Quantcast
PplWare Mobile

Atenção aos radares em outubro de 2021! Conheça alguns locais…

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. wtvlol says:

    Há que fazer €€€ para o jantar de Natal da PSP.

    • Rodrigo says:

      Ha que conduzir em condições para nao pagar €€€

      • RicM says:

        Há casos e casos. Conduzir “em condições” não é sinónimo de conduzir dentro do limite de velocidade; conduzir “dentro da lei” sim.
        Vias largas, sem atravessamento de peões nem cruzamentos não constituem obrigatoriamente locais de corridas nem de perigo que justifiquem radares escondidos numa evidente “caça à multa”.

        • Rodrigo says:

          Nao, nao ha casos e casos. Quando digo conduzir em condições quero dizer conduzir perante as leis existentes. Todo resto são desculpas farrapadas. Se achas que uma via larga, sem atravessamento de pesos nao justifique ter radares escondidos fala com as pessoas responsáveis. Essas pessoas que estão em poder estar la para servir o povo certo?
          Ate la, ha que conduzir em condições quer concordes quer nao 🙂

        • Manuel Costa says:

          E circular a 200kmh no meio das cidades é tudo legal, por ser “dentro da lei para quem pagou 94000 euros pelo automóvel e gasta 2500 euros por mês em combustível”. Até ao dia em que atropela alguém ou espeta-se contra um carro que estava a sair do estacionamento… esse perigo para quem circula a 200kmh numa rua com 2 faixas de rodagem para cada lado e 28 passadeiras para peões que “estão lá a estragar o alcatrão”. Conheci 2 como tu… um morreu quando se espetou contra um carvalho a 289kmh no Audi com 3 meses que tinha, o outro está preso por ter atropelado uma mulher numa passadeira, a 163kmh.

          • RicM says:

            Isso é que é “fazer filmes”. Consegues “tirar-me a pinta” a partir de um comentário em que não menciono velocidades e que explicito que algumas estradas “não constituem obrigatoriamente locais de corrida”.
            Mas visto que é preciso escrever tudo para não me associares a cadáveres ou condenados, queria dizer que um condutor pode ser facilmente apanhado a infrigir a lei a 60/65 Km/h apenas porque acelerou um pouco numa via larga e sem atravessamentos e nunca causar perigo a si ou a terceiros. Era a este tipo de ação policial que me referia como a repreensível “caça à multa”.

            @Rodrigo
            No final é apenas maior ou menor rigor quanto às palavras utilizadas mas continuarei a achar que posso conduzir “em condições” mesmo estando acima do limite máximo legal

          • Rodrigo says:

            Podes pensar que estas a conduzir em condições mas isso nao quer dizer que seja verdade. ‘Conduzir em condicoes’ para uma pessoa pode ser diferente para outra pessoa. ‘E por isso que existem leis que abrange toda a gente da mesma maneira.

            Eu também posso pensar que sou o maior da minha aldeia mas isso nao quer dizer que seja certo n’e? 🙂

        • ToFerreira says:

          @RicM é difícil explicar isso a quem não percebe sequer a diferença entre circular em excesso de velocidade e em velocidade excessiva. Aliás, a quem provavelmente só conduz em videojogos…

      • ToFerreira says:

        O que é “conduzir em condições”?
        Conduzir a 110 em autoestrada, num troço que esteve ou estará em obras e os sinais já lá estão, mas o resto não, não é “conduzir em condições”, mas ir a 50km/h numa zona residencial com carros parados de ambos os lados que não nos deixam ver alguém, sobretudo uma criança a atravessar a estrada, já é “conduzir em condições”.
        Ir a 130 numa autoestrada vazia não é “conduzir em condições”, mas ir a 40 numa nacional a “apreciar as montras” causando engarrafamento e obrigar os outros a realizar a manobra mais perigosa – ultrapassagem, já é “conduzir em condições”.
        Esta certo…

        • Rodrigo says:

          Ha que conduzir com responsabilidade e com juízo mas principalmente seguir as leis. Pelos menos foi assim que me ensinaram na escola de condução. Se uma pessoa nao conseguir fazer isto, deveria entregar a carta de condução e deixar-se de desculpas.

          • ToFerreira says:

            Alguém que conduz com a principal preocupação de “seguir as leis” é que nunca devia ter carta de condução. Aliás, se conduzes, o que eu duvido, todos os dias infringes a lei, com toda a certeza.

          • Rodrigo says:

            Sim eu nao estou a dizer que nao ultrapasso a velocidade de vez em quando. Mas nao faço intencionalmente e/ou constantemente. E se porventura apanhar multa por causa disso nao vou estar a tentar dizer que a culpa ‘e dos radares que so servem para apanhar €€€.

            Como sou um adulto, irei aceitar responsabilidade pelos meus actos!

          • rjSampaio says:

            “Alguém que conduz com a principal preocupação de “seguir as leis” é que nunca devia ter carta de condução”

            Nunca li nada tão parvo sobre este assunto…
            Diz-me uma coisa ToFerreira, quando/se tiraste a carta, qual era a tua preocupação durante o exame?

          • ToFerreira says:

            @ Rodrigo
            Esse é que é o problema, nem sequer pensas em qual é o objetivo do controlo de velocidade, e se estão a ser usados para o mesmo ou não. “a lei, a lei…”
            E se fores a 60 numa estrada vazia as 2 da manhã e fores multado, a culpa é tua, não sabes porquê, mas está na lei, por isso a responsabilidade é tua.

          • ToFerreira says:

            @ rj
            Ainda bem que falaste no meu exame. No mesmo, entrei, liguei o carro arranquei e passado 1 ou 3 metros transgredi lei, e logo uma infração grave – passei a linha contínua.
            Felizmente o avaliador era alguém com cabeça que entendia para que servem as leis, nomeadamente a da linha contínua, portanto passei na mesma. Já sei que se fosses tu, naquela rua estreita, com um carro (mal) estacionado, terias ficado lá parado (a engarrafar o trânsito), porque a lei diz que não podias pisar a linha continua, e o que importa é a lei, o trânsito, os outros condutores, as outras pessoas além de ti, o bom senso que se lixem, o que importa é a lei!

          • rjSampaio says:

            É fixe que dês e exemplos assim mostra que sabes que existem circunstâncias em que podes transgredir a ordem que se deve seguir as leis, já agora estavas alcoolizado ou fizeste a manobra a 200?

    • rjSampaio says:

      vamos então estraga-lhes os planos, que tal cumprirmos todos os limites e a lei e assim eles ficam sem jantar?

  2. ToFerreira says:

    É sempre nos mesmos sítios. É que sítios são esses? Os sitos com maior sinistralidade, que é preciso reduzir? Não! Os sítios onde o limite é inferior ao que devia, levando os condutores a ultrapassar o limite legal, sem passar o limite racional.

  3. TslaBull says:

    Continuo a não entender porque é que a PSP divulga onde estão os radares… só neste país… enfim

  4. lapizazul says:

    A chamada caça à multa… Até estou admirado como ainda ninguém se lembrou de meter um radar em cada rua.

  5. oiiiii says:

    “Pela sua segurança”???? hummm, é mais seguro conduzir com os olhos na estrada ou no conta quilómetros a ver se vou a 50 em vez de 51???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.