PplWare Mobile

Hyperloop: Elon Musk quer atingir metade da velocidade do som

Tomás Santiago

Tenho 19 anos, sou do Porto e adoro tecnologia! Estudo Ciência de Computadores na faculdade de Ciências da Universidade do Porto e escrevo para o Pplware.

Destaques PPLWARE

54 Respostas

  1. Vitor says:

    Sinceramente não faço ideia se a maioria das ideias destes “lunáticos” irá um dia ser uma realidade prática,mas foi precisamente através de “malucos” destes que a humanidade atingiu grande parte daquilo que é hoje…nuns casos para o “mal” (principalmente em termos de armamento nuclear) mas,na maioria dos casos,em benefício das pessoas e do seu conforto e modo de encarar a vida! Que estes continuem e que apareçam mais da mesma estirpe…

    • MárioDias says:

      A ideia não é dele, esta ideia ja foi masi do que falada à mais de 100 anos. por alguma ração ela não vingou.

      • MárioDias says:

        *razão

      • lol says:

        porque a 100 anos nao tínhamos a tecnologia?

        • MárioDias says:

          tínhamos sim, os princípios são os mesmo a tecnologia é a mesma, e os problemas também. os problemas são tão grandes que se um tubo não aguentar a infraestrutura toda é destruída.

      • David Guerreiro says:

        Tal como os carros elétricos. Antes da Tesla aparecer, as marcas tradicionais já tinham tentado e faziam carros que davam 40km/h e 50km de autonomia. Assim que a Tesla apareceu e revolucionou, começaram logo todos a trabalhar nisso. Antes não vingou, agora já vinga…

        • Sujeito says:

          Isso não é verdade. A tesla simplesmente apareceu numa altura em que já não existe oposição à energia eléctrica motorizada e que até é apoiada, agora, pelos lobbies.

        • Sérgio J says:

          Lol. Ha muito que as empresas tradicionais têm estado a trabalhar nisso. Mas elas têm um nome a manter e dar lucro. No podem arriscar num falhanço. Neste momento todas elas têm apresentado carros sob a forma de concept para que haja um certo distanciamento aos carros produzidos por ela. A Tesla teve o merito de apresentar o primeiro verdadeiro carro comercial electrico. Mas tinha vantagem de nao ter um nome a arriscar. Mas apresentou carros num gama de valores muito altos. Agora que tem de produzir um carro de massas está com dificuldades Por outro lado socorre se sob a almofada tecnologica e da sea o luxo de terpejuizos a trás de prejuízos. No mundo das tecnologias todo o investidores procuram o próximo El Dorado e não se importam de esperar.

      • Toni da Adega says:

        Leonardo Da vinci inventou o Helicóptero no séc 15 mas também não vingou.

  2. censo says:

    Enquanto houver financiadores disponíveis e que não reclamem por lucros.

  3. Cucureal says:

    “…viajem de cidade em cidade a cerca de 6174 km/h.” Foi erro? A ideia é viajar a cerca de metade da velocidade do som! Assim seriam cerca 6 vezes mais, certo?

  4. Olá. Não é erro. Esse é de facto o objetivo com o Hyperloop. Mas atingir essa velocidade ainda não é possível. Para o teste que vai ser feito em breve, o objetivo é atingir metade da velocidade do som.

    • MárioDias says:

      mas este é um erro e dos grandes: “conceito de transporte de alta velocidade idealizado por Elon Musk” esta ideia tem mais de 100 anos, ele não idealizou nada só a copiou.

      • Jorge Santos says:

        O Hyperloop foi o conceito idealizado pelo Elon Musk.

        • Sujeito says:

          Não é verdade.

        • MárioDias says:

          o conceito do hyperloop é meter um comboio num tubo de vácuo para não tem atrito ao ar, e voilá 100 anos antes disseram a mesma coisa.

          • Rui Ribeiro says:

            E um tubo de baixa pressão, não é um tubo de vácuo. Mas a inovação está na forma como ele propulsionado, com base em electro imans e com uma turbina na frente para dispressar o ar em torno do veículo para criar a “almofada” de ar e evitar o contacto com o tubo. É (suficientemente) diferente do conceito anterior. Além disso trás também o conceito de cargas rápidas em movimento, carregamento com base em paineis solares de todo o tubo, todo o processo de entrada e saída dos tubos e toda a gestão inerente a ter pequenos “pods” a alta velocidade. Pessoalmente não vejo grande futuro devido aos problemas de segurança que este tipo de instalação trás, mas não deixa de ser interessante.

  5. miguel says:

    alguem me pode enviar o link de alguma prova dada por este hyperloop??
    é que sinceramente tudo o que eu vi sobre isto é uma verdadeira TRETA

    • Gonçalo says:

      se ainda esta em desenvolvimento queres ter uma prova do que ??
      tens ai os videos de varios testes ja feitos

      • miguel says:

        LOL ja estao em testes ha muito tempo, aquilo é uma farsa. basta ver que sem ar, nem atrito aquilo nao anda porcaria nenhuma, anda tanto como um 50 dos velhos… depois se acrescentar a efeciencia energetica, pior mais vale encerrar.

        • jose says:

          Oi? o atrito que se fala é aquele causado pelo ar, não é o das “rodas”. há alguns videos com os testes que têm feito. Como deves imaginar, escavar um tunel de Kms onde exista vácuo não é tarefa simples nem rápida

          • MárioDias says:

            O teste que fizeram foi: carrugem em cima de um carril fora do tubo. Tipo magnleve. Os vídeos que se vê são de dois anos diferentes em que companhias e universidades metem as suas cápsulas em teste. uns com pressão atmosférica normal e outra com uma pressão atmosférica nem a metade do vácuo. e que mesmo assim demora 45 a 1 hora a retirar algum do ar. e a maioria das cápsulas nem motor ou qualquer outro meio de locomoção que esta entregue a um pequeno carro eléctrico. e o teste que vão fazer é de meter um tesla “despido” dentro do tubo. O que vai acontecer é que o carro vai partir aquilo tudo e depois dizem que não têm mais dinheiro e abandonam o projecto. e ainda vai existir alguns crentes que vão dar milhoes de dolares para nada. Se fores a net vais ver que a equipa de design é maior que a equipa de engenharia. já por ai diz muito da fiabilidade de um projecto de engenharia.

  6. Rui Afonso says:

    O besidróglio… uma coisa é ser possível / executável, outra bem diferente é ser um meio de transporte viável e rentável.

    • Gonçalo says:

      ir daqui ao algarve em meia hora acho que diz tudo

      • Joao says:

        Não diz nada! Sem o factor custo na equação a viabilidade é totalemnte desconhecida.

        • carlos says:

          1 bilhete para atravessar o Atlantico será inferior a uma actual viagem de comboio de lisboa ao Porto.

          • MárioDias says:

            Mentira vê o preço de construção de 1km e multiplica isso pelo numero de km. Aquilo é só um tubo de metal com juntas de dilatação e um motor para fazer vácuo, e vê o preço estúpido.

          • Rui Afonso says:

            Só um de vários pormenores: é suposto dentro do tubo existir subpressão e um tubo nessas condições debaixo de água, é receita para o desastre pois é precisamente o que não se quer! Logo o tubo/túnel teria de ser debaixo do oceano devidamente enterrado. Não sei se percebe o que isso quer dizer em termos de custo…. E diz-me que custará mais barato que uma viagem Lisboa – Porto??

          • MárioDias says:

            @Rui Afonso o problema é mais complexo do que isso, como tu dizes-te é o tubo estar em vácuo. se tivesse enterrado debaixo do oceano teria que aguentar a pressão atmosférica+ pressão da profundidade do oceano + peso da rocha ou lama por cima dele. só um aparte o hyperloop de 1km é o 3º maior camera de vacuo do mundo. vejam quais são as outras duas e vejam a complexidade de fazer coisas em vacuo e o dinheiro que cada uma custou. Mais uma dica, nenhuma delas metem seres humanos lá dentro. Só para verem que eles não sabem o que andam a fazer, um dos primeiros problemas que deviam ter atacado e não sabem solucionar é a humidade, eles continuam com humidade dentro dos tubos que os esta a enferrujar .

      • Rui Afonso says:

        Se custar o triplo ou quadruplo de uma viagem de avião, se calhar não diz nada! Aliás, diz tudo…

  7. Miguel Silva says:

    Ele sempre teve falta de ambição, neste momento to já devia estar a apontar para o dobro da velocidade da luz…

  8. TugAzeiteiro says:

    Já está em construção no Dubai… irá fazer Dubai – Abu Dhabi em previsivelmente 12 min. De carro demora 1h30 e está previsto ser inaugurado em 2020.
    Também não esquecer a “boring company” que será semelhante mas de baixo de terra e para veículos.
    Clonem mas é o homem para ver se isto avança realmente um pouco mais…

    • Sujeito says:

      Estás um pouco enfeitiçado. Estão a construir algo que ainda não está desenvolvido, é sempre boa ideia.

    • Rui Afonso says:

      Aliás, o nível de vida lá é “quase” semelhante ao nível de vida no restante mundo…
      Lembra-se de um transporte que era uma mochila com foguetes??? Também era o melhor transporte que existia no mundo… aliás é coisa que se vê por aí “aos pontapés”…
      Quando este homem supostamente desaparecer numa qualquer volta ao mundo em iate, ou algo do género, então aí é que eu quero ver.

  9. Pedro says:

    Pelo que li, o Richard Bransson comprou uma parte substancial da Hyperloop, que agora de chama Virgin Hyperloop One.
    Portanto já não são propriamente concorrência.

  10. Jota Pe says:

    “(…) Musk pretende que a sua cápsula atinja metade da velocidade do som e que trave em segurança, após percorrer 1,2 km. (…)”

    O que o homem disse, foi “Upgraded SpaceX/Tesla Hyperloop pod speed test soon. Will try to reach half speed of sound (and brake) WITHIN ~1.2km.”

    within
    wɪðˈɪn/Submit
    preposition
    1.
    inside (something).
    “the spread of fire within the building”
    synonyms: inside, in, within the bounds/confines of, enclosed by, surrounded by
    “within the walls of the prison”
    2.
    not further off than (used with distances).
    “he lives within a few miles of Oxford”

    Isto seria traduzido como “atinjir metade da velocidade do som (e travar) em/no espaço de 1.2 km

  11. Fábio says:

    “De facto, o Hyperloop deverá permitir que as pessoas viajem de cidade em cidade a cerca de 6174 km/h.”

    6174???

    • Vítor M. says:

      The sound propagates in the air at a speed of approximately equal to 343 m/s, or 1225 km/h. The supersonic plane, Concorde, is able to pass the sound barrier and thus make London – New York in three and a half hours. But Elon Musk wants Hyperloop to be even faster, that is, to move at a speed over 6174 km/h. (Hystonic Speed 6174 km/h – 12348 Km/h).

  12. Marcos says:

    Eu como brasileiro fico orgulhoso de saber que vai ter uma sede dessa empresa no meu país, com toda certeza será um grande avanço tecnológico.

    • MárioDias says:

      Tu como brasileiro devias estar triste em saber que dinheiros públicos do vosso pais estão a entrar nesse projecto que não vai dar em nada.

      • Vítor M. says:

        Esta deixou-me a rir. Espera lá que tu e eu e mais uns milhões de portugueses podemos rir, basta falar no caso do BES e Novo Banco para dar uma barrigada de riso.

        • MárioDias says:

          Sabes que com o novo IRS podes escolher em que banco vai os teus impostos. Como se diz tristezas não pagam dividas; por isso eu riu-me para ver se vou pagando algumas dividas dos bancos.

          • Vítor M. says:

            Não tens hipótese, as dívidas dessas instituições são hermafroditas, reproduzem-se por si só, são macho e fêmea com Desejo Sexual Hiperativo (DSH). Poderíamos estar num canto da Europa rico, com um nível de vida superior a alguns países nórdicos dito “os mais evoluídos da Europa”, temos quase tudo para isso, mas não temos cultura, principalmente não temos quem nos conduza a esse estado. Temos uma país fantástico em termos de recursos hídricos, em termos de recursos agrícolas, em termos de recursos energéticos, em termos de qualidade atmosférica, em termos de segurança… mas falta o mais importante… juizinho.

      • Marcos says:

        Pelo fato de usar dinheiro público eu fico preocupado mesmo, o meu país tem histórico de corrupções a níveis estratosféricos kkkkkk

  13. jaugusto says:

    Pois… os preoblemas são para ser resolvidos com trabalho e inteligência e não com bocas e tal “não vale nada blá blá…”
    Os foguetões reutilizaveis demorarm tipo quase 10 anos até serem uma realidade na spacex e já agora puxo a bras á minha sardinha – linux:
    https://lwn.net/Articles/540368/

    • jaugusto says:

      *problemas
      *puxo a brasa

    • MárioDias says:

      Ora uma boa verdade, Inteligência que ninguém está a utilizar. Mesmo que consigam e acredito que consigam meter uma carruagem dentro de um tubo ir de um ponto A a um Ponto B a 10km financeiramente não vai ser viável. Alem dos riscos para os humanos. Tenta pesquisar o que acontece a um corpo humano no vácuo. Tu achas que com uma ideia com mais de 100 anos já não teriam aperfeiçoado as coisas para termos já à pelo menos 30 anos um comboio a andar a 1000km
      e só conseguiste por um comboio a 545km/h num trajecto que é muito pequeno.

  14. Cortano says:

    Eu já oiço falar destes tubos há bastantes anos!
    Um dos problemas que sempre ouvi falar é, caso seja usado com humanos, como atenuar o impacto da aceleração e travagem nos passageiros.

  15. Miguel Silva says:

    Se fizessem um em volta do planeta bastava atingir a velocidade de fuga (“escape velocity”) que já nem era preciso levantar o pod 😉

  16. Ruy Acquaviva says:

    Não existe uma definição clara do que seria esse Hyperloop. Há várias propostas em relação ao sistema de propulsão (elétrico, magnético, pneumático, etc) e sustentação (trilhos, levitação magnética, fluxo aerodinâmico, etc), bem como sua aplicabilidade (como veículo urbano ou interurbano) .
    Em comum as propostas tem apenas a ideia dos veículos se deslocarem em tubos de vácuo (ou pelo menos baixa pressão). Essa proposta parece bem futurista e se adequa a vários conceitos da ficção científica lembrando os tubos pneumáticos por onde transitam os personagens dos desenhos “Os Jetsons” e “Futurama”. Mas o fato é que justamente essa ideia é a menos prática e menos factível. Tubos de vácuo (ou baixa pressão) são infraestruturas imensamente caras e são sujeitas a falhas catastróficas com risco imenso aos passageiros, principalmente quando se fala em altíssimas velocidades. Nenhum sistema, por mais sofisticado que seja está imune a falhas, no caso do Hyperloop com as pessoas presas em cápsulas pressurizadas ultravelozes dentro de tubos sem ar, qualquer falha,mesmo que rara, implicará em uma tragédia terrível.
    Quando eu comento isso algumas pessoas fazem comparações com os avões de carreira, que são também ultravelozes e pressurizados, além de se deslocar a maior parte do tempo em grandes altitudes onde a pressão é muito baixa. Mas atente-se para os seguintes fatos que tornam os dois sistemas completamente diferentes. Os aviões são grandes veículos operados por pessoas altamente especializadas e com monitoramento em terra. No caso do Hyperloop as cápsulas são pequenas, não há tripulação e as pessoas ficam presas não apenas dentro da cápsula, mas também dentro do tubo. As cápsulas correm a poucos centímetros das paredes desses tubos, qualquer mal funcionamento que leve a cápsula a se chocar com as paredes desses tubos irá gerar um impacto explosivo com seres humanos presos entre ferragens dentro de um tubo de difícil acesso e sem ar. No caso dos aviões há bastante espaço livre e margem para manobra dos pilotos e instruções dos controladores de voo. Além disso o sistema de Hyperloop precisa ter muitas cápsulas nos tubos para ser economicamente viável, as distâncias entre elas teriam que ser imensamente menores que as distâncias entre as aeronaves comerciais, apesar das velocidades envolvidas serem semelhantes.
    Não quero estragar as fantasias futuristas dos amigos, mas essa proposta do Hyperloop me parece ser muito menos factível que os veículos de levitação magnética como o alemão MagLev e mesmo esses sistemas encontram diversas dificuldades técnicas que estão sendo superadas mas exigem grandes investimentos. Acho que os bilionários “superstars” citados no post fariam melhor em investir nesses sistemas e outros menos espetaculares como as ferrovias tradicionais, mas nesse caso não teriam tanta atenção da mídia, o que me parece ser a verdadeira intenção atrás desses projetos.

    • MárioDias says:

      Obrigado por este post que consegue explicar por alto os problemas do hyperloop. Só acrescentar que quanto um avião cai só as pessoas desse avião morrem. No caso do heyperloop se algo acontecer as cápsulas ou aos tubos toda a infraestrutura colapsa devido ás grades forças que estão presentes do sistemas. No caso de um acidente o provável era ter que se construir toda a infraestrutura novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.