Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: O que muda a partir de segunda-feira em Portugal?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Ricardo says:

    A betinha primeira ministra suplente a anunciar mais um par de regras sem sentido, continuem com os vacinados em liberdade sem teste a transmitir.

  2. cross says:

    Continuamos com 2500 novos casos por dia mas as medidas continuam a relaxar. Com que base tomam estas medidas? Só porque estão a começar a ficar fartos?
    As regras a abrirem só irá fazer aumentar ainda mais os novos casos..

  3. A.F. says:

    1 “imunidade de grupo só deverá ser atingida quando 85%”
    What?

    2 “Restaurantes, cafés e pastelarias: 8 pessoas por grupo no interior”
    “Transportes públicos sem limite de lotação;”
    What?

    3 “Entrar em estabelecimentos turísticos e alojamento local (Família 4 a 6 pessoas);” (com Certificado digital)
    “Transportes públicos sem limite de lotação;”(sem Certificado digital)
    What?

    No Comment!!!
    Bom-Fim-Semana, E Porque Hoje é Sexta

    • Diogo Alexandre de Sousa Domingues Quaresma says:

      Transportes publicos são necessários para muitas pessoas se puderem deslocar, principalmente para o trabalho, um bem essencial. Não podemos comparar com restaurantes e cafés…

      • A.F. says:

        Estou a responder-te para dizer que não te respondo. Dáá!

      • says:

        Caro Diogo…
        Um bem essencial é também a agua e electricidade, e temos que pagar 23% de IVA, caso não te recordes, antes do Sócrates chamar a Tróika pagávamos 6% de IVA.

        Por ex: nos restaurantes há limites e apresentação de certificado.
        Nos transportes públicos, tudo ao molho e fé em Deus, e sem certificado, se me conseguires explicar a lógica da decisão, agradecia.

        Obrigado

        • Diogo Alexandre de Sousa Domingues Quaresma says:

          Recordo, aliás a água continua a 6% e a eletricidade ainda se paga 13% (até um certo valor, só a partir desse é que se paga os 23).
          Agora, vamos limitar o número de pessoas em transportes? impedi-las de ir trabalhar? Quem vai fazer essa gestão?
          A lógica é simples, toda a gente tem que trabalhar, mas ninguém precisa de ir ao restaurante.

          • Tiago says:

            Então quem precisa de utilizar os meios de transporte públicos, porque trabalha num restaurante é para ficar em casa. Sem emprego… É com cada burr*. Achas que toda a gente pode levar comida de casa para o emprego?!

          • Diogo Alexandre de Sousa Domingues Quaresma says:

            Bem Tiago, nem dá para responder ao seu comentário por isso respondo ao meu.
            Primeiro eu alguma vez disse para fechar os restaurantes? Ou algo do género? Pelo contrário! Por isso amigo, burro é você que nem sabe ler.
            Estamos a falar do facto de um ter limitação e o outro não, agora se você não percebe isso, o problema é seu.
            E já agora, diga-me lá porquê é que não podem levar comida de casa para o trabalho? Preguiça? Complicado… e que eu saiba, 8 pessoas interior e 15 pessoas em esplanada, é mais que suficiente para poder almoçar em trabalho.

        • Maria says:

          A lógica da decisão é economia… pesando as consequências na saúde e na economia e não apenas uma em detrimento da outra.
          Quando é para usar máscaras, coisa simples, faz confusão a alguns. Outros vivem à conta dos vacinados e ainda fazem manifestações para se fazerem ouvir e tentar arranjar um tacho nas eleições. Há de tudo

  4. honorato says:

    vamos ver que depois do 15 de setembro quando as ferias acabam e a escola começar ja deixamos de andar de mascaras ja nao vai haver virus nada. os casos sao sempre 2500 a maioria esta vacinada e as mortes aumentam mais de metade dos que morrem sao doutras patologias so que a culpa é do covid.

  5. art says:

    Por favor parem de falar na imunidade de grupo…basta terem dois dedos de testa para perceberem …mas se há pessoa mais insuspeita é o criador da vacina da Astrazeneca https://www.jn.pt/mundo/criador-da-vacina-astrazeneca-diz-que-nao-e-possivel-alcancar-imunidade-de-grupo-14024025.html , ou Pedro Esteves, investigador em Biodiversidade e Recursos Genéticos https://sicnoticias.pt/especiais/coronavirus/2021-08-12-Covid-19.-Nunca-vamos-conseguir-obter-a-imunidade-de-grupo-404f0182 .

    • says:

      imunidade de grupo
      • [Medicina, Veterinária] Forma de protecção e de controlo em relação a uma doença infecciosa que se obtém quando parte significativa de uma população fica imune, quer através de vacinação, quer através da exposição à doença.

      Segundo os dados conhecidos, a vacina covid 19, não dá nenhuma imunidade, o que previne é uma forma mais agressiva do Covid 19 no ser humano, portanto apesar de vacinada pode apanhar covid, como tal não confere imunidade.

      Além de que, as vacinas protegem em teoria entre 6 a 8 meses após vacinação, mas a sua eficácia também depende da idade.

      É por demais ridículo e evidente à luz do conhecimento actual, que estes governantes ainda falem da tal Imunidade de Grupo, coisa que não existe (imunidade) com as vacinas actuais covid 19.

      Ressalvo o link posto acima pelo “art”, do Dr. Pedro Esteves, investigador em Biodiversidade e Recursos Genéticos, no qual explica o porque de não poder haver a tal “Imunidade de Grupo”.

      • Luís Costa says:

        A imunidade de grupo não vai ser atingida porque como as vacinas precisam que entre 87/95% da população seja vacinada óbvio que não vamos chegar lá porque alguns estudos já dizem que vacinar crianças é mais prejudicial do que simplesmente deixar andar (pelo menos nestas idades).. agora quero ver qual vai ser a desculpa para quererem vacinar a força toda a população em nome de uma meta que não faz sentido

  6. HOS says:

    Ao que nós chegamos e chamavam a tudo isto teorias da conspiraçao ha uns anos atrás. (será que o meu comentário vai ser eliminado?)

  7. José Fernandes says:

    Olha que no meu táxi mando eu, e clientes no banco da frente ao meu lado nem pensar.

  8. David Guerreiro says:

    “Lotação dos estabelecimentos comerciais passa de cinco pessoas por 100 metros quadrados para oito pessoas por 100 metros quadrados” -> Não vejo essa informação de forma oficial

  9. Filipe says:

    Gostava de saber é porque só apresentam medidas para quem está de férias ou para quem não faz mais nada da vida sem ser andar a passear. E para quem está a fazer alguma coisa da vida? Por exemplo, número máximo de pessoas que podem estar num escritório, etc etc etc.

  10. SANDOKAN 1513 says:

    O certificado digital COVID-19 ou teste negativo obrigatório também não é necessário para se entrar em bares,por exemplo ?? É que eu não sei mas acho que sim.

    • Rato says:

      Se tiveres só a primeira dose não te deixam entrar em hotéis, restaurantes etc…
      Obrigam-te a fazer testes se não tomar a vacina, tens que fazer teste se tiveres só a primeira dose tens de fazer teste. Ou seja ter a primeira dose e não ter é igual

      • Ricardo says:

        Pior mesmo é deixarem entrar só porque tem a vacina, sabendo eles que pode ter o vírus e estar a transmitir.

        • David Guerreiro says:

          Também não concordo mas não por esse motivo. Só deveriam permitir pessoas vacinadas, pois embora possam transmitir, se todos estivessem vacinados, a possibilidade de doença grave é muito baixa. Assim os vacinados podem contagiar os não vacinados que entraram com teste negativo.

          • meister says:

            “Assim os vacinados podem contagiar os não vacinados que entraram com teste negativo.”

            Chega a ser comovente a tua preocupa com os não vacinados…

            Não te preocupes, pois os não vacinados tem consciência dos riscos.

            Só te faltou sugerir bares para vacinados e não vacinados…

            A história repete-se sempre só falta a sugestão equivalente a estrela de David ao peito.

          • meister says:

            Sim, neste momento a estrela de David anda no bolso

          • meister says:

            Para que o raciocínio fique mais claro:
            Neste momento só quando se pede certificado digital é que se sabe quem tem ou não, mas não tarda, quem não tem vai ter de andar com um cartão ao peito.

            Ou não, visto que ja existe pessoas a tatuar o Qr code
            No braço…
            Talvez a história se repita mas neste caso invertida.

          • Luís Pacheco says:

            Pior do que quê? Mas então para si como se fazia? Fechava-se tudo? É uma medida preventiva… Em cada Português há um Advogado, um médico, um engenheiro… Universidade do “Achismo”

      • David Guerreiro says:

        A vacinação só está completa, após 14 dias seja de 1 dose ou 2. Se o certificado der inválido não entras sem teste negativo. E o certificado só fica válido 14 dias depois

    • Infinity says:

      O certificado vale “bola”. Quando entrou em vigor a apresentacao do dito cujo ao fim-de-semana a restauracao so ficou a perder. tentei ir almocar durante um dia de semana e os restaurantes estavam lotados na mesma. Se calhar o covid so anda nos restaurantes ao fim-de-semana para ser necessario o certificado. Se queriam fazer as coisas como deve ser deveria apenas ser necessario apresentar teste

  11. lk says:

    porque publicam notícias de saúde neste blog?

  12. contacto says:

    A OMS disse que a pandemai acabou? Para este desgoverno parece que sim. Isto é tudo por causa das eleições . Não venham cá com histórias. O desgoverno PS quer que o POVO vá votar neles, PS, nas autárquicas. Pobre país

  13. Sardinha Enlatada says:

    Ontem aconteceram mais 8 mortos. Portugal esta a morrer aos poucos. Por este andar la pelo ano 2200 ninguem esta ca para contar a historia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.