Quantcast
PplWare Mobile

E se pudéssemos gerar electricidade a partir de um vírus?

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Mário Sousa


  1. nelsonjma says:

    brutal, pode ser que daqui a uns anos de para ir carregando as baterias dos carros só a custa do movimento.

    • eduardo says:

      Isso já acontece com as baterias da maioria dos carros, por outra tecnologia. E a energia gerada com este método é insignificante para o que é gasto num carro

      • “E a energia gerada com este método é insignificante para o que é gasto num carro”
        A pensar assim nunca se vai chegar a nada não ? É um começo, hoje temos 1/4 de uma pilha pequena… amanhã podemos já ter uma pilha das grandes.

        • Pedro says:

          Não confundir tensão com potencia ou energia!

          Embora a tensão seja realmente 1/4 de uma pilha, a energia produzida não se compara.

          Uma pressão aplicada neste virus equivale a 0,0000000024 W.

          Ou seja, para corresponder a 1 pilha com cerca de 2 Wh de energia, era preciso 800 milhões de horas a pressionar o piezolelectrico 😀

        • eduardo says:

          Não é 1/4 duma pilha, é um 1/4 da tensão duma pilha AA. Se olharmos para a potência aparente em Volt-Ampere o sistema dá cerca de 2,5 nVA. Seriam necessários milhões horas para carregar uma pilha pequena!
          Com um carro de 75 cavalos gera aproximadamente 55kW, que para o efeito podemos dizer igual 55kVA. Isso dá mais de 20E+12 vezes maior potência, por isso insignificante!
          Já há quem ande a tentar materiais piezoelectricos em carros, muito mais eficientes que este, e mesmo assim só conseguem gerar na ordem de 5W, o que tb é quase nada!

          • nelsonjma says:

            Olhem para o que pode oferecer amanhã não agora.

          • eduardo says:

            @ nelsonjma
            há limites teóricos para a energia que consegue “colectar”. Só cerca de 5% da energia consumida num motor comum é dissipada directamente nas rodas.
            Pela lei da conservação da energia, esse torna-se o limite de energia que alguma vez se poderia colectar… na realidade será bem mais pequeno que isso pois as rodas realizam trabalho mecânico e dissipam energia doutras formas que nunca poderiam ser “colectadas” com este sistema!
            Por isso será sempre uma quantidade pequena vs o que é gasto.
            Seria necessário aumentar imensamente a eficiência energética de todos os sistemas do automóvel para que se possa sequer considerar como uma fonte interessante, mas será sempre pequena, há muito mais energia a ser gasta noutra parte do automóvel.

        • Marcelo Barros says:

          Teoricamente não é possível produzir energia suficiente com o movimento do carro para alimentar o próprio carro, pelo menos segundo Einstein.
          Mas actualmente a quem contraria Einstein, através da energia quântica e pode que isso seja possível.

          Estou a falar do que ouvi falar por alto.

          Corrijam se estiver errado.

    • Fernando says:

      A bateria já é carregada através do movimento (através do alternador)

  2. eduardo says:

    muito interessante!
    teria sido bom indicar a fonte da informação para ser mais fácil aprofundar o assunto

    • Mário Sousa says:

      Eduardo, não foi uma fonte foram várias fontes e fui fazendo a minha lógica e junção de ideias. O artigo apresentado tem como fonte final o meu pensamento.

      • eduardo says:

        Indicavas pelo menos uma delas pois o que escreves é o trabalho de um grupo de pessoas não o teu, e as declarações que transcreves vieram de algum sítio! Se te deste ao trabalho de dar um link para o que é “piezoeléctrico”, tb não seria complicado colocar o link donde surgiu a informação mais relevante.
        No mínimo punhas a página do grupo científico…
        Cientificamente e mesmo jornalisticamente era o mais correcto

        • Mário Sousa says:

          eduardo, penso existir alguma confusão. Não reclamo de forma alguma os créditos de ter criado uma tecnologia que, com virus, permite gerar electricidade.

          Como claramente se pode ler ao longo do artigo, com texto original meu, anuncio a proeza e informo sobre todos os créditos da descoberta e no final ainda remato com a homepage do Lawrence Berkeley National Laboratory – que por sinal foi sendo uma das fontes como deveria ser óbvio.

          Por outro lado, penso sinceramente que se tivéssemos de colocar links de todos os sites e fontes onde nos inspiramos para escrever textos originais e muitas vezes com ideias próprias então não nos chamariamos PPLWARE mas sim AGREGADORWARE. Não parece haver qualquer razão para todo este alarido à volta de um problema que à partida não existe. Parece isso sim excesso de zelo, mas é somente a minha opinião.

          • eduardo says:

            meu caro, o texto pode ser teu mas fazes citações de declarações e forneces informações que claramente vieram de algum lado!
            Pega em qualquer notícia dum jornal e as fontes relevantes são sempre mencionadas. É dar crédito, é de bom tom e permite avaliar melhor a informação prestada! É em si mesmo informação relevante.
            Quanto ao site indicado é do “Lawrence Berkeley National Laboratory” que tem centenas de grupos nas mais variadas áreas. É tão fácil encontrar lá a informação como fazer a pesquisa no Google!

            Pelo o que escreves fica-se a pensar que o trabalho vai ser publicado em Maio próximo, mas em Maio de 2012 já saiu uma publicação na Nature, fica-se sem saber se há alguma coisa nova ou só confusão de datas… se houvesses fontes era mais fácil de perceber

          • Mário Sousa says:

            fico com a impressão que entretanto com este novo comentário foi mudado o rumo ao que se quis criticar primeiramente…mas se calhar é só uma impressão e como ao texto não se pode dar tom, nunca o saberei…

            Para terminar, porque já se trata de uma discussão obsoleta e sem sentido na medida em que não contribui em nada para o conhecimento dos demais a não ser «lavar roupa suja» em público, gostaria de afirmar que desconheço qualquer lei, protocolo, procedimento, norma e afins que me obrigue a indicar o que quer que seja quando se trata de um de texto meu.

            Tudo sempre esteve lá: autores da proeza, declarações e o site de origem da descoberta. Quem não quer ter trabalho ou gosta de criticar por que sim, então não há nada a fazer. Tenho dito.

          • Mário G says:

            Esta gente é “pobre” (de espírito) e ainda por cima mal agradecida, porra! Obrigado pela notícia e pelo trabalho que deu a compilar.

          • ARCDOS says:

            Mário Sousa, concordo plenamente. Ninguém procurou minimamente tirar o crédito a quem quer que fosse. Não vamos ser mais papista que o Papa.
            Parabéns por todos os artigos e divulgações.

  3. Slyder says:

    Excelente ideia, resta saber agora se as baterias estariam adaptadas ao carrega e descarrega constante (sim melhoradas em relação às atuais) e naturalmente a voltagem..

    No fundo, uma vez aperfeiçoada, basta correr uns km’s e temos bateria no telemovel haha 😀

    • Marzkor says:

      “resta saber agora se as baterias estariam adaptadas ao carrega e descarrega constante (sim melhoradas em relação às atuais) e naturalmente a voltagem.”

      As baterias lítio não viciam, o que as vezes acontece são os controladores funcionam incorretamente.

  4. André Sousa says:

    daqui a uns anos:
    “tou sem bateria no tlm, oh fonix”.
    “ja sei…”
    “atchimmmmmmmmm”
    voila…carregado

  5. pixar says:

    Colcando umas “passadeiras” destes vírus numa autoestrada é que era produzir electricidade.

  6. Sociedade lucrativa says:

    Daqui a uns anos??

    Se não tivéssemos uma sociedade tão concentrada em gerar lucros……

    Cada um de nós com:
    -uma bicicleta em casa
    -alternador
    -baterias
    -e mais uns acessórios

    todos os dias a pedalar uns 30 min poderíamos gerar muitos Watts para nos auto sustentar…e não pagar à empresa fornecedora….além do bem que fazia à saúde.

    Mais…para quem está desempregado, uma parte do dia a pedalar, poderiam ganhar algum a vender energia para a rede.

    Os nossos recursos estão muito mal aproveitados.

    • pixar says:

      Esse ainda é outro problema.
      Na verdade eu naõ posso produzir electricidade para o meu consumo. Posso produzir para vender à EDP ou outra, mas não posso consumir directamente. Isso já acontece com as microgerações. A menos, claro, que esteja a uma distência da rede de distribuição que não permita o fornecimento pela empresa distribuidora.
      Mas, melhor do que a bicicleta, poderiamos fazer com um alternador feito por nós. Não é preciso muito dinheiro nem um curso superior em electrotecnia para fazer um alternador eólico de 1000W de potência. Tempo, paciência e algum jeito para bricolages já são necessários…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.