Quantcast
PplWare Mobile

Portugal: Problemas com Internet nas escolas vão acabar?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Oscar says:

    LOL (apenas LOL)

  2. José Fonseca Amadeu says:

    Como se aumentar largura de banda resolvesse problemas, até podem ter 10 gbps, se tiverem miudagem a ver youtube, netflix e afins e não tiverem politicas de QoS e Shaping, não vale de muito.
    O segmento empresarial já tem essa lição estudada há muitos anos, por isso grande maioria das grandes empresas limita o tráfego, prioritiza outra tipo de trafego e por vezes até bloqueia determinados sites e serviços.

  3. Joaquim Teixeira says:

    Não vai acabar porque escolas que tinham atribuídos débitos de 32/32 nas horas de pico tem por vezes 3/3mbps, os incrementos são bons, o problema é que a largura de banda disponibilizada no total até ao momento por vezes era insuficiente.
    Quando os técnicos afetos a escolas reportavam as larguras de banda baixas só aceitavam como testes o portal deles, que dava os débitos máximos atribuídos mas em speedtest verificava-se o contrário.

    Quem quiser consultar as larguras d banda atribuidas pode-o fazer aqui.

    https://projetorae.dgeec.mec.pt/index0.php

  4. Milarilas says:

    Todos os anos compram computadores por valores absurdos. E que tal criar um sub-departamento de informática do estado que recondicione os computadores? Existem Toshibas comprados pelo Estado há 10 anos que ainda aguentam bem o Office e semelhantes. Espero que o ministério de educação esteja a reaproveitar este material para poupar o nosso dinheiro e para deixar de poluir o ambiente. Para não falar de uma fase estranha (?) onde andaram a comprar Macbooks Air para se encostarem passados dois anos. É preciso uma melhor análise e melhor investimento. Os alunos precisam de meios, mas estes investimentos de compra de produtos novos faz parecer que alguém lucra com a constante venda de produtos de fábrica.

  5. Crow- says:

    Nice, um reforço da internet… lol
    Agora só falta tratarem de coisas menos importantes, como por exemplo o aquecimento funcionar no Inverno.
    Este anúncio é uma treta vindo de um governo tretas. A escola da minha filha só tem internet no edifício todo porque nós pais, através da associação de pais, compramos APs para a escola. A escola tem álcool gel e tapetes de desinfeção porque os pais compraram. A escola tem os radiadores a funcionar porque os pais arranjaram-nos. Senhor ministro, tenha vergonha e peça para sair!

    • Joao Ptt says:

      Agora só falta comprarem purificadores de ar com filtros de carvão activado e filtros HEPA para todas as salas e espaços fechados… e claro irem lá trocar os filtros quando atingirem o limite para além do qual deixaram de fazer a sua função.

      Alternativamente, se andar a gastar fortunas em filtros for impensável, só se for um daqueles sistemas de filtragem de ar sem filtros como o Airfree, tem algumas limitações, mas pelo menos mantêm o ar mais limpo de bactérias, vírus, germes, etc. já que é tudo incinerado em placas no interior do aparelho a quase 200.º C.

    • José Fonseca Amadeu says:

      Onde fica essa escola, em rabo de peixe?

    • Barta says:

      Infelizmente há muitas escolas assim, mas acho que isso já será uma gestão escolar deficitária. Na do meu filho também são feitas pequenas obras para melhoramento, mas pagas pela associação de pais com as cotas e “patrocínios” que os pais arranjam.

  6. Pedrro says:

    não Sei quem recebeu os 100 mil (ou mais) computadores, mas na escola dos meus filhos, de certeza que ninguém recebeu …. enfim

    • Pedro Gonçalves says:

      Ou 15 portáteis para escola com 200 alunos de 1º ciclo que dá 1 hora por semana a cada turna e muitas vezes não há aula porque esqueceram-se de carregar os portáteis.

    • António says:

      Processos lentos e burocráticos podem estar a atrasar. Chegaram no primeiro período mas nas últimas semanas de dezembro. É verdade que chegaram mas há uma plataforma onde necessário registar guias de transporte, de acordos entre as direções e os serviços centrais, entre os EE e os serviços centrais, etc, etc

  7. Joao Ptt says:

    Vão colocar linhas de fibra-óptica de 10 Gbps/ 10 Gbps?

  8. Albano Miguel Silva says:

    Antigamente, as pessoas que não eram “Politizadas”, mandavam á La Mérde este tipo de PROPAGANDA!!! Vai “PenteaR mICOS” pARASITA: Ainda existem Professores? Conhecem os Aprendizes de Carpinteiros que ganham 2000 euros por mêS? E, Os Melhores Mestres são reformados com 1500? Fraude, Corrupção, visitem o Agrupamento de Escolas Diogo Cão em Vila Real. Uma Vergonha!!! Excelentes e Muito Bom a pedido. E, este Artista sabe tudo o que se passa. O Feudo é XUXA…

  9. Reis says:

    Então foi desta maneira que os cientistas políticos querem para o futuro, acabar com as escolas para não terem de pagar aos trabalhadores. O Cheiro da Guerra na Europa em 3… 2.. 1. em breve.

  10. Barta says:

    Mas há problemas de internet nas escolas? Pois na que trabalho não se deteta qualquer problema, as redes wireless estão abertas a todos os alunos e os 7 laboratórios estão sempre ligados.
    A questão é que aqui a internet é paga pela escola, operadora blu, linha 1000/400.
    Em vez de se pagar uns luxos mais do diretor, paga-se net a todos os alunos.

  11. Berto says:

    É isso, Barta, se o Ministério saísse de cima e deixasse as escolas resolverem o problema, já não havia problema.

  12. Paulo Baptista says:

    A resposta à pergunta é: NÃO.
    1-Porque a Internet é uma ferramenta. Não é, por si, uma reforma.
    2-Porque um número não determinado de escolas mas que não é negligenciável, não tem estrutura física de rede. Wireless em blocos de salas, tem perdas de sinal absurdas.
    3- Os milhões para apetrechar as escolas são portáteis Celeron e Intel I3, para fornecer a título de empréstimo, aos alunos. Não são para ficar na escola nem são para as salas de aula. Essas têm Dual Core E8400, 2GB de Ram.
    4-Infelizmente, e digo-o com enorme desilusão, isto não passa de uma campanha publicitária do ministério da propaganda. Servirá para encher os olhos dos que só lêem as gordas mas não engana quem trabalha no sistema. Já vimos este filme várias vezes. Enviar para as escolas equipamentos já datados, não é uma revolução tecnológica. É uma opção política, demagógica e ideológica.
    5-Falta acrescentar que este investimento é uma espécie de one-off. Não faz parte de um investimento programado, sustentável e renovável.

    • Crow- says:

      É o costume para fazer o favor a um “boy” do sistema que tem uma empresa que precisa escoar este equipamento.

      • Paulo Baptista says:

        Pode ser. Pode não ser. Pode ser muita coisa mas há uma que é, seguramente: uma opção clara pelo ensino público de recursos limitados, escassos, desactualizados, incompatíveis com as exigências do mercado de trabalho, a anos luz do ensino privado. é o ensino para massas. E ninguém encosta o ministério da propaganda à parede. Ninguém vai ao terreno, recolher dados reais e apresentá-los publicamente, desafiando a propaganda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.