Quantcast
PplWare Mobile

Linux: Acabaram-se os termos “master/slave” e “blacklist/whitelist”

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Fernando Jorge says:

    Não concordo.
    Quem se ofende com isso acho que não tem mais nada com que se preocupar.

    Que se combatam formas de racismo muito bem, TUDO A FAVOR… isto, não tem nada a ver. Quando se exageram posições (seja no que for), nunca é bom.

    • ZarkBit says:

      Mas hoje em dia parece que está tudo maluco, levam qualquer porcaria a peito, qualquer dai já nem um peido se pode dar.

      Ps – sou filhos de pretos antes que venham com tretas.

      • Bruno Silva says:

        Essa hipersensibilidade só ajuda a promover o racismo de facto.
        Noto em locais de atendimento ao publico algum desconforto no atendimento a negros, não por se sentirem incomodados com a presença dos mesmos, mas sim porque têm medo de usarem alguma frase “errada”, e serem acusados de racismo.

        Como disse, e bem, o user João M, muitas vezes o mal está apenas nos olhos de quem o vê.

        • FAR says:

          A perceção da “hipersensibilidade” advém de expressões e coloquialismos que são, na sua origem e essência racistas, sexistas ou xenófobos e que são usados muitas vezes de forma inocente, mas que continuam a ser expressões ofensivas e que propagam (ad-eternum se não nada for mudado).

          Exemplos
          1. Um amigo vira-se para outro, que está com receio de mandar abaixo a terceira mini: “És um maricas! Bebe isso pá!”
          2. Em relação a alguém que não fez frente a outra quando provocado: “O gajo foi mas foi um pussy, se fosse comigo…”

          Na 1 tens homofobia e na 2 misoginia. São, no entanto, contextos e expressões do dia-a-dia (mais ou menos lol) e, nos exemplos que dei, relativamente inocentes. Contudo a ideia subjacente que denotam é séria e está lá. E assim vai permanecer até que este tipo de expressão deixe de ser usado levianamente e “sem pensar”.

          • Tiago Torre do Vale says:

            Lamento mas não vejo onde apontar alguém como maricas por não saltar uma vala, dar peito às balas, não beber uma mini, etc seja homofobia, lá está, muitas vezes a ignorância é a raiz destes males. O termo maricas, no exemplo demonstrado, significa “sem coragem”. Por favor não vamos reescrever o dicionário em nome destas palermices.

          • Miguel says:

            Na minha terra quem não pode falar o que quer… chama-se ditadura.

          • PeterOak says:

            Seguindo essa ordem de ideias, teremos de pensar 3 ou 4 vezes antes de falar e no fim… ficamos calados!! Desculpa lá, mas isso é ditadura.
            Devias preocupar-te mais com os actos de efectivo racismo (inclusive os de pretos atentando contra brancos) do que com expressões populares.

          • Pedro says:

            Mas qual ditadura, nestas terras as pessoas podem falar o que querem, ninguém impôs nada a ninguém (alguns ficaram foi com dor de cotovelo e ainda vem acusar quem teve o bom senso de tentar melhorar alguma coisa de ser “ditador”).

      • Pedro says:

        Não é uma questão de levar “qualquer porcaria a peito”, é que são muitas porcarias que permeiam por quase todos os domínios e no seu conjunto ajudam a manter e a formar conotações negativas.

        • André Castro says:

          Quem faz essas conotações? O pretos? Os amarelo? Os roxos? Não! És tu com a tua forma de exprimir as diarreias que a BLM e o seu patrão George Soros te metem na cabeça, para dividir sociedades. Eu tenho membros africanos no meu local de trabalho e dizem me que mete lhes nojo andarem a fazer deles coitadinhos dos ofendidos. Mudas alguma coisa no combate contra a verdadeira descriminação? NADA. Já chega de andarem a fazer trocadilhos nas palavras para levarem este movimento psicotico globalista avante. Deixa de ser um idiota útil. Gostas de ver o bairro da Jamaica sustentado pelos teus impostos?! Não? Então és racista. Se gostas és comunista. Não sei qual dos dois o pior. Vês podes usar conotações para tudo? Elas saem da tua cabeça e mudam de aldeia em aldeia.

          • Pedro says:

            Claro, não podia faltar a teoria conspirativa… Vai na volta a relação entre desigualdade e etnia só existe na minha cabeça. É tudo invenção e fantasia. Mas o bairro da jamaica já é realidade, pesa-te no bolso, tem impacto na tua vida. Pois os preconceitos implícitos ou explícitos também pesam no bolso e na vida de muita gente que se vê desproporcionalmente afetada a vários níveis (estas palavrinhas são o menos, uma questão mais simbólica e de consciencialização do que outra coisa). Se alguém não entende isso, pelo menos que tenham respeito pela luta de quem se vê discriminado. Isto não é como chamar alguém de “caixa d’óculos” ou de “comunista”, são questões que afetam sistematicamente, geração após geração, gerando desigualdade persistente e hereditária, que não desaparece assim só porque tu ou qualquer outra pessoa não gosta que este assunto seja posto em evidência.

            Para quem quer deixar de ser “um idiota útil”, talvez seja bom
            entender que estes movimentos não pediram para mudar termos da informática, mas sim para que se façam mudanças estruturais que tenham impacto bem mais direto.

            E em vez de andares a escolher a dedo umas quantas pessoas pra fingires que estes movimentos não tem apoio por parte destas minorias: parece que afinal tem o apoio de 71-86% destas pessoas. https://www.pewsocialtrends.org/2020/06/12/amid-protests-majorities-across-racial-and-ethnic-groups-express-support-for-the-black-lives-matter-movement/psdt_06-12-20_protests-00-1/

            Mas pronto vai lá culpar quem luta por igualdade e mais o filantropo de ascendência judaica… Que desqualificado.

          • André says:

            Para tipos como tu tudo é uma teoria conspiratória. A desigualdade é o que cada um faz com o seu percurso de vida, e não venhas com a treta que é hereditária. Se queres um mundo perfeito “comunista” vai viver para a Coreia do Norte. Lá são felizes, são todos pobres. Quem está a ligar a desigualdade à etnia és tu. Primeiro TODOS temos direitos e DEVERES. Agora ser contra quem está sempre dependente do Estado como quem não quer fazer nenhum e quer apoio do contribuinte e este protesta é ser racista ou ser promotor de desigualdade? Não! Luta é de quem neste caso? Do contribuinte não dos oportunistas. Quem não vê que está a ser implementado trocadilhos para dividir as sociedades é sim um idiota útil. E o que a BLM fez acerca do caso do policia NEGRO David Dorn que foi morto em ato antirracista nos EUA? Nada! A mídia calou-se! São assim os fascistas. E sim os George Soros é um dos principais financiadores destes movimentos que levam à desintegração das sociedades. O mais interessante é ver negros que dizem que este movimento não os representa. Queres acabar com a desigualdade manda-os trabalhar.. não espera… isso é racismo. .. Mas continuas a negar que o terrorismo que a BLM andam a fazer pelos vários Estados do EUA ou tens de entender que eles já estão todos empregados no caos. Mas para terminar o que tu não entendes e quando falas na Síria ou Líbia onde te espalhas ao comprido, os chamados “democratas ” que hoje apoiam estes movimentos, são os mesmos que na altura do Obama na presidência deram mais incentivos à desigualdade e pressão policial. Isso não é ser idiota útil?! haha insignificante.

          • Pedro says:

            Vens com teorias podres e falsas da conspiração, mas devo ser eu que ando com teorias da conspiração….
            EUA tem baixa mobilidade social, mas deve ser preguiça, é só malta que não quer é trabalhar.
            Se calhar o problema é não fechar os olhos aos problemas, deve ser isso – fingir que não existem e fingir que não tem relação.
            Vens dizer que negros não apoiam isto, mas afinal 70-80% estão de acordo.
            Afrodescendentes lá tem o dobro da taxa de desemprego, mesmo quando tem curso superior, mas se calhar andam a dormir na forma.
            Agora vens fingir que não ser um completo desqualificado é gostar da Coreia do Norte? Tem juízo e não me metas nessas tretas.
            Os problemas existem, as pessoas visadas concordam, a população em cada vez maior número entende, mas a culpa é do bilionário que tenta fazer alguma coisa (deve ser dos muitos milhares de bolsas de estudo que o homem há anos que patrocina).
            Agora vens fazer de conta que as pessoas não se preocupam com morte de brancos ou de do tal policia reformado? Claro que se preocupam, a sua luta vem também dar resposta a esses problemas – mas não venhas com demagogias pra desviar atenção do foco principal dos protestos: as desigualdades enraizadas e que se tem perpetuado sem fim há vista. Algo que essa hipócrisia de fingir que basta “não dar importância” não resolveu.
            Mas vem lá dizer que é a conspiração, que os negros tem é de ir trabalhar e que protestos de cariz amplamente pacífico são terrorismo. Essa tua desfaçatez vai até a quinta casa… não tens vergonha?

          • Pedro says:

            Espera lá, 70 a 80 estão de acordo não, 71 a 86%, que é a esmagadora maioria…. Raro haver maior consenso. Enxerga-te.

          • André says:

            Mas quando é que me vais responder às questões?! David Dorn o que a BLM fez? 70 -80% de quantos ivistados?! “EUA tem baixa mobilidade social..” e qual o pais que não tem? Desenvolver riqueza realmente é mais difícil que ser pago para destruir a riqueza criada pelos outros, então culpa-se o sistema que quem quem financia esses movimentos como o senhor que dizes ser de “ascendência judaica” , como se isso interessa-se alguma coisa, tanto adora, o CAPITALISMO. Isso na minha terra chama-se COMUNISMO. “Agora vens fingir que não ser um completo desqualificado é gostar da Coreia do Norte. ” Desculpa eu não estou a fingir, estou mesmo a dizer o que és. Queres igualdade para todos, então só mesmo a pobreza, pergunta ao Soros “judaico” se ele quer a igualdade para todos, ahaha. Só tu ainda não viste que quem apoia este movimento (que não é o mesmo movimento que no inicio), não que saber do movimento em si, mas sim da destruição dos valores ocidentais. Queres incluir a discriminação?! Mete tudo no mesmo saco. Mas parece que querem continuar a viver nos países ocidentais, com o esquerdismo globalista que antes andavam aos tiros a eles, hoje andam com ele ao colo para meter os democratas no poder. Mas tu ainda andas a dormir.

          • Pedro says:

            Esse teu comentário é uma comédia! Vens citar uns “membros africanos no teu local de trabalho”, e ficas a questionar quantas pessoas estiveram na sondagem que mostra 70-85% de negros a concordarem???? Pahahahha
            Devem ser umas 4 ou 5 pessoas na sondagem não?! Não! Foram cerca de 10 000 pessoas, ó Araujo Pereira…. Selecionadas aleatoriamente nos EUA. Margem de erro de 5%.

            Mas depois dizes eu é que ando a dormir, que é imaginação minha, que mestre e escravo não é uma analogia com a relação entre mestre e escravo, que é tudo imaginação e que ninguém fica incomodado e que o que é preciso é fingir que não tem problema…
            Tás muito confiançudo nessas ideias erradas.

            Vens com balelas de esforço individual, que têm é de ir trabalhar. Agora vens reconhecer que os países têm baixa mobilidade social? Rico esforço individual que dá baixa mobilidade social!

            Nos EUA não só a mobilidade social é mais baixa que na europa, como AINDA é MAIS BAIXA para para afrodescendentes.
            Não sejas enviesado que ninguém aqui defende o comunismo nem Coreia nenhuma.

            Até parece que fazer alguma coisa contra as consequências da discriminação com efeitos geração-após-geração é querer “por toda a gente pobre”. Santa paciência.

            Ser “pago para destruir riqueza”? Mas que barbaridades estás praqui a falar?! OPORTUNIDADE PARA ESTUDAR: Esse sim é o maior fator na mobilidade social! Uma área em que os EUA têm óbvios problemas e que é algo que afrodescendentes tem especial dificuldade em obter acesso.
            Trata-se de criar uma das maiores riquezas que há.

            Vens acusar descabidamente, mas andas prai com teorias da conspiração de extrema direita que culpam quem?
            …….DRUMROLL……..
            O super-rico de amplamente conhecida ascendência judaica….
            (Como disse, vens com teorias podres.)

            Vens dizer que só eu é “não vi que quem apoia este movimento” – mas fui eu que tive de te esclarecer são desde logo os próprios negros que o apoiam – já para não falar da maioria da população.

            Mas numa coisa tens um pingo de razão, este movimento apartidário, favorece os democratas – pudera! com um presidente racista havia de favorecer esse racista?!

            Olha essa tua comédia triste, tem alguma piada mas é triste. Recomendo-te um esforço individual de pensares um pouco e não ires em tretas nem de extrema direita nem de extrema esquerda.

          • André Castro says:

            A comédia é não responderes às minhas questões isso sim. Ter colegas de trabalho que estão emigrados cá e pronunciar que Portugal não lhes complicou o acesso aos estudos superior e nem a empresa lhes negou ou prejudicou o percurso dentro da firma indica o quê? Que somos um pais sistematicamente racista? Não! Existe sim pessoas estúpidas. “Devem ser umas 4 ou 5 pessoas na sondagem não?! Não! Foram cerca de 10 000 pessoas, ó Araujo Pereira…. Selecionadas aleatoriamente nos EUA. Margem de erro de 5%” que raio de amostra é esta para um país com mais de 200 milhões de adultos para depois dizer que a maioria do país é isto ou aquilo.. lol de certeza que não questionaram ninguém do Estado do Alabama, ou então ignoraram a resposta. Como se os questionário trata-se de respostas como, sim ou não nestas questões. Por aí vai de barato. “Vens com balelas de esforço individual, que têm é de ir trabalhar. Agora vens reconhecer que os países têm baixa mobilidade social?” Primeiro a tua abordagem ao pensamento é nem que não queiras, igual à esquerda, puxas para o lado que mais te dá satisfação. Sim o esforço é individual mesmo dentro de uma comunidade, ninguém com o mínimo de sabedoria vai estar à espera dos avanços da comunidade para tomar rumo à sua vida. Desde de quando concordei contigo em relação à mobilidade social ser baixa nos EUA, por ter perguntado em que país não o era? Até parece que nos EUA não existe toda a classe com afrodescentes, desde o operário à presidência, o percurso a percorrer é que pertence à individualidade de cada um. Uma boa parte vai para lado mais fácil, o crime. “Ser “pago para destruir riqueza”? Mas que barbaridades estás praqui a falar?” Mas continuas a pensar que os movimento Antifa ou BLM ou outro nome continua a ser “organizado” pelos manifestantes? Não. https://youtu.be/mIFV4D_rLu0 o que se percebe é que em todos os protestos existem milhares de paralelos deixados em pontos estratégicos e em locais onde nem sequer existe qualquer obra, que acabam onde? Dentro de montras e carros. Isso é que terrorismo. Também és a favor que derrubar uma estátua muda alguma coisa ou só piora para eles? Ou é uma teoria da conspiração?! Oportunidades para estudar?! Cerca de 700.000 jovens elegíveis candidataram-se até maio de 2018 no DACA, e destes quase 80% eram mexicanos. Houve um aumento das taxas de graduação secundária em cerca de 15%. Os efeitos no atendimento pós-secundário e na sua conclusão foram mais subtis. As faculdades comunitárias, onde os cursos flexíveis podem acomodar estudantes que trabalham, testemunharam os efeitos mais positivos. E vens falar de falta de oportunidades?! Fala antes falta de vontade. “Vens acusar descabidamente, mas andas prai com teorias da conspiração de extrema direita que culpam quem?” Os Rothschilds, que garanto que nem se quer os conheces, mas vais pesquisar e vens responder depois que eu sou discriminatório lol. “Mas numa coisa tens um pingo de razão, este movimento apartidário, favorece os democratas – pudera! com um presidente racista havia de favorecer esse racista?! ” movimento apartidário? A historia mostra que os democratas estiveram lá dentro (Obama) e houve mais violência policial e não houve metade dos protestos, e a historia mais antiga ainda te mostra mais! Quem aboliu a escravatura? Os republicanos (Abraham Lincoln). Os democratas fazem tudo para entrar novamente no poder e que acontecerá à comunidade afro nos EUA? Voltam a ser esquecidos pela mídia e mesmo esse senhor de “ascendência judaica” deixa de jorrar dinheiro para esses movimentos. Procura pela acontecimentos anteriores e verás o que disse. Como disse anteriormente, esses movimentos começam na comunidade e se existir proveito político anda nas bocas de todo o mundo caso contrario morrem de falta de pronunciação. Pedes para eu fazer um esforço individual para ver os problemas sociasi, como se eu precisasse disso. Agora devias de ver os acontecimentos fora da caixa. Ninguém da casta superior está preocupada com o plebeu, mas sim com o medo de este perceber que é mais a estupidez que nos separa a todos, que os pode derrubar do poder.

          • Pedro says:

            Não inventes! Mas quais perguntas é que ficaram sem resposta?!
            Agora vens fingir que não é sistemático??? Tenho de te escarrapachar aqui outra estatística do mesmo estudo? Negros: 80% Dizem que já foram discriminados e que Desde há muito que tem preocupação com a maneira como os negros são tratados naquele pais. https://www.pewsocialtrends.org/wp-content/uploads/sites/3/2020/06/PSDT_06.12.20_protest.report-TOPLINE.pdf
            Agora vens fingir que a estatística não é representativa e que “não inclui ninguém do estado do alabama” depois de eu ter apontado que É ALEATÓRIA (DE ENTRE TODOS OS RESIDENTES DOS EUA) e que tem uma margem de erro inconsequente de 5%???? Grandes tretas com que tu vens pra defender o indefensável. (E a pergunta não era de “sim ou não”, ia desde concordar totalmente, concordar parcialmente a discordar parcialmente ou discordar completamente. Só vens práqui inventar desculpas da treta……)
            E ainda vens com um vídeo falso (https://www.snopes.com/fact-check/pallets-of-bricks-protest-sites/)??
            Perguntas o que derrubar estátua faz? Faz com que deixem de estar lá erguidas. Menos uma catrefada de monumentos erguidos desdenhosamente por racistas e que há muito que em outros sítios já se haviam retirado em vez que querer andar a embandeirar os defensores da escravidão.
            Vens com tretas que os republicanos aboliram a escravatura? Isso não iliba o seu marcado racismo ACTUAL.
            E vens fingir que por ALGUNS afrodescendentes subirem na vida existe igualdade? É preciso nenhum subir pra tu achares que há discriminação, é?? Só vens com desculpas esfarrapadas.
            O facto é que afrodescendentes tem dramaticamente menos mobilidade social. E quem é rico e negro tem mais do DOBRO da probabilidade de descer de classe que um branco.(https://www.vox.com/policy-and-politics/2018/3/21/17139300/economic-mobility-study-race-black-white-women-men-incarceration-income-chetty-hendren-jones-porter)
            E agora vens dizer que negros tem “falta de vontade” de entrar na faculdade? Mas tu ouves-te???
            Vens dizer que mexicanos do DACA são responsáveis pelo aumento das conclusões do ensino secundário??? “Os efeitos do DACA na admissão à universidade são teóricamente ambíguos, e a literatura empírica existente apresenta apenas resultados mistos.” – http://ftp.iza.org/dp11078.pdf
            Vens falar das community collages e com todo o descaramento vens dizer que os negros não querem é trabalhar??? Isso é falso e racista. É precisamente o contrário, desproporcionalmente os negros para conseguirem fazer um curso superior TEM de trabalhar e TEM de ir para universidades comunitárias onde possam compatibilizar com trabalho e fazer cursos mais curtos que não gerem tanta dívida que muitas vezes lhes é incomportável. E tudo isto lhes dá resultados piores que os dos brancos e estas universidades tipicamente dão salário mais baixo. https://eu.usatoday.com/story/college/2017/03/07/report-the-race-gap-in-higher-education-is-very-real/37428635/
            E em movimentos apartidários pode aparecer quem quiser.
            Dizes que “os democratas fazem tudo para entrar novamente no poder e que acontecerá à comunidade afro nos EUA? Voltam a ser esquecidos” – pois, o melhor mesmo é ter racistas no poder. Esses é que se esganam para melhorar as condições de vida dos negros (desde logo mentindo que não querem trabalhar). Devias mas é ter vergonha.
            Agora até com rothschilds vens, LOL só podia… e claro que já ouvi falar: mais uma daquelas mentiras que tarados de extrema direita antisemita continuam a propagar. (https://www.politifact.com/factchecks/2019/jan/09/viral-image/meme-way-rothschild-family-wealth-they-do-not-cont/)
            E a acreditares nas teorias de conspiração mais batidas de sempre ainda achas que pensas fora da caixa? Pahahahahaha.
            Tal como disse, és um desqualificado e só vens com balelas e ainda tens o descaramento de vir dizer que os negros não querem é trabalhar. Devias era ter VERGONHA.
            Espero que tenha ficado tudo respondido. Com certeza ainda vens dizer mais barbaridades, mas pra mim já chega te andar a abrir o olho. Sem esforço mental individual não chegas-lá não.

          • André Castro says:

            O video é falso mas os paralelos estão lá sempre. Os Democratas tiveram lá desde 2009 a 2017 e não fizeram nada e nem sequer vias manifestações na TV como agora, parece que aumentam consoante dos candidatos ou presidentes que estão lá dentro. Uma das questões que não respondeste é que a BLM fez consoante a morte de David Dorn. Para terminar este forrobodó, terás sempre este problema de discriminação porque sem ele não existe a luta “política de classes” entre os partidos. Como já te tinha dito o movimento deixou de pertencer e de ser controlado por quem o criou, e passou simplesmente a ser uma arma politica sem ter as pessoas lesadas em causa. https://www.rt.com/op-ed/493955-activists-excoriate-blm-coopted-democrats/ não me venhas dizer que o RT diz só o que o Putin quer.

          • Pedro says:

            “Uma das questões que não respondeste é que a BLM fez consoante a morte de David Dorn.”
            Respondi a isso:
            “Agora vens fazer de conta que as pessoas não se preocupam com morte de brancos ou de do tal policia reformado? Claro que se preocupam, a sua luta vem também dar resposta a esses problemas – mas não venhas com demagogias pra desviar atenção do foco principal dos protestos: as desigualdades enraizadas e que se tem perpetuado sem fim há vista.”

        • Pedro says:

          RT (Russia Today), agencia de noticias controlada pelo estado russo, dirigida a audiências fora da Rússia, considerada de interesse estratégico pela Rússia, chamada por um ex-assessor do Putin de “a melhor arma de propaganda Russa dirigida ao mundo exterior”, acusada (inclusive por ex-jornalistas seus e pelo regulador de media do reino unido, entre vários outros) de ser parcial e espalhar desinformação. Banida de por anúncios no twitter, banida da conferência global de imprensa livre em Londres no ano passado pelo seu papel em espalhar desinformação, …etc. Portanto, uma conhecida fonte de notícias falsas e propaganda russa visando o exterior da rússia.
          https://en.wikipedia.org/wiki/RT_(TV_network)
          https://en.wikipedia.org/wiki/RT_(TV_network)#Assessments_and_responses

          Mas “não me venhas dizer que o RT diz só o que o Putin quer.” Pahhahahahahaha

          • André says:

            Hummm… parece que não gostaste da noticia https://www.rt.com/op-ed/493955-activists-excoriate-blm-coopted-democrats/ … sim eu sei… ler o que não se pretendia ler depois culpa-se as fontes de noticias. “Respondi a isso:
            “Agora vens fazer de conta que as pessoas não se preocupam com morte de brancos ou de do tal policia reformado? Claro que se preocupam, a sua luta vem também dar resposta a esses problemas – mas não venhas com demagogias pra desviar atenção do foco principal dos protestos: as desigualdades enraizadas e que se tem perpetuado sem fim há vista.” típica resposta com uma pergunta sem responder à questão principal e ainda acusação de desviar o foco, como se não tratasse-mos de questões raciais. Sabes cá no parlamento também temos uns assim, o BE. lol És uma piada.

          • Pedro says:

            Claro, já tu gostas muito de fontes de informação falsa, está visto, por isso ficas a espalhar mentiras que encontras lá.
            Fala-se de racismo sistemático e multigeracional e tu vens com um homicídio de um negro por outro negro? Interessante esse teu foco, quando vens insistir numa questão que não foi de racismo. Muito focado mesmo.

    • RPG says:

      Eu também não concordo muito com isto, mas a teu ver qual a razão de por exemplo o “blacklist” ser o que é negado, e o “whitelist” ser o que é permitido? Qual a razão de o ser? Porque não é ao contrário?
      Quanto ao master/slave é simplesmente ridículo mudarem isso agora, mas também se mudarem, é-me igual ao litro lol.. Um “primary/secondary” faz até mais sentido.

      • João M. says:

        Preto e branco é um conceito mais além do que cor da pele. Vem da Luz e escuridão. Luz é bom – porque vês e não há “grandes segredos” e escuridão é mão porque , bem, é contrário de luz. Branco sempre foi associado a luz, brilho, etc.. e preto ao oposto, algo mau. NAda a ver com cor da pele.
        Escravatura, por exemplo, é um conceito de uma comunidade sentir-se superior a outra e, por isso, usa a segunda como escravos. Tens tribos africanas, por exemplo, que se escravizam umas Às outras porque ganhas as tais “guerras tribais”. Aliás, foi isto que impulsionou a venda de escravos. Tiveste os chineses a escravizar “brancos” porque também se achavam superiores, e por aí fora ao longo da história. O tema é mais complexo do que simplesmente brancos superiores a pretos… O problema da sociedade hoje é que sabe pouco ou nada de história (e o que sabe é porque alguém disse sem usar fontes) ou está a tentar julgar a história com os valores de hoje… Resultado? Basta ver porque é que os extremos estão a ganhar mais popularidade hoje em dia. Tudo isto porque alguém não gosta que se use preto ou branco para descrever alguma coisa e sentiu-se ofendido…

      • Fernando Jorge says:

        Tem a ver com as cores… black or red será algo considerado mau ou proibido. Mas não tem nada a ver com as raças… tem a ver com o significado que as pessoas normalmente dão às cores.

        Tudo isto tem um história, começou por se chamar blacklist, quem lhe deu este nome estaria para aí virado – se procurares parece que remonta a 1600 e pico.
        Agora já é uma expressão inglesa.

        O “whitelist” deve ter vindo depois… porque era a cor oposta.

      • RR says:

        RPG.. então porque é que nos semafros o vermelho é para parar e o verde para andar? deviam mudar para “redlist” e “greenlist” ? e depois alguém se vai imcomudar porque é vermelho.. etc etc.. vai sempre haver alguém que não fica contente. Por mim ficava tudo na mesma.. só se sente incomudado por blacklist ou master/slave quem nao tem mais nada que fazer

      • Paulo Martins says:

        https://en.wikipedia.org/wiki/Blacklisting#Origins_of_the_term – pelo menos na Wikipedia não encontras qualquer tipo de referência discriminatória na origem da palavra, nem nunca teve nenhum conexão negativa associado a minorias, logo não vejo qualquer tipo de razão para mudarem os termos. Isto claramente é de gente que se sente ofendida por ser ignorante e não tem mais nada para fazer.

        • Pedro says:

          Paulo, Estás a assumir que alguém se sente ofendido (ainda menos o linus que trouxe isto à baila e que não é propriamente gente ignorante?). Não me parece que seja preciso alguém se ofender para que se tente diminuir estas conotações entre “negro” e “mau”, ou para se deixar de lado analogias com relações do esclavagismo que a mim não me causam incómodo nenhum (da mesma forma que falta de cabelo não me causa incómodo nenhum – afinal, tenho cabelo farto) mas que compreensivelmente podem causar algum incómodo, seja ele pequeno ou maior a quem por esse mal foi afetado. Tanto se me dá como se me deu a palavra utilizada, acho bem que o linus e a comunidade linux em geral tenham tentado fazer algo para melhorar a situação destas pessoas, mesmo que seja algo pequeno e sobretudo simbólico.

    • AqueleAmigo says:

      *facepalm*
      Mas será que agora tudo é racismo?! Isto é ridiculo. Mas alguém que usa linux ou termos informáticos como “black list” pensa em gente preta e escrava!?

      2020 está a ser um ano mesmo muito estranho..

      • Pedro says:

        É bastante comum branco e preto ser associado a bem e mal, é uma questão de mudança destas conotações que quer penses nisso ou não coletivamente tem impacto. Isto é apenas um pequeno gesto de apoio e de mudança de uma realidade que sistematicamente afeta estas pessoas a vários níveis.

  2. João M says:

    Acho este tipo de iniciativa mais racista do que o próprio racismo que combatem. Tenho aquela ideia, se calhar ingénua, de que o mal está nos olhos que o vê. Tipo as músicas do Quim Barreiros – a letra é completamente inocente até se entrar pelas “segundas leituras” do que ele lá canta.
    Acho que qualquer programador ou engenheiro que lidou com o conceito do MAster e Slave pensou em pessoas a sofrerem… Ou quando colocam algo numa blacklist pensam num preto..
    Enfim, isto está já a tocar o ridiculo. Daqui a nada só falta monitorizarem o discurso… ooops

    • iSheepNot says:

      Concordo.

      Ainda assim porque que não adaptar a linguagem de forma que ninguém se sinta ofendido, mesmo que o motivo seja ridículo? Só se está a chamar nomes diferentes às mesmas coisas.

      Por acaso até gosto mais de primary/secondary do que master/slave; e denylist/allowlist do que blacklist/whitelist. Acho mais correcto e intuitivo.

      A linguagem evoluí ao longo do tempo por diversas razões. Desde que seja mais elucidativo é sempre bem-vindo.

      • João M. says:

        compreendo o ponto de vista, principalmente no que toca À inguagem evoluir. Nós não falamos da mesma forma que os nossos avós e muito menos da mesma forma que há uns 150 anos atrás. A linguagem evoluir – naturalmente. Acho que é a primeira vez na história que temos entidades (governativas ou privadas) a instituir que palavras/expressões podemos usar. Não falo apenas das coisas que não podemos dizer mas sim das coisas que podemos dizer ou que expressões usar. Em vez de deixarmos a linguagem evoluir naturalmente – seja do ponto de vista técnico ou do dia a dia, estamos a permitir que a linguagem seja orientada por “decreto” para seguir uma agenda politica/ideológica.

        Quanto a primary e secondary, pessoalmente não vejo a mesma relação, de forma intuitiva, que tinha com master e slave. Relação entre os dois. Podes ter processos secundários, num contexto, que não estão ligados a um primário. Relação slave tem sempre master. Mas vá, isto já é outra questão :D. Quanto a deny ou allow list.. neste caso é-me igual. Se tivessem mudado , tipo daqui a 2 anos num contexto social completamente diferente, não estariamos a falar deste assunto. O problema foi a razão da mudança ^_^. Motivo é muito importante.

        • Alex says:

          Há um outro factor a considerar. Uma das funções da linguagem é simplificar a comunicação. Especialmente importante em informática. No caso do master/slave não vejo qualquer vantagem em substituir uma alternativa com duas sílabas por outra com três sílabas.

        • JARBAS PEIXOTO JUNIOR says:

          Com relação a master/slave tenho uma proposta já utilizada pela MS há algum tempo no Windows NT : PDC/BDC – Primary Domain Controler/Backup Domain Controler. Podemos ter vários BDC, mas apenas um PDC.

          • JARBAS PEIXOTO JUNIOR says:

            Nas recentes (desde 2015) versões do OpenLDAP, os termos Master e Slave foram substituídas por Provider e Consumer. Embora tenha MUITA documentação na web referenciando-se à MASTER/SLAVE. Acho que é uma questão de nos acostumarmos com novos termos.

      • Luis Costa says:

        Discordo completamente! Nunca vais conseguir adaptar uma linguagem para que NINGUEM se sinta ofendido! Vai sempre existir alguém que se sente ofendido, se não é do cu é das calças, mas andar a baixar as calcinhas porque uma minoria o assim exige e o politicamente correcto é o que tá na moda, não! Menos, muito menos! O problema não é os nomes mas sim quererem meter para de baixo do tapete um problema que existe! Exemplo, a Polónia por mais que desgoste dos campos de auschwitz não os meteu abaixo! Porque? Para perceberem que houve um problema que nunca deverá ser esquecido

        • Pedro says:

          Então, por que não há soluções perfeitas, não vale a pena tentar melhorar sequer?!
          Não parece que queiram meter pra debaixo do tapete o problema da discriminação sistemática – afinal de contas andam a fazer protestos que destacaram muito precisamente estas questões. O problema não é a história, mas sim as repercussões atuais que muita gente ainda sente. E não é só a minoria que exige, é um conjunto de pessoas que tem sido cada vez maior que acha que se deve fazer os possíveis para melhorar a situação de quem é sistematicamente discriminado. Não se esquece – apenas não convém que sobre o pretexto de que “é a História”, continuemos a manter e até a embandeirar em arco acções, ideias e atitudes que que foram e são profundamente erradas e com consequências que se perpetuam geração após geração.

    • Felipe Cardoso says:

      +1

    • Miguel Nóbrega says:

      +1

    • Pedro says:

      Pois, claro o mal está nos olhos de quem vê, certamente não é o quim barreiros que escreve canções propositadamente sugestivas.
      Mas agora fazer alguma coisa contra a discriminação é racismo… haja paciencia.
      (E sim, o conceito de master e slave é literalmente o conceito de mestre e escravo, uma analogia direta com a escravatura, algo que não há de trazer sentimentos muito felizes a quem se viu e vê prejudicado por essa atrocidade.)
      Mas qual monitorizar o discurso, isto é voluntário, partindo da consciência de alguém que não o achou correto e não o quis perpetuar.

    • Senhor Lister says:

      que analogia mais estupida

  3. fim do mundo says:

    Isto dos problemas do racismo, já começa a roçar o ridículo, não estou a ver qual a necessidade destas alterações, ninguém ficou ou vil alguma vez ficar ofendido com estes termos usados na informática.

    • jorgeg says:

      Esta loucura só vem de um lado do espectro político, da esquerda, principalmente dos liberais brancos, os tipos são completamente loucos e racistas! Do que eles acusam os outros é o que eles são.

      – violência da esquerda!
      – opressão liberdade de expressão da esquerda!
      – corrupção descarada da esquerda!
      – derrube de estátuasda esquerda!
      – etc,… isto não é normal

      • Pedro says:

        Esquerda? Qualquer pessoa.
        Violência? Protestos pacíficos.
        Opressão da liberdade de expressão? Responsabilidade individual que as pessoas têm por sua iniciativa livre.
        Corrupção? De fato, tem na esquerda, tem na direita, o tipo e a forma de corrupção depende de quem está no poder e dos seus interesses específicos.
        Derrube de estátuas? Cujos pedidos de remoção foram sistematicamente negados por pessoas com tendências de extrema direita.
        É normal? Não, é pouco comum, é um caso em que esta minoria está a ser acompanhada por muita gente que não faz parte dela (nem de qualquer “cena” política) e que lhes reconhecem razão. Não é algo que aconteça dia sim dia não, mas também não é a primeira vez que acontece (e se não acontecesse nem a escravatura tinha sido abolida nos EUA quando foi).

        Mas certamente a loucura nunca veio da extrema direita europeia, não, nunca. Estas coisas só vem do lado que não queremos entender.

        Certamente são os obamas que são loucos e racistas, não são os trumps. Os trumps são um doce de pessoa. O trump é claramente um líder normal. Normalíssimo.

        • Euéquesei says:

          O Obama rebentou com a Líbia.
          Um dos poucos países de África em condições, foi destruído.
          Agora é um estado falhado em que várias facções lutam pelo poder e estão em estado de guerra civil.
          O Obama rebentou com a Síria, cujas consequências estão bem à vista de todos.
          O Obama criou o Daesh, armou-os e treinou-os para lutarem contra o regime Sírio mas eles depois fartaram-se e quiseram fazer as coisas por eles próprios.
          A Síria só ainda existe porque o Putin baralhou as contas ao Obama e foi ajudar o regime de Damasco.
          Caso contrário era mais um estado sem rei nem roque.
          Tenha vergonha na cara, isso é que deveria ter, antes de escrever idiotices.

          • Pedro says:

            Ah a Líbia, com o seu ditador e a sua guerra civil – mas afinal foi o Obama (nem a NATO – foi o Obama). E claro que o Obama insiste que não planear a recuperação da Líbia foi uma óptima coisa – ah não, espera lá, o Obama reconhece o erro cometido ao contrário do trump que insiste e continua a insistir cada vez que faz asneira.

            Obama “rebentou com a Síria”…? Solução proposta pelo Trump: rembentar com cada centimetro, agir com mais agressividade. Se chamas Obama de louco, vais chamar Trump de razoável? Tem juizo.

            E agora repetes as mentiras do trump? Factchecking não? É que estás a precisar: https://www.factcheck.org/2016/08/trumps-false-obama-isis-link/

            Falando de Putins…. convém lembrar que Trump os apoia, esse sim, sem qualquer vergonha na cara.

    • Pedro says:

      Pois, pode ser ridículo para quem não sofre com isso. Para outros é uma questão bem séria e com repercussões nas suas vidas.
      Realmente também nunca ouvi ninguém dizer ninguém dizer-se ofendido com analogias ao esclavagismo na informática ou com black/whitelists. O facto é que estas pequenas coisas são pequenas mas são muitas e omnipresentes e certamente não ajudam a diminuir a associação do “negro” ao “mau”.

  4. Eu says:

    Dou 5 anos para deixar de existir branco e preto, e ser tudo alterado para sistemas RGB (por exemplo). Tirar do dicionário “branco” e “preto”, e, de alguma maneira, ler-mos #FFFFFF e #000000…

    Com esta passámos bem para lá do limite do ridiculo..

    • Woot! says:

      E já viste o que era chamares #000 a um preto ou #FFF a um branco? Isso é racismo! As pessoas devem saber todos os códigos do espectro castanho e bege e usar a que mais se apropriar.

    • lol says:

      Grayscale lol

    • Pedro says:

      Dou 5 anos para os negros nos estados unidos continuarem a ter sistematicamente o dobro do desemprego (seja qual for nível de educação).
      Dou 5 anos também para perceberes que acções simbólicas também contribuem para a mudança de mentalidades.

  5. Mark Casila says:

    esta treta do raismo ja esta a ficar ridicula, ja nao existe nehuma credibilidade nas maior parte ou mesmo quase totalidade das acusações de racismo/xenofobia

  6. Íngreme says:

    Lá dizia a minha avó: «quem não tem mais nada para fazer faz colheres». Se em vez de se preocuparem em não repetir os erros do passado, mesmo que não fizessem nada de novo, ao invés de estarem constantemente atirando lenha para a fogueira, fariam melhor figura.
    Tal como já alguém disse, isto já começa roçando o ridículo!

  7. Samuel Carreira says:

    Enfim até numa área técnica chegou a parvoíce do policiamento de palavras e da extrapolação de realidades infelizes para áreas que nada têm a ver.
    Agora quero ver a mudar as silkscrens de milhões e milhões de PCB que usam o protocolo SPI e têm os pinos MOSI e MISO.

    • Pedro says:

      Policiamento? Foi uma mudança voluntária, as pessoas envolvidas concordaram.
      Isto não se faz de um dia para o outro. Mudará à medida que forem extintos esses equipamentos. Daqui a 50 anos certamente ainda haverá essas nomenclaturas pelo menos em equipamentos antigos. Mas com este gesto foi dado um passo no sentido de reformar essa analogia de mestre e escravo (obviamente as tais realidades que são quase omnipresentes já la estavam).

  8. Pit says:

    quando comecei a estudar isso achei estranho o master/slave e nem tem nada a ver com racismo. a escravatura é algo abominável, seja da mesma raça ou outras.

  9. mrProProg says:

    Não concordo porque estes problemas de racismo e outros problemas só vão originar um caminho da nova ordem mundial.

    Ó Equipa de PPlware e outros users deste site, por favor, tentem travar isso, ou seja, enviam email ou petição ou fazem mega protesto para parar as ações malvadas dessas empresas.

    • Vítor M. says:

      O mundo anda estranho, de facto já se nota muito.

      • Pedro says:

        As pessoas andam a dizer que o mundo está a caminhar para o precipício desde que o mundo é mundo. O mundo não está “estranho”: o mundo está, como sempre, em mudança – já se nota desde que o mundo é mundo.
        Claro que o nosso mundo é bem diferente do do homem primitivo, e ainda bem. A antiga ordem mundial era bem mais podre e a atual expectavelmente será bem mais podre que a futura.

  10. Jota says:

    Anda aí muita gente que não tem nada que fazer e que pensar, então arranja estas mer…!

    • Pedro says:

      O Linus é conhecido por ter pensado coisas de valor, e continua a ser o lider de facto de uma comunidade de pensadores, e alguém cuja autoridade advém em larga medida do reconhecimento da sua capacidade de pensar. Esse comentário aplica-se bem mais a nós aqui enquanto comentadores nesta secção…

  11. none says:

    E quando é que terminam os termos da paneleirice inclusiva?

  12. Paulo Santos says:

    Assim como outras coisas que não esperam pelo (sim é pelo, não é pêlo) natural processo de assimilação que o dia-a-dia nos trás, a evolução natural das coisas por assim dizer, corre o risco de cair no ridículo e não vir a ser aceite completamente. Obviamnete que os seguidistas e modistas vão abraçar de olhos fechados sem pensar no que estão a fazer.

  13. Tiago E. says:

    Tive uma ideia de génio!
    Se abolirmos a palavra “racismo”, deixa de haver racismo!!
    Problem solved.

    *irony off*

    • Jota says:

      A brincar que o digas, se não se falasse tanto no assunto, estou convencido que havia muito do racismo que há!

      • Jota says:

        A brincar que o digas, se não se falasse tanto no assunto, estou convencido que não havia muito do racismo que há!

        • Pedro says:

          Claro, por isso é que naqueles estados ferrenhos dos EUA não há muito racismo. Ah não…. de todo.

          • Euéquesei says:

            Curiosamente nesses estados ferrenhos é onde o crime é menor.
            Existem estados nos EUA que são autênticos shit hole, a evitar a todo o custo dada a criminalidade e caos que lá existem.
            Ora passe pelo Google e veja qual o denominador comum que todos esses estados shit hole têm.
            Não lhe vou dizer o que têm em comum, vá averiguar por si mesmo, se quiser.

          • Pedro says:

            Claro, a solução é ser racista e afugentar as pessoas para outros estados, para que os outros tenham que lidar com os problemas criados. Vamos fingir que é a etnia e não questões socioeconômicas e a discriminação sistemática que causam esses problemas. Vamos fingir que a segregação e isolamento de comunidades não está fortemente associada a essa criminalidade (algo consistentemente determinado em estudos académicos sobre esta questão).
            Mas tu é que a sabes toda com esses teus pressupostos errados (e discriminatórios…).

    • João M. says:

      Ironias de lado, se deixarmos de ver racismo em tudo talvez deixemos de ver racismo em tudo. Estive a ver um QA sobre discriminação e digo que não há nada que nos safe. Se não “vemos ” cores está mal porque devemos ver porque as pessoas são discriminadas. Se vemos as cores está mal porque as pessoas são discriminadas. Se dizemos que as pessoas devem ser tratadas de forma igual está mal porque uns são mais vitimas que outros. Se dizemos que as pessoas devem ser tratadas diferentes então são vitimas e está mal. No fundo, nunca se estará bem…

    • gui says:

      Se abolirmos todas as raças, não haverá mais quem fale, ou escreva ou faça graça.

    • alan says:

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, boa!

  14. Miguel says:

    Santa paciência…

  15. Rui Moritz says:

    Ser preto ou branco… tanto se me dá!
    Agora… ser estúpido… já mexe com os nervos!

  16. zigua says:

    quanto mais tentam diminuir o racismo, mais o mundo se separa.

  17. Kartolas says:

    Acabou para quem n sabe história. Para mim nunca vai acabar enquanto eu for vivo.

  18. Kartolas says:

    Ainda vos digo mais: qt mais quiserem q n use certas palavras mais as vou usar e as q nunca usei vou começar a usar. Não gostam mandei-me já para o gulag.

  19. miguel says:

    Vivemos numa moralidade facebookiana que até mete no..

  20. rui says:

    Também vão mudar o nome dos buracos negros?
    E o que vai acontecer à marca Blackberry?

  21. R says:

    “O mundo nunca esteve tão estúpido.”
    Isto foi o que me disse no outro dia uma senhora de 98 anos, e com razão.
    Há coisas que são intrínsecas há humanidade e nada está relacionado com racismo.
    Nuvens/céu preto, luz versus escuro, e mais haverá.
    Tudo isto faz parte de uma ideologia com princípios de ditadura em que só se pode utilizar o vocabulário imposto.
    Não acordem não…
    Black mirror…

  22. LA says:

    Que parvoice. Tenham juizo. Há coisas mais importantes, a necessitar de alteração.

    • Pedro says:

      Sim, há muita gente a passar necessidade e tu aqui a gastar tempo a fazer um comentáriozito. Até parece que não somos capazes de tratar de mais que um problema ao mesmo tempo. As desculpas que as pessoas inventam para se oporem até a mais pequena mudança….
      É parvoice para ti, mas um gesto simbólico de apoio a muita gente que se vê desfavorecida.

  23. Samuel MG says:

    Vão mudar os termos por causa que alguns americanos morreram!? O que é que o cu tem a ver com as calças?

  24. gui says:

    MASTER/SLAVE, ainda são realidades atuais. São poucos masters, mas muitos slaves.

  25. jonas says:

    eu acabava com o branco e o preto e o vermelho e o amarelo do arco iris

  26. Miguel Alves says:

    A linguagem inclusiva tem aberto sido um pretexto para divisões…. de inclusivo tem pouco….

  27. Vitor Teles says:

    Mãe de Deus, tenham cuidado quando imprimirem fotos preto e branco, vem a bófia e tungas vão ser acusados de racismo

    • Pedro says:

      Ao contrário de mestre e escravo, fotografias a preto e branco não tem essas conotações negativas. Além disso isto não se trata de policia, mas de pessoas que voluntariamente fazem algo para ajudar outros que se tem visto desfavorecidos geração após geração – que perante esforço igual ou até maior se vêm por exemplo com o dobro do desemprego dos seus pares.

  28. eu2 says:

    Deve haver quem use isso do blacklist/whitelist para gozar com alguém, ajudando a perpetuar o racismo.

  29. José Carlos da Silva says:

    Tanto chorão chateado com a alteração de alguns termos. Qual é o problema? Vão deixar de dormir à noite por se mudarem os termos? Preocupem-se convosco, vivam a VOSSA vida e tenham respeito pelo próximo.

    • jose says:

      Estavas bem calado…

    • Miguel says:

      O problema é que mudam os termos e os problemas continuam. É uma solução que não altera nada, mas cria a falsa sensação que tudo está melhor. Ninguém se preocupa em educar, informar, apenas censurar. A censura é uma ferramenta usada em nome de uma moral superior, seja de que lado for, seja a ideologia que tiver, se for permitida vai dar lugar ao despotismo. Hoje derruba-se estatuas, amanhã queimam-se livros, o que é que pode dar errado?…

      • José Carlos da Silva says:

        Porque não existe respeito. E isso começa desde cedo. E sempre foi assim. Porque o outro é diferente, porque gosta da pessoa A ou B, porque tem a pele X, porque veste Y.

        Começa em casa com os pais, com os avós, com os tios e continua nas escolas, nos trabalhos, nos estabelecimentos, na sociedade no geral…

        E aqui não se trata de censura nem derrubar estátuas nem queimar livros, trata-se simplesmente de não haver respeito. De quem nunca passou pelas coisas achar sempre que os outros é que estão mal, porque os problemas não os afectam. De se achar no direito de comentar ou criticar o próximo, porque é “diferente”, e porque a nossa realidade é que é a certa.

        Respeito, acima de tudo. Querem mudar os termos? Mudem os termos. Fica tudo aceso com uma coisinha destas, mas quando toca a fazer deste buraco um mundo melhor, continua tudo na esplanada a dizer mal do próximo…

      • Pedro says:

        É uma mudança voluntária, nada foi censurado ali.
        As estátuas, essas é que foram abaixo à força, após pedidos da sua remoção terem sido recusados e contra atacados com leis que visavam tornar mais difícil a sua remoção, em estados onde a maioria (de caráter associado aos defensores da escravatura) no poder continua sem pudor a glorificar figuras, símbolos e ideologias daquelas grandes atrocidades da história, alimentando ideologias vergonhosas e a perpetuação e agravamento das desvantagens culturais, económicas e sociais das sucessivas gerações de afrodescendentes. Ninguém quer apagar a história, querem sim que a história que os maltratou não seja usada como pretexto para promover e inspirar um futuro pautado por mais sofrimento.
        É que naqueles locais mais ferrenhos ainda estão muito acesas essas ideias e desejos anacrónicos que são hoje em dia propagados ao publico em geral com recurso a subterfúgios como “todas as vidas contam” (pois claro que contam, mas nem todos passam a vida a ser discriminados, desavantajados e desrepresentados). Bem longe de qualquer despotismo por parte destas minorias, estão a combater o despotismo ao qual tem sido sujeitos por aproveitamento do seu status como minoria (e mais: uma minoria deproporcionalmente impedida de votar por estas leis feitas à medida).
        Entristece e preocupa ver em portugal a importação destes movimentos e a sua fusão e aproveitamento por parte dos nossos próprios fantasmas anacrónicos.

        • nervaise says:

          De uma forma mais simples, o problema é que muitas (se não todas?) das estátuas que foram derrubadas foram erigidas/contruidas após a abolição da escravatura, pelo que não deviam ter sido levantadas em 1º lugar…

    • R!cardo says:

      Estava tudo bem até um bando de chorões como tu se lembrarem de alterar o insignificante do mundo da informática.

  30. Roberto Carlos says:

    Mas que parvoíce. Vão mudar também o nome dos conectores macho e fêmea?
    Em tempos era a motherboard que ofendia, tinha gente que fala mainboard.
    Tudo mente poluída. O mundo está perdido

  31. FernandoRJ says:

    E a zebra que não se decide.

  32. whatever says:

    Palhaçada autêntica.
    Brevemente, vão retirar os termos do dicionário e multar quem utilizar tais palavras porque pode ferir susceptibilidades.
    A minha susceptibilidade ficou ferida com esta decisão… E agora?

  33. alan says:

    bons comentários, ainda há sanidade na europa (e no mundo), mas cada vez mais criam-se subterfúgios para a grande censura que virá…e não tem nada a ver com minorias, mas sim sobre poder.

  34. Zem says:

    já que ele quer lacrar aproveita e já troca os nomes também lacranux lakrernel lacredistros…

  35. André Castro says:

    É o socialismo globalista da liberdade de expressão, mas só para o lado deles. O mesmo lado que tapa os olhos aos crimes cometidos no passado como George Floyd, mas depois caem em cima de que quem protege. Simplesmente, quando se leva esta discussão para lá dos limites da historia é a coisa mais absurda. E o racismo cometido em África do Sul contra agricultores brancos quantos já ouviu falar? Isto é um movimento político usam os idiotas uteis do costume. Democratas que apioam este movimemto são os mesmos que mais os reprimiram. Como são idiotas úteis fod@se. Nao sei como Linus quer cair nesta esparrela.

  36. Narciso Miranda says:

    Quem nao se lembra de nos tempos de escola, de ser/ou chamar de caixa de óculos, gordo/a, poste, etc etc…
    Na altura, se nao gostavamos da alcunha, faziamos para que fosse mudada, uma maluquisse qualquer, algo que levasse os outros a mudar com nos chamavamos.

    Hoje em dia…. vão fazer queixinhas… É este o futuro do nosso planeta, é isto que vamos ter para a frente

    • José Carlos da Silva says:

      Porque está correctíssimo alcunhar alguém com base em alguma dessas características. Porque a educação que vem de trás não tem por base o respeito pelo próximo.

      • Pedro says:

        Pois, acabava-se já com os tribunais que isto de andar a fazer queixinhas é feio. Estado de direito, regras, responsabilidade? Isso é pra meninos. Tss.

  37. Luisão says:

    Nunca o ridículo foi tão ridículo. Tenho pena e vergonha de estarmos a passar por está pandemia e não estarmos a aproveitar para aprendermos alguma coisa com isso. Somos todos Humanos, temos os nossos defeitos e é com eles, sobretudo, que temos que aprender e evoluir.
    Alguém se sentiu ofendido com estes termos? Alguém deixou de utilizar um programa, pc ou que seja por se usar estes termos? A mim parece que as empresas que aderem a estas “jogadas” de retirar nomes, filmes e etc. É mais uma jogada de marketing, para a empresa l, neste caso, a Linux ficar bem e os acionistas ganharem mais uns $$ com este anúncio. Ao mesmo tempo a empresa entra no movimento tão aproclamado pelas redes sociais sobretudo, que é o politicamente correto.
    Qualquer dia, nem uma piada com espanhóis se pode fazer

    • Pedro says:

      Linux não é uma empresa e não tem acionistas e não visa o lucro….

      Não é uma questão de alguém ter deixado de utilizar o software, é uma questão de tornar a linguagem mais neutra para que negro não seja sistematicamente associado com conotações negativas. Pra ti é ridiculo, mas para quem se vê menorizado de muitas formas (e não por qualquer defeito…) é positivo que haja maior consciência e maior cuidado para não alimentar estas conotações.

  38. Zé Duarte says:

    Main/replica? Isso vai ofender os clones daqui a 50 anos.

  39. Bruno M. Dias says:

    A L’Oréal também retirou os termos “branqueador” e “clarear” das suas embalagens.
    Só falta mesmo agora acabarem com a marca Black&Decker e com a Sagres Preta.

  40. RM says:

    Também podia ser Master/Servant.
    Blacklist, normalmente está associado a algo mau.

    • nervaise says:

      Porque é efetivamente algo de mau, qual o problema em ser mau? O contexto nestes casos é tudo.

      Repare, para algo (não uma pessoa, claro) ser conotado como Blacklist é necessário que o mesmo seja prejudicial ao funcionamento definido como “normal”, como por exemplo uma criança menor que use a internet num PC próprio e tenha excluido as ligações pornográficas porque o pai/a mãe tenham entendido que ainda é muito nova para ficar expoxto a pornografia.

      Como é que pode não ser uma coisa negativa?

  41. Chromado says:

    LOL, que mariquice. Daqui a nada vem a industria pornografica fazer alteracoes…

  42. PeterOak says:

    Que palhaçada!! Agora os informáticos vão estar a comunicar uns para os outros e não se vão entender, pois um vão usar a linguagem “antes-BLM” enquanto outros estarão a usar a linguagem “após-BLM”.
    Tristeza!

    • FAR says:

      Não se preocupe. Esse problema não vai existir. Se há coisa que mude na vida de um informático são os termos usados para definir isto ou aquilo. Estão sempre a mudar. Basta ir a uma linguagem “nova” e são aos magotes de termos novos. Muda-se de empresa ou projeto, mudam estratégias de desenvolvimento e, adivinhou, os termos que a descrevem.

      A sério, preocupe-se com coisas merecedoras de preocupação.

  43. David Guerreiro says:

    Já agora precisam mudar os cabos dos carregadores dos portáteis, porque quando abro um para trocar o cabo, tem um condutor negro e um branco, o negro é negativo e o branco positivo…

    • acs says:

      AHAHAHAHAHAH. Muito bom! Enfim… Mais racistas são as pessoas que pensam nestas coisas. Aposto que a maioria do pessoal atrás destas mudanças são brancos que querem ter gostos no twitter e sentirem-se melhores. Nenhum programador negro vai sentir-se melhor com esta alteração.

      • Pedro says:

        Claro, o linus tem um historial de ser racista, e um historial de andar a procura de gostos nas redes sociais. Poupa-te… Essas tuas ideias dizem bem mais sobre os teus pensamentos mesquinhos do que sobre as pessoas de quem falas. Mas certamente sabes o que os programadores negros sentem quando se deparam com analogias à escravatura. Ai ai… Vamos lá fingir que estas expressões não são comuns nos mais variados domínios da linguagem e que estas pessoas não estão sempre a levar com estes conceitos e com preconceitos. Tudo está bem desde que não façam ondas.

  44. André says:

    Gostava de saber onde viram que foi o Linus que trouxe a discussão para a mesa.
    A meu ver quem iniciou a discussão na mailing list do Kernel foi o Dan Williams e podem ver o “thread” inteiro onde não há uma mensagem do Linus.
    O Linus no fim aprovou sem problema, mas isso é bastante diferente de dizer que “O tema foi trazido a discussão pelo próprio Linus Torvalds que teve total aceitação sem qualquer oposição.”
    Mas se eu estiver enganado peço desculpa…

  45. Euéquesei says:

    Já disse aqui antes que desconfio que alguém anda a deitar cenas fortes na água.
    O ridículo tb tem limites. Chega a um ponto em que é estupidez pura e dura.
    É o caso….

  46. Caustico says:

    Palermices de quem, além de não ter mais nada que fazer, tem pouca imaginação para o que inventar.

  47. Zé manel says:

    Se dúvidas houvesse da senilidade precoce do Sr. Linus…

  48. nervaise says:

    Bem, se Whitelist e Blacklist é racista, também o será White-hat e Black-hat por associação.

    O que propõem nesse caso?

    E já que estamos a fazer discriminação baseada em cores, temos os semáforos!
    Então o vermelho manda parar (uma mudança negativa uma vez que queremos estar em movimento) e o amarelo manda abrandar/parar.
    Houve uma polémica da equipa “Redskins” (Peles-vermelhas) associada aos indios americanos e que está associado ao tom vermelho e o próprio tom vermelho por si só é usado com discriminação para esse grupo de pessoas.
    O tom amarelo é associado a pessoas asiaticas, muitas vezes com negativismo/racismo associado.
    Quer dizer então que temos de mudar as cores dos semáforos para cor de rosa, azul e verde??????

    • Euéquesei says:

      Proponho que se acabem as côres…. problema resolvido.
      A partir de agora só há transparente.
      Carros transparentes, cuecas transparentes, aviões transparentes e por ai adiante ou avante…

    • Pedro says:

      (O amarelo é pra parar mesmo. Só continuas a andar se já não tens tempo de parar em segurança.)

      Mas amarelo ou vermelho como sinal de paragem não parece ter conotação tão forte nem tão direta como mestre e escravo. Nem a facilidade de adoção de um novo standard tanta como no caso de codigo programático.

      Mas tens certamente razão que não é possível/prático mudar tudo. Mas um esforçozinho e alguma mudança já dá um sinal positivo e já é alguma coisa. Estas mudanças e várias outras desde pronomes, a grandfathered/legacy, dummy, sanity, e tantas mais têm sido adotadas voluntariamente em vários domínios (e em já várias empresas tecnológicas bem conhecidas) e, sem grandes problemas e isso ajuda a que se tenha mais em conta o bem estar de toda a gente e a sinalizar preocupação com dificuldades que as pessoas sentem.

      Um efeito interessante tem sido que isto põe em evidência muita gente que se sente incomodada com a acomodação da identidade, preferencias, e mesmo com a integração de certas pessoas. Muito preconceito implícito e especialmente explícito ficou em evidência com o vazar dessa maré.

      Certamente também tenho preconceitos, mas não me faz espécie que se tente aumentar a este e a outros níveis o bem estar de quem se vê em especial vulnerabilidade. (Esta por exemplo pouco me afeta e mais sou da área, e parece-me pouco provável que afecte a quantidade de pessoas que se manifesta contra).
      Também não acho que todos que se opõem a estas mudanças o façam por desdém – é mais ao contrário: que quem tem desdém se costuma opor a estas (e a quaisquer) mudanças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.