PplWare Mobile

Cartão de Crédito: Número e CVV vão ser inválidos nas compras online


Autor: Pedro Pinto


  1. Filipe F. says:

    Boa noticia para todos.
    E má noticia para os que tantos cartões clonavam copiavam ou fotografavam para depois usar na net sem qualquer verificação adicional.
    Tardou mas chegou finalmente uma medida que dependa da ação do utilizador e não apenas de se ter os digitos de um cartão (número, validade e cv2)

    • Eu says:

      Melhor era se fosse impossivel utilizar online os números do cartão original, e só as “versões” criadas a partir do original (i.e. MBNET) pudessem ser utilizadas online.
      Tornava quase impossível o uso fraudulento do cartão de crédito.

      • PEDRO NUNES says:

        Eu faço bastantes compras online e há vários anos e sempre com cartões MBNET, Em que o valor exacto, bem como o número do cartão, validade e código virtuais são sempre criados no momento, logo nunca têm os códigos originais do cartão real. DESDE 2018 que a criação dos cartões são só possíveis com a impressão digital. Por esta notícia de segurança dos cartões não é novidade para mim e sempre me dei bem com compras online.

        • Woot! says:

          Há sítios que não te deixam usar cartão virtual, de alguma forma conseguem detetar que é um cartão virtual e dá erro. Já me aconteceu esta situação umas 2 vezes com cartões virtuais.

          • whatevs says:

            Confirmo.
            Não é possível utilizar cartões virtuais no Amazon Prime Video.

          • Carlos says:

            Há uma forma de contornar esse controlo.
            Eles primeiro iniciam uma pequena cobrança de 1 euro, que fica pendente. Entretanto, fazem a cobrança da compra no seu total. Depois, se correr bem, cancelam a primeira cobrança de 1 euro.
            Ora, para dar a volta a isto, basta criar um cartão virtual para várias compras do mesmo fornecedor, também com um valor limitado, mas ligeiramente superior. Assunto resolvido. Depois da compra realizada pode-se ir a MbWay e cancela-se aquele cartão por segurança, claro.

          • MM says:

            Carlos: “basta criar um cartão virtual para várias compras do mesmo fornecedor, também com um valor limitado, mas ligeiramente superior”.
            Pensei nessa mesma solução algumas vezes, mas nem sempre funciona. Ainda há dois dias atrás (na subscrição de novo cartão SIM estrangeiro) não foi possível utilizar qualquer um dos MBnet que possuo, tanto o associado ao Visa como outro associado ao MasterCard. Também não foi possível utilizar os dados físicos desses mesmos cartões (de crédito) para finalizar a compra.

          • Woot! says:

            Carlos,

            Não funciona em todo o lado.

          • Vilela says:

            Podes sempre criar um cartão virtual e adicionar na conta paypal, assim são capazes de aceitar

  2. Sérgio Alcobia says:

    passo adicional de segurança em Portugal já existe há pelo menos 4 anos. consiste na recepção de um sms com um código para concluir a compra. Chama-se 3d secure.

  3. Luís Henrique Silva says:

    por falar em cartões……é off topic….
    Aguém aqui que use Revolut e já tenha levantado dinheiro me possa esclarecer uma coisa, eu tentei à dia levantar dinheiro mas me deparei com algo que não esperava….pensava que se colocava o pin normal, mas pede um personal number com já não sei quantos dígitos…..pergunto, onde raio está isso? que a unica coisa que me pediram para configurar foi um pin e mais nada…..alguém me possa esclarecer….

    • Jorge Costa says:

      Para levantar dinheiro num ATM com o revolut é necessário inserir o pin do cartão.
      Deves ter posto foi o pin de segurança da app.

    • Paulo Correia says:

      “sujeito a confirmação” – Por ser um cartão internacional o PIN tem mais digitos do que os nossos habituais 4. No interface “MB” aprece diversos quadrados mas aceita os quatro digitos que definiste no momento da adesão ao cartão

    • Pedro says:

      É a mesma coisa. Aparecem 6 ou 8 digitios para preencher no multibanco mas só tens de preencher os primeiros 4 com o PIN que definiste na app e dar o OK (verde).

    • LVG says:

      Certo, como é um cartão não PT pede 6 digitos. Coloca os 4 que usas na APP e que definiste seguido da tecla verde.

    • juca says:

      revolut sucks…..

    • rikardo pereira says:

      então faz uma coisa sem saber o que é ? primeiro devia ler e procurar e depois ja ia saber que isso ´r normal. basta meter os 4 digitos e tecla verde.. que mania de irem em modas sem saber o que estão a pedir

      • Luís Henrique Silva says:

        Ninguém sabe tudo, não sabia essa parte, aliás fui ver muitas reviews acerca do revolut, mas nenhuma fala desse ponto, só fala que temos limite de 200€ por mês, nada de pin de 6 a 8 digitos…..

        Por outro lado, foste o pior comentário de todos, em vez de criticar ajuda, ninguém nasce ensinado……

        Agradeço a todos que prontificaram a esclarecer, obrigado.
        Quanto ao senhor, não sabe ajudar ninguém…..assim há-des ter muitos amigos …..

      • Woot! says:

        Eu só uso o revolut no estrangeiro e já o faço há alguns anos e nunca reparei em opção nenhuma de por 6 ou 8 dígitos. Portanto estava a ler isto com algum desconhecimento apesar de já utilizar isto desde 2016. Portanto mesmo para quem utiliza sempre isto pode ser uma surpresa. Devo ser muito distraído ou essa opcao só aparece em determinadas situações.

      • Kabindas says:

        Para alguem que está a pedir ajuda, postares um comentário destes mais valia estares calado

  4. ervilhoid says:

    Já desde o velhinho mbnet não era assim para os cartões de débito?

  5. jedi says:

    Pois é tudo muito bonito e que ainda usa ou usar MBNET ?

    esta solucao so faz sentido para cartoes reais. Para MBNET nao faz tanto sentido.

    Inflelizmente o MBWAY so existe solução mobile APP, nao existem plataforma web.

    Ainda para cima a burlas através do MBWAY está a crescer, se tratassem mas é disso.

    • Joana says:

      Eu uso mbway sempre através do computador, não tenho app no telemóvel.

      • jed says:

        Se houver dever se so para windows.

        Quem usa Mac OS ou Linux fica a ver navios.

        • anon says:

          ela provavelmente tem conta num banco tipo activobank que tem mbway integrado… daí que podes usar através do site deles (do banco), ou seja, o sistema operativo não interessa, é um site. mas a aplicação própria é só mesmo no telemóvel, não existe para desktop, seja ele qual for. lembro-me que no começo se podia criar os cartões no site do mbnet com utilizador e código, mas tal deixou de ser possível (creio que quando passou a se chamar mbway)…

    • rikardo pereira says:

      as burlas do MBway era facil de acabar.. bastava fazer como em certos paises, vais comprar um cartao de telemovel ? apresentação de CC e esse numero passa a ficar registado a esse CC .. assim ja sabiam quem eram os burloes..

  6. Tiago says:

    Qual a fonte da noticia? isto é a nivel mundial???

  7. Ze says:

    Então e para pagamentos recorrentes, como netflix?

  8. Mina says:

    Sim e o Netflix?

    • Pedro says:

      O Netflix é igual, quando vai pagar um pagamento recorrente invés do CVv vai receber a tal segunda confirmação no tel e da autorização a entidade em causa a fazer pagamentos recorrentes, não sei onde está a confusão, mbway e mbnet mesma coisa, ha-de aparecer a mesma os dados, coloca no site o site dispara o pedido de pagamento, o sistema disparar um sms para si mete o código de validação, o pessoal complica i que não é complicado, isto é só para evitar q vocês vão a uma loja pagar algo com o cartão físicas por exemplo, e alguém da loja decore ou com ajuda do cctv veja os dados todos do cartão e o use como seu, ou perde a carteira até já lhe devolvem mas apontaram os dados do cartão, todas essas e outras situações com autenticação de mais q um factor ficam resolvidas. Basicamente o CVv e validade vai servir apenas para o sistema pagamento saber q o cartão existe e quem é o proprietário para lhe enviar SMS a comunicar q está a tentar pagar algo com ele, se sim introduz o código que recebeu e o processo segue normalmente

  9. J says:

    A medida peca por tardia.
    Quantos milhões de euros/dólares/etc e milhões de clientes foram roubados devido a esta insegurança absurda e primata?

    • Dark Sky says:

      Isso também não é assim. O cliente confere o extrato do CC, se lá houver alguma compra que não fez informa o banco para que corrija o extrato (o que imediatamente cancela o CC, para não voltar a ser usado). E mesmo que, na altura o cliente não dê por isso, tendo já pago o extrato na totalidade, pode avisar o banco e o dinheiro é-lhe restituído (creditado no mês seguinte).

      Quem não confere o extrato pode ser levado? Pode, há países em que ninguém se atreve a não conferir detalhadamente o extrato. Mas já me aconteceu o contrário, por exemplo, sem ter estado em Espanha, no extrato vir um pagamento a uma sociedade unipessoal espanhola, com um nome que não diz nada sobre a sua atividade e ficar a pensar que a compra era falsa – até perceber do que se tratava. (Se avisasse o banco que não tinha feito a compra, por certo o vendedor ia ficar sem o dinheiro ).

      Os bancos se houver alguma transação que lhes pareça suspeita também pedem confirmação de que foi o titular do cartão a fazê-la – e enquanto não têm confirmação podem suspender o CC (não é o mesmo que cancelá-lo, em que é preciso emitir um novo). E têm mais mecanismos. Do que se está a falar no post é um reforço.

  10. ElectroescadaS says:

    Por acaso nunca usei cartão de crédito para comprar online. Normalmente é por transferência bancária mas em compras feitas em Portugal como fiz à dias para comprar um equipamento para o meu carro sediada no Norte (JapanLegends)…

  11. AC says:

    A nova diretiva de serviços de pagamento (já em vigor), transfere para os prestadores dos serviços de pagamento a responsabilidade pela fraude se esta não for comprovadamente resultante de má utilização ou dolo do utilizador dos serviços de pagamento.
    Na prática, os bancos ficam com mais risco se os pagamentos não forem seguros.
    Resultado … mecanismos de autenticação forte (tal como são reconhecidos, independentemente de serem mais ou menos fortes) para todos os pagamentos ou operações onerosas.
    Considera-se mecanismo de autenticação forte a utilização de dois de três fatores de autenticação viáveis, a saber: 1. Algo que o utilizador sabe (ex.: pin), 2. Algo que o utilizador tem (ex.: cartão físico, telemóvel para receber sms com código de utilização única), 3.Algo que o utilizador é (ex.: biometria realizada atraves de dispositivos certificados); o quarto fator (localização) é, atualmente, de aplicação quase impossível para a certificação de operações.
    Exemplos da utilização destes mecanismos são o sistema 3DS para cartões (Visa Secure ou Mastercard Securecode).
    Sugito a leitura da wikipédia sobre este tema porque está bastante bem descrita.
    https://en.wikipedia.org/wiki/Multi-factor_authentication

    • Jorge Carvalho says:

      Olha que é ao contrario 🙂
      Até agora o onus caia sempre sobre os Bancos/Rede , agora cai sempre sobre o utilizador dado que se é necessário algo pessoal é assumido sempre que foi o cliente.

      Abc

      • AC says:

        Jorge,
        esse é um tema que dava «pano para mangas» e vai muito mais longe que a simples avaliação da responsabilidade do utilizador ou disponibilidade dos bancos para assumir custos em função do negócio e cobertura de seguros de modo a proteger o utilizador.
        A realidade é que, agora, o utilizador está mais seguro nos pagamentos que faz à distância do que estava antes.
        A fraude, essa nunca vai desaparecer; apenas pode ser combatida.

        Gr Abc

  12. Vivas says:

    eu voto no comentário do AC que me paresseu estar muito bem redigido e com enfurmassam subestansseal parabaes AC

  13. SANDOKAN 1513 says:

    Não tenho nem nunca tive sequer um simples cartão de crédito.Os tesos como eu não sabem o que é isso por isso não se podem pronunciar. 🙂

  14. Daniel Silva says:

    MB Way, também não é seguro, sacam dinheiro as pessoas sem mais nem menos.

  15. João Reis says:

    Uso sempre o cartão de crédito para compras online. Na realidade só o uso numa determinada entidade para pagamentos online. Já há mais de 2 anos que eles usam um método de autenticação em que não é só necessário os dados do cartão, tenho que preencher um formulário com nome, conta de email, etc… Nunca tive problemas. Por alguns comentários que li o melhor é algumas pessoas não sairem sequer de casa…. O sistema é seguro, há 2 anos atrás tentaram usar os dados do meu cartão de crédito numa compra online, simplesmente enviaram um sms de confirmação para mim e como eu não estava a fazer compra nenhuma mandei cancelar logo o cartão. O caso foi entregue à polícia mas o banco nunca me cobrou qualquer valor pela emissão de novo cartão e tudo ficou por aí.

  16. PeterSnows says:

    Na realidade os Bancos têm facilitado.
    Quase não existe (ou eu desconheço), apps/site para configurar cartões ver as transacções de imediato (por vezes demoram dias até aparecerem).
    Acho muito boa a do Revolut, permite configurar:
    – limte a gastar
    – contactless limit
    – activar/desactivar
    – contactless
    – swipe payments
    – ATM withrawls
    – Online transactions

    E para mim o MAIS IMPORTANTE, ver na hora as transacções feitas.

  17. falcaobranco says:

    Vou esperar pelas normas propriamente ditas para ditar a minha opinião…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.