Quantcast
PplWare Mobile

Cientistas descobrem um (verdadeiro) sexto sentido

                                    
                                

Fonte: WebMD

Autor: Ana Sofia


  1. TideMáquina says:

    Nada novo, já foi mostrado isso há anos neste vídeo de um miúdo cego que até anda de bicicleta
    https://youtu.be/fnH7AIwhpik

    • João Fernandes says:

      Andam mesmo atrasadinhos. O estalido de boca dos aborígenes servia para se orientarem á noite com o mesmo sistema. O sistema de ecolocalização com a evolução colou na parte interior da orelha. Quem quiser descola-lo por uma venda e prática em casa.

  2. Luis Henrique Silva says:

    Eu diria mais é que o sexto sentido era o do pensamento, que todos nós temos, só que uns em maior grau que outros, chamado de mediunidade, quanto mais não seja de intuição, esse era e é considerado o sexto.
    O que aqui falamos, pode ser o aprimoramento dos nossos sentidos que podemos evoluir. Os cegos em concreto usam o sexto sentido, a visão espiritual, por isso eles sentirem que parece que vêem.

    • Gr says:

      Aquilo chamado de mediunidade ou com outros termos conforme a formação espiritual não é mais do que acesso às informações do teu sub-consciente.
      Acredito que essa sim seja uma fronteira do conhecimento que ainda vai evoluir muito (se os fanáticos religiosos permitirem, claro).

      • César Oliveira says:

        Gr estás certo e estás errado.
        Sim, é possível o acesso ao sub-consciente.
        Mas e quando a informação não está no sub-consciente mas sim fora ? Isso também ocorre.
        Procura melhor sobre perceção entra-sensorial. Sem pré-conceitos.

        Eu tenho um amigo que viu a avó na casa já depois de ela ter morrido. Ele não sabia da sua morte. Então essa informação não veio do seu sub-consciênte. Mas sim, de fora.

        Ah muitos outros casos desses, basta pesquisares um pouco e pesquisares sem pré-conceitos.

  3. PorcodoPunjab says:

    O Pinto Da Costa tem mais de 6, talvez uns 10.
    Há uns anos sentiu um arrepio pela espinha acima e fugiu para Espanha.
    Foi o melhor que fez, era a PJ à procura dele.
    Sempre que algo ruim se aproxima, lá vem o arrepio e baza.

    O LFV pelos vistos não tem mais sentidos além dos normais..

  4. Spoky says:

    É só mais uma prova de como não precisamos de cientistas para comprovarem aquilo que já se sabe e tem vindo de “teorias de charlatão” ao que muitos chamam, acabou-se por confirmar que existe e é realidade.

    Sempre existiu e sempre existirá. Isto é só mais um aconchegado para as pessoas anti-medicinas alternativas.

    Ding Ding Dong. Não chorem, aceitem a realidade. Tem tenta coisa que ainda nem descobriram em relação ao funcionamento do corpo humano (cérebro) é um deles.

    • p_t says:

      “É só mais uma prova de como não precisamos de cientistas para comprovarem aquilo que já se sabe e tem vindo de “teorias de charlatão” ao que muitos chamam, acabou-se por confirmar que existe e é realidade. “.

      O que é que já se sabe?
      Donde é que isto veio das “teorias de charlatão”?

      Acabou-se por se confirmar ou provar por CIENTISTAS que existe e sobretudo tem uma EXPLICAÇÃO. É assim que a ciência funciona.

      O que é que as medicinas alternativas vêm ao caso?

      “aceitem a realidade”? Que tem? Não foi provado cientificamente? Então há nada para chorar.

    • Rui Costa says:

      Esta é só mais uma prova de que realmente precisas de cientistas para comprovar teorias. Podes imaginar muita coisa, mas se não tiveres factos que comprovem…..

    • Podence says:

      Atrasadinho.

  5. AlexX says:

    Tenho vaga ideia que 14 sentidos já um ramo da ciência havia comprovado para humanos, mas que serão até mais de 50 sentidos. Quanto aos invisuais nem devia ser novidade que muitos, principalmente aqueles que o são desde tenra idade, “vêem” bem melhor que a maioria das pessoas. Talvez não porque tenham melhor audição (que nem têm) ou melhor intuição (que têm), mas talvez porque não caem em ilusões ópticas com a mesma facilidade que cai quem vê. E há algumas pessoas no mundo que mesmo não sendo invisuais nem sequer necessitar de óculos, conseguem com os olhos tapados por pensos ver perfeitamente, após anos de treino.

  6. Miguel says:

    Enfim…
    Andam tão lentos.

  7. Zé Fonseca A. says:

    A seguir vai existir um post nas redes sociais e queixarem-se da sociedade machista que até fizeram estudos para tirar aquilo que era da exclusividade das mulheres, o sexto sentido feminino.

  8. Naopossodizer says:

    Mas que palhaçada o 6 sentido já é conhecido e não é esse, é a localização do nosso corpo sem a necessidade de ver ou sentir. Por exemplo fechar os olhos e tocar com o dedo no nariz, todos fazem devido a esse sentido. Não inventem o que
    Já existe.

  9. X-men says:

    Isto está ao nivel do X-Men.
    Muito bom, já já virá ai a teoria da comunicação via telepatia, e depois as aureas, depois o levitar, a cura sem toque, e dai para a frente é sempre a delirar.

    • AlexX says:

      Não é teoria e muito menos delírio. Porque achas que foram criados os super-heróis na banda desenhada? A criatividade passou apenas por vesti-los com collants justos e exagerar nos poderes que têm. Todas as pessoas têm poderes além da compreensão dos comuns que podes considerar como super. E umas conseguem comunicar telepaticamente, outras conseguem levitar, outras conseguem curar sem tocar e por aí… Mas ninguém consegue tudo ou tem todos os poderes. Áurea todos temos e também há quem as consiga ver.

  10. Sardinha Enlatada says:

    O nosso sexto sentido e a nossa glandula pineal

  11. Sexto_Sentido_hater says:

    Não treinem os outros cinco sentidos primeiro que vão ver onde aparece o sexto…

  12. César Oliveira says:

    Então temos 7 sentidos.
    Procurem por perceção extra sensorial.

  13. Vitor says:

    Essa ideia dos cinco sentidos está ultrapassada há muitos anos. Temos sensores no nosso corpo para muitas coisas… Sentir a temperatura, a pressão, a localização das partes do nosso corpo no espaço. Qualquer cientista, e não só, é sabedor que temos várias dezenas de sentidos. A ideia de um sexto sentido não faz sentido… Só nas cabeças simples e viradas para o esotérico.

    • Pedro Fonseca says:

      Todos os exemplos que indicaste usam o mesmo sentido de entre os 5 sentidos que possuímos, o tacto. A pele através do tacto é capaz de diferenciar entre dor, pressão, frio e calor. E sim é o mesmo mecanismo biológico e não 4 diferentes.
      Da mesma forma ver a cor azul ou a cor vermelha não são sentidos distintos, são o mesmo, a visão.
      Este estudo não faz qualquer sentido. Tudo o descrito é obtido através da audição. Não é um novo sentido!

  14. Miguel says:

    Apenas um reparo.
    Não se escreve “tato” mas sim tacto. Segundo o acordo ortográfico celebrado entre Brasil e Portugal, palavras em Português de Portugal que sejam lidas como por exemplo “tacto” escrevem-se com o “c” atrás do “t”. Há outras. “Opção”. Mas “óptimo” já não. É “ótimo” que se escreve. Só as palavras em que as letras sejam silenciosas não se escrevem. Com algumas exceções. OPTIMUS por exemplo.

  15. Pedro Fonseca says:

    Isto não faz qualquer sentido!
    Se estou a usar a audição para me orientar então eu não estou a usar um novo sentido. Estou a usar um dos 5 sentidos que já conhecemos, a audição.
    O uso que fazemos da informação que esse sentido recolhe é uma questão intelectual. Mas isso não é um sentido, é uma capacidade mental, é um conhecimento.
    Pela linha de pensamento deste “cientista” conseguir ler números, soma-los e obter um resultado é um novo sentido 🙂

    • AlexX says:

      Não creio que tenha a ver com o aparelho auditivo tal como o pensamos conhecer. Os estalidos de dedos mencionados devem servir apenas para efeito de treino de iniciação. Quanto aos morcegos, a ser verdade que emitem qualquer som para se orientarem em voo, esse nem é audível no nosso espectro. E acho que morcegos nem precisam emitir qualquer som para voar evitando colisões. E depois de imenso treino que podem ser uma ou duas décadas, o humano também não precisa estalar dedos nem emitir quaisquer sons e esperar ecos para sentir uma presença ou objecto movendo. Só um exemplo, completamente vendado ou no breu, apanhar bolas de ténis no ar que são atiradas para qualquer dos lados desde que ao alcance. A pessoa não vê nem ouve as bolas mas sente duma forma que ninguém entende a perturbação que ela cria no meio por onde se desloca e consegue apanhá-la no ar. Nem precisa ser feito numa sala em silêncio, mas também não sei responder se conseguem o mesmo entre demasiado ruído.

      • Pedro Fonseca says:

        Os morcegos emitem ultra-sons, portanto é sentido auditivo. Se são sons que o homem pode ou não ouvir é outra questão. Com a idade deixamos de ouvir as frequências mais altas e não é por isso que elas deixam de ser sons.
        Quando ao resto que descreve fiz uma pequena pesquisa e não existem quaisquer experiências realizadas e comprovadas cientificamente de alguém que consiga apanhar objectos do ar sem os ouvir ou ver. No limite concebo que um objecto percorrendo o ar produzam ondas de pressão neste que possam ser sentidas ou ouvidos por nós. Não acredito que tenhamos sensibilidade para tal mas, e de qualquer forma, estamos a falar do tacto e da audição, portanto 2 dos 5 sentidos. Se reparar tudo, mesmo aquilo que possamos não ter capacidade ou sensibilidade para sentir acaba por resumir-se sempre a um destes 5 sentidos.

        Extra-tópico: Existiu um prémio de 1 milhão de dólares para quem conseguisse provar uma habilidade extra sensorial ou paranormal. Os poucos que se habilitaram nunca o conseguiram provar. Os maiores videntes e gente que afirmava ter algum tipo de habilidade paranormal nunca se candidataram a este prémio 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.