Quantcast
PplWare Mobile

Bruxelas quer carros elétricos “acessíveis para todos os europeus”

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Há Cada Gajo says:

    Sim sim, pois pois. Qual é o conceito de “Acessível” para Bruxelas ??

    • TugAzeiteiro says:

      Deve ser acessíveis para os ordenados dos países “normais” Europeus…. não deve ser para os nossos!

    • David says:

      já ha carros eletricos a 16 mil euros novos portanto mais uns aninhos já devem chegar aos 11 mil que é um preço baixo para um carro se querem carros a 50 centimos vao comprar hot wheels e mesmo assim sao mais caros

      • Honorato says:

        Para mim acessível são 1k euros não 11k ou 16k isso não é para a minha carteira. Andem de bicicleta manutenção é pouca. Demoramos a chegar ao sitio que queremos paciência. O meu pai quando deixou de andar de carro a 10 anos começou a ir para o trabalho de bicicleta e poupo muito

        • David says:

          pois lá está o meu comentário era para pessoas com o minimo de decencia claramente não cumpres esse requisito, pareces um puto a perguntar aos pais se 1000€ é caro ou barato, mas gostava muito de saber qual foi o preço da tua casa se é 1000 para um carro para a casa é quanto 10 000 ?
          Este pessoal não tem a minima noção de preços

          • jorgeg says:

            “claramente não cumpres esse requisito”
            quantos portugueses cumprem o requisito?!
            Nem todos sao liberais cheios de past

        • Grunho says:

          Completamente de acordo. Pra entrar em Lisboa ou Porto, em filas onde se faz facilmente médias de 15 lts/100, encostar o carro e ir de bicicleta rende logo um 1 ou 2 ordenados extra ao fim do ano. E se prescindir do carro e deixar de pagar a mensalidade, então rende perto de meio ano de ordenado. É caso pra perguntar como conseguem os portugueses ser tão burros e os holandeses e dinamarqueses tão inteligentes.

          • Rui Costa says:

            Burro pareces ser por quereres comparar o declive no terreno destes dois países.

          • Grunho says:

            E o cúmulo da lusitana burrice é não saber que há bicicletas eléctricas pra subir e que a seguir a um declive ascendente vem sempre um descendente.

          • Jnmartins says:

            Também vou comprar uma bicicleta, aqui na Madeira isto é tudo muito plano, conseguimos ver a Ponta do Pargo do Caniçal, é só subir a uma pedra…

          • João Dias says:

            Muito bem…
            Em pequenas cidades do interior do nosso Portugal, em que as autarquias estão mesmo lixando para a mobilidade. Há quem pegue no carro para fazer 1km. Porquê? Estacionamento fácil e grátis.

          • Miguel says:

            @Rui deves ter perdido a notícia de uma invenção revolucionária em fase final de desenvolvimento. Vão chamar-lhe “mudanças”. Brevemente no mercado…

          • Miguel says:

            @Jnmartins sim, também na Madeira podes utilizar a bicicleta.

          • António Geraldes says:

            Nem mais, e se prescindires da bicicleta e andares a pé ainda poupas mais.

        • Luís says:

          E quem faz mais de 40/50/80 km por dia? Bicicleta também? Portugal não é só Lisboa

      • Grunho says:

        De certo modo sim, mas esses eléctricos a 16 mil euros novos comparam com modelos a gasolina que custam 11 mil. São 5 mil para amortizar em gasolina e manutenção.

        • rui says:

          essa diferença num leasing é capaz deve ficar ao mesmo preço, logo compensa o elétrico se fizer os km suficientes. agora quem tem de ir ao mercado dos usados já é mais difícil, mas a “imposição” é para carros novos.
          Um carro é uma despesa e deve ser visto dessa maneira, quem não faz 50km por dia não justifica carro nenhum, é certo que fora das grandes cidades praticamente não há transportes públicos mas isso não invalida que seja uma despesa.

          • Grunho says:

            Leasing é ruína. Significa pagar 2 vezes o carro: uma ao concessionário e outra ao banco (pra não falar da 3.a ou 4.a em que ele é pago ao estado).

          • Zé Fonseca A. says:

            Claramente nunca fizeste um leasing na vida.
            Eu antes de ter carro da empresa vivia com um ALD frota para a família e era um descanso, não pagava seguro, não pagava trocas de pneus nem idas à oficina, para quem não quer chatear-se vale bem a pena.

          • Mf3rRo says:

            oh zé… a preguiça paga-se… e nem sempre compensa… 🙂

          • Zé Fonseca A. says:

            Preguiça? No meu caso é uma questão de tempo e comodidade, para mim ALD valeu cada centimo, só o facto de irem ter comigo ao escritorio para levarem o carro à oficina e deixaram novamente no estacionamento e entregarem a chave ao segurança, poupou-me muito tempo e muitas dores de cabeça, não preciso programar-me para nada, aparece tudo feito, só preciso de ter o dedito directo.

    • Daniel Santos says:

      Foi logo a primeira coisa que pensei ao ler o título…

      O que é caro pode ser barato para uns mas o que é barato para uns, pode ser caro para outros.

      Resumindo, é relativo o conceito que eles dizem de ser “acessíveis” e no que toca a salários cá, estou para ver a aplicação da acessibilidade…

  2. GM says:

    Bruxelas quer carros elétricos “acessíveis para todos os europeus”. Eu acrescentaria: e fabricados na Europa!!

      • GM says:

        Temos aí na praça um modelo deveras acessível, numa marca lowcost: DACIA SPRING. Problema: fabricado na China. Se fosse fabricado na Roménia, origem da marca, apoiaria. Assim, para mim, ficou fora de hipótese, apesar de não estar no momento comprador de carro.

        • FreakOnALeash says:

          Obsoleto em termos tecnológicos quando comparado com o mediano carro chinês para mercado interno, além de caro para as especificações que oferece.

    • Grunho says:

      Fabricados na Europa??? Se não forem fabricados em Portugal tanto nos dá que seja na Europa como na cochinchina. E em Portugal há know-how pra produzir motores eléctricos. De combustão a 4 tempos é que nunca aqui se produziram em série.

    • Njss says:

      Concordo plenamente, acrescentaria não só os carros mas também todos os componentes, assim passava-se a ter o impacto ambiental dos carrinhos verdes à porta de casa.

  3. Guilherme Maia says:

    Vamos ter daqui a uns anos, uns politicos a oferecer um carro eletrico para todos. Acho que o PS deve entretanto chegar se a frente.

  4. Alguém says:

    Isto parece tudo fácil para quem está atrás dos bastidores a mandar este tipo de bitaites para o ar…

    A realidade é que ou Bruxelas disponibiliza fundos e condições para viabilizar e suportar este tipo de projetos ou então as empresas têm de passar o custo de desenvolvimento e produção para o consumidor.

  5. Cicrano says:

    Já conhecemos o “Acessível” aqui em Portugal!!
    Impostos + impostos + impostos + portagens + combustíveis + …….
    É melhor estimar a velha carroça!

  6. O Agricultor says:

    ….No nosso país existem dois problemas:

    Primeiro…… os tugas (maior parte) não têm aquilo com que se compram os melões…………….

    Segundo…..Os beneficios fiscais é sempre para os mesmos…..para aqueles que têm Aquilo com que se compra os melões…..

    Resumindo…. estamos sempre a a dar “dinheiro” a quem tem dinheiro……

  7. Rodrigo says:

    É tudo muito bonito, mas nas cidades em prédios sem garagem quero ver onde as pessoas carregam os carros… Vamos atirar uma extensão de 50mts pela janela para carregar o bolinhas.

    Esse conceito de acessível é muito relativo.
    Daqui a 20 ou 30 anos, vão dizer que os eletricos são maus para o ambiente, sentença de morte aos eletricos.. venha uma moda nova

  8. SRF says:

    Este senhor precisa de abrir a pestana, em vez forçar os fabricantes a “baixar as calças”, que tal reduzir o ISV (melhor ainda, eliminar a dupla tributação cá em PT) e meter as mãos à obra na implementação de uma rede de carregamentos adequada que é tão inexistente como as musicas boas da Maria Leal.
    Se lessem os próprios relatórios é que faziam bem:
    https://op.europa.eu/webpub/eca/special-reports/electrical-recharging-5-2021/en/

  9. Joao Ptt says:

    É meter a Volkswagen a fabricar um modelo simples e acessível para todos, para ser o automóvel do povo. E depois as outras marcas fazem os modelos que quiserem ao preço que quiserem.

  10. Miguel says:

    Os problemas não são os preços em Portugal, mas sim os impostos é que fazem um carro ficar mais caro 35% do valor quando comparado com outros países europeus.
    E isso a Europa nunca vai conseguir, só xulos os políticos tugas.

  11. Infinity says:

    Que comecem por aumentar os ordenados e diminuir os impostos. Se calhar o “acessivel” é so para membros do governo

  12. Samuel MG says:

    Se querem acessíveis então que se volte aos coches que só precisão de amortecedores, cavalos e uma cabine para o condutor 🙂 Emissões: Só as bufas que o cavalo larga =))

  13. Miguel Ferreira Pinto says:

    Fala-se em acessível para os europeus, mas depois só vejo taxar mais os carros a combustão.

    Achar que isto baixa o custo de aquisição de um elétrico a curto prazo é viver no mundo da fantasia… Quanto muito no médio prazo… Mais valia subsidiarem a investigação de baterias e tecnologias de carga através desse extra cobrado. De outra forma não vai servir de nada nem se vai acelerar grande coisa.

  14. iSad says:

    Retirar IVA e IA resolve logo o problema por aqui.

  15. Zé das couves says:

    1 – Ao ver estes comentários… Nossa… Bla Bla.. Bla…
    Gente com cabeça nenhuma, isto só indica que a taxa de gente com cabeça é pouca.. No entanto deixo aqui o meu comentário para quem quiser…

    Ponto 1- Bruxelas já obriga a que o estado de incentivos na compra de carros elétricos…. Esta noticia só vem confirmar que esses incentivos vão continuar…

    Ponto 2 – O normal aqui…
    Sim aqui… É que querem que seja dado… Feito em Portugal.. Mas com salários altíssimos para fazer ferias onde? Fora de Daqui..
    Este é o pensamento do Zé Tuga. Noção de economia nenhuma…

    Quando se diz que já se tem o Dacia a 13k eletrico que o estado ajuda na aquisição.. O tuga responde…
    Quero é um GOLF GTI… Ou um SAXO CUP…

    Em relação à noticia…
    Penso que o que faça mais falta são mais postos de carregamento… e incentivo a utilização dos mesmo quando hoje em dia o preço para carregar um carro elétrico na via publica ainda é elevado…

    • FreakOnALeash says:

      “Ponto 1- Bruxelas já obriga a que o estado de incentivos na compra de carros elétricos…. Esta noticia só vem confirmar que esses incentivos vão continuar… ”
      Os incentivos até podem continuar…mas só para o ano! A dotação com fundos europeus que o estado português atribuiu tem um limite, o qual é miserável quer no bolo quer individualmente. Lembrar que o obsoleto Dacia Spring na Roménia custa 9k depois dos apoios e cá custa perto de 14k. Há que haver dinheiro para a TAP! PS = merd@!
      https: //www.razaoautomovel.com/2021/06/incentivos-compra-automoveis-ligeiros-passageiros-eletricos-esgotados

    • Jon says:

      E o tuga responde bem esses gti e saxo são do aço amigo

  16. Ru says:

    Caso quisesse comprar um carro eléctrico nas seguintes condições, o que teria que fazer? É uma pergunta mais por curiosidade, do que interesse.

    1- potência em casa 3.45
    2- carregar em casa, visto que ir apanhar secas nos postos de carregamento não tem interesse. Pelo menos enquanto não carregarem tão rápido quanto um gasolina
    3- a ideia é não aumentar a potência contratada
    4- preço de carregamento vs preço gasolina

    • rui says:

      1- eu carrego a 10Ax230v= 2300Kwh ainda dá para ver tv à vontade se não tiver enquanto carrego entre as 2h e as 6h, no meu sao tenho 4.6kw (20A) contratados, com ar condicionado, placa de indução, máquina lavar roupa e loiça, é uma questão de gestão e hábitos,
      2- é ter lugar para estacionar junto a uma tomada normal para ligar o EVSE que liga ao carro
      3- não é preciso, igual ao ponto 1, que cai num problema de regulação em UK paga-se +/-4£ pela “potência” mas é único e dá até 50kw
      4- sai +/- 1,50€ a 2€ / 100km carregando em casa depende do pé

      ahh e tal não tenho onde estacionar o carro e carregar… é pá aí não dá em casa, andem a GPL

      • Ru says:

        No meu caso é moradia, por isso tomadas não faltam. Estou a pensar no futuro, pois eventualmente vai ter que andar tudo de carro a pilhas.
        Gosto muito de conduzir com caixa manual, e sem grande tecnologia a bordo. Algo que também parece que vai ser difícil de continuar a ter.

  17. Rodrigo says:

    Para a maioria dos tugas não interessa o eletrico pois ganham apenas para comer e pagar as contas. E um povo preguicoso e que so se queixa. Qualquer pessoa com mestrado ganha mais de 3000 e tem carros eletricos novos e casas pagas. Estudem mais e queixem se menos parasitas

    • joão says:

      é preciso não esquecer que para o mestrado tem de se pagar BEM, especialmente se tivermos em conta aqueles mestrados à relvas que são tirados sem nunca se ir à universidade (que não são tão poucos quanto isso………)

    • trolha muito instruído says:

      quem tem mestrado ganha mais de 3000 euros !!! onde ??? só se for docente em algum politécnico do interior … ou médico 😛 nem um técnico superior (carreira geral do estado) em final de carreira … deixe-se de insultos (há muitos mais portugueses preguiçosos fora deste país do que cá. porque esses foram à procura de subsídios) e propagandas que só os “doutores” podem adquirir v.e.

      • Zé Fonseca A. says:

        3000 brutos assumo eu que seja isso que ele queira dizer.
        logicamente não é no estado que ganhas isso, o dinheiro está nos privados, estado é mal pagador, não seria eu que estudava durante 11 anos para ser medico em fim de carreira com uns miseros 4500€ brutos.

    • Ricardo says:

      Gostei do teu comentário. Se tivesses passado dificuldades não pensavas dessa maneira. Nem todos como tu nascem numa barriga de ouro. Vai mas é trabalhar porque para estarem sentados atrás duma secretária já muita gente a fazer isso…é ferramenta nas mão para ver o que é bom para tosse e ganhares o salário mínimo e fazer horas extras. Seu espertinho é por isso que este país não vai a lado nenhum como pessoas como tu. Tenho dito.

      • Zé Fonseca A. says:

        Não percebo essa das dificuldades, eu tive dificuldades, tive de trabalhar de dia para pagar o meu curso à noite, imigrei e sempre ganhei bem lá fora, cheguei a ganhar acima de 250k ano, voltei para a tugolândia em 2016 a ganhar acima de 150k ano, não tive berço de outro, limitei-me a dar o maximo e nunca negar mais trabalho, mesmo que fosse a ganhar o mesmo.
        Pelo que conheço de outras situações maioria das pessoas licenciadas em Lisboa ou Porto ganha cerca de 1500€ liquidos, na minha area ganham entre 2000 e 3000€ liquidos.
        Interior tem valores diferentes mas também tem um custo de vida muito inferior, eu quando trabalhava em NY também ganhava quase o dobro do que ganho em Portugal e mal tinha dinheiro para viver na cidade.

    • Rodrigo says:

      eu ganho mais de €3000 por mes e nao tenho mestrado nenhum 😀

      • FreakOnALeash says:

        Cunhas e famiglia meu caro cunhas e famiglia…é o que tu tens… Tenho mestres na família, um está desempregado e o outro está com bolsa de investigação…acho que tirara perto de 1k limpos.
        E tu com essa conversa deves de ter muitos amigos…no FB…qual é a côr no cartão do partido mesmo?

        • Rodrigo Da Silva says:

          Nada disso!! Tudo que tenho nesta vida foi feito por mim sem ajudas nenhumas! Nunca ninguem me deu nada.

          Mas admito que ajudou ter saido da portugal. Aconselho a esses familiares teus fazerem a mesma coisa. O que nao falta ai ‘e trabalho nos outros paises

      • Pedro says:

        Mestre do Forex!

        Normalmente quem diz que ganha muito podemos fazer um desconto de 70% para ir ao valor real

        • Rodrigo Da Silva says:

          Se nao acreditares em mim nao ha problema. Nao fico chateado 🙂
          Ja nem vou falar no facto deste mes ser mes do bonus bi-anual na minha empresa..Mes em que vou receber para cima de €5000.
          Vou comprar mais cripto para poder comprar outro apartamento daqui a uns anos 🙂

    • Miguel says:

      A maioria dos tugas ganha para pagar o carro a combustão. Se tirar a despesa do combustão tem para o elétrico.
      A maioria dos tugas não precisa de carro…

      A dos 3000 só por ter mestrado mostra bem que não vives neste planeta.

    • Samuel MG says:

      Mais um troll que não sabe do que fala!! Qualquer pessoa com mestrado vai trabalhar para o Hipermercado a ganhar 800 euros pois não encontra emprego cá!! 80% dos trabalhadores ganham menos de 800 euros que mal dá para as contas numa cidade. Explica-me como é que se compra um carro elétrico quando no final do mês só sobra 10 cêntimos?

    • Jon says:

      O meu pai trabalha dia e noite e ainda não ganhou dinheiro pra comprar um carro a pilhas

  18. Nick says:

    Já ando a dizer há muito que definir uma meta a 10-15 anos é uma treta, para alguém ouvir. Aí está a resposta era para a UE ouvir.

  19. joão says:

    o problema não é o acessível ou não.

    O acessível é relativo!
    Não serve de muito um carro “acessivel” a 10.000€ que leve 48H a carregar e só tenha 10 Km de autonomia…

    Acessível seria por exemplo 10/15.000€ com 500Km+ de autonomia e – ESPECIALMENTE – tempo de carregamento até 80% de 15/20min

    ai… já seria aceitável….

    • FreakOnALeash says:

      A autonomia média de um BEV já deve rondar perto dos 300km.
      O tempo de carregamento médio, sem carregamento rápido, deve rondar de 0% a 80% de bateria cerca de 4h, com carregamento rápido menos de 1h.
      Pesquisa mais, fica aqui um site bem informado na matéria e de um português que escreve para o mundo.
      https://pushevs.com/

      • João says:

        Perto de 1h não é viável… 20min, para mim, é esticar ao máximo!!!
        as baterias de estado sólido supostamente resolvem isso… O problema é que ainda não chegaram e tem outros problemas…

        Não conhecia o site!

        Obrigado! 🙂

  20. andre says:

    é facil, imprimem 50 000 euros por cada europeu, dão a cada europeu um vale automovel de 50 000 euros para gastar.
    Se imprimem dinheiro para dar aos ricos porque nao imprimem tambem para os pobres?

    • DataSmurf says:

      Porque o objetivo é dificultar ao máximo a vida aos mais pobres para estes não serem felizes, não viverem muitos anos, e procriarem pouco.

  21. Night1991 says:

    Nem dado queria esse lixo. A agua ja falta em muitos sitios e a Europa so tem interesse em faturar mais nada se tivessem mesmo preocupados com o planeta nao aceitavam um alternativa mais poluente que os carros tradicionais. Ou esquecem se que nao existe litio para todos oa veículos do mundo, e a quantidade de agua que é usada para a exploração e o desastre natural que provoca a mesma exploração.

  22. lapizazul says:

    O problema em geral são os mais de 60% em impostos sobre os combustíveis… Quando acabarem com os ICE quero ver onde vão sacar os biliões que sugam à malta por ano.

    • GM says:

      É só pensar mais um poucochinho. Irão carregar sobre a electricidade, evidentemente. Vai ser IVA sobre outras taxas / impostos entretanto inventados, sobre este ou aquele pressuposto. E quem carrega em casa, vai pagar bem mais, seja no carregamento do VE seja na utilização quotidiana da electricidade, pois não haverá possibilidade de separar os usos da energia.

    • DataSmurf says:

      Na resposta do GM, está lá tudo dito. Irão cobrar ainda mais impostos através do IVA da electricidade.

    • Antonio Geraldes says:

      Já há soluções. Todos os eletricos já têm gps, pagasse uma taxa por km percorrido.

  23. António Martins says:

    Calma Pessoal que a Europa só vai até Espanha

  24. TslaBull says:

    Pode ser que sej um insentivo para se andar mais de transportes

  25. Luis Henrique Silva says:

    O que me preocupa mais é que este tipo de veículos se for usado é mais complicado por causa da bateria já ser usada, e isso vai fazer com que muita gente opte por comprar novo o que nem sempre é bom para a carteira.
    Outra coisa, é muito bom sim, substituir combustão por eléctricos, mas os eléctricos tem o problema de ao fim de x anos ou troca-se bateria que deve sair barato deve…… ou compra-se carro novo……não sei como o futuro irá resolver isso.

  26. FreakOnALeash says:

    Observação pertinente.
    Esse tipo de problema começa a ver a luz ao fundo do túnel…mas é óbvio os construtores de BEV não estão interessados em que o usado que compraste esteja em boas condições e ainda menos em providenciarem-te manutenção ou peças a bom preço, tanto que lutam contra o aparecimento de mecânicos de esquina especializados em BEV…mais uns anitos e já não será tão caro comprar um bateria melhor para o usado que adquiriste.
    Usados BEV com garantia, manutenção e peças acessíveis seria o início da verdadeira democratização dos BEV para as massas!

  27. PB says:

    Isso em Portugal significa mais impostos sobre veículos de combustão até que seja mais barato comprar um eléctrico

  28. toze says:

    Tudo bem que os carros a combustão poluem mas que tal analisarem seriamente outro transportes como os navios que tem uma taxa de poluição altíssima e ninguém de Bruxelas fala nisso…talvez porque tem muito interesse….agora mexer nos bolsos do povinho é mais facil!!!!

    • Jon says:

      N e que fabricantes de aviões enriquecem rápido assim como de navios
      Agora de carros são muitos fabricantes e há muitas opções de escolha tem de dar a enriquecer a todos

    • Rodrigo Da Silva says:

      Os automoveis mundialmente poluem muito mais do que os navios e os avioes.
      E ao contrario destes ultimos, n’os o consumidor, conseguimos mais facilmente mudar o nosso habito e conduzir um carro electrico ja que existe essa possibilidade.
      Ainda nao existe uma solucao viavel para utilizarmos navios electricos e/ou avioes electricos

      • Catarina says:

        O problema com os navios é o combustível que eles usam, que são restos da indústria, porque é mais barato…se eles usassem combustíveis normais, não havia tantas emissões de elementos perigosos…
        Mas isso só acontece nos transatlânticos de mercadorias, nos paquetes de luxo já sabem pôr sistemas de filtragem, para não incomodar os clientes…

  29. JPP says:

    Normalmente este tipo de textos dizem “Publireportagem” mas depois pensei que não havia reportagem.

  30. Antonio Geraldes says:

    Uma coisa é o que “Bruxelas quer” a outra é o que as economias de cada pais podem.

  31. Catarina Martins says:

    E fábricas que poluem 24h por dia, com gases extremamente nocivos para o ambiente e para quem os respira, não fazem nada? Tipo as fábricas da corticeira Amorim que facturam milhares de milhões mas não têm umas centenas de milhares para colocar uns filtros na porcaria das chaminés???

  32. contacto says:

    so se custarem barato. Agora, se forem para ser a mesma roubalheira do costume das marcas de automovies .passo

  33. Jon says:

    Se a Europa pensa que vai mandar na minha casa esta muito enganadinha

  34. Maria Teresa Pinto Martins says:

    100% de acordo. A Europa unida, as com preços acessíveis por um Ambiente muito melhor. E mais, que outras medidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.