PplWare Mobile

iPad mais usado que Linux…


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Bruno G. says:

    Não acredito nisso.

    • Pedro Pinto says:

      Bruno G.

      A primeira conclusão que se tira destes resultados é que o mercado dos dispositivos móveis está a crescer exponencialmente. O utilizador em casa já nem liga o PC…opta pelo dispositivo móvel.

    • Vítor M. says:

      Pois, mas estás no teu direito… no entanto quem o diz está em posse desses dados, se tiveres outros diferentes, fazemos uma reclamação ao Pingdown. 😉

    • nuno-mc says:

      Nas maquinas Linux, incluem-se servidores ou apenas computadores pessoais?

    • Bruno says:

      Podes acreditar mesmo, eu próprio comprei um iPad 2 e já o dou mais uso para navegar na net do que o meu PC com o Windows, já para não falar no meu Linux. Só acredita quem quer.

    • Luís says:

      O PC tal como o conhecemos na minha opinião tem os dias contados, pura e simplesmente não faz falta à maior parte dos utilizadores comuns. A generalidade das pessoas limita-se a navegar na net, para se informar, redes sociais e messenger, para isso nada melhor que um aparelho leve e de tamanho pequeno, mas não tão pequeno como um smartphone. De preferência que não seja preciso “montar e desmontar nada”. Eu ando mortinho por me ver livre do portátil, quantas desktop nem me passa cabeça.

      Cumps.

      • jpng81 says:

        lololollo, quero ver quando tiveres que gravar um cd ou dvd, ou quiseres enfiar um cartão de memória ou pen no ipad 😀 😀 e para não falar quando as actualizações no ipad acabarem e te obrigarem a comprar outro que custa uma fortuna, aí é que vais desejar ter um pc normal.
        É que se formos a ver um pc normal é bem capaz de te durar uns 8 anos na boa, isto se meteres linux. 😉

      • Paco Nassa says:

        Poças, o facto de os criadores (na realidade um derivado da mandriva/mandrake) da “caixa-magica” se queixarem não significada nada. O sistema deles tem muitos bugs, imcompatibilidades com hardware, falta de updades, etc.
        Já testei como testo muitos outros e é dos poucos que não gostei.

        • Marco Silva says:

          Não concordo…

          Uso a Caixa Mágica 16 e, na minha opinião, é das melhores, senão a melhor, distribuições de Linux.

          Verifiquem também a Mageia, o fork da Mandriva. Está a ficar muito boa, embora ainda semelhante com a Mandriva. http://mageia.org/pt/

          Cumprimentos.

    • Paco Nassa says:

      Nem eu!
      Como é possível essa comparação?
      Existem mais ipads que androids?

      Por um lado não acredito nesta “noticia” mas por outro gostava que fosse assim.
      Não acho positiva a massificação do linux, é muito mais seguro.

  2. Deus says:

    Estamos a fazer comparaçoes que nao tem logica…
    Eu acredito que seja verdade mas isso e irrelevante pois e diferente, e logico que se quero ir apenas ao meu jogo online ou ver o mail que e preferivel usar um ipad mas existe todo um mundo de outras coisas que nao podem ser feitas no ipad…

    • Ppietra says:

      As condições para a comparação estão bem definidas – navegação na internet – e têm sido usadas como forma de análise já há vários anos, logo tem toda a validade e lógica como registo que caracteriza uma parte da realidade!
      A interpretação que se faça essa sim é que se pode questionar.
      O que os dados apontam é que o iPad já tem uma dimensão idêntica ou superior ao Linux. É só sobre dimensão que se fala, não sobre a versatilidade e capacidade de trabalho.
      Este número é relevante para que se perceba a influência e o peso económico da plataforma.

    • João Ramiro says:

      “Estamos a fazer comparaçoes que nao tem logica…” é isso que eu penso quando alguém compara “Android (SO) vs iPhone (smartphone)” embora aqui exista um parâmetro definido. Não deixam de ser números incríveis, é mais uma prova da qualidade dos produtos da maça, neste caso o iPad e iOS

  3. João Santos says:

    Eu gosto e uso Linux, mas reconheço que uma pessoa naba em tecnologia não queria saber de Linux para nada, enquanto que o iOS (principalmente no iPad) é das coisas mais intuitivas de se usar. Ponham um velho com um iPad que ele passado uns minutos já está maravilhado com aquilo…

    • Vítor M. says:

      Um idoso tem de certeza uma adaptação muito maior ao iOS, pela simplicidade, mas a verdade é que este comportamento não se está a ver num única faixa etária, é transversal. As crianças adoram o iPad, os adultos quando lhes é explicado e demonstrada a potencialidade deste gadget ficam maravilhados.

      Eu considero-me um “não nabo” no que toca a tecnologia e não vejo grande interesse em Linux, embora reconheça que é um SO fabuloso, mas não me serve para a minha vida profissional, não me serve no meu momento de lazer, etc… por isso cada um sabe o que melhor lhe serve perante as necessidades tecnológicas.

      • Paulo Ferreira says:

        Tenho exactamente a tua opinião mas com uma visão completamente oposta do Linux, uma vez que responde a todas as minhas necessidades pessoais e profissionais.
        No que toca a tecnologia, a sua grande vantagem é haver sempre uma solução para cada problema. Cabe a cada um de nós encontrar o caminho que mais vantagens lhe trás.

      • Angelo says:

        Boa noite,

        Os “novos” utilizadores bem como os mais antigos na sua maioria estão a virar-se mais para o uso da net como meio de informação e contactos (lazer e profissionais) e no seu dia a dia a utilização limita-se apenas á net, messenger e pouco mais que uns ficheiros de texto para trabalhos domésticos e escolares. Desta forma não me surpreende que o ipad seja a maquina escolhida por ser leve, altamente portátil e com muita autonomia. Derivado a isso é lógico que os dados apresentados demonstrem uma utilização superior em termos de navegação do que o linux. Afinal estamos a falar da conexão á internet na sua forma mais básica simples e actual. Portanto para a maioria dos utilizadores os pcs vão deixar de ser úteis mas para aqueles que trabalham com programas, video, musica, desenho etc o pc vai ser sempre necessário derivado á grande capacidade de expansão de periféricos e alojamento de data.
        Por isso não vale a pena comparar. A escolha vai ser certamente substituir netbooks por tablets no que diz respeito á “mobilidade” e é essa é que é a grande questão!

        • Vítor M. says:

          Angelo… concordo em parte com o que diz.

          Os tablets pela sua mobilidade e pela sua capacidade de processamento estão a tomar conta do segmento antes pertencente ao portátil.

          As razões, além das que enumerou, são as capacidade de interagir com os sistemas residentes, a capacidade de usufruir com sistemas modernos, como linguagens de programação modernas, serviços com suporte na cloud, manipulação de conteúdos multimédia e simplicidade de adaptação ao nosso estilo de vida.

          Depois, pelas suas características inovadoras, começam a ocupar o lugar de outros instrumentos de trabalho, dou como exemplo dois casos que conheço pessoalmente:

          Um advogado que em vez de levar resmas de papel para os julgamentos, apenas leva o iPad com toda a argumentação que preparou. Com suporte num serviço cloud, tem acesso imediato ao seu escritório e na hora, caso seja necessário, recebe todo o material que necessita.

          Um presidente de uma junta de freguesia. Antes andava com centenas de folhas de papel, hoje tem tudo digitalizado e todos os documentos estão devidamente organizados. Tem acesso remoto à sua junta de freguesia e a liberdade de acção é muito libertadora, permitindo que troque algumas horas de expediente num gabinete por uma politica de proximidade.

          Repare, a maior percentagem de utilizadores não são os que dominam a informática na sua generalidade, nem pensar, o grosso dos utilizadores são os que apenas usam os mais básicos serviços, são os que usam ferramentas de produtividade e depois dedicam-se à Internet, mail, messenger, powerpoint, excel e pouco mail…

          O iPad responde a isso e muito mais, para que ter um netbook, ou um portátil se podemos (essa maioria de utilizadores) ter um equipamento mais elegante, mais simples, mais interactivo e que responde ao que preciso?

          Por isso os tablets irão dominar. A Apple leva já dois anos de avanço.

  4. monux says:

    -Não me consultaram nesta pesquisa, mas aí vai:

    – 98 % Linux

    – 02 % Windows 7

    – 00 % Ipad (não tenho)

    hehehehehe

  5. DanielC says:

    Boas!

    Sou um ubuntu user. E estou a escrever este comentário a partir do meu ubuntu 10.04LTS

    Acho que é possível que tal aconteça. Por norma os users do ubuntu usam-no para programar e não para navegar intensivamente na net.
    Conheço pouco do iPad, mas acho que se tivesse um, quando fosse necessário ir á net eu ia usa-lo. Isto claro se bater os 20 segundos de boot do meu ubuntu…

    nota: ainda bem que o linux anda vá “undercover” assim as possibilidades de criarem malware pare este Grande SO são diminutas. Nada é supera a comunidade por de trás do Linux

    • Vítor M. says:

      O malware deixou de ser o argumento 😉 isso é uma velha história.

      • DanielC says:

        Eu contínuo a pensar que os SO’s com maior cota de mercado são aqueles com maior probabilidade de apanhar Malware. É que um tipo que gosta de programar coisas engraçadas, n vai gastar várias horas da sua vida a fazer brincadeiras para meia dúzia de gatos pingados…:D

        • Ruaben says:

          só pra curiosidade, os criadores de malware, são essencialmente utilizadores do linux, portanto penso que n seja logico eles programarem virus pra eles proprios. quem faza isso talvez seja os utilizadore de win que odeiam coisas free 😛

          • DanielC says:

            Os utilizadores de windows são todos bazatroucos de primeira. O objectivo é causar problemas, e quanto mais utilizadores houver melhor.

  6. Alucard says:

    Não acredito nestas e noutras estatísticas do género. Calcular o nº de utilizadores do Linux é uma tarefa muito difícil, senão impossível. Há estatísticas como esta que apontam para menos de 1%, mas também há as que apontam para 3 a 5%. Na minha opinião o Linux é mais usado do que muito boa gente imagina… Não desfazendo do crescimento do iPad no mercado, coisa que não nego.

    • Vítor M. says:

      Como é que é uma tarefa muito difícil? 😀 Estamos a falar num universo definido de x sites mais influentes no EUA e que registaram esses dados, não são coisas voláteis, são dados concretos.

      • Alucard says:

        É uma tarefa difícil porque a amostragem a x sites é uma abordagem muito limitada. Seria muito melhor se o Linux fosse um produto vendido em caixinhas como o Windows, aí não haveria qualquer dificuldade em determinar o nº de utilizadores. Ou se os utilizadores voluntariamente quisessem participar numa espécie de censos como o projecto Linux Counter, mas a maioria não quer saber disso. Ou se tivessem que activar o produto, mas também não. O nº de downloads efectuados de uma distribuição acaba por ser pouco indicativo também, visto que eu posso fazer download de um imagem de CD e instalar-lo em 500 computadores,ou até não o instalar em nenhum.
        Dada a natureza não comercial do Linux, é difícil estimar a fatia do mercado. O que temos é de tempos a tempos, estatísticas e afirmações muito díspares, como a Canonical afirmar que existem cerca de 12 milhões de utilizadores do Ubuntu, ou o próprio Steve Ballmer da Microsoft admitir que o Linux tem uma percentagem de mercado maior que a do MacOS.

        • Vítor M. says:

          Porra, será que eu não me fiz entender ou estamos noutro canal?

          Estamos a falar de navegação, utilização de um SO para suportar a navegação… isso, tendo em conta o vasto leque de amostras e sendo numa amostragem importante para definir resultados, não me digas que é limitada…

        • Paulo says:

          omg.. há gente lerda. Tu ao menos leste o artigo? Achas 3 MILHOES de sites uma abordagem limitada? Tu ao menos percebeste que estamos a falar de visitas a web-sites, e navegaçao na internet? Começa mas é a tomar os comprimidos de manhã antes de ler o pplware…

      • kekes says:

        É dificel pois não são dados absolutos. Mas não deixa de ser valido em certos parâmetros. Mas o iPad é uma ferramenta para a net e nem toda gente que usa linux o usa para esse fim.

      • João Carvalho says:

        Já uso linux há imenso tempo e nunca me registei em lado nenhum

        • Alucard says:

          Claro, nem tu nem praí 90 % das pessoas que usam Linux.
          Eu por acaso registei-me no Projecto Linux Counter (http://counter.li.org), aqui há uns tempos por mera curiosidade. Eles usam um modelo matemático para extrapolarem a amostra de pessoas que se registam. Se é um bom ou mau modelo, não faço ideia.
          Atenção que eu não estou a criticar os utilizadores de Linux que não querem activações nem registos. Aliás, acho que tal coisa nunca deveria ser obrigatória num SO que se diz livre!

        • Vítor M. says:

          Vocês estão a falar a sério?

          Registar linux para sabermos que usam linux?

          Naaa eu não li isto…

          Caros… eu daqui sentado ao computador sei que SO usam, que browser usam, versões… e tanta outra coisa que cada um de nós deixa somente por andar a navegar… registar? 😀 a nossa máquina, o nosso browser, o nosso sistema operativo faz isso por nós….

          • Ppietra says:

            A não ser que apanhes alguém que disfarce o navegador!
            Se não me engano é relativamente simples mudar a identificação. Eu se quiser posso identificar-me com o Internet Explorer, mesmo não tendo no computador.

          • Vítor M. says:

            Ppietra… eiii que grande filme que já estás a fazer. 😀

            Estamos a falar no comum, no dia-a-dia, no que qualquer mortal usa. Se entrarmos por esse campo então até podemos dizer que estamos a visitar um site a partir de uma registadora. joking 😉

          • Zé Labrego says:

            Salvo o devido respeito esta afirmação, neste campo particular, não revela muita sageza ou muita perspicácia.

            Coisas como o User Agent e outras do género são facilmente mascaradas e modificadas pelo utilizador.

            Eu, por exemplo, uso apenas GNU/LInux e no entanto mando informação a dizer que estou a usar a versão 8 do Internet Explorer no Windows 7, e outras coisas mais (idioma e fuso horário errados, etc).

            Outras vezes faço crer que uso iPad, Safari no OS X, etc, etc.

            Que me recorde não devem ter ultrapassado os dedos de uma mão que enviei informação real, nomeadamente quanto ao browser utilizado, sistema operativo e respectiva versão.

            Quanto ao Ip, é conforme me dá na telha ou as minhas necessidades. OU envio IP real, ou envio um IP de servidor português mas que não é o meu, ou simplesmente um IP de outro país qualquer… Tor, privoxy, etc, tudo isso são ferramentas do dia a dia.

            Tenho vários amigos e colegas de trabalho usando sistemas GNU/Linux e sinceramente não conheço um único que envie informação a revelar que de facto estão a usar Linux, web browser usado em Linux, etc.

            Não quero porém com isto dizer que o GNU/Linux seja usado por esta ou aquela percentagem de utilizadores.

            No entanto, e como me parece óbvio, o que interessa de facto à comunidade GNU/Linux (à excepção do que pensam certos novatos/otários usando Ubuntu e afins) é que este tipo de sistema operativo não cresca ao nível da percentagem de utilizadores.

            Os que já existem são até um pouco demais, e já com algumas consequências nefastas, como ainda recentemente se tem visto com a autêntica anedota de distribuição em que se transformou aquela porcaria chamada Ubuntu, mais a mais agora que vem aí com a aberração do Unity.

            Desculpem qualquer coisinha…
            Cumprimentos a todos e votos de Páscoa Feliz.

        • Vítor M. says:

          Zé Labrego quem é que usa isso? Quantos são? 5, 6?

          Sabes bem que isso é residual e, desculpa o termos, inútil. Até porque já há formas de filtrar determinada informação camuflada.

          Seja como for, estamos a falar de números que fazem as estatísticas e não de users “residuais” que fazem experiências

          Quanto ao Ubuntu… bom é um Linux que se quer expandir para segmentos comerciais, onde a interface é quem ordena e a simplicidade de utilização é quem reina.

          É o Linux moderno, é a distro que dá oxigénio ao Linux. 😉

  7. Ecchin says:

    Caras pessoas com várias opiniões diversas
    Há que ver tais estatísticas não estão a dizer que há mais iPads que máquinas que Linux. Isto indica que, na amostra (que acredito ser bastante significativa) de sites monitorizados por esse grupo, mais visitantes utilizavam o iPad to que um computador com Linux. É um estudo válido e nada tem a ver com a versatilidade de um SO ou de um computador.
    Ora, basta ver que existem imensos servidores a correr Linux. Simplesmente ninguém os está a usar para navegar no browser. Têm outra função. O estudo não está a dizer que já existe 2 iPads para cada máquina com Linux. Isso seria impossível de contabilizar.

  8. Leonel says:

    eu até usava ubuntu no portátil se houvessem drivers da gráfica

    800×600 não dá para mim

    • Paco Nassa says:

      Dá sim, da maneira mais simples basta ires a “sistema/administração/drivers adicionais” depois é só instalar.
      Na mesma aba tens as actualizações de sistema.

  9. Hugo Cura says:

    É realmente bastante interessante ver a forma como estes gadgets invadem (no bom sentido) a vida das pessoas! E só agora começou!

    Mas deixo aqui algo interessante que reparei:
    – no artigo de uma aplicação android que publiquei, coloquei um código qr a apontar para um “short url” da Google, apenas para ter uma noção se a leitura do qrcode era ou não muito usada
    – aqui estão os detalhes desse acesso: http://goo.gl/info/Mx4XY
    – ora, premindo em “all time” vê-se que cerca de 90% dos acessos foram identificados como feitos a partir do sistema operativo Linux, claro está, referindo-se ao Android (que tem “coração” Linux)
    – Ou esta informação dos urls da Google não será de confiança ou então como terá a statcounter distinguido um Android de um Linux? …

    • Paulo Ferreira says:

      Por acaso estava a pensar nisso mesmo. Para além disso, e olhando simplesmente para a percepção que tenho dos utilizadores de sites que não sejam ‘geek’ e que frequento, fico com a impressão que a percentagem de utilização do Linux demasiado baixa.

      • Paulo Ferreira says:

        in “…percentagem de utilização do Linux demasiado baixa.” ler “…percentagem de utilização do Linux está demasiado baixa”

    • Hugo Cura says:

      Decididamente a informação dada pelo goo.gl não é de confiança, pelo menos relativa a SOs e browsers.
      Portanto, morre aqui esta “curiosidade”.

  10. The STK says:

    E android? Também aparece em vários tipos de equipamento, devia ser engraçado ver o marketshare

  11. Rúben Lopes [Lopesmaio] says:

    Muito obrigado pela foto no iPad, acho que ainda vou apanhar uma depressão :\

    Enfim, mas isso é na América, e eu acho que é na América que a Apple tem a base do seu sucesso… não acredito que seja geral, no mundo inteiro…

  12. jorge says:

    o android não é baseado em linux?

    se sim, esses numeros estão errados completamente..

    pois se contarmos todos pads, tlms com linux.. só a quantidade de pads chinocas, alem dos das marcas, mas tlms android, arrasava com os numeros

    • Vítor M. says:

      Sim Jorge Android é baseado em Linux mas não é Linux, Android tem uma identidade própria e não foi tido no estudo. O que foi apresentado foi uma estatística onde mostra que existem mais iPads do que máquinas com Linux a navegar… se entenderes que te satisfaz pensar de outras forma… força aí! 😀

      • jorge says:

        nada tem a ver com essa boca que me mandas 😉

        mas como sempre pensei que o android fosse baseado em linux, e como para mim o essencial de um SO seria a sua base, ou seja, há diversas distribuições de linux, bem diferentes ate e sendo assim, seria contailizadas todas..

        Por exemplo, a Apple ja vi muitos estudos que englobam todos aparelhos, iphone, ipad, ipod, entre outras coisas, mas claro, deve ser quando dá jeito ou não.. lol

        • LM says:

          Falamos demasiado em linux. Penso que deviamos falar mais em maquinas “NIX”.
          Se falarmos em maquinas NIX… “linuxes” e derivados… incluindo BSD… etc, etc, … pois… nao sei em que lugar fica a Apple.

          Basta pensar que… cada router tem o que como firmware? 😀

          • Ppietra says:

            Caso não saibas o MacOS X é Unix certificado, e o iOS é baseado no MacOS X! De modo que por esses critérios ficaria tudo no mesmo saco, sem comparação.
            Englobar os routers seria no mínimo caricato! Ou será que têm mais alguma função para além de serem routers!?

        • Ppietra says:

          O Android é baseado em Linux, mas é só esse o ponto em comum! O SDK para as aplicações nada tem a ver com o que é usado no Linux, e são as aplicações que importam para uma plataforma.

  13. bioshock says:

    Não são resultados que me façam admirar.

  14. Guilherme de Sousa says:

    Poderia apresentar aqui 1001 argumentos, mas haveria sempre alguem que os iria questionar, portanto basta dizer uma coisa:

    Há mais ipads que androids? Duvido. Android é puro kernel linux portanto so por ai já da para ver o quanto esta estatistica vale.

    A verdade é que ao contrario do windows e osx a contabilizaçao de máquinas(leia-se desktops e portateis) que correm linux não é facil, dado que o mesmo não é vendido.. De onde se consegue entao verificar quantas máquinas realmente existem a correr o SO?

    cumps

    • Sérgio says:

      A esmagadora maioria das pessoas com Android utiliza o telemovel para navegar pontualmente (eu por acaso até uso). Mas tendo os portáteis ligados, não tenho qualquer dúvida. Já se tivesse um ipad, não sei não…

    • camarao says:

      Ninguém aqui está a falar de máquinas, chiça, que há gente que é lenta aqui no pplware.
      Está-se a dizer que em sites web, há MAIS VISITANTES A USAR iOS do que Linux.
      Não interessa a quem tem sites web saber quantas máquinas com linux existem no mundo. Interessa-lhes sim saber, quantos visitantes do seu site usam linux.

      • Guilherme de Sousa says:

        Lê o titulo e vê o que querem dar a entender com ele.

        cumps

        • Vítor M. says:

          Guilherme o camarao tem razão, estás lento homem 😀

          Os dados recolhidos apenas querem mostrar que no Estados Unidos naquela determinada altura as pessoas usam mais iPads do que máquinas com Linux para navegar.

          Está difícil de entender?

          • Guilherme de Sousa says:

            Então para que o título Vitor? Sensasionalismo?

            Cumps

          • Paco Nassa says:

            Ora ai está. Titulo sensacionalista e ridículo.
            E acho engraçado o funcionário de serviço a responder a todas as opiniões discordantes.
            Concordo completamente com o Guilherme.

  15. Sérgio says:

    Uma pequena nota que não sei se será relevante ou não. A esmagadora maioria dos utilizadores domésticos de linux encaixam-se numa destas 3 categorias: profissionais de TI, nerds e geeks. Claro que haverão mais. Agora a questão é: As pessoas consultam páginas muito difrentes. Será que os sites utilizados para o estudo são fielmente demonstrativos (mesmo que apenas para o mercado Americano). Pegando na linguagem do futebolês, é como aquelas sondagens que para contabilizar o numero de simpatizantes por clubes se faz o inquérito num deteminado estádio.
    Exagerando um pouco (muiiiiiiiiiiiito), se eu fizer o estudo nos servidores da Apple dirá que a esmagadora maioria de nós usa IPAD’s, IO’s etc. Se fizer nos da Microsoft então dirá que os outros sistemas operativos são residuais. E por aí fora.
    Concordando ou não com os meus argumentos, penso que percebem onde quero chegar…

    • Vítor M. says:

      Hmmm não percebi patavina do que escreveste.

      Se tentaste justificar algo… não foi concreto.

      Se deixarmos de lado os floreados e pensarmos no acto de navegar, pura e simplesmente navegar pela Internet, os dados são os que foram recolhidos. Se quiserem adicionar floreados para chegar a outras interpretações… estejam à vontade 😀

      • Sérgio says:

        Os dados apresentados baseiam-se nas visitas a determinados sites. O que tentei mostrar é que o universo da maior das pessoas do Linux é um universo muito diferente dos utilizadores da Apple, ou dos utilizadores da Microsoft. A maioria das pessoas do linux vive num universo muito próprio. Obviamente há muitos sites comuns a todos nós, mas haverá sites mais consultados pela comunidade Linux, e sites mais consultados pela comunidade Apple e por aí fora.
        Tal como para as projecções são escolhidas freguesias modelo que são o espelho de uma população maior, aqui tb deve ser levado isso em conta, porque senão a estatutivo apresentada não tem qualquer valor.
        Voltando ao futebolês. Quando eu foram apresentadas as projeções para as eleições do Sporting eu simplesmente ri-me, porque aquilo pode ser mais ao menos indicativo, mas poderia estar longe da verdade (que por acaso foi o que se viu).
        Espero que tenhas percebido o que estou a tentar dizer. É que estes estudos dão alguns indicadores, mas de resto valem zero.

        • Sérgio says:

          apesar de eu achar que o linux para o utilizador comum não tem qualquer futuro. Eu utilizo como profissional. Tal como disse o linux estará circunscrito na sua maioria aos profissionais de TI, nerds e geeks. Eu encaixo na primeira e terceira. Mas prezo pela simplicidade e o linux nisso está longe, muiiito longe

        • Vítor M. says:

          Sérgio agora fiquei preocupado: os utilizadores Linux são especiais?

          Uma gente à parte? Ó Sérgio… tem lá paciência!

          Estamos a falar num universo de sites usados por todas as pessoas, independentemente se usam Linux ou outro SO qualquer. Que disparate homem.

          E esse cliché que Linux é para iluminados é uma treta pegada. De tal forma que qualquer miúdo pega num Magalhães e pouco tempo depois é um utilizador linux sem estar nessas categorias sem sentido que colocaste.

          Um utilizador Linux é um comum utilizador… ponto.

          • Sérgio says:

            um utilizador de linux é alguém que adora tecnologia. Não conheço nenhum utilizador de linux que não esteja dentro desse padrão.

  16. Manuel Costa says:

    Humm…. O Windows é usado por mais de 80% dos utilizadores? Isso para mim é que é importante… Hoje em dia é só Apple para cá, Linux para ali, Android para acolá, etc… 😉

  17. pedro says:

    O android tem por base o Linux
    (http://pt.wikipedia.org/wiki/Android)
    que por sua vez é feito a partir do UNIX
    Já o Mac OS X tem bases de UNIX ou seja tem o mesmo pai que o linux.
    Mas basta olhar o gráfico se o S.O. do Android não aparece, é porque está no campo do Linux!!!
    Enfim o gráfico para mim parece-me pouco importante,visto ser de um só país que nem é o meu!!O ideal era um gráfico mundial com todos os S.O. em que comparassem o crescimento, decrescimento mas já é pedir muito!!
    Mas não tenho dúvidas que o Android cresceu mais em % que o Mac no último ano mundialmente!!

  18. Tiago Sousa says:

    Se fossem a contar com o iPhone e iPod Touch então era muito maior mesmo a taxa..

  19. darth_paul says:

    bem possivel… eu se tivesse um ipad, tambem iria mais vezes à net com ele, em vez de ligar o pc.
    talvez para o ano, quando a Apple finalmente lançar uma versao com mais resolução 🙂

  20. Navyseal says:

    Que rica comparação, para uso doméstico é mais que sabido que Gnu/Linux tem pouca aderência.
    Mas se formos a contabilizar onde se encontra instalado então nada o bate e continua a dominar.

  21. lourenço says:

    não!….
    mas diziam as estatísticas que ia ser o fail do ano!….

    enfim!…

  22. DreamWave says:

    android nao está incluido nessa estatistica por certo!

    de minha parte :

    Ubuntu : 100%
    Android : 100%

    😛 long live to tux power !
    apple sucks!

  23. p0int says:

    Mais iPads que máquinas c/ linux? AHAH.

  24. jYkA says:

    Por aqui era ubuntu, windows xp, vista, w7… agora só OSX e o proximo… Lion!

  25. wolf says:

    Para mim estes dados são como os dados das empresas de rating, só interessam a uma partes dos intervenientes, ou seja, são uma completa aberração e dar interesse a eles ou fazer analises ou criar páginas só piora as coisas. Qualquer pessoa com os mínimos conhecimentos informáticos e que esteja a par da actualidade sabe que estes dados não têm veracidade e que não foram divulgados porque lhes apeteceu. Acredita quem quer e só escrevo isto porque gosto do site, porque para mim até fazer comentários sobre tal «noticias» é perda de tempo. Boa Páscoa.

    • Vítor M. says:

      Cada um acredita no que quer, assim nascem os cultos e as crenças. Nunca é perda de tempo escrever quando estamos perante dados que estão a mudar hábitos num segmento que é hoje dos mais poderosos no mundo, a Internet. 😉

  26. serva says:

    Os meus cumprimentos ao Wolf e ao Sergio , concordo a 100% com os vossos posts e Vitor desculpa , mas não tens de ficar irritado e chamares de lentos e dizeres alguns palavrões .

    De facto cada um escolhe o sistema que mais se apropria a si e a sua filosofia de vida e isto tem de ser respeitado .

    Sergio eu também me incluo no leque das tuas opções na 1ª e 3ª .

    Os meus cumprimentos a todos

    Serva

  27. lol says:

    mais um tópico fan boys linux contra windows. lol, ja nem vale a pena falar no resto. em vez de andarem juntos para o mesmo, vivem numa guerra eterna

  28. Jorge Costa says:

    Sou 100% Linux e digo já que estou contente.

    Pouco mas bons é que é importante!

  29. Marco Silva says:

    Acredito que o iOS tenha maior percentagem de internautas que o Linux no Desktop.

    Mas se se contar com todo o Linux (no Desktop, Android, Meego, WebOS, etc.), a diferença não deve ser assim tão grande…

    Tenho um telemóvel Android e uso-o muito para navegar na net.

    Também incluo-me na categoria do profissional de TI e de geek. Por isso, estou a pensar adquirir um netbook, em vez de um tablet, pois dá-me mais liberdade para fazer o que quiser (mas vou formata-lo e colocar Linux) .

    Mas reconheço que, para o utilizador comum, os tablet são bastante apelativos. Não têm vírus, malware, etc., são de fácil administração e muito intuitivos.

    • Vasco says:

      Podes pedir o reembolso do sistema operativo que vier instalado por defeito que será, de certeza, o Windows se ele te for inútil. Está escrito na EULA do Windows que o utilizador têm esse direito e acho que o deve exercer se não vai utilizar o produto. O consumidor não deve pagar por um produto que não quer e não vai utilizar. O primeiro passo é recusar a EULA do Windows que deve aparecer no computador na primeira vez que ele for arrancado.
      Eu não tive necessidade de pedir reembolso do Windows, porque o meu computador foi comprado às peças e, por isso, veio livre de SO. Mas caso viesse com Windows instalado, eu pediria o reembolso até o conseguir, não propriamente pelo dinheiro, mas porque devo ter o direito de escolher que SO utilizar e de não pagar uma coisa que não quero consumir. Penso até que na hora de comprar um computador devia ser dada a liberdade ao consumidor de puder escolher o SO dele.
      Isto pode ajudar no processo se alguém estiver interessado → http://uivemosjuntos.blogspot.com/2010/12/como-ter-um-netbook-livre-de-windows.html

  30. serva says:

    Jorge , sabes quem é que diz mal é quem não sabe porque o linux é diferente ou numca experimentou , mas para os cepticos o Linux tem nos últimos anos se tornado mais user friendly , basta ver exemplos de distribuições como o Ubuntu ou o Mint em que não instalas drive alguma para o teu sistema funcionar ” Hardware e perifericos ” , os defensores do OSX também já vem dizer de certeza que isso também faz o OSX , mas a um factor muito importante é que o linux é instalado nas máquinas mais dispares e com configurações de Hardware bem diferentes umas das outras , isto demonstra a capacidade desta comunidade que se esforça por dar suporte a milhares de dispositivos , enquanto que em Mac de facto a instalação é fácil , é um facto , mas é feita a medida .

    Cumps

    Serva

  31. J. Santos says:

    Estao a comparar “alhos com bogalhos”, Nos PDA, os equipamentos Android ja estao quase com o dobro de quota nos USA, nos PADs, a Apple é referencia mas nos proximos meses vamos assistir ao aparecimento de novos equipamentos android, (acer, asus com o transformer, e outros) tambem aqui, nos PDA a android se vai destacar … quanto aos PCS, os Apple continuam a ser um fetiche, para os endinheirados e que gostam de dar nas vistas! Tipico comentario de quem tem um: “Ya, é bonito” !

    • Vítor M. says:

      Com as tua palavras depreendo que Mac para ti é algo escuro que desconheces na totalidade, por isso referes o tal “ser um fetiche”. Dar nas vistas? Ser bonito?

      Estás enganado, mas um dia perceberás a diferença… quando entenderes que os sistemas operativos, os computadores e tudo o que gravita em torno dos mesmos não se categorizam por bonitos, caros e da moda. Categorizam-se pela utilidade que nos oferecem… esse é o verdadeiro valor de cada máquina… pensa nisso!

  32. lumitoro says:

    Sem dúvida que esta estatística mostra uma tendência de mercado, mas a questão é, o que é contabilizado como linux? Tendo em conta que no mercado americano o Android(baseado em linux, ou melhor, linux com um interface google) ultrapassou o IOS, acho que esta estatística não vale os bytes utilizados para a apresentar nem o desgaste dos meus olhos devido à leitura da mesma.

    • Vítor M. says:

      Porque não sabe o lumitoso separar o que é Linux e o que é Android. Android tem identidade própria, caso assim não fosse até iOS tem como antepassado Unix, avô do Linux 😉

      Pense nisso…

  33. João Dias says:

    “Segundo os dados apresentados, existem já mais iPads a navegar, que máquinas com o sistema operativo Linux.”

    Não me levem a mal, ou como pretensioso, mas penso que deveriam pensar bem nas vossas afirmações.

    Se calhar a maioria de vós que escreve para aqui, não é jornalista, nem coisa que o valha, mas tenham cuidado com as frases que escrevem. Sem tirar, nem pôr, esta frase indica que há mais iPads a navegar que máquinas com o Linux. Vocês sabem que, lendo isto assim, seja no título, seja nas primeiras afirmações, é falacioso.

    Não fazem distinção entre desktops, servidores, smartphones, tablets. Não é preciso consultar nenhum grande manancial de dados estatísticos para perceber que esta afirmação é errada.

    Só acho que deveriam clarificar as coisas. Para mim a distinção é clara, e eu percebo-a perfeitamente. Muitos utilizadores aqui também perceberam isso, mas outros podem não perceber, e a notícia não é, nem clarificadora, nem fora de tendências.

    Claro que depois vêm para aí os fanáticos, mas a mesma coisa se passaria se fosse uma notícia sobre o Linux que corre em mais computadores que dispositivos com o Windows. (neste caso estaria a falar de servidores, mas a intenção é a mesma)

    Bom, de qualquer das formas, o tablet vai continuar a dar cartas 🙂 Talvez compre um para mim, um dia destes (quando, sei lá eu). Força aí, e continuem com o bom serviço que têm feito (é o primeiro site que abro mal ligo o pc).

    • Vítor M. says:

      Lá está, não somos jornalistas, mas também não será necessário ser engenheiro para saber que uma notícia não se resume ao título. Assim e tendo em conta o conjunto, a frase inicial está perfeitamente integrada no contexto.

      Outras situação é a que o João refere e bem, a distinção é clara… palavras para quê?

      Grande abraço meu caro e boa Páscoa 😉

  34. Fernando Macedo says:

    Eu tenho um tablet, um Notion Ink ADAM, é Android com monitor PixelQI e estou bastante satisfeito com ele, por enquanto.
    Desde que o tenho uso-o mais que o meu computador.
    Quanto ao estudo é interessante mas não me revejo nele. O iPad é intuitivo e bonitinho, mas para mim é um brinquedo caro, não tem saídas USB, suporte para SD ou microSD, microUSB ou HDMI e câmaras(pelo menos o iPad 1, o 2 parece já ter HDMI e câmaras), e o meu ADAM tem tudo isso além de uma processador gráfico NVIDIA Tegra e um processador dual core.

  35. Jose says:

    iPad mais usado que Linx??

    Um iPad pesa cerca de 700 gramas e um Linux deve pesar uns bons 2 ou 3 quilos, pelo menos num portátil! Nem quero imaginar quanto pesará um Linux metido num desktop, mais os periféricos!

  36. Opingo says:

    Estas estatísticas depende dos sites onde foram registadas.
    Infelizmente com a febre apple que tem andado por aí pelo mundo, 60% dos utilizadores de equipamentos da apple pagam 20 vezes mais para usarem a mesma coisa que usariam com um equipamento mais barato.
    Neste caso o Ipad tem taxas de utilização muito baixas onde é mais usado para aceder a redes sociais do que para jogar ou realizar trabalhos.
    Depois existem o grande problema com dispositivos móveis: pagar o acesso longe do router que temos em casa.
    Neste momento usar um Ipad fora de casa tem um custo de dezenas de euros ao mês e só com funções básicas. Se o vamos usar para navegação normal o preço sobe à grande.
    De facto facilita em muitas das aplicações e dá jeito em casa pois poder andar debaixo do braço (com as suas grandes limitações para vários serviços online). Só que o preço que custa, em grande parte dos casos, não compensa a sua utilização.
    Fora que não permite uma maleabilidade com a utilização de pens ou cartões de memória para arquivamento de dados e transferência. Não é em todos os serviços que temos algo disponivel para transferir ficheiros… então para máquinas que não estão ligadas à net, obrigam a transferir do ipad para um computador e nesse computador então podemos transferir para uma pen ou um cartão e colocar a informação no nosso centro seguro de trabalho.
    Infelizmente este bloqueio de dados provêm já de há muitos anos atrás quando o firewire perdeu a guerra contra o usb e a Apple não se esqueceu disso. Então vá de vender máquinas por 700 euros que só servem para estar ligadas à net e navegar.

    • Ciro Espítama says:

      Boas,
      Presumo que você não tem um iPad, portanto está a falar teoricamente, certo?
      Pois bem eu tenho um e uso-o para fazer coisas que não consigo fazer em um outro equipamento, tais como:
      1) Ler revistas estrangeiras pela metade do preço destas em banca. A Wired sequer consigo compra-la cá.
      2) Também utilizo como auxiliar em visitas a doentes internados, com o prontuário clínico, análises laboratoriais, fotografias e radiografias dos mesmos.
      3) Uso imensamente para ler, com a facilidade de poder levar uma biblioteca inteira em viagem. Sem falar que os livros custam bem menos que nas livrarias.
      4) Posso ter acesso a banda desenhada por um preço acessível e sem ter que esperar que seja importada.
      5) Posso assistir vídeos em viagem com toda a comodidade. Tenho um série de filmes armazenados, bem como temporadas de séries e vídeos pessoais.
      E mais inúmeras funcionalidades em que poderia utilizar o note/netbook ou o smartphone, mas com o iPad é mais confortável.
      Relativamente à Internet utilizo o tarifário para tablets, que dá perfeitamente para os fins aos quais o tablet se propõe. Os downloads mais “pesados” faço-os quando estou no WiFi, então a net do iPad fica para navegar, You Tube, rádios, auxílio ao GPS, Dropbox, Evernote e email. Além disso ainda posso utilizar o iPad como “hotspot” para o portátil da minha esposa ou para smartphones, quando necessário.
      Relativamente às pens e os cartões de memória posso dizer que utilizo o conector de USB e cartões e acedo perfeitamente a todos os ficheiros (não somente fotos e vídeos) contido nesses dispositivos, utilizando o aplicativo iFile.
      Dizer que o iPad só serve para ligar a net e navegar como se pode ver é bastante redutor. Cumprimentos.

  37. JPedrosa says:

    http://marketshare.hitslink.com/operating-system-market-share.aspx?qprid=8

    Aqui temos outra estatística.

    Não separam o iPad dos restantes iOS, mas é fácil de ver que é quase impossível por esta estatística o iPad ter mais utilizadores que Linux, a não ser que só existem iOS no iPad e de repente seja “confortável” que quase não existem iPhone’s … é a vida das estatísticas, fazem-se como convém para os resultados que se querem ….

    Valem o que valem … nada 🙂

  38. LPereira says:

    Boa Dia,
    É verdade que quem reina neste momento é os tablets, mas para que investir em Ios?
    Se podemos ter um portatil por

  39. Serva says:

    Bom , claramente que o titulo da noticia gera esta polémica porque diz e cito ” Ipad mais usado que Linux ” , bom se este titulo não é polémico , então de facto não sei o que na verdade poderia gerar polémica .

    Alguém sabe quantos Ipads se venderam em Portugal ?…. o Vitor afirmou que havia uma fome de Ipads 2 ?… bom os que têm fome podem dirigir-se a Worten de telheiras que há lá muitos para venda ainda ontem lá estive a comprar uns produtos , por acaso leva-se em linha de conta o Nr e descargas das novas distribuições Linux em todo o mundo ? ,,,, o Android não é Linux , bem esta é para eu me mandar da ponte 25 de Abril para ver se refresco as ideias , o Android é 100% Linux , só para lembrar enquanto não foi lançado o Kernel 2.6.35.28 o Android 3.0 não pode ser concluído , por muito que queiram mandar areia para os meus lhos ela não entra .

    Agora reconheço que o Mac OSX é um bom sistema operativo , estável mas muito fechado e totalmente dependente da Apple a não ser que se ludibrie com Patchs ou o no caso do Ios se faça o Jailbreak , eu tenho a correr numa maquina virtual o Snow , sei que não é a mesma coisa , mas meus caros dá para comparar com outros OS e de origem faltam muitas aplicações que em Linux com um click temos a nossa mão , penso que nãp precisso de dar exemplos , mas para que fiquem só com alguns números por exemplo para o KDE que não é o interface mais usado existem mais de 33.000 aplicações , para o gnome que uso nem sei quantas mas claramnete o Nr é superior , isto as que são oferecidas e suportadas pelas distribuições porque há ainda mais que o não são e podem gerar algumas incompatibilidades .

    A Apple sempre apostou na beleza e fluidez nas aplicações em todos os produto que lança , mas para que isso aconteça os seus utilizadores estão altamente dependentes da sua Store e de algumas decisões dificeis de não incluir determinada aplicação porque não vai permitir a tal fluidez , como no Iphone , provavelmente cerca de 50% das paginas que acedem via internet nas as vão vizualizar correctamente pelo produto não ter suporte a flash isto tudo em nome da fluidez , recordo-me agora que estou a escrever este post de um artigo publicado numa revista especialista em Gadgets que fazia um comparativo a 3 tablets , a saber :

    Ipad (10′)
    Toshiba (10′)
    Sansung (7′)

    No final o veredicto foi que o Ipad ganhou e cito ( O Ipad ganha não por aquilo que não faz , mas sim por aquilo que faz ) , isto porque os outros 2 concorrents tinham muito mais equipamento , inclusive o Sansung tinha telefone incorporado ,entrada para microsd , o Toshiba tinha entrada usb etc , ou seja para quem estava a avaliar não interessou as mais valias dos outros equipamentos o que interessou foi segundo essa revista a experiencia de utilização a sensibilidade ao toque a construção , bom isto é no minimo polémico , eu tenho um tablet de 7′ da Sansung com Android e não percebo o que é que os Srs que fizeram o teste queriam dizer , mas enfim , são coisas como esta que por vezes indignam os utilizadores de Linux e levam muitas vezes a extremar posições em posts como este , o Sr. Steve Jobs que eu respeito e espero que consiga superar a sua doença , declarou a dias que o Pc está morto , esta é uma declaração polémica e que eu só menciono porque claramente associo a este post e a todas as conclusões contidas nele , eu tenho de discordar com ele , o Pc pode vir a sofrer grandes transformações relativamente aos dias de hoje , mas vão ser sempre precissas maquinas com grandes capacidades de processamento e isto não pode ser dado pelos tablets , agoa concordo que a portabilidade que um tablet proporciona vai aumentar muito a penetração deste tipo de equipamentos e foi por isso que eu comprei 1 .

    Não me quero alongar mais , mas queria dizer a alguns dos que postaram neste tópico e em outros identicos e que falaram em fanatismo , seria melhor refletirem bem acerca deste tema , os utilizadores de Linux têm que se defender o melhor que sabem e podem porque não têm milhões para gastar em publicidade e divulgar os seus produtos , assim resta-nos a nossa força colectiva para conseguirmos sobreviver num mar cheio de tubarões , e é por isso que por vezes os posts aqueçem , não digo que não sejam cometidos exageros , mas desde que as essoas se respeitem não vejo nenhum mal nisso ,

    Cumprimentos a todos

    Serva

  40. João Santos says:

    Não sei se estas estatísticas podem relatar a verdadeira realidade pois apenas se baseia nas visitas que alguns sites recebem. No entanto é uma prova de que os tablets é a moda do momento e está a crescer a olhos vistos.

    Eu não tenho nenhum tablet porque não o ia usar para nada, mas se comprasse não iria para o iPad porque não me agrada a política da Apple (muito restritiva e eu gosto de ter liberdade para fazer o que eu quero). Além disso tenho medo de me tornar num fã incondicional da Apple e andar por aí a fazer figura de parvo 😛

  41. Hattori Hanzo says:

    Algo que eu não entendo é a necessidade de denegrir o outro (clube, SO, partido, whatever!) para se afirmar. Quem usa Linux, usa-o porque é o sistema que melhor preenche suas necessidades, certo? Idem para Mc, PC, iOS, android, WebOS, etc. Se o teu sistema é tão bom é questão de tempo para que as pessoas comecem a utiliza-lo, não concordam? Se as pessoas hoje estão inclinadas para os tablets é porque grande parte das pessoas que não utilizam bem um computador consegue faze-lo bem em um tablet. São burras ou incapazes? A maioria não. apenas não tinham tempo, pachorra ou interesse para aprender. Com os tablets essa tarefa ficou facilitada. Eu, por exemplo, não entendo muito de cozinha, mas com esses molhos prontos, receitas da Internet e uns bons utensílios já faço um bom jantar! :). Nunca serei um gourmet, mas acedo a um mundo que era inacessível para mim. Creio que criticar as pessoas ou os sistemas e rotula-los como nabos ou geeks não ajuda a niguém. Usem aquilo que mais lhes dê jeito e não queiram ser doutrinadores. Para isso já basta a Troika!

  42. Serva says:

    João , há muitos tablets com Android , aconselhava-te a esperar por um que já venha com o Android 3.0 , já vi algumas demonstrações mesmo a da Google que fez uma conferencia a cerca de 2 mêses aonde apresentou num nexus esta nova versão do Android , vai ao youtube e faz uma pesquisa vais ficar admirado com a capacidade desta nova versão comparada com a 2.2. ou mesmo 2.3 , de qualquer das formas se não quizeres esperar já existem aí alguns tablets que apesar de virem ainda com o 2,2 ou a 2.3 dão para fazer o upgrade a posteriori , só tens de estar atento se o hardware do tablet é compativel a 100% com esta nova distribuição , ao vivel de processamento e gráfico esta nova versão vai exigir muito mais capacidade de processamento memoria ram etc , mas encontras todas estas infomações no Google .

    Em último caso se quizeres ir para um tablet mais baratinho e que não tenha todas as especificações ideais para correr a 3.0 , sempre podes tentar encontrar uma Rom modificada para o teu equipamento , mas aconselho-te a verificar quais os dispositivos compativeis com estas Roms que até vêm com alguns Tweaks interessantes .

    Cumprimentos

    Serva

  43. aver says:

    Não sei se o link já está nos comentários acima, mas para não ficar só nos EUA:
    . Inglaterra – iPad iOS 0.94%, versus 0.74% para Linux.
    . Canada – iPad iOS 0.91%, versus 0.76% para Linux.
    . Australia, iPad iOS 1.19%, versus 0.66% para Linux.
    . Holanda, iPad iOS 1.16%, versus 0.81% para Linux.

    Que eu saiba, para computadores pessoais o Linux sempre esteve abaixo de 1%, não sei onde é que está a surpresa. Surpresa pode ser o iPad iOS ter atingido essas percentagens num ano e continuar a subir. As percentagens do Linux são ao fim de 20 ano, por isso quem diz que o Linux nunca mais sai da cepa torta nos computadores pessoais acho que tem razão, e não vale a pena dizer que os utilizadores é que são burros, ou que a “indústria” esmagou o Linux. Para servidores e para dispositivos móveis (Android) a “indústria” e os utilizadores souberam muito bem reconhecer as qualidades do Linux.

    http://royal.pingdom.com/2011/04/20/ipad-used-more-than-linux-computers/

    • Pedro says:

      O problema é que o Linux não é para todos, enquanto o iOS e o iPad, Windows, Android é para utilizadores que querem tudo feito se não são burros fazem por isso, basta olhar para os portáteis de hoje já com adobe, java e flash instalado de origem para não dar cabo dos neurónios aos mais sensíveis.Digo isto porquê?? Porque não uso o pc só para consultar sites,facebook, e-mails, jogar, messenger, skype, embora consiga também fazer isto tudo no Linux, o mercado não gosta do Linux porque é grátis e não dá lucro, logo não há publicidade e é um sem-abrigo enfim!!!Mas ainda bem que é assim fiquem com o vosso 99% que eu prefiro ser o 1% mas pelo menos sei o que faz a minha máquina mexer 😛

      • Vítor M. says:

        Acho que mostraste exactamente o qeu querias apontar aos outros. usas Linux (ubuntu aposto) porque não estás orientado. Disseram-te que usar linux era geek e tu, sem rumo, decidiste agarrar essa deixa 😉

        Que parvoíce pensar como tu pensas…

        “Linux não é para todos”… dizes tu… pois é só para quem tem Magalhães.

      • Vasco says:

        “pelo menos sei o que faz a minha máquina mexer” – eletricidade como a minha ;). Eu utilizo GNU/Linux não há muito tempo e, pela minha curta experiência, acho que este SO pode ser utilizado por todos, ainda mais porque é software livre: o software que respeita as nossas liberdades. O GNU/Linux pode ser usado por todos tanto que, na minha opinião, escolas, universidades, câmaras, polícia e todo o Estado o devia usar. Muito dinheiro iria ser poupado com licenças de software e, mais importante, o Estado não estaria dependente de nenhuma empresa para manter o seu software, uma vez que ele seria livre e, portanto, ele mesmo teria acesso ao código fonte e seria ele próprio a manter-lo caso necessário.
        Noto que é vulgar as pessoas esquecerem-se dum ponto, para mim o mais importante: a liberdade que o GNU/Linux dá ao seus utilizadores por ser software livre.

        • aver says:

          Dá bastante liberdade … de ficar a olhar para o ecrã a pensar “Como é que eu agora resolvo isto ? Lá tenho que ir outra vez ao forum … Bolas, não percebi nada … Agora percebi, fiz tudo direitinho e não funcionou … Consegui (ao fim de dois dias), sou um génio da informática”.

          Pensei que o Ubuntu conseguia massificar o Linux, mas também não conseguiu.

          Falta-lhe acessibilidade (facilidade de utilização), que é uma coisa que sobra ao iPad.

          • Paulo Ferreira says:

            Acho que não estás bem dentro do que é actualmente o mundo Linux.
            As dificuldades que referes também ocorrem em sistemas Windows com regularidade (ex: problemas com drivers, programas que não se conseguem desinstalar completamente, etc). A única razão para o Linux não ter vingado no desktop, prende-se somente e exclusivamente com marketing por parte dos fabricantes OEM. Com a Google e o Android, estamos a ver o que poderia ser o Linux se tivesse havido um marketing agressivo. As dificuldades de utilização com o Linux já deixaram de ser uma desculpa à anos.
            No que toca a estares a comparar um dispositivo móvel que, independentemente do que possa oferecer, é sempre limitado, com um sistema operativo para desktop completo, não tem cabimento.
            Sim, o Ipad responde a algumas necessidades, mas não responde a todas. A realidade do utilizador comum é que quer fazer uns downloads da Internet, quer jogar uns jogos (pirateados), umas pesquisas, uns trabalhos numa folha de cálculo ou um processador de texto e pouco mais. Será que o Ipad é a ferramenta ideal para isso? Não! É só uma ferramenta que associada a um PC aumenta a nossa mobilidade e produtividade, sejamos geeks ou não.
            Conheço algumas pessoas que têm Ipads e todas, sem excepção, possuem desktops e/ou laptops.
            Seria uma estatística mais interessante de se apurar, o nº de utilizadores de Tablets (todos sem excepção), que só usam esse dispositivo para o seu uso pessoal diário.
            Esta é a minha opinião pessoal, claro.
            Uma boa semana para todos 🙂

          • Vítor M. says:

            Paulo Ferreira acho estranho a tua afirmação “A única razão para o Linux não ter vingado no desktop, prende-se somente e exclusivamente com marketing por parte dos fabricantes OEM.” então onde anda o SO da Google que já se fala há pelo menos 3 anos nele?

            Será por falta de uma máquina de marketing por trás ou será mesmo porque o SO não interessa às massas?

            Depois deixo-te a mesma recomendação… acho que não estás bem dentro do assunto iPad…

            O consumo de jogos no iPad está a tomar um volume que dificilmente parará por aqui, tanto em qualidade como em preço, o que evita claramente a pirataria.

            Depois a grande maioria dos utilizadores… aí uns 80% (ou mais) são utilizadores de Internet, Mail, Word, Excel, conteúdos multimédia e uma ou outra suite de produtividade… isso com facilidade tens no iPad.

            Estamos a falar em pessoas comuns, estamos a falar em administrativos, advogados, professores, escritores, jornalistas, comerciais e tantas outras áreas de acção.

            Basta ver que muita gente migrou os seus sistemas para os netbooks há poucos anos atrás e já nessa altura muitos “pregadores” diziam que nada substituiria os desktops. Na verdade as suites ajustam-se e olha… empresas como a Autodesk e mesmo a Adobe estão a desenvolver as suas aplicações para iPad…. pior exemplo 😉

        • Paulo Ferreira says:

          Pois, mas estás enganado. Tenho mais contacto com tablets do que possas imaginar (Ipad e não só).
          Reafirmo o meu argumento anteriormente e tenho o Android para provar o que disse. Quanto ao ChromeOS, embora sendo baseado em Linux, a filosofia por detrás é baseada na cloud (algo do qual eu não sou nada adepto) e ainda nem sequer está disponivel na sua versão final, pelo que ainda é cedo para saber o seu impacto.
          Para terminar, achas que um Ipad é um aparelho indicado para fazer um trabalho de 2500 palavras num processador de texto (algo normal para um estudante, por exemplo) ou então, dando o exemplo da Autodesk, achas que é num tablet (ipad ou não) é a ferramenta ideal para se trabalhar, sendo alguém um estudante de arquitectura? E já agora, edição de um pequeno video familiar com uma hora de duração? Será que um tablet consegue ser uma alternativa viável?
          Entende o que disse. Um tablet é uma excelente ferramenta para expandir a nossa capacidade de trabalho, mas fora isso, continua a ter muitas limitações (fisicas e não só).
          Os argumentos que ouço em relação aos tablets são praticamente iguais aos que se faziam em relação aos primeiros PDA’s e no entanto, passado tantos anos, os PDA’s continuam ser uma ferramenta produtiva e não uma alternativa ao desktop.
          É a minha opinião e o tempo dirá quem terá razão ou não 🙂

  44. R o B says:

    e quando navego anonimamente apartir das minhas estações linux, como é que entro para a estatística? Entro como desconhecido ou outros?

  45. serva says:

    Aver , desculpa mas estas enganado , quanto a questão da utilização do Linux , a maoir parte dos users não recorre a foruns como tu pensas , os que recorrem estão a iniciar-se e é normal que necessitem de se familiarizar com o SO , mas hoje se souberes escolher a distribuição certa para ti (porque há centenas delas) , podes ter uma experiencia muito agradavel mesmo , depois eu não quero responder por outrem , mas quanto se diz que ” ao menos sei o que rola na minha maquina ” é mesmo assim , tu es livre de sunstituir a suite de produtividade se não gostas do libreoffice escolhes outra dos repositorios oficias , e isto é valido para todas as outras aplicações , acredita que será dificil encontrares 2 Pcs a correr suponhamos a mesma distribuição e que tenham o mesmo Look , somos nós que personalizamos , é claro que de base vem personalizado de acordo com cada distribuição , mas não há ninguém que não customize o seu So e sem percas de performance como aconteçe no Windows , é este ponto para além das aplicações serem gratuitas que faz do Linux para mim o meu So .

    Agora para quem quer ter tudo pronto tipo comida rápida isso a Apple é a melhor escolha logo seguida da Microsoft .

    A Apple só não tem mais cota de mercado assim como o Linux porque como ambos tem como base o Unix as aplicações comercias não correm nestes sistemas ; têm de ser feitas a medida , e é só por isso que a Microsoft tem os 84% do mercado dos pcs e no ramo empresarial esta cota em bem superior certamente .

    Cumprimentos

    Serva

    • Ppietra says:

      “A Apple só não tem mais cota de mercado assim como o Linux porque como ambos tem como base o Unix as aplicações comercias não correm nestes sistemas”???
      Não creio que conheças muito bem a realidade, pois o que dizes não faz qualquer sentido!!
      Tens centenas de aplicações comerciais no Mac, em quase tudo semelhantes ao Windows. Muito provavelmente encontrarás quase todas as principais aplicações comerciais no Mac – nalgumas áreas não será assim, no entanto. A sua existência ou não, pouco ou nada tem a ver com o facto do Mac ser Unix – quase todas elas não são compatíveis com o ambiente Unix! Não confundas o facto de o Mac ser o Unix com o SDK principal usado! É exactamente o mesmo erro que fazem com o Android vs Linux.

      “e é só por isso que a Microsoft tem os 84% do mercado dos pcs ”
      O Windows domina porque tem a história do seu lado e a Microsoft soube protege-lo e alimentar os programadores… logo no início conseguiu ser o sistema escolhido pelos fabricantes e pelas empresas. A partir desse momento mudar tornou-se quase impossível, há demasiado dinheiro investido na plataforma, e mudar traria poucas vantagens, logo o ciclo continua.
      A única forma de quebrar esse ciclo é o que está a acontecer neste momento com as plataformas móveis. São plataformas novas, em que a Microsoft não tem quase nenhuma vantagem, nem a história do seu lado.
      É por isso que a Microsoft está em contra-relógio a tentar enfiar o Windows nesta nova categoria, mesmo ficando cheio de remendos. A Microsoft sabe que se conseguir isso então terá uma enorme base de apoio e apelará a todo o investimento que as empresas já fizeram no Windows.

  46. CMatomic says:

    O que me interessa se Linux é mais utilizado ou não, eu gosto do Linux e já a muito que o utilizo a muito mesmo , agora utilizo o ubuntu mais vou deixar de utilizar a partir da versão 11.04 pois o unit aquele gnome 3 ao estilo ubuntu é uma coisa esquisita, por isso a versão 10.04 será a minha ultima versão do ubuntu, pois vou passar utilizar o kde com o archlinux não vou dizer se é fácil, não estou preocupado, se vocês utilizem ou não GNU/linux, o linux é para quem gosta de linux e não para utilizadores que querem que o linux seja outra coisa.
    Fiquem com windows ou Mac ou com os mercados , pois eu estou fora dessas contas, sou Livre .

    • pfbatista says:

      és livre e feliz…

      Todos nós estamos contentes com a tua liberdade!! viva o 25 de abril! 😀

      Se fosse no tempo do regime tinhas a PIDE a bater-te à porta 😛

    • Marco Silva says:

      100% de acordo.

      Não diria de melhor forma…

      Mas que é uma pena que a maioria das pessoas não perceba que há mundo para além do Windows, do spyware, dos vírus, do “Microsoft Tax” que têm de pagar a cada 2 anos por uma nova versão do Windows… lá isso é!

      E não falo daqueles que pagam uma pequena fortuna por uma licença do Office, sem saber que há alternativas grátis, como o Libre Office, OpenOffice.org, KOffice, etc. E que correm no próprio Windows/Mac…

      E concordo que os tablets venham a ser o “PC” de muitas pessoas, especialmente daquelas que não percebem ou não ligam à informática e que só querem ver e-mails, navegar na net e pouco mais…

      Cumprimentos.

    • Vítor M. says:

      Eu não uso Linux como SO principal ou mesmo secundário e sou livre. Sou livre porque posso escolher o que melhor me serve, sou livre porque posso inteirar-me de todas as novidades num qualquer sistema operativo, sou livre porque depois de conhecer as alternativas posso e consigo escolher.

      Será que tu és mesmo livre ou por recurso, por ser gratuito, tens de usar Linux?

      Isso é liberdade ou condicionalismo?

      Pensa nisso!

      • Marco Silva says:

        É um direito que lhe assiste. Portugal (ainda) é um país livre, por isso, esteja À vontade. Se prefere usar Windows, ninguém tem nada com isso.

        Agora, também garanto que sou livre, porque utilizei Windows durante muitos anos, também já utilizei Mac OS e, na minha opinião (sublinho, na minha opinião) Linux é a melhor opção. Não o utilizo por constrangimento financeiro, embora não me agrade realmente pagar por um S.O. que considero medíocre, especialmente quando há um muito melhor e gratuito.

        Mas se o Windows a si o satisfaz, ninguém tem nada a ver com isso. Eu posso achar que o Windows é um monte de esterco, mas isso não me dá direito a desrespeitar a sua opção, tal como eu preferir Linux não lhe dá o direito de desrespeitar a minha.

        Não estou a dizer que me esteja a desrespeitar, só estou a salientar o meu ponto de vista.

        Bom Windows para si e bom Linux para mim 😉

        Cumprimentos.

        Como dizia o CMatomic acima, “Fiquem com windows ou Mac ou com os mercados , pois eu estou fora dessas contas, sou Livre”.

        • Vítor M. says:

          Calma 😀

          Não estou a desrespeitar quem quer que seja, estamos só a trocar opiniões.

          Considero que um Utilizador Windows, Mac tão livre ou mais que um utilizador Linux.

          Um utilizador Linux está muito mais ostracisado em termos de desenvolvimento tecnológico que um dos outros, além disso muita gente (e é natural que assim seja) usa Linux porque é de borla, não o usa por ser se sentir preso nos outros.

          Pagar, gerar capital, trocas comerciais é que fazem este mundo rolar… a politica do gratuito, do subsidio do facilitismo é que arruína o mercado seja ele qual for.

          Claro que ao pagar devemos pagar por um produto com garantias, mas quer o Windows, quer Mac OS X dão garantias, basta ver o desenvolvimento destes no mundo actual.

          Agora… quem quer usa, quem não quer não usa mas não tem o direito de dizer mal dos outros, intitulando-se livre.. como se isso fosse verdade!

          Fiquem com Linux que eu prefiro o desenvolvimento de topo com outros SO’s 😉

          • Marco Silva says:

            “Um utilizador Linux está muito mais ostracisado em termos de desenvolvimento tecnológico que um dos outros” – não me sinto ostracizado em nada… faço tudo o que fazia com Windows, com menos problemas…

            “Pagar, gerar capital, trocas comerciais é que fazem este mundo rolar… a politica do gratuito, do subsidio do facilitismo é que arruína o mercado seja ele qual for.” – presumo que voce use algum destes softwares: Firefox, Chrome, Open Office/Libre Office, Gimp, VLC, MPlayer, XBMC, etc., etc.
            Há espaço para o software proprietário, tal como há para o FOSS…

            “Claro que ao pagar devemos pagar por um produto com garantias, mas quer o Windows, quer Mac OS X dão garantias” – cada um gere o seu dinheiro como lhe apetece e só a si lhe diz respeito

            “Agora… quem quer usa, quem não quer não usa mas não tem o direito de dizer mal dos outros, intitulando-se livre.. como se isso fosse verdade!” – Eu não disse mal de ninguém, como sublinhei no meu comentário anterior… mas se eu acho-me livre ao utilizar linux e vocÊ diz-me que não, isso não me parece a melhor forma de respeitar as opiniões alheias…

            “Fiquem com Linux…” – com muito gosto 😀

            “… que eu prefiro o desenvolvimento de topo com outros SO’s ;)” – é um direito que lhe assiste e que eu respeito.

            Cumprimentos e bom Linux/Windows/Mac (cada um risque o que não lhe interessa)

    • CMatomic says:

      fonix, Não estava espera tantas respostas ao meu comentário,mas aqui fica a minha opinião depois de ter lido alguns comentários, isto sim é verdadeira liberdade dar nossa opinião.
      Porque utilizo o linux ?
      Estou habituado a utiliza-lo, e gosto estar testar sempre ultimo software livre como VLCplayer,outros software livres,libbluray,xbmc,mplayer e também gosto compilar programas e resolver os seus problemas ate criei um ppa para o ubuntu https://launchpad.net/~cmatomic ,ajudar o novatos em linux com explicações simples.
      Utilizo o linux por ser gratuito ?
      Não,ate compro software para linux e como também pago por versões de sistemas GNU/Linux como foi o Caso do SUSE, caixa Magica 12 que deixei de utilizar pois como gosto ter a ultimas novidades em software livre que outras distros podiam dar melhor oferta, outro como os fluendo codecs, jogos como o Enemy Territory: Quake Wars que tem uma versão nativa para linux, e também já contribui financeiramente para projectos como kaffeine.
      Porque não utilizo o Windows?
      Porque não sinto livre modificar o sistema como eu quero e para mim é difícil de entender o sistema windows do que um GNU/Linux, já crie versões minhas próprias versões como eu quero que funcione e partilhei com outros.
      E é minha liberdade se quiser pago se não , não pago, e tudo sem recorrer a software pirata.
      Para mim é indiferente se GNU/linux tem mais mercado ou não, mas sei muita gente utiliza o linux não como sistema operativo, mas como kernel no seu sistema electrónico.
      Por isso quando se conhece o linux como sistema operativo ou kernel o nosso conhecimento tem área de liberdade.

      • Paulo Ferreira says:

        Como diz o outro: “mai nada!!”

        Subscrevo inteiramente as tuas palavras!

        • aver says:

          … “mai nada” quer dizer que o Linux não passa do 1%. Um aqui, outro ali, gosta do Linux, por isto ou por aquilo, e pronto.

          Isto é uma questão de filosofia no desenvolvimento dos produtos, ou se põe a facilidade de utilização (acessibilidade) acima de tudo ou se c*ga nisso e se cria um produto com uma curva de aprendizagem acentuada (em tempo e esforço) para o dominar minimamente e saber resolver problemas.

          Quem pôs a acessibilidade acima de tudo foi sem dúvida a Apple com o iPad. Estou hoje convencido que o iPad não tem uma porta USB (nem aceita cartões de memória flash, que até é uma coisa que muita gente está habituada das máquinas fotográficas) para poder ser utilizado por toda a gente. Não é preciso saber nada de informática. Acho que é verdadeira a frase atribuída a Steve Jobs “Se for preciso um «stylus» para o iPad fracassámos” (por acaso patentearam agora um mas tem uns truques com acelerómetro/giroscópio).

          Tenho que dizer que o Windows 7, ressalvadas as diferenças e não sendo isento de chatices, seguiu pelo mesmo caminho. Nesta altura tenho mais problemas com uma tecla (on/off) do portátil do que com o Windows.

          Quanto ao Linux (conheço razoavelmente o Ubuntu) quem começar a lidar com ele, apesar de estar certamente mais fácil do que há uns anos, tem a curva de aprendizagem que referi acima “Como é que eu agora resolvo isto ?” .

          Ninguém, penso eu de que, põe em causa que cada um goste do Linux. Era o que faltava. Sem nenhuma dúvida eu gostava mais do XP e de lhe mexer e personalizar do que no Windows 7, de que nem preciso, praticamente, de lhe mexer. Mas não é isso que está em causa. É a facilidade de utilização.

          Agora, fala-se em Linux e as respostas são “Eu gosto e estou-me cag*ndo para o resto” ou “O Governo devia usar o Linux nos serviços públicos”, é uma conversa que não leva a lado nenhum, nem chega aos 1%.

          • Paulo Ferreira says:

            Para começar, ninguém se está a cag*r para ninguém! Como o CMatomic disse, optámos pelo Linux por termos uma maneira de ver um sistema operativo um pouco diferente da grande maioria dos users. Se somos 1% ou mais, paciência. Agora que somos uma comunidade que se entreajuda, disso não tenho dúvidas.

            Só para terminar, tenho acesso maquinas com SunOS, OSX, Windows, *BSD, Linux e para meu uso pessoal, optei pelo Linux…foi uma escolha pessoal, tal como ser do Sporting 🙂

            Ninguém é perfeito 🙂

  47. hippie says:

    Mais uma vez acontece que as pessoas estão mais interessadas em dizer “eu tenho razão” em vez de “deixa lá ouvir pq é que xpto gosta deste so ou outro”, o que a meu ver traria mais conhecimentos a todos, pois coisas boas e menos boas há nos 3.
    Que uses linux ou ios ou win acho que cada um é livre de escolher o que mais gosta (ou aquele que melhor faz o que se lhe pede).
    Eu uso só linux há 3 anos e, sem ser jogar, o janelas de nada me serve.
    Positivo seria as comunidades ou centros de interesse comunicarem da mesma forma que o meu mac e win e linux comunicam … partilho e está a andar …
    Abs.

  48. Cap says:

    Tantos comentários!!
    Só queria dizer que estou a ler a partir do iPad e ao contrário de muita gente eu já esperava por ele há muitos anos. O iPad é algo que imaginei e que se materializou. Um sonho geei realizado pelo tio jobs. Obrigadinho pá.

  49. Thundersun says:

    Não entendo o porquê do pessoal em geral temer o direito a diferença e sua afirmação de convicção que software livre é de má qualidade para meia dúzia de gatos pingados … Quando 80% dos servidores mundiais são linux … Gnu Linux eventualmente é dos SO’s mais desfragmentados apenas por haver mais de 100 distribuições diferentes … Mas na realidade é de software de alta qualidade e que respeita de verdade seus utilizadores … Gostaria de ver quantos de vós aqui entre ir parar a prisão ou pagar uma multa astronómica insistiría em usar um windows adulterado ou um hachintosh em vez de usar Gnu Linux ? E quanto de vós têm conhecimento sobre licenças de Freeware , Shareware , Open Source , Privativo , Software Livre e por aí fora … Quase que aposto que a maioria aqui nunca leu nenhuma das licenças do software que está usando e suas políticas e os males em que incorre … Nenhuma empresa seja qual ela for têm o direito de se sobrepor a uma nação ou a um individuo porque esta é popular … Amigos leiam , informem-se e depois decidam se querem ser privado de vossa liberdade e o que estão ou não dispostos a ceder de vossa liberdade … E para vossa informação por Gnu Linux ser software Livre n
    ao significa imperativamente livre de custo e sim software livre que respeita seus utilizadores … Só mais uma achega Ubuntu é uma distro Gnu Linux muito popular por vários factores senão a mais usada e conta com 10 milhões de utilizadores mundialmente e a cannonical que o produz factura 4 milhões de euros de lucro anual com o ubuntu …
    E se mais ainda não se faz é porque o Zé povinho que realmente detêm poder de mudança e que poderia ditar têm medo de mudar e prefere ser roubado descaradamente por bill gates e steve jobs e companhia limitada e ainda ser escravo destes senhores feudais … Por fim todo o ser têm o direito a liberdade até a liberdade de escolher ser extorquido e de se tornar escravo e depois arcar com as custas de suas decisões quando estas lhe baterem a porta devido a suas decisões e acções sejas quais elas forem …

  50. Acácio Bernardo says:

    @Thundersun concordo consigo sobre a liberdade de escolha. Penso que esta estatística está apenas a medir a navegação web, ou seja, acesso ao porto 80. Eventualmente alguns webservices que o ipad consome. Mas sobre o mundo do sofware em geral tem razão, é muito maior do que apenas aquilo que o utilizador final vê.
    Agora o que o Ubuntu conseguiu foi ter um momentum de popularidade quando o o Vista se mostrou pesado e quebrou com a compatibilidade que os utilizadores de windows estavam habituados, o que criou alguns desconfortos. Na minha opinião, o ubuntu foi a distribuição escolhida (E o Mint) porque de todas era a mais user friendly, como o próprio nome indica (humanidade para todos). Não percebo porque é que a comunidade linux não aposta mais nisso. Sei que nessa altura o projecto Beryl era um grande chamariz, mas é preciso ter atenção ao pormenor.
    Numa frase: O utilizador não quer saber da linha de comando, nem quer perceber como o sistema funciona, nem se é livre, seja lá o que isso quer dizer e muito menos ler disclaimers. O utilizador é um profissional e quer executar tarefas em que o PC é apenas uma ferramenta. Seja um médico, um professor, um escritor, um contabilista, ou mesmo um leitor, só que é chegar rápido a informação, fazer o seu trabalho e desligar o computador de seguida. É isto que me parece que faltam alternativas. É por isso que o iPad deu uma resposta clara que mais nenhum dispositivo conseguiu até agora. Vamos lá ver.. adorava que houvesse ainda mais concorrência e alternativas “livres”.

    Já agora pode esclarecer o que quer dizer com ” Mas na realidade é de software de alta qualidade e que respeita de verdade seus utilizadores”. Em que momento o software pago não respeita o utilizador?

    • Fernando Macedo says:

      Santa ignorância. A Apple colhia informações GPS sem informar o utilizador e sem dar como desactivar, não importa porque razão isso acontecia, o que importa é que alguém podia aproveitar-se para recolher essas informações (se é que não houve quem o fizesse). O Android colhe mas avisa na primeira vez o utilizador e diz como desactivar essa opção. Sei do que falo pois tenho um tablet com Android.
      Não precisas vir aqui defender a Apple e ainda por cima com falsos argumentos.

      • Acácio Bernardo says:

        Não estou a defender a Apple, mas também há um exagero quando se diz que alguém podia aproveitar essa informação. Pelo que percebi não estava acessível as outras apps, porque elas correm dentro de uma sandbox, e só o próprio utilizador poderia aceder e mesmo assim acho era preciso fazer jailbreak..
        O Android pede autorização uma primeira vez, as apps no IOS são obrigadas a pedir sempre que precisam da posição GPS, sempre.

        Não sou contra o Android, só que vejo que há sempre um certo exagero nas acusações a empresa que está à frente. Nesse sentido, já alguém dizia, no que toca a levar com os ódios todos, a apple é a nova microsoft.

  51. Thundersun says:

    É muito simples com uma pergunta vos quis deixar a curiosidade aguçada afim de procurarem a verdade encoberta entre os vários tipos de licenças de software que existe e depois tirarem vós as vossas conclusões sobre a verdade do software … E sendo sincero só software livre (código fonte livre) está a respeitar a privacidade os direitos e a liberdade dos utilizadores pois apenas controlam os relatórios de erros (reportes de bugs) afim de melhorar o mesmo e por norma sanam esses bugs num espaço muito curto de tempo … Enquanto em software de outra natureza somos controlados muns mais noutros menos com fins de markthing ferossissímo que a todo nos fazem perfil psicologico pelo que visitamos com permissão e ferramentas ocultas nos sistemas operativos e software proprietário que usamos e mesmo no freeware e shareware e ainda encorremos em crimes praticados sobre nós dos quais a maioria de nós desconhece por falta de se informar … Quantos de vós não recebem emails que nunca solicitarem por causa de programas como o skype que vende ilegalmente nossos endereços de email por exemplo … Ou o microsoft que a todo o momento querendo nós visualiza de forma oculta por nossas webcams e rasteia como usamos nossos pc’s não para melhorar nossas vidas mas,para saber como nós limitar e escravizar ao software a preço de diamante que nos quer vender que nunca chega a ser nosso apenas temos permissão para usar por tempo limitado e que depois somos deixados com uma mão a frente outra atrás ao fim de algum tempo ou então toca a inchar mais uma fortuna para estar seguro porque o suporte terminou … Ou a apple que até base de dados nossos faz sem nosso conhecimento ou consentimento a fim de tentar evoluir seu software e sei lá com que mais intuitos … Isto é apenas a ponta do véu … Querem saber mais mexam na (adrem)<-leiam ao contrário ,que quanto mais lhe mexem mais cheira a rosas … E em software livre infelizmente ainda existe alguns programas com licenças não livre que têm seu maleficios mas,também já há distros completamente livres … Imagina só o que seria as nações todas do mumdo ficarem reféns da microsoft por causa esta ser espiã para EUA? Bem fazem os chineses que estão a criar seu próprio Linux e sua própria internet e intranet … Precisa mais ? Informa-te amigo …

  52. Acácio Bernardo says:

    Compreendo essas preocupações. Defendo que o o sofware livre tem sucesso quando toca a criar ferramentas empresariais, porque não se podem correr risco, mas também porque há dinheiro para pagar a técnicos especializados que consigam trabalhar com as ferramentas opensouce, que são muitas vezes mais dificieis, porque evoluem mais rápido, mas por isso mesmo têm mais bugs, já que contam com a boa vontade de alguém que pode não existir para corrigir este ou aquele bug. Isso acontece com muitas ferramente e API’s que usamos no dia a dia.
    No que toca aos produtos finais como o Linux, teria que evoluir muito (como está a acontecer com o android) para poder ser digerido por pessoa não teckies. Por exemplo, vês a tua avó a mexer no linux? E no iPad? e uma criança de 3 anos? Pois é.. é aí que esta notícia toca.. é só nesse ponto.. no resto são preocupações legitimas, embora não será tanto como dizes, pelo menos por enquanto; por exemplo, o caso recente da Apple que tinha nos iphones um ficheiro com o histórico das localizações. Foi feroz e rapidamente acusados, porquê? Porque são alvos apetecíveis, visto estarem neste momento a fazer milhões €. No final, soube-se que não estavam a ler essa informação, era apenas para ajudar o GPS a iniciais mais rápido e ainda por cima, o Android que é mais “livre”, afinal esse sim estava a ler a localização das pessoas sem elas saberem.

    Além disso, há outra coisa: É quase impossível apanhar um virus num sistema fechado. Já num sistema aberto, como o android, é muito frequente ler notícias sobre isso.

    A vantagem do sistema fechado é que tem que não se instala nada que não tenha sido auditado.

    No final, as empresas só têm poder até onde os consumidores deixarem, porque se eu quiser, posso desligar e vender o iPad e ligar outra ver o PC com o Linux instalado.

    Enquanto houver concorrência pelo menos estamos melhor protegidos num sistema fechado. Não permite explorer e ser “livre”, mas esse nunca foi o objectivo de quem quer ir a net ver o facebook e o twitter..

    • Paulo Ferreira says:

      Acácio, a minha filha de 10 anos usa Linux, o meu pai de 71 anos usa linux, o meu filho com 5 anos…arranca o rato do PC, mas este é “especial” :).
      Qual é a sua utilização? Ver sites, consultar o e-mail e trabalhar num ou outro documento.

      Em qualquer dos casos que referi, são sistemas onde foi instalar e esquecer, tirando o caso da minha pequena onde monitorizo o software de controle parental. Para ser sincero, são mais os meus amigos com Windows que me consultam quando tẽm dúvidas/problemas.

      Não sei onde é que foste buscar a ideia que um sistema opensource possue mais bugs que um sistema fechado. O tempo que demora a a sair uma correcção para um bug critico num projecto opensource pode-se medir em horas ou, no pior dos casos, dias (atenção que eu disse “critico”).
      Concordo contigo quando dizes que os projectos opensource evoluem rapidamente, mas isso deve-se muito ao feedback da comunidade, que por natureza, é mais atenta e participativa.

      “Além disso, há outra coisa: É quase impossível apanhar um virus num sistema fechado. Já num sistema aberto, como o android, é muito frequente ler notícias sobre isso.”

      Olha, o MS Windows é um projecto completamente fechado, e tem vírus, montes deles, paletes. O Symbian também, e era o que a gente sabe.

      “A vantagem do sistema fechado é que tem que não se instala nada que não tenha sido auditado. ”

      Auditado por quem? De que forma? Seguindo que parâmetros? Com que objectivos? Quem te garante que o que lá está dentro defende a tua privacidade? A empresa que fez o software!!E isso vale o que vale.

      “security by obscurity” no respeita a software trás mais desvantagens que vantagens, para o consumidor e não só. Mas sim, para a parte comercial, é o melhor método (…ou não!)

      • Acácio Bernardo says:

        Caro Paulo, ainda bem que tua filha de 10 anos usa Linux e também o teu pai de 71 anos. Estão dentro dos 0,71% da estatística deste artigo. De facto, não são utilizadores típicos, e cheira-me se é assim ouve aí influência de alguem que lhes instalou e mostrou como era possível usar. Alguém que defende o Linux em blogs 🙂

        É verdade que há muitos virus para o windows, mas sabemos que não é por ser fechado e não ser open source. Deve-se a dois factos:
        – É o sistema mais apetecível de fazer virus, porque é onde estão os utilizadores (82%).
        – É muito facil instalar um programa no windows sem que o utilizador saiba.

        Quando falava de sistema fechado referia-me ao sistema que a Apple criou em que, excepto faças jailbreak, não é possível instalar aplicações que não sejam verificadas e de certeza muitas foram rejeitadas porque precisamente não respeitavam a privacidade dos dados do utilizador.

        Não digo que seja o sistema perfeito, mas é neste momento o que dá uma experiência mais amigável, intuitiva e também é garantido que num iPad é quase impossível apanhar virus, venham eles por wifi, mail ou browser.

        A ideia que um sistema opensource possue mais bugs:
        Simples, uso o eclipse todos os dias, não sei se conheces, é a ferramenta mais usada no mundo para programar. E aquilo tem em quantidade o que outras soluções, têm em qualidade. Mas o mundo empresarial, como digo, até compreendo que não se reje pela qualidade, porque somos pagos (e bem) para levar com todos os bugs e usar as ferramentas que fazem muito, mas que é preciso estudar muito e não estou a exagerar, para as saber usar. Aliás estou a preparar uma formação só para poder usar algumas dessas ferramentas para ajudar os meus colegas.
        Concordo quando questionas:
        “Auditado por quem? De que forma? Seguindo que parâmetros? Com que objectivos?”
        É verdade, os clientes fazem essas perguntas e a pressão do lado a Apple é enorme, por isso aqui por enquanto tem havido um bom senso que está no equilibrio entre o que eles querem e o que nós queremos. Exemplo:
        Abdico de algum anonimato se faço pesquisas no google, estou a fornecer informação a uma empresa sobre o meu perfil, em troca recebo publicidade que me é direccionada e com mais probabilidade que me desperte a atenção. Não é um simbiose mas anda lá perto..

        • Fernando Macedo says:

          loool. És favor de não dar liberdade nem livre arbítrio ao utilizador?
          É isso que a Apple faz.
          Claro que dar o livre arbítrio às pessoas tem os seus riscos, mas por ter riscos devemos restringir a liberdade das pessoas ou decidir o que é melhor por elas? Eu acho que não.

          Se a Microsoft fizesse o que a Apple faz podes ter certeza que muitas vozes se levantariam, mas como é a Apple e tem uns telemóveis inbonecados e um brinquedo da moda(o IPAD 1) as pessoas passam um pano em cima porque é “in”. Falta muita coisa ao IPAD. Tenho um tablet android, dual core, ecrã transreflectivo, processador gráfico TEGRA, 1 GB de memória RAM, 8 GB de disco + um microSD de 32GB , saída HDMI, duas saídas USB e 1 micro-usb, slot para microSD Card, câmara, Widgets, multitarefa, suporte FLASH, milhares de aplicações gratuitas (só tenho que ver publicidade minúscula que mal consigo dar por ela enquanto as uso).
          Enganaste ao dizer que o IPAD avisava, os dados eram gravados no aparelho, quanto ao roubar informação dum IPHONE era simples, o sistema operativo é igual no IPAD, basta procurares notícias de actores a quem foram roubados fotografias do seu IPHONE, sem ninguém lhes tocar ou terem Jailbreak.

          Uma coisa tenho que admitir, a Apple faz aquilo que as pessoas que pouco percebem de sistemas e tecnologia querem, algo que eles tenham que perceber pouco e intuitivo para utilizar e que seja BONITO. E isso o IPHONE e o IPAD tem aos montes.

          • Acácio Bernardo says:

            Sou a favor de dar liberdade nem livre arbítrio ao utilizador.
            Explico porque não sou a favor de dar liberdade nem livre arbítrio ao programador.

            A programação é um acto de construção que em muitos aspectos podemos fazer a analogia com a construção civil.

            Todos podemos aprender a construir uma casa. Podemos aprender a construir com vários materiais e técnicas diferentes.
            O que acontece nos sistemas abertos e todos sabemos é que há muitos programas que não têm qualidade, ou causam instabilidades, ou têm virus, etc.

            O que apple criou com o sistema fechado do IOS foi algo completamente revolucionário: Vamos fazer um eficício, mas todos os que quiserem podem construir um apartamento, só que têm que usar as mesmas técnicas de construção, o mesmo material e só podem costumizar o interior desse apartamento. Por outro lado, nós asseguramos que quem cumprir com as regras, tem direito a incluir o seu apartamento, e nele asseguramos que irá ter água, electricidade, gas, tudo sem falhas. Os inquilinos que forem viver para lá vão agradecer, porque não vão ter que instalar extintores em todas as divisões (anti-virus), nem vão ter problemas da fechadura de casa um dia funcionar e ao outro não.

            No prédio ao lado, é o caos, todos adoram porque não pagaram e têm muita gente a desenrascar problemas de borla uns aos outros, mas essas pessoas estão mais focadas em defender as qualidades da sua casa do que em viver e dar atenção à familia, aos quadros que vão por na parede, etc.

            Ou seja, o primeiro grupo não quer saber como é que os construtores fizerem, se foi sobre regras restritas ou não, só querem é que funcione.

            O mesmo se aplica a construção automóvel e a todos os sectores.

            Quanto a descrição do teu android, enfim.. já fui assim como tu, mas agora estou-me borrifando para a quantidade de memória ou mhz, agora quero é que seja rápido e a bateria dure muito, se o software permitir isso com um processador daqueles de há 10 anos atrás, quero lá saber..

        • Paulo Ferreira says:

          Acácio, peço desculpa pois estava a ler o teu post num contexto completamente diferente 🙂

          Sim, realmente a minha pequena e o meu pai enveredaram pelo Linux porque eu os incentivei, mas ao nível de formação não foi preciso nada mais do que teria que ter com outro sistema 🙂

          Quanto ao resto do teu post, concordo parcialmente contigo.

          Quanto à segurança dos produtos Apple, cumprem com o prometido, mas estão muito longe de serem produtos seguros. Mas com o tempo vamos começar a ter essa percepção, embora seja um fenómeno que se vai estender ao mundo dos smartphones e tablets em geral, e não só aos produtos Apple.

          Por fim, quando referes o facto de abdicares de privacidade ao fazeres uma pesquisa no google, estás a fazê-lo conscientemente, da mesma forma que eu, ao colocar este post, estou a facultar muita informação pessoal a quem administre este sistema. O problema é quando as aplicações actuam de forma “oculta” e nada transparente para que determinada empresa/entidade/pessoa tire proveito de uma situação. Como é que auditas isso? Será que se deve confiar numa empresa a esse ponto?

          A situação que se passou do GPS do Iphone é um exemplo, porque apesar de a Apple garantir por A + B que era o resultado de um bug no software que impedia que os registos fossem apagados, a realidade é que os produtos da Apple são sujeitos (será?) a uma analise profunda antes de serem lançados no mercado, o que deveria reduzir a probabilidade de um bug desta dimensão passasse sem ser detectado. A realidade é que passou (bug ou feature), e constituía uma quebra de segurança até um determinado nível. Se o iOS fosse um projecto opensource, a probabilidade deste bug passar despercebido seria quase nula, para não dizer impossível.

          Só defendo uma defesa por ocultação quando se está a falar de segurança física, onde um certo conjunto de procedimentos e dispositivos garantem a segurança física de algo e/ou alguém (ex: datacenters, bancos, bases militares, etc…). E mesmo neste caso, quando existe uma fuga, a vantagem passa logo para o outro lado.

          Não sei se me consegui explicar bem 🙂

          Abraço

  53. Thundersun says:

    Acordem de uma vez por todas em software livre (Gnu Linux) existe transparência não precisas ser técnico nem especializado para saberes o que um programa te está a fazer pois podes ver seu comportamento devido a teres acesso ao seu código fonte , basta seres atento e curioso , quanto a software privativo não sabes nem nuca saberás o que vai nas suas entranhas mais leves quanto mais nas mais profundas e a verdade é que se usas fazes parte do Big Brother quer acredites ou não … Pois são usados como armas de markthing , espionagem , controlo , manipulação e escravização …
    Eu noto muito bem as diferenças no meu windows 7 sou bombardeado com spam até mais não no meu ubuntu todo o spam nas mesmas ditas contas de email morre , pura e simplesmente não chega até mim e se algum dia chegar novo spam reporto e morre ali nunca mais volto a receber e no windows torno a reecber …. Porque será?!… Porque querem vender aos escravos e vale tudo …. Acordem …

  54. Acácio Bernardo says:

    “não precisas ser técnico nem especializado para saberes o que um programa te está a fazer pois podes ver seu comportamento devido a teres acesso ao seu código fonte , basta seres atento e curioso”

    Esta é boa. Achas mesmo que 99,9% dos utilizadores querem olhar o código fonte? Os computadores não vieram para isto, vieram para nos ajudar a escrever uns aos outros, para ajudarem a melhorar o mundo, nos campos da ciência, medicina, arte e até entretenimento. Não é para andarmos a recompilar o kernel.
    É irrealista pedir as pessoas que façam comandos do género sudo apt-get update.. a resposta é logo : qué???

    Continuo a achar que o open source é mais seguro, por isso é a melhor escolha no mundo empresarial (banca, seguros).

    Mas a razão pela qual há menos virus no linux é a mesma porque há menos virus no mac, é pela baixa percentagem de alvos que aí se encontram. Aliás, é muito mais fácil fazer um virus para um programa opensource, até porque temos o código fonte. Também é mais facil depois alguém corrigir essa falha.

    No caso de um sistema fechados é diferente. No IOS é quase impossível entrar, porque não é possível instalar nada que não seja verificado e auditado. Tens outro exemplo de sistemas fechas: todas as consolas. os DVD’s, os computadores de bordo dos automóveis e muitos sistemas de domótica.

    Não defendo que o mundo seja todo opensource ou fechado. Apenas ambos têm o seu lugar.

    No que toca ao utilizador final, estamos a ver pela estatística deste artigo, que claramente o caminho é dar as pessoas o que elas querem: um passeio no parque, com aspecto bonito, mas também que tenha coerência visual e sobretudo não é só por bonecada no ecrã.
    O importante, é que tenha uma correspondência com o mundo real, com o mundo físico. E isso faça sentido para as pessoas, é isso que o torna intuitivo e agradável.

    Depois em relação a receber spam, daí até à escravatura, não sei se sabes o que é escravatura, mas vai uma longa distância.

    • Paulo Ferreira says:

      Um utilizador pode não perceber de programação, mas existem outros que percebem, e o facto de qualquer um poder aceder ao código fonte, só por si, já é um dissuasor bastante poderoso.

      “No IOS é quase impossível entrar” > Mas podes fazer “jailbreak” e isso prova exactamente o contrário. Imgina um worm que faça isso remotamente, através de outra falha de segurança ainda por descobrir? Isto parece impossivel, mas será mesmo? A capacidade e a imaginação da comunidade hacker já nos surpreendeu imensas vezes.

      No que toca a informática/código, “impossivel”, “impenetrável” e “seguro” são palavras que não existem!

  55. Thundersun says:

    Vamos lá ver bem amigos vós estais mal informados um vírus em GNU Linux ou em Mac Osx que ambos são descendentes de Unix e devido a natureza da arquitectura de ambos estes sistemas um vírus feito para estes sistemas só se torna realmente perigoso se houver uma falha grave no kernel destes sistemas e o mesmo ser feito para tirar partido dessa mesma falha para então entrar na maquina como Root (Super Utilizador) caso contrário esquece lá isso amigo pois os vírus nestes sistemas são praticamente inofensivos e após reiniciares a a maquina bum! o vírus morreu porque não consegui aceder como root logo não infectou o kernel não obteve sucesso para ter permissão para se espalhar pela máquina e infectar de verdade … Sim é verdade porque foram construídos assim ? Sim justamente para os tornar auto imunes … É falível e em que grau ? Sim é falível,podes crakar o sistema e usar em beneficio próprio mas quanto a vírus realmente perigosos a infectar o sistema esquece lá isso pois é praticamente impossível,a não ser que seja escrito com base em alguma falha no kernel… Em 20 anos de Gnu Linux isso acontece uma vez na vida deste e foi há pouco tempo , quando o Ubuntu estava na LTS 10.04 e falha essa que permitia a pessoa mal intencionada apenas em todas as distro de Gnu Linux a 64 bits serem atacadas atráves da maneira como viam os ficheiros de 32 bits por recto compatibilidade se logarem como root e deixar uma backdoor para futuras entradas na mesma alturas as distro 32 bits eram imunes a tal mal pois só afectava as a 64 bits em menos de uma semana foi sanado o problema como é habitual nestes sistemas linux que leva horas por norma no pior caso alguns dias e têm seus bugs reparados … Em 20 anos de existência uma falha grave não é nada comparado com o Windows …
    E Gnu Linux para o User final que nada percebe de “pc’s e os” é igual continua a perceber o mesmo ou seja nada … Mas a verdade é que sem perceber consegue e usar e fazer explicitamente as mesmas coisas em ambos os sistemas apenas quando estes são novidade levam um pouquinho mais para fixar e entender onde estão as coisas de resto não t~em mais dificuldades amigos … E eu tenho visto isso por experiência pessoal pois tenho ensinado imensa gente sobre Gnu Linux e que passado um curto tempo o adoptam e não querem outra coisa … Não vejo quais sejam as desculpas , ou ate vejo mas,não quero acreditar … Windows e Mac fum boys estilo e elegância já prontos sem mexeres uma palha isso é que parece conquistar as pessoas por ser visualmente apelativo mas, tenho uma novidade também é possível fazer isso em Gnu Linux …

  56. Augusto Júnior says:

    Não acredito. Essa pesquisa talvez tenha sido na Europa mesmo. Pois no restante do mundo subdesenvolvido e em desenvolvimento o PC com Windows (piratão, na maior parte) ainda é mais utilizado. O Linux talvez em segundo, pois esses equipamentos como o iPad ainda são muito caros por aqui.

    Augusto Júnior teclando do Brasil! Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.