PplWare Mobile

Teletrabalho: Google dá subsídio de $1000 aos funcionários para ficarem em casa


Autor: Maria Inês Coelho


  1. Ze das Quintas says:

    Acho que com isto estão a desvirtualizar completamente o conceito de remote working, mas força nisso que venham esses subsídios!

  2. P. Ribeiro says:

    Isso em Portugal? Aqui mais depressa descontam no ordenado.

    • PML says:

      É verdade. Cá há empresas que, apesar de ser ilegal, estão a deixar de pagar o subsídio de refeição aos empregados. Depois admiram-se das razões deste país não avançar – com mentalidades de patrões como esta nunca vamos sair da cepa torta. Há ainda relatos de patrões que pediram lay off para os empregados,mas continuam a obrigá-los a ir trabalhar. E quem paga tudo isto? O contribuinte português.

  3. g0tH1c.X says:

    Claro que sim! Atualmente estou em LayOff, com redução do horário, a receber 80%, mas a trabalhar a 200%, para compensar os colegas que ficaram em LayOff com suspensão de contrato ou mesmo os que foram dispensados.

    Não é de todo justo, já que estou a utilizar os meus recursos pessoais, para estar a trabalhar.

  4. José Rodrigues says:

    Existes muitos patrões modernos das quais continuam a batalhar na mesma asneira. Aproveitam-se do layoff para redução das despesas com os empregados. Voltamos novamente para a idade da pedra.

  5. eu says:

    Isto é para empresas a sério e não para os vãos de escada que temos por cá (exceto eventuais excessões).

  6. Fulano says:

    Em Portugal (onde as empresas vivem no século 19) isto não é possível, visto que a obrigatoriedade de estar presente (muitos só mesmo fisicamente) é algo bem vista, mesmo quando o trabalho da pessoa em causa possa ser feito via Internet.
    É a (triste) mentalidade de quem usa palas nos olhos e não olha para o futuro. Aqui onde vivo para alem da maioria das empresas ir adoptar este sistema, o empregado pode aparecer sempre que estiver aborrecido de estar em casa ou necessitar de material.
    Não só se poupa no meio ambiente como é uma excelente medida.

  7. alvesz says:

    Quando olho para a google penso, talvez em 2060 Portugal comece a pensar assim.
    Por enquanto, no meu caso, fui obrigado a usar os meus recursos, minha net, meu pc pessoal, com crianças em casa e a receber menos 140€ de subsidio refeição.

    • ze says:

      A internet e o computador pessoal não vejo grande drama, são situações temporárias, não previstas, maior parte das empresas não têm capacidade de aquisição de portáteis e as que têm não encontram à venda.
      Quanto ao subsidio, dado que é obrigatório, ACT nisso.

  8. eu says:

    A Google não vinha abrir um escritório em Portugal ?

  9. tipicoazeireiro says:

    +1 que esta em casa e sem extras, cortaram tudo, é o vale tudo em portugal e os palhaços dos politicos a refilarem que não tem isto não têm aquilo.

  10. plopes says:

    Aqui para além de ter levado com um corte no salário pelo lay-off também tenho um aumento no consumo de energia, água e gás por estar a trabalhar desde casa. Ganho menos e ainda tenho de levar com o aumento dos custos cá em casa.

  11. AJ says:

    Em Portugal raríssimas são as empresas que apostam nas melhorias e evoluções existentes….seja na questão da digitalização de serviços seja nos processos de trabalho. Só conheço uma fora do ramo da informática que teve uma ideia mais ou menos interessante para certos trabalhadores mas prestação de serviços online . Alguns grupos de trabalhadores do mesmos concelhos mas deslocados da sede a empresa arrenda tipo uma lojinha ou um studio na localidade desses trabalhadores. E tem segundo consta poupado largas dezenas de milhares de euros e com aumento alto de produtividade. Primeiro porque os trabalhadores adoram estar perto de casa c as facilidades que isso acarreta e depois com os brutais custos fixos de uma sede muitas vezes subocupada. Foi dos poucos casos em que a quarentena demonstrou uma alternativa viável para o futuro tanto que a empresa já tornou isso fixo

  12. Joao says:

    Nao foi so a Google a faze-lo. A Dropbox abriu uma conta Amazon Business e cada funcionario podia gastar ate 250€ na compra de equipamento para trabalhar em casa.

    Outras empresas estavam a dar outros valores, mas foi practica comum aqui na Irlanda durante o mes de Abril as empresas de TI adicionarem algo ao salario, visto irmos trabalhar de casa ate pelo menos Agosto e mesmo depois, o regresso sera faseado…

    A empresa onde trabalho, que nao e a Google, deu-me 911€ (equivalente aos 1000 USD) em Abril para gastos em equipamento. Claro que so recebi metade pois a outra foi para o “tax man”, mas ja foi bom e para quem como eu ja tinha gasto no passado a criar um bom escritorio em casa, foi tudo lucro.

  13. Nick says:

    É necessária uma nova visão ecológica a nível global e mais económica para a empresa na implementação do teletrabalho.
    Ecológica na grande redução dos transportes, com consequente redução de emissões, gestão rodoviária de cidades, etc.
    Economia de custos: rendas de escritórios, mobiliário e equipamento diverso.

  14. labirinto says:

    Vocês já viram o que valem os informáticos em Portugal ou os das comunicações, fala-se muito em tele-trabalho mas sem o trabalho dos gajos da informática e afins o tele-trabalho não existe fala-se do trabalho dos médicos e enfermeiros agora no covid sem o apoio da informática e afins o trabalho deles só se for no papel eu bem os vejo atarantados quando a informática falha.
    Mas pelos vistos neste País as coisa devem cair feitas do ar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.