Quantcast
PplWare Mobile

Apple Watch salvou a vida de uma mulher que sofreu um ataque cardíaco

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. NotMe says:

    Quando vi o título pensei que o Apple Watch lhe tinha dado um choque para a reaviavar após um ataque cardíaco 😉
    Se ela tivesse um ataque cardíaco forte e morresse o Apple Watch ou outro smartwatch apenas iria ajudar a identificar a causa da morte.
    Mas sem dúvida é uma boa experiencia para a senhora que pode começar cedo a examinar a causa e tratar

  2. FreakOnALeash says:

    Produtos largamente fora do meu alcance, e que muito sinceramente até acho demasiado overpriced…mas quando o que está em questão é a monitorização de sinais vitais, acho que este deve ser o caminho da indústria dos smartwatches. Prefiro juntar algum para um aparelho que de facto pode ter um papel crítico na minha saúde do que apenas carregar mais um ecrã comigo para coisas triviais.

    • ComingUndone says:

      Existem outras ofertas no mercado bem mais acessíveis e que fazem uma boa leitura do batimento cardíaco. As Mi bands nunca testei bem a precisão, mas comprei há pouco tempo o Mi Watch Lite e as leituras são confiáveis pelo que me pareceu. Para além disso ele dá uma média do batimento cardíaco o que até é interessante para manter o controlo ao longo do tempo.

      • Vítor M. says:

        Existem, e para verificar o ritmo cardíaco há vários e já com algum rigor. Contudo, o Apple Watch, assim como alguns da Samsung, Fitbit e Huawei são bem melhores com mais qualidade de construção e mais sensores. Inclusive este: https://bit.ly/3dGXE5F

        Claro, se a pessoa tem um iPhone, nenhum chega ao desempenho do Apple Watch.

        • ComingUndone says:

          Sim, concordo plenamente, estava-me a referir numa escala mais affordable, o Mi Watch Lite custa 60€ e o que oferece pelo preço é excelente.

          Claro que iPhone e Apple Watch foram feitos para trabalhar um com o outro por isso, o desempenho entre os dois é inquestionável, dado que a Apple não tem que desenvolver o dispositivo a pensar noutros smartphones, que não o iPhone.
          Só que lá está nem toda a gente tem capacidade financeira para os dois.

          • Vítor M. says:

            É um facto. E ainda bem que cada vez há mais equipamentos com qualidade. Mas também é verdade que para teres mais sensores e tecnologia os preços já não são de uma Mi Band. Os Samsung não são baratos também, ou os Huawei. Acredito é que num futuro próximo, estas tecnologias que ajudam os utilizadores no aspeto da saúde e bem-estar fiquem muito mais acessíveis.

            Uma máquina fantástica também é o FitBit, temos um, que até deve sair uma análise dentro de dias, e é muito bom. Mas vais ver o preço….

          • FreakOnALeash says:

            Já andei a namorar esse Mi Watch Lite, na altura até fiquei mais encantado até foi pelo GPS…mas tenho-me vindo a aperceber que o ideal é investir numa máquina com o máximos de sensores possíveis para a saúde.
            O ideal para mim seria uma máquina robusta, confortável, sem dezenas de programas de desporto que nunca vou utilizar, com pontos forte na medição de sinais vitais e que desse para emparelhar com qq smartphone android.
            Fiquei a saber outra coisa das vossas respostas, pois confesso que sou um ignorante em bands e smarwatches, a necessidade de compatibilidade entre o smartwatch e o smartphone. Dito isto questiono se as funções de sensores de finais vitais necessitam do smartphone emparelhado para funcionar corretamente? Depreendo que sem smartphone posso esquecer auto chamadas de emergência que, como outros comentaram, não funcionam cá.
            Outra questão o sistema de informação do SNS, nomeadamente portal da saúde, pode interagir os sensores de sinais vitais e o histórico gerado?
            Deixo a dica para um artigo dedicado a explorar estas dúvidas. Obrigado.

  3. lapizazul says:

    Another day, another BS…

  4. Rui Garcia says:

    Uso desde ano passado e ofereci também à esposa o SE. Se não era grande adepto de relógios e pulseiras hoje já não passo sem ele e tudo por uma situação parecida com esta num amigo. Se foi isso que lhe salvou a vida não sei mas foi esse relógio que o alertou para um problema que poderia ser muito grave. É um rapaz novo na casa dos 50 anos. Mas tinha um problema de bradicardia. Se não fosse o alerta do relógio ele nem sabia que o tinha.

  5. Filipe C says:

    Mais um caso preocupante da dependência tecnológica vs racionalidade.
    A mulher ignorou as dores e sintomas que teve em vez de perguntar se calhar ao marido se isso era normal ou ligar a um médico, mas se um smartwatch diz que ta com coraçao acelerado ja pensa duas vezes. Foi-lhe mais importante o que um smartwatch dizia, do que o que ela propria sentiu consigo mesma.
    Sem duvida que os smartwatches modernos ajudam a alertar as pessoas, mas é assustador quando o desprezo que o ser humano dá aos sinais do seu proprio corpo, sao substituidos pelo valor que dao ao que diz um adereço eletrónico.
    E mais uma vez foi nos EUA, mais uma vez quem ”salvou” foi um dispositivo eletrónico em que se dá enfase a uma marca e não aos médicos, e claro achar que estas noticias nos EUA sejam mais propagandas e marketing do que algo útil que deva ser noticia.
    Se calhar daqui para a frente, esta senhora se tiver uma dor de cabeça forte vai ”confiar” no smartwatch, ver que esta tudo bem e pensar que é so uma dor de cabeça porque o dispositivo eletrónico para ela tem mais valor que os sinais do corpo, e depois aparece com um aneurisma cerebral que não é detetado pelo tipo de sensores dos smartwatches.

    Dispositivos eletronicos são muito bons e muito usados no desporto, mas valorizar eles mais do que o que o nosso corpo nos diz, é um erro grande da sociedade mais moderna.

    • Vítor M. says:

      É um facto. Mas a tecnologia ganha sentido por causa das falhas humanas. Se conduzíssemos bem, os sistemas de segurança e de assistência ao condutor não faziam sentido. É como esse, mil outros exemplos.

      Sempre foi a incapacidade humana, a inabilidade das pessoas e outros fatores restritivos que deram um forte impulso ao desenvolvimento da tecnologia.

    • FreakOnALeash says:

      Acho que estás a castrar demasiado a utilidade do aparelho. Eu, tive Covid 19, os meus sintomas foram tão ligeiros que desconsiderei por completo, só soube que tinha tido a doença depois de fazer um teste de anticorpos umas semanas depois. Os sintomas de enfarte e outros ataques são muitas vezes imperceptíveis a quem o sofre, nomeadamente no sono, isto sem falar nos mini AVC em que a pessoa pensa que pode ser simples fadiga.
      Acho que bem te eduques a documentar e a tratar cada sinal que o teu corpo de dá, mas muitos de nós, às vezes com a lufa lufa da vida nem ligamos!
      Disclaimer: Não tenho nenhum aparelho da Apple.

  6. Joao says:

    Imagino pessoas sentido dores no peito e ficando em casa porque o relógio não avisou nada alterado

  7. rm says:

    Cá em Portugal se alguém fosse às urgências em situação idêntica começavam a rir-se.

  8. IKAROS says:

    Nos EUA um Apple Watch é um ótimo investimento. Além de provavelmente até te baixarem o seguro de saúde, as idas ao sistema de saúde são brutalmente caras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.