Quantcast
PplWare Mobile

Honda quer ter pelo menos 10 novas motas elétricas até 2025

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Grunho says:

    É precisamente nos veículos de duas rodas que a eletrificação faz mais sentido: são muito mais baratos, não precisam de grandes baterias nem de grandes autonomias. Mas é também neles que existe uma resistência maior, devido à irracionalidade dos utilizadores, que privilegiam uma cultura de ruído e de fumarada. É altura de começar a lidar com mão de ferro com essa gente.

    • Vitor says:

      O melhor mesmo era deixarem de existir, assim as estradas teriam só carros, haveria mais poluição e até se podia dizer ao patrão com mais convicção o porquê de ter chegado atrasado ao trabalho devido ás longas filas…
      Essa gente que anda de máximos e a fazer barulho para que sejam notados é só vaidade, e ainda por cima acham-se no direito de passar por tudo e todos em vez de estarem parados na fila de trânsito…

      • RC says:

        Eles só lhe estão a fazer um favor se você la estiver de carro, nao estão a fazer a fila, ao contrário de você…

        • Ribeiro says:

          Vitor, os escapes barulhentos não é por vaidade mas por segurança assim com luzes auxiliares.
          É para sermos vistos/notados.
          Eu não sou muito de escapes barulhentos porque me dá dor de cabeça e tive que encontrar um”compromisso entre barulho e conforto” mas desde que mudei a minha segurança aumentou significativamente , fiquei muito mais visível, os “susto” diminuíram bastante.

          • RC says:

            Então se é segurança porque não tornam isso numa medida de segurança ? Inclusive para os carros.

            Quero ver como fica mais seguro no fim de fazerem todos o mesmos

          • Ribeiro says:

            Sem pensar muito chego a conclusão que os carros sao muito mais visíveis e nao bates com a cabeça no primeiro toque.
            Eu nao estou a falar em teorias, o que eu disse acima é uma realidade.
            Aceitem se quiserem mas é uma realidade.Claro que há pessoal racing como existe nos carros, ou não há carros barulhentos???
            Estou a falar em situações normais.
            Vitor nao sou forte em ironia porque não era uma ironia.

          • RC says:

            E se eu for com musica em altos berros, dentro de um carro, vidros fechados, estou a meter em perigo o motociclista ?

            Por acaso há quem diga que é um mito, eu tenho 2 motas, uma elétrica e uma a gasolina, até agora nunca atropelei ninguém nem nunca vi diferenças no comportamento, porque o que realmente os condutores vêm são as luzes.

            https://www.motorbiscuit.com/new-study-confirms-loud-pipes-save-lives-is-safety-myth/

          • RC says:

            Sim, há carros barulhentos, são mais seguros por isso ?

          • Ribeiro says:

            RC não me leves a mal mas parece que estou a falar para uma galinha mas pronto. Em relação ao carros barulhentos, a uns tempos nao havia a questão da segurança dos peoes em relação a ausência de barulho dos carros elétricos?hummm.
            Os carros não são mais seguros mas secalhar são mais visíveis para os peoes, mais seguros para os peoes.
            Eu sou motard e digo-te que há uma diferença brutal em segurança com escape.
            O meu escape e luzes sao homologados.
            Motas sem barulho é um risco de vida para quem as conduz.
            Não alimento mais esta discussão

          • RC says:

            Havia e há, se andarem a menos de 30 kmh, porque nessa velocidade nem os pneus fazem barulho, mas não queira comparar.

            Acho que não entendeu, se todos forem barulhentos, é uma questão de segurança para quem ? para ninguém certo.

            Leu o artigo ?

            Mas já andou numa mota elétrica para saber se é seguro ou não ? Eu dei-lhe a minha experiência nas 2 vertentes, e como disse, ainda não atropelei nenhum peão, nem nunca apanhei susto nenhum, e também não fui atropelado por ninguém. Tenho cerca de 250 mil kms feitos nas 2, cerca de 100 mil na de combustão e 150 mil na elétrica.

            PS: galinhas não são para aqui chamadas, você tem a sua opinião baseado na sua experiência, eu também tenho a minha com base na minha experiência.

          • Ribeiro says:

            Ui ..ja vi que és aldrabão.es daqueles que diz que faz e diz que teve mas nunca ninguem viu.ahahah..
            O que dizes nao passa de aldrabice senao sabias como condutor de 250k kms de mota é uma grande mentira.ou então es protegido por deus e peço te desculpa

          • RC says:

            Por acaso chamei-lhe algum nome ?

            Por acaso sabe a minha idade ?

            Ando de mota, ou seja, comecei em motorizada aos 16, tenho carta há 30 anos. Se quiser posso mandar-lhe fotos dos conta kms das motas. Uma só tem 26 anos, a combustão, e a elétrica tem 15.

            Para quem mora a 120 kms do trabalho, é fazer contas.´

          • Miguel says:

            Concordo que as motas sem barulho são um grande risco para os condutores das mesmas. O barulho é uma das maneira de anunciar presença, claro que há que abuse no barulho assim como em tudo.
            Sou condutor de mota e gosto de viajar de moto, sempre com condução preventiva e não há uma viajem que não apanhe sustos.
            Concordo com o Ribeiro, desde me mudei o escape fiquei muito mais visível para o transito.
            Acredito que há motard que mudam de escape para o “racing” mas a maior parte muda por segurança, assim como circular com casacos verdes, luze auxiliares. etc.
            RC dizeres que anuncia a presença até sao as luzes e não o barulho, é de quem não tem noção das 2 rodas. A mim também não me convences

          • RC says:

            A desculpa do costume para terem um escape barulhento.

            O que não falta são estudos a comprovar o contrário.

          • Ribeiro says:

            RC so andas de moto para ir ao pao, ai nao vale.
            Devem ser o único motard abençoado que nunca teve um carro atravessado a entrar nas rotundas e cruzmentos ou que nunca foste apertado numa ultrapassagem.
            Com 250 mil kms que dizes estás com muita sorte.

          • RC says:

            Deixe de ser ridículo, cada um tem a sua opinião, eu tenho a minha.

            Não sei se sou o único, mas nunca tive acidente nenhum, nem nenhuma queda.

            Talvez por pensar que não são os outros que têm de prestar atenção em mim, mas sim eu que tenho de prestar atenção em mim e ao redor.

            Agora meto um escape ruidoso e pronto, sou o maior do bairro e ninguém se vai atravessar à minha frente.

            LOOOOOOOOOOOOOL

        • Vitor says:

          Não és forte em ironia já percebi eheh

        • Ribeiro says:

          Ja te tirei a pinta..

          • RC says:

            Já ? Bom proveito, não de esqueça dos novos “radares” para os barulhentos, não vá levar uma multa….

          • Ribeiro says:

            É homologado. Mas obrigado pelo preocupação

          • RC says:

            Deixou de interessar se é homologado ou não, com as novas directrizes o que conta é o ruído que fazem. Deixe vir as inspeções nas motas e vai ver quantos ficam pelo caminho em nome da segurança. Lool

        • Miguel says:

          Acho que os teus 250mil kms em moto devem ser fantochada.
          Como condutor de carro, garanto que tudo que é cruzamentos, ultrapassagens, a ouvir as motos tenho logo outra postura defensiva.
          Como condutor de moto é visível que a maior parte dos condutores de carros, a ouvirem as motas optam logo outra postura também.
          Não é desculpa para escapes barulhentos, estou a falar de um som mais acentuado, nao aqueles ao berros que as vezes de ve.
          Mas sim, a ir em contra aquilo que dizes e a referenciar estudos da romenia(ciganos), motos mais audíveis salvam vidas sim.

          • Ribeiro says:

            Miguel, não perca tempo

          • RC says:

            Então como não concordam com a minha opinião, tentam descredibiliza-la ? LOOL

            Como disse, podem vir ver os odómetros das motas, e não, não preciso de as meter em cima de rolos.

            Ah portanto, como vocês não sabem conduzir e pensam que são os maiores do vosso bairro, metem um escape ruidoso para que o cuidado que você deviam ter, passe para os outros… Entendo… pois,

            Então fica a pergunta: e se todos meterem o mesmo tipo de escape, todos a fazer barulho ? como ficamos, já os carros podem fazer o mesmo, meter mais barulho para que as motas tenham outra postura.

            LOOOOOL

            Enfim, novatos.

  2. Luis says:

    Muito mais baratas uma ova. Um dinheiro de uma mota elétrica que dê 120km/h dá para comprar uma qualquer “barulhenta e ruidosa ” tipo uma Aprilia 660 RS que dá uns 260km/h tem 100CV de potencia e ainda sobra uns trocos para uns acessórios, alem de que essa e todas as outras da mesma categoria cumprem com as emissões de ruído e poluição euro5 que são muitooo mais muito mais restritas que um simples “Grunho”.

  3. ALourenco says:

    Para o uso diario uma mota electrica faz sentido. A maioria das pessoas não faz mais de 50Km por dia, se tiverem carregamento em casa é uma excelente opção. Nos grandes centros urbanos as pessoas que recorrem a mota moram fora da cidade e é normal ter que fazer Via Rapida ou AutoEstrada e as velocidades das motas electricas ainda são baixas (e circular em AutoEstrada a baixa velocidade até mete medo, somos abalroados pelos carros) as poucas que tem uma velocidade decente ( 120km/h) são caras e deixas de ser opção. Temos ainda os restantes condutores de motas que apenas usam ao fim de semana para passeios e não pretendem electricas. São necessarias soluções electricas a valores equiparados aos motores a combustão, com 150 a 200km de autonomia e velocidades de 140km\h a 160km\h de ponta para circular a vontade e permitir ultrapassagem em segurança.

  4. Miguel says:

    Ao menos será baterias de estado sólido, serão a primeira marca a aplicá-la?
    Sendo marca Japonesa, é bem possível.

    Se bem que até hoje ainda não encontrei nenhuma mota electrica com boa autonomia e velocidade máxima, para além de que a ciclistica costuma ser muito má devido ao centro de massa demasiado alto e peso excessivo.
    Talvez as baterias de estado sólido mudem isso. Desejo boa sorte, mas também desejo que as ICE durem muito e sejam sempre escolha.

    • RC says:

      Eu tenho uma maxi-scooter que apesar de um pouco mais pesada que as semelhantes a gasolina, o centro de gravidade é muito baixo.

      Sim, também acredito que novas baterias sejam o que falta para terem mais competividade.

      • Grunho says:

        Não é por causa das baterias. Scooter eléctrica é acessível para a grande maioria dos portugueses. Bike idem, e muitíssimo mais. Carro eléctrico, sítio e equipamento para o carregar em casa, é para uma minoria muito pequena

  5. Rui says:

    Tanta barbaridade dita aqui! Há motos barulhentas assim como há carros barulhentos e fumarentos.
    Faz sentido motos elétricas, claro está, mas a Honda tem modelos de motos a consumir pouco mais de 2 litros aos 100km, para o consumidor mudar de uma viatura que custa 3000€ para uma que custa 6000€ mas que lhe dá menos autonomia com um investimento maior é algo que custa a justificar.
    O mercado de motos, assim como os automóveis é para todos os gostos e carteiras.

    Neste momento não existe nenhuma moto elétrica económica que permita competir com os modelos a combustão. Julgo que este setor tem de investir mais para o conseguir

    • RC says:

      Depende do uso de cada 1.

      • Rui says:

        Verdade…

        Mas para as mesmas características tens um preço bastante mais elevado que provavelmente nunca será amortizado na vida útil da moto.

        • RC says:

          Depende da scooter, eu comprei uma por 9 mil euros que a versão a combustão idêntica custava 6.2 mil euros, essa diferença se compensou em menos de 50 mil kms. Que já os fez há muito tempo.

    • Milhais says:

      O que nao falta sao scooter eletricas que consegues comprar, compara o preco de uma YAMAHA – Delight que ronda os 3000 euros ou uma Yamaha EMF ( esta baseada na marca Taiwanesa Gogoro) que custa 3200 euros.
      Como ves a diferenca de precos e quase nula. A scooter de motor a combustao tem mais automonia, tem, mas tu num dia numa scooter nao vai fazer mais de 100km.
      E e uma grande forma de as pessoas em Portugal poupar centenas de euros, em vez de num agregado familiar ter 3 ou 4 carros, podiam ter apenas um.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.