Quantcast
PplWare Mobile

Internet vai parar? Chrome, Firefox e Edge chegam à versão 100 e começam os problemas

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Windows says:

    Fantástico novo bug do ano 2000 a caminho, 22 anos depois surge novamente, mas desta vez num browser perto de si…

  2. @McGoms says:

    a tragédia.. o drama.. o horror!!!!

    se deviam aprender com o passado? nada disso!

    • Pipoca says:

      Os putos na escola não querem saber das disciplinas onde é dado historia, só querem aprender as tecnologias mais recentes, por isso não conhecem os erros do passado.

  3. Donadel says:

    É o novo millennium bug… Vai acabar em nada como da outra vez!

    • Paulo Silva says:

      Eu também não entendi o problema que andam a “pintar”. Ora se o useragent é algo que pode ser alterado pelo utilizador, como isso pode parar a internet?

      Cheira-me mais a um problema das gigantes tecnologicas na maneira como catalogam a versão do browser quando seguem os visitantes do que um problema de navegação.

      Por outro lado, um site que vai bloquear alguma coisa porque não detecta a versão do browser correctamente, merece que mais ninguém lá vá. Quando muito pode apresentar uma mensagem a dizer que o browser é desactualizado, ou coisa parecida. Agora se preferem bloquear, “o tiro saiu pela culatra”

      • Manuel Joaquim says:

        Gostei deste comentário fora da realidade… “merece que mais ninguém lá vá” não é possível no mundo real, infelizmente.

        Caso prático:
        Vais ao site no INPI e queres fazer uma transferência de marca (online fica a metade do preço do que por papel), e és presenciado com uma mensagem a dizer que tens que ter o Plugin de JAVA instalado.
        Ora, acontece que nenhum dos browsers atuais suportam isso, então no página “AJUDA” recomenda: “Instalar um Browser Compatível, tal como o Internet Explorer”… pois…
        E agora?
        Procuras lá nos recônditos do teu Windows10 e encontras um resquício do Internet Explorer que podes usar… tentas instalar o PLUGIN, até instala, fixe… voltas ao site e… surpresa, agora os “botões” não funcionam, não consegues fazer nada na página do INPI com o IE… que estranho… ou talvez não, afinal agora é o JAVASCRIPT (JQuery) que informa (na consola) que não suporta esta versão do Browser… lindo…
        O que fazes? nada!

        Envias o requerimento por papel, afinal estamos em 1999 e é para isso que se inventou o papel e as cartas postais. Os CTT também tem que fazer dinheiro, certo?

        PS. História REAL!

        • Paulo Silva says:

          O caso que deste é como muitos outros. Olha tenta enviar o ficheiro saft pelo site! Vais ter que ignorar o facto da assinatura digital do applet java esteja expirado.

          Outro exemplo é se quiseres concorrer a um concurso público tens que pagar a um privado para poder fazer a proposta.

          Tanta coisa que está errada, mas cabe-nos a nós aceitar ou não

        • Paulo Silva says:

          Eu uso o Microsoft edge no Windows 11 com Java e tudo funciona…

          • Jorge says:

            No edge tb dá para testar a alteração do user agent para a versão 100? É que se não se fizer essa alteração não dá para verificar. E isto é um alegado problema para os servidores e não para os browsers.

    • Lopes says:

      Verdade, na época recordo-me perfeitamente que foi um bicho de sete cabeças que muitas máquinas a data ao chegar a 31-12-1999 voltavam ao ano de fabrico e não prosseguiram para o ano 2000, o que é certo é que com alguns updates de bios e firmwares as coisas ficaram resolvidas, no caso das máquinas em que não deu para fazer nada foi por serem muito antigas e sem qualquer suporte estás tiveram de ser substituídas, e não aconteceu nada, a vida continuou, agora estamos novamente com outra semelhante e mais uma vez um enorme alarido para nada.

      • Manuel Joaquim says:

        Nessa altura o problema nem eram as máquinas não funcionarem.

        O maior dos problemas (diziam eles) eram os sistemas bancários que poderiam não entender qual o ano onde estavam e voltar para 1900.
        Ou seja, imagina nos primeiros dias de 2000 ires ao MB consultar o teu saldo e estar tudo a zero… (porque em1900 não tinhas sequer aberto conta ainda).

        Foi por isso que na década de 90 ocorreu um boom de procura por programadores COBOL.

        (e sim, eu já estava vivo e consciente nessa altura)
        Abraço

        • windows says:

          Certo que na época o enfase nas noticias era sobre o sistema bancário, mas na realidade era muito para além disso era tudo o que dependia de maquinas com registos, o que é comum em todas as áreas, e hoje em dia ainda pior, logo se a data não for correta é o suficiente para empanar uma fabrica por exemplo.

          Na década de 90 sim deu-se o boom da informática nas mais diversas vertentes, mas com o passar do tempo, neste novo milénio, a evolução dos meios tecnológicos, a internet, as coisas mudaram imenso e já não é o que é hoje em dia.

    • Álvaro Campos says:

      agradece o “acabar em nada” a gente como eu que andamos a testar mil e um equipamentos e a certificá-los
      os que puderam ser atualizados ficaram a funcionar, os outros foram para a sucata ou reciclagem.
      Numa universidade ou numa empresa não se pode ficar dependente de “erros” e como tal teve-se de trabalhar e bastante.
      Sim, depois rimo-nos.

  4. ElectroescadaS says:

    Entre o título bombástico da Internet parar (que aliás não se perdia nada) e as dificuldades que os browsers principais enfrentam eu pergunto se não há alternativas em mudar o número dos ditos cujos ou outros browsers?

    • Godlike says:

      Não se perdia nada?
      Fala por ti… Só porque gastas o teu tempo a assistir os outros a praticar o ato da copulação na Internet ao invés de usares essa ferramenta para algo produtivo, não quer dizer que os outros não tirem proveito para coisas mais produtivas.

      O problema são sempre as ferramentas, nunca o utilizador.
      Humanos… culpam tudo e todos pela sua miséria!

  5. JP says:

    Web 3.0 está a chegar! 🙂

  6. Luis says:

    só vai falar nos sites não adaptados
    para esses usa-se o IE

  7. PAULO SILVA says:

    E se lançarem com um nome diferente? tipo Edge-A versão 1.0? resolve o problema?

  8. Mike says:

    Coisa mais simples de resolver: avançam com a numeração de 3 dígitos e acrescentam uma opção de “modo de compatibilidade”… Se um determinado site não funciona correctamente com a numeração de 3 dígitos, activa-se a opção de compatibilidade e o browser altera temporariamente o número da versão para 99 no user agent só para o separador actual… É assim tão complicado?

  9. João Ferreira says:

    Problemas, ou não, que possam surgir, foi apenas meu entender que isto poderia ser evitado se não houvesse este “medir pilas” entre os browsers para que num fundo apenas chegassem à versão 100? Havia assim tamanha necessidade de alterar o nr de versão a cada pequena alteração no software?

    • Manuel Joaquim says:

      A grande maioria de fabricantes de software seguem uma lógica “normal” (ie: diferente dos browsers) que seja, a versão está separada (normalmente) em três partes, composta por MAJOR (ponto) MINOR (ponto) REVISION (ex: 1.2.3)

      A versão MAJOR muda quando existam novas versões disruptivas do produto (do gênero, deitas fora a anterior e agora passas a usar a nova (nem sempre isto é literal, mas serve de ideia))

      A versão MINOR muda quando adicionas pequenos incrementos de funcionalidade ao produto, tipo uma nova feature.

      A versão REVISION muda quando corriges bugs

      Quando o Chrome começou (na versão 1 obviamente) já os seus diretos concorrentes iam nas versões 8 (IE), 10 (Opera), 3 (FireFox) e 4 (Safari) e eles queriam rapidamente dar a entender que o seu browser era maduro, então apenas UM ANO DEPOIS, o chrome já estava na versão 4 e os outros pouco ou nada evoluíram: EI: ainda 8, Opera 10.5, FireFox 3.6 e Safari 4 (igual)

      Quando os outros perceberam isto, começou tudo a fazer o mesmo, para não ser ultrapassado

      E prontos, este “medir pilas” como lhe chamas e mesmo e só isso, um “medir pilas”.

    • Daniel Monteiro says:

      Cálculo que talvez não saiba que a versão serve para muitas outras coisas que só um número de versão…

      Associado à versão de uma aplicação, site, etc., geralmente está um log de atividades e alterações feitas a essa aplicação, para que quando o utilizador se queixar de algum problema, se consiga identificar em que versão foi, e se o mesmo já foi corrigido em versões mais recentes, se é um problema que foi criado desde a versão anterior, ou se é já desde há muitas mais versões atrás, para facilitar depois na correção.
      Bem como permitir a softwares terceiros que interajam com este, validar que só suportam certas funcionalidades até X ou Y versão, para evitar muitas vezes problemas de compatibilidade, etc.

      Relativamente ao ser necessário alterar o nº da versão a cada alteração lançada, sim, é óbvio, se é lançada a público, tem de ter uma versão diferente da anterior, para permitir as várias coisas que falei anteriormente, e muitas outras. Se lançam com muita frequência, talvez, mas se existe um erro num software que afete alguns utilizadores, o mesmo tem de ser corrigido, e dependendo da gravidade pode obrigar a mais uma versão antecipada. Se assim não fosse, queria ver as pessoas a reclamar por estarem meses ou anos com algum problema e ninguém lançar versão de correção só para poupar o nº da versão.
      Junto também ao factor, que ninguém gosta que uma aplicação “morra” e pare de acompanhar as necessidades, e que só lancem novas funcionalidades quando o rei faz anos, a evolução faz parte 😉

  10. Danyyel says:

    A solução temporária apresentada é apenas isso temporária.
    Porque se deixarem andar e esquecer o assunto, quando chegar a altura de desativar o suporte a versão 99 ai sim vai dar o berro.

  11. Samuel MGor says:

    A solução é tão simples… Troquem o 100 por 10X

  12. André says:

    No meu Chrome já comecaram os problemas a algum tempo, não consigo entrar no Google Messages Web de forma nenhuma nem no PC nem no tablet, através do Canary já dá… Canary esse que os sites em Dark Mode não dá via flag, mas no Chrome normal dá… Solução ter de ter um Canary no tablet só para o Messages e no PC o Messages não oficial o que é só sem nexo nenhum mas é a solução!

  13. adbu says:

    Mais alarido do que outra coisa.
    Vão ver que os problemas vão ser muito raros.
    A maioria dos sites funciona bem independentemente da versão do browser.
    Se algum site deixar de funcionar adequadamente, podem sempre usar o Opera, Yandex, etc …

  14. falcaobranco says:

    Vamos voltar a usar o IE… eheheheh

  15. cat says:

    Dependendo do sistema que processa o user-agent do lado do servidor, a coisa pode dar para um trim e fica com a versão 10. No FF e Chrome isso significa algures entre 2011 e 2012 …

    E sendo isto do lado do servidor, quem seriam os espertos que criariam um campo no modelo de dados com nvarchar(2) para representar algo de natureza numérica ? XD XD XD Estes valores convém serem sempre transformados em algo numérico …

  16. Pedro F. says:

    Fui só eu a ter achado o Y2K insignificante? Tanta desgraça que anunciavam e depois, contas feitas, não se passou nada…

    • cat says:

      Isso é uma analogia tipo a da covid. Se ninguém fizesse nada, as consequências seriam bem piores. Mas como se fez – e muito – para que tudo corresse bem, acabou correu bem … agora, a malta que está por fora, pensa sempre que tudo não passou de muita histeria e o medo. Não podiam estar mais errados … mas lá está: ignorance is bliss …

      • Pedro F. says:

        A malta que está por fora? Eu alarguei dezenas de bases de dados em terabytes só para poder acrescentar 2 algarismos ao campo do ano!!!
        Havia uma situação prevista há anos, sabia-se como evitar problemas, e evitaram-se.
        As notícias? Ia ser o fim do mundo com carros a explodir, aviões a cair, satélites a despenhar-se, barragens a abrir descontroladamente…
        Tal como agora… A Internet vai parar…

    • adbu says:

      99% do alarido Y2k não fazia qualquer sentido.

  17. Jorge says:

    O chrome também dá para testar chrome://flags/#force-major-version-to-100 já testei e aparentemente nada….

  18. Jose Lapao says:

    Pergunto eu porque raio se tem de avançar na versão do browser, podemos ficar indefinidamente na versão 99. Ninguém obriga a Google, Microsoft, Opera, etc, etc, a aumentar a versão do browser pode ficar indefinidamente na versão que o programador assim entender, como se diz na minha terra estão é a arranjar sarna para se coçar.

    • Jorge says:

      E porque raio é que existe versão?? podia-se acabar com isso de uma vez??
      Brincadeiras à parte, a versão é algo muito importante no controlo do ciclo de vida de um software, mas uma coisa é certa, não deveria ser controlado por meras questões de marketing, mas sim pela real necessidade do desenvolvimento.

  19. Manu says:

    Sou programador e desde há 2 décadas que se considera má prática considerar o user agent. Get real!

    • Pedro F. says:

      Ainda esta semana vi um “developer” a criar uma base de dados de um site que está a desenvolver onde as passwords eram quardadas em texto. Quando perguntei o que era aquilo sabes qual foi a resposta dele? Ah, isto é para testes. A versão final vai ser com md5…
      E estamos a falar de um programador de uma equipa de meia dúzia que fazem sites todos os meses… E estão a ver se transitam de uma segurança inexistente para uma segurança péssima que foi desaconselha há mais de 10 anos!

  20. Ndo says:

    Serei eu o o único que nunca usou qualquer um desses browsers por padrão?
    Seja PC ou Telemóvel há décadas que não deixo o Opera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.