Quantcast
PplWare Mobile

A humanidade está mais próxima da Lua! Lançamento do Artemis da NASA foi um sucesso

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Memória says:

    Tudo falso. Nunca fomos ou iremos à Lua. Tudo propaganda pela nova ordem e a Nasa. Tal como as vacinas, invasão da Ucrânia, tudo um plano para nos controlar.

    • Fusion says:

      Deixa de ser tonto anda, vives na cave da tua mão não tens grandes preocupações na vida como trabalho e despesas e depois inventas essas coisas tontas

      • manuel says:

        “Deixa de ser tonto anda, vives na cave da tua mão não tens grandes preocupações na vida como trabalho e despesas e depois inventas essas coisas tontas”

        Estás a ver-te ao espelho?

        • Fusion says:

          Não sou eu que ando a dizer que nunca fomos a lua e que as vacinas e a guerra foi tudo para nos controlar, felizmente vivo no mundo das pessoas crescidas e não estou o dia todo as escuras em frente de um monitor a ler teorias da conspiração. Geralmente esses comentários e teorias é de quem tem pouco ou nada para fazer da vida, daí ocupar o tempo com barbaridades

    • Henrique says:

      Mais tabaco para próxima.

    • Art says:

      Hehe…o Saturno V que tinha para aí uns 110 m de altura também nunca existiu…o von Braun era um drogado que imaginava coisas , e as milhares de pessoas que viram o foguetão subir naquela altura eram tolinhas…mas você nem sabe de certeza o que era o Saturno V

    • Jebus says:

      Do not feed the TROLL !!!

  2. TugAzeiteiro says:

    50 anos depois voltamos à Lua… 50 anos… ridículo! A acreditar em tudo o que se passou e em todo o desenvolvimento nas décadas de 60/70, em 2022 já devíamos ter bases lá em cima e ir e regressar já deveria ser uma coisa normal… mas aqui estamos 50 anos depois, a NASA toda excitada por aterrar novamente na Lua….

    • Castro says:

      Não faria sentido haver bases na Lua sem que houvesse algum proveito a retirar dessa presença… doutra forma seria um desperdício de recursos. Voltam só agora porque foi agora que viram o potencial para explorar certos recursos que podem vir a ser necessários na Terra e na viagem a Marte.

    • mamba says:

      para quê? gastar dinheiro para nada. A lua é um calhau sem nada, a humanidade não iria tirar nenhum proveito material disso. Aí tens a razão para não existirem lá bases, não existe nenhum incentivo para tal.
      Sim ter bases é muito bonito e tal, mas alguém tem de pagar.

    • Fusion says:

      Sabes quantos milhões se gasta para ir a lua? Nós fomos lá em tempos, e fizemos os estudos necessários incluindo trazer amostras para a terra. Para que gastar recursos só porque sim? Neste século a lua vai ser importante por causa das viagens a marte, daí voltar a ter novamente interesse voltar lá e fazer novos testes

      • IKAROS says:

        Tiramos partido diariamente das ciências e tecnologias que foram desenvolvidas para irmos à lua há 50 anos atrás.
        Não percebes que é puxando os limites que a humanidade avança?
        Para ti é tudo milagres de sofá…

    • Manuel da Rocha says:

      Em 1972 a NASA tinha encomendado mais 5 missões lunares. 4 delas iriam iniciar a construção de uma base para estudos científicos. Só que os cidadãos americanos já nem seguiam os lançamentos, nem as missões. Desde 1970 até 1980, nem 1 missão entrou nos 500 programas mais vistos, do ano. Até ao lançamento do Columbia, que revisitou os voos do Entreprise. Seguiu-se o Challenger. Ambos foram perdidos com 14 vidas, o público desinteressou-se.
      O SLS pode ajudar a recuperar o interesse e permitir usar a Gateway para estudar formas de usar o solo lunar para criar novos produtos. Só que é preciso muito dinheiro e poucos acidentes.

    • aaa says:

      mas íamos lá fazer o quê? quem é que pagava? provavelmente mais valia pagarmos nós uma ida à lua e deixar de meter dinheiro na TAP

  3. Fuitoku says:

    Grandes tangas…

  4. Robin says:

    Devem ter apagado as bases de dados e tudo o que era informação, pela maneira como falam parece que é a primeira vez que lá vão.

  5. Tiago says:

    Uau, que alegria numa viagem à Lua. Parece que é a 1a vez. Bem, se calhar é mesmo. Para mim sempre me fez confusão. Nos anos 60, tecnologia básica a nível de motores e comunicações conseguiram ir à lua. 50 anos depois ainda não. Só acredita quem quer.

    • Fusion says:

      Mostra então aí uma prova irrefutável como não foram a lua, inocentes até que se prove o contrário, portanto apresenta provas que sustenham o teu comentário, provas que eles não foram a lua.

    • Castro says:

      Lógica falaciosa… A Space X também demorou muitos anos a desenvolver os seus foguetões, mesmo sendo apenas para viagens à órbita da Terra! Será isso prova de que nunca se alcançou a órbita da Terra? Novos veículos do tamanho dum arranha-céus requerem tempo para serem desenvolvidos, testados e construídos.

    • Toni da Adega says:

      Nos anos 60 tínhamos avioes supersônicos comerciais, e era possível atravessar o atlântico em 3 horas.
      50 anos depois demora-se o dobro do tempo. Só acredita quem quer

      • Mr. Y says:

        Podes desenvolver? Acreditar em quê?
        Sabes ao menos porque é que o Concorde deixou de voar?

        Já agora caso não saibas há actualmente empresas a desenvolver aviões supersónicos: Exosonic ou Spike Aerospace, por exemplo.

        • Manuel da Rocha says:

          E? Você dá-lhe razão.
          Exosonic prometeu que o avião deles estaria a voar em 2035. Sabe fazer contas?
          A Spike, nem daqui a 50 anos.
          A Skylom sim, espera ter uma versão espacial e outra terrestre lá para 2030-2046.

          • Mr. Y says:

            Dou razão em quê? A tua resposta é tão vaga como o post original.

            Quanto aos prazos que são dados é mais um sinal que não faz esse tipo de aviões de um ano para o outro

      • Naodouonome says:

        Porque entre pagar mais e chegar mais cedo ou pagar menos e demorar mais as pessoas preferem demorar mais.

    • Manuel da Rocha says:

      Aos valores de hoje, cada missão Saturn V, precisava de 187200 pessoas, para uma despesa “engraçada” de 83000 milhões de euros.
      Nota a razão para terem parado com elas?
      O Shuttle era mais barato, mesmo assim eram 3200 milhões, por missão.
      Este, ficará pelos 4000 milhões.
      É a mesma coisa que em 1970 você podia comprar um carro que atingia 230kmh, por 800 euros, hoje precisa de 34000 euros. Será que é mentira que existem carros que atingem 230kmh? Para além de que usar o carro de 1970 custa 60 litros de gasolina para uma viagem de 120km, nos de hoje faz 600km com a mesma quantidade que custa 523 vezes mais.

      • Pablo says:

        Então a cada pacote para o zelenksi vão 40mil milhões. A cada mês…
        Não falta dinheiro.

        Esse valores são inflacionados… Acredita quer.

        Os russos não tinham o msm orçamento e tinham tecnologia semelhante.

  6. Melon Tusk says:

    É incrível como qualquer notícia serve para a malta criticar. Impressionante

  7. z-life says:

    Em décadas tudo evoluiu menos a tecnologia espacial.
    Incrivel como em 2022/2023 estamos com sérias dificuldades em reproduzir o que foi feito várias vezes nas décadas de 60/70.

    É o que dá terem perdito os projectos e o resto da papelada das missões Apollo 🙂 Até usaram fitas originais do poiso na Lua para gravar por cima coisas “banais”. Tão inteligentes e tão desmazelados.

    • Castro says:

      por acaso já alguma vez reparaste quantos anos é que empresas como a Airbus ou a Boeing demoram a desenvolver um novo avião? Até o processo de desenvolvimento dum novo smartphone pode demorar anos, mesmo com todo o conhecimento acumulado pelas empresas.

    • Mr. Y says:

      «Em décadas tudo evoluiu menos a tecnologia espacial.»
      LOL

    • Manuel da Rocha says:

      Sim… as cassetes de basic ainda hoje é preciso ir chamar técnicos com 90 anos de idade, pois os jovens, com 3000 doutoramentos, não sabem descodificar milhões de horas de dados. Até há mais de 100000 horas em cassetes de audio, gravadas em Basic e Assembler, com os programas e dados recebidos das Voyager e Pioneer X e XI.
      Até os dados das Viking foram gravados e muitos perderam-se, devido aos cortes, de 90%, que a administração americana ordenou a partir de 1973. Mesmo depois, já com os Shuttles, milhões de horas de dados, foram despejados em caves, pois não havia dinheiro para os traduzir e enviar para os cientistas externos. Ainda hoje se andam a usar dados das Voyager, obtidos no início da década de 80.

      • Neil Armstrong says:

        Eh lá! Eu tenho 50 anos e sei programar em Assembler… Ainda sei compilar código e ainda me lembro do desassemblamento do mesmo … Ainda uso para carregar EPROMs de chips IC1 ! Haja vontade e consegue-se fazer.

  8. Infinity says:

    Bem, lá vou ter eu que poupar nas viagens de carro por causa da poluição

  9. Eugênio says:

    Ué já não estiveram lá kkkkk kk

  10. Neil Armstrong says:

    Se não estivesse em guerra, a Rússia chegava lá outra vez primeiro. Sputnik,.Gagarin, Laika,MIR, etc.
    A ida à Lua foram produções holywoodescas para tapar o fiasco das missões Apollo. O ser humano nunca conseguiu passar da cintura de van belt. Pode ser que seja desta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.