PplWare Mobile

Tesla: Acidente de carro descontrolado na China já tem uma explicação…

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Tiago Ferreira says:

    Muito estranho de um momento para o outro agora os condutores confundem os pedais durante mais de 2,6km. Ainda acreditava que em poucos segundos isso fosse possível, agora durante cerca de 30 segundos? Acho que a Tesla está aqui a tentar se livrar das responsabilidades de problemas de software que muito provavelmente não queira admitir.

    • RC says:

      Quando foi a situação da toyota, também não era software, nem aqui, o software nunca ia acelerar o carro a fundo quando o condutor tocasse no travão, regra básica de qualquer sistema.

    • ze says:

      Conduzir dezenas de Km em autoestrada a 120Km/h em sentido contrário, como já presenciei, e que acontece muitas vezes, é naturalíssimo…

    • acontece says:

      Infelizmente fui vítima num acidente em que a condutora, em pânico (porque o carro escorregou) esticou os pés a fundo e firmou-se no volante com toda a forçar, mas «esqueceu-se» que estava a acelerar (como descrito pela própria). O veículo fez mais de 200 metros em aceleração até chocar frontalmente com um veículo em sentido contrário.
      Parece que é mais frequente do que a maioria pensa.

    • Sabe-se lá says:

      Uma pergunta: se o pedal for acionado a 100%, tirar o pé e este não subir (ficar encravado), não dará no relatório que estava a ser acionado na mesma?

    • Nuno says:

      Não foi durante 30 segundos. Foi bem mais que isso. Pelo menos o dobro…

  2. Mapril says:

    Travou a fundo com o acelerador. Acontece, não é o primeiro nem será o último.

    • JCLopes says:

      Durante 2,6 kms?

      • Keyboardcat says:

        Existe muita gente estupida neste mundo, a China não é exceção.

        Como já disse antes, tanto num Tesla ou qualquer carro, o pedal do travão está fisicamente ligado ao cilindro que gera a pressão hidráulica necessária para acionar os travões. Por isso não existe possível falha electrónica ou de software que desative os travões de um carro.

        Uma falha elétrica apenas requer mais esforço físico para acionar os travões.

  3. FilipeOS says:

    Gostava de saber a idade do condutor, se for jovem não me parece que confunda durante tanto tempo os pedais

  4. AlexX says:

    Este caso fez-me lembrar o que aconteceu com Anne Heche, apesar dos carros serem de diferentes marcas. Já houve muitos casos com outras marcas, mesmo a combustão, em que o carro do nada resolve acelerar por si e a fundo. Houve inclusive lotes recolhidos ( outras marcas), recordo uma situação em que foi dito ser defeito com uma mola do acelerador, fosse ou não a desculpa. Isto só é estranho na medida em que o poder do travão deve sempre ser superior ao poder do motor, independentemente da potência que este tiver. Desconheço como funciona o sistema de travagem no Tesla e pergunto: será possível que isto possa ter sido causado remotamente? Desactivar travões e activar acelerador?

    • RC says:

      Não, os travões são mecânicos.

      O que não faltam são vídeos no youtube com situações destas, de carros a acelerar a fundo com os condutores lá dentro.

      • AlexX says:

        Ok, thanks, descarto então a hipótese em ter sido “hackeado”…
        As imagens duma camera interior virada ao condutor ajudariam imenso a revelar se ele ia em pânico, calmo, ou sequer consciente. Entre uma tentativa de suicídio, uma aposta marada em como atravessava a vila a fundo, doença súbita, ou pânico, não consigo assim de repente pensar em mais hipóteses. Mas é tudo muito estranho, começando logo pelo início em que tenta parar na berma mas de seguida volta à estrada e ultrapassa buzinando o motociclo…

    • Mapril says:

      Nos carros elétricos os travões são elétricos e mecânicos. Ao pisar o travão o motor passa a funcionar como gerador, gerando uma força contra-eletromotriz que reduz a velocidade (é por isso que esses carros gastam menos pastilhas de travões).

    • B@rão Vermelho says:

      Eu à uns anos atrás ainda nos meus tempos de polícia, e um Mercedes novo em folha, também do nada começou a acelerar sozinho “problemas de sensor” e levou 5 carros à frente, o condutor era de uma idade já avançada o que me levou a ficar na duvida se era mesmo avaria ou atrapalhação do condutor.

  5. Eduardo Cancela says:

    Têm noção do que é uma pessoa em pânico?
    Que fica totalmente bloqueada sem perceber o que está a acontecer?
    Eu já vi uma pessoa numa bicicleta ir por uma descida aos gritos, quando a única coisa que tinha de fazer era travar ou deixar-se cair, acabou contra um muro e magoou-se gravemente.
    Já vi um na área de serviço de Santarém um Jeep que tinha batido nos carros que estavam a abastecer e parou no meio de um pilar, porque a condutora entrou em pânico e em vez de travar acelerou o carro a fundo.
    Portanto não é assim tão estranho nem fora do normal as pessoas em pânico terem acidentes deste género, o que realmente faz a diferença muitas vezes é a rapidez com que se apercebem que estão a carregar no pedal errado.

    • Ken says:

      O problema dos Teslas, e de qualquer outro carro elétrico com potencia semelhante, é que até te aperceberes que tás a carregar no pedal errado o carro mete-s em velocidades estupidas com uma facilidade descomunal. Claro que se fizeres o mesmo num carro a combustão, a aceleração é menor e acabas por ouvir o motor a pedir que lhe acabem com o sofrimento mais tarde ou mais cedo…

      • RC says:

        Como não se nota? tremendo binário que eles têm não dá para sentir ?

        https://www.youtube.com/watch?v=cOWdWHSgI-4

        • B@rão Vermelho says:

          Eu creio que o @Ken, se refere ao som do motor, é inconfundível o som do motor no limite de rotação do carro a combustão, para alguém que adora corridas de carros e motas, o barulho dos motores faz parte da paixão, nada contra os VE mas ver uma corrida de FE, e como comer pão sem sal e com manteiga também sem sal 🙂

          • RC says:

            São opiniões, eu já liguei mais a isso, hoje até faz confusão como conseguem fazer kms com tanto barulho, se bem que quem ouve mais não é quem vai dentro, mas sim os outros. Portanto não sei bem se é apenas um gosto ou outra coisa..

            Mas enfim, não vou discutir gostos e apenas me resta respeitar. 🙂

  6. ACD says:

    Ainda há uns anos, no parque das nações, penso que no edifício da Vodafone, um carro estacionado saltou o passeio, o moreto em cimento com quase 1m de altura, e foi parar ao jardim um andar abaixo.

    Nem parecia fisicamente possível. Tudo porque o condutor achava que estava a travar e estava a acelerar.

    *spoiler alert: não me lembro da marca, mas não era um tesla*

  7. Yamahia says:

    Contem-me histórias. Se fosse eu tirava o pé e o carro parava logo iam a ver. Aquilo nem precisa de travões. É uma maravilha!

    • Poio says:

      Avariou o pedal do acelerador, avariou a parte elétrica do pedal do travão (que faz bypass ao acelerador) além de terem avariado os próprios travões

  8. IKAROS says:

    Vocês estão se esquecer, que hoje em dia nos carros elétricos quase já não se usa o pedal de travão.
    O carro trava naturalmente quando se depressiona o pedal do acelerador. Isto é tão natural, que a pessoal que raramente carrega no pedal do travão.
    Mas depois quando é preciso travar numa emergência, trocam os pedais.

  9. João says:

    Eu já tinha falado isso. One pedal drive acaba por confundir algumas pessoas. A pessoa quer travar mais forte, e em vez de pisar no travao, pisa no acelerador.

  10. Oi says:

    Não me convence pisar o pedal errado, porque basta levantar o pé e ele abranda. Deve ter a ver Cruise Control “descontrolado”.

  11. poPeY says:

    Bem, eu em carros automáticos as vezes carregava na embraiagem ao estacionar e tudo o que isso implica. Quem nunca?

    Sobre o acidente, a partir do momento que o condutor acredita que aquele pedal é o travão, ira ser o travão independentemente de não o ser. E pronto poderá ter sido isso.

  12. Só eu sei, porque não fico em casa! says:

    Aconteceu exatamente o mesmo com a minha Ex, ao invés de travar, entrou em pânico e acelerou o veiculo, colidindo com um muro, foram apenas 50 metros, o que lhe terá salvo a vida com toda a certeza, esta situação é mais comum do que parece, com base no que o GNR nos contou quando fez o levantamento do relatório.

    • B@rão Vermelho says:

      @Só eu sei, porque não fico em casa, sim, sim, ela ficou foi convencida que eras tu que estavas entre o carro e o muro 🙂 depois diz que se atrapalhou 🙂 és muito ingénuo 🙂

  13. JJ_ says:

    A Tesla anda é apanhar aqueles gajos que tentavam aldrabar o seguro com acidentes, que alegadamente eram por problemas mecânicos.
    Mas, como a Tesla tem tudo registado – parece um avião, quando alguém tenta um desses esquemas, tem azar…

  14. Eu says:

    Nos carros a combustão isto já era bem conhecido há muito tempo como uma possível avaria e o que fazer para evitar acidentes, como podem confirmar pelo Scotty Kilmer há 12 anos atrás aqui: https://www.youtube.com/watch?v=FeWO0QefnSI&ab_channel=ScottyKilmer

  15. Rui says:

    Eh pá, só têm de aprender a travar com o pé esquerdo como nos karts! Assim nunca trocam os pés. Até é mais rápido a arrancar num semáforo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.