PplWare Mobile

Portugal: Mais de 5 telemóveis apreendidos nas prisões por dia


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. penabranca says:

    500€ os mais antigos tipo 3310. os smartphones ultrapassam é muito os 1000€

  2. Alvega says:

    “Sabe-se ainda que em muitos dos casos o recluso é apanhado porque um guarda o viu online no Facebook”, durante a hora do expediente, por certo. Que fazia o dito guarda no facebook ?
    Negocio ? Investigação ? Passava o tempo ?

    “Mesmo presos e sem acesso direito ao mercado, o número de telemóveis apreendidos nas prisões duplicou em seis anos.”, ora aqui está uma excelente forma de fazer subir o PIB, parece o “moto-continuo”, 1º vendem-se os telemóveis, caros, claro, pois se forem baratos, é sinonimo de falta de qualidade, depois umas rusgas e apreendem-se esses mesmos telemóveis, que com um pouquito de sorte e com “amigos” nos lugares certos, voltam ao mercado, pois é uma pena desperdiçar um bem de primeiríssima necessidade. E o ciclo repete-se.
    Faz lembrar a empregada da limpeza da judiciaria que conseguio deitar a Mao a 70 telemóveis (salvo erro) que estavam “guardados” como prova de vários processos, foi uma maravilha…somente ganho, diminuio trabalho, pois as provas desapareceram, e alguém fez bom dinheiro com a venda dos mesmos.
    Por falar disso onde param as armas que se “evaporaram” da Carregueira ? com fechaduras todas XPTO, com códigos de acesso e tal ? E que dizer dos tipos da baixa pombalina que vendiam tudo quanto era necessário para “trabalhar”, aos tipos dos assaltos ?
    Também, que fazer, se até um dos motoristas do Ex. Presidente de todos os portugueses, andava no negocio…temos de tolerar os outros, ou Matá-los.

  3. Gato Maltês says:

    Viver numa prisão é um verdadeiro luxo comparado com familias que têm que sobreviver com o ordenado mínimo. Digo eu que já tive atrás das grades. Até Pizza e droga de borla havia. Já tou com saudades…

  4. Paulo says:

    Só mesmo um Sistema decadente para continuar com as prisões…
    O papel das prisões devia de ser corrigir pessoas e não as penalizar.
    Vejamos, a liberdade individual e coletiva, é desejável, mas desde que os indivíduos e organizações respeitem as liberdades alheias e as regras necessárias para que a sociedade possa funcionar de forma harmoniosa. Dito isto, os estabelecimentos prisionais pouco ajudam, porque muitos dos reclusos que saem em liberdade, voltam a prevaricar. Isto acontece porque existem poucos ou nenhuns mecanismos que possibilitem a integração saudável dos indivíduos na sociedade.
    Vejam bem, as instituições prisionais coexistem paralelamente ao mesmo sistema que nos controla a todos e o modus operandi, é o mesmo desde há muitos séculos.
    Todos queremos paz e segurança, mas não se consegue paz e segurança permanentes sem que alteremos completamente as regras e as instituições governamentais.
    Sei que pode parecer utopia, mas é possível de concretizar de forma progressiva se todos nos empenharmos. De alguma forma esta mudança já está em andamento, devagar, mas com persistência. Ainda não é bem visível, mas nos bastidores há muita coisa a mexer-se.

  5. aaa says:

    Este tipo de noticias é tao triste, so pode resultar de um bom tacho para alguns indivíduos (que não os reclusos), como é que é possível, que em pleno século XXI isto possa acontecer, de verdade que nenhum responsável de prisão ouviu falar de bloqueadores de rede de telemóvel?????? Só são úteis pra mafiosos, que os utilizam nos assaltos???

  6. Ricardo says:

    Pensei que este tipo de coisa estava rasteira ao Brasil.

  7. Ruben says:

    Acontece em todo o lado e todos os países. E telemóveis é o menos. Desde armas, drogas, álcool, tvs, consolas, etc. Existe de tudo e ninguém controla.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.