Quantcast
PplWare Mobile

Apple está a rastrear e a desligar os dispositivos saqueados nos EUA

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Ora ora says:

    Saqueados? Quem é que usa essa palavra em Portugal para dizer roubados?

  2. SANDOKAN 1513 says:

    Muito,mas muito bem faz a Apple.E todas as outras empresas lesadas deviam fazer exactamente o mesmo.Cambada de gatunos e parasitas da sociedade. 😐

    • miguel says:

      Vale de muito, os equipamento por motivos óbvios são vendido as peças pois existe uma grande procura para peças originais Apple.
      Alem de hoje em dia existir métodos que permitem substituir/reescrever os chips que fazem o bloqueio, então na América já existe muitas casas que o conseguem fazer, mas nestes aparelhos deve ser tudo para peças.

      Mas mereciam ser todos apanhados os que andaram a roubar e a destruir lojas.

      • saldoso says:

        não me parece que seja assim que o Activation Lock seja quebrado!
        A segurança está centralizada no SoC, se fosses a substituir um chip envolvido na segurança iria dar erro.
        Se queres remover o Activation Lock terás de desassociar o aparelho duma conta nos servidores da Apple. Ora, sendo estes aparelhos da própria Apple, não vais conseguir desassociar o aparelho nos servidores.
        A alternativa seria modificar o sistema operativo com um jailbreak qualquer para remover a função de Activation Lock, mas não sei se isso existe!

        • David Guerreiro says:

          Os chineses contornam isso substituindo 3 chips, o que faz alterar o IMEI, SN e MAC address. O smartphone fica virgem, e é só ligar ao iTunes e reinstalar o iOS. O procedimento não é para qualquer um (e ainda bem que assim o é, para não existirem tantos furtos), e é preciso encomendar os chips, normalmente da China.

          • Dark Sky says:

            Isso são coisas que se dizem – na prática ninguém viu. Se fosse possível o mercado estava cheio de iPhones roubados. Aonde é que eles estão?

            E não seria por essa coisa dos 3 chips que alteram o IMEI, SN e Mac Adress. Essencialmente, a CPU / NAND / CPU baseband e a memória ROM estão todas ligadas a um código seguro (iCloud Lock). Embora se possa reprogramar a NAND, não existe acesso à CPU ou à CPU baseband. Portanto, a única maneira de desbloquear uma moitherboard é transferir esses componentes de uma motherboard não bloqueada … o que dá muito trabalho, não se cria nada de novo e corre-se o risco de danificar as duas motherboards.
            É isto que quem sabe diz. A Apple tornou o iCloud Lock impenetrável.

          • Dark Sky says:

            P.S. Entenda-se … o mercado estaria cheio de iPhones desbloqueados roubados. Era o chamado negócio da China – comprar iPhones bloqueados por umas dezenas de dólares e vendê-los por centenas.

  3. jorgeg says:

    Triste por parte da Apple, racistas blm e comunistas da antifa nao podem ter telefones da apple?!

    MalcomX “The white liberals is the worst enemy to America adn the worst enemy to the black man…”

  4. B@rão Vermelho says:

    Eu sempre ouvi dizer que achado não é roubado, como é que uma pessoa vai pensar que um IPhone que está dentro de uma loja com vidros partidos, portas arrombadas tudo a arder em redor é roubado?

  5. Euéquesei says:

    Se a Apple diz que vai ajudar o movimento, podia muito bem começar por oferecer esses iPhones que foram achados nas lojas.
    Achado não é roubado…
    E por via das dúvidas é marcar já uma manifestação para exactamente daqui a um ano porque o pessoal gosta de estar actualizado de iPhones.
    Toda a gente tem o direito de se manifestar e de ter iPhones achados.
    Essa ideia de ter uma loja sem vidros é uma estupidez.
    Deve ser novo marketing, daquele em que a Apple é exímia…

  6. Yepp says:

    Pelo que sei a Apple e a Samsung têm esta tecnologia.
    Acho bem que o façam para acabar com este tipo de situações.
    Não deviam colocar apenas a mensagem de devolver mas também fornecerem a localização do mesmo e idêntificação do dono do serviço à policia para processamento

  7. Tone says:

    Repararam nos saqueadores, não repararam? Pois é! Estas coisas têm muito que se lhe diga! É um problema que, parecendo complicado, não é nada simples! 😀

    • AqueleAmigo says:

      Isso não interessa. Volta aqui ao site quando isto acontecer e forem “outros” saqueadores e vais ver o problema a ganhar propoções gigantes

  8. Dark Sky says:

    “Conforme poderemos ver, esta e outras reportagens no YouTube sugerem que várias lojas da Apple, nos Estados Unidos, foram saqueadas por manifestantes.” Contado assim, parece que ia a passar a manifestação, o pessoal saiu da manifestação e foi assaltar a loja.
    Vi os vídeos – não vi manifestações – vi assaltos a lojas. Os “riots” (tumultos) ocorrem com alguma frequência nos EUA e outras zonas do mundo, com assaltos a lojas e pilhagens.
    Não há necessidade de meter no mesmo saco “manifestantes e saqueadores”, a não ser para encher o post dos comentários habituais.

    Desta vez os tumultos estenderam-se por 70 cidades dos EUA. Para isso contribuiu a maior taxa de desemprego de sempre e a situação provocada pela Covid-19 a acrescer a divisões étnicas e sociais.
    Donald Trump, discursou para a sua base eleitoral, em grande parte forças de direita que acreditam na supremacia branca. Subestimou a morte de George Floyd, telefonou à família mas não deu hipótese de lhe responder, não mostrou qualquer simpatia pelos afro-americanos. Quando os grandes protestos eclodiram no Minnesota e outros estados, Trump optou por intimidar, em vez de aplacar os manifestantes, ameaçou com tiros e a intervenção do exército – tiveram que ser os militares a dizer que não intervinham, não se metiam em política.

    A Presidente da Câmara de Washington DC, Muriel Browser , que criou numa parte da avenida que leva à Casa Branca a Praça Black Lives Matter, disse que “precisamos de líderes que … em tempos de grande agitação e desespero, possam nos proporcionar uma sensação de calma e esperança. Em vez disso, o que temos nos últimos dias na Casa Branca é: “a glorificação da violência contra cidadãos americanos”.

    É nesta situação e para evitar futuros tumultos, a Apple lançou a iniciativa dos 100 milhões de dólares pela igualdade racial. Desenganem-se os que pensam que a questão se resolve lançando o exército na rua – porque o exército não vai, não se mete em política. Ainda há gente sensata nos EUA. Insensatos há muitos, incluindo a extrema direita da “supremacia branca”.

    • José says:

      Quem o ler, até fica a pensar que estes “eventos”, só acontecem agora sob a administração de Trump! Não sei como explica as que aconteceram durante a administração do “são” Obama! Fez tudo o que os democraras entendem como correcto e o “efeito” foi o mesmo!

      • Dark Sky says:

        … Os “riots” (tumultos) ocorrem com alguma frequência nos EUA, escrevi.
        Um Presidente abertamente racista é que não, felizmente. Esperemos que só dure até novembro. Não termina com o racismo na polícia e na sociedade mas é importante.

  9. Euéquesei says:

    A gente sensata dos EUA, aposto que se refere ao Obama.
    Sim, esse ilustre ex presidente que destruiu a Libia, destruiu a Siria, criou o ISIS e sabe-se la mais o que.
    Diga se de passagem tambem que nos EUA existem cidades que sao autenticas zonas de guerra. Consegue adivinhar quem sao os mayors dessas cidades, desde ha dezenas de anos?
    Essa do exercito nao se meter em politica deve ser para rir.
    Entao ja se esqueceu do saudoso 25 abril aqui do burgo? Ora essa, mas que desfeita… pode estar descansado que eu nao vou dizer ao bloco que vc desconhece o 25 abril. A sua avaliacao descia logo a pique, ja viu? Uma tragedia.
    Pilhagens de lojas e predios a arder nao sao coisas politicas, sao seguranca interna.
    Isto faz me lembrar a Africa do Sul. Era dos paises mais prosperos do mundo, deram o poder ao mandela, e bem, aquilo e deles, e olhem como aquilo ficou…Uma sombra do que era, um lixo.
    A extrema esquerda o que esta a fazer, sem o saber, e dar ainda mais votos ao Trump.
    Quem se deve estar a rir com isto devem ser os Russos e os Chineses.
    Estao a ver o ocaso dos EUA…
    Por acaso nao vejo manisfestacoes contra o racismo na China e na Russia, sera que nao ha? Se calhar…
    Os EUA sao tao maus, tao maus, que todos querem ir para la, nao consigo entender isto, a serio… E a vida, como dizia o outro.
    Paises tao bons como a Venezuela, Cuba, Coreia do Norte, El Salvador, Nicaragua, e ninguem quer ir para esses paraisos dos amanhas que cantam. Isto nao se admite, e uma enorme desfeita, pah… Chatice, que ingratidao, fogo…estou mesmo chateado.

    • Dark Sky says:

      No dia em que decifrares o que é nacionalidade portuguesa, em vez de engolires as patranhas do Ventura, tens direito a que te respondam:
      “Camões, poeta zarolho, é ilustre português. Vê mais só com um olho do que tu com todos os três”.

  10. Nelon says:

    Apenas um pequeno pensamento….
    Com uma rápida pesquisa no instagram sobre o “black life matter”, encontramos muitas pessoas associadas a esses grupos, onde o principal objectivo é acabar com a polícia….
    Racismo existe em todos os países e em todas as profissões…. agora acabar com a polícia, que é uma entidade pública treinada para proteger a população, não faz sentido, visto que , sem polícias o exército vem para a rua, onde esta é uma força treinada para matar. Porque será que as grandes empresas estão solidárias com este protesto, quando na realidade elas estão a jogar pelos 2 lados da moeda?!

    • saldoso says:

      Talvez se conhecesses a polícia nos Estados Unidos, perceberias melhor… E se calhar também perceberias que a maioria dessas pessoas não quer acabar com a polícia mas acabar com os departamentos de polícia existentes, para construir uma segurança pública com outros princípios.

      • Nelon says:

        Acredito que no US os afro-americanos são 5 vezes mais julgados na justiça do que os americanos. E sim, mesmo que a política tenha mudado muito nos últimos tempos, ainda não é suficiente nesta área… Exemplo disso temos uma diferença salarial nos desemprego, onde um afro-americano ganha $800 semanais contra os $1200 dos americos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.