Quantcast
PplWare Mobile

Virgin Hyperloop faz história ao completar a sua primeira viagem tripulada

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Oscar says:

    OK, logo a partida acho engraçada a porta porque não permite o acesso a pessoas com deficiencia ou mobilidade reduzida. Depois quero ver a capacidade para trafego (porque 23 passageiros) é um produto para as elites não resolve os problemas das cidades. E por último quer ver a ultrapassar a barreira dos 400 kms/hora, já há comboios a fazer isto, o TGV faz 574 (e não necessita deste investimento (tuneis).

    • Jorge says:

      Não vês a porta de mobilidade condicionada porque está em fase de testes, provavelmente quando for apresentado a versão dos terminais e o uso público deverás ter, não deves estar a espera de ver isto em Lisboa concerteza, irá ser para cidades com poder financeiro e modernas.

      • Sujeito says:

        Esse comentário não faz sentido nenhum.

        Ele disse que a porta não permite acesso a mobilidade reduzida e é verdade. Ou não viste o vídeo?

        Se há ou não uma porta extra, em testes ou não, é outro assunto. Por essa lógica podes dizer que aquilo tem tudo e mais alguma coisa, cavalos marinhos, jactos a laser etc, e que não se vê porque está em testes.

  2. Mike says:

    Elon Musk desenvolveu o quê? Sejam mais precisos!

    • Vítor M. says:

      E está totalmente correto. Até porque o que existe agora, o projeto Hyperloop lançado por uma equipa conjunta da Tesla e da SpaceX, nasceu de uma versão do conceito de Elon Musk, mencionada publicamente pela primeira vez em 2012.

      Agora, se disseres que a ideia de Musk foi fortemente baseada no vactrain de Robert Goddard… ok está certo, mas não é isto que vemos agora, em formato real. Portanto, está completamente certo o que escrevemos.

      • Mike says:

        “Elon Musk sonhou, desenvolveu e apresentou há uns anos o Hyperloop.”
        “versão do conceito”….”desenvolveu”…. 🙂

        “The Hyperloop concept has been explicitly “open-sourced” by Musk and SpaceX, and others have been encouraged to take the ideas and further develop them.”

        https://en.wikipedia.org/wiki/Hyperloop

        • Vítor M. says:

          Sem dúvida, quem fez o que ele lançou? Ninguém 😉 Isso de falar… “aa e tal houve um que disse que fazia e tal” mas na prática ZERO 😀 é conversa de fiar. O homem pode ter muitos defeitos, mas quando diz que faz, o tipo faz mesmo. Os outros até imaginaram que um dia poderiam fazer uma nave que ia a Marte…. mas não, não fizeram isso e é ele que está a fazer. Portanto, ele sonhou que um dia haveria este meio de transporte e não é que foi o único que conseguiu, até ao momento, fazer alguma cosia neste sentido! 😉

          • Mike says:

            Quem fez?
            O vosso artigo refere-se à Virgin Hyperloop. Pertence esta empresa a Elon Musk?

          • Vítor M. says:

            A cápsula faz parte do projeto. Agora foi apresentada uma cápsula, a Virgin Hyperloop, que irá circular no Hyperloop. O projeto sim, tem Elon Musk na sua base, com a Tesla e SpaceX.

      • Nuno V says:

        E que conceito de Elon Musk é esse? É que o conceito do vactrain foi inventado pelo Robert Goddard. E na realidade o conceito de Musk é basicamente idêntico a vários outros conceitos que apareceram após Goddard, como o Swissmetro. Musk copiou esses múltiplos conceitos, chamou-lhe um nome techie e é noticia de primeira página.

        • Vítor M. says:

          Mas onde estão os outros? Onde chegaram eles? A lado nenhum verdade? Pois. Portanto, quem deu corpo a uma ideia, que o equipou com tecnologia foi Musk.

          • Mike says:

            “A cápsula faz parte do projeto. Agora foi apresentada uma cápsula, a Virgin Hyperloop, que irá circular no Hyperloop. O projeto sim, tem Elon Musk na sua base, com a Tesla e SpaceX.”

            Em que participaram a Tesla e Space X neste projecto só para todos perceberem?

          • Vítor M. says:

            No desenvolvimento da estrutura, por exemplo (além de ter desenvolvido o projeto para que agora tenha investidores). A SpaceX esteve no pontapé de saída em termos do projeto físico (assim como detém a marca Hyperloop). A Tesla tem igualmente projetos na área, como mostrou com o Tesla dentro do tudo, há um vasto número de ligações entre as marcas de Elon Musk com o Hyperloop. Basta pesquisares.

          • Nuno V says:

            Todos eles ficaram na parte do projecto porque o vactrain simplesmente não é viável. É uma ideia muito boa na ficção científica, nem tanto na realidade. Certamente que a ideia vai encher os bolsos de musk através de contratos com dinheiros vindos do erário público, mas no fim não vai cumprir o que prometeu.

          • Vítor M. says:

            Poderá ser, mas não achas estranho, uma lista tão vasta de investidores, não tenham feito o trabalho de casa, até darem conta que não seria viável? Acreditas que estas empresas estejam a gastar milhões (porque não deve ser nada na ordem dos milhares de dólares), simplesmente para chegar a um ponto e dizer “desculpem lá, mas não funciona”?

          • IonFan says:

            Nuno V, não percebo como é que algo apelidado de open source e onde nenhuma da empresas do Elon Musk está a desenvolver projectos comerciais, pode “encher os bolsos de musk”, e muito menos “através de contratos com dinheiros vindos do erário público”…

            Outra coisa que não percebo é esse teu cepticismo por tudo o que vem remotamente dali. Podes apontar à vontade tudo o que o Elon Musk prometeu e (ainda) não cumpriu, mas estás a esquecer te de tudo o que prometeu e cumpriu.

          • Nuno V says:

            @IonFan
            Musk apenas tornou open-source o conceito, não as tecnologias.

            O meu ceticismo é porque Musk comporta-se muitas vezes como um charlatão sem qualquer problema em propagar ideias que não passam de banha de cobra, bem como não têm qualquer problema em mentir para milhões de pessoas se a necessidade surgir.

    • Andre says:

      Exactamente. Ele não desenvolveu, apenas criou o conceito em “open source” para que outras empresas invistam e desenvovam.

      • Vítor M. says:

        Ele desenvolveu, pois está (com as suas empresas) inteiramente neste projeto. Nunca ninguém chegou a este estágio do projeto.

        • Andre says:

          Segundo a wikipedia as empresas a desenvolver o hyperloop são as seguintes:

          1. Virgin Hyperloop One
          2. Hyperloop Transportation Technologies
          3. TransPod
          4. DGWHyperloop
          5. Arrivo
          6. Hardt Global Mobility
          7. Zeleros
          8. Hyper Poland

          Só para que fique claro, qual das “suas empresas” desenvolveu e pertence a Elon musk?

          • Vítor M. says:

            Esses são os investidores no projeto. São esses que referi como sendo investidores de milhões. O desenvolvimento da estrutura, assim como os primeiros veículos dentro do canal têm o patrocínio da SpaceX. Por exemplo, a marca Hyperloop é detida pela SpaceX, além de estar ligada ao contínuo desenvolvimento com parcerias com ao MIT, entre outras entidades. A Tesla tem igualmente interesses, apresentou mesmo ideias para usar os carros neste tipo de estrutura e está na raiz do que está agora a ser desenvolvido, através do seu CEO. Não pode estar em todos os lados.

            Agora, como referi, havendo um leque de investidores como esses, ainda acham que será um projeto para deitar fora? 😉

          • Vítor M. says:

            André, entretanto, com mais tempo, fui de facto ler umas coisas e, no site da Virgin Hyperloop tem as empresas e consórcios que fazem parte desta empresa. E como eu já desconfiava, Elon Musk efetivamente está no negócio.

            Portanto, se fores ver, há um consórcio que se chama 137ventures.com… vê lá se não está Mr. Musk com uma das suas empresas 😉

          • Cortano says:

            Investimentos!!
            bolha dot.com diz alguma coisa?!?

    • Vítor M. says:

      Bom bom desafio para Musk, que normalmente gosta desses desafios….

      • Nuno V says:

        Pois, Musk se calhar até vai violar as leis da física.

        • Vítor M. says:

          Dizem o mesmo do Semi, e para já o homem continua a melhorar o produto para o lançar ao mercado. Portanto, ele está a fazer o que os outros não fizeram, apesar de abanarem com as leis da física. E quem está lá a meter milhões, são tolos queres ver? 😀

          • Nuno V says:

            Lamento Vítor mas estas a ir numa tanjente. Quem é que disse que o semi ia violar as leis da física? Estás a inventar e a tentar traçar uma falsa analogia. Mas não me estranha vindo de ti.

          • Vítor M. says:

            Isso nunca 😉 tens é de acompanhar o mundo da tecnologia em todo a sua dimensão meu caro 😉

            A posição de Daum e, logo, da Mercedes é que se as leis da física são iguais para todos, o Semi teria de possuir uma bateria de 960 kWh para percorrer 800 km com 23 toneladas. Como puxa 36, teria de passar confortavelmente os 1.000 kWh. Ora isto implica custos e peso, não fazendo sentido o Semi deslocar-se de um lado para o outro apenas para passear as baterias. E os clientes que já sinalizaram o tractor da Tesla não o teriam feito sem estarem confortáveis com um dado que ainda não foi tornado público: qual é a massa das baterias do Semi.

            Se a Tesla for capaz de cumprir o prometido, nós compraremos de imediato dois Semi: um para desmontar e ver como é possível, e um segundo para testar, pois há obviamente algo em que falhámos por completo”, disse Martin Daum aos jornalistas.

            O exemplo que te dei foi o facto das leis da física serem “chamadas a capítulo” em vários momentos e depois as coisas não são bem assim. E tu, como normalmente estás distraído, não percebeste. mas é uma questão de estares atento ao mundo.

          • IonFan says:

            @Nuno V., ele está a referir se a declarações de um executivo da Daimler à Bloomberg (link da Electreck porque a Bloomberg parece ter esse conteúdo pago): https://electrek.co/2018/02/21/tesla-semi-defies-laws-physic-daimlers/

          • Vítor M. says:

            😉 exatamente, mas ele não percebe porque não acompanha a tecnologia. Vindo dele, é o normal.

          • Vítor M. says:

            Elizabeth Holmes? Quem?

    • IonFan says:

      Corrijam me se estiver enganado, mas a problemática dos tubos a atravessar continentes e com grandes diferenças de pressão (ainda por cima, de dentro para fora), não foi resolvida no desenvolvimento dos gasodutos? É que alguns passam no fundo do mar a mais de 1000m de profundidade. Mesmo com muita pressão do lado de dentro, não é muito mais pressão do que a atmosfera a actuar num tubo de vácuo à superfície?

  3. Miguel Machado says:

    Nem daqui a 30 anos isto vai estar funcional para o público.
    Isto não passa de um golpe de marketing inútil, que nunca vai trazer benefícios concretos para o público em geral.
    Este projeto pega nas dificuldades de viagens no espaço e trás isso para a superfície da Terra sem grandes vantagens. Vejam o vídeo no link e aprendam qualquer coisa em vez de promover ideias idiotas, e dar lhes validade só porque vieram do Elon.
    Comboios Maglev já existem e referidos por vocês muito bem, invistam nisso e tornem-nos mais geograficamente abrangentes em vez de darem publicidade a projetos impraticáveis com benefícios quase inexistentes.
    https://www.youtube.com/watch?v=RNFesa01llk&ab_channel=Thunderf00t

    • Miguel Machado says:

      Primeiro era uma turbina que iria gerar a força necessária ao movimento, agora já pegaram em carris e tornaram aquilo num mini comboio Maglev… Da próxima vez cagam no tubo de vácuo e fazem minicomboios ao ar livre com o Marketing a gerar interesse global, são aclamados visionários pelo público….
      Enquanto os Japoneses que já usam essa tecnologia há uma porrada de anos partem-se a rir com este circo

    • Vítor M. says:

      Tu já pareces aqueles que diziam isso, mas dos carros elétricos… 😀 só conversa fiada…

      • Miguel Machado says:

        Não desvies o assunto. Se não percebes nada de Engenharia nem de física vai ver o vídeo que eu e o Bruno Gonçalves linkamos (que por coincidência é o mesmo 🙂 ). Porque aos olhos de qualquer pessoa com experiência na área consegue perceber que para o hyperloop ter fiabilidade vai convergir numa copia dos comboios Megdev e isso meu menino chama-se plágio, ou como o pessoal do Marketing diz “Rebranding”.
        O hyperloop roça o planalto de esquema fraudulento e a meu ver não deve ser promovido, porque além de ser impraticável ao nível da superfície da Terra de certeza que está a roubar fundos de outros projetos mais interessantes e viáveis

        • Vítor M. says:

          De facto não percebo nada de engenharia, nem de física, assim como quem investiu milhões, como a Virgin, os EAU parece não perceberem nada, segundo as tuas explicações e as de um vídeo no YouTube. Só falta agora passares o link de um certificado do Facebook e é mandar tudo ao Musk para ele arrumar o projeto. Os especialistas se já falaram, é chato ele estar a gastar dinheiro e tempo.

          E ele parece estar mesmo preocupado com o que o Hyperloop roça, deve mesmo tirar-lhe o sono. 😀

          • Miguel Machado says:

            tá bem, daqui a 30 anos diz-me o quanto diferente é o hyperloop de um comboio bala. Se chegarem a implementar alguma coisa

          • Vítor M. says:

            A resposta poderá ser a mesma que foi dada há 20 anos (17 e qualquer coisa, se não fica amuado) quando a Tesla disse que ia fazer um carro elétrico para substituir os carros térmicos. Alguns disseram que isso seria impossível. Portanto, se acredito que isto vá para a frente? Tendo em conta o investimento dos árabes nisto… assim como outras empresas americanas, custa-me pensar que vão deitar este dinheiro fora. Não te parece que para investirem milhões já tem de haver muito mais que um tubo de metal?

          • Miguel Machado says:

            e já agora nunca ouviste falar de investimentos de risco… até parece que qualquer projeto dá certo… “Especialistas” há muitos, cegos pela ganância também…
            e se um video do youtube não te chega há outras fontes https://www.technologyreview.com/2016/05/10/159479/the-unbelievable-reality-of-the-impossible-hyperloop/
            Da próxima vez faz o teu trabalho de jornalista e investiga um tema, em vez de propagar temas “trendy” pelos clicks.
            O Elon teve muitos sucessos, mas não significa que seja imune ao falhanço

          • JJ_ says:

            @Miguel Machado… Achei interessante principalmente a ultima frase desse artigo: “Hyperloop does not exist until it exists.”

            Se dizeres que a forma de como estão a pensar implementar o sistema no futuro, não é funcional, até posso entender.

            Agora não vejo como é impossível a ligação entre duas cidades, a 300km de distancia, através de túnel. É caro? É!!! Mas vai trazer muitas vantagens e para aquelas duas cidades.

            A Califórnia se fosse um país, era a 5ª maior economia do mundo. Ligar a 5ª maior economia do mundo, ao maior parque de diversões para milionários, para chegarem lá em 30 minutos (em 1h10 de avião alem do tempo no aeroporto / ou 5 horas de carro), não é de todo um mau investimento.

            Podes dizer: “Lá está isso é só para as elites.” Sim é, como foram todos os meios transporte quando surgiram. O Comboio era só para quem tinha dinheiro, o carro, o avião, etc. Só apos uma maior estabilidade e rede é que o sistema começa a ser viável para a população em geral.

            Alem disso, o dinheiro nestes transportes é as mercadorias. Reduzir e mais de metade o transporte de mercadorias é muito rentável.

            Ser tudo em túnel, pode ser estranho… mas quando estiver feito deixa de o ser… Hyperloop does not exist until it exists.

      • IonFan says:

        Neste caso a analogia melhor seria a dos boosters de classe orbital reutilizáveis serem impossíveis…

        Eu não sei o suficiente sobre o assunto para poder aqui deixar uma opinião informada sobre se vai ou não funcionar. Neste momento tenho que confiar que os engenheiros das várias empresas a explorar a tecnologia sabem o que estão a fazer.

        • Miguel Machado says:

          Os engenheiros sabem o que estão a fazer, eu nunca disse o contrário… Por isso é que o hyperloop já está longe do conceito inicial apresentado em 2012 (que basicamente era pura fantasia do Musk). O hyperloop vai ser apenas uma versão ligeiramente modificado dos comboios bala, se justifica todo este hype á volta deste projecto

          • IonFan says:

            Mesmo que seja uma versão do comboio bala (julgo que te referes à velocidade), já vejo uma grande vantagem na energia que necessita (pelo menos para a parte da propulsão) ser uma fracção.

            Tens todo o direito, de achar o que quiseres sobre o tema. Só acho que a história te devia deixar de pré aviso. O que não faltam são ideias antes apelidadas de “pura fantasia” e over hyped, mas agora fazem parte do nosso dia a dia…

          • Miguel Machado says:

            Não me estou a referir á velocidade. Estou me a c$?%!r para isso por enquanto. Nunca iria exigir que estes protótipos funcionassem á velocidade de um comboio bala. Eu estou me a referir por exemplo á turbina/motor que iam instalar no conceito inicial e que parece que foi descartado completamente e que o sistema de propulsão atual é o sistema dos comboios Magdev (suspensos por eletromagnetismo), face a isto a única inovação do hyperloop é o tubo de vácuo para reduzir ou quase negligenciar o atrito do ar na deslocação da cápsula e assim proporcionar alguma vantagem/propósito deste projeto. Mas a construção de um tubo de vácuo com 2 metros de diâmetro ao longo de uns míseros 100 Km têm custos de construção astronómicos, mais os custos de manutenção ou a possibilidade de quebra do isolamento (especialmente se o tubo estiver á superfície e não for subterrâneo).
            Se aquela merda deixa entrar ar, ou existe alguma falha no sistema e a capsula fica parada vai toda a infraestrutura com o caralho nada vai resistir a uma frente de ar a entrar pelo tubo a dentro, isto é equivalente a uma frente de ar á velocidade do som após uma explosão nuclear. Pesando os benefícios do tubo de vácuo ás dificuldades de instalação/manutenção mais vale recativar o concorde e voar… é mais seguro e provavelmente mais barato, e se um avião vai com o caralho, não derruba o resto dos aviões que estão no ar.

          • IonFan says:

            @Miguel Carvalho, tudo o que disseste são preocupações legítimas. Se alguém que fez um vídeo no YouTube encontrou todos esses problemas, achas que quem está a trabalhar na tecnologia não os encontrou também (e até outros)? Eu admito aqui abertamente que não tenho conhecimento na matéria suficiente para tecer comentários acerca da viabilidade. Prefiro dar o benefício da dúvida.

            O que me parece é que estamos aqui como alguém estava em 1904 a discutir a viabilidade do transporte aéreo, depois de ter visto um voo de uns metros dos irmãos Wright. Certamente muita gente pensava que nunca ia ser possível. Hoje há milhares de voos por dia 😉

            Uma nota. Se a velocidade não te interessa e o hyperloop é tão diferente em tudo, fiquei sem perceber o que te levou a escrever “O hyperloop vai ser apenas uma versão ligeiramente modificado dos comboios bala”.

    • Toni da Adega says:

      O problema do vácuo é simplesmente uma questao de escala. Quanto maior for a área maior a Pressão. E se for subterrâneo esse problema é praticamente nulo.
      Qualquer pessoa pode ter uma camara de vacuo em casa, do tamanho de um pequeno aquário, algumas feitas de acrílico.

  4. Costa says:

    Qual é a diferença entre esta treta e um comboio de alta velocidade? se ainda fosse alguma coisa de novo agora isto dentro de um tubo!!! Deve ser para publicidade própria..

    • Paulo says:

      Atualmente nenhuma.
      No futuro quando estiver totalmente desenvolvido, se lá chegar claro, será para deixar os comboios de alta velocidade para trás.
      O facto de retirarem o ar da equação é o que torna possível as velocidades projetadas para o futuro e para isso tem de ser dentro de um tubo.
      As pessoas pensam que as coisas caiem do céu.
      Quando os vossos netos e trinetos viajarem de uma lado ao outro do planeta num par de horas (se não implodir até lá) será porque alguém nos nossos dias teve a coragem e a iniciativa para desenvolver essa tecnologia ou pegar em conceitos passados e com os recursos/tecnologias atuais tornar esse conceito em realidade.
      Até lá voltem para os vossos facebooks e tiktoks….

  5. Não Obstante says:

    Não me parece brilhante a velocidade, até os alfas andam mais depressa.

    • IonFan says:

      Não sei a que velocidade os “alfas” andavam quando estavam na fase inicial do desenvolvimento, mas se tivesse que apostar, diria que eram mais lentos do que este.

  6. Miguel Machado says:

    “Some critics of Hyperloop focus on the experience—possibly unpleasant and frightening—of riding in a narrow, sealed, windowless capsule inside a sealed steel tunnel, that is subjected to significant acceleration forces; high noise levels due to air being compressed and ducted around the capsule at near-sonic speeds; and the vibration and jostling.[193] Even if the tube is initially smooth, ground may shift with seismic activity. At high speeds, even minor deviations from a straight path may add considerable buffeting.[194] This is in addition to practical and logistical questions regarding how to best deal with safety issues such as equipment malfunction, accidents, and emergency evacuations.

    Although the draw of new technology is appealing, a simple bus system, like those utilized in most metropolitan areas across the globe, has a greater ability[according to whom?] to efficiently move people and does it on an existing mixed-use road system. Critics[Like whom?] argue that municipalities should invest in more efficient and equitable transport systems.

    Other maglev trains are already in use, which avoid much of the added costs of Hyperloop. The SCMaglev[195] in Japan has demonstrated 603 km/h (375 mph) without a vacuum tube, by using an extremely aerodynamic train design. It also avoids the cost and time required to pressurize and depressurize the exit and entry points of a Hyperloop tube.

    There is also the criticism of design technicalities in the tube system. John Hansman, professor of aeronautics and astronautics at MIT, has stated problems, such as how a slight misalignment in the tube would be compensated for and the potential interplay between the air cushion and the low-pressure air. He has also questioned what would happen if the power were to go out when the pod was miles away from a city. UC Berkeley physics professor Richard Muller has also expressed concern regarding “[the Hyperloop’s] novelty and the vulnerability of its tubes, [which] would be a tempting target for terrorists”, and that the system could be disrupted by everyday dirt and grime.[196]”

    From Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Hyperloop

    • Mastermind says:

      Pronto, basicamente não será possível, por inúmeras razões técnicas e…dezenas de razões técnicas. Mas colocar isso aqui em inglês é dar pérolas aos porcos…just saiyng…

      • IonFan says:

        Sim, mas o texto foi escrito com tanta atenção que, a descrever um transporte que se faz deslocar no vácuo, está lá isto: “high noise levels due to air being compressed and ducted around the capsule at near-sonic speeds”…

        • Vítor M. says:

          Podes tentar explicar, mas é escusado, não vais conseguir, porque são mais espertos que os engenheiros que estão há anos a trabalhar neste projeto e são mais astutos que os empresários que já investiram milhões.

          • Oscar says:

            Resumindo
            O homem é um idiota e vai resolver os problemas da mobilidade humana nos proximos anos.

            Esta discussao nem tem assunto. Nao conseguimos abrir uma nova rota para uma nova linha de comboio ou metro quanto mais pensar nestas parvoices de um iluminado.

            Vamos esperar para ver essa tecnologia chegar e melhorar as nossas vidas.

          • Vítor M. says:

            Pois, se é um idiota, então que fará aqueles que nunca firam tão bem sucedidos como ele. Quantos lançaram de raiz um carro elétrico com o sucesso que a Tesla tem? Quantos criaram naves que foram ao espaço? Quantos estarão atualmente a preparar a ida a Marte? E já nem vamos recuar ao tempo do PayPal. Vamos ver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.