Quantcast
PplWare Mobile

73% dos utilizadores preferem smartphones abaixo dos 400 dólares

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. Miguel says:

    Eu nunca pago mais de 250 euros. Por este valor já se encontra telemóveis mais que suficientes para 90% da população, ou seja para redes sociais, videos, umas fotozitas, uns jogos, chamadas e pouco mais.
    Acima dos 250 euros o valor em excesso apenas serve para satisfazer o ego e vaidade da maioria dos utilizadores.

    Esta é a verdade, e ainda não consigo perceber porque a maioria das pessoas que compra telemóveis de 500, 600 e 1000 euros tem problemas em admitir que o fez por vaidade. Não há nada de errado nisso, eu por exemplo tenho vaidade nas bicicletas, e sei que para o meu atual nivel tanto faço com uma bike de 1000 como com uma de 3000, mas comprei uma de 3000 por vaidade e não vejo mal nisso.

    Triste mesmo é ver gente que diz que comprou um telemóvel xpto porque é bom e melhor e depois só dizem disparates quando perguntamos o porquê!

    P.S – Como é obvio, há pessoas que tiram real proveito de telemóveis topo de gama, assim como há que tire o mesmo proveito de bikes de 5000 euros. Não são é a maioria.

    • Paulo says:

      Não é bem assim.
      No meu caso está na hora de trocar. Pretendo um que tenha carregamento sem fios, até 6 polegadas e que tenha uma boa memória mínima de Ram (6GB) e rom (128Gb).
      Querendo eu um com estas características, tanto me faz ser um xpto como um chinês que ninguém ouviu falar.

    • Filipe says:

      “Como é obvio, há pessoas que tiram real proveito de telemóveis topo de gama, assim como há que tire o mesmo proveito de bikes de 5000 euros. Não são é a maioria.”

      Lá está. Tocaste no ponto. É uma minoria, mesmo muito pequena. Tipo 5%, isto falando de telemóveis topo de gama ou computadores.

    • RM says:

      Não admitem que é por vaidade porque não querem ser criticadas ou julgadas.

    • O servente says:

      Eu tenho um S20 Ultra e tem zero a ver com vaidade, assim como MUITA gente tem topos de gama dentro de capas opacas (como a minha) e não consegues saber que modelo está lá dentro a não ser que sejas algo conhecedor. Logo eu e todos estes gastam muito dinheiro e não tem haver com isso.

      Eu quero os melhores ecrãs, câmaras, DeX e suporte, logo dificilmente tenho tudo isso na gama média ou baixa. E se posso, porque não?

    • ToFerreira says:

      Isso é parcialmente verdade. Julgo que este valor está atualmente desatualizado.
      Por esse valor não é possível comprar um telemóvel que dure 3 ou 4 anos, correndo de forma aceitável todas (ou quase todas) as aplicações, de uma marca que garanta qualidade/fiabilidade minimamente aceitáveis e com uma bateria que aguente o uso intensivo a que estão normalmente sujeitos.

      • Miguel says:

        Isso é que tu pensas.
        Para a maioria das pessoas e o uso que lhe dão um telemóvel de 200 paus serve bem para 4 ou 5 anos.
        Qualquer charuto serve para facebook, zaps, tiks, candy crushs, youtubes e mais meia dúzia de porcarias.

  2. Hugo says:

    Assino por baixo.

  3. Jota says:

    “preferem”? Foi essa a palavra que arranjaram?

    • Vítor M. says:

      Sim, porque se as grandes marcas vendem milhões acima, é mesmo uma questão de preferência. Poderia preferir equipamentos abaixo de 250 euros.

      • rjSampaio says:

        Acho que ele quer dizer que é possível que prefiram acima do valor, mas não o podem pagar.
        Eu prefiro também nesse valor ou até abaixo 299~350, não é questão de me contentar, posso pagar mais mas sei que é desperdício.

        • Vítor M. says:

          Não acredito nisso. Repara que se assim fosse, a maioria das vendas em Portugal eram as máquinas até 150 euros e não é bem assim. Isso é relativo mas não vamos fazer do poder de compra algo que efetivamente não é, o povo em Portugal tem poder de compra. Repara na quantidade de topos de gama que já se vendem no nosso país. Repara que Portugal sempre foi um dos países onde a tecnologia tinham muita adesão.

          • Peace says:

            Mas que péssima comparação, sabendo que Portugal é um país de cagões que vivem acima das suas possibilidades.

          • Vítor M. says:

            Vivem acima das suas possibilidades? Olha que não, há sim falta de gestão no que se gasta e ganha, mas olha que em Portugal as pessoas têm uma vida até com rigor, tendo em conta os exemplos que o Estado dá e o dinheiro que estraga. As pessoas têm poupanças, as pessoas têm o culto de amealhar património. São pessoas que quando vão para o estrangeiro dedicam-se a trabalhar para terem uma vida melhor.

            Tens os portugueses em má conta, olha que a grande maioria é trabalhadora, honesta e dedica-se à sua profissão.

        • Spoky says:

          Principalmente por um link com IP Grabber nos comentários não é @rjSampaio?

    • ToFerreira says:

      O quê?! Hoje em dia qualquer pessoa não tem mais que isso para gastar em telemóveis? É claro que é uma questão racional.

  4. OHS says:

    Eu dou ênfase à bateria, embora não descarte outras características dentro dos parâmetros razoáveis. Já tive um smart chinês bastante fluido que tinha uma bateria de 5000 mAmp que dava para dois dias. Nunca ficava preocupado em ficar sem carga durante a utilização diária…

  5. Minimalist says:

    Um bom Nokia 220 4g e mais nada!

  6. A.F. says:

    Cá em casa só se compra smartphones entre 140€ a 190€ e até agora nunca tivemos problemas para o uso que damos. Se tenho posses para comprar smartphones de 1000€, sim tenho, mas acho que o smartphones mais em conta fazem o mesmo que os outros. Mas cada um sabe de si e o que pretende da vida, e quanto a isso não critico.

  7. Mauro Rodrigues says:

    eu prefiro sempre qualquer tecnologia de topo, sejam telemóveis, computadores ou outras coisas. E 95% da população senão mais, iria preferir sempre o que o de melhor a tecnologia atual tem para oferecer. Estar limitado a tecnologia que é apenas mediana ou fraca é francamente frustrante. Existe sempre qualquer funcionalidade que falta para melhorar a vida dos cidadãos em termos de atingir objetivos pretendidos, seja aprendizagem ou criação de algo. Agora se as pessoas não conseguem pagar pela tecnologia de topo hoje em dia é outra história, ela irão quase sempre escolher o que conseguem comprar. Agora preferir sem limitações de dinheiro, irão sempre preferir sobre o que de melhor a sociedade tem para oferecer.

    • LR says:

      Cuidado, melhor não significa mais caro. Dai o termo overpriced: quando algo é demasiado caro para a qualidade/solução que oferece. Tal como mais caro não significa melhor, obviamente.

    • Hugo says:

      “Estar limitado a tecnologia que é apenas mediana ou fraca é francamente frustrante.”
      O grande dilema é saber se é a tecnologia ou tu que estão a limitar pois na esmagadora maioria das vezes o limite está no utilizador. Não digo que seja o teu caso obviamente, mas o que é certo é que toda a gente que conheço que compra topos de gama usa esse argumento, claramente falso.

    • Toni da Adega says:

      se é para melhorar a vida e fazer coisas sem limitações, nada contra a pagar 30 ou 40 mil € todos os anos por um PC.

    • ToFerreira says:

      Isso é falso. Assumiste uma premissa errada – “sem limitações de dinheiro”, que é algo que nunca se verifica. Por mais dinheiro que tenhas, tens sempre uma noção de gasto racional, assim como, por menos dinheiro que tenhas tens sempre compras “com o coração”. Esse pensamento de que “quem tem muito dinheiro compra sempre o mais caro” é errado e típico de gente pobre.
      Dizes que preferes sempre qualquer tecnologia de topo, mas isso também não é verdade. Compras sempre o de topo em tudo? Quando compras uma caneta, ou papel higiénico, compras de topo? Aposto que não, e não é certamente por falta de dinheiro para o fazer.

  8. Amilcar Alho says:

    E smartphones até 13/14 cm com área de ecran (quase) total e com processador da Qualcomm , alguém conhece?

  9. Vilna says:

    Haja dinheiro para gastar.

  10. José Fonseca Amadeu says:

    Não é “preferem”, simplesmente optam por smartphones abaixo dos 400 porque não estão para gastar acima desse valor.
    Eu “prefiro” smartphones a custo zero, a empresa que dê o smartphone, pague o pacote de minutes e plano de dados, há cerca de 15 anos que gasto zero em telefone e em telefones.

  11. O servente says:

    Eu tenho um S20 Ultra e tem zero a ver com vaidade, assim como MUITA gente tem topos de gama dentro de capas opacas (como a minha) e não consegues saber que modelo está lá dentro a não ser que sejas algo conhecedor. Logo eu e todos estes gastam muito dinheiro e não tem haver com isso.

    Eu quero os melhores ecrãs, câmaras, DeX e suporte, logo dificilmente tenho tudo isso na gama média ou baixa. E se posso, porque não?

  12. Rei David says:

    Eu prefiro um iphone pro max 512gb todos os anos so porque posso e adoro. E como lagosta todas as semanas, sao preferencias.

  13. jorge says:

    Não tenho nada contra com quem compra smartphones acima de 1000 euros, o que origina é que a cada ano que passa os preços vão subindo, e não é só a gama alta, eles sobem de preço porque ah muitos quem os compra, depois à aqueles que trocam todos os anos de topo de gama, essas pessoas todas é que estão a dar cabo do mercado e as marcas agradecem.

  14. wtvlol says:

    Conheço muitas pessoas que ganham o ordenado mínimo mas têm de comprar sempre o iPhone mais recente (>900€) senão “não são aceites na sociedade”.
    O mais engraçado é que depois não usam nem 1/4 das capacidades do telemóvel.

    O consumismo e vaidade são tramados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.