PplWare Mobile

Aitken: Supercomputador da NASA que ajudará a levar o homem à Lua


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Moonnn says:

    Agora com um super computador assim vão fazer umas viagens a lua com uns gráficos melhores 🙂

  2. Helder says:

    Então em 1969 foram à lua com um computador equivalente a uma torradeira… Agora para lá voltar precisam de um super computador?!

    • RR says:

      exactamente.. mas desta vez vamos ver a “lua” em gráficos 8K 😀 😀 😀

    • Dhaaa says:

      Era isso mesmo que ia escrever. É uma incoerência do tamanho dum camião. Quem é que consegue fazer algo com uma caneta e um papel, e depois vai a uma loja de informática comprar um computador de 5 mil euros para fazer o mesmo?
      Mas pronto, fica mais colorida assim a história dos final de 60 e anos 70.

    • Toni da Adega says:

      Existem Rumores que há 500 anos davam a volta ao mundo com barcos sem motores, GPS e afins.
      Cada um acredita naquilo que quer.

      • Dhaaa says:

        Estás a comprar laranjas com maçãs.
        Uma viagem de barco, pode ser algo complexo, mas levantar algo do chão, passar a atmosfera, entrar no espaço, fazer uma rota e aterrar noutro lugar, em termos de complexidade (do ponto de vista da engenharia) não existe sequer comparação possível. Distância entre as duas citações é gigante.

        • Toni da Adega says:

          Viagem de barco 500 Anos atrás. Milhares de anos atrás construiram as Piramides. Isso era bastante complex para a altura e fizeram todas essas coisas utilizando paus, pedras e pouco mais.

          Levantar algo do chão, passar a atmosfera, entrar no espaço e voltar já tinha sido feito dezenas de vezes.
          Até com avioes já se atingiam altitudes superiores a 100km, isso sem computadores e GPS.

          • gui says:

            Caramba.!!! Os cientistas estão buscando há anos uma explicação para a construção das pirâmides e você já descobriu e só agora é que divulga. Deixa de ser egoísta. Avisa logo a Nasa. Quem sabe eles te contratam para ires à Lua, ou quem sabe a Marte.

          • Toni da Adega says:

            Basta ir ao YouTube que a explicação está lá. Bastava fazer a pesquisa para saber como foram construídas

    • jaugusto says:

      … viviam em cavernas e agora querem umas casinhas ?!

  3. orelhas says:

    toda a tecnologia que temos hoje em dia, e mesmo assim parece que nunca é suficiente para ir à lua.
    no passado com um “fosforo e uma lâmpada” até piqueniques fizeram na lua!! depois dizem que é disparate não acreditar que foram à lua.

    • Ze das Quintas says:

      Não é descabido o uso de um super computador, algo que antigamente ainda tinha que se fazer muitos cálculos a mão porque os computadores não tinham virgula flutuante suficiente para aguentar os cálculos, portanto um super computador ajuda e sim a gerar simulações e a tentar evitar uma taxa de erro que é fatal para a vida humana. Não façam juízos de valor sem fundamento por favor!

    • gui says:

      Hollywood já produziu vários filmes bons. E o vento levou, por exemplo, lembram? Agora vai ser melhor ainda. “A Volta para onde nunca foram?” Vai ser uma maravilha.

  4. jeton90 says:

    Eu ainda tenho algumas dúvidas se alguém saiu dos estúdio em Hollywood.

  5. arc says:

    E o SO é?
    SUSE Linux Enterprise Server

  6. Mike Collins says:

    Os comentários a justificarem a teoria da conspiração da não ida à Lua pelo facto de agora a NASA estar a usar um super-computador, por comparação com os computadores da altura, são confrangedores! É como dizer que a travessia de Lisboa para Cacilhas é um embuste porque os barcos usam GPS e sonar, enquanto Bartolomeu Dias dobrou o cabo das Tormentas só com um astrolábio e uma bússola!
    Os computadores usados no final da década de 60 para ir à Lua eram os super-computadores dessa época! E o avanço tecnológico no hardware e software foi de tal ordem que ainda hoje beneficiamos dele!
    Neil Armstrong disse que probabilidade de sucesso da missão Apollo XI eram de 50% e a NASA correu muitos riscos durante o programa, pelo que não deixará de usar este super-computador para baixar os riscos e aumentar as probabilidades de sucesso, sobretudo porque hoje em dia as sociedades ocidentais são muito mais avessas ao risco.

    • Dhaaa says:

      Amigo, usar um problema incomparável e muito mais simples para justificar a execução de outro muito muito mais difícil e ordens de magnitude mais complexo, isso sim bizarro.
      Fazer uma viagem de barco é incomparavelmente mais simples que fazer uma viagem entre terra e lua.
      Você está a dizer que um puto de 5 anos anda de bicicleta, portanto o que o Marc Márquez faz é amendoins. Está a ver o perigo desse tipo de comparação?! Você poderia era comparar uma viagem á lua (ir e vir), com uma viagem a Marte (ir e vir), já que são coisas que há muitos pontos de comparação.

      • Toni da Adega says:

        “Fazer uma viagem de barco é incomparavelmente mais simples que fazer uma viagem entre terra e lua.” Ninguem nega isso, mas se antigamente nao se possuia a tecnologia como é que se faziam as coisas?
        A comparacao faz toda sentido por isso mesmo, porque demostra que mesmo sem a tecnologia de hoje tudo era feito.

        Se nao existiam computadores como é que se faziam calculos, porque basicamente é isso que faz um computador, calculos.

        E seguido o exemplo do Marc Marquez: bicicleta nao poderá andar porque esta nao possui motor.

        • Dhaaa says:

          Os cálculos para ir daqui à Índia de barco são ordens de magnitude mais simples do que os de uma viagem daqui à lua.
          O conhecimento para construir um barco que aguente tal viagem são muito inferiores a meter um homem na lua e voltar, não tem comparação possível. Os instrumentos de medição então, nada a ver. Os materiais de construção, zero. Portanto, mais uma vez, é comparar maçãs com laranjas.
          E a comparação entre a bicicleta e a nota, pelo menos andam em duas rodas, e o princípio do equilíbrio é o mesmo, e o barco que foi á Índia, que me lembra não tinha motor (ou nenhum tipo de propulsor a combustão), portanto, só isto já dá para ver que a comparação entre uma viagem de barco á vela e um foguetão é errada.

          • Mike Collins says:

            Amigo, a minha argumentação não tem a ver com o ser possível comparar alhos com bugalhos, bicicletas com motos ou caravelas quinhentistas com o Saturno V! E não o fiz. Disse sim, que pelo facto de hoje em dia algo ser feito com determinada tecnologia não quer dizer que não possa ter sido feita no passado, quando essa tecnologia ainda não estava disponível ou tão desenvolvida como hoje! Bartolomeu Dias dobrou a ponta sul de África e Magalhães deu a volta ao Mundo sem GPS, sonar ou motor de combustão. E os egípcios construiram as pirâmides sem guindastes com hidráulicos e motores de combustão. E estas ainda estão lá como prova. E vir dizer que era muito mais simples fazer os cálculos para ir à Índia do que ir à Lua, ou para fazer uma caravela do que um foguetão, é algo simplista porque esquece a diferença de 500 anos e de todo o conhecimento gerado e acumulado nesse espaço de tempo.
            Aliás, na década de 60 era mais fácil ter a tecnologia para levar um homem à Lua do que a tecnologia para forjar as imagens, em que teria sido necessário uma gigantesca câmara de vácuo e reduzir a 1/6 a gravidade no interior do estúdio! Pendurar astronautas e objectos em fios para simular a microgravidade ainda vá, mas fazê-lo p.ex. ao pó levantado pelas rodas do rover, já é mais difícil!! E os computadores ainda não faziam CGI como os da Pixar!
            Os argumentos dos negacionistas da ida à Lua como a bandeira a ondular ao vento, as sombras não paralelas na superfície, a ausência de estrelas nas fotos, a radiação mortal da cintura de Van Allen, etc, etc, etc, são facilmente desmontados com conhecimentos científicos, alguns dos quais vêm do tempo dos Gregos, de Galileu e de Newton, que quanto mais não fosse por respeito a estes gigantes já devíamos ter assimilado. Mas as teorias da conspiração são como as crenças religiosas e a paixão clubística: têm muito pouco de racional…

  7. Toni da Adega says:

    Um sneak preview do funcionamento do computador utilizado no Saturn V.

    https://www.youtube.com/watch?v=dI-JW2UIAG0

  8. Zé Tuga says:

    Foram lá há 50 anos numa nave a pedais. Basta usarem a mesma tecnologia, porque pelos vistos funcionou muito bem e várias vezes. Basta polirem os alumínios e assim poupam um dinheirão. Só que desta vez não se esqueçam de gravar imagens onde se vejam as estrelas.

    • Toni da Adega says:

      Se tivessem contratado alguém decente em Photoshop tinham conseguido colocar umas estrelas. Contratam fotógrafos que afirmam que não é possível fotografar uma lua cheia com estrelas, dá nisso.

      • Onde ? says:

        Tira uma fotografia em movimentação a um primeiro plano com uma boa reflexão de luz ao qual o fundo seja o céu estrelado. Ve se apanhas alguma estrela.

        Ou mais simples faz um shot com a maquina nas mãos ao céu estrelado e vê o resultado 😉

        • Toni da Adega says:

          O pessoal é que diz que as fotos da viagem à lua são falsas porque não se vê nenhumas estrelas.
          É óbvio que esse pessoal nunca tirou uma fotografia na vida.

  9. Miguel says:

    Numa reportagem de cientista da NASA dizendo que já não têm tecnologia para voltarem à Lua e destruíram a que foi usada…
    https://www.youtube.com/watch?v=16MMZJlp_0Y

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.