Quantcast
PplWare Mobile

Espanha vai introduzir portagens em 12 mil quilómetros

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. David Silva says:

    Ainda na semana passada fiz uma road trip de carro por Espanha. Claro que a maior parte dos troços das AEs espanholas são gratuitos, mas também é verdade que a maioria está num estado lastimável…

    • Oscar says:

      Lastimável ???? Não concordo com a afirmação

      • Blackbit says:

        Eu concordo!
        Há AE espanholas em mau estado e onde é notório a falta de manutenção. Mas não tendo portagem o pessoal até “desculpa”.
        Comparativamente com as AE tugas, as nossas tem melhor manutenção e as áreas de descanso tem melhor aspecto e funcionalidade, mas o custo tb é outro infelizmente…

        • David Guerreiro says:

          Vê a A22, onde existe portagem eletrónica, e verás o mau estado do pavimento em muitos troços. O facto de se pagar não significa que o serviço vá ser melhor. A falha é do governo que não obriga os concessionários a fazerem aquilo a que são obrigados contratualmente.

          • Zé Fonseca A. says:

            A A22 é um problema politico há muito tempo, por isso não existe repavimentação.
            Hoje em dia tens boa manutenção em quase todas as AEs, logicamente que depende de concessionaria para concessionaria, a autoestradas do atlantico é bastante má, mas tudo o que é Brisa tipicamente está impec.

      • PTO says:

        É só olhar para a foto deste artigo.

    • luis nascimento says:

      eu viajo muito por Espanha e não acho que estejam nesse tal estado lastimável.

      • Blackbit says:

        Não todas claro, mas é mais fácil apanhamos troços degradados.
        Em PT é mais raro.

      • Manuel da Costa says:

        Depende. Por exemplo, se for de Vilar Formoso até Salamanca, vai ver estrada muito boa. Faça mais 15km e vai ver uma auto-estrada que é parecida com aquelas estradas portuguesas que levam alcatrão a cada 20 anos. É um troço de 11km que muitos camiões evitam, dando uma volta maior.

    • Joao says:

      Cá até pagamos para passar pontes. Uma vergonha.

    • Joao says:

      Cá até pagamos para passar pontes. Uma vergonha.

    • José says:

      Diga me as estradas em mau estado em Espanha, um troço que seja diha me, espero resposta

      • Daniel says:

        Pelo comentário provavelmente nunca andaste numa estrada em Espanha, mas, se queres conhecer um troço em mau estado (há muito tempo), pode ser a A-52 entre Ourense e Benavente!
        Mas há muitas outras com clara falta de manutenção.

  2. Miguel says:

    Pouco mudou desde as cobranças nas estradas romanas.

  3. Pedro V says:

    Vale tudo para manter as pesadas máquinas governativas e institucionais. Vai chegar o dia em que quem anda a bancar o pagode se irá fartar.
    Já foi meio mundo a trabalhar para outro meio, atualmente, devem ser 20% a trabalhar para 80. Desses 80 talvez 5% estejam incapacitados, os restantes 75 é mesmo dolce far niente.
    O sul da Europa está mesmo corroído por corruptos. Aguentem-nos.

    • Nuno says:

      Exacto. Toda a gente sabe que o privado é mais eficiente em tudo, lol. com tanto treinador de bancada a saber como resolver isto, eu até me admira que não se esteja na vanguarda. Os americanos é que estão bem, ao eliminar o Estado na maior parte das coisas. Ah, espera…

      • Test User says:

        Concessão das Auto Estradas em Portugal são privadas.

      • das Caldas says:

        É verdade, toda a gente sabe que na Banca, por exemplo, após a privatização só temos bons exemplos de eficiência: BPP, BPN, BES, Banif, etc, etc, Noutros sectores temos PT após privatização, CIMPOR, CTT, TAP, etc, etc… Co a privatização da EDP e os ganhos de eficência, a factura da luz baixou como o caraças, etc, etc…

      • Test User says:

        @das Caldas , Se das exemplos têm que ser com lógica

        1- Se queres comparar , tens de escolher empresas que foram geridos pelo Estado e Privados,
        2- TAP dava prejuizos altos com Estado (Exemplo: 1994 injectaram 900 milhões de euros
        Não foi exemplo de eficiência no estado.
        3- CTT têm dados lucros enquanto privada.

        Devias estar perguntar-te porque Bancos são lucrativos em Espanha e em Portugal vão falência. Porque existem poucas empresas portuguesas com dimensão .

        Devias perguntar se as empresas são mesmo privadas. Com tantos casos corrupção (BES,PT, EDP, etc). Cimpor venda foi promovida pela CGD.

        • Daniel says:

          Lógica, claro…

          A TAP acabou de ter 5 anos de gestão privada; qual foi o resultado?
          Mais milhões públicos…

          Os CTT privados têm um serviço muito pior e um preço mais alto.
          Em 500 anos como empresa pública, não há registo dos CTT alguma vez terem tido prejuízos!!

          Não faltam bancos falidos em Espanha: onde está, por exemplo, o Caixa Galicia?

          A Cimpor o quê?
          O BES não era privado?
          Hahahahaaa…

    • Carlos Fernandes says:

      Pesadas Maquinas Governativas?? Vamos ver se não será uma empresa privada a gerir as estradas…

      • Test User says:

        Concessão das Auto Estradas em Portugal são privadas.

      • PTO says:

        Quando são geridas por privados normalmente as autoestradas têm mais e melhor manutenção e conservação. Até porque se não for assim as concessionárias arriscam-se a que o Estado lhes retire a concessão.

        As empresas do Estado são péssimas no que diz respeito à manutenção do sistema rodoviário.

        • Daniel says:

          Hahahaa… a Noruega riu-se…

        • Daniel says:

          Sim, sim… mas qual Estado?
          Aquele em que o ministro da obras públicas do Cavaco passou para presidente de uma empresa privada (Lusoponte) e cujo governo lhe entregou os lucros de “mão beijada” – e o Estado ainda paga a manutenção?
          Com lucros (garantidos) e manutenção “subsidiada” pelo Estado, até eu era o melhor gestor do mundo!!

    • Manuel da Costa says:

      Por isso é que nos países escandinavos, tudo o que é serviço público, tem de ter 50% na posse do estado.
      Vá à Finlândia e veja que dos 28 canais televisivos, 21 são do estado. Que as maiores empresas tem o estado a controlar o capital. Até a IKEA tem 28% na posse do estado sueco. Deve ser por causa disso mesmo… com a diferença que se algum gestor registar que ganha o salário mínimo, tem 5 milhões de euros em automóveis, tem 8 casas avaliadas em 30 milhões de euros e os filhos vão passar 5 semanas de férias, onde gastam 120000 euros, recebem logo a visita dos “criminosos do governo”, para deter o coitado do gestor que só ganhava o salário mínimo. Coisas básicas para qualquer gestor privado.

  4. Luis says:

    Fonte?
    Procurei no google e diz que vai haver troços que vão passar a ser gratuitos a 1 de Setembro… Nada sobre passar a pagar.

    • TugaPensador says:

      Procura em espanhol…

      El Gobierno se ha comprometido ante Bruselas a tener listo el nuevo sistema de peajes en todas las autovías del país antes del 30 de junio de 2022, con el fin de comenzar a aplicarlo en el año 2024.

    • Manuel da Costa says:

      O governo espanhol teve de explicar porque é que perde 18230 milhões de euros anualmente, com a manutenção de “autopistas”. Foi nesse ponto que Bruxelas exigiu que obtivessem receitas para cobrir essa perda. Havia 2 formas: aumentar os impostos sobre os automóveis ou utilizar a “política do utilizador-pagador”. Optaram pela primeira (no caso dos combustíveis, que vai ter um aumento de 21 cêntimos no ISP, a dividir até Outubro de 2022) e pela segunda no caso das autoestradas.

    • PML says:

      Tb vi a notícia que certas AE iriam deixar de estar concessionadas. O que acontece é que passam para o estado, volta a concessionar com valores mais elevados e outras que não se pagavam vão passar a pagar-se. Nada de novo até aqui. Pior ainda é que os espanhóis que tinham dos combustíveis mais baratos da Europa vão ver os preços aumentar para ficar ao mesmo nível dos outros europeus, tudo com a desculpa do ambiente. A verdade é que é o sistema socialista (ou colocar outro nome qq aqui que é igual) a funcionar – aumentar o estado para menter a máquina a funcionar.
      Isto leva-nos a outra questão – o estado vai estar cada vez mais gordo e vai ser preciso mantê-lo. Com os carros elétricos a receita dos combustíveis deixa de existir. Qual acham que será a alternativa para sacar o guito ao contribuinte? Algo terá de ser.

  5. B@rão Vermelho says:

    Conhecendo os Espanhóis como conheço acho que não vai ser pacifico

  6. Ci says:

    Impostos pós-covid a chegar.
    Se prepara, que agora é hora… do show dos poderosos.

  7. Frederico says:

    Tudo o que tenha que ver com transporte rodoviário vai sofrer e muito na pele com as medidas ambientais.
    Os próximos anos vai ser sempre a aumentar impostos… e não tem que ver com o governo ser este ou aquele!
    Ser amigo do ambiente significa ter que reduzir em quantidade de automóveis a circular nas estradas.

    • Pwk says:

      E bom que ponham todos os portugueses das cidades a andar de bicicleta! No centro de Lisboa e Porto vao ser proibidos carros a circular com mais de 6 anos e devia ser menos!!

      • Zé Fonseca A. says:

        Isso está longe de acontecer e é só em zonas de grande movimento e zonas historicas, não afecta quase ninguém no dia a dia.

      • PTO says:

        Vão ser proibidos com mais de 6 anos? A sério? Ora mostra lá onde está isso anunciado pelas respetivas câmaras.

        Ou estás só e apenas a inventar fake news?

    • oiiiii says:

      Por mim até deixava o carro em casa e ia trabalhar de transportes públicos, mas, não tenho transportes públicos que permitam isso.
      Se eles quiserem reduzir a quantidade de automóveis a circular nas estradas concordo plenamente, desde que existam alternativas

    • Kiko says:

      Então e como é que vamos para o trabalho? A pé? De bicicleta? Tenho de fazer 50km diários, ao fim de um ano de trabalho poderia participar na volta a Portugal.
      Não faz sentido impor impostos para reduzir o número de veículos nas estradas.

      • siili says:

        “Não faz sentido impor impostos para reduzir o número de veículos nas estradas.”

        Mas acha mesmo que aumento de impostos é para reduzir veículos ou melhorar o ambiente…
        é ingenuidade…

        • Outro José says:

          Nem mais! Querem lá “eles” saber do ambiente. Há décadas que existem alternativas, as fabricas deveriam estar mais próximas e optimizadas por forma a não existir qualquer desperdício – tudo deveria ser reaproveitado e reutilizado, mas o que vemos é a construção de mais aterros. A “desculpa” do ambiente serve para tudo, até para pagarmos nas nossas facturas taxas para “disponibilidade de serviço” e outras do tipo, como pagamento de passagem de cabos! Vivemos no tempo mais estúpido da História, estúpido porque sabemos bem o que nos estão a fazer e deixamos a “coisa” andar. Mas em nome do quê?

  8. landrade says:

    Tivessem investido no comboio como via de distribuição principal em vez de terem andado a pintar o País de preto.

  9. Papitchulo.Paulo says:

    Acho graça aos comentários aqui feitos, todos preocupados com os espanhóis, em Portugal não há uma única via rápida sem portagens, peço desculpa há o IC19 kkkkk enfim por isso PT esta no estado em que esta, preocupem-se com os outros que cá é um espetáculo

  10. zé barrigudo says:

    devido a uma situação familiar, há cerca de dez anos que viajo mensalmente de carro para frança e apenas posso afirmar que nos últimos três anos, em espanha, foram totalmente removidas as portagens na ap-1 entre burgos e vitória e que foram colocados vários pórticos (mas só para os veículos pesados de passageiros e mercadorias) na a-15 já perto do seu final …

    • Manuel da Costa says:

      Estão a remodelar as estruturas.
      Em Burgos, vão passar a ser portagens electrónica, a partir de 1 de Março de 2022. Daí andarem a remover e a montar novas estruturas para colocar lá os pórticos. Entre Ciudad Rodrigo e Salamanca já lá estão, apesar de não terem dada para começar a cobrança e ainda não terem sinalização. Quem passar por eles, aquilo parecem semáforos.

  11. Manuel da Costa says:

    Para receberem os fundos da UE, para a recuperação da Covid-19, Espanha teve de mostrar que é capaz de equilibrar as contas públicas. Uma das coisas que Bruxelas notou é que o país perde mais de 18000 milhões de euros com a manutenção das autopistas (autoestradas). O governo espanhol teve de apresentar um plano para cobrir essa perda de dinheiro público. Havia 2 opções: aumentar os impostos automóveis e/ou usar a política utilizador-pagador.
    O governo decidiu dividir pelos dois: o imposto petrolífero irá aumentar 36% ao logo do próximo ano; vão colocar pórticos nas estradas mais usadas, para obterem os valores que acordaram com Bruxelas.
    Este plano é para colocar em prática até Maio de 2023. A maioria das medidas é para serem aplicadas até ao fim do 3 trimestre de 2022.
    O aumento dos combustíveis vai começar já em Setembro deste ano. Ao mesmo tempo, irá entrar uma taxa de biocombustíveis, no valor de 2 cêntimos por litro.
    No caso das portagens, ainda não há planos certos. Algumas estarão já a funcionar no final de 2021, outras vão sendo montadas e ficam à espera de acordo entre o governo e o governo regional, para serem activadas.

  12. Zé Fonseca A. says:

    Isto vai ser bom para a economia tuga, muitos produtos nas prateleiras do supermercados vão ser trocados por produtos tugas devido ao aumento dos preços de transporte.
    Ganhamos em consumo interno e qualidade de produtos.
    Pessoalmente não consumo nada espanhol há longos anos, o que consumo compro em espanha.
    Chato só para as senhoras que compram roupas de marcas espanholas.

  13. PorcoDoPunjab says:

    Espanha tem milhões de subsidio dependentes e o dinheiro para sustentar isso tem que vir de algum lado
    Aumentem os combustíveis aumentem, que os Espanhóis partem aquilo tudo.
    Os Espanhóis não são Tugas mansos herbívoros.

    Detesto Espanha, não compro nada de lá, pelo menos intencionalmente.
    Depois daquele episódio nojento do Prestige, fiquei lhes com um pó que nem os posso ver.
    Vendo a origem Espanha, largo logo da mão.
    Até acho que os devíamos invadir….
    Alguém sabe se as armas de Tancos foram devolvidas?
    É que sem elas estamos indefesos.

  14. Joao Ptt says:

    Podiam ter ido pelo caminho difícil e colocavam um selo de auto-estrada e cobravam 1500 euros/ viatura/ 1 ano.
    Haveria muito menos gente a circular nas auto-estradas logo teriam de gastar menos dinheiro nelas. Se houver 13 milhões de viaturas a pagar o selo, já deve cobrir os custos.
    E claro podem aumentar os combustíveis à prevenção, e caso tivessem aqueles aderentes todos recuavam no aumento do custo energético para os veículos, caso contrário aumentavam o custo energético até terem o dinheiro necessário.

    • Outro José says:

      As auto-estradas regeneravam-se por si mesmas? A exposição ao tempo e clima deixavam-nas impecáveis? Se não são para utilizar para que servem afinal?

      • Joao Ptt says:

        Se não existirem veículos a circular nelas o desgaste é muito inferior, e por isso existe menos necessidade de intervenções, e é mais fácil de ignorar reparações já que existe menos gente a lá passar e a fazer reclamações.

        Para que servem afinal? Para a malta do estado, empresas e ricalhaços em geral conseguir viajar de um lado para o outro rapidamente e com menos empatas no caminho.

    • PTO says:

      1500 euros/viatura/1 ano?
      Não bates bem da cabecinha, pois não?

  15. Jorge says:

    Malta, tenham calma. Só a partir de 2024 e não se sabe se vai ser sistema de portagens como conhecemos. Estão de momento a debater qual será o molde de cobrança para vias de alta velocidade (autopistas, autovias e as vias rápidas das comunidades).

    O estado está a resgatar todas as concessões que vão terminar até à data, para criar o sistema nacional de cobrança. À partida deverá implementar o sistema de vinheta como se tem vindo a aplicar na Áustria e na Suiça, uma vez que, não apenas poupará em infraestrutura, como poderá usar o sistema de radares para detetar se tem o “imposto de autoestrada” pago, juntamente com uma vinheta.

  16. 123tuga says:

    Na Holanda não há portgens…as autoestradas são maravilhosas bem feitas e bem mantidas.
    Só que os impostos sobre os veiculos no momento da compra refletem isso mesmo.

  17. PorcoDoPunjab says:

    Na Suíça sei que a vinheta para utilizar as autoestradas por 1 ano custa 45 francos ou pouco mais.
    Espera aí que os espanhóis vão meter essa mesma vinheta a 45 euros, é que é já a seguir…

  18. José says:

    É uma vergonhosa miserável atitude a de muito mal falarem das estradas espanholas cujas as quais são um exemplo…, só posso Imaginar que quem fala mal, nunca veio a Espanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.