Quantcast
PplWare Mobile

Devemos deixar os carregadores do smartphone na tomada?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Luis M. says:

    A luz da tomada também consome, eu repetia os testes numa tomada sem luz.

  2. João says:

    “Curiosamente, mesmo não estando a ser usados, os carregadores estavam a consumir 0.3 watts.”
    Não sei se as imagens são retiradas do artigo onde se basearam para fazer este, mas caso estejam não pensaram que estes 0.3 watts possam ser do interruptor com um led que esteja a consumir? Os carregadores estando ligados consomem energia, ou pelo menos durante um pequeno período de tempo. Mas 0.3 watts? Acho um valor um pouco exagerado.

    • Pedro Pinto says:

      Sim, mas mesmo assim o valor é muiiiiiiiiito baixo.
      No entanto, o autor do estudo refere também o seguinte “The power strip itself — despite its red LED light — registered 0.0 watts when we plugged it in”

      • Luis says:

        Acho que o artigo não se trata se o consumo é baixo ou não, mas sim se consome energia.
        Logo o teste não foi bem feito, houve erro da vossa parte.

        • Pedro Pinto says:

          Erro de quê? O teste mostra que há consumo (apesar de insignificante). No entanto, tal valor em milhões de casas já dá um número jeitoso. Qual a tua dúvida?

          • Vítor M. says:

            A dúvida dele é não ter percebido.

            Faltam imagens para ilustrar que em cada casa, por mais irrisório que seja este consumo, somadas milhares de casas, durante um ano, dá um valor grande… mas não colocaste isso numa imagem.

          • Luis says:

            Não precise de ser agressivo. A minha dúvida está na afirmação que fez em cima com letras bem grandes. Afinal quanto consome…..
            No final de contas ficamos todos na dúvida se consome ou não dado que o vosso erro foi testar numa tripla com uma luz. Aí está o vosso erro e aí ficou a minha dúvida. Consome ou não …..???

          • Luis says:

            As letras grandes diz ” Quanta “energia” consume um carregador quando não está em carregamento?”

  3. R!cardo says:

    Misteriosamente o led da tomada não consome energia por estar ligado? É tudo culpa dos carregadores?

  4. Jorge Castro says:

    Bom, penso que se deixarmos um carregador ligado na tomada mas sem estar a carregar nenhum dispositivo, não haverá qualquer problema em termos de consumo. Mas, por questões de segurança, acho que devemos, especialmente se em casa tivermos crianças pequenas, como bébes que gatinham e mesmo até aos seis anos, de retirar o carregador da tomada, não vá o bébe meter a ficha na boca sem que nós nos aprecebamos e apesar da voltagem ser pequena, pode ser suficiente para causar dissabores nas nossas vidas.

  5. Miguel says:

    Segundo o que consta nas tomadas com interruptor luminoso, essa lâmpada é de neon, e anda entre os 0.10w e os 0.5w (dependendo da dimensão/fabricante) portanto acho que o que realmente foi medido aí deverá ser 95% da lâmpada e o resto a própria resistência interna da soma dos carregadores colocados.

  6. krabyweb says:

    O primeiro teste de um carregador, será igual ao do segundo teste com 6 carregadores. A diferença é que utilizaram uma régua com led e os 0,3W que aparecem no teste são relativos ao consumo do led.
    Portanto meus amigos, com 52 anos de idade e 36 de profissão em engenharia electrotécnica, qualquer aparelho ligado à corrente desde que não tenha componentes de consumo , que é o caso de um carregador ou outro aparelho electrónico que tenha o “botão” power , não tem qualquer consumo eléctrico.
    Esclarecido ???

    • João says:

      então um carregador de pc é igual??
      obrigado

    • Nuno says:

      É caso para dizer que por muita experiência que se tenha, podemos sempre dizer asneiras!

      • Telmo M. says:

        +1 eheheh Se o engenheiro agarrasse um multímetro e medisse a corrente, iría perceber que há de facto uma corrente residual. É mínima no entanto.

    • Luís says:

      Tenho que concordar com o Nuno. Por muito pouco que estes dispositivos gastem em standby quando comparados com outros equipamentos aqui referidos na secção de comentários, têm que gastar sempre algo. São fontes de alimentação que regulam a sua saída, esteja lá alguma coisa ligada ou não. Não se podem simplesmente desligar e deixar de consumir. Se assim fosse, teria que haver um método para ele próprio saber quando voltar a ligar… Podem até ter técnicas para gastar menos quando necessário, como é o caso de carregadores de alguns computadores HP, mas nunca consomem zero

    • Fábio says:

      Concordo com o Nuno. Krabyweb, somos colegas de profissão, mas eu tenho muito menos experiência, mas como saberá a própria calibração e sensibilidade do aparelho utilizado para fazer a experiência não é o mais indicado, no entanto, se utilizar um amperímetro com boa precisão e o colocar em série com os carregadores vai ver que vai observar uma corrente. O consumo é muito baixo como esta experiência já o demonstra, mas existe

    • tab says:

      Basta uma única resistência no circuito para que exista consumo.

      • Redin says:

        A própria bobine do primário do transformador em si já é uma resistência. A energia apenas é passada por indução. Se curto-circuitarmos a bobine secundária somente esta irá sofrer danos, embora a ação do calor e do incidente provoque também danos colaterais.
        Enquanto ainda em curto-circuito, pode-se dizer que o transformador está em débito excessivo, mas este consumo se é feito por indução, como é que poderá afetar o comportamento do primário em termos físicos e eléctricos? Não deverá o consumo de um transformador consumir o mesmo seja ele em uso ou em vazio?

        • Redin says:

          Deixem-me aqui fazer um aparte… Estou obviamente a referir-me a transformadores convencionais de bobines primário e secundário, o que me leva exactamente a considerar que não irá entrar neste contexto se os transformadores dos telemóveis e equivalentes se estiverem a funcionar com transformadores comutados e com conceitos diferentes.

  7. NewJ says:

    Já a box da NOS gasta 13w em standby!!

  8. Joao Magalhães says:

    A única coisa que o transformador faz é transformar a energia,se não estou em erro de 230ac para 24dc, se não estiver ligado a nada que vá buscar essa energia então o consumo vai ser 0

  9. Jose Simoes says:

    Depende dos carregadores, como regra quanto mais recentes menos vampiram.

    Já outras fontes (fontes de discos externos, por exemplo) consomem mais é de esperar que com a evolução consumam menos.

    O mesmo com a box. Algumas (antigas) consomem muito (e algumas – a minha – consome o mesmo ligada e em stand-bye). Com regra quanto mais recentes menos consomem.

  10. João Martins says:

    Ora revejam lá a parte da conclusão que estou à nora com aqueles preços (errados). No entanto fico feliz pelo desmistificar disto ^^

  11. Cristiano says:

    Chama-se efeito de histerese que faz com que qualquer primário ligado a uma corrente consuma.
    Mais ciencia, menos bitaites

    • Nuno says:

      Não há “primário” em nenhum destes aparelhos, não tem transformador de enrolamentos. As perdas por histerese, eram significativas nas fontes antigas que usam transformadores convencionais, de ferro. Agora é tudo fontes comutadas, SMPS, que embora tenham bobines, tem a maioria das perdas por outros mecanismos.

    • Luís says:

      Tem toda a razão. Mas nestes testes estão a ser testadas fontes de alimentação comutadas onde a maior parte da energia consumida sem carga na saída é na chamada corrente quiescente. Por outras palavras, há uma corrente mínima que tem que alimentar continuamente o circuito e continuar a regular a saída a 5v.

  12. Arlindo Oliveira says:

    Há dois tipos de carregadores: um chamado por transformador e outro por fonte de alimentação.
    No primeiro caso é constituído com um transformador físico redutor de entrada de 220 voltes, ao estar ligado à tomada está sempre em consumo.
    No segundo caso o alimentador é constituído por circuitos e componentes de electrónica que só entram em modo activo quando há consumo na sua saída.
    Relativamente ao consumo do Led, devemos considerar irrelevante o seu consumo, os construtores não desactivam o Led ( quando existe) nestas fontes de alimentação para que o utilizador se aperceba da sua ligação à tomada e assim verifica que está pronto a fornecer energia ao equipamento, dando-lhe como garantia que está em boas condições, o que nem sempre isso é verdade.

  13. Sam says:

    Atenção às contas. Se o custo médio de 1kWh é 0,18€ então o custo dos 6 carregadores que consomem anualmente 2,628kWh é 0,47€.

    • Mário Sobral says:

      O maior problema não é o baixo consumo dos carregadores, ou de outros equipamentos, quando estão em stand-bye, que pesa na factura final. O que é elevado são os impostos, taxas e taxinhas que os fornecedores cobram.

  14. Mylittlelife says:

    Falam dos consumos mas esquecem-se de referir o mais importante: durabilidade ligado à corrente.

    Estando ligado desnecessariamente está a trabalhar nem que seja por um Led ou resistências intensas e o risco de queimar mais alto.

  15. joao says:

    0,3 watts=220*I pelo que i=0,0013 amps o que so pode ser o consumo do led.

  16. paulo says:

    Chama-se a isso energia reativa

  17. Tiago says:

    Eu sei que é um pouco off-topic (não integralmente) mas os extenders de Wi-Fi são assim tão maus em termos de consumo de energia como dizem por aí? Os da tp-link dizem gastar 3w, isso é muito?

  18. sakura says:

    ui..hi. 6 carregadores eu gostava era de saber qual o fator de potencia…….. isso não é AC/DC <-banda de rock.
    de todas as formas o consumo "" é pouco significativo"" mas invalida o teste.

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Fator_de_pot%C3%AAncia

    • Manel says:

      Eles estão a medir potência activa. Se medissem a corrente é que precisavam do FP. O que pagas em casa é a potência activa

      • sakura says:

        “”Eles estão a medir potência activa””

        isso não é uma rede linear, (diodos) o teorema de Fourier não é valido.

        o aparelho de medida não tem “”capacidade”” para medir a corrente, I=Z*I e Z!=jLw ou j/Cw. naõ linear.

        “o que pagas em casa é a potência activa”
        quando se calibra o contador para cos pi=1 É.
        mas………..

  19. Kaynrath says:

    Obrigado pelo artigo 🙂 muito útil

  20. Nuno says:

    Isso está regulado. Podem ver que a maioria dos “transformadores/carregadores” tem um “V” a indicar a classe de eficiência. Brevemente terão de ser “VI”.
    Um típico carregador de telemóvel tem de consumir menos de 0.3W quando está desligado. Um de portátil pode consumir até 0.5W.
    Com a norma VI esses valores passam a ter máximos de 0.1W e 0.21W, respectivamente.
    Há mais factores a considerar para alem do consumo de energia, como a redução da vida do aparelho.

  21. jorge says:

    As tomadas como sinalização usam lâmpadas neon, são usados LED quando inclui mais algum circuito tipo de proteção ou sensor de consumo.

    Estar ligado todo o dia não implica desgaste ou perigo de queimar porque foram projectados tendo isso em conta. É mais prejudicial estar a desligar e a ligar porque o aquece/arrefece afecta os componentes electronicos ao longo do tempo de uso.

  22. Rui Lucas says:

    Aquece? Se aquecer gasta. Simples.

  23. João Tavares says:

    Boas, mas será bom para os próprios carregadores estarem sempre ligados à corrente? Assim como por exemplo o portáteis estarem sempre ligados à corrente? (Em termos de desgaste)

  24. José Moreira says:

    Bom, deixei o carregador do telemóvel ligado SEM telemóvel, por duas vezes: a primeira e a última. Porque quando voltei a tentar carregar, o carregador tinha pifado. Conclusão (minha, naturalmente) :até pode não gastar muito, mas não me parece nada saudável.

    • PF says:

      Como é que isso é possível? Tenho e tive dezenas de carregadores, alguns a funcionar à mais de 10 anos, e nunca ouvi falar num carregador pifar à 2ª vez que foi ligado à tomada..

  25. Hugo says:

    Mas isso nao depende dos transformadores usados? é que dependendo das marcas ou das versoes brancas, um transformador normal consome sempre energia mesmo que nao esteja em carga no terminal de saida! o que pode haver agora nos carregadores das marcas mais conceituadas, é terem electronica que corte a energia assim que detectem o fim de carga dum telemovel ou qdo é desconectado o tlm do carregador…
    ..Mas fora isso ainda ha as cargas que possam existir se o tlm continue ligado ao carregador mesmo muito tempo após ter efetuado a carga do tlm, ha ou nao ha consumos nestes casos? ha quem diga que o software do tlm corta tb a carga do carregador para que este nao esteja sempre a tentar carregar o tlm, ha quem invente cabos que ligam o carregador ao tlm que fazem isso internamente (é estranho é esses cabos possuirem luzes e iluminaçao que às tantas tornam a tecnologia de baixo consumo, pouco ou nada de baixo consumo!) e saber se todos os tlms conseguem “desligar-se” ao carregador após bateria carregada ou só alguns?…
    Era interessante era fazer-se testes com varios tlms e varios carregadores, e até testes de consumos dos aparelhos de medição de consumos, pois mesmo que tenham baterias ou pilhas internamente, ha muitos que podem usar a corrente da tomada pra fazer as mediçoes e logo pode haver consumos mesmo associados a esses aparelhos de mediçao!..

  26. Filipe says:

    Um teste bom seria a das boxes das tv por cabos… mtos penso eu apenas desliga a tv e a box so dp de algum tempo se desliga.. poderiam fazer as varias simulaçoes…

  27. M.Fontes says:

    Tenho uma máquina de café Krups manípulo desligada (sem o led ligado), só com a ficha. E consome vários watts, tipo 6 ou mais. Tiro sempre a ficha.

  28. Invision says:

    Já tinha visto um teste semelhante…eu deixo sempre o carregador na tomada, não justifica o trabalho de estar a tirar e a por

  29. Daniel says:

    Podiam era fazer os testes para os novos carregadores wireless, tenho dúvidas de como funcionam, será que só gastam quando detectam o telemóvel ou estão sempre com o campo magnético ligado?

  30. Flash says:

    Estes leitores de consumo são na sua esmagadora maioria são pouco sensíveis. Para efectuar um teste fidedigno teria de se usar um equipamento mais sensível e sem uma tomada mas por leitura directa, até porque à um teste simples que todos podemos fazer em casa que prova que à consumo e o teste consiste em tocar no carregador, e na esmagadora maioria dos casos o mesmo está “quente” isso devesse no facto de um carregador não ser mais do que um vulgar transformador eletrifico e como tal ter todo um circuito interno de transformação de 220v para o valor requerido pelo smartphone, e como toda a gente sabe à resistividade eléctrica nestes equipamentos como tal gera energia na forma calorifica e como o ar não é de certeza que provoca este aquecimento significa que por muito baixo que seja o consumo o mesmo existe, individualmente o mesmo é quase inexistente mas se o multiplicarmos por milhões ou biliões a coisa já muda, nestas coisas temos que pensar como um todo e não individualmente.

  31. Kelvin says:

    O meu eu queimou de deixar na tomada sem o celular conectado

  32. vpr127 says:

    O pior é o risco de incêndio. Apesar de não estarem a carregar o telemóvel, mas por estarem ligados a corrente eléctrica muito tempo podem incendiarem-se e destruírem uma casa. Isto já ocorreu tantas vezes, e eu já presenciei uma, por isso devem ter cuidado quando deixam estes e outros equipamentos muito tempo ligados á corrente eléctrica.

  33. Asdrubal says:

    O consumo é do LED.
    Não havendo circuito fechado, não há electrões em movimento, logo não há corrente, consumo 0.

    • Hugo says:

      um transformador por si só é ja um circuito fechado.. agora se os carregadores ja teem electronica pra cortar mesmo a fonte do transformador ja é outra conversa.

  34. André says:

    E o desgaste que provoca nos carregadores de estarem 24/7 ?~
    O tempo de vida útil ?
    se um carregado ao fim de 2 anos for à vida…
    20 – 50€ … dependendo da marca/modelo.

  35. JoséP says:

    As fontes de alimentação mais antigas eram pesadas e volumosas porque, no seu interior, se encontrava alojado um transformador de núcleo magnético, tipicamente em ferro laminado.
    Este elemento tratava da conversão de 220 Volt AC/50Hz em tensões mais baixas: 24, 12, 6 Volt (ainda em AC/50Hz). A eletrónica a jusante tratava da conversão em DC (ponte de díodos) e respetiva estabilização (condensadores, transístores).
    O consumo destas fontes em vazio resumia-se às correntes residuais dos enrolamentos do tranformador e dos circuitos eletrónicos de conversão e estabilização em DC.

    As fontes modernas são substancialmente diferentes. Foi eliminado o elemento pesado e volumoso – o transformador.
    São totalmente constituidas por elementos eletrónicos que tratam de todo o processo – redução dos 220 Volt AC para os agora típicos 5 Volt DC das portas USB.
    O próprio princípio de funcionamento é muito diferente. São realizadas todas as operações com circuitos comutados (daí chamarem muitas vezes a estas fontes “Fontes comutadas”), com osciladores em frequências elevadas.
    Em funcionamento normal, estas fontes em vazio consomem praticamente zero, mas não é zero absoluto. Temos sempre presente os 5 Volt DC na saída, estando os circuitos comutados em funcionamento.
    Na minha opinião, um funcionamento permanente destas fontes, seja em carga ou em vazio, provoca um desgaste adicional nos componentes eletrónicos. Em caso de funcionamento deficiente, começam a aquecer mais do que o normal e a consumir mais. Para além disso, esse funcionamento deficiente está tipicamente associado a um aumento do ruído eletromagético dos circuitos em oscilação a frequências elevadas, que causam interferências, por exemplo, em circuitos ADSL. Muitas pessoas queixam-se de baixa velocidade na internet suportada em ADSL e nem suspeitam que a fonte do ruído interferente está dentro de sua casa.
    Experimentem aproximar um receptor de rádio em AM duma destas fontes. Pode ser a fonte de um PC, duma BOX de TV, ou outra qualquer. Experimentem o ruído em vazio, sem nada ligado na saída, e depois em carga. É interessante o ruído eletromagnético que temos em casa, sem darmos conta.

    • vitor says:

      se temos sempre 5V na saída desses transformadores e os circuitos electrónicos sofrem desgaste mesmo em vazio, como é que o consumo é “praticamente zero”?

    • vitor says:

      e relativamente ao ruido no sinal adsl, como é que se evita/livramo-nos desse ruido? evitar ter varios transformadores ligados na mesma tomada do transformador do router? ou evitar ter por perto esses transformadores?

  36. Renato Barbosa says:

    o carregador do meu portátil já medi uma vez e desligado do pc consome 3…4w

    Tenho uma lâmpada led na sala só para dar conforto ao ver tv, consome 3w 🙂

  37. neri says:

    Até há pouco tempo, tinha um transformador de uma powerbox que em standby que gastava quase 7W… :/
    Tenho todos os equipamentos da sala e escritório ligados a tomadas com interruptor o qual está desligado sempre que não estão a ser utilizados… adoptei esta politica há 1 ano… não há cá standby para ninguém…poupança média de 10€/mês na factura da electricidade!

  38. Daniel says:

    Os carregadores hoje em dia usam fontes comutadas, que se chamam na giria técnica conversores AC-DC, alguns possuem vários estágios de conversão, filtragem, regulação estabilização, protecção e controlo. Dependendo a complexidade da fonte e funcionalidades integradas, existe sempre consumo para manter esses circuitos em funcionamento, mesmo sem a fonte estar em carga. Mas é um consumo minimo na ordem normalmente das dezenas de miliamperes ou até menos.
    No teste o aprelho que é usado para medir, aparentemente tem uma resolução simplesmente demasiado elevada para medir a potencia instantanea com uma corrente de miliamperes a 230V. Logo o teste é comprometido pelo tipo de aparelho que não é o indicado. Qualquer pessoa que tenha frequentado formação na área da electriciadade estudou que em instrumentação electrica se deve de usar aparelhos de medida calibrados ou com capaciade de serem ajustados a uma escala o mais próxima possivél da grandeza que se vai medir!
    Isto serve simplesmente para reduzir o erro de media e aumentar a precisão da mesma!
    Conclusão, teste com pouca ou nenhuma credibilidade do ponte vista técnico cientifico, com resultados extrapolados a partir da presunção de algo que não se consegiu apurar com a experiencia prática!

  39. Manuel says:

    Para fazer um teste desta natureza não podemos usar um destes contadores de energia! A precisão é baixa e têm normalmente erros de leituras com baixa corrente. Estes contadores de tomada são interessantes para ter uma ideia se o meu aquecedor gasta 1000Wh ou 2000Wh, mas não para isto…

  40. Maria says:

    O meu problema não é se consome energia ou não, pois se consumir, é um valor mínimo. O problema é se o carregador pode ficar danificado mais rapidamente por estar sempre ligado à tomada. Essa é a minha dúvida!

  41. Fernando Santos says:

    Boa tarde
    caros anmigos
    Como eu sou do tempo em que um kilo de arroz custava um 20 centavos
    tudo o que esta ligado a uma tomada de corrente tem consumo.
    E respondo com a velha máxima para quem não sabe qual é a energia mais barata.

    Eu repondo :

    Veja a resposta mais abaixo

    É a que não se consome.

  42. Miguel p says:

    Olhem para as vossas faturas e já vêm onde está o consumo. Quase tudo são taxas e taxinhas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.