Quantcast
PplWare Mobile

Novos Radares de Velocidade nas autoestradas portuguesas já em 2022

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Ze Duarte says:

    De nada serve os radares se eu passo a 200 e a máquina tira foto com lag e apanha o carro que vem atrás de mim.

  2. TabomTa says:

    nao ha guito para dar às empresas, mas ha 1.6 milhoes para radares…..pois esquecia-me, eles também alimentam a malta. A partir do pressuposto (quase engraçado) que as multas pertencem ao ORÇAMENTO DE ESTADO todos os anos, só por ai já vontrade de “rir”. Se por ventura toda a gente se “portar bem” durante um ano, la se vai o orçamento de estado pro “galheiro”.

  3. Silvestre says:

    É o nojo socialista. Sempre a meter a mão para a família gorda ou escondidos a furtar a sociedade.

  4. ToFerreira says:

    O mesmo limite há vários anos, de um altura em que nem se sonhava com os mecanismos de segurança ativa atuais, onde os carros demoravam o dobro ou mais a travar. O mesmo limite quer esteja a estrada seca ou molhada, limites sempre pautados por baixo em nome da segurança, mas as multas só chegam a casa vários meses depois. Radares nos sítios onde os limites são demasiado baixos para as condições da via, levando a que haja muitas infrações, e não nos locais onde há muitos acidentes. Depois de sermos ultrapassados por vários carros a bem mais de 150, colocando todos em perigo, sem serem apanhados, somos apanhados numa saída qualquer com um limite ridículo porque vamos distraídos e/ou não conhecemos bem o local.

  5. Miguel says:

    Em Portugal ainda tem sorte se fossem para França, Alemanha, Suíça… É radares em todo lado 🙂

    Aqui na Suiça o pessoal respeita e muito a velocidade, senão a carta já era!

    • Pedro V says:

      Na Holanda idem. Controlos de trajeto e radares onde menos se espera. Limite de velocidade nas autoestradas, entre as 6h e as 19h é de 100 kmh. Das 19h às 6h varia entre os 120 e os 130. De quando em vez lá se vê um acelera a 120, durante o dia. De quando em vez… Entre Alkmaar e Roterdão as aes têm painéis informativos de 500 em 500 mts em todas as vias. As aes são pagas através de impostos. Em pt, nem sendo concessionadas têm destes “mimos” de segurança. É pagar e não bufar.

      • Keyboardcat says:

        Não compares a densidade populacional dos dois países. Já conduziste nas autoestradas do interior de Portugal? Vais la praticamente sozinho. Neste caso defendo que os poucos utilizadores que necessitam de usar essas vias paguem um pouco por isso (eu nasci e cresci no interior).

        No caso dos países baixos tens cidades muito próximas umas das outras, ligadas por autoestradas, e estas vias são usadas por milhares de utilizadores diariamente.

        No que toca a segurança, aí posso concordar. A falta de sinalização e informação nas vias Portuguesas é um facto.

        • Pedro V says:

          Queres ver a a Holanda nasceu com 17 milhões de habitantes? Ou será a conjuntura que os holandeses criaram que atrai cada vez mais pessoas?
          Os lamboes na tuga, com muitos ou poucos veículos a passarem nas aes, querem é obter lucros para pagar a gestores que não fazem um c nem são uma mais valia para a sociedade. Os utilizadores não têm alternativas, logo, têm de cair lá e largar o tostão.
          Se há aes desertas algo vai muito mal na gestão em Portugal. Se estão desertas é sinal de que uma boa nacional (daquelas que não são cortadas por localidades) seria suficiente para o tráfego registado. Na Holanda não têm o hábito de queimar dinheiro à toa. Às vezes também se esticam como nós, mas menos.

  6. Rui says:

    Radares fixos fazem sentido, em especial se colocados onde há historico de despistes e acidentes é algo se só és multado por falta de atenção, são um bom disuador de maus comportamentos em especial em zonas negras, o problema é quando são usados como armadinha, zonas seguras em que o limite até é baixo para as condições da via e lá está o radar no meio, mas vá carro da patrulha escondido atrás do arbusto é pior ainda…

    • PoPeY says:

      É exatamente isso que me chateia na colocação de radares. Não coincidem com pontos negros. Estão somente colocados em “spots” com limites de velocidades ridículos ou duvidosos. Por exemplo uma recta gigantes onde a meio existe 50m com limite de 30kmh, ou fora das localidades mas antes da placa de fim de localidade. Isto não é prevenção, são ratoeiras.

      • rodrigo says:

        seja como for, se concordas ou nao, os limites de velocidades estao estipuladas. Se ultrapassares teras de pagar multa.
        Desde quando ‘e que os radares sao uma medida de prevenção? Um radar nao vai prevenir nada activamente..mas uma pessoa quando recebe multa em casa talvez pense duas vezes em exceder a velocidade maxima. Pelo menos assim espero de pessoas civilizadas.

    • rodrigo says:

      Se ha lugares com histórico de despistes nao sera esse conhecimento o suficiente para dissuadir pessoas a nao abusarem da velocidade? Quem no seu perfeito juízo quer ter um acidente no mesmo lugar sabendo que outros tiveram acidentes no passado? E mesmo assim as pessoas nao querem apreender.

      Dizer que os radares sao usados como armadilha faz-me lembrar os programas de televisão que utilizam pessoas a fingir que sao crianças para apanhar pedófilos. Sim essas pessoas mentem e lançm a armadilha para apanhar esses criminosos..mas se os criminosos nao respondessem nao iriam presos. Tem sempre uma escolha.
      Se as pessoas nao ultrapassarem a velocidade maxima certamente que nao apanham multa. simples.

  7. Eu says:

    Ainda não percebi é se desse dinheiro todo se poderiam servir de algum para tapar as crateras da IC2 entre a Leiria e Aveiras. Metem radares por todo o lado, mas arranjarem o que devem e incrementarem segurança onde não existe é do tipo: Ksa F.da, que morram pelo caminho, mas desde que passem a 60 ou 80 numa zona de 50 com tolerância 0 é que está bem, NO IC2 deviam arder os radares todos enquanto a estrada não fosse arranjada e mais não digo.

  8. G says:

    Mas porque não usam as portagens para calcular o tempo que percorrido em x km?
    Se um condutor faz um troço de portagem de 200km numa hora quer dizer que andou a ver need4speed a mais…

    • Pedro V says:

      O objetivo não é matar a galinha, é apenas tentar que ela dê mais ovos. A sua sugestão matava logo a galinha.

      • chinesisses says:

        pedro, pra não falar de que quem controla as portagens é a brisa.. a brisa não é a policia.. é apenas a empresa que explora e mantém as auto-estradas

        • Pedro V says:

          Se quisessem faziam uma parceria com a brisa e isso arrancava em dois tempos. A at não faz cobranças para as concessionárias das aes com portagens?
          Onde há controlo de trajeto não há como fugir. O radar é diferente, é ali, reduz-se a velocidade 1 km antes e 1 km depois já se está outra vez fora dos limites impostos. Discordo dos limites impostos, mas enquanto houver condutores que não usam a via livre mais à direita, se encostam ao da frente em demasia, sem necessidade, não usem piscas ou não tenham uma condução defensiva, compreendo as regras e os limites. Os mortos nas estradas devem ser o guia para imposição de limites.

      • G says:

        A galinha também tem um número finito de ovos… mal os radares estejam colocados, o maps e waze vão avisar os condutores… além disso, se ja existe uma infraestrutura que pode ser adaptada (portagens) para quê gastar mais para o mesmo e mais limitado?
        Este tipo de iniciativa vale ZERO, porque gasta-se o dinheiro e não resolve absolutamente nada!
        A brisa trabalha para quem lhes dá o dinheiro e neste caso é a classe trabalhadora portuguesa. Se o estado quer cobrar por infrações (código da estrada) que use a infra-estrutura que tem à disposição

        • Louro says:

          Se os condutores abrandarem porque sao alertados que está ali um radar, entao quer dizer que a iniciativa já valeu a pena pois possivelmente já se evitou um acidente.,

  9. Incredulo says:

    Como aqui alguem já referiu, os limites de velocidade existentes foram definidos há decadas, em que as condições tanto dos carros como de muitas estradas apresentavam condições de segurança mt inferiores aos carros atuais e as estradas atuais.

    Há tecnologia suficiente atualmente, para se ter valores de velocidade maxima variavel num mesmo local. Essa velocidade deveria ter um intervalo que devia variar em função de varios parametros, como por exemplo: Condições climatericas, fluxo de transito, horas do dia, estado da via.. Não faz sentido impor uma velocidade maxima de 120 kms/h em partes da AE entre Lisboa e Algarve, num dia de sol, com piso seco e sem transito e impor os mesmos 120 km/h na AE porto braga, num dia de chuva, num dia de semana por volta das 18h sendo esta uma ae com varias curvas e em que se calhar nesse dia os 120 km/h de limite são até demais, e no entanto no caso da AE para o Algarve os 120 km/h para as condiçoes apresentadas acima são de menos… Considero que em certas condições e com certos carros (os que apresentam bons niveis de segurança ) pode ser mais perigoso andar a 120 km/h numa AE sem transito com ceu limpo e cheia de retas, do q andar a 140… a 120 provoca-te sonolencia a 140, obrigate-te a estares mais atento.

    • Louro says:

      Nao se podem criar limites de velocidades diferente por ano de fabrico do carro… os limites existem e tem uma razao para existirem.

      • Incredulo says:

        Pois não se pode, mas pode-se definir limites em função de certos parametros, não vejo pq se estiver num AE larga, com um bom traçado, vazia, com bom tempo e se dispuser de um carro seguro não possa andar a mais de 120… Desde q tenha consciencia dos riscos e desde q não provoque acidentes a outros (por isso refiro AE vazia) não há razao de não se poder andar a mais de 120.
        Antes da pandemia fui passar feria a determinado pais onde aluguei um opel corsa, apesar de se poder andar a 120… eu raramente os dei, pois estando habituado a andar no meu dia a dia num carro seguro, não senti segurança nenhuma no opel corsa e por isso contentei-me em andar no maximo a 120.
        Apesar de o meu carro dar mt mt mais de 120km/h giro a velocidade a que vou tendo em atenção a varias coisas, o tempo q faz, o transito q existe, o traçado e não menos importante se vou sozinho ou acompanhado. Há é q fazer as coisas com consciencia.
        A alemanha onde em mts partes de AE não existe limite maximo de velocidade tem uma taxa de sinistralidade rodoviaria das mais baixas da europa.
        https://www.europarl.europa.eu/news/pt/headlines/society/20190410STO36615/estatisticas-sobre-sinistralidade-rodoviaria-na-ue-infografia

        • rodrigo says:

          Sim na Alemanha cerca de metade da Autobahn nao tem limite máximo da velocidade mas tem um limite recomendada -120 ou 130km/h.

          Ora se tiveres um acidente e se for provado que estavas a ir acima dessa velocidade recomendada (o que ‘e mt facilmente provado) nao ha seguro automóvel que te cobre. Os seguros tem as maos limpas e nao querem saber de ti. Teras de pagar tudo pelo teu próprio bolso. Acho que isso seja motivo suficiente para eles la conduzir em condições.

          E qualquer coisa me diz que a grande maioria das pessoas conduzem abaixo dessa velocidade recomendada.

          • Incredulo says:

            Pela minha experiencia de condução na alemanha (já há uns anos atras), enqt eu andava a autobahn a 140 a grande maioria dos alemaes andava a uma velocidade bem superior…. se entretanto acalmaram não sei.

        • Louro says:

          Os limites de velocidade existem e sao similares de país para país por alguma razao, ter ou nao um carro mais seguro é irrelevante porque em caso de embate meu amigo, sao todos iguais e quanto mais velocidade, menos a provabilidade de saires de lá vivo.

          Sempre tive carros rapidos e que sao considerados “seguros”, desde M5, 760Li, S600, E55, E63 e por aí fora, sao carros capazes e raramente eram as vezes que andava/ando em excesso de velocidade… no final do dia, vás a que velocidade fores, continuas a chegar ao teu destino mais ou menos ao mesmo tempo, por isso nao vejo qual é a necessidade de andar nas estradas armado em piloto.

          Queres divertir-te e levar o carro ao limite?Vai para uma pista…

          • Incredulo says:

            Onde no meu texto digo q quero andar a velocidades astronomicas?. Eu nao o faço… alias a minha velocidade “normal ” na AE nem sequer me retira pontos na carta.
            Apenas digo q é possivel ela passar para 130 ou até mesmo 140 em algumas situações qd existem as condições ideais.

            Antes vivia a um pouco menos de 40 kms do meu local de trabalho, e ia para o trabalho todos os dias entre 90 e 100 km/h (em AE pq como dizes num trajeto curto andar a mais não serviria para nada iria ganhar 1 min.. Agora se fizeres varias centenas de kms um incremento de 20km/h faz-te ganhar bastante tempo (proporcional a distancia percorrida)

    • rodrigo says:

      A velocidade máxima foi criada para reduzir os acidentes rodoviários e para aumentar a segurança nas estradas.
      A velocidade mata. Ponto final. Fim da discussão. Teres um acidente a 50kmh ou a 60kmh pode ser a diference entre a vida e a morte..apesar de ser ‘so’ 10kmh de diferença.
      A verdade ‘e que ninguém ‘e tao bom condutor como acha que ‘e.

      Os carros hoje em dia vem com mais sistemas de segurança, ABS, airbags, sensores, etc. Isso tudo ‘e muito bonito mas isso so cria um falso sentido de segurança. Uma pessoa sabendo que tem airbags sente-se mais confiante em ir mais rápido e isso causa problemas.

      Mais vale poder desviar-se dum acidente graças a conduzir a uma velocidade mais baixa do que andar mais rápido e embater ja que a tempo de reação ‘e menor quanto maior for a velocidade. Mais vale desviar-se dum acidente completamente do que embater e confiar no sistema de segurança nao achas?

      Sinceramente nao percebo como podes dizer que ‘e mais perigoso andar a 120kmh do que andar a 140kmh! Porque 140 kmh e nao 200kmh por exemplo? Certamente que ‘e mais seguro segundo o teu pensamento!
      Se 120kmh provoca sonolência a alguém essa pessoa nao estara em condicoes para conduzir e deve entregar a carta.

      • Incredulo says:

        Ok, mata, sim.. E eu nao posso ser livre de decidir se quero arriscar a matar-me? desde que vá sozinho no carro e morra sozinho e nao bata em ninguem qual o problema?

        Seja como for nao defendo que nao exista velocidade maxima, nem defendo q se passe de 120 a 160, defendo q atualmente há condiçoes tecnologia para que os limites nao sejam fixos e variem em funções de varios parametros, tanto em determinadas horas de um dia a velocidade maxima poderia ser 140, como no dia seguinte até ser a 100 pq está a chover.

        Quanto a falsa sensação de segurança, não é bem assim. Há realmente carros e carros, já tive varios e já guiei varios… com o carro q tenho atualmente noto uma enoooooorrrmmme diferença entre por exemplo o meu carro e qd a empresa me aluga um para por exemplo ir a um cliente ao porto, nesses sim tenho medo , tendo mesmo já pensado levar o meu qd tenho q fazer estes viajens mais longas.

        relativamente a andares a 120 ou 140 (volto a dizer depende das condições da climatericas e fluxo de transito) sim provoca.. já fizeste por exemplo uma viagem entre Lisboa e Madrid? Retas enormes, auto estrada deserta, 600 kms?.. experimenta faze-la sempre a 120 num Mercedes classe E, BMW Serie 5 ou Volvo v60.. a ver se nao te dá “sono” (não é sono mas sentes-te mais desatento) após 400 kms

        • Incredulo says:

          Já agora o limite de 120 nas AE foi imposto em 1976… há 44 anos atras. Compara um carro de 1976 com um de 2021.

        • Louro says:

          @Incredulo,
          Na maioria dos casos o que mata no caso de embate é a desacelaracao quase instantanea, por isso na pratica podes ter um carro muito seguro mas em caso de embate, tanto faz que o teu carro seja muito bom ou muito fraco, se fores a mesma velocidade a desacelaracao continuará a ser a mesma.
          Tens depois factores como zonas de deformacao que sao desenhadas para dissipar energia do habitaculo o que vai claro reduzir a desaceleracao e por consequencia reduzir a provabilidade de morte, mas a partir de uma certa velocidade, esquece lá isso, é igual, tanto faz.

          Se fores a 120kmh, antes do embate, travas, desvias-te e tudo isso faz com que a velocidade do veiculo seja significativamente reduzida antes do momento de embate, mas, mesmo aí tens várias limitacoes que estao completamente fora do teu controlo, tal como piso, tempo que demoras a reagir, pneus, suspencao, travoes e a sua fatiga no momento.

          No final do dia, tanto faz que estejas a conduzir um corsa ou um ferrari… em caso de embate a alta velocidade quanto maior for a velocidade, maior a provabilidade de morte.

          O decidires se queres morrer, nao é tao simples quanto isso, pode parecer mas nao é…
          Se morreres, a provabilidade de teres um acidente sozinho é muito mais baixa que de envolveres terceiros (e acho que seja mais que óbivia a razao), irás matar/destroir a vida de outra pessoa que nao tem culpa nem nada a ver com as tuas vontades suicidas. Mesmo sozinho, irás causar danos psicologicos a várias pessoas, provavelmente pessoas mais próximas de ti .

          Se nao morreres, podes ficar o resto da tua vida dependente de terceiros, causarás problemas a essas pessoas e irás ter de viver o resto da tua vida com isso.

          Pensa no que andas a fazer, é melhor perderes 1 minuto na vida do que a vida em 1 minuto.

        • Rodrigo says:

          Nao, nao podes ser livre de decidir se queres arriscar numa estrada publica. Se tiveres uma auto-estrada privada podes muito bem fazer aquilo que quiseres com quem quiseres mas numa estrada publica nao. Nao ‘e so uma questão de morreres sozinho mas sim os estragos que fazes que afecta os outros utentes que tem tanto direito de conduzir na auto-estrada como tu tens.

          Primeiro uma pessoa nao deveria fazer 400kms ou 600kms sem fazer qualquer pausa. Isso ‘e um fraco habito de condução.
          Nunca fiz uma viagem Lisboa Madrid mas ja fiz outras viagens longas no meu Lexus e nao senti necessidade de ir acima da velocidade maxima. Mas isso sou eu.

          Sim ha carros mis seguros e outros menos seguros..mas todos tem o mínimo de segurança. E achares que o teu carro ‘e mais seguro do que os carros que alugues ‘e td uma questão de mentalidade. Por ser teu achas que ‘e melhor ou mais seguro do que os outros. Nao quer dizer que seja verdade.

          A unica maneira da velocidade maxima aumentar drasticamente ‘e quando o ser humano deixar de ser condutor.

          • Incredulo says:

            Se achares que um opel corsa basico de aluguer (ou equivalente) tem a mesma segurança que um BMW versao M (ou seja com suspensao desportiva, pneus largos, tração as 4 permanente, direção incrivel (incrivel mesmo), precisa, centro de gravidade baixo, epá pagas-me o valor de um BMW na proxima compra e eu dou-te o dinheiro do corsa ;-). E já agora antes deste tive anteriormente dois outro BMW, e posso-te garantir q a segurança deste não se compara a dos outros. Por isso sim, nao me venham com tretas há diferenças entre carros.

            Dá-me a sensação que acham que ando por ai a 200 e tal a hora. Se queres saber apenas uma vez na vida fiz uma viagem mais rapido, fiz o percurso Lisboa ao Porto (faço-o mts vezes) , foi no inicio da pandemia em que estava tudo fechado em casa e em q me devo ter cruzado com 5 carros ao logo dos 300 kms… ai sim confesso fui (sozinho) mt mt acima da velocidade permitida. Agora em situações normais a media da viagem (indicada pelo conta kilometros – faço sempre reset numa viagem longa) do carro anda nos 130km/h… nao sou do tipo de andar colado aos veiculos da frente (alias irrita-me se fazem isso) nem ando “rapido” (140/150) na AE em zonas em q há mts carros a direita, pois tenho sempre medo q um se lembre de se por a ultrapassar sem olhar pelo retrovisor.

            E volto a dizer não defendo que se suba o limite para valores exponenciais, mas acho q não faz sentido se manter um valor que foi definido em 1976 para certos troços e com certas condições… se me disseram a AE Porto Braga na maioria da sua extensao tem de se manter nos 120 (ou até menos em certos sitios), concordo. Se me disseram q a AE Lisboa Algarve se tem de manter em certos troços e com certas condições de transito e tempo nos 120, discordo.

          • Incredulo says:

            Já agora numa dessas minhas viagens ao norte em trabalho uma vez alugaram-me um dacia, numa zona de montanha a subir ia na segunda faixa de rodagem (nao sei a q velocidade mas abaixo dos 120 garantidamente pq o Dacia não tinha força para a subida.. era na zona do marao) e um camião a minha frente decide ultrapassar outro, tive de fazer uma travagem mais forte… o dacia começou logo a “fugir”… Isso nunca nunca, mas nunca aconteceria com o meu atual carro… e se acharem q é tudo igual testem um (mas testem a serio durantes uns dias para se conseguirem adaptar ao carro) e depois venham falar cmg.

          • rodrigo says:

            Pensas que por teres um carro caro que tens mais segurança? Estas bem enganado!

            Basta fazer uma pesquisa pelos carros mais seguros de 2020:

            – Volkswagen ID.3.
            – SEAT Leon.
            – Honda Jazz.
            – Land Rover Defender.
            – Kia Sorento.
            – Audi A3.
            – Mazda MX-30.
            – Honda e.

            Como podes ver a maioria dos carros na lista sao carros acessíveis. Olha o Seat Leon ou Honda Jazz!

            A velocidade que foi estipulada em 1976 nao foi um numero ao acaso. Foi um numero estudado e testado. E so porque os carros actualmente tem mais sistemas de segurança nao muda o facto de ser impossível mudar as leis de física. Quanto mais rápido fores maior a probabilidade de nao sobreviveres a um acidente. Nao ha maneira de mudar isso.

          • Incredulo says:

            Duas coisas:
            – Qd me refiro a segurança, refiro-me a estabilidade do mesmo, a sua aderencia a estrada… não a ir contra uma parede com ele, ai concordo ir contra uma parede a 200 com um ou outro o resultado há de ser proximo em ambos os casos.
            – Tão pouco me referi ao valor do carro, falei no modelo (versão), por isso disse q embora já seja o terceiro carro da mesma marca, este é claramente mais seguro (no sentido de aderencia a estrada).. de igual modo nos carros de outras marcas, se forem as versões desportivas dos mesmos, a sua estabilidade e aderencia a estrada é diferente q o mesmo modelo na versao base por exemplo, pois foram preparados para isso… Há outros carros bem mais caros que o meu que serão menos estaveis na estrada.. por exemplo um jipe q tem um centro de gravidade mais alto.

            E como já referi, não ando a assapar, nunca tive um acidente (e já tenho alguma idade), nunca apanhei multa por excesso de velocidade, e a minha velocidade “normal” em AE nem sequer me retira pontos da carta… agora tb é verdade que com estrada seca, de dia e sem transito não ando a 120 se tiver de fazer uma viagem de mais de 400 km/h (o q faço varias vezes).

          • Rodrigo says:

            Respondendo ao post original, acho que nao vale a pena complicar as coisas. Mudar a velocidade maxima consoante a clima, fluxo de transito, etc so vai criar mais confusão aos condutores. Num momento esta a 120kmh e passado uns kms esta a 140kmh e passado uns kms volta aos 120kmh…isso nao funcionara. O ser humano ‘e demasiado burro para isso ser aceitável.
            Se as pessoas abusam da velocidade quando esta fixa imagina o abuso quando vai mudando.

          • Incredulo says:

            Na alemanha é assim… Tens troços a 120.. depois aparece-te um sinal a dizer q ja nao há limite de veocidade… depois dali x kms aparece-te novamente a dizer q volta aos 120 (eu ja conduzi na alemanha). E é como aqui nas nacionais aqui tens troços a 50, 70 e 90… Podes é me dizer q enqt nao estiver generalizado os carros lerem os sinais de transito (por acaso o meu faz isso) e alerterarem o condutor q esta a ultrapassar os limites pode ser mais complicado as pessoas terem atenção, mas depois só não há desculpa é so olhar para o tablier do carro.

  10. LA says:

    Deviam era implementar “radares”, para a corrupção.
    Ai é que eu ficaria espantado.

    • Miguel says:

      Resolver-se-ia a dívida pública num instante

      • Euéquesei says:

        Alegre-se, pois a dívida pública disparou para os 271 mil milhões.
        Cada tuga vivo deve ao exterior 270 mil euros.
        Vou ter que pedir 269 mil euros para pagar essa dívida lol…
        Fora o que não se sabe…
        Mas como disse o filósofo de Paris, isto não se paga, vai se pagando.
        Portanto, o que é que se pode fazer com um país destes?
        Se tiver idade e condições, siga o meu conselho, pire-se daqui para fora.
        Isto não presta, é bancarrotas atrás de bancarrotas.
        Não hipoteque os seus filhos e netos, faça a sua vida noutro lado.

    • Euéquesei says:

      LA, isso em Portugal não é exequível.
      Os corruptos são tantos que o radar de tanto disparar pegava fogo em poucas horas…

    • AlexX says:

      Isto são radares para a corrupção. Se tiveres um veículo “diplomata” ficas na mesma isento 😀

  11. José says:

    os gunas a chorar porque nao podem exceder os 80km/h…

  12. TslaBull says:

    Já em 2022? Devia ser para ontem! Continua-se a não respeitar as velocidades em Portugal! Os ratatas teem a mania que são mais espertos que os outros… agora que vivo num país que se respeita o limite, cada vez que vou a Portugal sou buzinado por respeitar os limites impostos… pessoas pequeninas

  13. SoulReaver says:

    Não existe excesso de velocidade desde que a máquina tenha condições para circular á velocidade pretendida sem comprometer a segurança do condutor e ocupantes, que o condutor conheça os limites da máquina e os seus próprios limites de condução e controlo da máquina face a possíveis imprevistos, e a estrada onde circule também garanta as condições atrás referidas…o resto são peanuts……

  14. Paulo Magalhães says:

    90% das pessoas não sabe distinguir excesso de velocidade com velocidade excessiva, o grande problema está na velocidade excessiva e não no limite de velocidade.

  15. outra vez ?! says:

    O tuga é inteligente e valente . O tuga é que é… Não quer saber e tem até raiva de quem sabe, …desde que não lhe afete o seu anal esfíncter… ou as suas fanáticas idolatrias acéfala e invisual muito próprias e patologicamente comprovaveis… são roubadinhos a torto e direito pelos grandes(Offshore! Cartel, Offshore! Cartel ), e gostam. Lembra aqueles esquemas de pirâmide … Batem no mais fraco. Olhem o caso do ex-juiz Rangel ou o do ex- procurador, ex-deputado , ou de alguns hackars …que fazem o mesmo que a maçã,a Google, facebook e suas congéneres…. e quem lhes bate o pé…passa a ser tudo e mais alguma coisa… Um exemplo , os artigos 49,50,51 do ,C.E. é violado todos os dias e ainda com o apoio das próprias autoridades locais e nacionais dado que se vê facilmente estacionamento pago que vai contra o próprio CE. ,foi público até um pedido de perdão das multas de trânsito pela ANSR . Fenomenal ! Afinal quem é que autorizou tal ? Ainda ninguém reparou? São todos invisuais ?! Trotinetes em contra mão , no passeio, a torto e direito vaiculos sem matrícula e seguro no meio do trânsito conduzidos por quem não sabe o Código de Estrada. Suberbo! Hoje num passeio bem largo quase que levava com uma trotineta e com um bicicleta se não me desvio, se não paro de andar…quer uma como a outra conduzidas por miudos ( os pais colados no telemóvel ) mas já aconteceu o mesmo com adultos… Se chamados á razão ainda se sentem ofendidos da mesma forma os encartados que param e estacionam nas passadeiras.”quê? Não passas?etc, etc”…basta ler alguns dos comentários… Esses “acelerados”assassinos talvez um dia lhe seja retirada a carta por razões patológicas se não for por criminais. Outro exemplo as grandes digitais e a própria C. Europeia ou até o da tesla . Qualquer dia só se é ser humano se tiver telemóvel e ou e-mail.obrigando assim o comum dos mortais a sustentar os tais violadores de regras(dados,leis,valores,culturas,vidas,pessoas, países, natureza…) e suas indústrias, vicios e offshores…ganhando pouco ou muito pouco embora trabalhando muito, e claro, sem justiça, saúde ,etc,etc…Venham lá mais radares !

  16. J.B. says:

    E ainda não se terem lembrado de copiar a nova de outros países da UE é umas sorte! A nova que está para parir é pagarem a empresas de segurança privada para andarem na estrada com os radares dentro dos seus próprios carros a controlar as velocidades das ovelhas roladoras. É que já nem querem usar as autoridades oficiais como policias de transito GNR ou PSP, o que está na moda é o outsourcing que fica tudo a contratos temporarios e mais economico para os Estados.

    Tamos f%&&/(# com este novo futuro que se avisinha independetemente do seu tipo de Governo.

    • outra vez ?! says:

      É, essas que também estão em offshores, e empregrenadas no sistema público. Ex- bastonário da ordem de adv. como representante … Basta seguir o rastro … ver as várias realidades no terreno existentes seja no poder local como privado… Foi até público no 6 as nove que uma dessas nem a lei cumpre … Acham que as outras ficam a ver ?! Mas para a act falta de respeito é não se deixar roubar … Para o MAI … Tb pelo que parece… Seg.social e fisco idem ” . Afinal de contas esses fazem o mesmo trabalho ganham muito menos e tem representação horrobiles e condições de trabalho nem se fala, não são bem pessoas pelos vistos …e têm que ter uns grandes tomates para exercer a cidadania, que até é um direito e dever mas existe muita gente que não gosta. Como já devem ter reparado a moda é passar para o funcionário/cidadão as responsabilidades que são das instituições…. Não faltam exemplos por aí, seja no mercado de trabalho como no próprio estado subdividido em empresas privadas que mais não são que os antigos empregados sub, sub, sub contratados como empresa ou prestadora de serviços ,come e cala ou não come… A culpa é do povinho burro que alinha e claro os vícios mantê a cebolada e a pescadinha se rabo na boca….saco laranja ou a cor que quiserem, desregulação total, subversão, mais impostos para os mesmos de sempre, menos tudo…e mais muito mais offshoring. O tuga paga e gosta. O tuga é o produto e gosta. É roubado e gosta. Comprem mais telemóveis, computadores, mais automóveis . Comprem, comprem!

  17. Euéquesei says:

    Pá, eu já sei que me vão cair em cima ao dizer isto, mas cá vai.
    Eu odeio velocidades excessivas.
    Vou daqui ao Porto na A1 e não passo dos 100/110.
    Mas atenção, vou sempre na direita, não atrapalho ninguém.
    E tb devo dizer que vejo autênticos animais mais lentos que eu na faixa do meio durante kms.
    Só dá vontade de lhes dar uma cacetada e mandá-los borda fora.

  18. Sardinha Enlatada says:

    A natureza das pessoas reflecte-se em todo o lado e na conducao nao e excepcao, embora concorde que alguns limites de velocidade poderiam ser ajustados, pode ate nem ser muito mais elevado mas podiam rever isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.