PplWare Mobile

Gaming: o vício dos jogos é oficialmente reconhecido como doença pela WHO


Imagem: Jamie McInall

Fonte: Gamesindustry.biz

Desenvolveu desde cedo o gosto pela escrita e comunicação. Em leis formado, tem como hobbies a aquariofilia e a música. Mas é na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e no Pplware a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.

Destaques PPLWARE

  1. Pedro says:

    E ir ao ginásio todos os dias 3 horas não é doença? epa matem-se

    • BC says:

      Claro que é. Um gajo querer manter-se saudável é considerado de loucos! Querer estar em forma é ridículo! Baixa gordura corporal? Que parvoíce!
      Rapaz… tem juízo.

      • Daniel Lopes says:

        um gajo do gym é tão obcecado ou mais que um puto que joga… explica ai pq que o Pedro tá errado sff
        Uns vão po gym pa relaxar outros vão jogar… não entendo a onde o Pedro está errado LOL

      • Hugo says:

        Conheço malta viciada em ginásio que se for preciso só dormem duas horas para ir malhar pro ginásio. Acordam de madrugada para ir ao ginásio antes de ir trabalhar. Todo o seu dia é um autêntico puzzle entre refeições, cuidados e suplementos e a cereja no topo do bolo são as roturas musculares com meses de recuperação.
        Manter-se saudável…

        • Hugo says:

          Claro que não podemos generalizar como é óbvio.
          Gaming e ginásio não são doenças…ou então podem ser.

        • maxgiger says:

          Mas se lhes acontecer algo durante o treino, de certeza vão ter de parar para recuperar de alguma lesão. Ou então tem um músculo do braço lesado, trabalham pernas…lol. E ai nunca param…

          • Hugo says:

            Sim, porque se uma pessoa viciada em videojogos partir uma perna ou um braço, não vai parar de jogar.

        • maxgiger says:

          Mas se lhes acontecer algo durante o treino, de certeza vão ter de parar para recuperar de alguma lesão. Ou então tem um músculo do braço lesado, trabalham pernas…lol. E ai nunca param…

      • Miguel Carvalho says:

        Por acaso até é, ficas a saber. Saudável? O exercício físico em demasia pode criar complicações.

    • nao says:

      concordo, tudo que é feito em excesso é doença, ate desporto.
      3h por dia é excesso… ai já podemos debater um pouco.

    • Jorge says:

      Preciso de internamento imediato!!
      Faço ambos
      2h30 de gym por dia, mania de refeições controladas e suplementação e horas a fio de jogos online
      Onde me inscrevo pra ser internado???

      • AndLop says:

        lolol já somos dois, mas agora fui obrigado a fazer desintoxicação do ginásio (acidente de viação).
        Mesmo assim se souberes o sítio avisa que eu sou enternado contigo antes de ter uma recaida!!! 😀

  2. João Agostinho says:

    Concordo em certa parte, pois assim como o álcool e drogas, jogos podem ser um escape da realidade para as pessoas mais jovens. No entanto acho aplicável apenas quando a pessoa deixa de praticar outras tarefas do dia-a-dia como a alimentação, etc.
    Dando o meu exemplo, que tenho ansiedade social, prefiro ficar horas agarrado a jogos do que ter que interagir com pessoas na vida real, é o meu escape. Mas nunca deixei de comer ou sair de casa por causa disso.

    • maxgiger says:

      Ainda pior visto que há pessoal que se torna exactamente como tu pois no fundo não sabem como enfrentar a vida e outras pessoas. Muitos problemas estão relacionados ao vicio dos jogos e nao é apenas não comer ou nao sair de casa.

    • Ginger Ale 007 says:

      “Dando o meu exemplo,que tenho ansiedade social,prefiro ficar horas agarrado a jogos do que ter que interagir com pessoas na vida real,é o meu escape.” Ó homem,só lhe digo uma coisa,ganhe juízo,caramba !! Deixe de ser um lingrinhas !! Só faltava esta !! 😐

      • Hugo says:

        É por causa de atrasados mentais como vocês que pessoas que sofrem deste tipo de condições ainda têm mais receio de se expor e serem apelidados de “malucos”.
        João, como é óbvio, estes dois não sabem do que falam e muito menos o que dizem.
        Já presenciei um ataque de pânico de uma amiga num shopping e é aflitivo de se ver. E adivinhem: Nada tem a ver com videojogos.

        • maxgiger says:

          então não confundas as coisas pois obviamente percebes muito pouco do assunto e achaste um expert só porque assististe a um ataque de panico. Não vamos confundir os assuntos ok?
          Primeiro ninguém o chamou de maluco, apenas tu o fizeste na tua indiscriçao. O que o João precisa é de apoio para enfrentar o problema e nao contorna-lo, pois afinal de contas, tal como ele disse “prefiro ficar horas agarrado a jogos do que ter que interagir com pessoas na vida real, é o meu escape”
          É por causa de pessoas como tu que não usam o cérebro (não te chamo atrasado mental pois nem sabes o que isso significa), cheios de manias que acham que sabem, mas nada entendem do assunto e ficam a achar-se que são bons.
          Basta abrires um pouco os teus olhos (e já agora a tua mente) e perceberes que cada vez mais os vídeo jogos estão por todos os ecrãs. Isso resulta em muita distração e por vezes a falta de controlo quanto ao jogo, resultando naquilo que muitos nao querem admitir..o vicio!
          Um ataque de panico nao é um vicio e muito menos foi um vicio que resultou em ataques de panico, assim como a ansiedade social.

          • Hugo says:

            “Deixe de ser um lingrinhas !! Só faltava esta”, “ganhe juízo,caramba !!”
            Chama-lhe MIMADO, MALUCO o que tu quiseres, na minha terra chamo-lhe arrogante.
            Enganas-te de longe em relação às manias, embora não me tenhas ensinado absolutamente nada. ZERO. Não fui eu que fiz o diagnóstico logo após o testemunho do João.
            Não sou expert, mas pela teu paleio estou a ver que tens a solução para humanidade. Agora só falta passar à prática em vez de fazer afirmações absurdas, sem fundamento e sem conhecimento de causa como as dos comentários anteriores.

      • Joaquim Cardoso says:

        E com esse comentário só mostra que a Educação portuguesa até funciona.
        Alguém sem nada para dizer, é ensinado a escrever.

        Antes de pensar a opinião que tenho, talvez será melhor entender o que leva ao quê.
        Cuidado passar horas a jogar é uma doença!? Claro até porque acalmar a mente é uma doença, querer processar a informação mais eficientemente é uma doença, ser preguiçoso porque existem deveres a fazer também é uma doença.
        Talvez esperar pela maravilhosa medicação para essa “doença” seja uma doença.

        • maxgiger says:

          Pois é! quando chegar a medicação, a situaçao já é grave. É pena que certos individuos aqui so tenham manias que sabem de tudo e mais alguma coisa, depois são o que são. apenas escrevem.
          Este João necessita de apoio pois ele dizer que “o álcool e drogas, jogos podem ser um escape da realidade” é preocupante e parece que não tem consciência ainda do problema, achando que esta tudo ok. No entanto ele acha “aplicável apenas quando a pessoa deixa de praticar outras tarefas do dia-a-dia como a alimentação, etc”, mas não se deu de conta que ha pessoas que até já morreram por causa das longas horas agarrados ao jogo. Ele afirma que come e sai de casa, mas e o resto?

          • Hugo says:

            Não estarás a ser um pouco paranóico?
            Neste momento estou mais preocupado contigo do que com o João, que por sinal me parece ter o seu problema bem controlado.
            Álcool e drogas são efectivamente um escape para muita gente. Não é preciso ser consumidor para perceber isso.
            Em relação ao “E O RESTO”, mas qual resto? A menos que ele te tenha pedido um diagnóstico acho que estás a tirar bastantes conclusões precipitadas de um caso cujas informações são muito escassas.

  3. nao says:

    “Por sua vez, estes podem ser online (por exemplo, através da internet), bem com offline.” já agora, que jogos online existem sem ser através da internet?
    Isto só para dizer que quem definiu gamming como doença não sabe nada de virar frangos quanto mais de jogos.

    • Vítor M. says:

      Cuidado 😉 porque podes estar a jogar online e não ser internet 😉

      • RS says:

        Online e não ser internet, ora explica lá isso?

        No máximo podes dizer que podes jogar multiplayer sem ser Online, pode ser em rede local, mas Online sem ser por internet gostava de perceber 😀

        • Miguel says:

          Boa tarde, segundo a wikipedia: “Uma rede ou sistema, e por extensão o seu utilizador, diz-se em linha quando conectado a uma outra rede ou sistema de comunicações.”.
          Ou seja, se ligares um pc a outro (nem que seja com um simples cabo cruzado) já estás em linha (online).

      • Will says:

        Basta criar uma LAN.. simples online mas a baixo da internet
        Prefiro jogar do que sair e fazer disparates…a mim nunca me fez mal nenhum!

  4. Hugo says:

    Finalmente. Vou meter baixa.

  5. Smart says:

    As pessoas viciam-se nos jogos porque não há assim muitas alternativas na vida real. Quem não conhece ninguém vai fazer o quê? Vai à discoteca sozinho? Vai andar de bicicleta sozinho? Vai jogar futebol sozinho? Falta aqui uma “entidade” organizadora de eventos sociais para pessoas pouco sociais. Já existe algumas coisas do género mas ainda falta muito.

    • Ginger Ale 007 says:

      “Quem não conhece ninguém vai fazer o quê? Vai à discoteca sozinho? Vai andar de bicicleta sozinho? Vai jogar futebol sozinho?” Olhe,eu sou essa pessoa !! Saio,saí e sairei SEMPRE sozinho,ando SEMPRE sozinho,e fiz isto TODA a minha vida !! Pode acreditar no que eu lhe digo,juro-lhe por tudo o que mais é sagrado nesta vida.Além disso posso dizer que conheço muita mas muita gente,e só vejo fazer coisas assim,além de mim,pra aí uma mão cheia de tipos.Mulheres ?? Nem uma !! Homens ?? Como referi,muito poucos.Eu desde os meus 19 anos até hoje andei sempre mas sempre sozinho !! Gosto de andar assim.Não preciso de ninguém para nada.Quer dizer,uma boleia de vez em quando dava-me jeito,mas enfim não se pode ter tudo. 🙂

      • Smart says:

        Não é propriamente um bom exemplo… para além disso falo em maiorias, não casos extremos….

      • Miguel Gomes says:

        Existem actividades, principalmente lúdicas que é necessário estar acompanhado. Desde os primórdios da humanidade que o ser humano interage com outros para socializar,procriar e desenvolver-se intelectualmente….Andar sempre sozinho é por si só um problema do foro psicológico.

  6. Ginger Ale 007 says:

    Até que enfim !! Eu já dizia isto desde sempre.Agora venham criticar-me.Eu sempre disse isto.

  7. Uma pedra nos rins says:

    Parabéns

  8. Daniel Lopes says:

    Qualquer cena agora é doença… daqui abocado só falta dizer (como ja apareceu em estudos) que os putos nos EUA matam-se devido aos jogos serem muito violentos …
    Quem acredita nisto é mais aluado que as ditas crianças….

  9. Tiago says:

    A seguir é o phonening a ser considerado doença.

  10. Hugo says:

    O que é espanto e uma aberração total, é que o comité olímpico vai integrar os jogos vídeo como modalidade olímpica!!! Não para os de 2024,mas para os próximos. Por aí se vê o potencial financeiro destas indústrias que enriquecem em parte graças aos vícios que estão a criar e graças à corrupção de instituições como o comité olímpico,entre outras

    • Hugo says:

      Tens jogos a custar mais que filmes de Hollywood. Não é segredo nenhum, nem nunca foi.
      O teu comentário espelha bem a tua ignorância em relação ao assunto.
      Será que passarem a porra do dia e noite inteiros nas redes sociais não é também uma doença?
      Não podemos generalizar. Há pessoas com problemas graves, mas a grande maioria apenas gosta de se divertir nos tempos livres.

      • Hugo says:

        Vê-se bem, pelo teu comentário, que deves passar tanto tempo a jogar, que nem tempo tens para pensar (se isso for algo que esteja ao teu alcance) :
        1 : sei perfeitamente que há jogos a custarem muito mais do que filmes de Hollywood
        2:não generalizei, por isso é que utilizei o termo “em parte”. Mas que estão a criar vícios, como estão também as redes sociais, fastfood, etc, isso é um facto indiscutível, cientificamente provado, através de scanners cerebrais, etc.
        3: não critiquei as pessoas que jogam. Mesmo para os jogadores compulsivos, se querem apodrecer no quarto, à frente de um ecrã, estou-me nas tintas. Critiquei sim o facto de quererem incluir os jogos como uma modalidade olímpica! Para mim é um absurdo e que reflecte o poderio destas empresas que corrompem o comité olímpico (que se deixa corromper)
        Fica lá com as tuas, eu fico com as minhas e até nunca. Estás à vontade para ficar com a ultima palavra, de qualquer forma não leio mais comentários de ignorantes como tu

        • Hugo says:

          Como se não levássemos uma vida de vícios. Acorda pra realidade rapaz.
          Ninguém apodrece onde quer que seja a jogar, a não ser efectivamente pessoas com problemas graves. Cada qual faz o que quer dos seus tempos livres e não és tu que estás “certo” em relação ao que fazer. És mais um peão do sistema, quer queiras quer não. É só isso arrogantezinho.

          • maxgiger says:

            Lá esta o “men” da sabedoria! Não sei se escreves acordado ou dormindo, mas de uma coisa sei. Estas pouco informado.
            Ninguem apodrece a jogar, mas já morreram sim pela falta de parar um pouco para comer e beber algo. Confundes muito o conceito de tempos livres. Eu por acaso jogo nos meus tempos livres, mas não passo horas e horas e horas de tempos livres pois tenho vida além disso.

          • Hugo says:

            Caso não te tenhas apercebido tu és o maníaco aqui.
            Quantas pessoas já morreram a jogar? Foram casos residuais, nem para estatística servem.
            Qualquer vício pode ser MUITO grave. Só porque achas que jogar 3 horas por dia é vício isso não significa que seja.
            Uma coisa é uma coisa…e o que tu achas é outra coisa. Cada caso é um caso.

  11. Nuno says:

    Neste momento estou a ler o The Biology of Desire do Marc Lewis, em que ele argumenta que o modelo de doença relativamente aos diversos vícios que nos afligem é limitativo e não se encaixa bem naquilo que está a acontecer nos nossos cérebros.
    Basicamente o nosso cérebro está a fazer aquilo que é suposto fazer, procurar prazer e conforto. As substâncias que usamos (álcool, drogas) e comportamentos que temos (apostas, jogos, porno) proporcionam isso no imediato e hoje em dia com novidades constantes; com o uso repetido passa a haver um efeito de túnel, principalmente quando estamos a sentir emoções que nos deixam desconfortáveis. Para o autor isto não é uma doença, é simplesmente o nosso cérebro a aprender e adquirir hábitos e a criar sinapses fortes que tornam esses comportamentos difíceis de controlar. Como o cérebro é plástico, da mesma maneira que aprendeu esses comportamentos, é possível aprender a lidar com eles de outra forma. E isto nem se pode considerar uma cura, é uma evolução, um novo processo de aprendizagem.
    Nesta entrevista ele sintetiza relativamente bem os conceitos https://www.youtube.com/watch?v=sRTL88ZMPBA
    Recomendo a quem tenha problemas em controlar o uso de internet, jogos, porno, etc.
    E a quem acha que não tem força de vontade, também recomendo ler sobre o conceito de “decision fatigue”. Têm por exemplo este artigo https://www.nytimes.com/2011/08/21/magazine/do-you-suffer-from-decision-fatigue.html?_r=1&pagewanted=all%3Cbr%20/%3E

    • Miguel Gomes says:

      Obrigado. Estou neste momento a passar por um momento mais difícil e vai dar geito principalmente porque tenho tenho um problema grave de passar mt tempo na Internet. Nem sequer é nos jogos, que já comecei a perder o gosto…Na realidade a perder o gosto de um pouco de tudo.

  12. ElectroescadaS says:

    Maldito ZX Spectrum… 😆

  13. Miguel says:

    Então e…aquelas pessoas que são viciadas em tabaco? Do tipo, estão num jantar e levantam-se umas 5 ou 6 vezes para ir lá fora fumar…? não é considerado doença? Doença e falta de respeito para com os outros.

    • maxgiger says:

      Não confundas as coisas. A isso se chama de necessidade, ou seja, é o corpo a pedir a nicotina. a doença vem depois com as asmas ou cancro no pulmão.
      De certeza que quando jogas o teu corpo nao pede cada vez mais jogos, ou pede?lol

      • Tiago says:

        Dá para ver que não percebes puto do que dizes, maxgiger.

      • Miguel says:

        Vai ter ao mesmo. Há pessoas que ao jogarem uma hora por exemplo que aliviam o stress, ou que jogam para esquecer problemas por momentos. Claro que o que é demais é demais, mas não me venham cá com isso de que os jogos são doenças. Sendo assim, ver series/filmes horas e horas a fio também é considerado doença, mas disso tambem ninguem fala e há muito.

        • maxgiger says:

          Não vai ter ao mesmo Miguel. Não podemos confundir os assuntos.
          Percebes uma coisa, as pessoas viciadas em tabaco começaram como? Com uma necessidade em pertencer a um grupo, querer crescer e ser “adulto”, enfim, cada qual com a sua desculpa. No entanto quanto mais fumam, mais o corpo sente a necessidade do tabaco e claro o vicio esta feito.
          É como precisares de te alimentar. O teu corpo transmite alertas de que precisas de te alimentar. Entao pensa. Será que é uma doença comer? Somos todos doentes e viciados em comer? Só é vicio quando ultrapassa determinados limites.
          Assim que uma hora de jogo ou duas nao é nada comparando com muitos que jogam horas e horas a fio, distraindo-se das suas funções e responsabilidade, dando prioridade ao joguinho. Os jogos estão em todo o lado, seja tablets, smartphones, tv´s e computadores. Depois passa a doença pois NÃO CONSEGUES LARGAR O JOGO! O jogo torna-se uma necessidade, o que não deveria acontecer.

          Eu também sou gamer já com muitos anos e sei exactamente o que é passar horas jogando. No entanto já a vários anos que reduzi e muito os jogos, pois muitas dessas horas afectavam a minha vida, principalmente profissional.

          • Hugo says:

            Se te afectava a ti acho inteligente que generalizes para o resto da população. Haja sensatez LOLOL
            E sim, claro que há pessoas com problemas graves de adição aos videojogos, mas vamos lá a ter algum critério quando dizemos “ah…se jogas X horas és viciado e portanto, doente”.

      • Hugo says:

        Se não pede nem é um vício. Fim.

      • ElectroescadaS says:

        Fumar é necessidade?

  14. Nuno Monteiro says:

    Enquanto gamer concordo. Muitos não se controlam simplesmente..

  15. Ginger Ale 007 says:

    Eu simplesmente nunca tive uma consola nem nunca tive um simples jogo.Nem da Steam onde tenho jogos grátis os quero instalar(foram ofertas giveaways de websites).Aqui há tempos instalei um jogo de corridas de carros de pista da Windows Store,passado nem 30 minutos já o tinha desinstalado.Não tenho pachorra.Há coisas bem melhores para se fazer. 🙂

    • Tiago says:

      Não tinha muita piada se toda a gente gostasse de amarelo… Eu vejo desse prisma o futebol, um monte de gajos que recebem balurdios para andar a brincar com uma bola, se ainda fosse futebol feminino até dava alguma razão. Assim não vejo o porquê de perder tento tempo a ver gajos de calções.

      • Hugo says:

        Perder tempo a ver? Pior…eu vejo malta a discutir, faltar ao respeito e às vezes partir para a violência por causa de futebol. Se isto não é doença, não sei o que será.

    • PS says:

      Como andar à boleia?

      • Ginger Ale 007 says:

        À boleia ?? De quem ?? Tomara eu !! Você viu o meu comentário acima,seu malandro.Mas não faz mal.Tomara eu que me dessem boleias.Acho que na minha vida toda poucas boleias me deram,mas não interessa.Interessa é ter saúde. 🙂

      • Ginger Ale 007 says:

        Essa do “PS” tem graça,”senhor moderador”.Olhe que eu não sou burro.Sou mais esperto que vocês todos juntos.Tenho dito. 😉

  16. ElectroescadaS says:

    E trabalhar? Será doença ou necessidade? 😆

  17. Joao Ptt says:

    Isto significa que teremos pequenos partidos políticos em breve a sugerir e reivindicar salas espalhadas por todo o país, construídas e mantidas, com dinheiros públicos? Com todo o tipo de consolas e jogos para as pessoas doentes terem locais para si, e claro com um psicólogo no local, para dar aquele acompanhamento psicológico necessário para controlar a doença e educar as pessoas para jogarem menos, os malefícios e tudo o mais.

  18. Addict says:

    Existem vários tipos de dependências/vícios… Comer(em excesso) ou não comer, álcool, drogas, sexo, jogo(s), etc… Até mesmo dependência ao trabalho (workaholics). Todas as dependências, independentemente de quais sejam, podem ser equiparadas de forma genérica, no que diz respeito aos comportamentos gerados em função das mesmas. Em vários níveis, sociais, familiares, etc. Derivam assim também dessas dependências, várias consequências, em que há umas mais prejudiciais que outras, contudo não deixam de o ser (prejudiciais).
    https://en.wikipedia.org/wiki/Addiction

  19. Filipe Coelho says:

    Por acaso estava a pensar nisto, mas também há um comentário mais acima que refere o mesmo:
    E a quantidade de tempo que se perde hoje em dia a fazer/ver coisas nas redes sociais? Já houveram pessoas que morreram por causa disso, se calhar mais até do que por jogarem em excesso!

    Já fui pessoa de jogar muito tempo (quando era mais novo e não tinha muito mais que fazer para além dos TPCs) cada vez vou jogando menos, mas jogava sempre com amigos, e, para mim, aquela interação social era de melhor qualidade do que a que se tinha em bares ou discotecas. Mas considero que os jogos faziam bem: faziam-me treinar, tentar ser melhor, superar desafios, superar medos, superar a mim mesmo e a outros, ser mais atento, mais desenrascado, mas sobretudo faziam-me sentir bem e livre, por estar a explorar como queria, a viver como queria, naquele mundo, que podia ser futurista, retro ou medieval, onde podia ser um feiticeiro antes de ser um sobrevivente num cenário pós apocalíptico e na hora a seguir um piloto de fórmula 1. Sinceramente fico feliz de ter crescido livre para escolher qual mundo queríamos viver, em vez do que se vive hoje, preso à quantidade de seguidores, gostos, e fazer coisas só porque se acha que trará mais “fama”.

  20. Sónia Silvestre says:

    Olha façam-me um grande favor e fumem uma daquelas boas, tá bem? Pode ser que apanhem cancro do pulmão porque isso sim é doença!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.