PplWare Mobile

Baterias com 3x mais capacidade criadas por uma portuguesa


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

39 Respostas

  1. Alvega says:

    ” baterias recarregáveis ​​de lítio e que se acumulam ao longo do tempo, levando à deterioração da bateria e também a que haja curto circuitos.”, engraçado, eu tenho lido precisamente o contrario, que o suprasumo das baterias era o litio, e que nao viciavam etc.
    Pois segundo parece, nao é bem assim, o Litio \ cobalto, vicia com o tempo.
    PS: o cobalto (usado para potenciar o litio, perguntem ao Elon Musk), duplicou de preço nos últimos tempos, parece que as alternativas quaisquer que sejam sao bem vindas.

    • Belmiro says:

      Viciar não é o mesmo que deterioração. O primeiro termo tem haver com a perda rápida de capacidade por recarregar antes de esvaziar; o segundo com a perda lenta de capacidade por envelhecimento.

    • Pedro Pinto says:

      Onde tens lido isso?
      Já agora, estas (apesar de ser em ambiente de demonstração) suportam 1.200 ciclos de carga com baixa resistência elétrica.
      In experiments, the researchers’ cells have demonstrated more than 1,200 cycles with low cell resistance.

  2. Belmiro says:

    A versão traduzida deve ser -20°C (20 graus negativos)

  3. Guiomar says:

    Infelizmente dá a entender que são os americanos que ficam com as patentes.

    • lmx says:

      Enquanto o tuga, inventar alguma coisa, e não o fechar a 7 pés e produzir ca vai ser assim!!
      Até o sangue nos chupam…

      Os Americanos…não não são nosso “amigos”..

      • Guiomar says:

        :S um pouco menos de azia podia fazer-te bem! É verdade que era bom ser uma instituição portuguesa a ter estas patentes, mas este trabalho foi feito em Austin, pago pela Universidade do Texas, com uma equipa dessa instituição, de modo que esse do “chupam” e “amigos” é despropositado. E se estas patentes são americanas isso não invalida que a Universidade do Porto possa ter patentes relacionadas com o trabalho anterior feito cá – nos dias de hoje já se preocupam com essas coisas!

        • Marco says:

          Vai ler o último parágrafo, principalmente a parte final, se calhar podes começar a perceber o que ele quer dizer.

          • Guiomar says:

            Se calhar se leres mais atentamente esse último parágrafo e o que eu digo na minha última frase, poderás perceber que o que ele diz é despropositado e um azedume… Terem patentes para o que desenvolveram lá no seu laboratório não põe em causa o que possa vir de trás, nem implica que trabalho feito cá não possa ter patentes cá. Uma patente não implica algo criado do nada, nem implica que não possa estar assente noutras patentes de outros.

          • lmx says:

            @Guiomar

            ” No entanto, segundo o comunicado, esta nova tecnologia que tem como base etrólitos sólidos em vidro parece ter mesmo nascido na Universidade do Porto e depois apenas evoluída.”

            Azia?
            Porque?porque vejo os Alemães, os EUA, os Espanhois a ficar com o que é nosso?

            O Povo Português a pagar a Formação de pessoas, as mesmas a investi largo, com o objectivo de lutar por um país mais forte…, para depois o know how, vertido de horas e de vidas gastas, a volta de tecnologia ir dar lucro a Estrangeiros??

            Chamas a isso Azia?

          • Guiomar says:

            lmx, mas será assim tão difícil para ti compreender que uma patente pode não ser tecnologia completa e totalmente nova e que se pode basear em algo sem ficar “dona” desse trabalho anterior? Uma patente até pode ter outras patentes como referência! Há tanta coisa nova que se pode fazer sobre o que já existe…
            Onde é que tu aqui vês alguém a ficar com o que é nosso? Nosso é o trabalho pago pelas nossas instituições e empresas. Ou será que vamos ficar com trabalho que é pago e feito por outros?
            Menos azia permitiria parar para pensares antes de achares que alguém te anda a chupar…

          • lmx says:

            Guiomar,
            A ver vamos, mas bem me parece que os vampirescos…já começaram a “cheirar o sangue fresco”…
            Lembras-te da via verde?e das ameaças constantes sobre clonarem o projecto…precisamente vindo dos EUA…eu lembro-me!

            Claro que as patentes podem ser combinadas, a questão é que tu não tens dinheiro para proteger a tua propriedade intelectual…e eles teem em barda para protegerem a deles e para te roubarem a tua!!

            Esse é o problema de muitos Países de 3º mundo..
            A questão aqui é que falta Empresas Nacionais, com vontade de investir e elavancar a tecnologia nacional…

            Não não falta dinheiro no Sector Privado…os o digam os mais de 80 mil milhões que foram descubertos na Suíça e que nem pagam impostos…tudo de meia duzia de tuguistas…o que falta é lei a aplicar.
            Uma das formas de tornar esse dinheiro legal seria obriga-los a investir em tecnologia nacional, dessa forma teriam uma pena reduzida.
            Dessa forma também a tua industria arrancava….afinal de contas tenho sido eu e muitos como eu a por a massa na mesa…porque estes meninos do coro, teem fugido com o guito ás responsabilidades do País, e como eles muitos..

            “Menos azia permitiria parar para pensares antes de achares que alguém te anda a chupar…”

            Só, quem sabe , um incapaz, para não consegui perceber…que efectivamente estamos todos a ser gamadoas a grande!!!
            So mesmo um incapaz Guiomar….

          • Guiomar says:

            lmx, não precisavas de escrever tanto para demonstrar que é azia! Mas pronto, compreende-se, o clássico espraiar para vários outros assuntos, esquecendo o que é dito, é o último recurso dos in…

      • Belmiro says:

        Lmx, se em Portugal houvesse entidades a investir a sério na investigação e depois empresas nas produção, então as patentes e o país tiravam proveito. Como as empresas portuguesas estão mais interessadas em comprar caro e vender ao povo ainda mais caro, então não tens patentes. Mas já sabemos que o teu comentário foi pelo teu “azeite” aos EUA e amor pela Rússia.

    • Jorge Carvalho says:

      Quem pagou o research ??
      Querias que pagasse e oferecesse ?

      Abc

      • Guiomar says:

        o meu comentário era apenas para chamar à atenção que pode haver portugueses envolvidos mas isso não quer dizer que leve a proveito directo para o país.

      • lmx says:

        O Research…
        Depende…o Research Português, fui eu e tu!

        O estrangeiro não é relevante para nós, agora tendo em conta que a invenção é nacional…Obviamente que tinham que vir créditos, quer para afaculdade do Porto, quer para aInvestigadora, em Primeiro lugar, quer para o País, porque indirectamente andamos todos a injectar massa…

        • Guiomar says:

          Mas para que é que vens para aqui dizer que se trata duma invenção nacional quando nem fazes ideia do que é que se trata. Se leres o artigo científico verás que eles investigaram tecnologia para os eléctrodos que se podem usar numa bateria destas, enquanto que o trabalho cá se tem centrado mais no electrólito sólido… As baterias têm várias partes que têm que ser investigadas.

    • Marcos says:

      Verdade. Vc sabe quem invento. O câmbios. Automáticas foi um brasileiro agora quem leva a melhar os americano

  4. Artur says:

    Qualquer pessoa que use mac, iphone ou ipad n tem problemas de bateria pois sao as melhores do mercado.

    • Miguel Sousa says:

      Também pagam 600% do preço de custo e desenvolvimento delas. Se não fossem, não eram tão caras e por isso são impossíveis de trocar. Quando pifam, é para mandar para o Bangladesh para uma criança desmontar e colocar na reciclagem.

      • jone says:

        Não percebi essa de serem impossíveis de trocar. .. Há aparelhos mais dificeis e outros mais fáceis, mas todos dão para mudar a bateria.

      • Artur says:

        Engracado que os pcs windows que custam tanto como macs e a bateria dura metade. Aprendam a comprar.

        • Traveller says:

          O meu Iphone já trocou bateria em garantia quase derretia o telemóvel, o mac já trocou de bateria mas com 5 anos, carregadores já vai em 4.
          A bateria do Windows phone duram para muito mais que a do iphone.
          O Surface ainda não trocou de bateria o ipad também não por isso não vejo porque deste assunto aqui neste tópico.

    • jone says:

      Exacto. Por acaso eu até ganho algum dinheiro a substituir baterias de iphones e macs. Mas isso não se diz em voz alta.

    • José Carlos da Silva says:

      São baterias na mesma, e recorrem à mesma tecnologia utilizada em qualquer bateria. Os problemas encontrados são comuns em qualquer uma dessas baterias. Os dispositivos da Apple não são excepção apenas por serem Apple.

      Aliás, esse argumento cai por terra quando tenho de levar um 6S a uma loja porque a bateria apresenta problemas de autonomia e medição de carga. Inclusive na loja dizem que começa a ser muito comum isso acontecer. Tal como já aconteceu antes com o 4S. E com o 5S. E conheço vários casos, não apenas um isolado.

    • Balmer says:

      🙂 Credo, isto cada dia é mais um azedo que aparece aqui arrependido por comprar maçã ou que?
      Se ’tás a queimar a bateria em meio dia, ou aprende a usar isso ou desiste e segue para android; agora não tentes fazer hype da marca como se Apple tivesse inventado alguma tecnologia magica no que toca a baterias.

    • André says:

      Queres uma taça?

  5. Pedro H. says:

    offtopic: John B. Goodenough? Isso não era o tema da música que o Marty McFly cantou no Regresso ao Futuro? Johny B Good? xD

  6. Joao 2348 says:

    O artigo técnico está disponível em: https://www.researchgate.net/publication/311779359_Electric_Dipoles_and_Ionic_Conductivity_in_a_Na_Glass_Electrolyte?ev=project

    Parecem agradecer o financiamento e apoio de:
    TheRobert A.Welch Foundation grant number F-1066 of Houston, Texas and the Lawrence Berkeley National Lab BMR project grant number 7223523, are thanked for financial support.
    The COMPETE2020 and FCT project, EU and Portugal, PTDCCTM-ENE-2391-2014.

  7. Mc says:

    batteryuniversity.com

  8. 111111a says:

    mes sim, mes não sai uma bateria “x” vezes melhor que as actuais, no entanto … ca continuamos com as mesmas 😀

  9. Mario Pinto says:

    É notável saber que temos mentes brilhantes em Portugal. Temos é lideres nada brilhantes.

  10. Daka Upipi says:

    Todos têm razão, dependendo da perspectiva. Mas compreendo o receio e o adivinhar do pior de alguns. Analisando: A notícia é boa; a tecnologia é inovadora; é melhor que a existente; à primeira vista não prejudica ninguém. Tudo positivo! O negativo a existir será entre o justo reconhecimento e o protagonismo. Tudo porque não se aplica a simples regra da “proporcionalidade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.