Quantcast
PplWare Mobile

Só a Apple está a conseguir crescer no mercado de PCs que continua a perder nas vendas

                                    
                                

Fonte: IDC

Autor: Pedro Simões


  1. Luis Maria says:

    As pessoas cada vez mais procuram qualidade que dure muitos anos e nisso a Apple domina principalmente em portateis e smartphones ou tablets. Em desktops acaba por ser igual

    • B@rão Vermelho says:

      Discordo da tua afirmação, qualquer computador recebe Windows até agora pc que não deviam receber Windows 11 instalas com a maior das facilidades, posso dar o meu exemplo Imac finais de 2012, por causa da gráfica AMD deixou de receber atualizações e uma das principais aplicações com que trabalho deixou de funcionar tive de ir comprar um Imac novo.
      Ainda instalei as versões mais recentes de forma pirateada mas não funcionava de forma normal.

    • B@rão Vermelho says:

      Discordo da tua opinião, qualquer pc recebe Windows até mesmo os que já não deviam receber o Windows 11 é com a mais das facilidades que se consegue instalar.
      Posso dar o meu Exemplo Imac finais de 2012, devido à gráfica AMD, deixou de receber atualizações, mesmo instalando de forma pirata o funcionamento do mesmo não era igual e a aplicação que mais utilizo deixou de ser suportada pela versão do MacOs, tive de comprar um Imac novo, tenho vários computadores antigos com o Windows 10 e dois com Windows 11.

    • rjSampaio says:

      Quem quer uma maquina potente ou com custo/benefício alto e que dure muito tempo, não compra de nenhuma dessas marcas nem apple, compra as peças e monta, e essas vendas das marcas nao refletem essa escolha.

  2. IKAROS says:

    (nada a ver: monitor nessa foto está bem camuflado!)

  3. JoanaM says:

    As pessoas nos ultimos 2 anos devido a pandemia investiram muito em PCs e isso é facto. Nao é expectavel que apos 1 ou 2 anos andem a trocar de pc.

    Ja na Apple o segmento é diferente pois soa clientes que por norma querem o mais recente mesmo que o que têm atualmente funcione bem. Dai que vende sempre mesmo quando nao é preciso. Nao é que durem menos ou sejam piores, simplesmente é a filosofia do cliente Apple o que é bom para a marca.

    • Castro says:

      ideia saída donde? Será assim tão complicado de aceitar que a Apple consegue ter novos clientes Mac e ter crescimento no número de utilizadores?
      E se assumes que já era um hábito/norma então tens que assumir que afectava as vendas desde sempre, levando a que o crescimento seguisse padrões já vistos anteriormente em circunstâncias semelhantes, e por isso já teria atingido uma zona de equilíbrio em termos de volume de vendas. Mas o que estes números mostram é um crescimento muito acima do que tem sido normal nos últimos anos, e com o volume de vendas a ser muito superior a qualquer outro período na sua história.

      • Manuel da Rocha says:

        90% dos clientes Apple são profissionais. Com a pandemia, não precisaram de pagar 11000 euros por um computador e monitor. Com o regresso à “vida activa” precisaram de novos equipamentos. Os restantes são pessoas comuns que usam o equipamento para editar vídeos e pouco mais. Foi por isso que a Microsoft colocou o Office no IOS… e que afundou o editor de texto e a folha de cálculo da Apple para fora do top 100 de apps usadas.
        Mesmo assim, a Apple não consegue chegar aos 8% do mercado. Nem sequer consegue estar à frente do segmento profissional.

      • B@rão Vermelho says:

        Acho que não podemos desassociar o facto de termos estado em teletrabalho e falta de pc para entrega teremos de aguardar mais algum tempo para ver se o aumento das vendas continua a subir, no meu trabalho temos encomendas para 300 portáteis e estamos a receber às mijinhas, não há pc para entrega.

        • Castro says:

          O efeito da pandemia verificou-se em 2020 e 2021, e foi transversal a todo o mercado de PCs. No entanto, o crescimento já estava a estagnar no final de 2021 e desde o início do ano de 2022 que as vendas globais estão em queda. As vendas da Apple dum momento para o outro crescerem muito acima do que tem sido o seu normal nos últimos 12 meses, dá a entender que o valor desse crescimento já não tem nada a ver com a procura para teletrabalho.
          A explicação advirá mais duma associação de diferentes factores. Para além de continuar a ter um crescimento na procura, a Apple terá sofrido um efeito de correcção nas vendas pelas falhas na produção (fábricas fechadas na China) no trimestre anterior, ou seja parte da procura do trimestre anterior acabou por passar para este trimestre. Não me admirava que metade deste crescimento advenha dessa correcção.

          • owrk says:

            não sei bem quem é que inventa mais aqui, simplesmente o mercado pc desktop já não é o que era e vai continuar a decair, só vai para a apple quem tem mesmo necessidade disso, o resto não.

          • Castro says:

            “só vai para a apple quem tem mesmo necessidade disso”?
            Há milhares de milhões de utilizadores de PC, é assim tão difícil de acreditar que alguns milhões escolham mudar para um Mac?
            A entrada de novos utilizadores na plataforma está documentada.

    • mamba says:

      >Ja na Apple o segmento é diferente pois soa clientes que por norma querem o mais recente mesmo que o que têm atualmente funcione bem. Dai que vende sempre mesmo quando nao é preciso.

      Source: dude, trust me

      • IKAROS says:

        E há outra diferença. Um portátil Mac com 2 anos vale dinheiro em 2ª mão, enquanto que outras marcas não vale quase nada (e ninguém quer comprar).

  4. Leonardo says:

    Notícia demasiado confusa e nada elucidativa.
    Juntar no mesmo parágrafo, laptops com desktops e “estações de trabalho”, é de quem não faz ideia do que está a analisar.
    É que não tem pés nem cabeça estes números agregados.
    As marcas Dell e Lenovo, por exemplo, têm fortíssima adesão no mercado profissional (empresas), quer em desktops quer em laptops, já no mercado doméstico (para ter em casa), a Lenovo tem vasta oferta, mas a Dell nem por isso.
    Só este pequeno exemplo meu chega para perceber que ver um mercado como global, só de quem não faz uma única venda, porque as marcas sabem bem o que andam a fazer.
    A Apple, tem números até baixos, nada impressionantes, como referem.
    Basicamente a Apple aposta muito no mercado doméstico, e tenta ter uma presença no mercado profissional que nos EUA, é relativamente maior que na Europa ou na Ásia.
    Portanto, não faz sentido o que é escrito aqui, a não ser que se queira pintar uma realidade maravilhosa para a marca preferida.

    • Luis Henrique Silva says:

      +1
      Palmas maravilhoso

    • Castro says:

      onde é que é confuso? Este tipo de análise é feito há décadas por várias empresas de análise de mercado e têm significado para quem quer olhar para o desempenho global destas empresas.
      E muito sinceramente fazes maior confusão no que dizes, ao teres um problema com juntar “laptops com desktops e “estações de trabalho”, para depois vires falar em mercado profissional e doméstico, em que cada um desses mercados mistura “laptops com desktops e “estações de trabalho” (sim também há vendas de estações de trabalho para o mercado doméstico).

      • Leonardo says:

        Lá por a empresa x ou ily fazer uma análise assim, não significa que faça grande coisa.
        Ver um mercado apenas somando as vendas totais, é simplesmente a pior forma de se olhar para um mercado de vendas.
        Sendo que hoje em dia, as empresas têm um peso ainda maior no mercado dos desktop, ainda mais em “estações de trabalho”, não faz sentido não segmentar a análise.
        E porquê?
        Porque as empresas têm ciclos de actualização de hardware, com contratos assinados muitas vezes por largos e largos anos.
        Portanto, se a Apple, ou a Lenovo, ou a Dell num certo trimestre “venderam” mais desktops, isso quer dizer exatamente o quê?
        Castro, tentar esmagar tudo num número é a pior forma de se fazer star enganado, porque além de se estar enganado, nem se percebe da extensão do quanto enganado se está.
        Cumprimentos

        • Castro says:

          Saber se vende mais ou menos ao lado de dados sobre os receitas de vendas permite fazer uma análise mais profunda às margens dos fabricantes e sobre a sua saúde financeira, etc! Todos os dados são importantes.

  5. Vitolas says:

    “Portanto, não faz sentido o que é escrito aqui, a não ser que se queira pintar uma realidade maravilhosa para a marca preferida.”

    Por ai a um mês fizeram aqui uma noticia em que faziam crer que o mercado dos desktops estava perto do juizo final, agora fazem um parecido onde, como dizes, juntam alhos com bugalhos para no final dizerem que a Apple vende que dói.
    Falta aqui ver uma outra realidade, as muitas e muitas pessoas que não compram desktops já feitos.

    • Castro says:

      É possível ver as vendas de CPUs da AMD e Intel para PCs. Esses números estão em queda também, como seria de esperar após o efeito da pandemia. Se calhar a realidade não é bem aquilo que pensas.

  6. Secadegas says:

    O problema é que na Apple têm de andar sempre a investir em dongles, adaptadores, etc, etc… E ao fim de uns tempos updates acabam.
    Tenho ali um laptop com um Core 2 duo a correr Windows 10 sem problema enquanto o MacBook deixou de poder instalar um novo MacOS/OSX e só serve de pisa papéis… O mac é mais recente caso queiram saber.

    • IKAROS says:

      Longe de ser pisa papéis não ter o último MacOS…
      Se estas tão desapontado, porque não metes bootcamp nisso e esqueces o macOS?
      A propósito, tenho ali um portátil Windows com 8 cores que a Microsoft não deixa instalar o Windows 11.
      Como podes ver, dá para os dois lados…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.