PplWare Mobile

Monorean… ou o método infalível de copiar nos exames


Autor: Vítor M.


  1. José Pires says:

    Até parece interessante.
    Funciona?
    Nao me parece.

    “Como exemplo claro dos cheques tecnológicos estão as atitudes de várias universidades que começaram a aplicar novas regras dentro das salas de aula, que proíbem o uso do dispositivo “vestível”, os afamados wearables, dos smartphones e dos tablets.”

    Mas

    “(…)Depois, tudo é ligado ou a um smartphone, que lhe permite travar uma conversa de “pergunta e resposta” ou a um leitor de MP3(…)”

    Ora, se os smartphones e afins sao proibidos, e em breve, ate os velhinhos relogios, como se conecta o dispositivo ao smartphone?

    • Vítor M. says:

      Se estiver tudo no bolso… nem para atender precisa de o retirar do bolso.

      É um nível de serviço e software fora de série!

    • So um gajo says:

      Sr josé Pires nunca ninguem me proibiu de ter o smartphone no meu bolso ou de tirar o meu moto360 smartwatch, era so o que faltava..Podera me dizer entao se e justo usar cabulas para fazer os exames e eu lhe respondo, alguem que nao tenha usado nunca na vida cabulas que se levante. Ainda para mais num pais onde o ex primeiro ministro tirou uma licenciatura a um domingo, poupe me.

      • Anónimo says:

        Estou cá, e não foi por falta de oportunidades.
        Chama-se ética, coisa que muito poucos sabem o que é.

        (E não, pela minha experiência não são só os calões que copiam. Quem quer ter excelentes notas 18+ também precisa de fazer o mesmo devido ao modo como os testes/exames estão feitos, em que favorecem muito a memória — algo em que uma cábula é infalível).

      • Az8teiro says:

        Pois a mim já me pediram para deixar o relógio e o telemóvel na mesa do prof.

        Se nunca te pediram é porque ainda não estás na universidade certo, quando lá chegares logo aprendes..

        Quem manda é o prof e ele tem a faca e o queijo na mão, ou fazes o que ele quer, ou no final ele dá-te a nota que também quer…

        • JJ says:

          “Quem manda é o prof e ele tem a faca e o queijo na mão, ou fazes o que ele quer, ou no final ele dá-te a nota que também quer…”

          Esta simples frase, mostra claramente como o sistema de ensino actual não é lá grande coisa.

          • K says:

            E não é. Aconteceram-me coisas bizarras na universidade que se me contassem eu próprio não acreditaria.

            90% dos meus professores universitários foram uma bosta para não lhes chamar pior. Ensinar não é com eles, dão-se ao luxo de dizer que dão 2h de aulas por semana e é demais porque detestam dar aulas, métodos de avaliação completamente ridículos e com taxas de reprovação as cadeiras deles de 99%. Em 400 gajos por ano são todos burros?

            Se tivesse tido um aparelho destes na altura em que lá andei, era com todo o gosto que o comprava e usava. O objectivo deles é manter-me lá o máximo de tempo a pagar propinas e o que está em jogo é o meu futuro – o numero que me é atribuído à saída determina o meu futuro e não é proporcional ao meu nível de conhecimento. O sistema não é justo do lado deles, porque é que eu haveria de jogar pelas regras?

          • Pedro Silva says:

            Eu nunca usei cábulas. Ando na universidade há 2 anos e nunca tive de deixar telemóvel em lado nenhum. Todos os comentários aqui são generalizados, falem por experiência própria e não pelos outros.

          • AP says:

            há quem acredite que fazer tudo o que se quer é democracia…

        • Duarte says:

          Isso não é bem assim, de o prof te dar a nota que quiser. Podes sempre levar o caso ao reitor, expôr a situação e pedir revisão da prova por outro professor, caso se justifique. Não é tarefa facil de fazer, senão todos os alunos o fariam por estarem descontentes com as notas que lhes são dadas.

          • Tiago Santos says:

            Não é fácil é depois ficar marcado na universidade.

            Porque é que as pessoas evitam enviar comida para trás nos restaurantes quando não está do seu agrado?! lol

            Nunca se sabe os condimentos adicionais com que poderás ser presenteado 😉

        • Ângelo says:

          Então para ti a versão Pro é a melhor. Fazes a ligação, deixas o blu-tooth ligado e sentas numa mesa que não esteja a mais de 10 metros do telemóvel. 😛

      • Fábio says:

        Não é com sentido de orgulho ou superioridade que digo que nunca usei nem nunca copiei. Apenas nunca o fiz por uma questão pessoal, quase como quando usamos cheats nos jogos passar de nível não sabe tão bem.
        Não julgo ninguem, porque se podemos dizer que não é ético copiar nos exames, também podemos dizer que muitos exames, ou outras formas de avaliar, em nada devem à justiça. Na faculdade vi varios colegas competentes em determinadas areas a chumbarem nas cadeiras que as representam e vi colegas sem competencias a passarem.

      • Ângelo says:

        Eu levanto-me, pois nunca usei cábulas nem nada equivalente. E não, nunca fui marrão (precisamente o oposto).

        Apesar de nunca ter sido aluno de 20s, também nunca fui de más notas. Na secundária era um aluno médio, na universidade era dos melhores da turma.

        Podemos achar que o sistema de ensino é uma treta, mas quem acha justificáveis as cábulas, são os mesmos que perpetuam esta cultura corrupta do nosso país.

      • m4x says:

        Estou levantado.

      • Maria Nunes says:

        Não sei em que escola anda, ou que atitude toma para bloquear um professor de fazer o que está legislado que deve fazer. Além disso, acha mal um 1º ministro ter tirado o curso ao domingo? Então não o use como exemplo. Se acha bem, tire o pó a uns livros de ética e reconfigure-se…

    • Pedro says:

      O equipamento funciona e bem, tanto imagem como som. http://www.cheattech.com

  2. G says:

    Isto é antigo… já ajudei um colega meu há 4 anos com algo do género.

    NEXT…

    • So um gajo says:

      e mais seguro que usar cabulas em papel, lembro me dum colega meu passar num exame com tinta ultravioleta na mao e braco, hj e director na MEO.

      • Pedro Torres says:

        É por isso que este país está onde está.
        Eu usei cabulas até ao ciclo, um miúdo até aos 15 anos não percebe a fundo a consequência dos seus atos, no secundário já não usei, e na universidade então estava completamente fora de questão, as consequências de se ser apanhado a copiar na universidade passam pela expulsão do estabelecimento. Não foi isso que me impediu de ser o melhor aluno do ano (entre todos os pólos do instituto) e receber um prémio de mérito do ministério da educação.

        • JJ says:

          Hoje em dia, faz-ses tudo sem recorrer a manuais, tutoriais, pesquisa ou outras coisas do género?

          Quando estavas na escola não usas-te cabulas, e agora no teu dia a dia, não usas “cabulas”?

          Se fores programador, quantas linhas de código tens que são standard para aplicares em projectos diferentes, mas que tenham a mesma função? Será que isso não será considerado uma cabula? Ou escreve sempre esse código em todas os teus projectos?

          PS: Não estou aqui a defender que se deve copiar os testes!

          • Pedro Torres says:

            Curioso, não é que sou mesmo programador 🙂

            Há coisas que se devem saber, há outras que não precisas de saber aprofundadamente. É muito bonito usar a analogia do programador que copia código para chegar ao resultado, mas um programador tem de saber de cor a sintaxe da linguagem, ou quando estas a programar e precisas de printar algo na consola vais ao google?

            Imagina um médico que depois te analisar, vai ao google procurar qual é a medicação recomendada para ti. Ou um enfermeiro que antes de te injectar vai ao google perguntar qual é a dosagem indicada para um paciente como tu.

            Temos de ter bom senso, a escola é o sitio indicado para desenvolver a memoria, não vamos agora acabar com a educação da memória só porque temos o google.

      • samuel says:

        Eu comprava mas tinha de ter uma câmara para um cúmplice meu fazer o exame em casa e depois passar.

  3. FFerreira says:

    Como sempre, quem tem dinheiro tem mais vantagens que o comum mortal!! Não sei como se arranja dinheiro para este tipo de projectos..

    • Gerardo says:

      Estudar tem alguma correlação com o mundo real? Não. Pesar? Sim

      Quando pedes a um arquitecto para desenhar uma planta, exiges que ele não consulte nenhuma bibliografia? Que faça tudo de cabeça?

      Quando se pede a um programador para desenvolver uma aplicação, corta-se-lhe a internet? Exige-se que só use algoritmos e funções que saiba de cor?

      Como alguém já disse, o sistema de ensino tem de ser remodelado, de forma a premiar os inteligentes e não os papagaios.

      • JJ says:

        +1

        A maneira que são feitos os testes, não fazem sentido nenhum.

      • Carlos says:

        Nem mais, para que e que tenho que “decorar” se no mundo real tenho acesso a isso tudo. O importante é saber usar a informação que temos. Eu gosto bem de copiar.

        • JJ says:

          Não uma questão de copiar, digo eu.

          Antes será utilizar aquilo que já existe e aprender, explorar, aplicar e melhorar nas mais variadas situações, que talvez anteriormente não tinham sido pensadas.

          Antigamente era assim que se aprendia e evoluía, utilizando o conhecimento das pessoas que nós rodeiam.

          Se assim não fosse, seria complicado pessoas de determinadas áreas, terem inventado coisas para outras áreas completamente distintas…

      • Daniel says:

        Um programador precisa de saber desenvolver algoritmos, não me venham com m3rd#s ! Se as programações de alto nível oferecem outro conceito e outro método de desenvolvimento onde as funções básicas já estão feitas isso é diferente.

        Isso que dizes é treta, um estudante precisa sim de saber fazer funções e saber o funcionamento e a lógica de alguns algoritmos importantes, só assim existe melhoramento e aperfeiçoamento de alguns.

        Isso é treta meu amigo, engana-te com isso mas não enganes os outros…

        • Gerardo says:

          Claro que tem se saber fazer algoritmos e fazer funções. Não tem de saber algoritmos nem funções de cor. Acabaste de me dar razão. Um estudante tem de ser testado para ver se sabe construir programas recorrendo a algoritmos e funções e a paradigmas. O facto de saber a função X ou o Algoritmo Y de cor em nada muda o facto de ser um bom ou mau Eng. Após alguns anos de prática é natural que cada vez mais coisas vão sendo decoradas.

          • Daniel says:

            Eu não sei que tipo de exames é que tiveram durante o curso, eu nos meus exames de programação tinha problemas basicamente lógicos, onde os erros de sintax eram ignorado (salvo alguns importantes obviamente). A lógica era testada, o melhoramento do algoritmo e pequenas nuances eram avaliadas, não era se sei sei converter uma string para inteiro… Conceitos de programação devem ser avaliados, recursividade, alocação e gestão de memoria etc, etc. Obviamente que em programações de alto nível isso passa ao lado, mas o básico precisa de ser avaliado.

            Não consigo ver é onde é que um aluno precisa de ir buscar informação sobre como usar ToString por exemplo.. ou um Convert, ou seja la o que for. Se os professores avaliam sintax em detrimento da lógica do algoritmo, então sim, eu também copiava…

            Tive colegas que depois de 3 anos de programação ainda não sabiam usar correctamente um for e um while, e sim, esses eram os que copiavam…

        • JJ says:

          Logicamente tem que se saber a lógica das coisas.

          Mas, um programador mesmo sabendo a lógica, não irá fazer determinadas coisas repetidamente. E não irá saber tudo sobre determinada linguagem de programação.

          Agora sabendo a lógica aprende outras coisas, naturalmente.

  4. zeze says:

    Estão tão atrasados no tempo ppware, isso ja existe pelo menos a 3 anos. Não tão sofisticado com botões para carregar como este, mas o efeito é o mesmo.
    Por isso, já não é novidade 🙂

  5. Ricardo Gaio says:

    Era porreiro para o “Quem Quer Ser Milionário”!

    • So um gajo says:

      para isso basta usar um chip dentro da pele que responde a um estimulo ou mais consoante a resposta. mas em Portugal n da mto dinheiro, no estrangeiro talvez.

    • Vítor M. says:

      Olha… 🙂 essa utilização iria dar que falar 😀

      E nem precisavam de levar nada, só o auricular e alguém a assistir com o resto 😀 e será que algo assim nunca foi usado?

      • Az8teiro says:

        Procurem no youtube. já foi tentado alguém do publico a dar sinais a quem lá estava e chegaram ao topo.

        Foi no estrangeiro, mas não sei como isso ficou.

        • Ri-me says:

          Foi na Inglaterra, tinha visto o documentario sobre isso no youtube. O concorrente tinha ajuda de um outro concorrente que estava a espera da sua vez para jogar. Ajudava-lhe com tossindo xD

          Tiveram que devolver o que ganharam

  6. JJ says:

    O mais curioso é que certamente os criadores deste produto, foram na altura malta que costumava de recorrer a “auxiliares de memoria” nos testes.

    Ou seja, não foi por usarem esses auxiliares que não aprenderam alguma coisa.

    Será que ter positiva num teste é significativo que se sabe a matéria? Que vai ser um bom profissional?

    Na minha opinião devia-se reavaliar o tipo de ensino que é praticado actualmente.

    Parabéns para quem desenvolveu o projecto.

  7. Dr Silva Correia da Pinta says:

    Caro PPLWARE, muito atrasados, existe outro chamado http://www.spycheatstuff.com mais barato e a funcionar… Pelos vistos os ppl do ware estudava muito… noobs…

    • Vítor M. says:

      Mas nunca estamos atrasados, este é mais recente 😉 o outro tem tecnologia de 2013, provavelmente este acrescenta algo mais 😉

      • Dr Silva Correia da Pinta says:

        Acrescenta 200€ desnecessários 🙂

      • fanfarrao05 says:

        Vitor M. vai me desculpar , amigo . Mas não é pq o produto foi lançado em 2015 que é mais moderno que um lançado em 2013. Isso indica apenas que é mais recente. E esse é o caso. O produto de 2013 da spycheatstuff traz exatamente todas as características do monorean , e muitas coisas a mais.
        A saber :
        – programa embutido para guiar o passo a passo do usuário.
        – módulo mais bonito e mais durável
        – não é necessário bluetooth ( ou seja não expõe o usuário,caso o prof faça uma busca simples por sinal bluetooth)
        – possui 8 GB expansíveis no próprio módulo
        – não é necessário celular o que torna mais compacto e com menos fios e menos gambiarras , logo mais discreto
        -vem com camera HD , coisa que o monoren nem passa perto.
        – software para encaminhar as imagens por email.
        – possui acessórios extras para amplificar o sinal
        – possui maleta para transporte
        – é praticamente o mesmo preço 600 euros ( do monorean) x 700 euros ( do spycheatstuff) que vem com camera embutida.

        Resumindo o Monorean é mais recente , porém é uma cópia de um modelo que já existe faz tempo e mesmo existindo há tempo ainda é melhor, tem melhor custo benefício ,vem com câmera HD em tempo real e tem várias vantagens que o monorean não tem.

        Ou seja, Spycheatstuff >>>>>> Monorean ( overpriced).

    • Roberto says:

      SpyCheat… eu tenho um e são de má qualidade

      • Tio Carlos says:

        Ou… não o sabes usar 🙂

      • fanfarrao05 says:

        a versão top com camera HD , e módulo próprio da de 1000 a zero no monoream que nem módulo proprio tem . Sem falar nos quesitos a mais que eu já citei ( amplificador , guia , menos cabo, maleta , preço , mais sóbrio e bonito etc).
        Tecnologia do spycheat é mais moderna , mesmo sendo de 2013 e monoream de 2015.

        Spycheatstuff tem um melhor custo-benefício.

  8. Nuno Sousa says:

    A geração de licenciados com licenciaturas de 3 anos já está uma desgraça, agora com equipamentos destes, vamos ter licenciados que não conseguem mais do que o 9 ano….

    Miséria.

    • So um gajo says:

      uma desgraça porque? Nunca tivemos tantos licenciados, ou voce e daqueles que pensa que so quem tem diploma e inteligente? Eu estou a acabar o meu curso de engenharia mas digo lhe que mais de 50% do que aprendi foi em livros, net por mim porque ha profs que se estao a lixar simplesmente. Programacao no iscte por ex e uma vergonha, n ha um prof de jeito.

    • JJ says:

      “geração de licenciados”… tudo o mundo é licenciado, para depois fazerem o mesmo que outros que não são.

      Como as coisas estão, qualquer dia até as empresas de limpezas, só recrutam empregados licenciados em “Limpezas de Ambientes Habitáveis”.

      Porque pegar no pano do pó, não é para qualquer um…

    • zizi says:

      O problema não é a duração das licenciaturas, o problema é que muitas são quase dadas, tanto no privado como no público. Umas porque não têm dificuldade, ou seja qualquer pessoa que não sofra de nenhum atraso mental é capaz de as tirar em 3 anos, outras são mais dificeis mas fazem-nas fáceis, outras porque os docentes são obrigados a passar muitos alunos e outras porques os docentes só estão ali para ganhar dinheiro.

      A a3es ainda devia fechar muitas mais licenciaturas e mestrados.

      Quando um licenciado ou mestre faz n cadeiras sem ir ás aulas e sem fazer exame, basta pagar um jantarzinho para incluir o nome nos trabalhos de grupo de CINCO pessoas e nem há defesas de trabalhos…
      É normal haver muitos licenciados.

  9. zeze says:

    A diferença deste para o outro, é que este com botões para andar para a frente e para tras nas gravações, e é a bateria.
    Mas o mais antigo tem os mesmos componentes que a versão PRO e custa 1/4 do preço deste novo 🙂

  10. Francisco Sotto Mayor says:

    300 € Para passar a disciplinas sem aprender nada da matéria? Para mais tarde no mundo do trabalho aplicar o que sabe ( que é = 0 )? Fiquem lá com o aparelho que eu guardo os meus 300€ e vou estudar 😉

    • JJ says:

      Tendo em conta os funcionários existentes em muitas empresas e a situação económica de empresas e estado, leva a conclusão que ainda antes de existir este tipo de equipamentos, muitos tiram cursos e sabem 0!

      Por isso, não é o facto de copiar ou não, que vai determinar se a pessoa sabe ou não sabe a matéria.

      • Az8teiro says:

        Mas secalhar sabem 0 e tiraram cursos sem gastar 300 ou 500 ou 1000€ extra.. Mas são opções.

        Como secalhar há quem esteja a fazer o mesmo trabalho que eles sem sequer ter curso superior (poupou 20 ou 30mil eur em propinas e afins), e não signigica que não faça um trabalho melhor.

    • YaBa says:

      +1
      Depois “cá” fora são um zero, com diploma, mas um zero 😉

  11. Décio Machado says:

    Se há pessoas que não gostam do pplware… Porque raio vem aqui?

    Esses aparelhos que tanto falam nos comments são de 2013…

    Estes apresentados pelo pplware são mais recentes e trás inovações…

    Desculpem dizer… Mas existe gente igno…..

  12. Carlos Santiago says:

    Olá… então já vai assim? 😀

    Não fazia ideia de tal evolução ‘científica’ no estudo!!!

    As coisas que aprendo.

  13. Az8teiro says:

    Primeira questão, no último parágrafo: estes métodos NÃO são ilícitos? não ? não são? tenho dúvidas.

    Segundo: há cadeiras da universidade que os professores obrigam a colocar tudo o que seja dispositivos, telemóveis, e até alguns relógios em cima da secretária do prof no anfiteatro. podes sempre refilar com o prof ou dizer que não pões, és livre, tal como o prof te pode dar um 5 no exame quando tinhas resposta para 18. É a vida e a escolha é tua.

    Quando os estabelecimentos de ensino entenderem que esses objectos estão a ser realmente usados, colocam um jammer de frequências na sala. E relembro que já foi usado por professores meus em salas que estavam a decorrer exames um jammer para redes GSM, ou seja entravam na sala e deixava de haver rede de telemóvel, fosse qual fosse, jammer para bluetooth também existe e custa 10 ou 20€.

    A partir daqui torra dinheiro quem quer, e não vejo este aparelho como infalível, diria até bastante falível, é um gadget dos filmes do 007 em que tudo funciona porque é suposto funcionar. Se alguém quiser que não funcione, ele não funciona. E portanto não vejo nada de novo além de um artigo refinado e todo pipi.

  14. Paulo says:

    Bom dia.
    Gostei de ler alguns comentários.
    O resumo é “não é preciso estudar quando se é aluno porque se vai estudar quando se é trabalhador”.

    PORREIRO PÁ.
    Digam isso ao neurocirurgião (espero que nunca precisem de um) quando ele estiver a olhar para os miolos de alguém. Ou sendo menos dramático, quando o processamento de salários berrar digam ao pessoal que ainda não resolveram porque estão a “reunir informação”. O meu banco não recebe em “reunir informação”. Recebe em dinheiro e na data mas deve ser mau feitio dele. E o dentista não me trata “a aceder à net”. É ao vivo e a cores, com os instrumentos adequados na mão.
    Passando a um ponto mais sério.
    Os exames nacionais são um dos instrumentos mais democráticos da nossa sociedade.
    Não interessa o estrato social ou financeiro, a raça ou o género, as opções de vida ou politicas.
    Naquele momento, o aluno tem de mostrar à sociedade que sabe o que esta lhe exige para avançar para o nível académico seguinte ou para outra fase da sua vida nessa sociedade.
    Qualquer instrumento que perverta isto está a perverter a igualdade de oportunidades que tantos dizem defender, está a reduzir a necessidade desse individuo na sociedade a que pertence.
    Mas se querem ser inúteis encartados, façam favor. Mas longe, de preferência.

    Antecipando argumentos:
    A preparação para o exame faz diferença? Faz.
    O ambiente familiar do aluno faz diferença? Faz.
    Muitos mais factores fazem diferença na preparação para um exame.
    Portanto o sistema é injusto? É.
    Têm melhor? Pois … só para cábulas.

    • JJ says:

      “Têm melhor? ”

      Sim… existe sistema(s) melhor(es)… é basta pensar um pouco para perceber isso.

      A sociedade evoluiu até hoje, não foi a custa do sistema actual de ensino! Se formos analisar a historia dos maiores génios e inventores do mundo, na maioria dos casos eram aqueles que não eram “grandes” na parte académica, ficaram “grandes” depois de serem génios.

      Isto acontecia, porque eles dedicavam a sua vida aquilo que gostavam.

      Actualmente com o sistema de ensino, dificulta a vida a maioria das pessoas para dedicarem a sua vida aquilo que realmente gostam.

      Não falo de áreas como a medicina, visto que a medicina é das áreas académicas mais antigas da sociedade.

    • Carlos says:

      Tens noção da quantidade de porcaria que o neurocirurgião teve que ler que não lhe serviu para nada durante a operação?

      Eu sou a favor de se aprender a lógica, e não a história por de traz da lógica.

  15. Roberto Leal says:

    Se eu fosse Professor punha um jammer no centro da sala sempre 🙂

  16. Pedro says:

    Uma questão meus amigos, os discos externos vão estar isentos da lei da cópia privada?

  17. fakir says:

    Por 300€, mascaro-me de examinado e faço o seu exame. Barato, eficiente e com resultados garantidos ao longo de 10 anos de experiência.

  18. Sergio J says:

    Quando há 20 anos andei na universidade havia professores que propunham testes de consulta.Claro que o grau do teste aumentava exponencialmente. Alguns dos users daqui deviam passar pela experiência. Talvez a seguir mudassem de opinião, acerca de testes de consulta. Mas o mais estúpido é que para eles não há um problema ético de o teste ser feito em cooperação com um colega(s).
    Relativamente ao numero de licenciados, estamos a atingir o ponto de maturação. Nos recém licenciados/primeiro emprego, mais importante que o facto de ser licenciado, será onde foi feita essa licenciatura. Não estou a dizer que é o ponto mais importante para o emprego, mas será um aspecto preponderante.

  19. zizi says:

    Há 3 anos um equipamento semelhante mas sem micro e que ligava o “emissor” por indução ao telemóvel por jack custava cerca de 25€ no ebay.

    Copiar é uma arte, pelo menos em e.s.Públicos de qualidade, assisti a anulações de exames e sempre felicitei os abilidosos capazes de encontrar e usar soluções deste e de outros tipos.

    Qualquer nabo sabe imprimir umas frases numa folha com letra tamanho 7 ou 8.

  20. Alex says:

    Preço bastante acessivel com o mesmo efeito

  21. DoubleM says:

    Por acaso foi algo que pensei há uns 10 ou 15 anos atrás. Devia ter registado a patente 🙂

    Mas a ideia era um pouco diferente.. Não se usava Smartphone mas sim um sistema de phones e câmara discretos que transmitia directamente para alguém que estivesse próximo (a algumas centenas de metros).

    Simplesmente quem estava do lado de fora, via as perguntas e ditava as respostas.

    • YaBa says:

      Que curso/disciplina?
      Serviu-te de algo? Quando estiveres no mercado de trabalho, não te passa pela ideia que se calhar irás precisar dos conhecimentos que o teu amigo te transmitiu e tu não aprendeste pq tinhas outro recurso?

      Só curiosidade…
      E espero que não seja medicina, senão vais ser mais um daqueles que só receita ben-u-ron e ibuprofeno…

  22. Pedro says:

    Esses aparelhos para copiar nos exames já são bastante usados. Isso no olx custa 20 ou 30 euros, não é preciso estar a pagar esses valores. De que adianta fazer os exames se depois quando formos trabalhar não soubermos nada de nada?

  23. JoãoC says:

    Alguem já experimentou os que estão à venda no olx? é mais barato, mas funcionam? Aparecem vários desde 30 euros, chaman-se auriculares invisíveis. Num dos anúncios dizia que dava para experimentar antes de comprar, mas não sei…

  24. Daniel Isidro says:

    Agora as salas de aula têm de ser equipadas com sistemas de EMP para descarregar durante os exames, blindadas electromagneticamente e ainda terem sistemas de jamming de sinal de telecomuncações!!
    Ora ai está um nicho de mercado para se apostar no futuro!! 😛

  25. Pedro says:

    Desculpa…
    Mas encontrei isto por acaso….
    Tenho um sistema destes que comunica por audio e tira fotos e é inteiramente .. ….ESPETACULAR….
    Funciona perfeitamente, as fotos são muito boas…
    Tenho me safado bem na Faculdade assim…
    Claro não é sempre que eu uso… Ha que saber alguma coisa…. É o que eu sempre digo, copiar sim mas estudar também 🙂

    Mas não é nenhuma destas marcas indicadas acima, foi um amigo meu que me indicou.

    Ficamos sempre receosos por dar um dinheiro tão grande e sermos enganados, mas neste caso não fui, graças a Deus..

    melhor de tudo há sempre atualizações do sistema que eles envia por email para instalarmos no equipamento,

    Foram 800 euros mais bem gastos que eu ja tive…. em 5 dias já tinha o equipamento.

    E essa treta de detectarem o bluetooth é só chachada… depois de conectado o bluetooth ele estando emparelhado com o telemovel não é reconhecido mais o sinal do equipamento.

    Olha recomendo para quem estiver no sufoco a marca da http://www.cheattech.com

    se alguém quiser ver a qualidade das imagens só dizer que eu envio

  26. AP says:

    geração yuppie… não conseguem concentrar-se numa tarefa, querem resultados rápidos sem esforço… vamos por um lindo caminho.

  27. Marcos says:

    O equipamento funciona e bem, tanto imagem como som.
    http://www.pinganilloparaexamenes.com/

  28. ANA says:

    e se nos meterem num auditório onde nao tens acesso nem á internet nem rede ???? haaaa isso voces nao pensam… que é o caso já em muitas faculdades!

  29. Manuel says:

    Alguém pode me indicar um equipamento que trabalhe a 100%, pois comprei umas câmeras chinesas que não prestam para nada. Não sei onde procurar…

    • Carlos says:

      Deixo aqui a minha opinião… Os equipamentos que vem da China são umas B@#@#@, também comprei dois, são baratos mas não fazer o trabalho que deve ser.
      Destes sites todos acima o único que tive resposta foi o referenciado nos comentários o CHEAT TECH.
      Estou mesmo contente, antes de comprar tive uma demonstração pessoalmente junto dos colaboradores do site, vi como trabalhava e a qualidade das imagens que o equipamento capturava.
      Gostei muito da qualidade, 1000 vezes melhor que dos equipamentos Chinês.
      Também tive a oportunidade de experimentar um áudio invisível sem fios, uma coisa de outro mundo, ouvia tudo somente usando uma esfera dentro do ouvido, nunca vi coisa parecida, completamente imperceptível a qualquer outra pessoa.
      Em fim depois da demostração fiquei satisfeito com tudo…
      Comprei um equipamento câmera de 8 Mega Pixels é um Audio destes de esfera.
      Um investimento caro porém com resultados. Valeu a pena… Vamos dizer .. já tive frutos deste investimento… E no futuro vou usar mais vezes quando a oportunidade chegar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.