PplWare Mobile

Carro eléctrico não carrega… se não pagar o aluguer da bateria


Autor: Maria Inês Coelho


  1. Nelson says:

    Por mim, tudo bem, desde que não me obriguem… Ou que não ande a polícia a trabalhar para os fabricantes…

    Eu acho que simplesmente o carro deveria vir sem a bateria, e o dono é que decidiria que bateria usava no carro…

    Assim como um telemóvel, pode-se comprar desbloqueado ou bloqueado, e dentro dos bloqueados, com contrato e sem contrato…

    • lmx says:

      boas…

      Melhor Nelson…deveria ser dada a pessoa a hipotse de usar bateria ou gerador vitalício…apesar de custarem para lá de 1000€ são para sempre…quer dizer enquanto durarem claro 😀

      Mas eu não os vejo a usarem gerados…claro…perdem o negocio das baterias, e o estado perde o negócio da electriidade…pois…

      Mas assim é que era…queres pagar balurdios e andar a bateria, ok.
      Mas se queres andar a gerador e nunca mais precisares de carregar o carro, tens essa hipotse…eu se tivesse um electrico, logo desde inicio mandava vir um gerador e montava-o…punha logo os traficantes a chupar no dedo, contructor e estado.

      cmps

      • Coiso says:

        Muito interessante a sua resposta lmx..

        Isso de andar a gerador deve ser muito bom mesmo, e já agora o gerador anda a ar?

        Parece interessante, portanto construiram os carros elétricos por causa dos carros que consumiam gasóleo e gasolina e você ia comprar um carro elétrico e para não pagar o aluguer da bateria, usava da sua inteligência e colocava um gerador (a gasolina)…

        • lmx says:

          OMG…

          a electricidade é gerada normalmente em turbinas…de alta ou baixa pressão…nas barragens por exemplo…

          porque não pegar no inverso e produzir algo que gera electricidade apenas baseada no electromagnetismo…o contrario do motor electrio???

          uma ajuda…
          https://www.youtube.com/watch?v=Wk4m1MLZudE

          são aos pontapés…por ai…quer dizer mais na América, na Europa existe uma coisa negra no controlo da energia…as pessoas ou teem que comprar baterias…ou teem que comprar electricidade a EDP, ou teem que comprar as duas coisas…

          mas não teem opções para os carros virem já com um gerador de fabrica…coisa que nos possibilitaria não depender de baterias, etc…

          cmps

          • João Inácio says:

            Desculpa despedaçar as tuas expectativas, mas algo deste género é impossível segundo as leis da física. Simplesmente não podemos ter algo a produzir mais energia do que aquela que usa para produzir.

          • Nelson says:

            Ó lmx, eu não sabia o que era um “gerador vitalício”, e o coiós também não,,,

            Mas aprendemos que não eras lá muito bom a física na escola, pois não?

            Boa sorte com o teu gerador vitalício 😉

          • newJ says:

            Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.. Então a energia do gerador vinha de onde? Claro que o gerador ia consumir energia para produzir energia.. Nas descidas tudo bem..

          • Carlos says:

            “ou teem que comprar electricidade a EDP”

            Não, não tens.

            Podes comprar à Iberdrola, à Galp, etc., etc.

            http://lmgtfy.com/?q=mercado+liberalizado+eletricidade

          • nosf says:

            Desculpa lá, mas tu não fazes ponta de ideia do que estás a dizer.
            Ocorre-te que se isso funcionasse já tinha sido implementado noutras situações?

            Num sistema perfeito, não há desperdícios de energia, o que possibilitaria que o dizes fosse verdade. Mas não há um sistema perfeito. O motor desperdiça a energia em calor devido ao atrito e inércia e etc., isto acontece novamente no gerador, essa energia é perdida.

            Não leves a mal, mas até para alguém que chumbou a física isto é óbvio. Como tal, evita repetir a mesma treta sem te informares.
            Crias rumores falsos sem necessidade.

          • lmx says:

            meus caros…é precisamente por ter sido bom a Física que compreendo na totalidade a ideia…

            E é básica!!

            http://www.youtube.co/watch?v=EpxOV-NrVGM

            dei a ideia das turbinas…porque aqui os himanes fazem precisamente esse trabalho…parece que vocês é que nas aulas de física não prestaram atenção…

            Gastaria mais energia do que a que produz…se não usasse o sistema de imanes permanentes

            Como utiliza os imanes..é um luxo 😉

            cmps

          • lmx says:

            meu caro nosf…

            lamento, mas nunca chumbei a Fisica, muito pelo contrario…tendo eu o gosto que tenho pelo conhecimento…

            Muito pelo contrario…nunca tive abaixo de 15 valores em nenhuma nota relacionada com Física…e digo 15 com alguma vergonha…porque acho um 15 uma nota fraca para cadeiras deste género…

            cmps

          • Hugo Cura says:

            lmx, esta é a oportunidade da tua vida!!

            Guarda a “ideia” para ti e cria o mercado, não disperses o teu trunfo 😀

            hehe… e continua a ter em conta a sugestão que te dei do gato, pode servir para meter o “motor de energia infinita” a trabalhar!!

            http://www.seiga.com.br/2011/wp-content/uploads/2011/12/massa.jpg

          • lmx says:

            nosf

            A mim não me ocorre nada a mais do que o obvio…

            e sim ja foram inventados a mais de um século pelo menos…hoje em dis é que temos imans potentes que possiblitam a miniautrização dos mesmos..

            Claro que não são usados…o como ficava o negócio da energia nas EDP’s e do petróleo e das Ventoinhas alemãs e sei lá o quê mais???
            Já te ocurreu porque é que não existem equipamentos á venda destes??Então pensa…e vais chegar a uma conclusão muito básica, e a única, porque ..que eles existem existem ha mais de um século meu caro…

            Hugo Cura…

            Não guardo a ideia para mim, porque a ideia não é minha…por acaso eu até já tinha pensado nisto, quase de certeza muitos de vocês também, mas a ideia existe a mais de um século implementada!!

            Quanto aos métodos que tu utilizas para por motores a trabalhar…não sei do que falas…mas lá deves saber tu…

            cmps

          • Hugo Cura says:

            lmx, por acaso também já tive Física.
            Tive depois Física 1, Física 2, Electromagnetismo, Electrotecnia Aplicada e Mecatrónica.

            Conheço as leis envolvidas e o que inviabiliza que isto seja aplicado num ambiente como o que sugeres.

            Mesmo com patentes (se é que existem), se isto fosse mesmo viável (como achas que seria), já teria sido comercializado por uma grande empresa, que pagaria o que tivesse de ser por usar essas patentes.

            Há ainda a questão de que os ímanes são “permanentes”. Há algumas variáveis externas que condicionam o magnetismo.

            Mantém-te pela discussão do open-source!

          • lmx says:

            cara hugo lamento,

            mas as tuas aulas de Física parecem terem saído goradas…

            Pelo menos antes de falar deverias ter feito um esforço, como alguns fizeram para perceber…algo que é básico, mas que pouco gente usa no mercado privado…

            Estas a dizer que conheces as leis envolvidas, pois eu desconfio que não conheces mas é nada…pois se conhecesses não inventavas historias de ratos com manteiga e afins…não é Hugo??

            Dizes que tives-te uma serie de cadeiras na Area…bom talvez tenhas tido…mas não te valeram de muito pelos vistos…

            Por ultimo andei de volta dessas areas cerca de 15 anos da minha vida…não venhas tu me dar lições de física, a qual ainda por cima pareces desconhecer…

            Quando é que vais sair da tua redoma de vidro e olhares para o mundo de olhos abertos…?

            Para poderes ver como os interesses económicos de posicionam em relação aos diversos temas…
            já deverias ser crescidinho o suficiente para teres os olhos abertos…

            cmps

          • Hugo Cura says:

            Ahah, então ficaste tapado demais com a física que deixaste de ser capaz de distinguir a ironia que por aqui circulou, não apenas minha 😀

            Mas deixa que te diga (e detesto dizer aos outros o que dizem a mim):
            “Quando é que vais sair da tua redoma de vidro e olhares para o mundo de olhos abertos…?”

            Sim, fia-te no sucesso dos ímanes permanentes a alimentarem carros e não abras os olhos 😀

            15 anos a insistir e nada?! hehe

          • lmx says:

            “Ahah, então ficaste tapado demais com a física que deixaste de ser capaz de distinguir a ironia que por aqui circulou, não apenas minha :D”

            A ironia existe em tudo na vida…
            Existem sempre os que criticam , ou porque não percebem, ou apenas porque sim…veem alguém a criticar e saltam a criticar também…tu que trabalhas de alguma forma na are..já te deverias ter apercebido disso mesmo ou não?

            “Sim, fia-te no sucesso dos ímanes permanentes a alimentarem carros e não abras os olhos :D”

            Não são os imanes que alimentam o carro apenas por si mesmo…além de que são muitos imans…e também não são imans permanentes normais, são criados de diversos materiais que lhe conferem propriedades únicas…que não existiam nestes mecanismos no passado…

            É possível alimentar carros, dependendo da sua potencia sim…e era nisto que eu gostava de ver as marcas investirem, por isso mesmo trouxe o tema, claro que existem desafios enormes, mas não existem em todo o lado??

            Não preferias uma solução destas a pagares 10000€ por baterias que te duram 4 anos no máximo??

            É só isso o Hugo nada mais…

            Eu não passei 15 anos de volta disto…alias eu tomei conhecimento disto na faculdade a cerca de 13-15 anos atrás…nem nunca usei estes imans.
            mas vejo que o seu funcionamento parece-me lógico…agora se é fácil ou difícil controlar o calor,etc, isso já não sei, mas se eles existem é porque existem soluções correcto?

            O que eu não percebo é o excesso de cepticismo que ai vai…para um homem que todos os dias vê o mundo descobrir coisas fascinantes, etc, a mim mete-me confusão…

            Não te rales com a ironia…ela faz parte dos seres mais fracos a nível de valores…é a historia que o diz… 😉

            Agora não fiques a pensar que perco o meu direito a minha opinião só porque existe determinado tipo de pessoas que vai ironizar com isso…isso seria uma atitude de miúdo..há décadas que sou homen meu caro…

            cmps

        • lmx says:

          boas hugo… 🙂

          não guardo nada…a ideia não é minha…

          isso esta mais que inventado …a mais de 1 século pelo menos…o problema é que na altura não existiam imans artificiais com a potencia dos que existem hoje…

          além de que existem 3 patentes criadas a long time ago, sobre este assunto…e que por isso mesmo..ninguém pode construir PARA VENDER equipamentos destes(mas podes faze-los para ti ;))…a não ser que houvesse um acordo com os herdeiros do Dono das patentes…mas como isto funcionam..não sei se não estarão já na posse de alguma companhia petrolífera…

          Ou então criar um design inovador…tipo este:

          http://home.howstuffworks.com/home-improvement/construction/green/how-to-build-magnetic-generator.htm

          mas isto é para empresas , não para mim… lol

          cmps

          • Nuno José Almeida says:

            ah só mais uma coisa, todas as patentes estão sujeitas a licenciamento quer o patenteador queira ou não. Lmx faz lá a experiência e depois falamos.

          • lmx says:

            Nuno,

            pois isso já não sei, o que sei é que toda a gente refere que só poderá ser feito para uso domestico privado :S

            Ou teem medo, …ou teem medo…?!lol 😀

            cmps

      • pixar says:

        Boas,

        desculpa mas o que estás a dizer vai contra todas as leis da física.
        Para gerar energia eletrica necessitamos sempre de outra forma de energia. Num carro ao colocarmos um gerador estamos a travar o carro seja qual for o tipo de gerador. Se for eólico, a ventoinha, que está ligada ao alternador, irá travar por várias razões: atrito do ar, rolamentos, etc. O próprio alternador, devido aos campos magnéticos gerados ou permanentes (depende do alternador), irá travar também. Podes confirmar isso rodando com a mão um alternador ou mesmo um pequeno motor de uma impressora.
        A energia gerada seria sempre menor doi que a necessária para asua produção, ou seja, o carro não anda. Já existem carros com alternadores que recuperam alguma energia nas travagens, mas só nessa altura, porque aío objetivo é mesmo travar.
        No youtube o que não falta são vídeos de geradores eternos com imans permanentes. O que não referem é que os mesmos imans que produzem energia, também travam o movimento. E campo magnético sem movimento não produz energia.
        Isso não passam de tangas, infelizmente.

        • lmx says:

          pixar…

          “desculpa mas o que estás a dizer vai contra todas as leis da física.
          Para gerar energia eletrica necessitamos sempre de outra forma de energia.”

          Não meu caro não vai contra as leis da Fisica…porque a energia não nasce, mas transformasse…

          Aqui ninguém está a criar energia, mas apenas a transforma-la 😉

          cmps

          • Nuno José says:

            lmx, então nesse caso estás a travar o carro!!!!!!! estás a usar energia cinética para gerar electricidade logo a perda é maior que o ganho!!!!!

            Vamos por assim, estás a pensar nos geradores das barragens certo? Então se não houvesse “travagem” por parte geradores porque é que não se coloca uma data de geradores em fila todos ligados à mesma turbina? Entendes agora?

          • pixar says:

            Sim, mas o que está a fazer, na sugestão do vídeo, é criar mais do que a necessitada.
            Nunca te esqueças de uma coisa: não existem geradores eternos (mesmo limitados pelo tempo de vida do equipamento).
            Tudo o que disserem em contrário, é tanga.

          • lmx says:

            Nuno José

            Entendo e faz todo o sentido o que o Nuno diz…com uma diferença…

            Na industria tenta-se sempre ter o máximo, com o mínimo de esforço 😉

            Ou seja numa barragem onde podemos e devemos(é para isso que elas são construidas) aproveitar a energia mecânica da Agua, não faz sentido este mecanismo…

            É tudo uma questão de preço e lógica 😉

            Na barragem …já tens alguma coisa que gera a energia mecânica que precisas para as turbinas correcto?
            Então umas “rodas” com elices é muito mais barato… 😉
            é so isso que é preciso na ponta de um gerador, umas paz em ferro e umas elices…pronto sai mais barato.
            Tendo em conta que vais gastar toneladas de dinheiro a fazer uma barragem, vais aproveitar a força mecânica da agua, ao embater nas paz…

            Mas se não tiveres barragem, e quiseres gerar electricidade, como fazes..??tens que recorrer a algo que forneça uma energia mecânica ao gerador… 😉

            É ai que entram os imans…a mais de um século usados em geração de energia 😉

            ou seja substituis a pá com elices por um sistema de imans e com base na atração/repulsão…forneces a energia mecânica necessária á parte do gerador…pronto. já estas a gerar energia 😉

            este sistema é mais usado em Países como os estados unidos, em frança, e outros…mas nunca veio para o publico a ideia…percebe-se facilmente porquê…o negocio deles é gerar energia para vender depois ao publico 😀

            No entanto o sistema no passado não tinha um rendimento por ai além…porque não existiam imans artificiais potentes como os que existem de á uma década para cá…

            O sistema dos imans é para garantir que o rotor roda sempre, porque os imans do estator estão fixos e empurram os do rotor 😉

            O resultado é um sistema que nunca mais para..gerando sempre energia…quer dizer algum dia terá que parar lol…por exemplo os rolamentos do veio do rotor podem gripar…mas os das rodas dos carros também gripam 😉

            Para isso existem oficinas 😉

            É muito mais barato que baterias e muito menos pesado…aqui também dependerá da potência que queiramos no carro obviamente, mas nas baterias também depende…

            ou seja a única coisa que o teu gerador faz é gerar electricidade para alimentar depois o motor electrico 😉 , neste caso precisas de um dispositivo apenas que faça arrancar do zero o gerador…que ele depois trabalha sozinho 😉

            Por exemplo um mecanismo simples que o Carlos deu uma ideia abaixo, usar por exemplo, um dínamo, ou outra coisa qualquer…

            por exemplo um motor de arranque fraquito, agarrado a uma bateria pequena que depois carrega através do mesmo gerador…

            Ja reparas-te como funciona o mecanismo de geração de energia nos carros actuais…vulgo alternador?
            eles são responsáveis por carregar as baterias dos carros…com uma diferença…eles não teem nada que os impulsionem por si só(eles funcionam baseados na energia mecânica fornecida pelo motor principal ;))…é ai que entram os imanes…

            não sei se percebes-te alguma coisa do que escrevi, eu a escrever sou uma lastima 🙁

            cmps

          • lmx says:

            pixar

            não é gerada mais energia pixar…!

            É utilizada a energia da atração e repulsão dos imans permanentes..

            Esta energia mecânica vai mover um gerador e vai ser produzida energia..

            Enquanto os ímans durarem o sistema é perpétuo…ou seja roda sempre 😉

            energia grátis para todos…quer dizer não é bem grátis, porque tens o custo do gerador perpétuo 😉 mas muito mais barato que as baterias, e mais leve…

            com o passar do tempo, o custo da energia é menor…pois o custo do gerador cada vez é mais diluído pela sua utilização…

            A autonomia?bom essa depende da duração do gerador… 😛

            Isto podia ser o futuro…mas eu sei que nunca vai chegar a ser…

            Existe malta que os constrói para terem em casa e serem autosuficientes, outros que os constroem para levar na caravana de férias..sei la pra muita coisa…

            Mas um lugar onde assentavam que nem uma luva era nos carros…mas isso estraga o negocio das companhias de electricidade, dos estados que cobram por energia,e das empresas de carros que agora além do negocio do veículos, ainda querem lucrar nas baterias, etc…

            Está tudo mais do que inventado 🙂

            cmps

          • pixar says:

            “ou seja substituis a pá com elices por um sistema de imans e com base na atração/repulsão…forneces a energia mecânica necessária á parte do gerador…pronto. já estas a gerar energia”

            Bem, contra factos não há argumentos. Tu acreditas mesmo nessas coisas. Que mais posso dizer…

            A questão é a seguinte: se isso funciona mesmo e até existem tutoriais no youtube para a sua construção, porque será que eu nunca vi um desses geradores ao vivo? E nem te vou perguntar se já viste porque sei que não viste.

          • Nuno José Almeida says:

            lmx faz a experiência depois falamos

          • lmx says:

            pixar…

            eu não acredito em tudo o que vejo pixar 😀 apenas nas coisas que para mim fazem sentido…

            Quero dizer, fazem sentido depois de as ver e pensar nelas…não que as descubra como verdades absolutas, assim do nada , tipo durante o sono 😀 era bom era, mas sou um mero mortal lol .

            porque não os vês ai…?

            eu tenho a minha opinião, mas é apenas a minha opinião..

            isso é uma pergunta que tens que perguntar a outras pessoas..

            ou então formares tu a tua opinião baseado em determinadas permissas, e algumas tu conheces…e depois confrontar com todas as opiniões das outras pessoas que se interessam pelo tema…

            mas digo-te já que isto não é barato…dependendo do equipamento podem custar-te bastante…não sei se te safas por menos de 1000€…a ver vamos em que preço ficará o meu de 6kw…há e depois não esqueças que em Portugal a alfandega joga um papel muito difícil de contornar…e disso que eu tenho medo…é da alfandega…

            cmps

          • pixar says:

            lmx,
            vais mesmo construir o gerador com imans? Se construires um igual ao do vídeo não te devem chegar 1000€. Os imans de neodímio são muito caros. Continuo a achar que vais deitar dinheiro fora. Mas se estás decidido, depois partilha os resultados, embora eu saiba quais são 😉 .
            Uma vez ajudei a construir uma eolica onde usamos apenas 24 imans (de 54kg) e gastou mais de 200€. A eolica era apenas de 1000W. Mas essa funcionou!!

          • lmx says:

            pixar…

            isto esta mais que inventado…não é é preciso acreditares …

            Olha deixo-te um video numa universidade Alemã…numa conferencia entre cientistas…em que alguns dizem já terem descoberto isto(de peito feito), outros dizem estar muito próximos…nesta conferencia…há um turco…que não sei sequer se é engenheiro…mas tem muito engenho que fez um equipamento prototipo e esta a mostra-lo…

            No meio disto também podes ver a inveja de alguns que ao ainda não terem descoberto…dizem que só acreditam quando a maquina for aberta…por final…la acabam por dar os parabéns ao Turco bahhhh 😀

            https://www.youtube.com/watch?v=mHW6b1aFPfU

            mas é como tudo secalhar se tivesses um acreditavas…

            Ironic mode on:
            Olha eu não acredito em naves espaciais…ainda não tive nenhuma 😉
            Ironic mode off:

            cmps

        • lmx says:

          Boas pixar…

          pois…sim gostava de construir um, para a minha casa no campo…mas no máximo 6kw, nada de exagerado…só mesmo para as necessidades básicas…

          estou com receio que gaste muito mais que isso…já vi alguns de 6000€(mas são muito mais potentes…que o que estou a pensar copiar) :S

          Mas o meu medo maior é o da alfandega…é que se um equipamento destes me custar 3000€…a alfandega leva-me mais 3000€ :S e isto para mim é inadmissível…

          Tens alguma noção do processo de importação dos imans que usas-te, ou estives-te sempre alheio á importação?

          isto era importante para mim saber…há já uns anos que venho degustando a ideia 😀 , mas a alfandega, retira me a vontade…

          cmps

          • mc says:

            LOL importar, em princípio custa apenas o iva; depois há certos artigos que pagam imposto, mas, a não ser que seja para protecção contra venda a prejuízo, são aí uns 4 e tal por cento…

          • pixar says:

            O tipo que me pediu ajuda para a construção da eólica comprou num site alemão. Penso que ninguém colocou problemas em termos de alfandega já que é um país da UE.
            Penso que o site foi este:
            http://www.supermagnete.de
            Boa sorte!

          • lmx says:

            obrigado pessoal..

            eu em relação a alfandega…tenho muitas reservas…já fui muito escaldado…e tipo o preço final sair-me a cerca de 180% do preço do producto…como digo…isso depende da “direcção do vento”, falo por experiência própria…

            Em relação a esses ímanes, tenho estado a “degustar”…

            Obrigado pelo link 😉

            cmps

    • Carlos says:

      Excelente ideia.

      Claro que há o probleminha de não haver outras baterias, mas que tal uns pedais para acionar um dínamo?

    • César says:

      Bom comentário.
      É esperar é pelos carros movidos a água (electrólise).
      Sei que existem para aí umas scooters, bastava saber é onde (e se)são vendidas… era uma compra garantida!

    • Louy9 says:

      Os carros que vou fabricar vem com energia (quase) infinta, são basicamente uns mini-reatores nucleares, o carro anda até pelo menos ao ano 3000 (com a devida manutenção claro), garantido ou o seu dinheiro de volta.

    • Bruno Umbelino says:

      na minha opiniao devia ser tipo as box da meo

      o cliente compra a bateria e a renault nau assume avarias na bateria e o cliente faz o k kiser com a bateria

      ou aluga a bateria e kuando houver problemas na bateria a renault substitui a bateria gratuitamente

  2. Rochita says:

    Pagar aluguer da bateria + conta gigantesca de luz? Não obrigado… não existe vontade de nenhuma empresa de automoveis em criar um carro elétrico que seja eficiente, ou são feios, ou pouco práticos, caros e agora querem criar taxas de aluguer por uma coisa que deve ser adquirida e ponto. Estou mesmo a ver que enquanto o petróleo e a mama de todas as grandes empresas acabarem este tipo de tecnologia não vai a lado nenhum…

    • Vasco says:

      quando acabar a mama do petróleo começa a mama das baterias…

    • Ricardo says:

      Eficientes já eles são quando comparados com os de combustão (70% contra uns 30% mais coisa menos coisa). Quanto ao aluguer da bateria pode ser bom ou mau. Ao alugar o carro fica mais barato e se houver bronca com a bateria a marca resolve.

      Quanto à conta da luz gigantesca não obrigado? sim sem duvida uma escolha inteligente, vou antes usar gasoleo/gasolina que fica mais em conta. Por ex o leaf para fazer 140 km gasta cerca de 2.8€ (com um consumo de 150kWh/km, .14cent/kWh e com uma carga de 20kWh), num a gasolina/gasoleo era só mais do dobro, por isso sim a escolha acertada é andar a combustíveis fosseis. E antes que venham falar da parte da geração e tal, o percurso da electricidade é mais eficiente que o do combustível fóssil.

      O problema nos eléctricos é o custo da bateria que é muito elevado (cerca de 400-500€/Kwh) e quanto a isso não à muito a fazer…

      • André says:

        a bateria custa muito mais que 500€

        • Ricardo says:

          POr isso é que eu disse 400-500 €/kWh, ou seja uma bateria com 22 kWh custa uns módicos 8.8-11k €, o que é praticamente metade do custo do carro.

          • mc says:

            Não estás à espera de andares a mamar à custa do contribuinte para sempre, estás? Além de que, se todos mamassem, lá se ia o benefício do subsídio…

      • lmx says:

        depende…

        porque não é utilizada uma bateria de valor mais baixo, e … porque não se utiliza um gerador para carregar a bateria…assim não é necessário carrega-lo na tomada…nem é necessário ser acionista da EDP…

        energia infinita…ou pelo menos enquanto o gerador funcionar…
        há décadas que existem…mas não os vejo nos carros…porque será??

        cmps

        • Alfie says:

          Sem querer ser mau para ti, deixa-me dizer-te que estás urgentemente necessitado de uma reciclagem nos bancos da escola na área da física, pelo menos. Vá lá trata disso.

          • lmx says:

            muito obrigado…

            Mas com o mesmo propósito aconselho-o a si a fazer isso mesmo…

            Se não é capaz sequer de perceber o conceito…então talvez precise de voltar as aulinhas de Física…

            cmps

          • Nuno José says:

            lmx é fácil, constrói um e vê o que acontece. NADA. Raios a sério mas um estudante de física acredita neste vídeos??? Se fosse verdade então não tenhas dúvidas que era construído porque vale muito dinheiro e não venhas com teorias da conspiração parvas que só servem para distrair das verdadeiras.

            Mas que sentido crítico é esse que vê um video manhoso no youtube e aceita o conceito. Se foste estudante de ciência conheces o método cientifico que tal o usares?

            Desculpa a agressividade mas por vezes é preciso para fazer acordar as mentes. Vá bora lá usar o método cientifico, testar a hipótese analisar os factos e chegar à teoria.

          • lmx says:

            Nuno José…

            acho que não perdes-te algum tempo…”com olhos de ver” a olhar para o video …caso contrario terias percebido logo a partida o conceito 😉

            La existem aos magotes pelo mundo e não tenho duvidas que o meu prototipo vai funcionar…porque a ideia é basica…para quen ja estodou fisica, elestromagnetismo, etc…

            Mesmo para quem não estudou, será facil perceber que …se rodar um motor com a mão produz energia…certo???obviamente que transforma um tipo de energia em outra…mas o que interessa é que produz energia!

            Obviamente que um motor convencional não deve ser usado para gerar energia, mas apenas para a consumir…porque foi para isso que foi pensado…

            Mas se trabalhares a coisa do ponto de vista apenas magnético 😀 sim claro que funciona…

            Qual é o principio da geração de energia utilizado nas barragens, e em outros locais…como na geração por vento…

            Um fio na presença de um iman…

            ou varias o iman ou o fio…pronto tens energia electrica…porque é induzida uma corrente no fio electrico…é o básico…

            É a historia básica do eletromagnetismo…e sim sempre foi assim, não mudou agora porque postei um vídeo lol

            cmps

          • vitor says:

            Lamento informar, mas duvido muito que vás encontrar imanes permanentes em barragens, pelo menos em barragens com potência instalada superior a algumas dezenas de MVA. A tecnologia empregue é maquinas rotativas síncronas, e sendo maquinas síncronas, o rotor é constituido por enrolamentos percorridos por corrente contínua, de forma a que tenham um comportamento semelhante a um íman permanente, mas com um campo de indução magnética muito superior adequado á potência destas máquinas.

            Poderás encontrar imanes permanentes em geradores síncronos trifásicos, e penso que já se começa a utilizar essa tecnologia em aerogeradores com potência até 2MVA.

            Adiante, a topologia de imanes permanentes no rotor funciona apenas porque o rotor se encontra em movimento, e cria um campo magnétigo girante, que ao atravessar as bobinas do estator, vão induzir corrente elétrica nesses enrolamentos.

            Resumindo:
            1- O rotor tem de se encontrar em movimento para haver um campo magnético girante.
            2-o estator tb vai criar um campo magnético girante com o mesmo sentido do do rotor, desde que esteja ligado á rede.
            3-se não houver binário sobre o rotor, o rotor roda á velocidade do campo girante produzido pelo estator, e num sistema ideal, o gerador não irá absorver potência para manter o rotor a rodar.
            4- então terá de existir binário no veio, de forma a que o gerador forneca potência elétrica.
            5-portanto, se não forneceres potência mecânica ao veio do rotor, no máximo o rotor irá rodar a 50Hz e o gerador irá absorver uma pequena potência de perdas.
            6- ah, espera, mas se não forneceres continuamente uma força sobre o rotor, e tiveres uma carga sobre o gerador, então depressa deixas de ter 50Hz. É como se um carro que está á velocidade constante numa estrada plana de repente encontra uma subida e deixando-se de carregar no pedal a velocidade diminui.

            Espero que consigas perceber que a potência mecância pedida á fonte de energia existe e está associada a um binário constante exigido á fonte, seja essa fonte umas pás de uma turbina ou então esse tal gerador magnético. mas ao contrário das turbinas, o gerador magnético por mais que esteja a rodar á velocidade constante, este não esta a fornecer binário. É como a situação das imagens do link: http://personalogia.wordpress.com/2009/08/01/moto-perpetuo-a-maquina-dos-sonhos/ em que a força criada pela bola a bater na extremidade é igual a força da bola a regressar ao eixo e o binário é então nulo.
            O gerador infinito teóricamente roda infinitamente, mas mesmo com esse gerador teórico, se lhe for retirado a esse movimento uniforme uma parcela da força para induzir corrente, ou seja gerar energia. e dessa forma esse gerador infinito irá parar.

            Boa noite.

          • lmx says:

            Boas Vitor…

            Desde já gostei do teu comentário, foi muito diferente de muitos que me pareceram tresloucados, mas enfim…

            Eu não queria dizer que nas barragens usam imans…isso não faria sentido…sendo que …construiram a barragem lol 😀

            em relação ao binário, concordo, sem ele o conjunto iria acabar por parar 😉

            Mas este sistema de imanes gera um binário, que dependendo do sistema
            pode ser maior ou menor…

            uma das formas simples de variar o binário, seria afastando ou aproximando o estator do rotor de imans…fariando portanto a força magnética a que o rotor estaria sujeito…
            Estou a falar de imans super potentes de neodymiun, capazes de gerar campos magnéticos superiores a 1.6T, são brutais…

            Estou a imaginar um sistema em que, tens um rotor e um estator de imans permanentes…o rotor estará depois acoplado a um gerador…

            Este sistema gera um binário, para conseguir manter ou acelerar(por exemplo afastando ou aproximando o estator do rotor) o rotor que se encontra ligado ao gerador…

            acho que percebi o que disses-te e claro concordo 😉 se não houver binario suficiente, o sistema acabará por parar…

            Mas este sistema, pode ter bianrios mais fortes ou mais fracos consoante a força magnética entre o rotor e o estator…e claro a distância dessa força ao eixo(momento de força)…

            Na pratica somando os diversos momentos de força provocados pelos diversos conjuntos podes acabar com binários jeitosos 😉

            cmps

      • Nuno Vieira says:

        Acho que te enganaste com o consumo médio. Disseste 150 kWh/km, mas presumo que querias dizer 150 Wh/km. Se o Leaf tivesse esse consumo mais valia ir roubar um banco. O problema é que não ia muito longe depois do assalto visto o veículo ter uma bateria de 24 kWh. Conseguia fazer uns 160 m, depois tinha que fugir a pé.:)

        • Ricardo says:

          Podes usar um gerador, mas vai lá fazer a conta pa ver a quanto te sai o € por kWh.

          O gerador não funciona a água que eu saiba e gerar 22kWh, sem contar com perdas, deve custar bem mais que se for carregado pela rede…

          • lmx says:

            boas…estou a falar de um gerador vitalício…e não de um gerador que utiliza outra fonte de energia fossil…

            Estes funcionam baseados no conceito do eletromagnetismo…

            eu não sei se os 22kwh são um problema, mas penso que não…

            cmps

          • Carlos says:

            @lmx

            “estou a falar de um gerador vitalício…”

            Porque isso não existe? Sabes aquela coisa das leis da natureza e tal…

            O mais perto que há disso são os geradores termoelétricos a radioisótopos mas têm 2 inconvenientezitos: normalmente funcionam com plutónio, o que é chato, e produzem pouca eletricidade, nas Voyager, por exemplo, originalmente produziam pouco mais de 400W. Mas têm uso, funcionam em condições seriamente adversas e precisam de pouca ou nenhuma manutenção.

            Mas para um carro? Ia ser preciso uma quantidade grande de plutónio e, bom, acho que toda a gente vê que isso ia dar problemas. Numa sonda espacial não é grave, não há grande problema se se escapar radiação, mas num carro teria de se usar uma quantidade absurda de blindagem, que faria o carro ficar ainda mais pesado do que já é.

          • lmx says:

            @Carlos

            ai sim então porque é que funcionam?
            https://www.youtube.com/watch?v=beIMUihjTck

            será só em algumas zonas do planeta 😀
            onde ainda não chegou o negocio das baterias??

            Não digo que a durabilidade seja iterna, tens oficinas par quando ele avaliar…tal como tens para os carros convencionais…

            Esta mais do que provado…não é magia…a parte que falaste e está correcta…é contrabalançada por imanes, estes ajudam a gerar mais energia que a que se gasta 😉

            cmps

        • Ricardo says:

          Sim, queria dizer 150 Wh/km xD

      • Rochita says:

        O problema é que empresas como a nossa querida edp vão aproveitar-se de toda esta situação… quando falava de não, obrigado estava a falar de pagar um carro por aluguer, para mim exatamente o mesmo que por prestações, o que sinceramente desprezo, compro aquilo que o meu dinheiro deixa comprar, enquanto estas técnologias não se afirmarem e tiverem um design no minimo apelativo nem pensar em trocar o meu Golf.

    • pixar says:

      O problema está só no aluguer da bateria. A conta da eletricidade, com uma opção destas, irá aumentar mas iremos gastar metade ou menos do que com combustiveis fósseis.
      Claro que não somos inocentes e sabemos que acabando a mama do petroleo começará a mama da produção elétrica. E, naturalmente, os estados também irão aumentar os impostos sobre o consumo de energia.
      Mas não se preocupem, isto vai demorar muito tempo a mudar. O eletrico virá para ficar, mas ainda vem longe.

    • Melo says:

      Tem alguma razão no que diz, mas apenas quero lhe lembrar do seguinte : o custo de produção e manutenção das baterias para essas viaturas é altíssimo pelo que o preço praticado do carro com a compra da bateria será bem elevado o que não compensa para já a compra dessas viaturas com a bateria. Portanto a solução será o aluguer da mesma…claro que a longo prazo acaba por ser a mama do fabricante que a aluga, mas certamente numa primeira fase é suave para o bolso de quem adquire uma viatura dessas.

  3. NbK says:

    “No entanto, esse software aberto é mais susceptível a levar a mão dos hackers e provavelmente nunca será uma realidade dadas as implicações de segurança exigidas para a circulação.” Porque claramente, todos os softwares livres utilizados hoje em dia são alvo de ataques e muito menos seguros. Porque esses softwares não são avaliados e postos a prova por centenas de pessoas por todo o mundo. E porque as possíveis falhas de segurança encontradas não são geralmente corrigidas num espaço de horas/dias, em vez de meses/anos, como vemos na maior parte do software proprietário. Oh, wait. Se calhar é ao contrário…se calhar a utilização de software livre poderia melhorar não só a segurança, como diminuir as preocupações sobre que informação é enviada, e quando…

    • Hugo Cura says:

      Existem 2 lados da moeda no que diz respeito ao software livre. Se por um lado é possível agir mais rapidamente e direccionadamente, como dizes e bem, por se conhecer a fonte, por outro lado essa mesma fonte deixa a descoberto os pontos fracos.

      Falando do Linux (creio ser o melhor exemplo), se há um problema de maior temos logo (geralmente) as actualizações automáticas descarregadas online e o caso fica remediado… mas, e qual foi esse problema de maior?! Como seria desencadeada essa acção num veículo?

      Num veículo para transporte de seres humanos, estamos a falar de sistemas “life critical” que se não tiverem um nível de certificação elevadíssimo, podem incorrer em falhas que colocam em causa a vida dos intervenientes.
      Será possível ter esse nível de certificação em software livre? Daquele “fully-hackable”?

      Pensando no Android como analogia, um fabricante pega no código (supostamente robusto) e altera-lhe umas coisas para cada um dos modelos que precisa. Nos carros, cada branch open-source conseguiria o nível de certificação exigido? Nos carros e utilizando código aberto, qual a exigência que foi colocada no código para instalar na bateria XPTO? Ou seria o utilizador a instalar um update disponibilizado pela comunidade? Ou seria mais fácil ter distribuidores (poucos) individualmente certificados e com código fechado mas com um nível de segurança de topo?

      Já no que diz respeito à privacidade, plenamente de acordo.

      • Eduardo Oliveira says:

        Linux está em sistemas que necessitam de ser extremamente seguros, desde sistemas de controlo aéreo, comboios de alta velocidade, submarinos nucleares. E estás a dizer que haveria problemas em certificar código para um carro?http://www.efytimes.com/e1/fullnews.asp?edid=120870

        Compreendo os fanboys mas há que ter noção do que se diz quando se usam logótipos como avatar….

        • Hugo Cura says:

          Calma Eduardo, não vamos misturar as coisas.

          Uma coisa é pegar no que é bom (que pode ser open-source), e moldar para as necessidades, ficando depois proprietário. Outra coisa é manter algo sempre open-source!

          As diferenças parecem-me evidentes… tendo sempre em mente a questão do “life-critical”.

          • lmx says:

            desculpa hugo…
            podes especificar onde queres chegar??

            “Uma coisa é pegar no que é bom (que pode ser open-source), e moldar para as necessidades, ficando depois proprietário.”

            Já andas nas festividades de Natal certamente…a vinhaça já deve ter sido toda gasta 😀

            Então pegas numa coisa livre e tornas-a proprietário de código fechado??

            Grandes valores ai vão…

            Qual o problema do opensource para ti hugo???parece fazer-te alergia…

            Se é de uma questão Social que estamos a falar, pois faz todo o sentido software opensource…eu tenho o direito a saber o que alguém anda a fazer no meu carro…grande lata…
            O BIG BROTHER não é para mim…”eu só depois de ver, e que curto na cena”…

            cmps

          • Hugo Cura says:

            lmx, não precisas entrar “a pés juntos” na conversa.

            O Eduardo Oliveira frisou que o Linux está presente em sistemas críticos. Tudo bem, mas não se tratam de sistemas com compilações padrão.

            Cada sistema está adaptado às suas necessidades tendo como base o Linux, mas longe de ser um produto final open-source!…

            Ou existe aí “a ISO” do comboio XPTO?

            Contra open-source? Onde leste isso? Muito pelo contrário, totalmente a favor, só estamos a discutir as condições de segurança hipoteticamente existentes entre ambas as formas.

            btw, nem de propósito e exactamente da mesma notícia, o editor refere uma ideia semelhante no final: link.

          • lmx says:

            Não existe a ISO do comboio X, mas pode existir o código fonte de determinada aplicação que corre na “bateria” teu carro…assim como existem as milhentas aplicações em código fonte para esses comboios etc…

            Se estas a falar em OpenSource…pois teem que estas disponiveis..

            Não é necessário que exista um producto final…a mim basta-me o código fonte 😉

            Contra o open source…porque o referiste…vou citar de novo…

            “Uma coisa é pegar no que é bom (que pode ser open-source), e moldar para as necessidades, ficando depois proprietário.”

            como vês ninguém entrou a “pés juntos” …

            cmps

      • lmx says:

        boas…

        não vejo esses dois lados … que mencionas…mas vejo dois na mesma…

        Ou seja existe o lado da rápida evolução evolução e correcção de falhas…

        Mas por outro lado e sendo o código fonte, aberto…é possível ao dono do carro compilar uma versão alterada por si, que por exemplo…não bloqueie o carro por falta de pagamento…

        Eu só vejo estas duas situações…

        a situação dos hackers acederem remotamente??
        isso é um problema da Renault, que tem que tratar dos servidores deles…e não do software que corre no carro…pois isso pode acontecer com software proprietário ou livre…sendo mais difícil acontecer com software livre…

        O único problema tem mesmo a ver com o dono do carro alterar o código, mas este problema existe para a Renault…não para o cliente…para o cliente era um espectaculo 😀

        O software livre, propicia muito mais desenvolvimento que o fechado…quer a nível de correcção de falhas, quer a nível de evolução…e não não é menos seguro, mas sim mais seguro…

        não é ao acaso que é o escolhido em tudo o que é servidores online, pois não??

        cmps

    • Miguel says:

      Sabes que 99% do “software livre” têm milhões de milhões de milhões de falhas propositadas nas linhas de código não sabes?
      Tudo porque o sistema de codificação é livre e o programador quer ganhar dinheiro com ele. Quer seja pela adição de adware (30% do software livre têm suporte desta forma), quer seja por deixar portas abertas para possível controle ou pelo envio diário de informação para a empresa ou pessoa, que criou o software.
      Se isto já é um gigantesco problema para um computador, imagina para um automóvel onde te podem pedir um resgate em troca de poderes voltar a usar o teu automóvel num curto espaço de tempo.

      • lmx says:

        boas…

        não sei se tens noção, mas acabaste de descrever na integra o software proprietário?:D
        não sei se te apercebes-te disso??

        Backdoors…sim existem as carradas em equipamentos de código fechado… por exemplo da M$…não sabias??

        quase todos os productores de Software fechado teem backdors nos seus softwares…a desculpa, ou o motivo tem a ver com o controlo de licenças, etc…e testes…

        Como software fechado…são é difíceis de encontrar…no software livre são facilimas de encontrar..é a vantagem do software livre…porque existe muita gente a rever código e a alterar código…

        Sabias que foi com base nisto que rapidamente se descobriu que a NSA colocava vulnerabilidades no Openssl por exemplo??

        Há pois é se fosse software fechado, ainda hoje comia-mos e calávamos…porque seria código fechado!!

        Por ultimo…apenas para dizer…que não vos percebo…nem sequer acho o vosso raciocínio lógico.

        cmps

      • TuxPT says:

        Alguém aqui vive num mundo ao contrário :X Agora o software live é que tem spyware….

        • lmx says:

          lol 😀

          Os fanboys tentam de tudo para nos convencer que afinal é o software livre que está cheio de spyware, e backdors, etc 😀

          Anda tudo doido 🙂

          cmps

      • Nelson says:

        Coisa mais ridícula, o lmx tem toda a razão.

        A definição de software livre, não é só que é grátis, alias, nem tem a ver se é grátis ou não. O software livre, tu podes ver o código fonte, analisa-lo, modifica-lo e redistribui-lo. Um programa open source não pode fazer isso que dizes, pois tu podes ver o código a partir do código fonte, podes ver 100% do que o programador fez! e criar tu o executável que corre no teu computador.

  4. Vasco says:

    resumindo o carro é quase nosso depois de efectuar a compra, compramos a bateria que vem com o carro mas a mesma nunca é nossa é o negocio da China……para a Renault…….

    • Nelson says:

      Exacto, mas poderás comprar carros de outras marcas que não tens de alugar a bateria…

      Mais guerra no mercado… melhor…

    • Diogo R. says:

      ninguem devia comprar este carro. Onde cabe na cabeça a alguem tal coisa?

      É desta que começam a existir garagens isoladas as ondas eltromagneticas, e que se começa a retirar a bateria do carro para nao sermos espiados.

    • RaCcOn says:

      É quase o mesmo que os telefones antigamente, pagavas as chamadas mais o aluguer do telefone…
      Até que entretanto começaram a ser “oferta” e o telefone passou a ser teu…

      A vantagem é que se compras a bateria, quando ela for a vida tens de comprar outra, não deve de ser barato…
      No caso de ser alugada eles tem de substituir 😉

      • Ricardo says:

        Já que se queixam tanto, existe uma solução simples, compram um leaf onde a bateria é do comprador, ah mas espera custa mais 10k €… Se calhar alugar não é mau negocio não…

        Numa situação o custo fica diluído ao longo do tempo no outro é logo tudo pago, e claro que caso haja bronca com a bateria quem resolve é a marca. Mas é como tudo, cada um escolhe o que quer, haja é escolha.

        • lmx says:

          porque não compras um gerador vitalicio e metes-o lá…e pronto problem solved 😉

          cmps

          • Hugo Cura says:

            Sim sim, pegas num gato e atas um pão com manteiga em cima dele, aberto, com a manteiga para cima. Amarras depois o conjunto ao motor do carro e é só acelerar.

          • lmx says:

            não sei se pretendes usar ratos ou gatos ou que seja…

            eu falod e um gerador electrico…que eu saiba os carros electricos teem motores electricos que andam a electricidade correcto?

            logo um gerador electrico vitalicio faz todo o sentido correcto??
            Não é nada do outro mundo…apenas um gerador…não é electricidade que queres??então dá electricidade ao motor…mas sem baterias…

            Mais simples, pratico, a nivel de autonomia do veiculo…é até avariar o gerador, e não tens que andar a pagar fortunas e encher os bolsos a quem faz baterias…as baterias devem ser para situações de mobilidade total, e em espaços reduzidos, telemóveis etc…

            No entanto claro que poderias ter uma bateria para arrancar com o gerador…da mesma forma que tens uma no carro para arrancar o motor…

            cmps

          • Cristiano says:

            Precisas sempre de uma bateria, um gerador nao se pode ligar directamente à fonte de consumo, por muito linear que ele seja, ha que prever e prevenir situações anormais (picos, tenção/corrente)

            Pode é contudo ser uma bateria mais barata, mas tambem tudo depende da capacidade que esse tal gerador consegue produzir!

          • Nelson says:

            Vale a pena ver…

            http://youtu.be/PRAP_w0eYDA

            @lmx, os ímanes perdem a força com o uso..

            Aliás, uma das maiores dificuldades na criação de um carro eléctrico durável, foi na criação e controlo de motores eléctricos sem ímanes, e que tenham um peso/potência apropriados para um carro…

          • lmx says:

            Brutal heheh 😀

            Obrigado pela partilha 😀

            Pois é verdade que os imanes perdem a força com o uso, mas os imanes actuais, podem ser muito poderosos…a questão aqui é durante quanto tempo eles se aguentam…porque um dispositivo destes sãi tremendamente mais barato que pagar 10000€ a fabricantes de baterias :s

            Além de que podes andar dia e noite…

            Mas defacto é a unica coisa que ainda não percebi…é a durabilidade da coisa, 1, dois anos 5…ja houvi falar em 10-15 anos…mas não encontro provas sobre isso…

            De qualquer das formas…mesmo que apenas durasse 2 anos…seria de longe muito mais barato que os 10000€ pagos para enriquecer alguém no ramo das baterias…

            Além de que deixavas de ter consumo energético…pois o carro era autosuficiente 😉 só lucro…

            cmps

          • lmx says:

            Cristiano..

            sim precisas de alguns elementos extra…para garantir que tudo corre bem…

            A corrente acho que é alternada, pelo que usares motores dc…já vais gastar um pouco dessa energia na conversão…retificação, filtragem,etc…

            Mas sim parece que nos dias de hoje isto faz todo o sentido…

            Aqui ha uns 10 anos ou mais para cá começaram a ser feitos imans artificiais de grande qualidade e potência…estes imans são caros…mas com a produção em escala que existe nem tanto…
            Não sei se já experiencias-te a utilização dos mesmos?…é impressionante…mesmo imans pequeníssimos teem uma força brutal…em que com polos contrários dificilmente os consegues aproximar…e vice versa…

            No entanto e tendo em conta o custo e durabilidade das baterias é uma solução perfeita para os carros…

            São pesados…mas muito mais leves que as baterias que os carros teem 😉

            É só vantagens…

          • Nelson says:

            Ó lmx, a “energia” que podes tirar de um íman é mesmo muito pequena…

            Rápdiamente fica desmagnetizado.

            Para o teu bem… esquece lá isso… LOL!

            Não podes acreditar numa coisa só porque alguém meteu um video no youtube. Se fosse rentável, não achas que já não teriam aproveitado?

          • lmx says:

            Nelson…

            tu não percebes-te mesmo a ideia…e a tua resposta é um “Não percebi a ideia”.

            olha…pronto esquece…na boa 😉

            cmps

      • Diogo R. says:

        elas ainda devem durar 2 anos, é fazer as contas

    • pixar says:

      Tu não compras a bateria. Alugas.
      Se é bom negócio? Não me parece.

  5. Fernando Taveira says:

    E quando se pensava que os carros eléctricos vinham dar alguma independência aos seus utilizadores. Eis que está aí um dos primeiros modelos de negócio que visa garantir uma entrada de dinheiro fixa nas empresas que “estão” com medo que perder os seus clientes.
    Já imaginaram o que seria do mundo se tivéssemos mais autonomia energética. Daqui a pouco ainda vêm dizer que poderíamos correr o sério risco de melhorar o mundo onde vivemos.

  6. Ricardo says:

    A Renault já veio dizer que isso não acontece..quando copiarem artigos pelo menos leia-nos até ao fim..

    • newJ says:

      Isso de aluguer de bateria já acontece à muito.. Pelo menos na renault

    • Hugo Cura says:

      Faltou-te aí acrescentar “Portugal”, à frente de “Renault”.

      Os relatos são baseados em cláusulas do contrato de utilização.

      Dizer que isso não acontece não é suficiente. É preciso explicar como agem no caso do aluguer não ser pago. O testemunho é claro no que a isso diz respeito. Já a informação a que te referes, é completamente omissa, do género de “lavar as mãos”.

  7. urtencio says:

    Atualmente para mim carro eléctrico só há este, TESLA MODEL S.

    http://vimeo.com/61821553

    http://www.teslamotors.com/goelectric

    • EVer says:

      Há 50 anos já o meu pai andava de carro eléctrico em Lisboa…
      Só não fizeram fábricas de carros eléctricos cá porque somos parvos e claro porque é prioritário ter estádios de futebol que outras coisas como hospitais, etc… quem é que quer ver um jogo de doentes no telejornal? ou talvez seja tudo o que nos resta agora para ver…
      O Tesla Model S é bom para quem procura um carro de gama alta, para que os benefícios dos carros eléctricos cheguem a todos (nomeadamente aos que respiram o fumo nas cidades) é preciso existirem modelos acessíveis a mais algumas pessoas da classe média como é o caso do Nissan LEAF, e não é por acaso que a Tesla está a trabalhar num modelo para competir como o LEAF, e para o dia a dia na cidade o LEAF satisfaz uma grande parte das pessoas. Agora é preciso baixar o custo das baterias, que deverá acontecer gradualmente com a massificação dos carros eléctricos a preços mais acessíveis e da mesma forma a autonomia vai sendo maior.

  8. André says:

    Isto faz sentido porque uma materia destas custa á volta dos 5000€ e com carregamentos “acelarados”, que sao aqueles carregamentos que se fazem nos postos que se encontram nas ruas e demora cerca 30min para carregar,a bateria pode durar entre 3 a 5 anos. por isso faz algun sentido que em vez desse comprar uma materia se alugue uma.

  9. Joao Araujo says:

    Vantagens:
    Se tiveres um acidente a parte da bateria (10k€) é prejuízo da Renault 🙂

    Inconvenientes (ou não): O preço das baterias vai certamente baixar nos próximos anos. O tempo de vida útil das baterias(150.000km) aponta para uma única substituição ao longo da vida útil do automóvel (300.000km)provavelmente o preço das baterias dentro de 5 anos será de metade.

    Conclusão: Vou comprar o meu primeiro elétrico dentro de 5 anos 🙂

  10. Manito says:

    TESLA RULES!!! outros carros electricos estão longe do seu patamar. Infelizmente a mudança para os electricos começa a ter muitos condicionamentos para o meu gosto, é o preço, é a fraca autonomia, é a falta de pontos suficiente de carga, é o próprio tempo de carga, e ainda estas mamas/tretas que nos querem sujeitar…. acho que vou esperar mais uns dois anos pelos promissores carros a hidrogênio, e esperar que alguém la em cima no nosso governo crie condições para que esta tecnologia cresça aqui (JÁ AGORA COPIEM A ISLANDIA) e em vez de criarem impostos absurdos nos deem a liberdade de circulação a baixo custo e ABAIXO O GARROTE chamado PORTAGENS (já pagamos impostos pra isso).

  11. tiago says:

    isto é o mesmo que comprar um carro a combustão e instalarem uma válvula para impedir o seu abastecimento se o “proprietário” do carro não pagar o aluguer do depósito de combustível . a renault alega que esta mensalidade se prende com a manutenção da bateria etc etc , mas tal deveria ser opção do cliente e não uma imposição ! que dessem oportunidade de escolha entre ter um aluguer mensal (com direito a todo o tipo de reparação / substituição em caso de avaria) ou então a compra (ficando a manutenção / substituição por conta do cliente) .

    • lmx says:

      pois…não sei como isso funciona…a mim não me parece muito legal…

      imagina qu estou de carro, e por algum motivo quero ir em urgencia para o hospital…pois…não anda, ficas agarrado…podes morrer porque a Renault te “limpou o sebo…”…

      Não sei até que ponto isto é legal…ou se a Renault estaria disposta a que a nossa lei a culpabilizasse pela morte indireta de alguém…

      cmps

  12. HB says:

    50% do preço de um veículo electrico é das baterias. Este modelo de negócio serve para que o veículo tenha um custo base mais barato. Quantos veículos electricos têm no mercado por cerca de 20.000€?

  13. Mafc says:

    A solução é simples: não se metam em contratos de aluguer, gastem mais uns milhares e comprem um i-Miev por 27 mil e tal euros.
    Tem apenas 4 lugares, mas não precisam de andarem sempre a aturar a sogra 😛

    Se querem comparar um dos EV’s, comparem com uma versão equivalente com o combustível à vossa escolha, e façam bem as contas.
    Para o i-Miev (por exemplo) escolheria um citadino com mala de pouco mais de 200 litros, tipo Fiat Panda, Hyundai i10, etc…

  14. nothing to! says:

    O futuro não se encontra nos carros eléctricos mas sim nos carros a hidrogénio, só é preciso encontrar melhor forma de o extrair em grandes quantidades e quando isso acontecer será o próximo grande combustível. Relembrem-se que todas as estrelas do Universo usam esta forma de energia e é basicamente “infinita”.
    As baterias ainda vão precisar de muitos anos para sequer competir com o petróleo quanto mais e para não falar que acrescentam bastante peso ao veiculo..

    • lmx says:

      o gerador eletromagnético…resolve isso tudo…enquanto durar…mas tudo tem um ciclo de vida, e existem oficinas para isso mesmo.

      cmps

      • Ricardo says:

        E tu a dar-lhe!

        Já viste algum resultado pratico em que retirasses mais energia do que a que colocaste!?

        Apostava mais na energia do zerio absoluto, infelizmente, não existe nada que conseguisse aproveitar essa energia.

        • lmx says:

          mas quem é que retira mais energia que a que colocou??

          Eu não disse isso…

          Pura e simplesmente usas o processo inverso do motor…sendo que como força para rodar o mesmo usas imans permanentes…esta solução não é a ideal, porque o motor electrico não foi pensado para funcionar ao contrario, ou seja para gerar energia electrica…o rendimento não vai ser muito…

          Mas e se desenhares o teu prototipo com a base de que em vez de consumir…alterar a energia proveniente da força gerada pelos imans…?o conceito é esse, ninguém falou em criar nada…

          cmps

          • newJ says:

            lmx, até me passo com a tua convicção ao ler este tópico.. Estão para aí umas 30 pessoas a dizerem que isso não faz sentido, e tu a achares que és mais esperto do que toda a gente e que faz.. Só tens um remédio.. provar isso para calar o pessoal todo e entrares para a história da humanidade. Estamos cá para aprender, siga, prova ou demonstra..

          • lmx says:

            boas..

            “provar isso para calar o pessoal todo e entrares para a história da humanidade. Estamos cá para aprender, siga, prova ou demonstra..”

            entrar para a historia por uma coisa que eu não descobri, não inventei , nem ajudei a criar lol

            eu só acho que era uma solução melhor que as baterias…não sei se alguém percebe , ou se não quer perceber…eu não ganho nada com isso 😉

            Mas há já algum tempo que ando para construir um..tenho medo é do preço final como já disse…para levar para a minha casa de campo.

          • lmx says:

            ups newj …eu não sou mais esperto que ninguém…eu não disse isso…

            Mas já o contrario foi varias vezes afirmado…não me conhecendo ninguém de lado nenhum…entendes?;)

            cmps

  15. BatMaxter says:

    A marca optou pelo aluguer porque toda a gente sabe que as baterias são extremamente caras e duram pouco tempo, dependendo do uso 2-4 anos. Quem iria comprar um carro novo eléctrico sabendo que ao fim de 2 anos teria de substituir a bateria desembolsando mais 4000-5000 euros? Acho contudo que a marca deveria sempre dar a hipótese de comprar a bateria para quem ache que as condições do aluguer não são vantajosas.

  16. fornost says:

    ~isso não passa de uma nova forma de extorsão. Caso quisessem “vender” a bateria separadamente, que cobrassem das montadoras (o que irremediavelmente recairia sobre o preço final). Muito mais vil é a “venda” de algo que não lhe pertence, ao menos vejo dessa maneira.

    • lmx says:

      claro que é extorsão…nem é preciso bateria nenhuma a mais a não ser a que os carros normais ja teem…o que faz falta é um gerador…mas isso ninguém quer implementar…porque querem fazer dinheiro com as baterias…é um caso tipico de extorsão, ou monopolio…o mundo esta cheio destas coisas..

      cmps

  17. Pinto says:

    Tanto que querem inovar que só fazen asneira. Porque não utilizar o mesmo tipo de tecnologia da Chevrolet Volt/Opel Ampera…

  18. JS says:

    Mandem os carros para o mercado, em pouco tempo alguém há-de inventar maneira legal de contornar esse problema.

  19. Daniel says:

    Desculpem estar a meter-me na conversa, mas parece-me que mais uma vez a discusão resvalou para areas que embora sejam pertinentes, não me parece que neste caso sejam as mais importantes discutir.
    Em primeiro lugar 99% dos hipotéticos futuros donos deste carro serão utilizadores básicos do “harware” e “software”, ou seja, para essas pessoas utlizar carro limitar-se-á carregar n botão ON/OFF e conduzir, logo esqueçam ver a vizinha do lado com 70 anos de Laptop na mão a Crackar o DRM de um automvél!!
    Quanto a pirataria contra o carro, vejam a quantidade de gingarelhos e cangalhadas que os carros de hoje em dia trazem, GPS, Sistemas de alerta e localização, electrónica por todo lado para gerir e controlar o motor e dispositivos de segurança… e ligação a internet já muito comum hoje em dia em que é possivél com mais ou menos facilidade ter accesso remoto aos dispositivos de segurança e controlo do carro. Portanto não me parece que isto seja novidade!

    O que aqui está em questão, a meu ver, é a “proposta” de uma marca em alterar o paradigma actual de como utilizamos o nosso carro.
    Nós desde sempre fomos habituados a comprar o veiculo e depois de ter a chave na mão, pegar e andar sem ter de passar cartuxo a ninguém. Com este modelo não seremos donos da totalidade do carro e teremos uma “taxa de ultilazação da bateria”.
    Mas, não esquecer que hoje em dia também temos de pagar para andar com um carro normal. Não é um alguer, mas são taxas, o imposto de selo e a inspecção periodica são o exemplo dos actuais “DRMs” para qualquer veiculo, embora não bloqueiem a distância se não as pagarmos…. mas, é melhor estar calado neste assunto não vá a ministra das finanças ver este post!!!
    Agora a Renault quer fazer negocio com baterias, bom pode ser que pegue… ou não!
    Como é obvio, os construtores estão associadas a industria petrolifera, mas ao mesmo tempo pressionados pelos ambientalistas e pela crescente consciencia ecologica e bolsos mais vazios dos consumidores. Logo os construtores neste momento estão numa encruzilhada, tem de continuar a agradar aos lobbies do petroleo não “soltando” para a rua modelos revolucionarios alternativos ao gasoleo, gasolina ou gás, mas ao mesmo tempo vão debitando para rua umas experiencias de laboratório e experimentando umas novidades tecnológicas uasando a desculpa do “ecologicamente correcto” e mais barato a cada 100km.

    Um carro electrico é um veiculo tremendamente simples de contruir e de manter comparado com os de motorização dita convensional. Existe neste preciso momento milhares de componentes, desde motores a variadores de velocidade e tipos de baterias no mercado, prontos a utlizar para construir um carro electrico. Nem é preciso praticamente fazer alterações de maior no hardware para os por a funcionar como carros. O grande calcanhar de Aquiles, autonomia das baterias e seu tempo de vida, é um problema a prazo, uma vez que a investigação nessa area até potenciada para outras finalidades(telemoveis, tablets, laptops, etc…) tem ajudado da empurrar o desenvolvimento e exploração de novas técnologias e mais dia menos dia vamos ter uma bateria com uma densidade de carga com ums quantos KWh/kg com autonomias de 500 ou 600Km, que carregam em menos de 5 min e uma vida util de varios anos, é uma questão de tempo.

    Existem em Portugal já algumas empresas a desenvolver produtos muito interessantes neste campo.
    Eu conheço de perto um destes projectos e posso garantir que se tiver os apoios iniciais necessários, tem pernas para andar. A marca poderá nunca vir a ser uma Ford/GM no mundo dos electricos, mas se vingar terá a sua quota de mercado.
    Para quem quiser saber mais visitem o endereço em baixo.
    http://www.veeco.pt

    Para se chegar a um produto optimo, é preciso dar uns trambulhões de vez enquando, os carros eléctrico vieram para ficar, que não haja duvidas disso, não é uma questão de SE é uma questão de QUANDO!

    • lmx says:

      boas…

      pois é bem verdade…

      mas do negocio das baterias é que eu não gosto…ja temos que levar com os negocios da energia, e ainda por cima levar com o negocio das baterias…eu ainda não comprei electrico por causa disso mesmo…

      Conheço o veeco 😀 foi uma parceria do ISEL com um investigador..

      é um bom veiculo…mas é para nichos de mercado, e é caro…

      Gostava de ver o veeco com 4 rodas, e 4 lugares, mas que não dependesse de baterias ou energia electrica externa ao veiculo 😉
      isso sim era algo inovador…mas temo que isso não venha a acontecer…

      Se for “obrigado” aceitar o negocio das baterias…então que sejam a um preço acessível…tipo menos de 1/10 do preço delas…uma utupia portanto…

      Gostei do seu comentário 😉

      cmps

  20. Andre says:

    A Renault escolheu este modelo para o veiculo ficar a um preço acessivel. O preço do carro caso a bateria fosse tb vendida em vez de alugada subiria em cerca de 10000€. Acham que ainda assim o modelo é assim tão mau?

  21. João Cavaleiro says:

    Está tudo doido.

  22. RF says:

    Prefiro o Testa S! Os os outros (Renault’s Bmw’s Peugeot’s/Mitsubishi e afins) são apenas brinquedos para se ir ao supermercado.. mas não muito longe se não ficam sem bateria! O Testa S dependendo da bateria, pode chegar aos 600km em uma única carga..

  23. Miguel Lourenco says:

    A Renault já respondeu à questão do DRM e já disse que essa informação não é verídica.

  24. Ivan says:

    O que me entreti a ler os comentarios do Imx.. Bora todo mundo usar estes “geradores” que tanto apregoa. Sao tao bons que so meia duzia de iluminados com videos no youtube. Continua para me entreteres o dia

    • Nelson says:

      Sabes o que é que é pior?

      É insultar as pessoas…

    • lmx says:

      Ivan…

      Se você, e muitos outros, fossem um bocadinho mais cultos…não tínhamos o País que temos…mas sempre andaram na base da jogatana e agora dessas cabeças não sai mais nada…

      De qualquer forma deixo-lhe aqui um artigo da wikipedia…sobre o que eu falei…pode ser que aprenda alguma coisa…ou secalhar…não vai conseguir…mas deixo na mesma.

      http://en.wikipedia.org/wiki/Magneto_%28generator%29

      Como pode ver…se perceber Inglês…há muitos anos que foram inventados…não são de agora…

      Atenção o equipamento descrito esta ultrapassado devido a sua idade, quer a nível de design que a nível de capacidades…as versões que existem nos dias de hoje são milhares de vezes superiores…

      Sendo que começou bem…a rir,tenha um bom dia.

      cmps

      • joao says:

        Caro LMX pelo que percebi do que foste falando aqui neste tópico.. basicamente se a gente tirar aquela carga toda de baterias, ligarmos um alternador “destes recentes ou um criado em especifico” e além disso meter-mos um sistema de magnetismo “o tal que fica a rodar sem parar” para fazer de bateria de arranque ou mesmo deixando uma bateria para dar o arranque.

        Ps: Não estou mesmo a ver onde está aqui o “filme de ficção”
        Se foi isto que percebi então o colega Lmx não tem nada nem de maluco nem de visionário, tudo isso está inventado como ele próprio falou e realmente é verdade, se querem ou não acreditar, isso já vai de vocês quererem abrir os olhos ou não.

        Mas realmente sem sequer perceberem a ideia ou pelo menos abrirem essas mentes e tentarem visionar o que foi falado, pessoal o mundo não é só bola, e queiram ou não acreditar , muita coisa neste mundo não deu o salto porque temos vários Lóbis, um deles o petróleo, algumas destas tecnologias que ele falou, só não estão mais evoluídas por culpa dos que deixaram de investir na investigação das mesmas.. Queiram ou não acreditar, assim que o petróleo estiver no fim, vão ver uma carrada de novas formas de energia.. Senhores no Planeta Terra a nossa Espécie entra em guerras e morrem muitas pessoas, só pelo controle do Petróleo por isso acho que devem parar para verem as coisas como são, e não ofenderem ou ridicularizar os outros, só porque a nossa mente é pequenina….

  25. Shynkendo says:

    Desta forma, vão deixar de existir Brigadas de transito…

  26. Nuno José says:

    Bem tantos comentários e tanto equivoco. A opção desta marca é perfeitamente legítima. A nissan e a honda por exemplo preferem vender as baterias. Se preferimos alugar a bateria é normal que não me seja permnito usa-la se não a pagar.

    Enquanto uma das três tecnologias em investigação não vingar, os carros eléctricos só compensam em casos específicos. Táxis são um exemplo que compensa e muito.

    Já agora as três tecnologias em investigação são os hypercapacidores, as baterias 3D e as pilhas metal/liquido. Todas prometem 8 vezes mais capacidade pelo mesmo volume a metade do preço. Quando finalmente isso acontecer, teremos por exemplo um nissan leaf com baterias 4 vezes mais pequenas e o dobro da capacidade actual, ficando mais leves e com autonomia para 500Km. Teremos outros problema. É que se já é complicado carregar baterias com esta capacidade, com mais capacidade ainda fica mais complicado.

  27. silva says:

    Estão fazendo com o carro o que fazem com os consoles de videojogos, ae vai na ferinha e desbloqueia seu renault, já pensou?

  28. Carlos says:

    “Mas Karsten Gerloff, da Free Software Foundation Europe (FSFE), sugere a adopção de software livre para que cada utilizador seja dono do que compra e tenha o controlo do seu lado”

    E se a pessoa COMPRASSE as baterias isso até faria sentido. Como são ALUGADAS a conversa é outra.

    O dono das baterias pode sim impedir o seu uso em caso de não pagamento do aluguer, da mesma forma que um senhorio pode despejar um inquilino que não pague a renda. Ou da mesma forma que o fornecedor dum serviço, telemóvel, eletricidade, tv, etc., pode cortar o acesso ao serviço quando falta o pagamento.

    Acho que estão a confundir alhos com bugalhos.

  29. JP says:

    Esse modelo de negócio se for tal qual o que está escrito vai ser um fracasso absoluto. Se fosse noutro país acredito mas em PT está fora de questão a bateria não ser de quem compra o carro… e ainda ter uma mensalidade. Por alguma razão o nosso país é burocrata em demasia – é pq os cidadãos assim o obrigam.

  30. bimbo says:

    O que a renault esta tambem a fazer é trazer para si o dinheiro que o estado vai deixar de ganhar com a gasolina. Que nimguem se ilude, não vamos encher o deposito com 2 o 3 euros e andar 100km, o estado vai querer ir buscar o dele e as marcas tambem, no fim vai ficar no mesmo preço de agora.

    • Carlos says:

      Não me admirava nada que passasse a cobrar o célebre ISP sobre a eletricidade, se já cobra sobre o biodiesel feito com óleo de fritar reciclado, porque não?

    • crralberto says:

      Pagar o “dizimo” para passar a ter mobilidade eléctrica! Isso será parvo! É natural que a renault tente isso em Portugal. Portugal têm costume de por “portugueses” a pagar para outros viverem no “Olimpo”! É mais uma “administração de empresa” por aqui a tentar viver à conta! se isso pegar, para eles, será um maná!!

  31. Osiris2 says:

    com este tipo de modelo de negócio, quem não comprava esse carro era eu…. pufffff

  32. Filipe YaBa Polido says:

    🙂 LOOOLLLLL a notícia é a sério?! 🙂
    Vá, digam lá a verdade, é que o 1 de Abril ainda está longe.
    Bem, já essa marca vale o que vale, então com essa novidade vai ganhar muito vai 🙂 LOL
    Really??? ainda me tou a rir… OMG!
    DRM ? nunca mais aprendem? assim se viu com a chave do HDMI, cracked… lol…
    Ao que chegamos.

  33. Amigo do Li70 says:

    Essa política de moneitizaçao e controle das pessoas vai acabar com as empresas. Então pago um balúrdio pelo carro e a bateria nunca é minha, tenho de pagar o aluguer?? Eles pensam que são a cabovisão ou a zon coma merda das boxes digitais (yep, também fico ddd com esses gajos) ? Eles que enviem a Zoe pra zona escura do corpo de quem toma essas decisões, repetidamente!

  34. crralberto says:

    Pagar o “dizimo” para passar a ter mobilidade eléctrica! Isso será parvo! É natural que a renault tente isso em Portugal. Portugal têm costume de por “portugueses” a pagar para outros viverem no “Olimpo”! É mais uma “administração de empresa” por aqui a tentar viver à conta! se isso pegar, para eles, será um maná!!
    Nunca compraria uma viatura nessa modalidade, ficar a pagar “renda”! e nos meses que estou fora de Portugal a trabalhar,pagava para quê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.