamente existente? Não, mas até aí também não o é o H.264. A qualidade é muito pior do que o H.264? Também não. Tem de fato que corrigir alguns pontos , tem um problema com a infinidade de compilações diferentes para finalidades diferentes, que têm que parar de existir, mas representa um custo muito menor a longo prazo e pode ser prefeitamente disponibilizado em todo o tipo de equipamentos (assim como o DivX foi disponibilizado em vários aparelhos de consumo, mas representava uma ameaça comercial, e a qualidade já não está ao nível dos padrões de exigência atual com o HD, por isso está começando a ser abandonado). Não quero uma internet em que só poderão existir Browsers que têm que forçosamente seem mantidos por grandes empresas, não quero ter que ficar obrigado a só ver vídeo e audio com DRM (à exceção obvia de trabalhos particulares – tipo o video das minhas férias). Existem modelos de negócio diferentes e é para lá que temos que caminhar … não vamos dar um passo para trás e seguir na senda da guerra de cegos das editoras discográficas

        • a Friend® says:

          Mas é como disse inicialmente, o MP4/H.264 irá ser tal e qual como o MP3… tem as vantagens e mesmos passos. A Apple ao inicio impulsionou o DRM para puxar as editoras adoptar o modelo de venda a retalho (e foi uma granda batalha da Apple para conseguir esse feito, de puxar as editoras que estavam bastante cépticas quanto a isso) e hoje em dia é a loja virtual numero 1 de vendas, e lá se conseguiu ver livre do DRM. O que aconteceu? A pirataria continuou como sempre, mas as editoras tiveram igualmente uma fonte de lucro e aceitaram bem este standard. Para a industria de cinema aceitar igualmente bem este standard, a única opção viavel é o H.264, que lhes poderá dar negocio, tanto dá que no entanto já está embutido em tudo o que é multimédia. Agora com a Internet a tê-lo como standard, mais força vai ter, e mais oferta o consumidor vai ter, porque a industria irá ver isso como fonte de lucro e apostar forte nela, tal e qual como aconteceu com o MP3. Resultado, foi mau para a consumidor? Obvio que não, pelo contrário, as discográficas por exemplo deixaram de apertar tanto na pirataria como faziam com a epoca do Napster, no entanto que já nem “apertam” com o DRM. Actualmente quem batalha mais forte e feio com a pirataria é precisamente a industria cinematográfica porque via Net ainda não tem fontes de lucro significativos…

          Eu vejo o H.264 como forte vantagem mesmo para a Internet. Em vários factores mesmo, coisa que nem de longe o Flash Video consegue, e o OGG dificilmente conseguiria porque a industria se não vê fonte lucrativa, irá apostar sempre contra isso (e com razão).

          Posso estar errado,mas ao olhar para o MP4/H.264 dá-me um grande dejavu de todo o processo do MP3 😀

          OGG, seria bom para nos e mau ao mesmo tempo, porque a oferta seria menor, e depois lá está, a quantidade de leitores multimédia que não o iriam suportar são infimos, como PS3, smartphones, leitores multimédia, etc…

          • catedrómio says:

            “as discográficas por exemplo deixaram de apertar tanto na pirataria como faziam com a epoca do Napster”

            cof cof

            aham!

            Que horas são?

  25. JAQAS says:

    Cá vai mais um post 🙂 meio offtopic, mas como já foi abordado por vários neste post, deixem-me dar umas luzes sobre o assunto …
    Decidi falar um pouco sobre o MP3, pois trabalho muito com Áudio. Aqui em vários posts muitas pessoas falam do formato MP3 e de como ele é propietário … Isso é verdade, pois ele pertence ao consórcio Mpeg, e é uma das camadas do Mpeg4, mais especificamente a camada áudio. Mas o que foi generalisado e hoje todo mundo conhece é o algoritmo para o CODEC (coder Decoder) Fraunhofer IIS MP3 , que é detido por um organismo alemão (parte capital do estado, parte capital privado, e que emprega muitos pesquisadores provenientes das faculdades, tanto na Europa como nos Estados Unidos e na Ásia), e que ganha rios de dinheiro com os direitos desse CODEC (Suas receitas de licença geraram cerca de 100 milhões de euros em 2005 in WIKIPEDIA). Mas esse instituto não se dedica apenas ao trabalho nesse CODEC, como é óbvio, pois na realidade é apenas um laboratório (na realidade dois, um em Berlim e outro em Dortmund), e que faz parte do grupo Fraunhofer-Gesellschaft(que conta com 59 institutos, e cerca de 12500 funcionários em todo o mundo). Agora o que ninguém menciona é que existm vários modelos para esse fim, ou seja, converter áudio em formato MP3 (que na realidade é apenas um conjunto de regras sobre como encapsular o áudio para posterior reprodução em diversas plataformas), e que esse organismo durante o final dos anos 80 e boa parte dos 90, tentou por todas as formas abafar e processar todos os que tentavam implementar software e/ou codecs que tivesem objetivos idênticos. Só que como foram aparecendo mais e mais softwares para ripar cd´s, produzir e reproduzir MP3, e toda a gente sonhava no início dos anos 90 com a possibilidade de levar para todo o lado a sua música em formato MP3, e não ter que carregar as velhinhas K7 e os CDs, estes senhores decidiram que iam liberar o Decoder para todo o uso científico e não comercial e parar de tentar procesar todas as software houses que queriam fazer trabalho nessa área, e disponibilizar licensas mais baratas para a implementação em dispositivos comerciais (como por exemplo o software do Ipod – que não foi o primeiro dispositivo desses género a aparecer, embora tenha sido o que revolucionou o mercado e banalizou esse tipo de gadget – e todos os dispositivos análogos, que são licenciados). Qual o resultado disso? Perderam dinheiro? Ficaram sem o negócio deles? Claro que não … pelo contrário … o surgimento de CODECS alternativos (como por exemplo o LAME que para mim é tão bom ou melhor que o codec da Fraunhofer, as diferenças só as nota quem tem aparelhos de Hi-Fi muito bons e caros, e uns ouvidos bem treinados 🙂 ) e os estudos em psico-acústica (quem nunca usou sotware dito 3D para hedphones), levou ao surgimento agora do novo Fraunhofer IIS MP3 Surround (na realidade já está na versão 3.0, se não estou em erro), que permite reproduzir (reproduzir e não criar) qualquer MP3 em formato SURROUND, bastando para isso ter uns Headphones ou uma placa de som 5.1 (experimentem, vão ficar surpreendidos). Então existem benefícios em disponibilizar e vulgarizar uma tecnologia (os hoje quase extintos MP3 Players, continuam contribuindo para o lucro desse instituto, mas no entanto o custo da licença para esses fabricantes é relativamente baixo, em boa parte também porque agora as pessoas querem dispositivos que tenham áudio , video, TV, telefone, etc, etc, etc).
    Era este tipo de filosofia que eu gostava de ver implementada na no WEB, e que fosse a base de discussão para o Html5, e não perder tempo a tentar fechar tudo, para que tudo o que seja feito na Internet tenha que passar por pagamentos de licensas e afins …
    Bem hajam e desculpem pelo testamento
    JAQAS

  26. a Friend® says:

    Mais outra noticia a juntar à festa:

    H.264 Já Ganhou:
    http://forum.pplware.com/showthread.php?tid=5903

  27. Wilson Silva says:

    As duas gigantes concordam com os problemas existentes na tecnologia da Adobe, no entanto, a Apple apoia a substituição do Flash pelo HTML5 mas a Microsoft concorda com a coexistência de ambas as tecnologias (daí a colaboração com a Adobe). Penso que o título esteja um pouco exagerado.

  28. Eduardo Garcia says:

    O fato é que nunca vão acabar o flash… Isso é que a Apple quer controlar tudo no app store e A microsoft(silverlight) é lógico que é concorrencia…

  29. Marco says:

    Neste artigo(em inglês) estão varios pontos muito bons em relação a este tema, com os quais eu concordo:

    http://blogs.computerworld.com/16031/apple_and_adobes_war_of_words_heats_up

  30. Filipe YaBa Polido says:

    A Adobe que continue o que tem de melhor, Photoshop e afins, e que passe a certidão de óbito ao Flash…

  31. Eduardo Garcia says:

    Gente! Isso é quase impossivel acabar com o flash até porque ele não está sendo feito mais para players de videozinhos e animaçõezinhas não!, existe muito mais coisas a se desenvolver com essa ferramenta e nunca e nada vai substituir essa ferramenta, a Apple quer controlar tudo no App Store por isso é que não liberou que programadores flash como eu fazerem aplicativos sem o seu controle total, e sobre a Microsoft eu acho meio duvidoso fazer o do contra para a Adobe mesmo porque eles por uns 1 ou 2 anos inventaram o tal do silverlight que ate agora não vi melhoras, unica coisa é que so pode rodar no IE, e ainda para fazê-lo tem que mecher com varias ferramentas não-gratuitas, isso é que nem batalha Linux x Windows todos sabemos qual é o melhor e gratuito mas a grande maioria que seja ainda vai usar o Pago mesmo que seja Pirateado.
    HTML 5 não vejo muita melhora não só pq tem uma tagzinha e algumas coisinhas a mais, não vai ser por isso que vai substituir uma poderosa ferramenta de desenvolvimento…

    • Eduardo Garcia says:

      Uma correção que na hora de ferramentas não-gratuitas para o silverlight apesar do flash ser muito caro ainda é mais fácil trabalhar com ele do que silverlight

  32. Eduardo Garcia says:

    E mais eles querem definir o que vc usuario final pode usar ou não…
    “Isso pode usar mais isso aki não!” O usuario é livre pra escolher que tecnologia usar, ora!!!

  33. Nuno Teixeira says:

    Acho que o Flash é ‘tecnologia’ a mais para se ver um video e o standard HTML5 ver permitir aligeirar esse aspecto e aliás o HTML5 não é só usado para se ver vídeos. Aqui segue algumas das suas funcionalidades (ver no Chrome ou Safari):

    http://apirocks.com/html5/html5.html#slide1

  34. Pedro says:

    O problema não é certamente o flash ou o formato de video. São aplicações da Adobe que comem a maior fatia do mercado como a gama CS, que não deixa espaço para mais ninguém. Estas conversas do html5 vs flash, são lérias. Se o problema fosse o flash, suportavam-no agora enquanto o flash domina e deixavam-no depois, como sempre se fez com outras tecnologias. Alguém deixou de suportar Cd’s quando o futuro eram Dvd’s? O flash consome bateria? E os jogos para iPhone não?? Se o futuro fosse apenas o html5, o Silverlight nunca teria sido lançado, pois já na altura a MS trabalhava com o W3C no html5. Tudo se resume a €’s.

  35. Victor Leal says:

    Só uma pergunta ? Quem vai produzir software de produção de HTML5??? Quer queiram quer não, a Adobe tem o monopólio do software de produção multimédia, monopólio merecido porque não há ninguém capaz de produzir software à altura da Adobe…

    imaginem a internet sem flash!!

    • jmtdstoc says:

      “imaginem a internet sem flash!!”

      Já estou a imaginar! É LINDO!
      Conseguirmos tornar a ter os nossos sistemas seguros, sem as falhas de segurança constantes do Flash é algo de maravilhoso, sem dúvida. Se a isso adicionarmos o desaparecimento dos anúncios irritantes em Flash é a “cereja no topo do bolo”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.