Hacker português suspeito de roubar 400 mil euros


Destaques PPLWARE

28 Respostas

  1. Amilcar Alho says:

    Burro!
    Para passar incólume a estas situações tem de ser de 5 milhões para cima!
    Vejam os “Sócrates”, “Salgados”, “Oliveiras Costas”, “Cavacos”, …

  2. Zed Mendes says:

    ladrão que rouba a ladrão…

  3. Hugo Gomes says:

    Ladrao que rouba ladrao tem 100 anos de perdao

  4. Rui says:

    Bolas entao nao soube fazer as coisas bem só 400 mil, para mim já chegava para andar de cabeça erguida. è sempre o mesmo só roubou 400 mil se tivesse roubado 400 milhoes a historia era outra.

  5. Alvega says:

    “hacker português suspeito de roubar 400 mil euros de instituições bancárias”, pese embora eu e a generalidade do pessoal, deteste,Bancos,Banqueiros e alguns Bancários, nao está certo. A julgar pelos posts anteriores, existe uma certa condescendência, pelo Hacker, mas está errado. Nao é pelos 400k, nem pelo alvo “banco”, mas sim pela fragilidade de um sistema que se quer BLINDADO e SEGURO: lembro que é já preconizado por muitos que a médio \ curto prazo, o dinheiro tal como o conhecemos vai ACABAR, tudo será resumido a zeros e uns. Comodidade, controlo de capitais, fuga aos impostos, SEGURANÇA, sao entre outras as premissas para levar avante esta nova REVOLUÇÃO, e como querem que eu acredite se um tipo qualquer entra nas contas de um Banco e saca “guito” como dá cá aquela palha !! Onde estao os paladinos \ propagandistas, da SEGURANÇA, que costumam Postar \ comentar aqui no Blog ?

  6. bill says:

    só espero que tenha roubado ao filhosde…. dos politicos corruptos e banqueiros

  7. JJ says:

    Uns 2, 3 anos na prisão… e depois fica com trabalho garantido na secção de crimes informáticos da PJ.

  8. Expect Us says:

    Well done, pena ter sido descoberto.
    We do not forgive,
    we do not forget,
    we are anonymous,
    Expect us.

  9. Joao 2348 says:

    E para quando uma segurança a sério nos bancos, no estado e tudo o mais?
    É que parece demasiado fácil fazer-se passar por terceiros ainda hoje em dia. E depois são capazes de andar décadas a chatear alguém porque algum malvado andou a burlar o sistema.
    Isto deveria ser feito de tal maneira que fosse proibido ficar associado a o que quer que seja se não fosse tipo certificado por dois notários diferentes em locais e dias diferentes, tudo bem filmado e com som… impressões digitais e tudo o mais, para não ser nada fácil de qualquer artista passar-se por terceiros, e se o fizer para ser relativamente fácil desmascarar a situação e deixar os verdadeiros, mas que nada têm haver com a situação, incólumes.

    • luislelis says:

      E logo a seguir vais te queixar da falta de privacidade?

      • Joao 2348 says:

        A queixa é clara: actualmente é fácil, a qualquer um com coragem para isso, falsificar contractos e documentos, por vezes com a colaboração directa do vendedor do bem/ serviço, podendo até nem existir qualquer bem ou serviço e ser tudo inventado.
        Geralmente cabe sempre a quem é o acusado provar que não teve nada haver com tal, quando deveria ser quem acusa que deveria ter não só provas, mas sim provas sólidas e realmente credíveis de que a pessoa realmente adquiriu determinado bem/ serviço, sabia das condições correctas e aceitou-as de livre e espontânea vontade. Daí a tal sugestão de dois notários diferentes em locais diferentes e de tal ser ainda registado em vídeo e voz para reduzir ainda mais as chances para falsificações.
        Porque basta arranjar uma fotocopia do BI ou Cartão de Cidadão que é pedido um pouco por todo o lado ainda hoje em dia, e falsificar a assinatura num documento qualquer e agora provem lá que não foram vocês… se calhar às vezes nem precisam de fotocópia nenhuma, basta terem o papel assinado e testemunhas falsas (por exemplo os burlões envolvidos).
        A privacidade é importante, e é possível obter a mesma com o sigilo profissional e alguns outros procedimentos técnicos nos casos em que sugiro que deve existir as tais provas sólidas.
        E claro que para tudo o resto que não implique possibilidade de a pessoa ser processada normalmente, tipo: pré-pagamentos ou pagamentos contra-entrega (nos casos em que as empresas já têm o artigo de forma natural como parte do seu negócio) poderia continuar a ser como é agora. Agora contractos de prestação de serviços onde é mais fácil de existir fraudes deveria ser sempre obrigatório tal.

  10. Nuno Santos says:

    Agora todos sao hackers e tal xd. Hacker que é hacker nao diz que o é. É tudo muito giro copiar nomes/nicks e dizeres depois queixam-se

  11. Homo Erectíssimo says:

    Foge,que isto são umas atrás de outras… É impressionante !! 🙁

  12. Rui says:

    Bem e pelos 400K, porque eles ficam com milhões e nada ou pouco lhes acontece e mesmo que vão para a prisão com as reformas que obtiveram e o que amealharam estão muito acima de todos nós.
    Roubar é mau mas nos meio desta idiotice toda acho que aqueles que roubam para comer ou sobreviver não os consigo condenar.

  13. Rui says:

    Bem e pelos 400K, porque eles ficam com milhões e nada ou pouco lhes acontece e mesmo que vão para a prisão com as reformas que obtiveram e o que amealharam estão muito acima de todos nós.
    Roubar é mau mas nos meio desta idiotice toda acho que aqueles que roubam para comer ou sobreviver não os consigo condenar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.