PplWare Mobile

Windows 10 espia as crianças e envia relatórios aos pais


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. censo says:

    E então? Acham isto incorreto? Eu concordo com esta política. As crianças tem de ser sempre vigiadas, façam o que estiverem a fazer.

    • Miguel says:

      O problema é quando existe outro relatorio a entregar a NSA e governos sobre o adulto…

      • luis verdasca says:

        é isso mesmo, vamos vigiar as crianças. começamos por ti, dá-me os teus dados para adicionar-te à minha “familia” no windows e, assim, receber informação de tudo o que fazes.

      • Marco says:

        Como cosumidor de TI, sei que isso é uma “possibilidade”. Como utilizador vejo nesta função uma mais valia.
        Mas sejamos sinceros, esses relatório já existem e de várias fontes, Sistemas Operativos, ISPs (tem de guardar o histórico por x dias/meses) , sites como o Facebook e Google, serviços de datacenter, é só escolher. Alguns deste envolvidos até podem nem saber o que estão envolvidos nesta recolha de dados.

      • Não Interressa says:

        Quanto é que queres apostar que 90% que aquilo que a microsoft está a “apanhar” muitas pessoas já publicam no facebook para toda a gente ver…

        • luis verdasca says:

          e isso faz com que seja mais aceitável? não, obviamente. uma coisa é fazer algo de livre vontade, outra é ser vigiado.

          • Paulo says:

            Exactmente ! Estas funcionalidades são boas, mas não está certo que sejam activadas por omissão, cada um deve ter o direito de escolher se quer ou não sujeitar os seus filhos a este tipo de vigilância. Ok, os windows anteriores já tinham estes sistemas, mas os pais só ligavam o sistema quando queriam e isto é quando entendem que este tipo de serviço é necessário para os seus filhos, eu sou pai de uma menina de 10 anos e o sistema que eu uso é ensiná-la a não fazer as coisas erradas, para depois não ser necessário repreendê-la por ter errado, até agora tem funcionado muito bem, obviamente que nunca se deve dizer “Desta água não beberei” e se um dia for necessário ter um control parental mais acirrado com a minha filha, eu e a Mãe dela vamos decidir quando e como fazê-lo e isso não será nunca, de alguma forma, imposto por omissão, pelas políticas de uma empresa do outro lado do Mundo.
            O tio Bill pode ser o fulano mais rico do Mundo, mas isso não faz com que ele tenha direito de “mandar” na minha casa ou na minha filha e no tipo de educação que eu lhe dou.
            A mesma opinião serve para todo o tipo de aplicaçãoe e sistemas de control de tudo e de todos que o Windows trás activado por omissão para tudo o que se imagine e mais o que ainda não nos lembramos.

      • luis verdasca says:

        miguel, a minha resposta era para o censo, não para o teu comentário. não sei porque veio para ao teu. ainda assim, o problema existe sempre. n é só a nsa e o governo.

      • JJ says:

        Costumo dizer: “Esta na net… esta no mundo”

        As pessoas devem ter a consciência (que muitas vezes não tem) que por mais protecção que se possa usar, tudo o que esta na Internet está sujeito a terceiros!

      • José Gaspar says:

        Pois…! Se espia …tanto pode mandar aos pais como a ” outro sitio qualquer ”

        O mal está na capacidade de espiar.. Ai Microsoft, Microsoft….!!!!

    • Alex says:

      Hum…. Tu também adorarias ser espiado… Além de que as crianças cada vez entendem mais de informática! Adorava se as crianças entendessem que Windows e uma porcaria e mudassem para linux

      • PFerreira98 says:

        Adorava ainda mais que as crianças entendessem que existem coisas sem comparação e que tudo depende do que para que é utilizado.
        Ainda melhor, adoraria que as crianças soubessem expressar as suas opiniões sem criticar as opiniões de outros (a não ser que tenham argumentos em condições).

      • Joao Magalhaes says:

        Não há se sem senão, assim que te ligas à net estás sujeito a ser espiado, tenho o windows e o ubuntu e não me sinto seguro com nenhum, pois haverá sempre mentes brilhantes que conseguem dar a volta ao sistema, se não queres ser espiado, fecha-te em casa, tudo tapado e não te ligues na net

  2. Marco says:

    Não vejo mal nenhum, cada pai escolhe se quer ou não saber o que o filho anda a fazer na Internet.
    E até poderiam ir mais longe definir na conta qual o horário em que os filhos poderiam navegar.

    • luis verdasca says:

      tens toda a razão. até deviam projectar, na parede da sala, tudo o que o filho faz no quarto e na casa-de-banho. tal como o que os pais fazem deve ser projectado na parede exterior de casa.
      como estás de acordo, vamos começar contigo e com o teu filho. de certeza que não te importas de ser vigiado constantemente e de não ter privacidade. certo?
      além disso, deves ser um pai fantástico, que não confia nos filhos e não se importa que uma empresa os vigie constantemente.

      • Alex says:

        +1… Ninguém gosta de ser espiado! Porque os filhos gostariam?

      • LG says:

        Vê se logo que não tens filhos… Pode-se muito bem confiar em filhos mas a influência externa é grande…

        • luis verdasca says:

          é verdade, quem diria que há mundo fora de casa, né? descobriste isso hoje ou já tinhas reparado?

        • luis verdasca says:

          e é por causa disso q vais meter um “policia” virtual atrás do teu filho 24 horas por dia? coitado do miudo, quando o teu filho for para a universidade, fora da cidade, vais pedir á escola q o vigie? vais meter “webcams” na residência de estudantes? e, já agora, vais dar-lhe uma bolha insuflável para ele usar durante o dia?

          • André says:

            e as crianças que são atacadas por pedófilos e maníacos? não interessa?

          • LG says:

            LOL! Tamos a falar de crianças e tu já falas da adolescencia… meu deus uma coisa não tem nada a ver com a outra… sinceramente estou me nas tintas se ha crianças que vejam imagens “snuff”… cada um sabe bem dos seu filhos e eu não preciso espiar os meus…

          • luis verdasca says:

            LG, não percebeste o que escrevi, lê de novo.

      • JJ says:

        Estas a misturar as coisas!
        1. Esta funcionalidade é OPCIONAL!!!
        2. Os pais podem “vigiar”/”controlar” o que os filhos fazem no PC/Internet, mas antes de o fazerem devem informar/falar com os filhos sobre o assunto. Falar com eles sobre os perigos da Internet e tudo o que pode estar envolvido. Maus é não ter esse tipo de conversa com o filho.
        3. O problema não é confiar no filho, até se pode confiar. O problema é não se confiar no filhos dos outros! As crianças devem ser sempre protegidas, por mais confiança que se possa ter, uma criança facilmente pode ser enganada. E muitas vezes o que parece inocente para a criança, pode na realidade não ser.

        • luis verdasca says:

          estou a responder ao comentário, não ao artigo. além disso, o mundo é igual, dentro ou fora da internet. a conversa deve existir sempre. a vigilância é intromissão, só mostra falta de confiança, educação e respeito.

          • JJ says:

            E fora na net… não se deve supervisionar os filhos?
            Então deixa-se andar a vontade na rua uma criança de 6/7 anos, certo?

          • luis verdasca says:

            depende. por exemplo, se o miudo for para a escola primária e ela for perto de casa. ele pode ir a pé sem problema nenhum. se for mais longe, vai de autocarro, onde há uma pessoa que conduz o dito autocarro.
            claro que há os que vão, de carro, deixar o menino á porta, com medo que o ar da rua lhe faça mal.
            e nessa altura já devem saber com quem devem falar. se não sabem, a culpa é dos pais.

          • JJ says:

            E é por ele não falar as pessoas que não conhece, que invalida o facto de ser raptado!?
            Mas tudo bem… só espero que o teu filho nunca tenha problemas.

          • luis verdasca says:

            tens toda a razão. a probabilidade de ser raptado é enorme. mais vale andar com um carro blindado e guarda-costas o dia todo, não vá ser atacado pelos zetas. acorda para a vida, pá. é mais facil o miudo levar com um raio em cima num dia de sol do que ser raptado. o mundo não é como o correio da manhã diz q é. estas coisas têm uma probabilidade tão pequena que não vale a pena estar a manietar alguém só porque, eventualmente, um dia, qd estiver nevoeiro, lua cheia e sol ao mesmo tempo, vir alguém e raptar o miudo

      • Marco says:

        luis, eu tenho a noção de tudo o que dizes. Como disse cada pai tem a opção de escolher o que quer fazer com a opção, se vou desactivar vou, mas acho bem que os outros pais tenham a opção de poder ter algum feedback sobre o que o filho(a) anda a fazer na Internet. Mas estás a trazer dois conceitos para a mesa e a misturar um é a privacidade da família e o outro é a tua privacidade perante a sociedade, tu como pai de um menor és responsável pelos atos do menor, e resta saber se tu confias na educação que deste e se confias na educação que ele tem, ou seja, se queres desactivar a opção ou não.

        Mas vamos ser sinceros acreditas mesmo que não andam a guardar dados sobre ti? Que não estás a ser monitorizado? Não tu em particular, mas todos nós como sociedade e quando o teu padrão começa fugir do dito normal, que não entras numa lista de pessoas a serem vigiadas com mais atenção mesmo que seja vigilância feita por computador? Acreditas mesmo que tens privacidade sobretudo estando ligado na rede? Se fosse a ti ia ver a torre do tombo e os arquivos da PIDE, e a seguir fazia o seguinte raciocínio aquilo foi numa altura em que não havia PC nem escutas electrónicas, como será agora? Ou a ver o documentário sobre os arquivos da Alemanha comunista, onde cada habitante tinha a sua ficha, e volto a dizer isto numa altura sem pc’s e datacenters. Ora diz-me lá pq é que o teu ISP é obrigado a guardar os logs de tudo o que fazes durante um ano, ora diz lá pq é que a tua operadora faz o mesmo? Queres entrar numa senda de paranóia, pq é que os hotéis mandam a lista de hospedes para a policia? Porque é que cada vez que movimentas 1000 euros sai um aviso a caminho do BdP? Ainda achas que ninguém recolhe dados sobre ti?

        • luis verdasca says:

          respondendo de forma resumida, percebo o que dizes mas:
          1. acho inadmissível a dita opção estar activa por pré-definição. nem concordo que exista mas isso já é uma opinião discutível, aceito isso.
          2. eu sei perfeitamente que há dados meus a serem guardados sem eu saber. mas não é por isso que vou fazer o mesmo a um filho meu.

          • Marco says:

            tu não, eu não, mas deixa que os outros o façam se assim o entenderem. Eles é que são os responsáveis pelos actos dos filhos deles, deixa-os ter essa opção, se não confiam nos filhos é pq tem motivos para isso.

          • luis verdasca says:

            eu percebo o que dizes, marco. mas acho que daí até achar que é bom poder vigiar os filhos sem eles saberem vai um grande salto e faz-me pensar que as pessoas raramente pensam a longo prazo sobre as coisas.

          • JJ says:

            Mas eles devem saber!
            Assim como tu tens de saber quando entras numa loja que estas a ser filmado, a criança deve saber quando existem programas de monitorização. Alias, ele saber e concordar já por si só mostra que é uma criança a confiar, agora se ela refila sobre o tema…

          • luis verdasca says:

            se ele sabe e concorda com a vigilância, algo está mal na educação dele. se refila sobre o tema é porque tem 2 dedos de testa.
            e quando tu entras numa loja vigiada há avisos à porta. não é por acaso. é para dar a opção de entrar ou não. estas ferramentas servem para fazer isso sem avisar a pessoa vigiada. espanta-me que não percebas a diferença.

          • Carlos says:

            Não está nada ativo por omissão.

            Se simplesmente acrescentares uma conta ao Windows nenhuma função de controlo parental está ativa.

            A *única* diferença é que há do 10 para o 8.1 é que no 10 tens o conceito de família (que vai ter mais funções no futuro como partilha de aplicações, músicas, filmes, etc.) e podes acrescentar crianças à família.

            Se fizeres isso, e ninguém te obriga a fazê-lo, a conta da criança é automaticamente limitada, só pode usar o PC entre as horas que definires, só pode aceder a sites que tenham classificação de idade e desses só os que forem para a idade da criança, etc. etc. Essas limitações são configuráveis independentemente.

            Além disso, se quiseres, podes receber e-mails com um resumo de quais sites a criança andou a ver, a que horas e durante quanto tempo.

            Adicionalmente, ao configurares uma conta como sendo duma criança, a opção de comprar aplicações, músicas ou filmes fica desativada, tanto na loja do Windows propriamente dito como na loja online da Microsoft.

            SE QUISERES.

            Se não quiseres, não configures a conta como sendo duma criança, que aliás até é mais fácil porque não é preciso fazer nada para isso.

        • Rodolfo Dias says:

          A diferença é que eu tenho consciência que estou a ser monitorizado. Um miúdo de tenra idade lá sabe o para ali vai quanto mais saber que a microsoft anda a avisar os pais que ele passou 5 minutos a ver fotos da sua actriz favorita do game of thrones.

          Monitorizar os filhos só prova que não têm confiança neles. E se me vierem dizer que não confiam neles porque eles vos mentem e escondem a negativa que tiveram na escola, só estão a cavar mais fundo o buraco onde se estão a enterrar. 😀

      • censo says:

        Estas a confundir pai com amigalhaço! Volto a perguntar: tens filhos? Se tens, achas que os teus filhos são anjinhos? Ou viras as costas às coisas mais complicadas e esperas que tudo se resolva a teu favor sem a tua interferência?

      • Carlos says:

        Porra pá, se não gostas do sistema de controlo parental NÃO O USES.

        Ou está aí o Bill Gates ou o Steve Ballmer ou o Satya Nadella a apontar-te uma pistola e a obrigar-te a usá-lo?

        Chiça que há gente que diz mal de tudo!

    • JJ says:

      +1
      Se os pais não querem ter essa informação, criam uma conta “adulto” para o filho.

      Alem do horário para navegar, devia ser possível definir as horas para usar determinado programa, como jogos.

    • Jorge says:

      O maior problema não é o que ele anda a fazer, mas sim o que andam a tentar fazer com ele. Eu como pai utilizo essa funcionalidade desde o 8 e acho muito útil, mesmo para controlar as horas que autorizo ele a usar o PC. O mais engraçado é que sabe e está de acordo.

      • JJ says:

        Ai esta! O filho deve estar informado… se for bem explicado ele vai aceitar e concordar.

        Se até para adultos a net pode ser “perigosa”, quanto mais para uma criança.

        • luis verdasca says:

          a internet só é perigosa se houver um pico de electricidade e a pessoa apanhar um choque quando está a usar um dispositivo para ligar à mesma. tudo o resto é bom senso é educação.

    • raul leal says:

      nem mais.

  3. Windows 10 says:

    Isto já existia no Windows 8…não é novidade.

    • luis verdasca says:

      é o que está escrito no artigo. agora vem activo por pré-definição.

      • JJ says:

        Se a conta é de “criança” faz todo o sentido vir automaticamente activo.
        Não fazia era sentido, criar uma conta “criança” e depois ainda ter de andar activar os sistemas de monitorização…

        • luis verdasca says:

          errado. se a conta é de um humano, faz todo o sentido que nem sequer exista opção para isso.

          • JJ says:

            Não é errado!
            Se não houvesse nada que diferencia-se uma conta de “criança” de uma de “adulto”, porque é que era preciso ter dois tipo de conta?

            As pessoas tem de aprender a ler, antes de realizarem as suas escolhas nas configurações dos programas que utilizam.

          • luis verdasca says:

            concordo, têm que aprender a ler e escrever. podemos começar por ti “e não houvesse nada que diferencia-se”??
            e é claro que é errado. a desculpa é q é uma criança mas aquilo pode servir para qualquer pessoa. ou achas mesmo que quem quer espiar só vai espiar crianças (e mesmo q fosse, é inadmissível à mesma).
            ambos sabemos que 99% das pessoas nem sequer vão ver as opções, aceitam o que está lá. tal como aceitam ser vigiados e acham que não há problema nenhum só por que “é para bem das crianças”. é um engodo.

          • Daniel L says:

            Luis Verdasca, antes de apontares erros ortográficos aos outros, presta atenção ao que escreves “problema nenhum só por que”…

  4. Alex says:

    Isto do espiar também vocês acham muito fixe… Vou a vossas casas meto cameras… E não as tiram de lá porque vos quero espiar… Ou se não mais simples… Acedia ao vosso PC e via tudo o que estavam a fazer!! Adorariam!

  5. Antonio Castro says:

    O rasto digital está presente em todas as nossas actividades isto não me faz confusão, na minha opinião será uma mais valia desde que seja uma ferramenta devidamente configurada.
    As nossas crianças cada vez mais cedo tem acesso a informação “sensível” e acho importante saber até que ponto estão interessados em pesquisar sobre um dado assunto.

  6. Tiago says:

    Próximo artigo: Windows 10 espia os adultos e envia relatórios para a Microsoft.

  7. Alucard says:

    Eu acho incorrecto. As crianças também tem direito ao seu espaço e os pais não devem ser polícias 24 por 24 horas das mesmas. Isso cria um clima de desconfiança entre a família.

    A opção até poderia existir, mas nunca por omissão.

    • JJ says:

      Os pais devem SEMPRE falar com os filhos sobre estes temas! Se o fizerem, não vai haver clima de desconfiança.

      • luis verdasca says:

        precisamente. e, além de falarem sempre, nunca devem entrar neste tipo de vigilâncias. o alucard tem toda a razão. mal está uma sociedade em que este tipo de coisas é admissível.

        • JJ says:

          Eu não critico a vigilância… critico é as pessoas usarem a mesma sem conversas conscientes com os filhos.

          Aqui não existe um tipo de vigilância diferente das outras que são fornecidas por programas de controlo parental.

          Talvez digam: “Mas o programa de controlo parental é instalado apenas se o pai quiser.” Pois é… mas uma conta “criança” só é criada se o pai quiser!

          Portanto, não existe aqui nada de diferente do que um qualquer outro programa de controlo parental. Assim, como não fazia sentido instalar um programa destes e depois ter de andar activar as funcionalidades… aqui também não faz sentido, escolher esta opção (conta “criança”) e depois andar activar funcionalidades, elas já devem vir activas, podendo depois serem desactivadas.

          A malta gosta de criar polémica onde não existe… enfim…

  8. Alex says:

    Se não confiam não dêem um PC a uma criança! Só quando for necessário! Já vi muita gente com ecrãs em frente à bebés quase recém nascidos e acho uma estupidez total!!!!

    • Jorge says:

      Como é que a confiança nos meus filhos tem alguma coisa a ver com isto? Eu confio neles, agora não confio em quem possa estar no outro lado da linha aí reside o perigo. Agora quem está preocupado se eles vêm um site porno devem repensar no modelo de educação que estão a utilizar. E é claro se eles quiserem ver não é um control parental que resolve isso.

      • Paulo says:

        Existem programas de controlo parental que impedem a visualização de qualquer tipo de site pré defenido pelos Pais, com 100% de eficácia, esses não vêm incluídos no Windows e todas as funções têm de ser escolhidas e activadas por quem os quer instalar e utilizar. Só os usa quem quer e aí é que está todo o cerne da questão, para mim é absolutamente ridículo que uma empresa pretenda impor sejs o que for aos utilizadores dos seus productos, sejam eles comprados, alugados ou utilizados como serviços e além disso eu posso querer uma conta limitada no Windows para a minha filha, sem ter de andar à procura de tudo e mais umas botas que o tio Bill se lembrou de activar por omissão e que eu posso ou não querer que esteja activo, acho que deve ser exactamente ao contrário, quem quiser utilizar esses serviços deve procurá-los e activá-los.

    • JJ says:

      Mas porque é que estas medidas tem de ser vistas como falta de confiança?

      • luis verdasca says:

        porque é o que são. qualquer pessoa com 2 dedos de testa percebe isso.

        • Mr.T says:

          Luis Verdasca, não vejo este tipo de medidas como falta de confiança. Aliás a confiança vai-se adquirindo com o tempo e como em tudo na vida também é feita de altos e baixos (todas as acções têm consequências, boas ou más). Da mesma forma que se deve dar o beneficio da duvida não desconfiando sempre, também não se deve confiar cegamente pensando que o filho é perfeito e só os filhos dos outros são maus e más influencias (os outros também podem pensar o mesmo). Entre ter a opção de poder usufruir de um mecanismo de controlo parental extra ou não o ter, eu prefiro tê-lo (não quer dizer que o vá utilizar). Se for para ser utilizado, qualquer pai consciente saberá utiliza-lo com conta, peso e medida sem com isso ter de “prender” o filho a cadeado. Aliás até é uma boa forma de se poder abordar assuntos e temas sensíveis que possam passar despercebidos a qualquer pai mais ocupado ou distraído. Não percebo o porquê de tanta relutancia e até revolta por existir um sistema destes… Até parece que o Luis foi excessivamente controlado enquanto criança/jovem, mas se assim o foi não quer dizer que também o tenha de fazer aos seus filhos, ou se o fizer não tem obrigatoriamente de ser excessivo.
          Cumprimentos.

        • censo says:

          Estás a distorcer a coisa. Não compreendes ainda o que é vigiar uma criança, pela qual es responsável. Espero que um dia tenhas essa felicidade.

          • luis verdasca says:

            acompanhamento sim, vigilância, nunca.

          • JJ says:

            Portanto se estiverem na praia, deixa a criança a vontade na agua… não a vigias/acompanhas!?

            E já agora, quando estas fora de casa e a criança esta em casa sozinha, como é que se acompanha a criança?

        • JJ says:

          Eu não vejo isso dessa forma! E até tenho uns 4 dedos de testa!

          Ferramentas dessas, por exemplo bloqueia o acesso a determinado tipo de sites, maiores de 18. Até podes educar muito bem os teus filhos para não irem a esses sites, e eles ate fazem isso. Mas como deve saber a probabilidade de surgir publicidade que encaminha para esses sites é grande. Mesmo o filho educado para não visitar, se não existir nada que bloqueie isso ele facilmente poderá ter acesso a essa informação mesmo que não o faça com essa intenção.

          Alem disso, já diz o ditado: “A curiosidade matou o gato.”

          • Rodolfo Dias says:

            Tudo bem, mas percebe uma coisa. Tu estás a dar um computador a alguém. É dele. Ele é que tem que aprender a gerir essa ferramenta. Queres negar acesso a “certos sites” faz isso no teu domínio. Instala um proxy.
            Obviamente eu continuo a achar moralmente incorrecto bloquear acesso porque eu pertenço ao grupo de pessoas que prefer que se aprenda com os erros do que envolver as pessoas em bolhas protetoras. Porque essas bolhas não duram para sempre. E quando a bolha se for, a experiência para sobreviver no campo de batalha é um limite a tender para zero. 😉

          • JJ says:

            Portanto para ti, se vires uma criança aproximar-se de uma lareira acesa, não fazes nada, porque ela tem de aprender com a experiência que a fogo queima…

            Eu não estou aqui dizer para por uma criança dentro de uma bolha! Alias as crianças devem ter a noção do que devem ou não fazer. Estas ferramentas devem de servir de ajuda.

            Por exemplo, o programa da Nortan de controlo parental, quando bloqueia um site, diz algo bastante interessante (mais ou menos isto): “Conforme acordado com os seus pais, este site não deve ser visitado. Se precisar de visitar, deixe aqui os seus motivos…”

          • Rodolfo Dias says:

            @JJ:
            “Portanto para ti, se vires uma criança aproximar-se de uma lareira acesa, não fazes nada, porque ela tem de aprender com a experiência que a fogo queima…”
            Usar extremismos nunca é um boa maneira de ganhar um argumento.

            “Por exemplo, o programa da Nortan de controlo parental”
            Norton. E a sério? Queres mesmo usar uma ferramenta da Norton como exemplo? 🙂 Era mais fácil regar o pc com gasolina.

            “Se precisar de visitar, deixe aqui os seus motivos…”
            Esgalhar a cobra zarolha serve como motivo?

          • Paulo says:

            Agora dei umas boas gargalhadas e ainda estou a rir-me com essa do Rodolfo Dias “Esgalhar a cobra zarolha serve como motivo?”
            Acho que rir muito na internet escreve-se “LOL”
            Mas o que queria dizer é que esse programa da norton é realmente muito bom, já o vi em ação e posso garanti-lo.

    • Rodolfo Dias says:

      Sim. Por favor sigam esse conselho. Eu tive o meu primeiro computador aos 2 anos e agora sou engenheiro… não queiram um futuro tão terrível para os vossos filhos.
      :'(

  9. Ângelo says:

    Por mim, acho bem. As crianças devem ser protegidas da internet, onde há conteúdos impróprios, já para não falar dos “predadores”. O único mal que vejo nisto, é que alguns pais vão demitir-se do seu papel e pensar que bastam estas medidas automáticas para “tomar conta” dos filhos na net. Não basta controlo, há que haver educação e partilha também.

    • luis verdasca says:

      discordo. na internet existe o mesmo que existe no resto da sociedade. e não existem “predadores”, isso é coisa do correio da manhã. há coisas que acontecem e há gente pouco recomendável em todo o lado. meter os miudos num quarto almofadado e vigiado não os ajuda em nada. o que ajuda é educação, civismo, bom senso, tal como dizes no fim.

    • JJ says:

      Ora nem mais! O problema é os pais pensarem que estas ferramentas serve para fazer o papel deles.

    • JJ says:

      Alias… isso até foi o que aconteceu comigo a dias.

      Uma amiga feio pedir-me para instalar um programa de controlo parental no PC, por causa do seu filho adolescente.
      Eu perguntei logo: “E já falas-te como o teu filho sobre isso?”
      Ela disse: “Não… quero fazer isso as escondidas, sem ele saber”
      Respondo: “Mas ele vai ficar sempre a saber que existe um programa desses! Deves falar com ele antes de por um programa desses. Eu ponho esse programa no PC, mas primeiro tens de falar com ele.”

      Bem… ela lá concordo, e ficou de falar com o filho sobre o tema.
      Os pais devem de falar com os filhos, sobre estes e outros assuntos…

      • luis verdasca says:

        “E já falas-te”? diz-se “falaste”.
        sim, devem falar. nunca monitorizar.

        • Mr.T says:

          Errado! Devem falar e monitorizar. Senão como sabes se a conversa surtiu ou não efeito? Quando for tarde demais?

        • JJ says:

          Claro…
          Por isso é que um bom pai é aquele que deixa sozinho em casa o seu filho de 5/6 anos, porque falou com ele e explicou-lhe como é que ele se deve comportar. E como é bom pai e dá boa educação, sabe que o filho vai comportar-se exactamente como foi explicado.

          Porque toda a gente sabe que num jardim de infância ou centro de actividades extra curriculares, estão lá pessoas que a monitorizar os seus filhos…

  10. Nuno Pereira says:

    Ainda não percebi o que têm contra o Windows 10 para lançarem estas noticias alarmisticas e enganadoras (como aquela de o Windows 10 não ter Português!!!).
    Se fosse uma funcionalidade do iOS o titulo da vossa noticia já seria “Proteja o seu filho na internet” ou algo do género.
    Isto é uma funcionalidade necessária nos dias de hoje que só usa quem quer.

  11. Carlos says:

    Esta questão é muito sensível e haverá sempre quem esteja a favor e outros contra (como se vê pelos comentários acima).
    Eu ainda não sei bem o que pensar… Apenas sei que neste mundo da connectividade, muita coisa se faz e por vezes, mesmo os mais informados são vítimas.
    Parece-me bem a criançada ter liberdade e de estar à vontade para conversar com os pais sobre tudo… ou melhor… sobre quase tudo. Todos sabemos que existem sempre tabus, existem sempre pequenos detalhes que são omitidos, pequenos desvios dos ensinamentos dos pais que não têm consequencias graves, mas que são escondidas. No meio disto tudo pode aparecer algo mais grave.
    Bullying cibernético… Aproveitamento da inocência…
    Coloquem-se no papel de pais. Imaginem que o vosso filho desaparece (pode ter ido para casa de um amigo e esqueceu-se de avisar e ficou sem bateria… já mais velho, pode ter apanhado um pifo e ficou em casa de amigos,… qualquer coisa) o que pensariam? Entrariam em desespero, claro por não saber por onde anda o vosso filho. Mesmo sabendo que é um miudo responsável e que toma todos os cuidados e mais alguns… No outro dia aparece em casa, ou liga… “UFA!”

    E se não for o caso? Tiver tido um acidente? Tiver sido raptado? tiver mesmo fugido? Todas estas questões vão-vos passar pela cabeça… e vão pensar: “que estúpido!!!! Podia ter monitorizado o qeu ele fazia e ter algumas pistas para o encontrar…”

    Pois… sinceramente nem sei que vos diga

      • luis verdasca says:

        sim, usa o engodo do costume. isso é usado para levar as pessoas a abdicar da liberdade para ter “segurança”. usem o bom senso, educação, etc. as “redes sociais” não apresentam mais perigo do que o resto da sociedade. se calhar, pelo teu exemplo, o melhor é mesmo fechar os miudos no quarto a vida toda.
        porra, eu tinha uns 12 anos qd comecei a andar na net, falava com toda a gente, de todas as idades, no irc e sobrevivi. quem diria, hein?

      • luis verdasca says:

        (repetição da resposta, a outra ficou publicada como resposta ao artigo qd deveria ser ao comentário do Carlos. peço ao editor que elimie a outra)
        sim, usa o engodo do costume. isso é usado para levar as pessoas a abdicar da liberdade para ter “segurança”. usem o bom senso, educação, etc. as “redes sociais” não apresentam mais perigo do que o resto da sociedade. se calhar, pelo teu exemplo, o melhor é mesmo fechar os miudos no quarto a vida toda.
        porra, eu tinha uns 12 anos qd comecei a andar na net, falava com toda a gente, de todas as idades, no irc e sobrevivi. quem diria, hein?

        • Carlos says:

          E tantos outros como tu sobrevivem. Mas há variáveis que tu não controlas. O Bom senso (que vem da educação) não é uma coisa que só os pais transmitem! A educação é formada por todo o conhecimento que uma criança absorve!!! MAS claro que a dos pais tem que ser a maior fatia! Mas e o resto? O que absorve dos professores, o que aprende com os colegas, o que vê na TV… São tantos os inputs que têm nos dias de hoje…
          E ao contrario do que pensas, eu penso que as redes sociais apresentam um risco maior que o resto da sociedade: se um estranho te abordar, consegues ver-lhe o rosto, a idade… numa rede social não. O facto de não teres um rosto associado (ou de se ter um falso) leva logo a que a barreira para a interacção com outro seja muito menor. Até porque o “estranho” não está à distância de um braço… está do outro lado do monitor… não mete tanto medo… é só fechar a janela…

          • luis verdasca says:

            a criança pode perguntar a quem a acompanha se aquela pessoa parece ser segura. há é q ser educada para isso.

          • Carlos says:

            Como escrevi acima: estar atrás de um monitor diminui a noção de perigo. Noção essa que as crianças ainda não dominam (têm que ser ensinadas).
            Mas pelo teu discurso, és também a favor que um miúdo de 10 anos possa ir de casa para a escola sozinha… sabe andar, já lhe disseste que tem que olhar os semáforos, ao atravessar a estada deve ver se vêm carros, que não deve falar com estranhos… Vamos dar liberdade para que possa crescer!

          • Paulo says:

            Se o Carlos me permite eu iria acrescentar só duas palavras, no seu ultimo comentário.
            “Vamos dar liberdade para que possa crescer!” Ou morrer …
            E agora Sr. Luis Verdasca, embora no inicío parecesse certo no seu comentário inicial, vejo agora claramente, que o Sr. está completamente, profundamente e muito, errado e caso o Sr. seja Pai de alguém, apenas desejo que nada de mal aconteça aos seus filhos, porque se ainda forem crianças, com certeza serão seres humanos inocentes e que não têm culpa da forma de pensar do pai que têm.

        • Marco says:

          a sério? eu tb, e a tua internet da altura era igual à de agora? havia tantos perigos como há agora?

          vê lá tu que na minha altura era permitido pesquisar, no yahoo ou no altavista, coisas como …. cookbook (as reticencias estão lá de propósito), agora não pode ser considerado terrorismo.

      • Marco says:

        obrigado pela partilha, e o ultimo caso do video é para alguns que andam a dizer que se tem de falar com eles, basta ouvir o que disse a mãe à filha. As coisas não são tão lineares qt alguns querem fazer parecer com as teorias do falar.

        Já trabalhei com jovens e já os vi a mentirem na cara dos pais à descarada e no final qd n tinham os pais por perto a gabarem-se dos feitos, o pior é que não é uma minoria tão pequena qt isso.

        • luis verdasca says:

          o video é apenas para quem gosta de controlar e vai na conversa da segurança. infelizmente, há muita gente que vai nessa conversa.
          obviamente que há filhos que mentem aos pais. e não é por isso que se vai andar atrás deles com uma lente. tudo vem da educação que têm e do mundo em que vivem.
          cada vez mais há gente que não entende isso e que acha q se deve controlar em vez de educar. depois queixem-se qd voltarmos à ditadura.

          • Marco says:

            qd alguns factos não interessam é um engodo do sistema para nos cativar da liberdade, estava a ver que não ias usar esse argumento.
            e o argumento da ditadura é mt bom, é que o seu discurso, é muita na base do viva a liberdade, viva o fim da censura, mas ai de ti que fales nos tempos da outra senhora. neste caso, é mais os miúdos tem de ter liberdade e ai de quem queira controlar a liberdade deles.

            A vida não é preto e branco à tb o cinzento e o cinzento é bem mais perigoso do que se pensa. Sabe uma coisa os pais daquelas miudas tb tinham o seu discurso, isto com uma conversa vai lá, mas a realidade é que nós passamos cada vez menos tempos com os nossos filhos e o tempo que passamos não dá para termos a certeza de que a educação está a ser bem assimilada por eles. -então temos de confiar que os outros (educadores de infancia, professores, auxiliares) façam o nosso papel, mas nem sempre o fazem.

            Estas ferramentas são necessárias para quem as quiser utilizar. Tem razão que se deve educar, mas como sabe que educação está no bom caminho se não monitorizar/controlar o que eles fazem? estamos de falar de menores que ainda não tem noção dos perigos e nem sempre as conversas/educação chega.

          • luis verdasca says:

            então, se calhar, seria bom pensar porque passamos cada vez menos tempo com os nossos filhos e tentar resolver esse problema em vez de metermos um gps no rabo de cada um.
            e sim, temos que viver num mundo que não controlamos. é a vida. não vamos andar com paninhos quentes.
            estas ferramentas são necessárias para quem tem uma visão distorcida do mundo e acha que devemos andar a seguir a vida dos outros o dia todo sem eles saberem para evitar q pisem uma pastilha ou encontrem um gordo barbudo. se os menores não têm noção das coisas, há q lhes explicar. e nada melhor que a vida para aprenderem o resto. acompanhar não é vigiar, acompanhar é estar lá quando precisam e garantir que se safam sozinhos caso não esteja lá ng.

          • JJ says:

            Mas afinal quem disse que as crianças não deviam de saber que tem essas ferramentas de monitorização activas?

          • Paulo says:

            (também lhe posso dizer)

  12. Malamen says:

    A maior parte destes comentários é feita por quem não tem filhos.

    Acho esta medida muito boa. Não tem nada de vigilância mas sim de monitorização.

  13. João Silva says:

    Eu concordo com esta medida. As crianças estão cada vez mais infantis e imaturas (é a chamada “geração totó”), pelo que devem ser controladas/protegidas dos perigos da tecnologia. E digo mais, os seus diários, caso existam, devem ser lidos regularmente pelos pais , não vá haver alguma com tendências estranhas, como alistar-se no exército islâmico.

    • luis verdasca says:

      é isso mesmo. como são cada vez mais imaturas e infantis, vamos proteger mais, para ficaram mais infantis e imaturas. não percebes que é precisamente o excesso de protecção que causa a imaturidade e infantilidade?

      • censo says:

        Meu caro, não tenhas tantas certezas sobre tudo o que te rodeia. Afinal quem está a ser criança ? Aliás, diria até que estás a ser romântico, para não dizer, naif. Tens de crescer, tens de ter filhos para perceberes realmente qual o alcance do que aqui se tem dito. E atenção : educação não se dá, constrói-se durante uma vida ( e entende por vida, tudo aquilo que te vai rodeando por essa vida fora). É apenas um conselho de quem começou a navegar na net quando tinha muitos mais anos que os teus 12.

        • luis verdasca says:

          lá está, o problema é que tu começaste na net muito depois. eu comecei aos 12, hoje tenho mais do dobro disso. acredito que a tua falta de experiência te faça perceber que é inadmissivel vigiar as pessoas e aches que a internet é um bando de criminosos e que temos q esconder tudo das criancinhas e não a deixar falar com outros ou procurar coisas sem andar de mão dada com o papá…

  14. Sergio J says:

    As pessoas que não têm filhos não entendem.
    A minha filha de 9 anos (quase 10) tem facebook, mas é super controlado.
    Há 2 meses veio pedir-me que pudesse aceitar amizade de um amigo que desconhecia. Diz-lhe um conjunto de perguntas e acabei por aceitar. Passados uns dias o miúdo tinha publicado duas fotos da minha filha, que tinham sido tiradas por ela. Tinha colocado uma como foto de capa e a minha filha andava toda contente. Eu só me preocupava o miúdo ter 13 anos. Só que a minha ex-mulher começou a contar-me histórias estranhas. Pois na realidade era uma amiga que falava nele e fazia a ponte e a minha filha nunca o tinha visto. Peguei na foto e fiz uma pesquisa na net e era um actor brasileiro, até o nome era o mesmo. Claro que foi a amiga que fez tudo, desde criar perfil falso etc. Eu e a minha ex falamos com a nossa filha e mostramos o perigo da internet. Felizmente era um caso inocente, mas serviu de lição.
    Ontem a mesma miúda publicou uma foto e gabou-se para a minha filha em que supostamente estaria ao lado de “celebridades ” da casa dos segredos. Supostamente estaria com óculos de mergulho e aparentava ser ela. A minha filha contou à mãe e ela pediu-me ajuda. A foto era verdadeira, mas encontrei uma foto com as mesmas pessoas na piscina, mas desta vez a miúda não tinha óculos. Obviamente não era ela. Para uma miúda de 10 anos está muito reguila.
    Mais uma vez conversei com a minha filha e depois com a mãe pelo telefone. Não vou ser radical e acabar a amizade. Muito longe disso. Teremos de estar é atentos. E para a minha filha tem sido verdadeiras lições.

    Vamos agora imaginar que é uma situação pior ou que está miúda se começa assim, não sabemos como será aos 13. Portanto, os miúdos devem ter toda a liberdade. A vigilância é um atentado à privacidade deles. Por favor…

    • luis verdasca says:

      exacto, ela foi falar contigo. obviamente, não deves ter a password dela mas acompanhar sempre que ela sente que precise. e sim, os miudos devem ter liberdade e a vigilância é um atentado à privacidade. vigilância é diferente de educação, bom senso, conversa, etc.
      mas pronto, que se há-de dizer na era do “o dvd que o ensine”…

      • Sergio J says:

        Eu tenho a password dela. Numa miúda de 10 é nossa obrigação termos à password. É uma irresponsabilidade não ter.
        Eu Veja com quem sala, mas não vejo o que fala.

      • censo says:

        Vigiar é um atentado à privacidade? Privacidade de uma criança de 9 anos ? Sabes o que dizes ? Achas que o teu filho de 9 anos deve ter privacidade ? Terá uma dose, claro que tem, mas a ponto de não se vigiar ? Põe a coisas desta forma : pergunta à criança de 9 anos se sabe o que é privacidade, ou se sabe o que é liberdade. Depois pergunta-lhe se é feliz. E a seguir tira as tuas conclusões.

        • luis verdasca says:

          claro que tem direito á privacidade. mas se não concordas, proponho que a imagem do teu filho a tomar banho seja projectada todos os dias na parede de tua casa e publicada no correio da manhã. pode ser?

          • Carlos says:

            Claro que uma criança tem direito à privacidade. E os PAIS têm a OBRIGAÇÃO de as proteger e de fazer com que essa privacidade NÃO seja violada por outros que não sejam os pais. Esses (os pais) devem fazer TUDO que esteja ao seu alcance para ensinar e encaminhar os seus filhos no caminho que acreditam ser o correto. E para isso têm que estar atentos a todos os actos que elas fazem, certo? Senão como conseguiam dizer “Manel, o que fizeste não se faz. Está errado por causa disto e daquilo. Podia ter acontecido isto ou aquilo… O pai e mãe já tinhamos falado sobre isto, não já?”. Se não tiverem atentos o discurso seria: “Estás a ver, eu avisei-te! E agora Manel, a mãe vai ter que pagar o vidro que partiste!”.

            E o que se passa na internet? Quando estão no quarto? não deve ser vigidao para se poder actuar a tempo? Para poder garantir que o menor não expõe (por ignorância ou inocência) a sua privacidade a outros pela internet?

            Vais-me perdor Luis, mas a tua posição extremista sobre um assunto que não tentas perceber causa-me “comichões”… Como é que nos teus cerca de 25 ou 27 anos de existência consideras ser dono do conhecimento e nem por 1 minuto ponderares que existem outras pessoas com outras vivências que já passaram por muito mais do que tu possam ter um bocadinho de razão?

            Espero mesmo que nunca te vejas na posição de pai. Terei medo pelos teus filhos.

          • Paulo says:

            Em relação à idade que deste a entender que tens e à que eu tenho, não só posso perfeitamente tratar-te por tu como te digo que o que te falta ou faltou, foi que com certeza não foste à tropa, porque se tivesses ido e por acaso tivesses passado pela mão de um qualquer Alferes Soares, serias agora um cidadão muito melhor do que estás a demonstrar ser, pelas afirmações que aqui escreves.
            Subscrevo o que o Carlos diz “Espero mesmo que nunca te vejas na posição de pai. Terei medo pelos teus filhos.”

  15. Mário Dantas says:

    Utilizo esta funcionalidade desde o windows 8. É bastante útil para bloquear o acesso a jogos violentos websites para adultos e afins. Também limitei o uso do equipamento a 1 hora por dia durante a semana e 2 horas no fim de semana. O meu miúdo tem 4 anos e não quero que aceda a conteúdo impróprio acidentalmente, nem passe a vida “enfiado” num ecrã… para isso já tem o pai que é técnico!

    Os relatórios a meu ver são bons apenas para verificar se estas regras funcionam correctamente e não conseguiu aceder a nenhum site impróprio. Ao fim de 1 mês deixei de os consultar, pois confirmei que as regras funcionam!

    • JJ says:

      Nem mais. Tem que se saber a utilizar as ferramentas.

      “Mas eu não percebo nada de informática” – podem alguns dizer. Pois, mas também talvez não sabia mexer na maquina de lavar roupa, antes de ter uma. Aprendeu a mexer nela, não foi? Existem manuais e tutoriais para isso.

  16. Dalmata says:

    E espia os pais, mas falta saber para onde envia o relatório. 🙂

    • luis verdasca says:

      não há problema. os pais, como se pode ver aqui, não se importam. mais, querem ser espiados sem saber (e ás vezes, sabendo) e acham q isso é bom para eles. pelo menos é o que dizem dos filhos.

      • JJ says:

        @luis verdasca… eu nem sei como é que anda a fazer estes comentários. Visto que é contra a dita “espionagem” e anda ligado a Internet e a ler noticias no pplware.

        Eu quando sou contra algo, faço tudo para não envolver-me com esse algo… mas isto sou eu.

        • luis verdasca says:

          estás a confundir actos voluntários com involuntários. eu sei o risco de cada decisão. vigiar uma pessoal, seja ela quem for, sem a autorização dela, é, no minimo, devassa da vida privada. um crime, portanto. um pai que acha que não há problema em vigiar o filho, entrar no facebook sem o conhecimento e presença dele, etc, etc, nem sequer deve ter autorização para se aproximar de crianças.

          • JJ says:

            Mas podes-me dizer onde é que eu digo que os filhos não devem saber que o PC tem estas ferramentas activas? Eles devem saber!!!

            Pensa no seguinte:
            – Porque é usas portas e janelas em tu casa? É só para não entrar o vento?
            – Porque é que quando pousas a tua mala num local publico, vigias sobre ela?
            – Porque é que usas antivírus ou similares no teu PC?
            – Porque é que usas PIN no teu telemóvel?
            – Porque é que quando fazes um pagamento num loja ou levantes dinheiro no MB, se tiveres pessoas ao pé de ti, tens cuidado em esconder o teu PIN?
            – Porque é que procuras usar o PayPal ou similares, ou o MB Net, para proteger os dados do teu cartão de credito?
            – Porque é que trancas o carro, quando sais dele?
            – Porque é que tens o cuidado de não deixar nada de valor a mostra no carro, quando não estas lá?
            – Porque é que se andares de bicicleta e a deixares na rua, colocas um corrente a volta dela?
            – Tomas estas medidas, porque não confias em ti ou na tua família/amigos? Ou tomas estas medidas, para protegeres-te a ti e a tua família?

          • luis verdasca says:

            estas medidas são apenas tomadas por quem não confia ou que gosta de vigiar os outros e tem uma mente deturpada e tendencias totalitárias. gente assim nem devia poder lidar com quem quer que seja. todos os exemplos que deste são irrelevantes para a questão.

          • JJ says:

            Ai são irrelevantes!? Boa desculpa…

          • luis verdasca says:

            ou melhor, até não são. se leres com atenção, percebes que os exemplos que deste são bons exemplos de garantia de privacidade. basicamente, o que defendes é que isso é tudo desnecessário e o melhor é deixar tudo aberto, é isso? (sim, eu sei que defendes que a pessoa deve saber. mas estamos a falar de ter ou não privacidade)

          • Paulo says:

            Luis, deixa-me fazer-te uma ou duas perguntas. Quando eras pequenino o teu pai fechava-te à chave no armário ? Obrigava-te a dormires com as mãos de fora do cobertor no inverno ? Ou ia espreitar-te de noite ?
            Não precisas de responder-me … mas deverás fazer um exame de consciência ou se isso não resolver o teu problema, deverás procurar ajuda profissional com urgência.

  17. 1berto says:

    Este pessoal indignado é de rir… Saiam da internet, porque todos os sites vos espiam.
    Realmente, se a Microsoft quisesse andar aí a espiar o pessoal ia andar a pedir permissão não é? A política da Microsoft é idêntica a todas as empresas e sites que existem, recolher informação de modo a procurar melhorar a experiência do utilizador.

    • luis verdasca says:

      sim, não há problema nenhum em sermos espiados, né? vamos então todos ver o que se passa em tua casa todos os dias, a toda a hora. a gente fornece as camaras e os microfones. certamente estás de acordo.

      • Paulo says:

        Esse “né” nas perguntas ou afirmações, que se repete de vez em quando, nasceu em que País, hein ?
        Acho que estou a começar a perceber a origem de toda essa indignação e revolta que beira um extremismo de falta de disciplina e intolerância que não parece ser nascido e criado em terras Lusitanas.

  18. Sérgio E. says:

    Ai meu Deus que ando a ser espiado… querem ver que daqui a bocado até sabem a que horas estendo as cuecas ? (que deve ser a coisa mais interessante que faço o dia inteiro…)
    Sim, porque “eles” têm um profundo interesse em espiar tudo e todos, inclusivé a Dona Palmira que anda a aprender a “mexer no Facebuk”, nas aulas que anda a ter à noite, na Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Cachucho…
    Epá… ganhem juízo!

    • Vítor M. says:

      tem alguma coisa a ver o que está explicado no texto, a ferramenta parental? Leiam primeiro o texto antes de dizerem estas coisas.

    • luis verdasca says:

      acho que não tens visto as noticias nos ultimos anos.
      mas como tu n tens problemas com isso, penso que podemos instalar camaras, gravadores, etc, em tua casa e gravar a tua vida, 24 horas por dia, certo?

  19. Rui says:

    Acho muito bem. Assim quando crescerem, bufam muito melhor. É sempre bom, ensinar uma criança a fazer coisas à sucapa, como lhes fazem a eles. O big brother, quando surgiu(quando foi escrito, não é o programa da tv) era uma abominação, hoje batem palmas. Bom, em algum lado vai partir…..

    • Rui says:

      Mais ainda, tendo em conta, que o big brother do 1984, era uma critica ao Estaline, o que estão a fazer, é dizer que o sistema de governo dele, estava certo, ou seja: “Volta Estaline, que estás perdoado”, dizem vocês sem saber…

      • luis verdasca says:

        rui, faço minhas as tuas palavras. só não percebo (e assusta-me um bocado) que as pessoas não percebam que é exactamente isto que está a acontecer. e pior, acham bem.

  20. Eduardo says:

    O problema não está na idade do utilizador, mas na total falta de respeito e na escandalosa violação do direito à privacidade. Estas práticas são as mesmas que foral/são usadas pela Gestapo, pelo KGB ou pela PIDE. Mas o mais grave é que são usadas contra o utilizador. Os cidadãos têm o direito de resguardar a informação que considerem ser do seu domínio pessoal e privado. O Windows 10 parece ser uma ferramenta de espionagem do governo americano. Uma vergonha universal.

    • luis verdasca says:

      finalmente, uma das poucas pessoas com bom senso que opinam por aqui. não percebo como é q os “papás” preocupados n percebem isto. parece q n sabem o que é uma ditadura e o que se fazia no tempo “da velha senhora”.

  21. Rui Carriço says:

    Qual a novidade? O Windows 8 já o fazia, a conta do meu filho estava monitorizada.

    Recebo semanalmente um relatório detalhado da utilização que é feita, quantas horas, que sites visita, etc.

    • luis verdasca says:

      espero que ele saiba e que se ponha a milhas assim que tenha 18.

    • censo says:

      Parabens Rui, és uma pessoa habilitada para estar aqui a discutir e a participar no fórum, ao contrário do luis que não tem filhos e …tem a felicidade de não ter outras preocupações que não as teóricas, e que acha que as crianças nascem em carris, por lá se mantem a vida inteira e que, porque receberam educação (dada por alguém, do género, “toma lá e não me chateies”) vem a correr chamar porque estão prestes a descarrilar. Por um lado até fico contente pelo luis, porque pelos vistos apenas conhece o lado colorido desta vida. Ainda bem!

      • luis verdasca says:

        censo, o facto de alguém n ter filhos é irrelevante. achar que se deve andar a vigiar as pessoas é de quem adoraria viver num regime totalitário e tem problemas de insegurança graves. e, claramente, as tuas capacidades de leitura são pobres, visto que não percebeste 1 milimetro do que disse.

  22. {╚wÒ@æ says:

    parece me uma boa feature.
    alias se mais pais se dessem ao trabalho de fazer coisas do genero , nao se via tanto grunho por ai.

    outra coisa que me parece é que o pessoal nao percebe bem que isto e uma feature opcional que podes activar ou nao.. mas pronto e so paladinos da liberdade :p e teoricos da conspiração

  23. BB says:

    Sensacionalismo… o Windows não adiciona contas de “menor” sozinho…
    Devia ser obrigatório tirar uma licença de utilização de PC antes de se porem ativar tudo que aparece num sistema operativo sem sequer saber nem tentar perceber do que se trata.
    É como assinar contratos de olhos fechados, depois queixam-se que o o sistema está a fazer aquilo para o qual o programaram pra fazer.

      • BB says:

        No screenshot atrás onde mostra “Adicionar um menor” é necessário colocar o email (Microsoft Account) do menor em questão, e o menor em questão tem de ir ao email clicar num link para aprovar que deseja ser adicionado à “familia” como menor. Só a partir daí é que passa a ser tratado como menor (e monitorizado), adicionalmente no Windows 10, sempre que o “menor” entra no sistema recebe uma notificaçao a alertar que está a ser monitorizado.
        Toda esta programação nao acontece sozinha, é o que quero dizer. Na minha opinião esse queixoso so pretende protagonismo sem sequer se ter preocupado em perceber porquê nem como as contas “menores” funcionam.

      • Realista says:

        Sim. O windows 10 se adicionares um utilizador tens de indicar se é um menor ou adulto!

  24. Miguel G says:

    Acho muito bem que este sistema esteja implementado no Windows aliás deveria ser obrigatório em todos os sistemas operativos. Obviamente que ficaria ao critério de cada pai activar ou não, mas a verdade é que não temos de esperar os nossos filhos mas sim dos predadores que se podem aproveitar da sua fragilidade para tentar enganar e lavar as crianças a fazer sabe-se lá o quê.

    • luis verdasca says:

      tornar isto “obrigatório” seria obrigar quem faz o sistem a dar ferramentas para praticar crimes. a invasão da vida privada é crime, em portugal.

  25. Maria says:

    Acho que as crianças devem ser vigiadas, mas acho grave que essa vigilância venham activa como default e que seja feita sem uma notificação a quem está a ser vigiado principalmente. Acho uma grande falha na defesa da privacidade do utilizador em questão, independentemente da idade do mesmo.

    • Marco says:

      Isto só vem por defeito qd se indica q é um menor.

      Ate gostava de saber se qd instalam o w10 se desligam td ou se é sempre seguinte em tudo, provavelmente n sabem pq mandam fazer isso numa loja ou num Kioske de reparações que está no centro comercial. E depois vem para aqui defenderem a liberdade e mais não sei o quê qd n sabem como foi instalado o w10, se não gostam voltem a instalar o w7 ou w8 ou mudem para Linux. Vcs são livres de escolherem, depois tem de levar com as consequências das vossas escolhas.

      Voltando ao controlo parental, isto não é espiar os miúdos, eu n vejo dessa forma, isto pode ser mais de guia para os pais saberem quando devem ter certas conversas, “olha o miúdo anda a ver sites de Porto, está na altura de termos a conversa sobre sexo e a importância do preservativo”, “agora anda a ver sites sobre tatuagens está na altura de se falar sobre o tema, e dos possíveis perigos ou não.”, não se trata de fazer inquéritos sobre o que andaram a fazer nos sites e a Ver o quê, se assim pensam é pq vcs fariam isso, é aí o problema está na vossa cabeça e no que vcs iriam fazer com a ferramenta.

    • Paulo says:

      Finalmente ! A senhora disse tudo em poucas palavras.

  26. keimatudo says:

    Completamente de acordo com esta política. Por alguma razão se trata de uma conta de menores. Agora cabe aos pais decidirem se em conjunto com a educação é necessário contemplar com monitorização. Eu acho que crianças devem ter acessos restringidos, na adolescência não.
    Antigamente, até os filhos descobrirem, ia-se ao histórico dos browsers. Tipicamente, todos gostamos de virar um pouco as costas ao que nos dizem, em criança é quase certo, tenham ou não muita educação…mas pelos comentários que tenho lido, talvez seja melhor acabar com a polícia também, porque eles andam a vigiar-nos e independentemente da escumalha que ai anda, não devemos andar num mundo almofadado! (infelizmente conheço casos de violação e rapto a crianças à saída de casa, mas pelos vistos ainda bem que os pais nãoestavam presentes, porque senão seria ditadura!…)

    • luis verdasca says:

      enfim, claramente és um troll ou não percebes nada do que estás a dizer.
      vigilância permanente é algo completamente distinto do que faz a policia. a policia não anda (que se saiba) a vigiar as pessoas se não houver indicios. e uma investigação tem regras e validação judicial.
      e estar presente é diferente de intromissão na vida privada.
      como tu não te importas de ser vigiado constantemente, proponho que deixes q instalemos camaras e microfones em tuda casa, em todas as divisões, bem como todos os teus actos registados e publicados diáriamente ás 8 da noite na tv. de certeza que concordas, porque isto não é uma ditadura, né? 😉

  27. Carlos Martins says:

    Concordo com esta politica. Pessoalmente uso-a no Windows 8 com a minha filha e tem a vantagem de poder limitar o tempo que ela está na net, o tipo de sites a que acede e o tipo de programas a que acede. Mas lá está, ela sabe que eu recebo estes relatórios, e eu apenas consulto os sites e o tempo na net, mais nada. Não considero invasão de privacidade, mas sim prevenção…

  28. censo says:

    Não querendo ter a presunção de encerrar este debate, apenas queria deixar clarificada a minha ideia sobre esta politica da Microsoft incorporada no Windows 10, face ao que já por aqui foi dito :

    – Uma criança à frente de um computador ligado à net, é o mesmo que uma criança numa varanda de um 7º andar, sem proteção. Como pais o que fazer ? A criança pode lá andar. Tem noção da altura e das consequências da queda. Vamos deixá-la por lá sozinha ?

    • Marco says:

      Ou entregar a chave de casa a criança e dizer-lhe agora já podes ir para noite, já tivemos a conversa, agora vai.

    • luis verdasca says:

      não é não. o facto de dizeres isso revela que não tens a minima noção do que dizes.
      aliás, o que defendes é que se meta uma camara para ver se a criança cai. e se cair, recebes um relatório no fim da semana.

      • censo says:

        Tas enganado. Ao contrario do que já para aqui descarregaste, tu é que tens um grande deficit de conhecimento de causa e de experiencia de vida. Não fales sobre filhos se não tens filhos. E não ridicularizes a discussão com exemplos parvos, que nunca aqui ninguém deu. Fala-se em vigiar os comportamentos da criança e ter ao dispor uma ferramenta que ajuda os pais. Vai fazer filhos e depois volta. Passa bem.

  29. Rui says:

    Reparem que vocês consideram este direito sobre os filhos, como o estado considera sobre vocês.

    • luis verdasca says:

      precisamente. estamos num país de gente pequenina e totalitária. não é de admirar que as pessoas se fartem e mudem de país.

      • JJ says:

        Curiosamente não existe nenhuma ferramenta de controlo parental criada por portugueses.
        O mais curioso ainda é que as pessoas mudam para países onde essas ferramentas já são usadas e abertamente conhecidas a mais anos que em Portugal…

        Se os outros são melhores, gente grande e liberal, porque raio é que as gentes desses países criaram estas ferramentas?

        • luis verdasca says:

          pois é, boa parte delas são feitas por americanos, um país em que a violação da privacidade é o prato do dia, até pelo governo, como se tem visto nos ultimos anos com o caso snowden e outros. e estas ferramentas existem à anos(pelo menos desde os anos 90) e ridicularizadas, tal como há, à milénios, gente que não respeita a privacidade dos outros.

  30. Joao says:

    Pensava que perseguir alguém era crime… como é que saber tudo o que alguém faz no computador não pode ser considerado perseguição?

    E a questão do direito à privacidade do menor?
    Se não tem confiança no menor, simplesmente não lhe permita acesso à tecnologia… ou coloque num local com um ecrã gigante onde qualquer um em casa possa ver o que está a ser feito, como alguém disse… assim não há expectativa de privacidade.

    • luis verdasca says:

      exactamente, trata-se de devassa da vida privada, é crime, segundo a lei portuguesa. infelizmente, 90% dos comentadores deste post são adeptos disso. não admira, num país que idolatra o correio da manhã e a tvi.

    • Paulo says:

      Olha outro ! Agora só o que faltava era isto ser contagioso, chiça.

  31. Alex says:

    Decididamente o comentário com mais posts

  32. Miguel G says:

    Acho muito bem que este sistema esteja implementado no Windows aliás deveria ser obrigatório em todos os sistemas operativos. Obviamente que ficaria ao critério de cada pai activar ou não, mas a verdade é que não temos de esperar os nossos filhos mas sim dos predadores que se podem aproveitar da sua fragilidade para tentar enganar e lavar as crianças a fazer sabe-se lá o quê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.