Quantcast
PplWare Mobile

Discord também baniu servidor de comunidade pró-Trump

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Asdrúbal says:

    Isto é um perigo para a Liberdade!

    Eu compreendo que todos nós (os que temos juízo) condenamos estas atitudes de violência e achamos bem estes bloqueios a favor da democracia e da ordem pública.

    No entanto, também vejo estas atitudes como uma censura por parte de privados à liberdade de expressão e que abre um precedente muito perigoso.

    Hoje concordamos com eles, e amanhã?
    Será que vão aplicar a mesma regra a algo com que não concordamos?
    Será que nos vão ocultar outras “coisas”?
    Será que vão passar a filtrar informação que “eles” achem que deva ser filtrada?

    Não sei… mas sei que abre um precedente muito grave, ai isso abre.

    • Daniel says:

      Até concordaria contigo se fosse há uma semana, mas deixámos de hipotéticos para o concreto: há incitamento ao crime, há discurso de ódio. Na Europa isso é crime, nos EUA não é, no entanto até lá há excepções à liberdade de expressão, como por exemplo o incitamento a actos criminosos (que é o caso)… além de que há um bonito conceito que é o de “gritar fogo num teatro cheio” (yell fire in a crowded theatre”) que embora não seja incitamento a actos criminosos é um tipo de discurso que leva a disrupção da ordem e segurança pública.

      Dito isto: não se trata de concordar com eles, trata-se de concordar com a lei e com ética. Eles é que desta vez estão em acordo com a ética.

      E dizeres que abre um precedente grave é ridículo, é como dizer que prender um criminoso abre um precedente grave… é como a fuga à responsabilidade dos que deram apoio e possibilitaram o presidente cometer o acto criminoso de incitamento à rebelião, que agora fazem apelo à “união” e dizem que chamar o presidente à responsabilidade é cria divisão… é como se eu matasse a minha avó, os meus pais quisessem chamar a polícia para eu ter de responder pelo meu acto e eu dizer “não façam isso, já viram o que fará para a divisão nesta família?!”.

      Liberdade de expressão não é liberdade de consequências.

      • Fla says:

        Isso está tudo certo e concordaria contigo, isto se as plataformas tratassem todos de forma igual. Tomemos como exemplo o Twitter, há imensos extremistas religiosos que usam a plataforma para incitar à violência e a mortes de enfieis, esses mesmos extremistas não são regularmente banidos porque o Twitter não censura e toma partes…

        Não podem haver dois pesos e duas medidas.

        • Daniel says:

          “isto se as plataformas tratassem todos de forma igual.”

          Tens toda a razão, Trump não foi suspenso indefinidamente do Twitter por ser o POTUS, e isso foi dito anteriormente pelo próprio Twitter. Se fosse um cidadão comum teria sido suspenso há imenso mais tempo.

          “há imensos extremistas religiosos que usam a plataforma para incitar à violência e a mortes de enfieis, esses mesmos extremistas não são regularmente banidos porque o Twitter não censura e toma partes”

          Só podes estar a gozar… o Twitter fartou-se de suspender e banir contas do pessoal que desejou a morte a Trump aquando ele foi infectado por COVID-19. Se fosses honesto lembrar-te-ias que até 2016 o ISIS usava imenso o Twitter para recrutamento e incitamento ao ódio, e o Twitter alterou os ToS e fez uma limpeza à plataforma (tivesse feito igual limpeza aos que já na altura começavam com o discurso de ódio que se tornou marca do Trumpismo e não teriamos nós chegado a este ponto).
          https://blog.twitter.com/en_us/a/2016/an-update-on-our-efforts-to-combat-violent-extremism.html

          Tira as palas. Aqui não há esquerda ou direita, republicano ou democrata, aqui os dois lados são estes: realidade e ilusão.

      • Filipe says:

        Abre um precedente grave sim senhor. Já viste os novos TOS que a twitch vai aplicar? Vamos a caminho de um censura geral. Acabar com a liberdade de expressão porque alguém fica ofendido com alguma coisa.
        Qualquer dia vais na rua e já nem podes dizer “bom dia” a um estranho que ele fica ofendido e reporta-te na polícia.

        Andam muitos “passarinhos” a brincar com o fogo, mas quem se queima somos nós todos enquanto cidadãos.

        Disseste tu muito bem no teu comentário na parte da ética em vez de lei. Mas usar “ética” para acabar com uma coisa é só absurdo.

        • Daniel says:

          “Vamos a caminho de um censura geral.”

          Vou-te contar a anedota que um Americano partilhou no Twitter a gozar com comentários como o teu: ele diz que foi a Washington DC, sai do avião, mete os pés no aeroporto e pede para fazer uma conferência de imprensa… ninguém lhe faz caso. Ao contrário de Trump, o common Joe não consegue convocar uma conferência de imprensa… não é quando é, é não conseguir convocar uma de todo. Será isso “censura”?

          “Acabar com a liberdade de expressão porque alguém fica ofendido com alguma coisa.”
          Sim, ofendido. 5 pessoas morreram, um acto terrorista foi cometido em solo americano por terroristas domésticos, um acto de sedição que em último caso leva a pena de morte, mas claro, foi “ofensa”.

          “Mas usar “ética” para acabar com uma coisa é só absurdo.”
          E com isso demonstras não ter nenhuma.

      • Asdrúbal says:

        Acho que já tiveste aqui duas boas respostas à tua afirmação

        Lá está, são pontos de vista e respeito o teu, mas mesmo assim quero lançar mais uma questão se me permites.

        Ainda à bem pouco tempo o Twitter foi responsável por ajudar a coordenar grupos de oposição tanto no Egito e Tunísia, com vista a derrotar os governos totalistas daqueles países. Nos dois casos, manifestantes contaram com a ajuda da internet e do telemóvel, utilizaram o Twitter e o Facebook para organizar protestos.

        Outro exemplo, em 2009 os iranianos saíram às ruas para protestar contra a eleição fraudulenta que reconduziu Mahmoud Ahmadinejad à presidência do país controlado pela ditadura dos aiatolás. O assunto foi o mais comentado do ano no Twitter, superando até a morte de Michael Jackson… o que levou muitos a cunhar a expressão “Revolução do Twitter” e a apostar que essa ferramenta seria responsável por revoluções. Até George W. Bush chegou a sugerir que o Twitter fosse indicado ao prêmio Nobel da Paz pelo papel na crise .

        Neste caso o Twitter estava do lado certo?
        À parte de se houve ou não faude, tirando isso da equação, não achas que o que se passou no Irão no Egito e Tunísia não é semelhante ao que se passou nos Estados Unidos?
        Alegações de Fraude eleitoral, ativistas na rua a protestar, tudo organizado pela internet…

        Num dos casos houve uma recomendação para prémio móvel por terem permitido, no outro caso (EUA) cancelam contas…
        A minha questão é: onde está a linha que separa o certo do errado?

        Quem vai controlar quando eles devem apoiar e quando devem censurar?

        Isto é grave!!!

        NOTA: Não sou a favor do Trump, acho ele uma pessoa desprezível e nunca deveria ter sido sequer eleito, não estou de forma alguma a defender o Trump, apenas quero deixar bem claro que isto que aconteceu pode ser prejudicial para a democracia no mundo inteiro, se continuamos a assobiar para o lado

        • supersilva says:

          Concordo totalmente! A mídia define o que é certo e errado agora? Quem paga a mídia? Porque não prendem os caras então? É ilegal? Ae ficam usando o termo “ética”, como usam o termo “científico”, quando querem e depois simplesmente ignoram em outras situação.

        • Daniel says:

          “Ainda à bem pouco tempo o Twitter foi responsável por ajudar a coordenar grupos de oposição tanto no Egito e Tunísia, com vista a derrotar os governos totalistas daqueles países. Nos dois casos, manifestantes contaram com a ajuda da internet e do telemóvel, utilizaram o Twitter e o Facebook para organizar protestos.

          Outro exemplo, em 2009 os iranianos saíram às ruas para protestar contra a eleição fraudulenta que reconduziu Mahmoud Ahmadinejad à presidência do país controlado pela ditadura dos aiatolás.”

          Deixa ver se percebi: acabaste de comparar ilegítimos regimes autoritários com um regime democraticamente eleito? Bela falácia de falsa equivalência… eu tenho mais medo de quem emprega falácias do que empresas privadas que, publicamente e à vista de todos, fazem valer os seus ToS.

          “A minha questão é: onde está a linha que separa o certo do errado?”

          A minha resposta a isso é simples: a linha que separa o certo do errado é quando precisamos de usar falácias (sejam ad hominem, seja argumentos de autoridade, sejam falsas equivalências) para tentar ganhar argumentos. Qualquer argumentação que assente nisso está ferida de morte, mesmo que não seja óbvio. Isso sim, é grave.

          • Asdrúbal says:

            “ilegítimos regimes autoritários” porquê?
            que são um regime autoritário, ainda dou de barato, já o “ilegítimo” não pode colar.

            É o regime que existe lá, para o bem e para o mal.
            Ou será que o regime comunista na china também é “ilegítimo”? E o regime autoritário na Russia também é ilegítimo?

            Quem és tu (ou eu, já agora) para dizer que um regime é ilegítimo ou não?

            Acho que não estás a ser justo nem independente na tua analise

    • Jorge Rosa says:

      Concordo plenamente! +1

  2. Ricardo says:

    Não apoio o Trump, nem apoio a violência.
    Mas apoio a tecnologia e liberdade (dentro do legal e sem atacar a liberdade do outro), e pergunto-me.

    O discord sabia o que se falavam nesses chats?

    Tomou a decisão por ouvir e ler conteúdo a incitar violência ou por o nome do chat ter Trump passa a ser violência devido ao que aconteceu recentemente?

    É completamente estupido um nome passar a incitar a violência …. eu não acredito que o Trump queira isso e mesmo que queira, quem gera a violência são as pessoas, não o nome de uma sala.

    Certamente existem outras salas chamadas: qwerty ou asdfgh
    Que terão mais violência do que isso….

    • Daniel says:

      Nos últimos dias tem vindo a público imensos excertos de conversas e publicações em serviços com o discord, parler, whatsapp, etc., de grupos pro-Trump…. e tem sido mesmo conversas inteiras assustadoras, criminosas, de incitamento a crimes, de planeamento de actos concretos. Já antes do evento na semana passada uma dos grandes medias dos EUA tinha feito um artigo em que mostrava o resultado de jornalismo de investigação em que os jornalistas registaram-se nesses serviços, juntaram-se aos grupos de whatsapp, e avisaram que algo de muito perigoso poderia acontecer na 4ª feira… ninguém ligou, e confirmou-se o que os jornalistas avisavam.

      Se o discord sabia das conversas ou se só tomou medidas em reacção do que veio a público é irrelevante, pois as conversas foram tidas, e uma pequena parte delas têm sido publicadas.

      • Asdrúbal says:

        Daniel, se o discord sabia é porque está a ler as conversas (o que é GRAVISSIMO) ou tem alguém infiltrado (como os jornalistas de que falas)

        Primeiro
        Se está a ler e a rastrear as conversas, é GRAVE e viola a confiança de quem lá anda (não sei os termos do serviço, mas aposto que não devem contemplar a divulgação das suas conversas privadas)

        Segundo
        Se tem gente infiltrada, em vez de encerrar contas, deve divulgar às autoridades o que sabes e são estas ultimas que devem agir, não uma empresa privada sob um qualquer dilema moral de que desconhecemos

        Hoje estão ao serviço da democracia, e amanhã?
        que interesses estarão a proteger?

        Compreendes? isto é muito perigoso!

        • Daniel says:

          Se tivesses dado ao trabalho de ler….

          Como escrevi: “Se o discord sabia das conversas ou se só tomou medidas em reacção do que veio a público é irrelevante, pois as conversas foram tidas, e uma pequena parte delas têm sido publicadas.”

        • Daniel says:

          E já agora, se queres mesmo discutir filosofia e hipotéticos, ao menos dá-te ao trabalho de ler tudo, inclusive tentares informar sobre o que falas, pois se tivesses feito saberias que qualquer pessoa pode denunciar servidores, pode denunciar canais, pode denunciar conversas e pm’s, e as equipas de “trust and safety” do Discord têm acesso a essas conversas e investigam-nas quando são reportadas.
          Assim de repente, ler os ToS daria jeito, tanto para quem se junta a serviços como a quem os debate.

        • eu2 says:

          Como achas que eles podem aplicar os ToS sem ler as conversas?

          É como pensar como pode um polícia fazer cumprir as leis sem andar a vigiar as pessoas (ou as que estiverem mais propensas a cometer crime).

        • eu2 says:

          Como achas que eles podem aplicar os ToS sem ler as conversas?

          É como pensar como pode um polícia fazer cumprir as leis sem andar a vigiar as pessoas (ou as que estiverem mais propensas a cometer crime).

  3. Wagner Albuquerque Braga Filho says:

    Um verdadeiro absurdo o que está acontecendo. Tudo em sincronia e combinado. A liberdade de expressão precede as penalidades, logicamente não são as redes sociais as responsáveis pelo que seus utilizadores falam lá dentro. Estão alem de excluindo postagens, perfil e até mesmo redes sociais inteiras como foi o caso do Parler.

    A liberdade já não existe mais. É só o começo…

  4. Luiz Carlos G. Filho says:

    Aqui no Brasil temos o princípio da liberdade e do livre pensamento garantido pela Constituição Federal, acredito que em Portugal também tem. Mesmo tendo nossos problemas somos um país democrático e aberto ao pensamento. Mas não existe um princípio absoluto, ou seja, que tudo pode. Tem limites. Utilizar o princípio da liberdade e livre pensamento para incitar violência é crime.
    E foi o que Donald Trump fez semana passada e causou a morte de 5 ou 6 pessoas, mesmo que de forma indireta. Não se trata de um ataque contra a direita e sim contra uma pessoa que faz parte da direita.
    Mas demonstro minhão opinião quanto a qualquer tipo de grupos radicais/extremistas. Por que tanto grupo da direita quanto da esquerda radicais/extremos são governos homicidas. Só muda o discurso um pro outro.

    • Asdrúbal says:

      O Problema Luiz, é que o Trump (ou lá quem é) foi “julgado na praça publico” por um carrasco sem autoridade para tal. A lei é clara: “Uma pessoa é inocente até prova em contrário” e a prova não é alguém dizer que ele é culpado só porque sim. A prova é para se fazer nas instancias oficiais para o efeito, até porque a lei também diz que toda a gente tem direito à sua defesa, todos temos o direito a ser ouvidos

      O carrasco (Twitter) decidiu que fulano era culpado e cortou-lhe o serviço, calando-o!
      Isto para mim é grave, muito grave. O fulano não teve direito a defesa e o carrasco não tinha autoridade para julgar

      Independentemente de eu também achar que o homem mereceu, e ainda bem que já não tem acesso às redes sociais, também acredito na justiça e neste caso não se faz justiça da forma correcta.

      • Daniel says:

        “Trump (ou lá quem é) foi “julgado na praça publico” por um carrasco sem autoridade para tal. A lei é clara: “Uma pessoa é inocente até prova em contrário” e a prova não é alguém dizer que ele é culpado só porque sim.”

        Tens toda a razão, ele não pode ser considerado culpado só porque sim. Sorte de todos é que há o histórico de 4 anos, pelo menos, e de da sua participação e do que disse no púlpito momentos antes.

        Além de que estás a confundir lei com ética e lei com termos de serviço. O Twitter tem de cumprir a lei tal como todos, e tem valores também (que pode ou não ser éticos), mas tudo isso está balizado no ToS e na forma como os fazem valer, e sorte do Trump era ser o POTUS ou já teria sido banido do Twitter (admitido pelo próprio Twitter há bastante tempo), por violar os ToS, há muito mais tempo.

      • Luiz Carlos G. Filho says:

        Entendi seu ponto de vista quanto a garantia de um julgamento com ampla defesa e contraditório e está corretíssimo. É um direito de todos.
        O banimento, pelo menos no Twitter, foi devido a violação das regras e politica da rede social. As postagens de Trump no /twitter incitavam a violência. Violência não no sentido de matar alguém, mas de causar tumulto e pânico. Que por sua vez gerou a morte de pessoas.
        Já o banimento nas demais redes sociais, acredito que foi efeito dominó, mas fundamentado na violação das regras da respectiva rede social. E o Trump se desejar pode processar as empresas para reverter o banimento.
        Temos um homem, Trump, que detém muito poder em suas mãos, tanto econômico quando bélico, que não aceita a derrota nas urnas e está disposto a causar tumultos e pânico. Diante disto, o mais seguro e sensato e tentar diminuir seu poder de incentivar a população a cometer tais atos.

      • Luiz Carlos G. Filho says:

        Um detalhe, direitos coletivos se sobrepõem a direitos individuais. Ou seja para manter a ordem pública indivíduos precisam sofrer sanções. Por exemplo, quando um assaltante é preso ou uma pessoa é multada por excesso de velocidade em ambos os casos a intenção é garantir a segurança pública (coletiva). O primeiro caso resguardar a vida e patrimônio das pessoas e no segundo tornar o trânsito mais seguro.
        Portanto quando uma pessoa incita outras a causar tumultos, gerar pânico quando sabe que não tem causa legítima ou com intenção de burlar a lei, não vejo como censura e sim como garantia da lei e ordem.
        Trump foi banido por violar as regras da rede social e este comentário não se aplica. Apenas mais um ponto de vista para pensar.

    • Daniel says:

      Em Portugal não existe limite à liberdade de expressão, não há delito de opinião. Mas há o que se considera opinião ilícita, e podes muito bem expressar-te (nada te impede, a liberdade de expressão é total) mas depois terás de assumir a responsabilidade por isso (por exemplo, difamação, discurso de ódio, etc., são crimes e como tal a pessoa poderá ser chamada a responder em tribunal por isso).

      Liberdade de expressão não é liberdade de consequências. E há imensas pessoas que confundem as duas.

      • Luiz Carlos G. Filho says:

        Como base no que você informa há sim limites a liberdade de expressão, já que a pessoa que exerce esse direito pode sofre punição caso o exceda. Pode responder por difamação, calunia e injuria (como aqui Brasil). Não se trata de uma norma absoluta que tudo pode. Até o direito a vida não é absoluta. Aqui no Brasil, por exemplo, não temos pena de morte no direito penal. E fora qualquer piada sobre a violência no Brasil a nossa Constituição permite a pena de morte em caso de guerra declara, apenas. Ou seja, nem o direito a vida é uma norma absoluta.

      • Luiz Carlos G. Filho says:

        Como base no que você informa há sim limites a liberdade de expressão, já que a pessoa que exerce esse direito pode sofre punição caso o exceda. Pode responder por difamação, calunia e injuria (como aqui Brasil). Não se trata de uma norma absoluta que tudo pode.
        Até o direito a vida não é absoluta. Aqui no Brasil, por exemplo, não temos pena de morte no direito penal. E fora qualquer piada sobre a violência no Brasil a nossa Constituição permite a pena de morte em caso de guerra declara, apenas. Ou seja, nem o direito a vida é uma norma absoluta.

      • Luiz Carlos G. Filho says:

        Como base no que você informa há sim limites a liberdade de expressão, já que a pessoa que exerce esse direito pode sofre punição caso o exceda. Pode responder por difamação, calunia e injuria (como aqui Brasil). Não se trata de uma norma absoluta que tudo pode. Até o direito a vida não é absoluta. Aqui no Brasil, por exemplo, não temos pena de morte no direito penal. E fora qualquer piada sobre a violência no Brasil a nossa Constituição permite a pena de morte em caso de guerra declara, apenas. Ou seja, nem o direito a vida é uma norma absoluta.

  5. Suspeito says:

    É tudo muito bonito mas em qualquer das plataformas continuam activos grupos terroristas, pedófilos, etc, etc… Porque será?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.