Quantcast
PplWare Mobile

Empresária desenvolveu painéis solares verticais para varandas

                                    
                                

Autor: Ana Sofia Neto


  1. CF says:

    600W de potência de pico por esse preço?
    Melhor comprar energia da rede o resto da vida.

  2. Pedro says:

    Resta saber se com o ângulo tao reto apanha sol de forma eficiente. Não creio.

    • Realista says:

      Por ser portátil, sempre podes pegar nos painéis e colocar no telhado.

      • k says:

        Se tiveres telhado. Num apartamento nem sempre podes fazer isso. Ainda pior se for alugado.

        • Realista says:

          Melhor sendo arrendado (alugar é para bens móveis), porque podes usufruir e levar contigo para outra casa…

          A instalação dos painéis fixos no telhado acarreta alteração das características pois é preciso furar telhas e laje para fixação e passagem de cablagem e portanto considera-se como uma solução mais permanente. Sendo arrendado, corre-se o risco de investir em painéis e depois ter que se sair e deixar o investimento para trás. 🙂

  3. João Cartaxo says:

    Já há quem tenha isso em Portugal.. Mas não dessa marca…

  4. Joao Ptt says:

    E o impacto ambiental da produção desses painéis solares, não querem falar disso também?
    Tudo tem impacto ambiental.
    Agora para independência energética faz mais sentido, em especial se conseguirem meter daquelas baterias que duram uns 85 anos ou coisa parecida sem degradação assinalável na capacidade de armazenamento… mas como tais baterias não interessam à indústria deverá ser difícil ou mesmo impossível obtê-las, e assim é difícil/ impossível rentabilizar painéis solares porque não dá para utilizar o excesso quando não existe luz solar.

    Painéis solares só são bons se forem outros a oferecer e a pagar os custos todos, do contrário nunca conseguirão rentabilizar a sério o investimento. Pelo menos do que vi até agora, depois de calcular a capacidade, custos de instalação, manutenção, e depois comparar com o equivalente na rede eléctrica chego sempre à conclusão que ou não se poupa nada ou é tão pouco que não compensa. Para quem quer fazer essas despesa para ter alguma independência energética, a conversa é outra. Desde que não tenham ilusões quanto a ser rentável até sou a favor para essa finalidade.

    • Mr. Y says:

      Tens de refazer as tuas contas. Desde quando é que os paineis não compensam?
      Com as campanhas que há neste momento, na maior parte das vezes, o que poupas mensalmente de luz ao usares os paineis pagam o crédito (ou perto disso). Depois do crédito liquidado é só lucro.

      • Mr. Y says:

        Agora os paineis só fazem sentido se os usares, como é lógico.
        Compensará mais se usares os electrodomésticos (máquinas de lavar, fogão, etc) durante o dia, se possível só um de cada vez. De contrário, terás de ter uma bateria que armazene a energia que é criada durante o dia. Aí são outros quinhentos e o investimento terá de ser maior.

      • Manuel da Rocha says:

        As poupanças são MUITO MUITO exageradas pelos vendedores.
        Pagava 94 euros mensais em electricidade. Pedi um orçamento que deu 97% de viabilidade (qualquer coisa cima de 60% dizem ser óptimo, como tenho 15 horas de sol diário virado a sul, estou ao nível das melhores centrais solares). Paguei 1330 euros por 2 painéis. (Não quis aqueles “super mega descontos” das operadoras.) Primeira desilusão, não recebi a compensação do fundo ambiental, pois tinha-se acabado a verba. Depois precisava pagar 2000 euros a um escritório de advogados para me emitirem um documento autenticado, para poder receber… 814 euros.
        Segundo a informação dada pelo vendedor/instalador, iria poupar 28 a 32 euros mensais de electricidade. Neste momento pago 72 a 83 euros. Nos melhores meses poupo 22 euros. O normal fica abaixo dos 10. Bate certo com a garantia dos painéis, que é de 8 anos… os 8 anos que demoram a ficar pagos. Depois é verdade que devo continuar a poupar os 15 euros mensais (média) de electricidade, até aos painéis pifarem (18 a 25 anos, segundo a documentação). O que é um “lucro” a muito longo prazo.

        • Nuno says:

          Porra paineis com garantia de 8 Anos?….QUE LIXO. 2 Paineis ? dois paineis de quê? 400 watt cada? Faz 800 PICO? 800 watts gasta uma torradeira… Um micro-ondas gasta logo 1000 e tal…se tiver placa de vitro ceramica então…meu amigo. Ou seja, o que você tem dá para as luzes, e uma maquina de lavar loiça com sorte, e em PICO.

        • Mr. Y says:

          No meu caso, estou a pagar uma prestação de 26€ (48 meses) por 3 paineis e a factura mensal (crédito incluído) continua a ser mais ou mesmo que era ou até um pouco abaixo: 65-70€ (um pouco mais no Outono/Inverno). Ou seja, os paineis estão a pagar a prestação. Depois será, no mínimo, 5 anos de lucro caso os paineis funcionem durante 8 anos.
          Também não consegui obter a compensação do fundo ambiental por estar a pagar em prestações. Acho o critério um pouco absurdo mas tudo bem. Aí ainda sairia mais barato.

        • freakonaleash says:

          É por testemunhos destes que eu duvido muito deste negócio dos painéis solares e das tão propaladas poupanças e apoios de fundo ambiental. Bem haja pelo seu comentário.

  5. B@rão Vermelho says:

    É uma ideia interessante, estou a construir casa neste momento e pode ser uma ótima solução para os gradeamentos das varandas

    • Manuel da Rocha says:

      Existem opções de “telhas solares” mais barato ou mesmo montar logo os painéis para fazerem parte do telhado, que ficam mais em conta que o preço destes.

      • B@rão Vermelho says:

        Hoje em dia é obrigatório o aquecimento solar para aquecimento de águas no meu concelho de residência, eu vou colocar no telhado e até estou a pensar colocar também uma eólica, e algumas baterias a minha zona de residência é bastante ventosa principalmente no período noturno.
        Já agora consegue partilhar link das telhas solares que mencionou?
        Obrigado

        • GM says:

          Não é no seu concelho, é em todo o país, melhor, em toda a Europa abrangida pela EPBD. E, em Portugal, é desde Julho/2006. Actualmente pode substituir o solar térmico por bomba de calor para AQS. Já não tem mínimo dedicado às AQS. Depende, também, de quando o projecto de arquitectura foi submetido à câmara municipal. Se tiver sido antes de 1/7/2021, o que disse antes não se aplica, no que respeita ao mínimo dedicados às AQS, isto é, existe uma quantidade mínima de energia, seja de solar térmico, bomba de calor, ou outro equipamento com energia de fonte renovável, por exemplo, uma caldeira a lenha.

  6. José Orlando says:

    Ah ah lindo. Realmente a propaganda vive no meio e as pessoas não se apercebem.Esta Ideia dos painéis é insustentável e leva a falsas promessas. Se a energia solar fosse assim algo fora da caixa não acham que os países com maior exposição solar já a tinha adotado como energia principal? Quando vos vendem banha de cobra como isto do solar e da eólica é necessário perceber onde está a verdade e a parte falsa. Imaginem que temos energia solar a mais. Como não vai ser usada é um desperdício. Para qualquer negócio o desperdício tem de ser o mínimo. Daí que a energia eólica e solar tem de existir ao mesmo tempo que o desenvolvimento de armazenamento de energia a longo prazo. Depois temos a manutenção do equipamento que não é tão barata como a das outras fontes de energia já instaladas.
    Esta ideia da empresária não é nova mas é insustentável para um país como a Ucrânia cujo salário mínimo é bem mais baixo que o nosso. E a exposição solar é bem inferior a nossa por exemplo.

  7. João Ferreira says:

    Qual o nome da empresa? valores?

  8. ManAugusto says:

    é memo boa… bem boa esta ideia!

  9. Rui Peixeiro says:

    Ideia boa, mas demasiado caro!

    600W max na saída do inversor, painéis de 640, que montados na vertical vão ter uma produção inferior que em posição ideal, … é pena.

    • Manuel da Rocha says:

      É uma opção para apartamentos. Para um prédio, o investimento em painéis solares (e estações carregadoras para carros), ultrapassa o milhão de euros. Dividir por 50 apartamentos… dá 20000 euros por casa. Já pensou em ter de desembolsar 20000 euros para o seu condomínio, em poucos meses? Ou 30000 euros em 5 anos, em prestações, para pagar a instalação e o crédito?
      Se for uma casa que tenha sol das 9 ás 13, 4 horas dá para poupar 5 a 8 euros, mensais, de electricidade, se lá concentrar a utilização dos equipamentos mais consumidores (como microondas, fogão e máquinas). O mesmo se for uma varanda, voltada a poente e que tenha sol das 15 ás 21 (no inverno são menos 3 horas).

  10. Necas says:

    Pior de tudo é que em Portugal não serve pois não se recebe créditos de energia ao colocar a essa energia produzida durante o dia na rede pública.

    • Mr. Y says:

      Dá para vender à rede. Agora se compensa é outra história…

    • AJMS says:

      Atualmente recebe parte do que injeta na rede, net metering. De jan a junho 2022 injetei 256kWh na rede dos quais 203kWh foram usados (devolvidos) para abater no meu consumo da rede. Com painéis no meu caso é meio por meio no gasto de eletricidade, 47% vem dos meus painéis e 53% vem da rede, poupança de +/- 400€ anuais.

  11. YFTT says:

    É só publicidade a surfar a onda da Ucrânia e nem sequer há sentido crítico antes de propagar o artigo original. O que é que foi inventado aqui exactamente? Há já algum tempo que países como a Alemanha oferecem incentivos de 50% até 200€ para instalação de painéis nas varandas que se ligam directamente à rede de casa para consumo próprio (não vendido à rede). Onde é que são fabricados os painéis? Porque é que não dizem que é publicidade de uma empresa alemã que importa os painéis da China?

  12. Manuel says:

    Na minha opinião a lei devia ser diferente. O excesso produzido pelos paineis e que vai para a rede deveria ser descontado na fatura. Assim o dar e receber seria mais justo. Sem filmes, transparente.. Agora é sempre o mesmo filme que leva as pessoas a desistir logo no inicio do processo.
    Seria mais um incentivo à colocação por parte dos particulares, até porque as pessoas podem não estar em casa mas a industria está a consumir.
    Dar e receber, simples.
    Mas como disse no início… é só a minha opinião.

  13. Rafael Almeida says:

    Toda a potência fotovoltaica instalada em Portugal até à data, num dia sem nuvens, representa pouco mais de 5% no mix de produção diário. Portanto, se achamos que o solar é o futuro, se calhar nos moldes actuais, não parece ser solução. Esses 5%, à medida que cada vez mais sobe o consumo, rapidamente serão absorvidos

    • AJMS says:

      O problema é exatamente o contrário em Portugal existe ainda pouco fotovoltaico, o Mix de Fotovoltaico instalado em Espanha dava para alimentar Portugal inteiro em horas de bom sol, portanto temos muito que palmilhar em instalação fotovoltaica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.