Quantcast
PplWare Mobile

App StayAway Covid: “Problemas” não deviam estar já resolvidos?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Lourenço says:

    Só pra lembra que está m**** custo quase meio milhão de euros

  2. jYkA says:

    Alguém mamou à conta deste flop! Agora tem de ser impingido para nao levantar suspeitas!

  3. Franco says:

    Mas agora pergunto. Porque instalar uma coisa que não funciona?

    • SSD says:

      Funcionar funciona. Agora não podes mandar uma app ca para fora fazer um video todo engraçado de 5 minutos e esperar que toda a gente perceba. Primeiro do dos profissionais de saúde que muitos ainda hoje não percebem como é que sequer se gera o código

  4. acs says:

    Deixou-se de falar na App porque já não serve ao governo como desculpa para desviar as atenções.

  5. nimboos says:

    Estou a ver que o problema não é a app… Quantos códigos foram gerados?

    • Miguel Cunha says:

      Sem duvida que acho que esse é um dos principais fracassos da APP e ninguém fala dele. Não são dados códigos as pessoas infetadas. Ou seja, mesmo que pudesse ter sido um sucesso no que toca a instalações, continuaria a ser um fracasso.

  6. Carlos says:

    só para relembrar que esta frase é falsa: “2 645 168 portugueses têm a Stayaway Covid instalada”

    A frase correta é “2 645 168 portugueses TIVERAM a Stayaway Covid instalada, ja desinstalaram”

    • Vítor M. says:

      Onde diz que desinstalaram?

      • Carlos says:

        Pois não diz mas para serem honestos deveriam dizer. Tb existem essas estatísticas.

        • Vítor M. says:

          Onde? Eu gosto de factos. Confesso que desconheço onde diga quem desinstalou, mas se tiveres essa informação, agradeço que a deixas…

          • carlos says:

            ??? nao percebeu o que eu disse!

            Todos os sistemas metricos servem para sondar as instalacoes e desinstalacoes das apps devido á sua inação.
            Colocando nos jornais , revistas e sites que houve X instalações só estão a dizer meias verdades e a contribuir para uma informação falsa.
            O que eu disse é que deveriam dizer quantas instalações estão AGORA realmente a funcionar. Ou seja nunca mencionam quantas desinstalações da app foram feitas.
            Dou o meu exemplo … instalei a app 2x e desinstalei passado minutos.

          • Vítor M. says:

            Fonte: li no facebook. (factos e fontes sff)

          • Ru says:

            Eu desinstalei. Esses números de download são uma farsa.

          • Vítor M. says:

            Se no teu telemóvel não dava, como desinstalaste se nunca tinhas instalado?

          • Samuel MG says:

            Quebro o silêncio para dizer que desinstalei e quem instalou recentemente foi devido a algo que está acontecer na Google Play Store todas a vezes que lá vou aparece um pop-up da app que tem 2 botões a dizer “Instalar” e “Mais Tarde”.

          • Vítor M. says:

            Quantos desinstalaram?

          • Ru says:

            “Se no teu telemóvel não dava, como desinstalaste se nunca tinhas instalado?”

            Instalei, não funcionava por causa dos google services, desinstalei. Simples. Conto para a pseudo estatística desses números, porque fiz o download da app. Mas não a tenho instalada.
            Mais uma vez, números muito aldrabados. Downloads não é o mesmo que instalações a funcionar ao mesmo tempo. Mas para embelezar os números usam o número total de downloads.

          • Vítor M. says:

            Então não chegaste a ativar. Logo, nem conta como uma app que esteve no sistema.

    • eu2 says:

      Muitos já devem ter desinstalado, em vista da fama que a app tem ganho de não funcionar.

      Só sabemos +- quantas vezes a app foi descarregada, não quantas foi desinstalada nem quantas estão instaladas neste momento. Mas o número de instalações atuais é de certeza menor que o número de descarregamentos.

      A app foi mal publicitada. Muita gente pensa que a app só passa a alertar quem estiver perto depois de colocar o código, por isso acham que não vale a pena já porque já estão infetados e já vão ficar em isolamento. Devia ter esquemas e explicações claras dentro da app. Depois mandavam uma notificação a todos para verem essas novas explicações.

  7. Digo Eu says:

    A App serviu os propósitos para que foi criada: desviar atenções da falta de planeamento atempado para um Outono-Inverno onde além da Covid haveria a Gripe, “distribuir” fundos públicos pelos amigos, e arranjar uma desculpa – que não “colou” – caso tudo falhasse – e essa desculpa era que as pessoas não tinham colaborado. Cumprida a “missão”, para quê continuar a falar nela?

    • AD9 says:

      Nada contra os outros pontos, aliás a falta de vacinas da gripe só demonstra, no mínimo a lentidão em adaptar se ás circunstâncias da parte do governo.
      Agora também acho que não precisas da app para mostrar que as não colaboraram.

      • Nightingale says:

        A falta de vacinas foi devido à influência das farmácias e dos farmacêuticos que deram vacinas a todos que a queriam, mesmo que a quem não precisava. Claro que acabaram e nem chegaram para quem realmente precisava delas… Já para não falar que parte das vacinas do SNS foram enviadas para as farmácias para serem dadas por farmacêuticos, quando a prática até é ilegal. Só médicos e enfermeiros é que legalmente podem vacinar e até já estão processos em tribunal contra a ordem dos farmacêuticos. Claro que as farmácias querem ajudar… ao lucro que estão a ter com esta brincadeira… Falta de enfermeiros nas USF’s + papel predatório das farmácias + má gestão, foi o que levou a isto tudo… Senão, as vacinas chegavam sim para os grupos de risco.

  8. Carlos says:

    a mim enerva-me é a pplware continuar a falar de uma falsidade que so serviu para tentar disfarçar a incompetência do governo

    • Vítor M. says:

      Não temos essa opinião, nem alinhamos noutras opiniões que são politizadas e sectárias. Não vemos por esse prisma. O nosso é sempre o da tecnologia e ciência. Tinha tudo para funcionar, não fossem os profetas da desgraça, os detetives secretos, os politizados e os bota abaixo. Está em causa uma ferramenta que pode ser (ou podia) um aliado de muitos portugueses, infelizmente não o foi.

      Quem lançou não está isento de culpas, mas o país está totalmente desorientado. Tecnologicamente tinha tudo para funcionar… faltaram as pessoas de ponta a ponta, é pena.

      • Afonso says:

        “Tinha tudo para funcionar, não fossem os profetas da desgraça, os detetives secretos, os politizados e os bota abaixo” sempre houve e sempre haverá os Velhos do Restelo.

        Conseguiram o que queriam, agora tem de gritar vitória…só é pena os que morreram à custa de tanta borrice, mas desses eles não se lembram… enfim

      • Ru says:

        “Tecnologicamente tinha tudo para funcionar”
        Não tinha. Nem sequer funcionava no meu telemóvel.

      • Ru says:

        “Tecnologicamente tinha tudo para funcionar”
        Não tinha. Nem sequer funcionava no meu telemóvel.

        • Vítor M. says:

          Como referi, tecnologicamente tinha tudo para funcionar. Como qualquer tecnologia, até a TDT, nunca funciona em equipamentos mais antigos, mas não invalida que a evolução aconteça e que estas tecnologias sejam postas em prática. Aliás, estavam eleitos uns milhões de portugueses e se esses usassem, era sem dúvida uma mais-valia para todos.

    • Ola says:

      Eu não percebo este tipo de comentários sem factos. Isto agora qualquer pessoa pode fazer acusações só porque sim. Agora qualquer coisa é culpa do governo. Trata-se de uma app que funciona para o propósito que foi proposto aos programadores. O que não funciona é o resto do processo que envolve interacção humana. Aqui o que podem melhorar na app é tornar o processo mais robotizado. Mas isso implica um aumento de questões sobre privacidade e por esse motivo é que, pelo que entendi, a app foi desenhada desta forma.

  9. Fernando says:

    Se não colocarem videos no Youtube, alguém vai lá ver seja o que for?
    O problema não é a app nem a tecnologia… são as “novas oportunidades” a falarem e a negarem que seja uma boa ferramenta… porque sim… à tuga…

    • eu2 says:

      Deviam colocar é na app logo na primeira página, onde toda a gente que a instala tem acesso. Ou numa notificação.

      • eu2 says:

        Uma notificação provocadora em termos de conhecimento da app -> click -> e vai para uma página com uma explicação/esquema que de caras não bate certo com aquilo que a maioria das pessoas acredita que a app faz.

    • Barta says:

      o comentário sim, é a tuga… nem a comunidade médica vê valor na aplicação, mal estruturada e mal concebida para ser utilizada no dia a dia quer por pacientes quer por comunidade médica.
      Quando se desenvolve um projeto deve pensar-se em conjunto coma entidade que beneficiará da mesma, mas tenho a certeza que tal não foi feito.
      Se tivessem pensado veriam que seria simples, o mesmo sistema que analisa poderia emitir o código e o mesmo ser impresso no documento e no final do dia exportado para o sistema. Se assim fosse, faria sentido e com certeza a maioria usaria a app.
      Quando cobram 400mil por uma aplicação o mínimo era pararem para pensar no que fazer.
      Eu acho que aqui o importante foi receber o dinheiro e apresentar algo.

  10. carlos says:

    Ao menos em França diz-se a verdade toda:

    “As perguntas feitas à eficácia das apps de contact tracing mostram ter razões para existir, com o caso francês a demonstrar que a app de pouco ou nada serve. A app foi descarregada por 2.4 milhões de pessoas (de uma população de 67 milhões), sendo preciso descontar 700 mil pessoas que desinstalaram a app, e ainda um número relevante mas não especificado de pessoas que a descarregaram mas nunca activaram.

    O que é certo é que até à data foram enviadas menos de 200 notificações para estes utilizadores.”

  11. Barta says:

    1. Não é processo automático, continua a dar trabalho a quem faz os testes.
    2. A aplicação e o conceito foi muito mal pensado.
    3. Inacreditavelmente esta APP custou 400mil, isto foi negócio para encher os bolsos de alguém.
    4. Nem o sistema de saúde acredita na funcionalidade da APP, por isso a mesma é ignorada.
    5. Alguém devia pagar a APP e ser responsabilizado pelo esquema fraudulento que desviou 400mil ao cofre do estado, ou seja, ao nosso dinheiro.

  12. Julio says:

    olha se não fosse esta noticia nem me lembrava que essa porcaria ainda existia. obrigado pplware por me relembrarem em não instalar esta banhada <3

  13. Luís says:

    Pois a mim a Google Play Store lembra-me todos os dias.

    Assim que vou à loja pesquisar ou atualizar uma app, assim que entro na loja recebo logo esta notificação na página inicial da Play store na aba apps:

    “Notif. de exposição à COVID-19” – Obtenha a app para a sua área.

    E pronto estou sempre a levar com isto!!

  14. aquele says:

    Alguma vez pensaram em ter a app open source?
    Se calhar toda a polémica de tracing deixaria de existir…
    Se calhar os milhares que foram para o bolso de alguém podiam ter sido usados antes no SNS…
    Continuem a votar neste governo… para quem vota, já os restantes, chorem agora.

    • Vítor M. says:

      Mas o código da app não está todo publicado? O problema não está na app, não se enganem. Está na forma como os responsáveis a promoveram, está na forma como os portugueses atualmente reagem a tudo, com desconfiança, com crítica fácil e sem suporte informativo… o problema está também em termos pessoas que fazem questão de politizar tudo, para servir de arma de arremesso a um governo que se mete a jeito (e está derrotado com a realidade dos factos e com as cedências que são maus exemplos para os portugueses). Depois a frustração que as pessoas hoje vivem com este tempo pandémico, as condições emocionais das pessoas que muitas vezes procuram alvos a abater, sacos de porrada para aliviar a alma. Não culpem a tecnologia, essa foi bem pensada, o resto, os médicos que não cumpriram, os doentes que não colocaram os códigos, os negacionistas que são uma doença dentro da doença, e outros entraves “humanos” é que minaram o sucesso da app.

      • Pedro Pinto says:

        Não vale a pena…a malta não quer aprender. É pena, com tanta informação nem dúvidas deviam existir.

      • Barta says:

        Eu pessoalmente acho que o problema está na forma como a aplicação foi projetada, penso que não foram pensadas todas as variantes ( user/controlo/arquivo ) ou seja, penso que não foi planeada a integração da aplicação com os restantes sistemas. Por 400mil seria de planear a interligação.
        Seria fácil o sistemas ao emitir a analise e o resultado positivo gerar o código ( aqui gastavam 100mil ) e no final do dia era exportado para a base de dados da APP que está alojada no servidor ( mais 100mil ), por ter desenvolvido a app e a integração do sistema levavam mais ( 100mil ) e ficaria o restante para encher o bolso de alguém.
        Assim quase não haveria intervenção humana no processo e a APP só teria que ler a base de dados e atualizar as app’s.
        Isto seria muito mais funcional que o que agora está implementado e seria possível, inventem as desculpas que quiserem.
        O problema é que não foi pensado o que foi desenvolvido.

        • Vítor M. says:

          Bom, os 400 mil euros de facto poderiam ajudar a fazer mais, é verdade. Contudo, pelo tempo disponível, a app, a meu ver, está bem feita e recorre a tecnologia que tem a ajuda da Google e da Apple. Ora logo aí essas empresas limitaram a app a determinados equipamentos. Mas repara, se os que eram compatíveis instalassem, se os médicos dessem os códigos, se as pessoas se dessem ao trabalho de perceber como usar (como o outro que entre no restaurante e sacar o smartphone e “rastreia” o espaço para procurar pessoas contaminadas) tudo seria mais útil. Mas não foi assim, pelas razões que já elenquei.

          Agora, tolo foi quem achou que as pessoas se iriam reunir em volta de uma ferramenta de ajuda comum.

          • Barta says:

            O problema é a variante Humana, já se sabia que tal iria acontecer inevitavelmente, e se alguém pensou o contrário foi muito inocente. Ou o processo consegue ser autónomo, apenas com a exportação dos resultados gerados automaticamente pelo lab e importação direta, poderia até funcionar.
            Os laboratórios não se vão dar a trabalho extra, os médicos não se vão dar a esse trabalho, as pessoas depois de infetadas nem responsáveis são para ficar de quarentena, quanto mais inserir um código.
            Com o tempo de demora entre a pessoa fazer o ter sintomas, fazer exame, ter resultado que em muitos casos demora entre 1 a 2 dias, provavelmente a informação já está obsoleta.
            A intenção pode ter sido boa, não digo o contrário, mas o que está apresentado não vale nem metade do que foi pago nem tem a eficácia pretendida.
            Tenho alunos de 12º programação que apresentaram propostas de projetos com fluxogramas mais assertivos que esta app apresenta.

          • Teclassoltas says:

            Barta, grande comentario.
            É exactamente esse o problema, quem projectou isto é um zero.
            E repara que foram 400 mil pro frontend, porque o backend estava feito… e mesmo assim falharam.
            A questão da “segurança” é parvoice que serve para partidos se andaram a mostrar nas tvs, mas ralmente quem projectou isto é um cepo. Excelente oportunidade para mostrar qualidade em desenvolvimento de software nacional,e saiu algo totalmente disfuncional.

          • Lourenço says:

            É fácil por a culpa nos médicos e nas pessoas quando o problema é que os códigos demora no mínimo 4 dias a gerar depois de obter um teste positivo. A maior parte das pessoas nem se quer chega a receber os códigos. Mas claro que a aplicação está muito bem feita, tirando a que está mal feita.

          • Vítor M. says:

            A culpa, como eu referi, é do elemento humano, não culpem a tecnologia. Houve falhas de ponta a ponta e muitas delas propositadas para o sistema falhar. Serviu de arma de arremesso à política, às reivindicações dos profissionais de saúde, serviu de desculpa aos ignorantes e para aquilo que realmente deveria servir… falhou. Pronto, está tudo contado.

          • Asdrúbal says:

            Claro que o problema está na variável humana!!!
            Não apenas no “utente” negacionista mas em todo o processo, se não vamos lá a ver (factos verídicos):
            . A minha irmã estava com sintomas e foi mandada fazer o teste
            . TRÊS dias depois dos sintomas, lá foi fazer o teste
            . Passados TRÊS dias de fazer o teste, recebe o resultado, nada de código
            . Liga para a SNS24 a perguntar pelo código para inserir na APP, e como deveria proceder. Respondem-lhe que deve aguardar por um SMS
            . Passados DOIS DIAS de receber o resultado recebe um telefonema do médico de família, além de outros assuntos, volta a perguntar pelo código ao que o médico lhe responde que não faz ideia, mas que deverá ser enviado automaticamente por SMS (deve aguardar)
            . Passados NOVE dias de ter ido fazer o teste, recebe um telefonema de acompanhamento (por alguém do SNS24) onde lhe é dito que já pode retomar a atividade normal, mas ainda é recomendado ficar em casa CASO POSSA estar em teletrabalho. A minha irmã volta a pedir o código, onde lhe dizem que vai receber por SMS, tem que aguardar
            . 15 DIAS DEPOIS de fazer o teste, volta ao escritório, ainda sem código para inserir na APP
            . Isto já foi no inicio de Novembro e ainda não recebeu o código

            Assim, não há APP que valha, não funciona!!!

  15. Xnelox says:

    Na minha opinião, a aplicação veio com o principal objectivo engordar os bolsos de alguns aquando a adjudicação do desenvolvimento desta, depois veio tentar ajudar nos pontos que a propaganda apresenta para a aplicação.

  16. Haja Paciência says:

    O Covid é uma conspiração, as vacinas são para nos controlar, a Terra é plana e a app foi desenvolvida por algum primo do governo apenas para desviar atenções. E é isto em pleno século XXI

    • Asdrúbal says:

      Pois… e já leste a notícia acerca do telescópio Arecibo? Ninguém me convence que não foram os Aliens para nos poderem espiar sem darmos por nada…

  17. Crow- says:

    Já desinstalei. A app provou-se inútil como já se previa e estava-me a dar cabo da bateria.

  18. Asdrúbal says:

    Outra vez arroz?

    Jovem, compreendo que aches que o covid seja uma farsa, mas faz um favor a toda a gente, resume-te à tua ignorância, fica quietinho no teu canto, pelo sim pelo não, não causes estragos aos outros

  19. SAPO says:

    Se só 1% dos infetados metem o dito código, não vejo utilidade nesta aplicação…
    Bye bye, Stayaway Covid

    • Paulo says:

      se só 1% colocou o código porque a DGS só deu 1% dos códigos para meter na app, falo por mim e por muitos que tem a app instalada e estiveram infetados e códigos nem velos… eu inclusive quando estive infetado e o fulano da DGS me ligou eu próprio perguntei quem e quando me forneciam o código da app, a resposta dele, não faço a mínima ainda não o contactaram ou enviaram um sms?
      É por isso que nada funciona, quem vem a traz que feche a porta que ninguém quer saber , é o que eu penso, gastam milhares de euros só para ficarem bem na fotografia. ESTA MAIS QUE VISTO QUE A APP FOI UM FRACASSO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.